1. Spirit Fanfics >
  2. Inesperadamente Esperado >
  3. Chanyeol falando

História Inesperadamente Esperado - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Oi gente, tudo bem?

O de hoje é especial porque eu tentei fazer um ponto de vista mais pessoal pra dar uma sensação de visão mais ampla dos sentimentos do Chan, espero que gostem kdusks

Como estamos de quarentena, eu gostaria de recomendar a vocês a assistirem ao programa The Return of Superman. Infelizmente os gêmeos saíram em 2017/2018, mas as famílias que estão até hoje são bem divertidas também. Vou deixar o Link de um vídeo do ano passado em que eles apareceram para conhecer uma das crianças.

Só isso

Boa leitura!

Capítulo 7 - Chanyeol falando


Fanfic / Fanfiction Inesperadamente Esperado - Capítulo 7 - Chanyeol falando

Chanyeol

 

Fazia uma semana desde o dia em que fiquei cuidando dos gêmeos. Meus dias de folga acabaram infelizmente, porém, minha rotina agora estava mais tranquila já que Kyungsoo e eu demos conta do trabalho que ficou atrasado devido a minha viagem. Então, foi uma semana tranquila, onde eu podia dormir durante a noite sem me preocupar em ir na cozinha e ver partituras, letras e edições pedindo para serem terminadas.

No entanto, foi uma semana um tanto triste. Mal tive sinal de Baekhyun e dos gêmeos. Quando Baekhyun ia os levar para escola eu ainda estava dormindo já que apesar de não abusar na carga horária, ainda trabalhava noturno da noite. E quando chegavam, eu já estava a caminho do meu trabalho. Só então notei o quão dependente eu estava daquela família.

Confesso que também tentei evitar Baekhyun. Desde o dia em que fiquei com as crianças e o senti deixar um beijo em mim, me sentia confuso. Eu estava completamente apaixonado por ele, isso era fato, porém, sabia que a vida de Baekhyun não fácil e sabia que ele não teria tempo para um relacionamento com a vida tão corrida.

No entanto, meu coração parecia não compartilhar a ideia com meu cérebro, já que insistia em bater feito louco ao se lembrar da sensação tão aconchegante dos lábios de Baekhyun tocando minha pele. Além de me dizer que talvez, talvez, Baekhyun sentisse o mesmo.

Claramente eu negava ao máximo meu coração. O mandava ficar quieto, que era impossível. Porém, já era incontrolável. Dentro de mim uma guerra acontecia, e isso me cansava e me deixava distante da família que eu já estava totalmente apegado.

No fim de semana, eu já não aguentava mais de saudades, e Toben parecia compartilhar do mesmo sentimento, já que ele estava tristonho pelo apartamento há pelo menos dois dias. Então, juntei coragem —por pelo menos vinte minutos— e liguei para Baekhyun.

—Oi Chan. —meu sorriso automaticamente surgiu ao ouvir Baekhyun soar tão alegre, como se estivesse feliz em receber minha ligação.

Foi suficiente para meu coração começar a se manifestar.

—Oi Baek. Como está?

—Estou bem, e você? Sim, é o Tio Chan. —pude ouvir ao fundo as vozes das crianças perguntando por mim.

Me sentia imensamente feliz em ter o amor daqueles pequenos tão preciosos. Eram crianças tão especiais que não conseguia me conter de amores por eles.

—Também estou. —respondi rindo fraquinho pela insistência dos gêmeos em quererem falar comigo— Eu liguei para saber se tem planos para hoje.

Tentei falar naturalmente mesmo estando terrivelmente nervoso. Baekhyun me deixava assim, e era estranhamente bom sentir essas coisas. E nesses momentos, meu cérebro se manifestava me lembrando que mesmo que eu morresse de amores por Baekhyun, era impossível esse sentimento deixar de ser platônico e unilateral.

—Não tenho. Só iria ficar em casa com as crianças. Por quê?

—Eu... Eu estava pensando se... Se você quer ir ao parque comigo. Podemos fazer um piquenique com os gêmeos e Toben.

