1. Spirit Fanfics >
  2. Infantilismo ( Jikook - Segunda temporada ) Hiatus. >
  3. Capítulo 10.

História Infantilismo ( Jikook - Segunda temporada ) Hiatus. - Capítulo 10


Escrita por:


Capítulo 10 - Capítulo 10.


Fanfic / Fanfiction Infantilismo ( Jikook - Segunda temporada ) Hiatus. - Capítulo 10 - Capítulo 10.

   - Jantar? - Pergunto o loiro confuso, ao que bebericava do achocolatado, que Jungkook recém tinha feito e posto em sua frente. Junto com algumas torradas, recheadas com geleia de morango. Era estranho para Jimin ser convidado para um jantar, que sequer conhecia o anfitrião. Nem sabia, com se comportar em lugares chiques, com pessoas chiques e comidas chiques.

   - É.... – Confirmou desanimado, enquanto levava uma colherada de banana amassada, até a boca do filho. Assim o alimentando. 

   - É tão ruim assim? – Mais uma vez perguntou confuso e ao mesmo tempo curioso, pela a possível resposta. Está que pela a cara de Jungkook, não seria uma das melhores. Decidiu não falar mais nada e apenas voltou a comer sua torrada, sem olhar para o moreno.

 

   Alguns minutos haviam se passado e um silêncio mórbido, Tinha se instalado. Cada um estava em seu próprio mundinho. Jimin chegou a pensar, que talvez suas perguntas estive incomodando o moreno, entretanto, tirou isso da cabeça ao ter sua pergunta respondida.

   - É péssimo.... – Jungkook falou depois de alguns minutos, com a testa franzida e os lábios reprimidos, formando um risco. – Senhor Lee é um homem ganancioso. Ele é um homem que joga sujo, Mata pessoas, sequestra... Tudo de ruim que você pode imaginar. O importante para ele, é vencer. Se tornando cada vez mais rico, não importa quem seja , ele vai dar um jeito de te derrubar. – O moreno fitou o prato de banana amassada, enquanto pensava em algo. Logo sua expressão se tornou melancólica e em seguida, ele deu continuidade a sua frase. – Até mesmo, ameaçar as pessoas, que você ama.

   Seus lábios tremiam, fazendo o moreno se apressar e soltar Eunwoon no chão, ao terminar de alimenta-lo e praticamente correu para a cozinha. Com o prato em mãos. Deixando Jimin levemente atordoado para trás, apenas com os seus pensamentos.

   - Ele está preste a chorar... – Comentou para si mesmo, enquanto seu corpo era bombardeado por várias emoções. Sentia-se na obrigação de conforta-lo, de ser o seu ombro amigo. Mas como iria ajudá-lo, sendo que estava quase chorando?

   Sempre foi sentimental, ao ponto de chorar, só se de ver outra pessoa chorando. Quais queres resquícios de choro em outras pessoas, já fazia seus olhos lagrimejarem. E minutos depois, estava chorando.

   Hesitante sobre se devia ou não ir, Jimin entrou na cozinha, vendo o moreno em frente a pia, de costas para a porta. Seus ombros largos, chacoalhavam de leve, repetidas vezes. Anunciando seu choro.

   - Você estava se referindo a nós, certo? – Abraçou Jungkook por trás. Assim o moreno não o veria chorando, por uma coisa tão fútil. Em um sobressalto, Jeon limpou as lágrimas que escoriam pelo o rosto, e abriu um sorriso forçado. E se virou para o loiro.

   - Eu não sei do que você está falando. – Soltou uma risada estranha, como se Jimin estivesse blefando.

   - Por que está tentando mentira para mim? Não foi você que disse, que precisávamos confiar um no outro? Jungkook, não dá para criar um relacionamento em meio ao um mar mentiras... Eu estou aqui, pode desabafar comigo. Pode chorar, eu estarei aqui para lhe servir de ombro amigo. Apesar de tudo, eu sempre serei o seu amigo... – Pegou a mão direita de Jeon, e entrelaçou na sua. – Por favor, confie em mim... Não precisa forçar um sorriso, eu não lhe julgarei. – Em um movimento abrupto, Jungkook envolveu o loiro em um abraço cheio de sentimentos. Mas é claro, que tomava cuidado para não machucar ainda mais o braço quebrado do mesmo.

