1. Spirit Fanfics >
  2. Inexplicable >
  3. Invasão

História Inexplicable - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Oioioi pessoinhaaas!!
Isso mesmo, não foi só um cap aleatório de uma fanfic que nunca mais ia atualizar kkkkk cheguei com mais um capítulo, e espero que vcs gostem bastante.
As vezes vão aparecer alguns diálogos com poderes que de primeira não vão ser tão óbvios, mas ao longo dos capítulos eu vou explicando sobre eles. As tatuagens que aparecem nas costas tbm são importantes e terão suas explicações futuramente ok??? Beijinhos e boa leitura.

Capítulo 2 - Invasão


Fanfic / Fanfiction Inexplicable - Capítulo 2 - Invasão

    “Soluço? Soluço!”

Que voz é essa? É tão... Familiar.

“Soluço você tem que me ouvir. Eu vou distrair Drago por algum tempo, mas eu preciso que vocês dois corram, para o mais longe possível. Não poderão levar a Anna como o planejado,mas diga eu cuidarei dela.”

Drago? Anna? O que está acontecendo?

“Agora vocês tem que correr daqui, iremos ganhar tempo...”

Tempo? Tempo para o que?

“Anda Soluço!”

Quem é você?

—Soluço? Anda cara acorda!

Dou um pulo. Olho para os lados assustado mas tudo o que vejo é meu quarto, e Jack na minha cama.

—Que merda foi essa?!- Perguntei mais para mim mesmo, passando a mão no rosto e notando o suor frio em minha testa.

—Aconteceu de novo Hic, você estava tendo outro pesadelo. - Explicou se levantando. — Quando eu acordei você estava a segundos de colocar fogo no nosso quarto, tive que gelar tudo para seu corpo esfriar. - Aumentou o tom de voz e por alguns segundos encarei as minhas mãos.

É, ter o poder do fogo era isso. Você pode até controla-lo enquanto está acordado, controlar suas emoções para não perder o controle.

Mas durante os pesadelos, tudo queima.

— Foi a mesma merda de sempre Jack! Exatamente como as outras vezes: Tudo estava quente, e havia a mesma voz, me mandando correr. Ela falava sobre o Drago, dizia que o seguraria.- Narrei resumidamente o mesmo sonho que me assombrava a meses.

— E você se lembra de mais algum detalhe? Ela diz alguma outra coisa?- Perguntou me encarando e colocando a mão no meu ombro. Grunhi em resposta, ele falava com aquela voz que me considerava um louco.Me afastei do meu companheiro de quarto para deitar novamente,até que parei.

—Anna, ela falava sobre alguém chamada Anna. Dizia que não poderíamos leva-la conosco.- Contei e ele me encarou.- Sim, outro alguém estava comigo, só não sei quem...

— Cara, você tem que falar com o Doutor Sandy, ele vai te ajudar.- Sugeriu, brando como em todas as outras vezes. Tornei a bufar.

—Sandy irá apenas me fazer dormir, não chamo isso de ajuda.

—Pode não ajudar a você, mas pelo menos eu estarei tranquilo sem a preocupação de ser ou não tostado no meio da noite.- Respondeu irônico, enquanto jogava o travesseiro em meu rosto. — Boa noite Hic!

—Boa noite, Frost.

Xxxxxx

—Punzie? Está ai?- Chamei no corredor da base. Nossos quartos ficavam próximos uns dos outros, todo o resto do centro de ação ficava mais afastado, como se nos dessem algum espaço.

Patético. Todos sabemos que The Guardians QG controlava nossas vidas.

—Veio colocar fogo no meu quarto?- Me provocou, certamente escutara a conversa da noite anterior. Ao escutar minha batida nervosa da porta, abriu a mesma.

— O que eu já disse sobre escutar minhas conversas com Jack?- Perguntei enquanto entrava, olhei para o quarto dela e notei que estava todo decorado.

Rapunzel havia chegado alguns anos antes de mim, ela dividia quarto com uma menina, Fairy, mas ela havia deixado a organização a alguns anos, então minha amiga tinha o quarto só para ela.

Ele era todo pintado. Sendo uma pessoa risonha e extrovertida, dificilmente Rapunzel viveria em um lugar com cores neutras e energia pesada. Sendo assim, diferentes cores preenchiam as paredes, dando origem a vários desenhos. Em linhas gerais, era lindo.

