História Infinite's Nonna - Capítulo 8


Escrita por: e Jeh_KyuNam

Postado
Categorias Infinite
Personagens Dongwoo, Hoya, Myungsoo (L), Personagens Originais, Sunggyu, Sungjong, Sungyeol, Woohyun
Tags Bang_antonela, Comedia, Hentai, Infinite, Jeh_kyunam, Romance
Visualizações 67
Palavras 1.825
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie... Olha quem voltou? Sin, soy yo! La Tía Antó! A mis amores, la Tía ya estaba con nostalgia de ustedes; espero que tengan gusto del capítulo.
Hasta las notas finales...

Capítulo 8 - Então né...


Fanfic / Fanfiction Infinite's Nonna - Capítulo 8 - Então né...

- Olha eu aqui! – sorri pro mais novo disfarçando meu nervoso. – Jeh Nonna sou eu, é... – RI sem graça observando sua expressão fechada.

- Não diga?! – O mais novo olhou pro líder e depois olhou pra mim.

- É... O que você queria Namu?! – fui pra mais perto do menor passando por ele na porta e saindo da dispensa.

- Vamos e eu te falo! – ele segurou meu pulso.

- Ela estava me ajudando com as chaves Namu, mas não há problema algum eu espero vc falar com ela! – Gyu sorriu e pegou a caixa de chaves da minha mão indo até o balcão.

- Pronto Namu, o que você queria?! – Sorri pro mesmo ata ver se arrancava um sorriso dele mas nada.

- É assunto particular! – Ele falou alto enquanto olhava na direção do líder que parou o que fazia para nos olhar.

- Esta... Esta bem! – concordei e ele foi me puxando pelo pulso até a sala que estava vazia.

- O que era aquilo?! – Ele estava bravo e se referia a cena que vira.

- Aquilo o quê?! – dei uma de desentendida.

- Ahh.... – ele riu sarcástico. – Por favor nonna, eu não sou besta e você muito menos. Estou falando daquela palhaçada dentro da despensa!

- Não tinha palhaçada alguma Namu... – o encarei calma. – Eu estava apenas ajudando o Gyu com as chaves!

- Me pareceu outra coisa. – ele bufou. – E bem diferente!

- Namu, eu apenas fui pegar as chaves na despensa, mas como elas estavam altas demais para que eu alcançasse, o Gyu pegou pra mim! – contei-lhe o acontecido.

- Então era ele que estava te ajudando... – ele ergueu uma das sobrancelhas. – Não ao contrário! – Me lançou um olhar duvidoso.

- Sim e... Não! – Me confundi na frase ao perceber onde ele queria chegar. – Não é nada disso que você está pensando... Eu fui buscar as chaves então eu estava ajudando ele!

- Mas você não pegou as chaves porque não as alcançou, então ele pegou pra você, o que quer dizer que ele estava te ajudando!

- Não! Eu fui pegar as chaves porque o Dongwoo foi ver o que os meninos tinham quebrado no andar de cima! – me expliquei.

- Oh é um trio! – ele abriu mais uma vez um sorriso sarcástico.

- Não, não é isso que você está pensando... – ele me cortou.

- O que eu estou pensando nonna?! – fui questionada. – eu não estou pensando eu vi!

- O que? Não! – o encarei desesperada. – Você está entendendo errado.

- Sabe o que é estranho... – ele gargalhou e eu me assuste um pouco. – Se o Gyu estava te ajudando segurando na sua cintura, você estava ajudando o Dongwoo segurando aonde?!

- Então né... – o encarei confusa sem entender seu raciocínio. – pera... O que?! Como...

- Povo estranho, bagunceiros. – Dongwoo vinha descendo as escadas reclamando. – Se cada um fizesse os serviços da casa sozinho por um mês não aprontavam desse jeito e... – ele parou e nos encarou. – O que tem o Dongwoo? Eu escutei meu digníssimo nome, me tirem desse rolo de vocês.

- Então era só o Gyu mesmo! – Namu me encarou intensamente.

- Só o Gyu o que? – Dongwoo nos encarou escorado no corrimão.

- Você esta entendendo as coisas errado Namu, eu só fui pegar as agulhas e...