Minha nuca parecia queimar de tão nervoso que estava. Eu passava a mão pela região tentando diminuir a sensação, mas ela só pareceu aumentar quando Baekhyun demorou pouco mais para responder.

—Seria ótimo. —Baekhyun respondeu com a mesma alegria de antes judiando do meu coração— Vou arrumar as crianças. Mas, preciso ir ao mercado antes para comprar as coisas do piquenique já que em casa não tem muitas coisas gostosas.

—Sem problemas, podemos ir todos juntos.

—Certo. Combinado então. Nos vemos em uma hora?

—Sim. —afirmei mais feliz do que achei que estaria— Até mais, Baek.

—Até, Chan.

Desliguei a chamada precisando me recostar no sofá de tão eufórico que estava. Apesar de tudo, estar apaixonado por Baekhyun era uma coisa boa, me fazia orgulhoso ter sentimentos por alguém tão bom.

Fiquei sorrindo para o nada por bons minutos antes de finalmente me levantar e ir me aprontar para sair com a família Byun/Lee.

Cerca de uma hora depois, eu já colocava a coleira e a guia em Toben pegando tudo necessário para sair com ele. Ouvi batidas leves na porta e sussurros não tão baixos no corredor. Meu peito se encheu de alegria genuína ao imaginar os pequenos planejando algo.

Sorridente, fui até a porta tendo a surpresa mais fofa do mundo ao ver os gêmeos de roupinhas combinando na minha porta —Seoeon usava um moletom com estampa e orelhinhas de urso pardo e Seojun de panda. Tinham sorrisos grandes quando grudaram em mim soltando gritinhos animados.

—Olhando a cena, parece que faz anos que não o vêem. —Baekhyun comentou risonho me fazendo o notar.

Estava lindo, para a surpresa de ninguém. O tempo não estava tão ruim, então Baekhyun usava apenas um moletom rosa clarinho com calças jeans e tênis. Simplesmente lindo.

—Eu também senti muitas saudades deles. —falei beijando as bochechas das crianças— Oi Baek.

—Oi Chan.

Baekhyun parecia estranhamente mais acanhado. Seus olhos dificilmente focavam em mim e ele parecia um pouco nervoso. Imaginei que estivesse passando por alguma situação no trabalho ou na escolinha dos meninos. Todavia, meu coração dizia que era por minha causa.

 Ah como eu me iludia sozinho.

Peguei Toben pela guia e deixei os gêmeos compartilharem a missão de levarem meu cachorro na frente. Baekhyun segurava as mochilas dos pequenos, então me ofereci para levar uma delas. Era uma cena engraçada, dois adultos com mochilas de dinossauros andando atrás enquanto dois garotinhos de quase quatro anos iam na frente sendo arrastados por um cachorro preto e peludo.

Fomos ao mercado antes. Toben não podia entrar, então eu fiquei fora com ele e Seojun que se ofereceu para fazer companhia enquanto Baekhyun e Seoeon se encarregaram de comprar nossa comida. Os outros dois demoraram cerca de quinze minutos para comprar tudo antes de aparecerem sorridentes e com várias sacolas. Fomos caminhando até o Parque, o que levou mais dez minutos devido a bagunça que os gêmeos faziam na rua na companhia de Toben.

Quando chegamos lá, Baekhyun —que é um filho da puta inteligente— se lembrou de levar um lençol grande para colocar no chão. Eu e ele ficamos responsáveis por arrumar tudo enquanto os gêmeos já corriam com Toben pela grama verde.

—Nem parece que há pouco tempo mal sabiam andar. —Baekhyun comentou. Os olhos vidrados na cena de Seojun correndo com Toben— Eles estão crescendo tão rápido.

Olhei para eles também. Nunca havia parado pra pensar se realmente queria filhos, mas, após conhecer Seoeon e Seojun, a ideia me parecia perfeita. Se tornou um sonho para mim. Então eu podia imaginar a felicidade de Baekhyun e a pequena ponta de melancolia ao ver as crianças crescendo e se tornando cada vez mais independentes.

—Posso imaginar como se sente.