—Preciso de sua ajuda.- Falei. A mesma penteava os longos fios loiros em frente a penteadeira e parou para encarar meu reflexo.

— Diga querido Hic, mas devo lhe relembrar que eu tenho o poder da cura, não sou capaz de interferir nos sonhos, isso é com o Doutor.- Falou com a voz branda. Certamente havia escutado bastante coisas ontem.

— Não esse tipo de ajuda.- Deixei claro e ela me incentivou a continuar com o olhar.—Preciso que me dê tudo o que você saiba sobre o Drago, e uma menina que possivelmente relacionada a ele, chamada Anna.- Expliquei. Vi ela soltar um suspiro em resposta.

—Drago é um dos maiores traficantes e sequestradores de criança do continente...Ele vai estar no meio dos arquivos confidenciais, são quase impossíveis de acessar, um deslize e todo The guardians saberá.- Explicou.- Já me pegaram invadindo os arquivos duas vezes Hic, se me pegarem de novo vão me expulsar.-Confessou e eu estranhei, Punzie sempre foi a mais correta de todos, por quê estaria invadindo os arquivos. — Todos temos nosso passado, eu não sou diferente. Enfim, estaria disposto a assumir o risco em meu lugar- Me indagou e imediatamente eu confirmei. — Ótimo, venha.

Rapunzel além de muito talentosa para as artes, era muito talentosa para as máquinas. Ela entendia todas as linguagens e códigos, e em muitas missões da organização era a responsável por desarmar alarmes e câmeras. Ela abriu seu laptop e começou a percorrer o olhar pela tela.

Não sei exatamente como, pois me perdi no meio dos códigos e números que passavam rapidamente pela tela, mas em alguns minutos minha amiga já estava com diversas pastas confidenciais amostra nas telas. Observei ela filtrar pondo o nome de Drago.

—Bem, vejamos...- Começou a ler a imensa ficha. — A primeira prisão foi em 2030, quando foi encontrado num porão torturando alguns inexplicáveis. Ele escapou alguns meses depois, e não conseguiram o prender de novo até hoje. Porém ele já cruzou com algumas missões nossas. Acusado de sequestro, tortura, venda de droga, armas, assassinato. Nossa, esse cara gosta de um crime! Meu deus, ele é um dos quatro!- Comentou, e ao ver minha cara de confuso revirou os olhos.- Os quatros reis do crime, os chefões que dominam tudo, responsáveis pela formação da elite...

— Espera, Elite? Os criminosos que vivem matando gente são comandados por eles?

— Eles não são só criminosos, Soluço. Eles são os maiores criminosos, assassinos profissionais, tem centenas de homicídios na ficha, e não chegam nem a um terço dos que já cometeram. Já prenderam muitos soldados dos quatro, mas nunca chegaram nem perto de ver a elite.- Explicou, meu olho arregalando. — Eles...

“Atenção, o complexo foi invadido!Atenção, o complexo foi invadido!”

¬—Merda!- Escutei Rapunzel praguejar. Ela levantou apressadamente, desligando o computador.

— Nos descobriram?- Perguntei assustado.

— Não, foi pior.Hic, alguém de fora invadiu o complexo...

Xxxx

— Invadiram o jardim de infância!- Ouvi alguém gritar no corredor. Eu e Rapunzel tínhamos saído do quarto e começamos a observar a correria. Do nosso lado, Jack olhava assustado o corredor.Nunca haviam invadido o prédio do The guardians, era algo inédito.

Num rompante vi ele correr para o lado oposto do jardim, desesperado. Me voltei para Punzie, e ela apenas deu de ombros, não sabendo de nada. Bateu no meu ombro e nos juntamos aos outros.

Invadir o jardim de infância significava um possível roubo das crianças. Elas eram trazidas e ficavam na área até que aprendessem a controlar os poderes. Após isso começavam o treinamento para se juntar aos grupos de missões, se assim desejassem.

— Só pode ter sido um ataque dos quatro, Soluço. A organização vem tendo muitos confrontos com eles.- A menor gritou. Minha cabeça a mil.

Chegamos no local invadido, e parecia um campo de guerra. Havia um buraco na parede próxima da mata, a poeira era enorme, atrapalhando a visão, muitos e muitos agentes caindo de maneira tão rápida... Haviam também flechas e facas voando , atingindo alguns desafortunados. Vi a reação por nosso lado também, algumas chamas sendo liberadas, agentes se teletransportando. Ao que tudo indicava as crianças haviam sumido...