- O Gyu foi pegar você, não relaxa eu entendi o que eu vai muito bem! – ele me encarou.

- O Gyu te pegou? – Dongwoo me olhava abismado.

- Sim! Quer dizer Não! – me corrigi desesperada. – Você esta me deixando confusa com a sua confusão Namu!

- Que confusão, não a confusão alguma, eu vi você e o Hyung na despensa e...

- Hãhnn... Na despensa! – Dongwoo colocou a mão nos lábios cobrindo o sorriso. – Que rápida! Quem vai ser o de amanhã? – ele gargalhava divertidamente.

- Ãhn? – eu e o Namu o encaramos sem entender.

- Ué, pegou o Namu ontem, pegou o Gyu hoje quem vai ser o de... – Nós dois calam os a boca dele. – hnnmnnn hmnnnn...

- Como ele sabe da gente? – Namu me questionou.

- Acho que demos muito na pinta por que ele me questionou e eu não tive como mentir! – o respondi.

- E o que ele sabe sobre você e o Gyu?! – ele me encarou. – So ele sabe ou todo mundo já esta sabendo e só eu sou o último?!

- O que?! Nada, eu não peguei o Gyu, eu juro... Eu to com você! – Falei decidida o olhando e ele soltou a boca do Dongwoo.

- Ah, nossa... Achei que iam me matar... – ele respirou fundo.

- Mesmo? – Namu me encarou mais leve e sorridente. – sério mesmo nonna?!

- Claro que sim... – me aproximo mais dele. – claro, se você quiser...

- Que bonitinhos! – Dongwoo Riu voltando a se escorar no corrimão da escada.

- Claro que sim nonna! – Namu sorriu e me abraçou. – Me desculpa... Acho que eu exagerei...

- Tudo bem, acontece! – retribui o abraço do mais novo.

Escutamos um barulho de vozes na escada e nos separamos encaramos Dongwoo que colocou o indicador sobre os lábios em um juramento de silencio, logo ele começou a reclamar sobre a bagunça que os outros meninos haviam feito no andar de cima e que haviam quebrado um copo na poeta do quarto dele; eu e Namu apenas nos olhamos e rimos ao ver os mais novos descerem as escadas reclamando do mal humor do Dongwoo.

...

- Como assim o que aconteceu?! – encarei o mais novo como se fosse óbvio. – fui para casa dormir! – dei de ombros.

- Mas como o Hoya hyung foi parar na sua casa?! – ele contra atacou e eu fiquei desesperada sem saber o que dizer.

- Bem... Ele esqueceu as chaves dele ué?! – tentei entrar o puxando mas ele continuou parado.

- Era nesse ponto que eu quero chegar! – ele deixou as compras a frente da porta. – O hyung veio para casa conosco, como ele foi para na sua casa?

- Ele... É... Bom ele...- Tentei formular uma boa desculpa.

- Eu vi vocês dois dentro do carro ontem. – ele ficou a minha frente me encostando no batente da porta. – Por que ele estava no carro com você?!

- Bem ele... Ele... Aish Jonggie! – o encarei brava por não conseguir formular alguma mentira. – Ele brigou com o pai dele ontem e viu que eu estava confusa quando sai da casa ontem. Então ele disse para que eu nos levasse em um lugar onde pudéssemos pensar.

- Ai você o levou pra sua casa?! – ele me encarou um pouco confuso e preocupado.

- Não... Nos fomos a uma praça, nós bebemos e conversamos um pouco.

- conversaram o que?! – ele questionou curioso.

- Eu dei alguns conselhos a ele e ele me perguntou o que tinha acontecido comigo!

- E você contou sobre a gente?! – ele sorriu animado.

- Não! – o sorriso dele se fechou.

- E o que você disse? – a voz dele saiu tristonho.

- Disse a verdade, que eu estou confusa, que meu coração está bagunçado... – escorreguei até me sentar no degrau da porta.

- Você esta confusa? – ele se agachou me olhando.

- Eu não sei nem mais o que sinto! – suspirei.

- Tudo isso por minha culpa? – ele levantou meu rosto para me fazer olha-lo.

