História Indie Boy - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Flex, Jikook, Namjin, Vhope
Visualizações 107
Palavras 2.455
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Droubble, Ecchi, Esporte, Famí­lia, Festa, Fluffy, Hentai, Lemon, LGBT, Lírica, Literatura Feminina, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - The Night We Met


Fanfic / Fanfiction Indie Boy - Capítulo 4 - The Night We Met

 

 

   

☁ The Night We Met ☁

 

❃ And then I can tell myself (E aí eu posso dizer a mim mesmo)

What the hell I'm supposed to do (O que eu supostamente tenho que fazer)

And then I can tell myself (E aí eu posso dizer a mim mesmo)

Not to ride along with you (Não ir até você) ❃

 

 

Meus pensamentos foram interrompidos pelo meu celular vibrando. Olhei e era um número desconhecido, estranhei, mas logo vi as mensagens. Era o Taemin, tratei de adicionar ele e o responder.

   

    Taemin

    Oi, eu só consegui te mandar mensagem agora, acabei de voltar da pequena festa. Meu irmão tava comemorando uma vitória no último jogo.

    Enfim, eu esqueci de dizer que é o Taemin, o maluco cantor da rua.

 

Jungkook

Oi maluco cantor da rua, pelo menos você canta bem.

Como foi a festa?

 

    Taemin

    Um saco, o meu irmão estava um porre e nem disse o porquê, só começou a quebrar as coisas por aí, a testosterona resolveu atacar.

    Então eu prometo esbarrar mais vezes com você.

 

Jungkook

Eu vou cobrar, com toda certeza.

E ele não te disse nada sobre estar todo irritadiço?

 

    Taemin

    Não, meu irmão se fecha quando tem um problema, eu quase nunca consigo ajudar  *cries*

    Mas eu estava falando sério, vou começar a dar aula de dança como estagiário na sua escola, então eu vou encher seu saco um pouquinho.

 

Jungkook

Oh, isso é muito legal.

Mas eu acho que você não vai me ver muito, eu passo quase todo tempo numa oficina de artes.

 

    Taemin

    Mas o meu trabalho é na oficina de artes.

 

Jungkook

Sim, a nova.

Existem duas e a que está abandonada eu uso pra ficar depois na escola pintando. A vista de lá é bem mais bonita e inspiradora, digamos.

Mas às vezes eu realmente faço as oficinas de arte, que dizer, eu ainda sou bem inexperiente.

 

    Taemin

    E eles deixam você ficar lá? Tipo, não é proibido?

 

Jungkook

Pra mim não, digamos. Meu pai entrou em um acordo com o diretor.

 

    Taemin

    Isso é muito legal.

    Você tem uma área sua na escola

    Vai ter me me levar lá algum dia.

 

    Mordi os lábios, nervoso. Eu nunca tinha levado ninguém além do Tae e o Jimin lá. Eu sentia que era meu lugar seguro e eles podiam fazer parte de lá porque era meus porto seguros também, mas depois do que aconteceu com o Jimin, não tenho certeza que quero levar alguém tão fácil assim pra lá, eu não quero deixar meu porto seguro com mais memórias ruins do que já tem lá. Isso machuca.

 

    Taemin

    Jungkook?

    Ei, acho que fui rápido demais, desculpe. Deve ser um lugar especial pra você, eu não quis me convidar assim, só me empolguei.

    Quando você quiser me levar você me leva, tudo bem? Se não quiser levar também não leva, eu respeito seu espaço.

 

    Li e sorri que nem um bobo, ele era muito atencioso e isso fez com que eu sorrisse sozinho. A quanto tempo eu não faço isso?

 

Jungkook

Obrigada e desculpe, é só que é meu lugar sabe?

Mas obrigada por entender.

Eu tenho que dormir, amanhã tem aula.

Boa noite, Taemin, até amanhã.

