História Inexplicable Love - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hailey Rhode Baldwin, Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Hailey Baldwin, Justin Bieber, Romance
Visualizações 583
Palavras 2.994
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Festa, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - I'm just warning you


Fanfic / Fanfiction Inexplicable Love - Capítulo 7 - I'm just warning you

Justin Bieber ー Point Of View 



Eu estava envergonhado desde ontem a noite, as palavras simplesmente saíram de minha boca sem meu consentimento, era para ser apenas um pensamento idiota, droga. Mas não mudou muita coisa, só que quando eu falo com a Isabella eu lembro do que falei ontem de noite.


Tudo bem, eu fiquei duro ouvindo filme, mas o que eu poderia fazer? Foi inevitável, e o caminho pra casa foi basicamente Isabella rindo da minha cara, dizendo coisas do tipo: “nossa, eu acho que não te conheço ainda” “ora ora, o outro lado do Bieber” e eu acabava rindo também. 



Mas eu estava preocupado, Alex não estava bem, ele mal saia do lugar, sempre deitado na sala, ou comigo no quarto. Isso acontece a dois dias seguidos, sendo que eu só foi perceber somente agora, ele nunca ficou assim, talvez se eu levasse ele no veterinário, poderia saber o que há com ele, mais tarde.



ー Justin, posso ligar a televisão? ー escutei a voz de Jéssica, enquanto eu pegava meu sanduíche. 


ー Não precisa nem perguntar, Jess. ー falei sorrindo e escutei o seu “tá bom!”


Peguei o sanduíche e me sentei na cadeira da cozinha, começando a comer ele, até que estava gostoso, dessa vez não faltou nada, apesar de eu ter me queimando quando eu assava a carne. Escutei a televisão ser ligada, e o telefone tocar, fiquei em alerta.


ー Eu atendo! ー Jéssica disse, e eu esperei. ー Ok, eu vou chamar ele. 


Senti sua pequena mão na minha, e senti o telefone. Coloquei no ouvido em seguida.


ー Alô?


Oi meu filho, como você está?


ー Oi mãe, estou bem! 


Seu pai me disse umas coisas...não deveria se pôr pra baixo assim. 


ー Mas eu não disse nenhuma mentira, eu ainda não estou seguro com isso. Vai que acontece algo com ela, mas eu não vou poder fazer nada por não ver, não sei.


Não vamos pensar nisso agora, Justin. Você gosta dela? 


ー É claro que gosto.


Então não tente se prender, só porque você não pode ver! Não é como se você fosse um monstro. 


ー Eu só não me sinto bem. Foram tantos anos sozinho que acho que não vai dar certo.


Estou com raiva de você! PARE JÁ COM ISSO! Se ela gosta de você, ela não vai se importar com isso.


Eu já sou cego, agora quer me deixar surdo?


Pare de brincadeira, eu estou falando sério. 


ー Ok, ok. Eu parei. 


Enfim, siga o seu coração. Não importa se você não enxerga. O que eu quero dizer…não sei como dizer. Não desista tão fácil assim. 


ー Tudo bem, eu não vou. 


Agora me diga quem foi a garotinha que atendeu? 


ー Essa é a Jéssica, garota que a Isabella está cuidando. Achou ela na casa dela, longa história. 


Oh, tudo bem. Vou desligar então, já vai dar uma hora e eu tenho que voltar ao trabalho. Beijos meu filho.


ー Até mais.



Desliguei o telefone, e o deixei em cima da mesa, voltando a comer e pensando no que minha mãe me disse. Por um lado ela pode estar certa, mas por outro eu estou certo. Tendo essa deficiência pode atrapalhar em muita coisa, mas se ela gosta de mim mesmo, não me deixaria, em acho.


Foram anos sozinho, e chega a ser estranho pra mim agora e bom ao mesmo tempo. 


ー Não tem nada passando na televisão. ー ouvi a voz de Jéssica ao meu lado, me dando um pequeno susto. 


