História Infiltrada - SasuSaku - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Karin, Kiba Inuzuka, Personagens Originais, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha
Tags Boxe, Comedia, Fraternidade, Hentai, Naruhina, Naruto, Saiino, Sasosaku, Sasuino, Sasukarin, Sasusaku, Shikatema, Universidade
Visualizações 124
Palavras 2.033
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Chegamos com mais um capítulo!

Boa leitura :3

Capítulo 4 - Capítulo 03


Fanfic / Fanfiction Infiltrada - SasuSaku - Capítulo 4 - Capítulo 03


Eu bati a porta daquele dormitório com tanta força que até que entrava no prédio deveria ter se assustado, já os imagino se jogando no chão pensando em um ataque terrorista, eu acharia graça se não estivesse com tanta raiva

Eu soltei um grito passando as mãos em meu rosto em sinal de desespero, aquela  assistente de dormitório, sei lá o que, que não venha encher o meu saco logo hoje, se não até ela roda

Ouvi histórias de RA's que se tornavam amigos dos residentes e tal, mas comigo não, eu precisava ficar no prédio que tinha a pior RA

Eu caminhei até a frente do meu espelho, eu queria muito quebrar alguma cosia mas eu já tenho problemas com a RA não preciso que a tia da limpeza me odeie, por isso respirei profundamente e dei meia volta

Mas ai eu me lembrei daquele casal do inferno e quando eu vi o espelho já havia voado longe, culpe o casalzinho lá e não a mim, cruzes, imagina um filho daqueles dois, vou começar a pedir pela alma abençoada de suas professoras desde agora

Eu realmente estava com raiva levando em conta que minha vontade de quebrar absolutamente tudo naquele dormitório, mas como isso aqui não é novela, e meu tio me mataria, o reitor me mataria, e a Hinata também eu resolvi ir tomar um banho

Descontei meu ódio até na roupa enquanto eu as tirava e as voava longe, não me importei em cata las entrando no banheiro deixando tudo como estava

Eu abri o registro com raiva e eu precisava tanto daquilo que não esperei a água esquentar, meu corpo estava tão quente que eu mal senti a água gelada

Apoiei minhas mãos no boxe deixando a água escorrer pelo meu corpo enquanto eu implorava para ela levar aqueles sentimentos ruins que haviam deixado um nó em minha garganta

Quebrar as coisas ajuda a descontar a raiva mas sabe o que a leva de vez? As lágrimas

E era isso que eu fazia naquele instante, não que eu estivesse triste ou magoada, eu não me importo o suficiente com aqueles idiotas para isso, talvez Naruto tenha me desapontado mas essa é outra história

Eu colocava para fora minha raiva e acima de tudo minha revolta, eu tinha raiva não por eles terem - tentando fazer - feito aquilo comigo, eu tive raiva por todas as pessoas que passaram por aquele tipo de coisa, por aqueles trotes estúpidos

Quantas garotas foram magoadas, iludidas, destruídas, e quantos garotos sofreram com aquela merda, foram humilhados, eu já ouvi histórias de pessoas que foram estrupadas, espancadas, que pararam no hospital, pessoas que até mesmo morreram

E eu pensava o quão egocêntricos aqueles idiotas poderiam ser, eles se achavam no direito de atazanar a vida de alguém pelo simples motivo dela ser diferente, de não se enquadrar em seus adorados padrões, eu sorri em escárnio, toda essa merda por meu cabelo ser rosa

Peguei nas meichas molhadas de meu cabelo rosa, ele era a única coisa que eu me permitia ter de diferente, era uma maneira de me manter viva, de lembrar a mim mesma a minha força, a minha eterna necessidade de ser diferente

Quando os piercings, as bebidas, e as roupas curtas foram embora eu me vi uma mulher sem graça, eu vi em mim o reflexo de alguém que não era eu, e vivi com aquilo algum tempo até reencontrar Ino nas últimas férias antes de vir a Colúmbia, ela disse que eu estava como uma boneca, uma boneca linda e sem graça

E quando Ino pintou meu cabelo de rosa enquanto eu dormia ela me fez um grande favor, no meu cabelo eu pude depositar nele meu jeito de viver, eu nunca fiz parte dos padrões - quem me dera ter feito - as garotas da minha idade brincavam de boneca enquanto eu lutava boxe, quando às garotas deram seus primeiros beijos eu estava vendo minha mãe perder seus cabelos, elas ganharam festas aos quinze anos e eu fiz uma tatuagem, e enquanto elas começaram seus namorinhos, eu estava transando bêbada ou drogada em um motel qualquer, e depois de tudo isso, eu não podia simplesmente me vestir como a garota boazinha que teve a vida perfeita, minha vida foi tudo menos perfeita