   

    Escrevi até amanhã porque eu realmente gostaria de conversar com ele amanhã e eu com certeza o chamarei quando estiver no recreio ou algo parecido. Acho que eu estou no início de algo bom. Eu com certeza não vou deixar essa história com o Jimin me abalar, aposto que é isso que ele queria. Me ver apaixonado por ele pra depois me humilhar. Eu só não entendo aquela noite em especial, porque ele disse todas aquelas coisas sem sentido, talvez devaneios de alguém que bebeu muito, mas eu também estava tão bêbado quanto ele então não era uma mistura perfeita pra que alguém retirasse algum entendimento dessa história depois.

    Coloquei meu telefone na cabeceira e tentei ler o livro que o professor me recomendou e acabei adormecendo.


 

    ~•°❆°•~


 

    – Eu só tô dizendo que o comeback deles foi fraco, aceita isso. – Namjoon dizia enquanto roubava batatinhas da bandeja do namorado. Taehyung bufou.

    Terminei meu pudim enquanto via o decorrer a discussão, eu tinha certeza que Taehyung ia jogar alguma coisa nele, ele sempre faz isso quando está sem argumento. A verdade é que eu não faço ideia do que porra seja EXO, mas aparentemente é uma banda, a banda favorita do Taehyung que o Namjoon é um fã também, mas aparentemente Namjoon-hyung não tinha gostado do comeback – que é tipo uma estreia no mundo do k-pop – da banda e Taehyung defendia com unhas e dentes sua banda favorita.

    – Jin, diz pro seu namorado se retirar da mesa, agora. – Taehyung disse, exaltado. O Kim mais velho riu.

    – Você leva essa banda a sério demais, Tae. – Me pronunciei jogando minha bandejinha de pudim no latão perto da gente.

    – Como se sentiria se alguém falasse do seu Mozart, em, alternativo de meia tigela? – Ele se virou pra mim revoltado. Ri.

    – Aceitaria a opinião alheia, não é todo mundo que tem que gostar do que você gosta. – Disse, dando de ombros e atacando meu sanduíche.

    – Aish, você é muito maduro. – Bufou, nós rimos.

    A conversa acabou levando outro rumo a partir daí e eu acabei me distraindo, eu olhava pra porta azul do refeitório e imaginava alguns desenhos que poderiam ser feitos ali, logo mais eu já estava com o meu caderno desenhando e alheio a conversa e ao mundo. Eu não gostava muito de fazer isso, sinceramente, já que eu aprecio muitos os momentos com os meus amigos e queria estar presente, mas quando uma ideia surge na minha cabeça eu tenho que colocar ela no papel, já que minha cabeça parece que não para, um segundo, então é melhor não arriscar perder qualquer ideia.

    Foi quando a porta do refeitório se abriu enquanto eu olhava pra ela, desenhando os detalhes da mesma. Não liguei muito pra porta se abrindo, já que eu estava focado na parte de cima, então não fazia muito diferença a porta mexer ou não. Só que eu pude avistar uma cabeleireira morena que eu conhecia muito bem. Meus olhos rolaram pra baixo e lá estava ele, me encarando, aparentemente surpreso. Eu juro que não conseguia entender ele.

    Não quis ficar mantendo contato visual, já que seria prejudicial pra cada pedacinho de mim depois, então passei os olhos em volta e me arrependi amargamente. Lá estava ela, Seulgi, a líder de torcida e a garota mais popular da escola, de mãos dadas com o Jimin, coisa que eu nunca pude fazer. Tranquei o maxilar, tenso. Eles estavam mesmo desfilando por aí de mãos dadas? Qual é a dele em?

    Meus olhos não conseguiam tirar os olhos deles, que foram pra mesa dos jogadores e ela se despediu dele com um selinho – achei nojento, não vou mentir – e foi até a mesa das líderes de torcida. Ele se sentou de uma forma de eu ainda pudesse enxergar seu rosto, e ele me encarava a cada dois segundos. E eu sabia que tinha que parar de olhar pra ele e precisava muito me distrair, então peguei meu celular e mandei uma mensagem pro Taemin, pra me distrair e eu definitivamente não queria mais pensar no Jimin, deu de sofrer já.