ー Acho que pelas duas horas começa alguma coisa pra você. Pode procurar outros canais infantis ou…


ー Eu só gosto de Bob Esponja. Eu não sou tão criança assim, já estou crescendo! ー disse e eu dei risada. ー Poderíamos ver alguma série! 


ー Tanto faz pra mim. ー falei dando de ombros e me levantei.


ー Tem série nova, poderíamos ver! São só treze episódios e só uma hora cada! ー disse animada e eu dei risada mais uma vez assentindo.


Senti sua mão segurar a minha e me puxar para a sala, eu acho. Me empurrou, e eu me desequilibrei, caindo no sofá, suspirando aliviado por não cair no chão. Escutei o barulho da televisão, mudando de canal, e finalmente parando em um. 


ー É sobre uma garota morta. Falando sobre treze motivos dela ter se suicidado. ー falou e eu arqueei a sobrancelha, pondo as pernas em cima do sofá.


ー Para que se matar? Acho que não é necessário. ー falei. 


ー Isso nós vamos descobrir apenas assistindo e entendendo o porquê dela ter feito isso. Silêncio porque se não você não vai entender.  


Assenti e comecei a prestar atenção no que ouvia. 



•••



Já estávamos na oitava fita, e agora eu entendia o porque da garota ter feito o que fez com sua vida. Eram sete da noite, e Isabella tinha acabado de chegar, para estragar tudo, tinha prometido assistir quando Jéssica estivesse aqui. 


ー Por favor, Bella. ー escutava Jéssica pedir.


ー Não, agora temos que ir pra casa e deixar o Justin descansar. ー Isabella disse e Jéssica bufou. 


Ouvi Isabella mandar Jéssica ir pra casa primeiro, e senti suas mãos em meu rosto, me fazendo um leve carinho gostoso nos pelos que cresciam em meu rosto.


ー Ela deu muito trabalho hoje? 


ー Ela nunca dá trabalho. ー falei dando um meio sorriso. ー Eu preciso de sua ajuda.


ー Pode dizer.


ー É o Alex, ele está diferente. Pela segunda manhã consecutiva, ele não quis sair e até agora está em meu quarto. ー falei.


ー Poderíamos levar ele agora à algum veterinário. ー deu a ideia mas eu neguei.


ー Se amanhã você estiver disponível, poderíamos ir, mas hoje melhor não. Você está cansada.


ー Tudo bem, é verdade. Então por volta das nove da manhã já estou por aqui, okay? ー perguntou e eu assenti sorrindo sem mostrar os dentes. 


Senti seus lábios nos meus, pedindo passagem e na qual eu lhe dei na hora, pondo as mãos em cada lado de sua cintura enquanto sentia suas mãos em meus cabelos, os acariciando. Eu não poderia deixar essa mulher ir embora assim, eu não vou desistir. 


ー Nos vemos amanhã? ー falou após segundos depois de separar sua boca da minha.


Sorri. 


ー Nos vemos amanhã. ー falei e fui até a porta com ela.


Fechei a porta quando ela saiu, e fui até a instante, procurando pela chave e peguei a mesa, indo até a porta, trancando a mesma, e desliguei a televisão, indo para meu quarto. Entrei no nele e fechei a porta, tateando o chão com o pé, até sentir os pelos de Alex. Me sentei no chão, passando a mão por seu corpo, sentindo ele lamber meus dedos.


ー Amanhã vamos ver o que está havendo com você amigão. ー falei passando a mão por sua cabeça. 


Levantei do chão e segui para o banheiro, e deixei a porta encostada, tirei minha roupas por completo e tomei um banho quente. Após isso, vesti uma cueca, calça moletom e me deitei na cama, me enrolando com o lençol e esperando o sono chegar.  

Dream On


ー Justin, você fez dezessete anos dias atrás, não precisa sair tão tarde assim, e também comemorar hoje. 


ー Mãe por favor, eu passei a semana toda focado nas provas, me deixe curtir esse final de semana! 


