História INEVITÁVEL ( Lauren G!P) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui
Tags Camila, Camren, Dinah, Drama, Lauren, Romance
Visualizações 123
Palavras 1.645
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, LGBT, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Não aguentei esperar até o fim de semana e estou feliz que já cheguei a minha meta de pelo menos 10 favoritos 😍 não sou daquelas que postam querendo ganhar 500 favoritos fico feliz com os poucos que ganho e ainda mais feliz quando dizem que estão gostando 😘😘

Capítulo 2 - Capítulo 2


Fanfic / Fanfiction INEVITÁVEL ( Lauren G!P) - Capítulo 2 - Capítulo 2


    Ela tinha aceitado minha proposta! Eu não estava acreditando, achei que ela ia bater o pé e negar até a morte. Agora era começar a planejar... Mas antes tinha que ter certeza de que ela poderia ser minha e só minha.
    – Camila, e o Marcelo? Como vocês estão? – Ela estava saindo com um dos seguranças da academia do primo dela, Rick, e se aquele lá em cima gostasse um pouco de mim, eles estariam de mal a pior.
    – Não estamos saindo mais. Foi um lance passageiro, você sabe. Tô solteirinha de novo, e hoje, eu a e Di vamos a uma casa noturna nova, a Sanders. Quem sabe eu não encontro o novo Senhor Príncipe Encantado? – Começou a rir, aquele riso rouco e delicioso dela que me deixava duro como pedra dentro do meu terno. Teria que comprar umas cuecas mais apertadas para usar quando nos encontrássemos, ou seja, todo dia! Senhor, se eu tivesse que me levantar agora, chamaria a atenção de todos pelo volume da minha calça.
    – Eu queria sair hoje também, mas levei Ella ao médico mais cedo e ela está em casa me esperando.
    – E você deixou ela sozinha em casa? Ela está doente? O que ela tem para precisar ir ao médico? – Camila estava visualmente abalada pelo estado de saúde de Ella.
    – Nada, vamos mudar de assunto, uma outra hora eu te conto tudo sobre a minha Ella. – Toda mulher gostava de adrenalina e o fato de eu ter esse compromisso, sempre deixava as mulheres doidinhas por mim. E eu me aproveitava disso, não me orgulhava, mas jogava com as cartas que tinha.
    – Ok, mudando de assunto então. Não vai nem ler o contrato? E se eu te prendi para o resto da vida comigo, em alguma cláusula louca?
    – Vou amar ficar presa a você por toda a eternidade. – Olhei em seus olhos e puxei sua mão, levando a minha boca e roçando de leve sua pele. Senti que ela estremeceu e em seus olhos vi algo como desejo cru passando rapidamente.
    Ela me queria tanto quanto eu a queria... Humm. Era óbvio o clima entre nós desde a festa de Natal da academia, onde nos conhecemos, e a cada dia eu percebia mais e mais seu interesse por mim.
    Ela desviou o olhar, olhando para seu café, que esfriava.
    Ficamos conversando por mais um tempo, a cada oportunidade eu pegava sua mão e ficava acariciando com o polegar. Sua pele era tão macia, e seu perfume de baunilha me deixava tonta.
    Meu celular vibrou em meu no bolso e eu sabia que era hora de ir. Era tão bom estar com ela, tão calmo e tão certo, como se fossemos feitos uma para a outra... Eu não tinha vontade de sair de perto dela, mas precisava, minha Ella estava em casa e logo teria a troca de turno das enfermeiras.
    – Linda, tá na minha hora. – Levantei-me e contornei a mesa. Abaixei colocando as mãos em seu rosto, segurando firme, olhei em seus olhos e dei um beijo em sua bochecha, muito próximo a boca. Senti que ela soltou a respiração quando meus lábios tocaram sua pele. O que será que aconteceria se eu a beijasse na boca e nossas línguas se tocassem? Afastei-me e me despedi. – Até mais.
    Acenei para a Dinah que nos observava e fui pagar a conta. O que essas duas aprontariam hoje à noite hein? Duas mulheres lindas soltas em uma casa noturna numa sexta à noite...
    Esfreguei o rosto afastando esse pensamento. Ainda não era da minha conta o que ela fazia, mas logo seria. Um plano se formou em minha cabeça e sorri. Sim, isso daria certo e ela seria minha!
    Saí e fui andando até o estacionamento, entrei no carro e dei a partida.
    Cheguei em casa e fui ver minha Ella. Estava deitada em minha cama, encolhida e abraçando os joelhos, em posição fetal.
    – Você está bem meu amor? Precisa de alguma coisa? Está com dor? – Perguntei preocupada. Ela estava pálida e com olheiras. O tratamento era muito forte, mas era necessário.
    – Estou bem Lauren. Fique sossegada. O que você vai fazer hoje? Não fique em casa cuidando de mim, pelo amor de Deus! Vá passear, dar uma volta... Basta eu, doente e entrevada nessa cama.
    – Não querida, vou ficar com você. Vamos ver um filme, comer pipoca... Uma sessão de cinema em casa.
    – Podemos até fazer isso querida, mas após nossa sessão de cinema, você vai sair e espairecer um pouco. – Ella me pediu com aqueles olhos do gatinho do Shrek, que não dá para a gente negar nada.
    – Ok, você venceu. Eu vou, mas até lá você vai ficar comigo, no meu colo ou bem pertinho de mim. Te amo muito Ella. – Abracei e beijei seus cabelos. Ela despertava em mim um instinto protetor, queria proteger e cuidar dela, como ninguém mais nesse mundo. Ella tinha todo o meu amor e minha atenção.
    Peguei-a no colo e levei para a sala, deitei-a no sofá com cuidado, sentei e ajeitei sua cabeça em minha perna, selecionei um canal de filmes na TV e ficamos assistindo. Acariciei seus cabelos até que o filme acabou e ela dormia como um bebê.
    Olhei no relógio e ainda tinha tempo de sobra para pegar as meninas entrando na casa noturna e ficar de olho na Camila... Saí do sofá devagar, coloquei uma almofada sob sua cabeça e fui tomar banho. Faria o que ela queria, ia sair um pouco e quem sabe me divertir... com a Camila! Eu mal podia esperar.