 

 

 

    – Com quem você tanto conversa aí? – Taehyung disse, sorrindo malicioso. Desliguei o telefone rapidamente o colocando em cima da mesa.

    Eu sabia que Taehyung desconfiava que eu era gay ou algo assim, mas eu ainda não estava pronto pra falar sobre isso abertamente, apesar de saber que meu amigo não é preconceituoso, também porque ele é gay também, tem isso, mas eu só não queria falar sobre isso, não é fácil. Eu sempre me senti fora do normal por gostar de garotos e agora eu estou descobrindo que isso é normal, eu tenho que me preparar, apesar de que eu sentia que todos naquela mesa ali sabiam. Eles nunca usavam pronomes de tratamento masculinos ou femininos, eram neutros como “amorzinho” ou “paixonite”, então eles desconfiavam, eu tinha certeza.

    E outra, meu melhor amigo adora um escândalo com qualquer coisa, imagina se ele acha que eu tenho um crush em potencial universitário, pronto eu vou ouvir pro resto da minha vida.

    – Estava falando com a minha mãe. Só isso. – Disse, pegando meu caderno de rascunhos e terminando algumas coisas que eu ainda tinha inspiração da porta do refeitório, como eu disse, me distrai, perdi a ideia.

    – Você é um péssimo mentiroso. – Disse, bufando. – Qual é, Kookie-ah, tem alguma coisa acontecendo, você não vai me contar mesmo? – Ele disse, fazendo um biquinho triste. Eu fiquei com dó e quis contar sobre o Taemin, mas aí eu teria que contar sobre o Jimin e eu ainda não queria falar sobre isso, mas não queria mentir. Então, o silêncio ainda era a melhor opção.

    – Eu juro que não é nada demais, ok? Eu vou te contar logo, só preciso processar. – Suspirei, massageando a testa. Taehyung suspirou também. – Que tal a gente fazer uma reunião lá em casa? Meus pais vão estar fora esse final de semana, meu pai tem uma exposição na Europa. – Disse, tentando desviar o assunto. E me distrair com os meus amigos vai ser bom.

    – Gente rica é outra coisa né? Exposição na Europa, vê se eu posso. – Jin resmungou, rimos. Ele sempre brincava com os meus “white people problems”, já que ele era bolsista na escola, mas não que ele fosse pobre, ele vivia normalmente e era inteligente pra caramba, já que essa é uma das escolas mais rigorosas do país. – Vamos levar quem?

    – Vamos levar quem sempre vai. – Namjoon deu de ombros. – Vou mandar mensagem pro Yoongi. – Ele rapidamente pegou o celular e mandou mensagem pro nosso amigo universitário de cabelos azuis.

    Como a gente conheceu é uma história engraçada, eu vou contar pros meus netos com toda certeza. Mas não é uma história pra agora.

    – Eu posso levar Hoseok? – Taehyung disse, nervoso. – Eu não quero convidar ele pra sair, tipo, num encontro antes de virarmos amigos e essas coisas, quero fazer tudo certinho. – Disse, com cara de cachorro abandonado. Eu que não vou dizer não pra essa carinha fofa.

    – Claro. – Sorri, pequeno e levantei. – Como a gente não tem mais aula, já sabem onde me encontrar. – Juntei minhas coisas e coloquei meus fones. Eles sorriram pra mim e eu retribui o sorriso, saindo com as minhas coisas em mãos logo depois.

    Deixei o aleatório me surpreender com uma música no caminho e eu só pude chegar a conclusão de, que desde de ontem, meu aleatório está contra mim. Só podia ser. Começou a tocar The Night We Met do Lord Huron e isso me fez lembrar de mais coisas que eu estava tentando esquecer com todas as forças.

 

    “– Okay, até que você é bom mesmo nisso. – Disse, alto, enquanto dançávamos. Ri. – Mas quero ver mais que isso, remexe as cadeiras, Indie Boy. – Disse, chacoalhando o quadril de forma engraçada. Ri e o imitei. Jimin riu e pegou um dos meus pincéis da mesa, vindo dança comigo logo após. – You twist so good. – Cantou, enquanto dançava.