ー Tudo bem, mas me prometo tomar cuidado? Fico preocupada com você andando com esse carro essa hora. 


ー Eu prometo mãe, eu volto pela manhã. 


Sai de casa apressado, pegando a chave de meus bolsos e indo até a garagem, destravando o carro e entrando no mesmo, ligando ele, e o tirando na garagem, indo pra rua. Eu só queria esquecer de tudo agora, fiquei muito focado nas provas, quero relaxar e apenas curtir meu aniversário que já passou. 


Após alguns minutos, parei na casa de Chaz e vi ele e Ryan me esperarem em frente a sua casa. Fizemos um toque e eles entraram no carro, voltei a dirigir o carro, e íamos conversando sobre a boate que íamos, que era até um pouco longe dali.


ー Por que não fazemos umas manobras na pista? Ela tá vazia, e você já sabe bem como fazer isso Justin.


ー Melhor não cara, ainda não confio. 


ー Vai logo Justin, nós dois te mostramos como é. Não tem erro, é só diversão, vai! 


ー Tudo bem, mas só algumas. Não quero correr riscos desse carro capotar. 


Comecei a acelerar o carro, passando pelas curvas curtas, e vi que tinha começado a chover, ameacei parar, mas os meninos só me incentivaram. Eu não conseguia parar mais, a sensação era ótima e mesmo dando umas derrapadas, eu dava risada, o cinto me segurava também.


ー Mais uma! ー Chaz disse alto e eu assenti rindo acelerando e freando em mais uma curva.


Mas o carro não conseguiu terminar o caminho, e carro desceu ladeira a baixo, e era como se eu estivesse sem o cinto batendo a cabeça e braços em tudo o que é lugar. Todo o meu corpo doía, eu não conseguia raciocinar direito, então o carro bateu em algo o que me fez apagar com tudo. 


•••



Eu estava acordando aos poucos, minha cabeça, pernas e braços ainda doíam muito. Abri os olhos, mas era como se eu não tivesse feito isso. Fechei e abri mais uma vez, não via absolutamente nada, apenas uma escuridão, e nada mais.


Minha respiração estava descompassada, eu me negava a acreditar que eu não estava vendo, que isso só durasse por alguns minutos, eu esperei cinco minutos, mas nada aconteceu, apenas do mesmo jeito.



ー SOCORRO! ENFERMEIRA! 


Comecei a me desesperar, eu já chorava e gritava por socorro, eu não poderia ter perdido a visão, eu não queria acreditar mas era real, eu não estava vendo mais.

Dream Off


Acordei de uma vez ficando sentado, não querendo mais lembrar desse dia, tentando controlar minha respiração, eu estava suando frio. Passei a mão no rosto, acalmando meu corpo, tentando me acalmar, e me deitei novamente, pensando o porque de eu ter tido um sonho ou lembrado disso, faz muito tempo que eu nem tocava no assunto ou sequer lembrava. 




Isabella Hills ー Point Of View



Eu tinha acabado de acordar por conta do despertador. Tinha esquecido que ajudar Justin com Alex, que eu até fiquei preocupada também. Eu nem me liguei que Justin não estava saindo mais pela manhã. 


Levantei da minha cama, e fui até o banheiro molhar o rosto, para tentar acordar um pouco. Me arrumei, escovei os dentes, e assim que terminei sai do quarto indo até o quarto de Jéssica, vendo se ela está dormindo, e confirmando isso. 


Voltei ao meu quarto e peguei uma bolsa pequena colocando tudo o que eu precisava ali dentro, e sai do quarto indo para a sala e pegando a chave, abrindo a porta e saindo de casa, a trancando seguida. Fui até a casa de Justin e bati em sua porta, esperando alguns minutos até ela se abrir.

ー Oi. ー ele disse após alguns segundos, sorrindo.

ー Oi, já podemos ir? ー perguntei e ele assentiu me dando as costas, e voltando com Alex.

