História Inevitável - Klaroline - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Tags Amor, Delena, Klaroline, Romance, Stebekah
Visualizações 64
Palavras 2.000
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá gente! Eu excluí duas fanfics minhas porque queria muito escrever essa, mas fiquem tranquilos, não foi nenhuma fanfic importante, foram apenas aquelas de 1 capítulo na qual eu tive um pequeno bloqueio com elas, então abri essa pra ver como vocês vão "reagir"! Espero que gostem 💚

Capítulo 1 - Festa


Fanfic / Fanfiction Inevitável - Klaroline - Capítulo 1 - Festa

Após guardar todos os seus livros separadamente, de romance a ficção Caroline foi direto pro banheiro tomar um bom banho e pensar se realmente iria na festa em que Elena, e Bonnie a tinha convidado. Não era muito de festas então, tinha que pensar bem, mesmo. Aquele barulho, o jeito como as pessoas se comportavam, deixava ela meio tensa e nervosa. Não que Caroline tivesse alguma fobia de gente, mas que era ruim, em sua opinião era horrível. Tomou seu banho quentinho e após vestir seu pijama, foi abrir a porta, quando ouviu a campainha. Sim, havia decidido não ir a festa, porque tinha prova na semana que vem e por mais que já soubesse do conteúdo estava se sentindo insegura em relação. 

Abriu a porta e viu Elena e Bonnie. Arrumadas e sorridentes. Porém o sorriso não durou muito tempo quando viu que a moça estava de pijama. Elena cruzou os braços e fez o típico biquinho em que conseguia tudo o que queria. Bonnie olhou Caroline pelo canto de olho com um pouco de decepção no olhar. Caroline suspirou e deixou os ombros caírem. Não queria ir a festa, queria apenas estudar um pouco pra prova e depois pedir uma pizza, assistir uma série e cair no sono. Mas infelizmente não foi bem isso que aconteceu. Indignadas com as desculpas que Caroline dava para não ter a festa como: "não tenho roupa adequada", "estou acabada" entre outras desculpas que por mais que tivessem sido boas não foram o suficiente para convencer as meninas. 

- Elena e Bonnie. - chamou a loira. - Porque insistem tanto em me levar pra qualquer festa que for? - questionou uma das amigas.

Elena e Bonnie se entreolharam. Ambas tinham a mesma resposta. Caroline desde pequena odiava sair pra festinhas nem que fossem de crianças amigas. Tipo a festinha de Liv, uma das amigas, das três. Caroline estava no oitavo ano, e Liv a considerava uma de suas melhores amigas, e quando ficou sabendo que não havia ido em sua festa porque tinha preferido ficar em casa estudando sobre genética, do que ir se divertir num aniversário de treze anos. Até hoje Liv e Caroline não se falam devido a isso. Um dos motivos, na verdade. Quando isso aconteceu Elena e Bonnie tiveram a certeza de que a amiga era sedentária. Namorados? Caroline até hoje só teve um namorado em sua vida. Marcelo, um jovem que se caracterizava pelo pescoço longo, e braços fortes. Caroline não era virgem, pelo menos isso as amigas diziam que dava pra passar. Mas de uma coisa ela nunca havia feito. Sexo casual. Uma coisa que não se faz, na opinião dela.

- Porque queremos que você saia conosco. Somos suas melhores amigas. E você é a nossa. Amigas saem de vez enquanto. - dizia Bonnie. 

Caroline suspirou pesadamente.

- Mas vocês não saem de vez enquanto. Vocês saem todos finais de semana. E estudam a mesma coisa que eu, e mesmo assim são bem sucedidas. Não entendo. - falou Caroline com aflição e dúvida em si. A loira odiava o fato de estudar a mesma coisa que as amigas e dar muito trabalho para passarmos todos os anos, e elas saiam praticamente todos os finais de semana e se davam super bem. 

- É Care. Você é super inteligente! Aposto que se tentar ter uma vida um pouco mais aberta vai gostar e ainda vai ser da forma que você é hoje. - falou Elena enquanto olhava o guarda roupa da amiga. - Achei a roupa perfeita. - e tirou uma blusa branca e uma saia preta colada. - O que acha, Bonnie? 

Bonnie virou-se e praticamente se encantou com o look. Caroline por sua vez, revirou os olhos e quando as meninas estenderam a roupa a ela, ela deixou os ombros caírem. Seus óculos estavam embaçados, então retirou-os para limpar no pijama, porém, Elena foi um pouco mais rápida e os tirou da mão da amiga. Caroline franziu o cenho. 

