História Inevitavelmente Atraídos - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Annie Leonhardt, Armin Arlert, Bertolt Hoover, Connie Springer, Eren Jaeger, Erwin Smith, Hange Zoë, Historia Reiss, Jean Kirschtein, Kenny Ackerman, Levi Ackerman "Rivaille", Marco Bott, Mikasa Ackerman, Petra Ral, Reiner Braun, Sasha Braus, Ymir
Tags Levi X Mikasa, Rivamika
Visualizações 59
Palavras 1.667
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Capítulo novoooo \°o°/

Boa leitura!

Capítulo 7 - Somente um encontro.. não é?


Fanfic / Fanfiction Inevitavelmente Atraídos - Capítulo 7 - Somente um encontro.. não é?

Eu não tinha muito o que fazer naquele dia. Era feriado, portanto não teria aula. Eren já voltará para casa, e de acordo com ele só viria após “Duas semanas”.

Então o que me restava era a solidão.

“Está sendo dramática, Mikasa”. Você ainda mora com um bando de barulhentos, Um em especial.

Depois daquele soco, eu não me dei de cara com o Levi. Ele nem falou comigo. Não veio pedir um copinho de açúcar, nem nada. Mas eu também não me importei. Pelo menos por fora – Por dentro eu estava sedenta de que ele viesse se rastejar aos meus pés. Que implorasse por mim.

Eu não duvido que ele pensasse a mesma coisa em quanto a mim. Não que eu fosse uma Convencida nata, mas Levi nem me dirigiu a palavra – Na minha cabeça, ele estava agindo como uma pessoa rancorosa. Quando criança eu e Eren nos esmurramos sempre, e isso nunca mudou em nada.

Estava terminando de fritar alguns ovos, quando ouvi a campainha tocar. Me apressei em andar, até a porta – Hoje eu estava com uma agitação descomunal.

Assim que abri a porta me dei de cara com quem menos esperava.

Se você disse, o vizinho baixinho e gostosão, acertou em cheio.

___ Oi. – Levi disse, e sua voz me parecia um pouco temerosa.

___ Oi.

Praticamente sussurei.

Puta merda. As palavras quase não saiam da minha boca. Eu estava exasperada.

___ Eeeer... O que..? Aconteceu.. você.. quer, sei lá, alguma coisa?

___ Mikasa eu... Saia comigo.

O que?

___ O que?

Levi parecia estar com uma impaciência enorme. Seus olhos denunciavam que aquilo parecia um pequeno esforço de sua parte. Parecia até saber qual seria a minha resposta.

___ Então.. sair? Você..

___ Você não precisa aceitar.

Olhei confusa.

___ Não preciso..?

___ É. Mas agora é com você. Seria demais para você sair com um cara estúpido e lindo para caramba, como eu? – O sarcasmo aparecerá em sua voz. Resistir a vontade de revirar os olhos.

___ .....

Eu fiquei em silêncio. Não sabia o que responder. Sinceramente, não sabia

A expressão de Levi mudou radicalmente. Parecia decepcionado. Todavia tentava resistir a seriedade anterior. E o famigerado sarcasmo.

___ Aah. Ok. Tudo bem. Então.. até mais.

O mecânico não me deixou protestar. Saiu da minha porta, já virando para a sua, logo ao lado.

Eu deveria ter ficado calada. Mas meus impulsos são bem mais fortes. Então agarrei o pelo braço.

Levi arregalou um pouco os olhos.

___ Eu aceito. Aceito sair com você.

Juro que vi um pequeno brilho encherem seus olhos super azuis.

Sua boca mexeu, mais ele continuou calado. E então eu percebi – Nós estavamos bem próximos. Próximos o suficiente para rolar um beijo ali mesmo.

___ Mikasa.. – Sussurou tão baixo que somente eu era capaz de ouvir.

___ O que?

Meus olhos estavam hipnotizados. E minha voz um verdadeiro sussuro.

___ Está queimando..

___ O que..

___ Alguma coisa.. na sua casa.

Esperei exatos dois segundos; Então arregalei os olhos e acordei para a realidade: Os ovos estavam queimando. Eu esqueci de desligar o fogão.

Sai em disparada para dentro de casa, e a última coisa que ouvi de Levi foi sua típica risada e um “Te pego as sete”. Não era só meu fogão que estava em chamas. Meu coração estava idem.

E eu estava com uma ansiedade avassaladora.





O resto do dia passou normalmente: Sem muito mais o que fazer, mexendo no notebook, e com uma indecisão super insistente sobre o que eu iria usar.

Isso era o que mais martelava minha cabeça: Eu nunca fui muito de encontros. Mas gostava de ser chamada para um. E obviamente aceitará, desde que fosse um cara nada maluco, possessivo ou exibido (lê-se Jean). Quanto ao o que usaria, decidi de última hora: Um vestidinho azul, de seda. Ele tinha alguns detalhes prateados e perolados, era um pouco colado ao corpo, e ia até as coxas. Eu o achava lindo. Um dos meus preferidos.

Deixei meu cabelo solto. Nunca gostei de prende-se quando ia sair assim, somente em casa.

Pus um salto beje, e um perfume leve. Não era muito doce, nem muito forte. Tinha a medida certa de cada coisa.

Por último, peguei minha bolsinha azul também.

___ Pronto. Você está linda.

Falara para mim mesma, em frente ao espelho. Eu realmente estava bonitinha. Pode não parecer, mas eu também não iria sair com o cara parecendo uma desleixada. Eu tinha noção de minha beleza – E sabia como a valorizar.

Sai do quarto, quando ouvi a campainha tocar. Olhei rapidamente as horas no celular: 07:00. Em ponto.