- E de quem mais seria? Esta vendo outro Maknae lindo e grudento que me rendeu uma ressaca, por aqui?! – disse irritada por demonstrar minha fragilidade.

- Bebeu por minha causa ontem? – Ele me olhou surpreso.

- Não... Foi por causa do papai noel que não me trouxe presente esse verão! – Disse sarcástica.

- Neste inverno, o natal é no inverno! – ele riu.

- De onde eu venho comemoramos no verão. – dei de ombros. – podemos entrar agora?!

- como assim?! – ele me olhou divertido. – pra que a pressa? – se sentou ao meu lado no degrau. – é bom ficar um tempo sozinho com vc nonna.

- ah é?! – encostei minha cabeça no ombro dele e ele sorriu.

- sim, é sim! – ele rodeou meu ombro com seu braço. – e o que aconteceu dps que vcs beberam?

- bem, eu tomei um porre, Hoya com certeza dirigiu até a minha casa e eu acordei hoje de manha no meu quarto com uma puta de uma ressaca! – contei parte dos fatos

- ele te levou até seu quarto?! – ele deu um sacolejo e se afastou me olhando.

- acho q sim ele me carregou até o carro... Provavelmente me levou até o quarto. – concordei.

- você acordou vestida né?! – ele me encarou desesperado.

- não... – respondi sem pensar. – quer dizer cla...

- Hoya!! – ele levantou do degrau irritado. – Eu vou socar aquele hyung...

- Não... Eu acordei vestida, claro que sim, Hoya não faria nada comigo e com nenhuma mulher caso ela não queira! – segurei o braço dele.

- Mas... Nonna – ele protestou e a única coisa q eu pude fazer foi pressiona-lo na parede e o beijar avidamente.

- Vamos entrar vem! – o puxei mas ele continuava alí parado sorrindo bobo, peguei as sacolas já segurando na maçaneta.

- Isso foi... – ele sorriu largo. – nonna... – ele apenas pegou as sacolas da minha mão e entrelaçou nossos dedos nos puxando para dentro.

...

Estávamos todos na sala enquanto o Gyu reclamava do pobre do Sungyeol, por ele ser desastrado e viver perdendo as coisas, quando Anto e o Maknae entraram na sala, ela estava com uma cara de vitoriosa e ele totalmente bobo.

- Achei q vcs tinham ido fabricar as compras! – Dongwoo alfinetou os mais novos.

- A nonna prendeu a chave na porta! – Jonggie deu de ombros e foi a cozinha.

- Não foi minha culpa! – ela também deu de ombros.

- Magina, você quase não é atrapalhada! – encarei a mais nova rindo.

- Eu vou começar a preparar o almoço! – Ela sorriu e saiu rumo a cozinha.

Os meninos se sentaram na sala conversando sobre coisas aleatórias e distintas, eu fiquei um tempo junto a eles conversando até que lembrei que era horário de dar ração ao Namu, então comecei a subir as escadas rumo a o quarto do Woohyun, vendo o cãozinho alí na maior preguiça.

- Oi rapaz... Seu appa te esqueceu né?! – acariciei a cabecinha do pequeno. – Tia Jeh vai por papa pra vc! – Coloquei a ração no pratinho dele e troquei sua água.

- Na verdade eu acabei de subir pra fazer isso, mas como vc já estava aqui, apenas resolvi te observar.

Olhei para porta e vi o Namu alí me olhando enquanto sorria. Fui até oi mesmo, olhei para os dois lados do corredor e o abracei.

- Você anda parecendo um fantasma, nem te vejo chegar! – RI olhando pro rosto dele.

- Gosto de te pegar desprevenida! – ele beijou a minha testa.

- Bobinho... Qualquer dia eu acabo me assustando! – Gargalhei e vi a Anto subir as escadas.

- Hey! Vocês dois, a mesa esta servida! – ela riu e voltou para sala e nós fomos logo atrás conversando.


Notas Finais


Y entonces como esta este capítulo, le gustó de él?

Eu sendo bilingue 🤣🤣, pq né só sei falar português e espanhol e arriscou um inglês mas é o máximo! 🤣🤣

Espero que tenham gostado e espero vcs nos comentários.
Kissos de shokolatty de lá Tía Antó!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...