Nós chamamos todos para comer. Deixei o potinho de Toben próximo aos gêmeos, que se sentaram bonitinhos para usufruírem da comida comprada. Estava sendo mais divertido do que eu pensei. Baekhyun e eu conversávamos e assistíamos os pequenos se revezarem entre comer, correr, cair, levantar e refazer todo o processo. Eu quase me sentia parte daquilo. E isso me deixava feliz da mesma maneira que escurecia meus sentimentos. Eles já eram uma família formada, não sei se teria espaço para mim.

—O que foi? —Baekhyun perguntou— Sua expressão mudou de repente.

Um sorriso um tanto melancólico surgiu em meu rosto.

—Fico pensando se um dia eu terei uma família tão bonita e amável como a sua. —confessei.

Baekhyun se calou por bons segundos. Não tive coragem de olhar, sabia que família não era um assunto o qual Baekhyun conseguia falar com facilidade. Mas, eu não conseguia me impedir de achar que sua família era linda e um sonho para qualquer um que quisesse formar uma também.

—Mas não é tão fácil quanto parece. É bem cansativo, frustrante e muitas vezes, faz com que eu tenha vontade de desistir de tudo. —soltou um suspiro profundo— Porém, é a minha família que me motiva a continuar e a criar forças e não desistir.

—Acho que isso é uma família de verdade. Uma família que tem problemas, mas que os resolve do melhor jeito possível.

Pude ver pelo canto dos olhos Baekhyun manear a cabeça.

—Você é maravilhoso, Chan. Eu sinceramente espero que forne uma linda família. —Não respondi. A fala de Baekhyun pareceu mecânica e um pouco amarga, e eu também não queria outra família.

Ficamos em silêncio por alguns minutos, apenas observando os pequenos e comendo. Era confortável e agradável estar com Baekhyun daquela maneira. Estranhamente, apesar de sermos tão diferentes, eu me sentia compreendido quando nós tínhamos conversas como essa.

—Oh Sehun. —Baekhyun falou de repente quando um rapaz passou a nossa frente.

O rapaz parou e olhou para os lados procurando quem proferiu seu nome e sorriu ao ver o Byun sentado a meu lado.

Era um rapaz bonito. Pouco mais baixo que eu, tinha traços bem marcados, harmoniosos e másculos. O corpo de uma proporção beirando a perfeição e um sorriso doce que deixava seus olhos como pequenas curvas. Lindo.

Confesso ter me sentido desconfortável com a ideia dele ser próximo a Baekhyun. Ciúmes nunca foi algo que eu me orgulhei em sentir, mas era quase inevitável quando o tal rapaz era um dos homens mais bonitos que já vi.

—Oi hyung. Que coincidência te ver por aqui. —o rapaz falou contente se abaixando até sentar por completo do outro lado de Baekhyun.

—Realmente. Achei que estivesse viajando para algum lugar para tirar fotos.—Baekhyun comentou. Parecia feliz em ver o rapaz.

—Cheguei ontem de manhã. Hoje eu estou de folga, então decidi passar um tempo no parque. —contou sorrindo— Hey, crianças! —gritou atraindo atenção dos pequenos que ainda corriam como se tivessem bateria infinita— O tio Hun tá aqui.

Os pequenos vieram em passinhos desgovernados até darem um abraço rápido no rapaz e logo voltarem para a atividade de antes.

—Eles parecem bem entretidos com o cachorrinho. De quem é? Seu? Finalmente decidiu atender aos pedidos deles?

—Ah não, é do Chanyeol. —Baekhyun me lançou um breve olhar ao dizer meu nome. Foi suficiente para meu coração acelerar novamente. Era estranho ser tão suscetível a alguém.

—Ah, você é o tão falado Chanyeol. —o rapaz falou com um sorriso um tanto estranho no rosto. Baekhyun pareceu ficar nervoso— Sou Oh Sehun. Trabalho como modelo, principalmente para a Lumin.

Acabei arregalando um pouco meus olhos com a informação. Fazia total sentido Sehun ser modelo com tamanha beleza.