    – Twist so good. – Fui até o “microfone” e cantei fazendo careta, Jimin riu.

    Ele pegou minha mãos e fez eu dar uma voltinha e depois segurou minha mãe lá no alto com a sua e me olhou cantarolando mais uma parte da música, ri bobo com sua interpretação.

 

    – Eu acho que eu tô virando um Indie Boy também, ninguém me segura. – Jimin foi até o celular e pausou a música. Fui até ele e o abracei por trás, deitando a cabeça em seu ombro.

    – Tá, então vamos dar espaço pra esse Lion aqui escolher uma música pra gente dançar. Me surpreenda. – Disse, rindo. Jimin sorriu e pegou seu celular empolgado. Quando ele ligou a tela pude ver que sua tela de bloqueio era um álbum de Mozart, sorri, eu realmente estava transformando ele num Indie Boy.

    – Ok, vai pra lá, é surpresa. – Ele disse, empolgado. Sorri e foi até onde nós estávamos dançando antes, perto da janela que tinha vista pra quadra. Alguns segundos depois um som suave começou a tocar. Uma mulher aparentemente cantando suavemente um “uuuu”, algo assim.

    Jimin veio até mim com a mão nas costas e a outra estendida pra mim. Um homem começou a cantar, ainda de maneira suave e então eu peguei sua mão e ele a sua mão que estava nas minhas costas na cintura e eu coloquei a minha em seu ombro e começamos a andar por aí, improvisando nossa própria dança. E estava maravilhosa, modéstia à parte.

    – O nome dessa música é The Night We Met. – Ele disse, sorrindo enquanto ainda íamos pra lá e pra cá. – Eu sempre gostei dessa música, queria dar um significado pra ela. Acho que consegui. – Disse, sorrindo. Jimin soltou sua mão da minha e colocou na minha cintura, coloquei a mão livre em seu outro ombro. Levei minhas mãos até sua nuca e entrelacei seus ombros aos meus braços.

    – Que significado? – Disse, sem tirar meus olhos dos seus. Jimin sorria e eu não podia deixar de sorrir, afinal quem não ficaria contagiado com esse sorriso?

    – Você já é uma significado bem grande por si só, mas eu acho que o momento, eu acho que eu vou guardar esse momento e lembrar sempre que eu escuto a música e isso é a melhor parte de ouvir música, te trazer coisas boas. – Disse, pensativo. Fiquei bobo com aquelas palavras, eu estava pronto pra soltar um suspiro apaixonado pela décima vez no dia.

    – Você vai me mandar essa música porque eu quero lembrar toda vez que eu escutar também. – Sorri pra ele. Jimin inclinou a cabeça e iniciamos um beijo calmo e… apaixonado, eu diria. Seria muito iludido eu dizer isso? Não sei, depois daquela noite minha vida parece ter citado de cabeça pra baixo mesmo. Não que eu estivesse reclamando, não enquanto eu pudesse me perder na confusão chamada Park Jimin.”

 

    Suspirei e respirei fundo. Eu odeio ficar lembrando dessas merdas e ficar todo confuso. Eu gosto tanto dessas memórias, eu me sentia tão feliz de um jeito único e olhando agora, elas parecem mentira, todas elas. Mas muita coisa aconteceu nesse mês, não é como se eu pudesse apagar assim, bem que eu gostaria.

    Bufei e troquei de música, indo até antigo estúdio. Tratei de pegar meu lápis logo, eu estava com uma ideia na cabeça desde hoje cedo, não queria que se perdesse em algum lugar desse meu cérebro bagunçado.

 

 

 

 

 

☁ I don't know what I'm supposed to do (Eu não sei o que eu supostamente tenho que fazer)

Haunted by the ghost of you (Assombrado por seus fantasmas) ☁

 ❃ Lord Huron - The Night We Met ❃



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...