   E pela a primeira vez em anos, Jimin presenciou Jungkook chorar. Naquele abraço, ele conseguia sentir toda a angústia, todo o medo, que o moreno guardava para si próprio. O medo que ele sentia de perder aqueles que ele amava, e tudo aquilo ali, ele carregava tudo aquilo em segredo. Por fora, esbanjava lindos sorrisos, e por dentro... Estava ferido.

   Um sentimento de culpa e arrependimento, brotou. Havia passado anos amaldiçoando o moreno, após ele ter dito – Indiretamente - que apenas usufruía de seu corpo, para satisfazer seu desejo sexual. Jimin achava que ele era o maior charlatão, que queria viver apenas na fará, com mulheres sensuais e esbeltas, ao seu lado. Entretanto, agora via que a situação não era a que julgava ser. Mas sim outra. E o admirava secretamente por isso. O admirava por exercer o seu papel de pai tão bem.

   Havia sido pueril por não ter dado sequer a oportunidade do mais velho se expressar, tanto que precisou, ser ameaçado, a respeito da custódia do Eunwoon. Para assim terem uma conversa “civilizada”. Caso o incidente da piscina, não tivesse acontecido, quando que iria descobrir no que o Jeon estava envolvido? Essa pergunta martelava na cabeça de Jimin, mas talvez não fosse a melhor hora para perguntar.

   Sem precisar disser nada, Jimin guiou Jeon até a sala de estar e lá deitou-se no sofá acolchoado e fofinho. Puxando Jungkook para se deitar em seu peito. Não precisava dizer palavras, para consola-lo, apenas um cafuné, seria de grande ajudar. Com esse pensamento em mente, suas mãos foram de encontro com o coro cabeludo do mais alto. Seus dedos dedilhavam as madeixas, longas e bem cuidadas de Jeon. Acabando por se distrair no processo, aquilo ali, era como uma terapia.

   Alguns minutos se passaram e a respiração de Jungkook estava mais calma, até mesmo achou que o mais velho tinha dormido. Entretanto, descartou, ao vê-lo sorrir para Eunwoon. Este que estava de pé, ao lado do sofá e brincava com o pai.

   - Está mais calmo? – Exclamou em tom manso, e baixo, porém audível. No processo, sentiu sua garganta doer, o obrigando a se calar.

   - É... Seu cafuné tem esse poder. – Um sorriso refreado dançou nos lábios do loiro, e um vermelhão se apossar de suas bochechas. Jungkook tinha esse poder sobre si. Era inevitável não ficar envergonhado, na presença do moreno.

   - Eu preciso ir trabalhar, acha que consegue ficar sozinho e ao mesmo tempo cuidar do Eunwoon? – Parou o cafuné.

   - Você precisa mesmo ir? Não pode ficar só mais um pouquinho? – Apoiou seu queixo sobre o peitoral do loiro, e lhe Fitou com aquelas orbes negras e pidonas. – Só mais um pouquinho... Por favor. – Um biquinho fofo, cresceu em seus lábios.

   - Só mais um pouquinho, só um pouquinho. Ouviu? – Sorriu e puxou Eunwoon para cima do sofá. – Você não pode deixa-lo nesse chão gelado!

   - Certo Mãe... Aí amor! Não me bate! – Reclamou, enquanto Jimin lhe batia.

   - Não me chame de mãe! Palhaço! – Sorriu. – Ah! Eu tenho uma pergunta! – Proferiu animado.

   - E qual seria? Sobre o casamento? Acho melhor resolvemos as coisas com o Senhor Lee, e depois nos casamos. – Jungkook brincou, logo recebendo outro tapa. – Da para parar? Tapa só na cama! – Sorriu malicioso.