—Sou Park Chanyeol, vizinho do Baek. —falei simpático— Falam muito de mim?

—Oh sim. —pude sentir certa malícia na voz de Sehun. Sua aparência era séria, porém parecia que era apenas uma fachada já que ele aparentava ainda ter o comportamento de um adolescente— Minseok-hyung falou de você e Baekhyun comentou algumas coisas.

—Oh sério?!

Novamente meu coração bateu forte. Minha mente já imaginou mil e uma cenas em que Baekhyun falava de mim e o que ele falava de mim. Novamente a guerra dentro da minha mente se instalou onde o lado que dizia que ele apenas comentava casualmente sobre o vizinho brigava com o lado que insistia que Baekhyun deveria ter um mínimo interesse em mim.

—Sim sim, eu ouvi algumas coisas a seu respeito. Minseok-hyung disse que—

—Falando nele, acho que vou chamá-lo para vir aqui. —Baekhyun cortou a fala de Sehun.

Estranhei o comportamento do Byun, claro. Normalmente Baekhyun era um bom ouvinte. Porém, diferente do esperado, Sehun sorria grande ao invés de estar chateado com a interrupção.

—Hyung, sei que é mais velho, mas é rude interromper os outros.

Eu pude sentir o cinismo na voz de Sehun. Baekhyun pareceu sentir o efeito dobrado já que semicerrou os olhos e lançou um olhar sério para Sehun.

—Vou chamar Minseok para vir. Aposto que ele vai vir correndo quando saber que está aqui. —Dessa vez, Baekhyun sorriu de um jeito que eu nunca tinha visto. Apenas um lado de seus lábios subiu, dando origem a um sorriso afrontoso que o deixava fodidamente charmoso.

Soltei um suspiro discreto com a cena.

Sehun pareceu sem graça com a menção do Kim. Apenas respondeu qualquer coisa e levantou-se dizendo que iria ficar com os gêmeos.

—Ele e Minseok são completamente apaixonados um pelo outro, porém estão nesse chove não molha faz anos. Eu estou tentando não me meter, mas está cada vez mais irritante ver que é recíproco mas ambos tem medo. —Baekhyun contou.

Eu não soube o que responder. As palavras de Baekhyun pareciam ter um peso maior do que deveriam em mim. Por isso apenas assenti e olhei com muito prazer Baekhyun mandar mensagens para Minseok e rir gostoso quando disse que Minseok chegaria em poucos minutos.

Passados menos de vinte minutos, Minseok chegou. Estava ofegante e eu só pude sorrir compreensivo quando vi seus olhos se prenderem na figura de Sehun brincando com os gêmeos e Toben e eu e Baekhyun sermos completamente ignorados.

É, ele realmente estava apaixonado, assim como eu.

—Oi Minseok. —Baekhyun cumprimentou, malicioso.

—Ah Baekhyun, vai tomar no cu. —respondeu ríspido, porém seu olhar se tornou feliz ao me ver— Ah, oi Chanyeol. Baekhyun não me contou que estava aqui também. —dessa vez, Minseok soou pretensioso— Se soubesse, teria vindo mais rápido ainda.

Novamente eu não soube o que responder. Parecia que algo que eu não sabia estava acontecendo bem embaixo do meu nariz e eu não notava.

—Oi Hyung. Fico feliz em te rever.

Minseok sorriu para mim e se arrumava para sentar a meu lado, talvez na esperança de sentar e assistir a linda cena que era Oh Sehun, um super modelo, brincando como se tivesse a mesma idade que as crianças. Porém, seus planos foram frustrados por Baekhyun.

Baekhyun se esticou de onde estava apoiando uma das mãos em minha coxa enquanto com a outra estapeava não tão levemente Minseok. Meu coração pareceu subir ao cérebro quando o notei o quão próximo de mim Baekhyun estava. Eu podia ver seu rosto de lado, e era lindo em cada detalhe. Desde as pequenas manchinhas e cravos até os cílios longos e a boca bem desenhada. Podia facilmente ser uma obra de arte, mas era apenas Baekhyun, o cara por quem eu estava apaixonado.