— Preciso ajudar os feridos!- Rapunzel me avisou, saindo em seguida.

— Droga!- Resmunguei nervoso, começando a aquecer minhas mãos. Vi um vulto passar por cima da poeira, e mirei nele.

O vulto parecia ser de uma mulher. Grandes cabelos, portando um arco e flecha e algumas facas na cintura. Ela desviou das chamas e pousou numa das escadas do jardim de infância. Ela buscou quem havia lançado, e quando me encontrou, estranhamente sorriu de lado.

Nem dera tempo de eu me perguntar o porquê daquilo, senti uma força me derrubar e minha cabeça bater no chão, me fazendo gritar de dor.

— Vejo que estragaram você aqui, amigo. Você costumava me sentir chegando.- Uma voz carregada de deboche disse.Notei ser masculina, e busquei lembrar dela em minha memória.

Nada. O que estava acontecendo?

— Flynn, anda logo!- Outro alguém gritou, e quando abri os olhos tudo o que pude ver foi um homem de olhos e cabelos castanhos se despedir.- Temos que vazar daqui! Anna, Merida, vamos!- Chamou e eu saltei do chão.

Anna? A mesma dos...

Meus pensamentos são interrompidos quando escuto um baque do meu lado, me viro e encaro com medo a mulher de grandes cabelos vermelhos. Sinto outra dor na cabeça, ela havia me dado uma coronhada e imobilizado meu braço.

— Já vamos, leve as crianças daqui!- Gritou em resposta. — Vem Anna, consegui pega- lo.- Chamou alguém enquanto eu tentava inutilmente me soltar.- Flynn estava certo,você esfriou Soluço.- Comentou no meu ouvido, aquele jeito de falar me soando familiar.

— Quem são vocês? Para onde estão levando as crianças.- Perguntei, levantando a cabeça do chão. Tentei aquecer meu corpo, soltar chamas pela mão, mas ela parecia não sentir nada.

— É, eles apagaram tudo mesmo. ¬- Sussurrou,como se pensasse alto, o aperto aumentando. — Eu não vou sentir nada Hiczinho, meu corpo é imune... eu não sinto! Anna, rápido, veja se a marca ainda está aqui. - Sentiu Alguém levantar minha blusa, e tentei novamente reaquecer. - Quieto Soluço!- Brigou, enquanto deixava uma faca encostada no meu pescoço. — Ou eu vou ter que te machucar.

— Ainda está aqui, só escondida. Noel fez um bom trabalho, mas posso reverter.- Explicou.

Senti dedos encostarem em pontos específicos das minhas costas, e uma ardência que não parecia nova me invadiu. Senti minha pele ganhar algo novo, e tentei visualizar melhor atrás de mim.

— Pronto, agora eu vou atrás dela...- Ela disse, aquela que segurava a faca em meu pescoço a impediu com a mão que segurava a faca.

— Não dá tempo Anna! Temos que ir... - Alertou. Notei certa dor em sua voz. — Nós a buscamos depois... Eu juro! Vai, eu já te alcanço. - Explicou e vi do chão uma menina de cabelos castanhos avermelhadas correr para o buraco na parede.

Meu corpo foi virado, e ainda com os braços imobilizados, vi a mulher acima de mim me observar. Parecia estar buscando feridas, o rosto demonstrava preocupação. Ao analisar tudo, encarou diretamente os meus olhos.

— Você tem que se lembrar, Soluço. Eles estão te manipulando, a organização The Guardians tem sangue nas mãos. Se lembre de tudo, Resgate Elsa e fuja daqui!

— Do que está falando? Quem é você?- Perguntei desesperado, a cabeça a mil.

— Em breve você saberá...Mas por agora, peço desculpas. — Respondeu, levantando o punho e acertando em cheio a mim, fazendo tudo apagar. 


Notas Finais


E aí? Bom, ruim? As imagens utilizadas não são minhas, eu baixei da internet.
Eu nn sou muito boa no estilo de narrador personagem, tô aprendendo a escrever desse modo por agr, então fiquem a vontade pra mandar críticas ok???
Beijinhos da coala💚🐨🐨


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...