   - Idiota! Eu estou curioso dessas tatuagens aí..

° ° °

   - Jimin!! – Minhyuk foi de encontro com o corpo do loiro, ocasionando em um desequilíbrio da parte de Park, resultado em uma queda feia. Minhyuk pareceu não se importar com a queda, e muito menos se estavam esparramados no chão. Apenas abraçou o torso do menor fortemente. Seu aperto era tão forte, que chegava a machucar.

   - Está me machucando, Mi. – Balbuciava, tentando tirar o corpo do amigo de cima de si, principalmente de cima do seu braço, este que latejava.

   - Desculpa! – Rapidamente saiu de cima de Park e analisou seu braço enfaixado. Seu rosto ficou pálido. – Meu deus, o que aconteceu com o seu braço? Foi aquele Jungkook, que fez isso?! – O mesmo exclamava incrédulo, enquanto ajudava Jimin a ficar em pé.

   - Não, ele não fez nada. Eu apenas me desiquilibrei e caiu por cima dele. – Se referiu ao próprio braço. – Agora se me dá licença, eu preciso tomar um banho e ir trabalhar. – Deu as costas, subindo os degraus do escadas. Não queria ficar muito tempo na presença do amigo, caso contrário, contaria tudo que o Jeon havia lhe dito.

   - Ji... Nós precisamos conversar... – Minhyuk lhe seguiu, parecia estar convencido do que queria. E não desistiria tão fácil assim.

   - Não podemos conversar, quando eu voltar? – Indagou cansado.

   - Cara, eu lhe conheço o suficiente para saber que depois você sequer vai olhar na minha cara... – Parou no meio da escada, fitando as costas do menor. – Vai ser rápido, eu prometo...

   - Que seja, só vamos logo! – Se apressou e correu para acompanhar o loiro. – Entre... – Abriu a porta de seu quarto, logo dando passagem para o amigo entrar. – Pronto, desembucha.

   - Você sabe, que eu não consigo ficar de mal com você... Ji, eu.... E-eu queria pedir desculpa pelo o beijo, eu pensei, que se eu te beijasse, o Jeon iria embora. – O ruivo olhava as próprias mãos, com medo do olhar julgador do mesmo. – Eu juro que não foi a minha intenção... – Toda aquela situação, estava lhe deixando sensível. Sendo que ele acabou chorando.

   - Hey, não precisa chorar. Eu desculpo você. – Acolheu o melhor amigo em um abraço.

 

   - Obrigado... – Logo o ruivo se afastou do abraço, enxugando suas lágrimas... Não atardou muito e o seu olhar focou no pescoço do amigo. – Isso é um chupão??

   - E-er... N-não.. claro que não! – Tampou o chupão rapidamente, enquanto se afastava. – Foi um mosquito!

   - A qual é? Um mosquito?! – O ruivo riu. – Me fala, quem foi o safado que fez isso?

 

   - Foi o Jeon... – Droga! Havia espalhado o segredo, era óbvio que o Jeon ficaria decepcionado consigo. Afinal, não era de confiança para guardar segredos. Agora tudo estava em risco.

   - Que maneiro! Então significa que vocês se resolveram? – O ruivo perguntava animado, parecia estar contente com a revelação.

   - Sim, mas em hipótese alguma, fale para alguém. Isso precisa ser mantido em total sigilo. – Jimin carregava uma feição preocupada, o que deixou o amigo em alerta. – Ninguém pode saber, a vidas em riscos.

   - Certo! – Concordou, para o alívio de Jimin. – Isso tá parecendo um filme de ação! – Minhyuk batinha palminhas.

   - Não Mi, isso não parece um filme. A vida real é diferente, dos filmes de ações. Só mantenha em sigilo, que tudo ficará bem...

   - Mas de uma coisa, eu tenho certeza: O bichicho sabe como marcar território!

   - Minhyuk!!!


Notas Finais


~ Desculpa gente, eu não tô bem.... Psicologicamente.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...