- Se vai se maquiar, tem que retirar os óculos. - disse a morena.

Indo em direção ao banheiro do quarto, Caroline levava em suas mãos a combinação que a amiga havia feito e um salto preto que havia ganhado da mãe, que foi escolhido por Bonnie. Ela entrou no banheiro e sentou-se no vaso olhando para o azulejo que para a estava totalmente embaçado. Suspirou e então pensou: "será mesmo que eu sou tão antisocial assim?" Pensou ela consigo mesma. Então suspirou e levantou-se vestindo a roupa, e o sapato, escovou os dentes e então saiu deslumbrantemente do banheiro. As amigas que conversavam animadamente enquanto procuravam a maquiagem perfeita, ficaram boquiabertas com a beleza da amiga. 

- Care, você tá muito linda! - falou Bonnie sorrindo satisfeita.

Elena por sua vez apenas riu e a olhou como um: você é tão boba. Meia hora depois Caroline estava maravilhosa. Fizeram uma maquiagem leve porém linda na amiga e seguiram em direção ao estacionamento. Caroline estava pela primeira vez sentindo um frio na barriga estranho. Ou talvez muito mais que estranho. Sentou-se na parte de trás e ficou sozinha pensando consigo mesma novamente o que caia nessa festa. Ainda era muito nova, não podia beber. Na verdade, já tinha 25 anos, mas beber não era uma coisa que fazia com muita frequência como as amigas. De? Tinha vergonha demais e também não sabia muito bem mexer-se. Ficar com alguém? A única pessoa com quem já havia ficado na vida era Marcelo, e ele ainda era sei namorado. E também não conhecia ninguém na festa. Seus pensamentos foram interrompidos até ouvir a voz de Bonnie no finalzinho de seus pensamentos.

... alguém, não é Caroline? - falava Bonnie. Caroline estava completamente perdida, e quando se deparou Elena já estava estacionando o carro. 

- O que você dizia, Bonnie? - perguntou a moça.

- Todas nós iremos pegar alguém. Na verdade, Elena só está podendo pegar uma pessoa. Namorar é um saco mesmo viu? 

Elena revirou os olhos. Namorava com Damon tinha mais ou menos uns três meses. Foi a primeira garota que ele conheceu quando chegou aqui, e estão juntos até hoje. Caroline e Bonnie tinham conversado uma vez e disseram que não ia durar uma semana, porém, estavam enganadas. 

- Não vou pegar ninguém. - falou Caroline descendo do carro. 

Bonnie riu e olhou para ela. Sabia que Caroline não tinha ficado com ninguém após o término com Marcelo. Uma pena mesmo que hoje isso iria mudar, pensou a morena. Bonnie não era muito namoradeira, uma vez havia namorado dois anos com Jeremy, o irmão de Elena, mas terminaram porque Jeremy preferiu o trabalho fora de Mystic Falls. 

- Quem disse? Olha amiga, você é tão linda, cheia de vida, e que mal fã você pegar alguém? Não faz mal a ninguém beijar. Não estou te pedindo pra transar com ninguém. - falou Bonnie guiando-as até a porta onde entrariam para começar a festejar. Ainda era cedo, mais ou menos umas 22:10. Horário que para Caroline, era tarde. Ela refletiu um pouco sobre o que a amiga havia dito. Onpior de tudo, é que Bonnie tinha razão.

Elena avistou Damon no outro lado do estacionamento e então desse a nós que iria lá. Então correu até ele de salto. Caroline admirou a habilidade da amiga. Nunca que teria essa mesma habilidade.

- Tá vendo? Uma amiga começa a namorar e começa a abandonar as outras. - Bonnie puxou o braço de Caroline que quase tropeça por causa do salto. - Vamos Care. 

Quando adentraram o lugar, Caroline teve que cobrir um pouco os olhos e os ouvidos com o barulho. Bonnie riu um pouco e puxou a amiga novamente. Bonnie cumprimentou alguns conhecidos e levou algumas cantadas. Caroline ali não era notada demais pelas pessoas. Então do nada, a sede tomou conta dela. Mas ela sabia que água era o que não tinha ali. Então optou por uma cerveja. Talvez uma cerveja poderia matar sua sede. Então teve de interromper uma conversa de Bonnie. 