Me dirigi a porta e a abri. Eu estava tão ansiosa, que quase caí do salto. Porém Levi não reparara. Em falar no mecânico, ele estava muito bem vestido. Com um terno, um terno preto. E o cabelo perfeitamente alinhado. Me perguntei se nós íamos a algum lugar tão chique assim. Até porque eu não esperava vê-lo desse jeito. Todavia, fora uma ótima surpresa, é só o deixava mais bonito ainda.

___ Não sabia que você era tão pontual. – Eu disse finalmente, parando de seca-lo, com uma dose de sarcasmo na voz.

___ Você está atrasada.

O olhei estranho.

___ Não estou não. São set..

___ Sete e uma. Você está atrasada.

Suprimir a vontade de rir. Será que ele era perfeccionista?

___Meu Deus. Você tem problemas?

___ Mas é claro que não. – Me lançou uma carranca – Só gosto de ser assim. Sempre fui pontual. De qualquer jeito, vamos – Sorriu de lado – Não quero estragar essa noite.

“E eu também não”. Falei mentalmente, antes de retribuir o sorriso.

___ Aproposito, você está linda.



Fomos de carro, logo a viagem até o restaurante não demorou muito. Levi me contava, que achava o lugar a minha cara. E eu estava super ansiosa. Muito mesmo.

Assim que chegamos, ele tratou de estacionar o carro. O que foi um pouco difícil, pois havia muitos veículos no estacionamento.

Parecia que Levi tinha feito algum teste de cavalheirismo. Até mesmo a porta do carro ele abriu para mim, e pegou-me pela cintura me conduzindo até a entrada do restaurante. Um arrepio surgiu, ao senti-lo tão perto. Tão quente.

Só pelo lado de fora já dava para ter uma ideia do quão belo era o restaurante: Uma entrada com paredes de vidro, e pequenos cantis de rosas vermelhas. Mas o que realmente me surpreendeu foi o mesmo por dentro – Era tão bonito. Havia um belo lustre no teto, e as paredes ilustradas eram de um beje chamativo. Embora tenha achado tudo muito bonito, me perguntei se não era um pouco demais para Levi. Eu realmente não queria ser um problema.

___ Vamos. Venha comigo, nossa mesa já está reservada.

O segui em silêncio, pois estava impressionada demais com tudo ao redor. Era maravilhoso mesmo.

A mesa em que ficamos era próxima de um palco pequeno, onde ficavam três músicos; um violinista, um pianista, e um flautista.

___ Nossa. – Murmurei baixo, porém Levi ouvirá.

___ Gostou?

___ Está tentando me impressionar?

___ Eu consegui?

Ri baixo.

“Mas é claro”.

___ Veremos. Mas já conseguiu ganhar um ponto. – Cruzei os dedos.

___ Nossa..

Levi continuava tão irônico e sarcástico como antes. Mas se ele me conhecia bem, deveria saber que não vou facilitar. Mesmo que já tenha começado maravilhosamente bem.

___ Garçom. – Levi chamará, o homem mais próximo – Champanhe, por favor.

Sorri de lado.

___ Sério? Como sabia que essa seria a minha escolha?

___ Seus olhos te entregam. – Acompanhou meu sorriso.

E eu não pude evitar de reparar na linha perfeitamente reta de sua boca.



O jantar foi lento. A comida era boa, muito boa. Eu queria aprender a cozinhar daquele jeito.

___ E então.. gostou?

___ Sim. Você tem bom gosto para restaurantes.

___ Ótimo saber que foi ao seu agrado.

Nos encaramos de forma enigmática. E o infeliz silêncio se instalou. Olhei ao redor – Vários casais de levantavam para dançar. E eu reconheci a música de imediato: Your Song. Do Elton John. Eu a achava uma música muito bonita. Particularmente gostava muito.

___ Quer dançar?

Fitei Levi surpresa. Confesso que eu não esperava um convite para dançar. Nunca fui das melhores, quando o assunto é dança. Portanto minha mente queria recusar. Mas meu coração insistia em aceitar.

___ Quero.

Nós levantamos, e Levi logo me pegou novamente pela cintura. Logo, nos juntamos para perto dos outros pares. E eu não pude evitar de fazer um comentário.

___ Vai pisar no meu pé?

___ Não. Pode ter certeza. Mas é você? Vai pisar no meu?

___ Não sou boa com dança, então sim. Pode ter certeza.

Levi sorriu de lado. Um sorriso sincero. E eu não pude evitar de sorrir também.

A música soava lenta, assim como nossos passos. Eu estava apoiada em seu peito, enquanto suas mãos me rodeavam a cintura. Os casais ao redor nem parecia existir. O ar condicionado que refrescava o lugar parecia não atingir a nossa onda calorosa e exitante.

Só conseguia me concentrar em suas mãos na minha cintura, e em o quanto minha respiração estava tensa.

Infelizmente a música acabara. E já eram dez da noite. Eu não imaginava que nossas conversas e a dança, fosse ocupar tanto tempo.

Eu não tinha horário para ir embora, porém já queria voltar para casa. Sem falar que várias pessoas já estavam indo também. Não custou muito até que nós dois, também voltássemos ao prédio.





___ Fico feliz que você tenha gostado.

Neste momento, estávamos na porta da minha casa. O ar frio retornará, tomando meus ombros.

___ Foi uma ótima noite. Obrigado.

Inesperadamente, eu o abracei. E então o calor retornou.

Levi parecia surpreso. Mas não negou – Retornou o abraço, antes de me encarar firmemente nos olhos.

___ Levi.

___ O que?

Seus olhos azuis me encararam de forma aconchegante. Engoli em seco. Eu não tinha certeza do que estava para dizer. Mas meu coração, me impulsionava a isso. E eu sabia: Quando vinha de lá, nunca era mentira.

___ Gosto de você.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...