Segurei Alex enquanto Justin trancava a porta de sua casa, em seguida ele segurou a coleira de Alex novamente e seguimos pra a calçada, onde eu segurei sua mão, vendo que ele olhou para o lado mordendo os lábios.

ー Bom, como você disse que o Alex tinha chegado? ー perguntei e ele girou a cabeça pra frente, enquanto andávamos.

ー Ele não quer sair e sempre ficar pos cantos, eu acho. ー falou, fazendo uma meia careta.

ー Eu acho que ele está atébbem, olhando agora. ー olhei pra Alex, que parou antes de nós, quando o sinal abriu para os carros.

ー Eu acho que tudo é culpa minha,eu não sou tão ligado em como ele está, não sei. ー Justin disse e eu bufei.

ー Para com isso, Justin! Af, isso pode acontecer com qualquer cachorro! ー falei, e ele deu de ombros. 

Andamos por mais alguns minutos, e chegamos a uma clínica veterinária, eu preenchi a ficha de Alex, e ficando sentados em uma das várias cadeiras da sala de espera, enquanto Alex era levado para uma sala de exames. 

Justin parecia bem pensativo, eu tinha o chamado mas ele parecia não ter ouvido. 

ー Justin, está tudo bem? ー perguntei tocando seu ombro. 

ー Está sim. ー falou e eu dei de ombros, ainda com a mão no seu ombro.

Nós fomos chamados após cerca de trinta minutos, e fomos encaminhados para um sala, onde tinha um homem lá dentro, de jaleco branco, nos cumprimentando e pedindo para nos sentarmos.

ー Bom, pelos exames, ele não tem nada. Apenas está estressado com algo. ー falou nos olhando e ficou me encarando descaradamente.


ー Então está tudo bem com ele? ー Justin perguntou.


ー Sim, está tudo ótimo com ele. ー falou encarando o Justin, quase rindo. 


Eu não estava gostando dessa situação, ele estava rindo do Justin?


ー Ele só não pode se estressar muito, vou deixar alguns medicamentos aqui. ー falou pegando um papel e anotando algumas coisas. ー Tenham um ótimo dia. ー falou ficando de pé, e eu fiquei de pé junto a Justin.


O médico estendeu o papel para mim e eu peguei de uma vez, saindo daquela sala com Justin antes que o cara falasse alguma coisa. 


ー Nossa, pra que essa pressa? ー Justin perguntou quando já estávamos ao lado de fora da sala. 


ー Uma mulher nos chamou para ir buscar Alex. ー dei uma desculpa, que ele engoliu.

Eu fiquei procurando por Alex, até que o achei com uma mulher que já nos esperava. Justin segurou o mesmo, e eu fui até a recepção, pagar quanto ficou os exames.

ー Isabella, aqui está o dinheiro para pagar os exames. ー falou Justin ao meu lado, me entregando o dinheiro.

ー Não, eu vou pagar.

ー Pega logo esse dinheiro, Isabella. ー falou meio alto, e eu assenti bufando em seguida e pegando o dinheiro da sua mão, e contando o mesmo entragando para a mulher o quanto deveria ser pago. 

Saímos de lá, e pelo horário eram quase onze da manhã. Voltamos pelo caminho que tínhamos ido, e logo chegamos ao nosso bairro. Levei Justin até sua casa, e voltei para a minha, tinha que me ajeitar para ir trabalhar. Trabalhar, finalmente, e até que o hospital era ótimo, dava pra atender muita gente. 

ー Jéssica, cheguei! ー avisei assim que cheguei em casa, mas nenhum sinal dela. ー Jéssica? ー chamei alto. 

Vi a porta de minha casa ser aberta e vi Jéssica entrar suada. 

ー Onde estava? 

ー Na casa do vizinho, estava brincando. ー falou e eu a olhei desconfiada. ー O que foi?

ー Mesmo? ー perguntei, e ela assentiu.

O celular tocou em meu bolso e eu vi que era Wanessa.