- Bonnie, onde eu posso pegar uma cerveja? - a morena arregalou os olhos com o pedido da amiga. Então chamou alguém lá atrás que veio correndo. Será que Bonnie tinha todos na palma de sua mão? Perguntou Caroline a si mesma. 

- Tyler, leva a Care até a cozinha e serve uma bebida a ela. - disse Bonnie voltando a falar com Enzo. Um universitário, que estudava Engenharia.

Tyler confirmou e disse para Caroline o seguir. 

- Care não é seu nome real. Deve ser Caroline não é? - perguntou Tyler enquanto andavam até a cozinha. 

Caroline remexeu seus pés um pouco no salto.

- Sim. Acho que já ouvi falar de você. Tyler Lockwood? - tentou ela com medo de errar.

Tyler arqueou rapidamente as sobrancelhas. Não sabia que era conhecido por alguém que ele não conhecia. Pra ele, fama não era comum. Então foi por isso que gostou de Caroline assim que a viu. 

- Sim! - disse animadamente. - Mas eu não a conheço. Estudante de medicina? - arriscou Tyler. 

- Sim. - disse ela assim que entraram na parte mais clara da casa. - Caroline Forbes, mais especificamente. Não sou tão conhecida assim, como Elena e Bonnie. Tenho lá meus jeitos de viver. - disse ela dando de ombros. 

- Haha. Você é amiga das famosinhas e não é famosinha. Estranho, não acha? - riu Tyler. - Mas como me conhece? - falou ele pegando uma cerveja e entregando a Caroline. 

A moça abriu a latinha e tomou um gole sentindo-se aliviada. Sua sede estava começando a passar. 

- Você deve ser do time  de Lacrosse. Já vi o treinador brigando com você. Não que isso seja bom, é uma coisa ruim. Mas, foi assim que ouvi falar de você. Já que é o único Tyler que já ouvi falar. - deu de ombros com a latinha na mão. 

- Se te incomodou eu não saber seu nome... - começou Tyler. 

Um homem adentrou a cozinha. Falou com Tyler e deu um sorriso hoje pra Caroline. Ficou pelo menos uns cinco segundos olhando pra ela quando Tylerno encarou. Caroline corou um pouco. Depois de tanto tempo, nunca mais foi olhada dessa forma. Sentir-se invadida de uma forma boa. 

- A cerveja está dentro do congelador médio, Klaus. - falou Tyler apontando pra geladeira do meio. Ficou se perguntando o porque havia falado congelador médio. Mas aquilo não importa. Continuou a olhar para o homem que tinha a encarado. Então Tyler passou as mãos na frente dela fazendo um tipo de sinalização. Então Caroline respirou e voltou-se a ele. Sorriu e então Tyler continuou.

- Como eu te dizia, queria sua opinião, sim ou não... 

Mas Caroline continuava a olhar para o homem na pia lavando as mãos e deixando a cerveja no balcão. Percebeu o como ele era bonito. Cabelos loiros, olhos azuis esverdeados, é uma barba rala que deixava seu queixo mais atraente ainda. Caroline estava perdidamente perdida na beleza do homem. Então Tyler continuou a falar e só depois percebeu que não estava prestando atenção.

- ... Então nesse caso é sim ou não? - terminou Tyler. 

Caroline não sabia do que o homem estava falando. Então foi na sorte.

- Acho que sim. - chutou ela. - Sabe que sim é a resposta para tudo não é? - tentou ela.

- Então você concorda em que todos os homens tem que ser héteros? 

Caroline se assustou.

Klaus riu. Sabia que ela estava fitando-o. Então ela, apenas conseguiu ficar vermelha de vergonha. Tyler riu também. 

- Mais ou menos. Nesse assunto a minha opinião é: metade das mulheres devem ser lésbicas e metade dos homens devem ser gays, a outra metade de ambos é hétero entende? Assim todo mundo se ama mas isso é uma coisa que é impossível de se imaginar. 

Olhou pra Klaus e ele estava encarando-a escorado no balcão. Ela estava adorando e ao mesmo tempo odiando aquela situação. Então colocou uma mecha do seu cabelo para trás da orelha e riu. Não sabia mesmo como reagir a um flerte. 





Notas Finais


E aí? O que achou? Pelo menos eu estou gostando até agora. Tomara que você tenha gostado! Dá um favorito se gostou, comenta o que está achando e o que acha que vai acontecer, beijos 😚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...