—Nem ouse sentar aqui, se quiser, vá sentar no Sehun. —soltei um riso desacreditado ao ouvir a fala de Baekhyun. Ele parecia mais a vontade naquele dia.

—Baekhyun! —Minseok gritou, o rosto se tornando vermelho e os olhos arregalados.

—É sério, Minseok. Se eu tivesse te chamado pra ficar igual um babaca sentado aí, nem teria gastado minhas mensagens com você. Então levanta essa bunda redonda daí e vai lá falar com o seu garoto. —incentivou— Aproveita e leva os gêmeos com vocês e vão comprar um sorvete, soltar pipa ou fazer algo. Tanto Sehun quanto as crianças vão gostar.

Minseok pareceu ponderar a sugestão. Eu o compreendia. Estar apaixonado era complicado. Um medo muitas vezes irreal parecia nos cercar impedindo que víssemos coisas óbvias. No caso de Minseok, seu medo não o deixava ver que Sehun também gostava dele.

Passou-se ao menos um minuto até Minseok finalmente decidir se levantar. Até ele ter uma ação, Baekhyun continuou com uma mão apoiada em mim e logo colocou a outra para se manter equilibrado. Eu estava nervoso, mas não negaria o toque, não importa quanto eu teria que falar comigo mesmo depois para não criar expectativas, ter Baekhyun por perto era bom.

—Ok, eu vou. Mas, não pensem que vou deixar vocês dois ficarem aqui mofando nessa grama que pinica. Vamos fazer uma troca. Eu levo Sehun e os gêmeos para fazer algo, mas também quero que vocês vão fazer alguma coisa por aí. Podem sair do parque, irem ao centro, sei lá. Só não fiquem aqui fazendo nada. —propôs.

Aos meus ouvidos, a proposta era perfeita. Tudo que eu queria era um tempo com Baekhyun, parecia até mesmo um encontro. Porém sabia que para Baekhyun, deixar os gêmeos era algo difícil, então já estava preparado para o ouvir negar.

Mal coube no meu rosto a expressão de surpresa quando Baekhyun disse:

—Combinado.

Ele respondeu rápido, como se nem precisasse pensar na proposta.

Isso só fez o lado que lutava a favor de Baekhyun bater forte dentro de mim.

—Não vai ficar preocupado com as crianças, Baek? —perguntei tentando ver se Baekhyun realmente estava disposto àquilo.

—Não. Minseok e Sehun podem ser dois burros quando o assunto são sentimentos, mas são muito bons com crianças e os gêmeos gostam muito deles. Não vejo problemas nenhum.

Eu continuava surpreso. Minseok sorria como se soubesse de um segredo.

Baekhyun levantou arrumando tudo e deixando as mochilas dos pequenos com Minseok. Eu ajudei do melhor jeito que conseguia, porém ainda parecia estar em modo automático já que minha mente não conseguia processar a informação de que Baekhyun estava realmente disposto a deixar seus preciosos sobrinhos para passar um tempo comigo.

Baek se levantou para ir falar com as crianças e eu fiquei com Minseok. Senti ele colocar uma mão em meu ombro enquanto víamos Baekhyun falar com os gêmeos e deixar muitos beijos em cada um e voltar até onde estávamos.

—Não perde essa chance, Chanyeol. Baekhyun não está muito diferente de você.

Eu me virei para perguntar o que caralhos aquilo poderia significar, porém, Baekhyun chegou e e tentou Minseok para onde estavam Sehun e os gêmeos porém teve o efeito contrário sendo nós dois expulsos.

—Vamos? —sua voz soou tão animada que não pude me impedir de ficar animado também.

Eu não tinha ideia do que iríamos fazer, ou pra onde iríamos. Mas estava disposto a qualquer coisa se estivesse ao lado de Baekhyun.

 

 

 

 

 

—Vamos.


Notas Finais


https://youtu.be/zoRQ2Cz4Wdc
(Vídeo dos gêmeos com a Jamjam)

Bom, é isto
Até mais

Beijos da Yaya


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...