ー Oi Wanessa!

CADÊ A FOTO? VOCÊ DISSE QUE IA MANDAR A FOTO DO SEU BOY, EU TENHO QUE AVALIAR! 

Dei risada vendo Jéssica me olhar risonha e curiosa.

ー Calma, eu vou te mandar. Eu esqueci de tirar.

Pare de enrolação, VAI LOGO! ー disse e e desligou em minha cara. 

Dei risada e expliquei tudo a Jéssica, e a mesma pegou meu telefone e correu para fora de casa, dizendo que ia tirar um foto de Justin. A Wanessa foi de sempre ficar avaliando os caras de que eu gosto ou foco saindo. 

Após alguns minutos, Jéssica chegou animada me entregando o celular. Tinha algumas fotos de Justin assustado, e outras dele rindo. Estava sem a camisa, aparentemente ter a acabado de tirar. E tinha um vídeo.

Ah, eu virei fotógrafa agora. ー Jéssica dizia, e eu ri.

O que está tramando Jéssica? 

ー Nada ué, o que mais eu faria? Vai me render muitas fotos. ー Jéssica disse de forma engraçada, fazendo Justin dar risada, o que me fez sorrir olhando pro vídeo. 

Ok, eu não acreditei nisso, o que está acontecendo? 

Nada não, agora eu vou embora. ー Disse Jéssica e Justin tentou segui-la mas ela correu e saiu de sua casa rindo.

E assim o vídeo acabou, fui até o chat de Wanessa e enviei algumas fotos pra a, outras eu preferia guardar pra mim, e mandei o vídeo pra ela. 

Ela olhou tudo e em seguida me ligou.

AAAAAAAA! SE VOCÊ DEIXAR ELE ESCAPAR, EU DOU NA SUA CARA! MEU DEUS, ELE É MARAVILHOSO! ESCUTOU A VOZ DELE? EU CHOREI E NÃO DISSE POR ONDE!

Eu vou ficar surda com esses surtos dela.

ー Calma, quer me deixar surda sua maluca? Não grite! 

Eu tô te dizendo, esse é o cara, sem falar que é um homão da porra, então tu para. Ele parece ser um cara legal. 

ー Ele é legal sim...

Mal posso esperar pra chegar aí e ver meu opt juntinho! 

ー Você é tão doida! 

Doida nada, apenas foi ficar indignada se você não quiser mais nada com ele depois. Eu teria trinta filhos com ele se ele quisesse. 

Você é tão exagerada! 


Seguimos conversando por mais alguns segundos, e então eu desliguei, mandando Jéssica subir e ir tomar banho. Corri para meu quarto e fiz o mesmo, me arrumando pra ir trabalhar, já que pela manhã, eu não fui para a universidade.

Assim que terminei de me arrumar, cheguei a sala e vi Jéssica sentada e arrumada no sofá da sala. 

ー Já está pronta? ー perguntei, quando cheguei a sala, segurando minha bolsa. 

ー Sim, já posso ir pra casa do Justin? ー perguntou e eu assenti indo até a porta e saindo de casa junto a Jéssica. 

Andei com ela até a casa de Justin, e bati em sua porta, vendo ele abri e deixar Jéssica entrar. Dei um beijo em seus lábios e me despedi, indo para um ponto de táxi, e aguardando um.

ー Olha só quem está aqui. ー ouvi a voz enjoada de Sofia.

ー O que foi? Quer levar um tapa de novo? ー ameacei, me aproximando dela, que se afastou. 

ー Eu só estou avisando que você vai se arrepender do que fez. 






Notas Finais


• Guys, o hot deles não vai demorar a chegar tá? não se preocupem. Eu vou dar meu máximo pra ficar bom, já que eu não sou muito boa nisso.


• Espero que tenham gostado do capítulo, embora eu tenha me atrasado para postar. <3 Só para avisar que quando a fanfic chegar aos 500 favoritos vai ter um capítulo especial de 5 mil palavras!

Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...