E se tivesse tido a vida perfeita que as pessoas imaginam ao me ver na primeira fileira de cadeiras na sala de aula, respondendo todas as perguntas dos professores, eu me importaria com a opinião deles sobre mim, me abalaria por ter sofrido um - quase - trote, mas eu havia passado por coisas mil vezes piores do que aquilo

Meu cabelo tão estranho não era um ato de rebeldia pra fazer minha mamãe arrancar seus cabelos e meu papai surtar, minha mãe estava morta e meu pai estava bêbado acabando o resto de vida que lhe sobrou, então, meus amigos, eu não me importo com o que aqueles projetos de badboys e o projeto ruivo de líder de torcida má pensavam sobre mim, eu só quero que eles se fodam, de preferência bem longe de mim


Quando eu sai do banheiro Hinata limpava as cacos de vidro no chão, e Ino catava minhas roupas - com uma luva - do chão, eu queria ter dito que era preciso mas eu estava cansada demais e só agradeci

Ainda de toalha eu me joguei na minha cama se me importar se ela malharia

- Eu vi o vídeo, aquele idiota mereceu. - comentou Ino me tirando um sorriso

- Rosa só combina com você, testuda. - Ino jogou se ao meu lado. - pode me agradecer depois

- S-Saky eu sinto muito, o Naruto, ele... ele...

Eu olhei para Hinata vendo o quão ela parecia triste

- Não precisa se desculpar, Hina. - voltei a olhar para o teto. - Você não tem culpa pelo que os amigos dele fazem, eles são uns idiotas e isso não vai mudar

- E-Eu sei e por isso eu vou ter...

Eu não precisei dizer nada pois Ino fez por mim

- Você não precisa deixar ninguém por nós, você é feliz com o Naruto e ficamos feliz com isso. - Ignorei o fato de que Ino estava falando por nós duas e assenti concordando. - Mas você não vai poder fazer nada em relação a nossa vingança

E o meu sensor de "fudeo" explodiu

Sentei me na cama - Nem pesar, Ino. - Negava compulsivamente com a cabeça. - Não vou embarcar em nenhuma loucura 

Foi a vez da loira sentar se. - Loucura? E desde quando eu faço alguma loucura? - havia um sorriso cínico nos lábios dela

- Ino, você cortou o cabelo da menina que tentou beijar o Naruto naquela festa. - lembrou Hinata

Coitada, a garota ficou igual uma galinha cocota, só dela ver Ino que se treme toda, esses dias Naruto sorriu pra ela na educação e a mesma desmaiou, eu ri com a mão no peito porque sabia que era errado

- Eu fiz isso por você, Hinata! Pela sua honra! Não precisa me agradecer

- Então, testuda, o que me diz? - seus olhos brilhavam em malícia, cruz, essa barbie é do mal

- Não!

Mesmo que uma parte - bem grande - de mim estivesse louca pra colocar tinta rosa no shappo de cada um deles eu resolvi a ignorar, uma vez que eu não preciso de mais confusão em minha vida

- Mas você nem sabe o que eu tenho em mente, testuda!

- Seja o que for eu sei que não vou gostar

Dito isso eu me levantei pra procurar uma roupa, a perseguida já havia pegado um ventinho mesmo

- Você tá falando isso porque ainda não ouviu a minha idéia, imagina só, " o quão arcaica e machista pode ser uma república masculina? " eu já consigo imaginar o alvoroço nesse campus. - disse sonhadora

Eu parei instantaneamente de procurar minha rouba, olhei para Hinata

- É um ótimo título. - respondeu dando ombros

Certo. Eu que não queria uma namorada dessas

Ino me olhava em expectativa

- Você viajou legal nessa. - murmurei voltando a procurar uma roupa

- M-Mas você não pode deixar as coisas por isso mesmo! E a humilhação? E a humilhação das outras mulheres? Pensei que você lutasse por igualdade

Sorri enquanto procurava uma roupa, a barbie queria me manipular, coitada

- E como eu faria isso, Ino? Como você mesmo disse é uma república masculina

- Bom... a gente só precisa te disfarçar de homem, aí você entra na fraternidade, é aceita como membro, descobre os podres, passa esse semestre lá e pronto, no último ano jogamos a bomba como meu TCC, mas você vai ter crédito, é claro!