 

    Falta de ar e tremor pelo corpo todo... Tive que respirar fundo depois daquele beijo meio a meio. Papai amado, se ela me beijasse na boca o que seria de mim? Gozaria na hora em que sua língua encostasse na minha!
    Ri da minha própria desgraça. Eu precisava arrumar alguém para aplacar esse meu fogo, mesmo sabendo que a coisa só pioraria com a monitoria que eu faria, pelo menos agora de início. Logo arrumaria alguma desculpa e escaparia daquela tortura.
    Isso só poderia ser chamado assim, passar o expediente todo de olho na movimentação dela. Mas eu faria, não sou mulher de fugir de um desafio, e esse, com certeza foi um.
    Fiz sinal para Dinah vir até a mesa.
    – Di, que horas eu passo na tua casa?
    – Umas 10 horas, a gente faz um esquenta lá e depois vamos. Hoje promete! – Disse esfregando as mãos. Ela era uma irmã postiça para mim, sempre apoiando quando eu precisava e dando um puxão de orelha, quando eu achava que não precisava.
    Fui pagar, porém Lauren já havia acertado tudo, então me despedi dela. Ela sempre fazia isso, por mais que eu reclamasse... Fui andando de volta até a Solaris, pensando no que a noite prometia...
    Verifiquei se tudo estava bem fechado no meu escritório e se todos estavam em seus lugares.
    Entrei no meu carro e fui para casa, tomei um banho, passei perfume em lugares estratégicos e escolhi um vestido preto, meias 7/8, ligas e uma calcinha pequenininha. Para finalizar, brincos, uma pulseira e sapato vermelho. Me olhei no espelho e BINGO! Hoje eu não ficaria sozinha. Olhei pro relógio e já estava atrasada. Caramba, o tempo passou e nem tinha percebido. Escovei os dentes e passei maquiagem. Prontinha.
    Peguei as chaves e fui para casa da Dinah. Teríamos que pular o esquenta essa noite. Queria chegar enquanto não estivesse muito lotado para pegar uma mesa boa na área VIP, onde tinha os melhores caras, mais lindos e gostosos! Hoje eu estava necessitada...
    Cheguei à casa da Di e ela veio rapidinho.
    – Poxa, Camila, podia ter ligado que ia atrasar....
    – Eu... atrasada.... Desculpe, perdi a noção do tempo.
    – Hoje você está no mundo da lua mulher!
    – Vamos Di, nossa noite vai começar bem, mesmo sem o seu esquenta.
    Fomos brincando e cantando até a Sanders, deixei o carro com o manobrista e entramos. Nossa, isso ainda estava morto! Bem era essa mesmo a minha intenção ao não querer chegar muito tarde.
    Já entramos dançando, a música de Jennifer Lopes – Dance Again-, bombando. Senti que alguém estava me olhando e reparei em volta, olhando para alguns caras, mas nada de especial. Fomos para área Vip e pegamos um drink. As músicas e a bebida foram me deixando mais solta e fui prestando cada vez menos atenção a minha volta, a música de Ne-Yo – Let´s Go –, me consumindo e dançando como se não houvesse amanhã.
   

 

    Rapidinho fiquei pronto e fui para a Sanders. Entrei e arrumei um lugar no bar, com visão perfeita para a entrada e meia hora depois elas chegaram.
    Cara, ela estava linda! Com os cabelos castanhos, rebeldes... sabia muito bem da maciez e do perfume que eles exalavam... Fiquei louca para chegar nelas, mas ainda não era hora. Estava com um vestido preto, que envolvia seu corpo, meia calça e sapatos de salto alto vermelhos, daqueles que só de olhar já dava um tesão da porra... Me ajeitei na calça e continuei a olhar para ela. Seus olhos castanhos refletiam as luzes da pista, assim como seus cabelos.
    Ela sorria e conversava com a Dinah, olhava para os lados e retribuía alguns olhares, outros, ignorava completamente. Foram para a área VIP, que era bem em frente de onde eu estava. Pediram uma bebida e começaram a dançar, tomaram um, dois, três drinks, a dança ficando mais ousada, Camila jogava os cabelos enquanto dançava e requebrava os quadris... Porra, se na cama ela rebolasse metade daquilo eu seria uma pessoa feliz.
    Fui andando devagar no meio da multidão e chegando perto dela. Dinah, que estava virada para mim, me olhou e coloquei o dedo na frente dos lábios pedindo silêncio, ela só concordou de leve com a cabeça e sorriu.
    Aproximei-me por trás dela e a envolvi pela cintura, ao mesmo tempo em que sussurrei em seu ouvido.
    – Oi, Neném.


Notas Finais


Essa fic tem se não me engano 25 capítulos mais o epílogo então se vocês quiserem maratona irá acabar mais rápido ainda 😅😆😆


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...