- Fácil desse jeito? - perguntei  olhando para ela sobre os ombros

- Fácil desse jeito

Ela ignorou minha ironia. Pode isso, autora?

Revirei meus olhos voltando a procurar uma roupa

- Você quer é um TCC pra poder se formar, que feio, porca, você está tentando usar sua melhor amiga!

- Talvez eu queira um TCC mesmo mas não seria uma ótima vingança? Imagina só a cara dos idiotas quando tiverem sua querida fraternidade fechada? 

Ino sussurrava em meu ouvido, como meu lado demônio, eu dei um pulo, como essa maluca chegou tão perto de mim sem eu perceber? 

Olhei para Hinata que deveria ser meu lado anjo mas ela estava plena babando no seu travesseiro. Ótimo, se der merda culpem ela!

- Olha aqui, Barbie. - disse virando me para ela. - se você quer uma cobaia vai procurando outra, ou então vai você mesmo! - disse cruzando meus braços

- Não dá, testuda, eu chamo muita atenção, as pessoas me conhecem, não consigo passar despercebida

Arqueei uma sobrancelha querendo ter a alto estima da minha amiga

- Sinto lhe dizer, mas despercebida é algo que eu deixei de ser algumas horas mais cedo

- mas com umas poucas semanas as pessoas vão esquecer, testuda, e você vai voltar a ser invisível

Revirei meus olhos, sairei dessa conversa com minha auto estima maior que nunca!

- Certo, Ino. Se for assim por isso porque você não pede pra Hinata? Ela também é "invisível" - fiz aspas 

Pude ver as engrenagens da cabeça loira da minha melhor amiga começarem a funcionar e eu mordi meus lábios tentando conter o sorriso, olhei para Hinata que murmurava coisas sem sentindo enquanto dormia, sinto muito, querida. 

- Não vai dar. - disse Ino acabando com meus sonhos

- Ela namora o Naruto, e o loiro pode ser burro o bastante pra não te reconhecer mas com certeza reconheceria ela

Eu até defenderia o Narutinho mas preguiça

- E ela tem curvas demais para esconder, com você é muito mais fácil

Segui o olhar de Ino encontrando meus peitinhos apertados como duas ervilhas em meio aos meus braços cruzados, senti meu rosto esquentar, e o virei para o lado. - Eu tenho o peito de uma mulher normal. - disse emburrada

- Uma mulher normal de quinze anos. - debochou

- Certo, porca, então procure alguém com duas melancias pra te ajudar! 

Dito isso eu voltei a procurar uma roupa. Porra, autora, pra que tanta roupa? 

- A não, Sakura! Você não pode me abandonar! Você nunca foge de uma missão!

- Mas essa é suicida! - Eu disse enquanto pegava uma roupa qualquer 

Revirei os olhos, passei metade do capitulo nesse guarda roupa pra pegar qualquer coisa

Ino se jogou aos meus pés - dramática como sempre - me impedindo de continuar até o banheiro

- Por favor, Sakyyyyyy. - choramingou

A última vez que eu aceitei uma missão de Ino eu tinha quatorze anos, passei uma noite detida e tenho até hoje uma ordem de restrição nas costas

- Não. 

Vi Ino largar da minha perna mas sabia que ela não desistiria tão fácil

- Você me deve essa, Sakura! Eu atravessei o país por você!

Tá bom, essa foi baixa. Como eu disse, reencontrei Ino nas últimas férias antes da universidade, ela estudaria em Los Angeles, e realmente estudou lá por um único semestre antes de por na cabeça que viria para cá, viria por mim

Eu amei a idéia, afinal, Ino sempre foi minha melhor amiga, mas não acreditei em sua vinda, mas, pasmem, a Barbie convenceu o reitor da minha universidade, uma das mais rigorosas dos EUA, a lhe aceitar, sendo assim, minha melhor amiga atravessou o país por minha causa

Vi um sorriso nascer nos lábios da loira ao ver que fiquei balançada, mas ninguém manipula Sakura Haruno, bebês

- Nem pensar, porca. 

Bati a porta do banheiro




Notas Finais


Então o que acharam do capitulo? Comentem!

https://www.spiritfanfiction.com/historia/eu-faco-meu-proprio-destino--sasusaku-12422203 este é o link da minha outra fic

Até a próxima, bebês

Beijo, miau


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...