História Infinity - Capítulo 43


Escrita por:

Postado
Categorias Sword Art Online
Personagens Kirigaya Kazuto, Kirigaya Suguha, Klein, Lisbeth, Personagens Originais, Silica, Sinon, Yui, Yuuki Asuna
Tags Ação, Animes, Asuna, Aventura, Comedia, Drama, Ficção, Jogos, Kirito, Mistério, Romance, Sword Art Online, Violencia
Visualizações 28
Palavras 2.860
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Mistério, Romance e Novela, Survival, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Consegui postar mais um cap, caros leitores. Ficou longo de novo mas foi por causa de uma reação em cadeia no meu cérebro. Uma ideia leva a outra e a outra... Eis o resultado! Espero que gostem desse capítulo e... Boa leitura!

Capítulo 43 - Fatos e Boatos


Fanfic / Fanfiction Infinity - Capítulo 43 - Fatos e Boatos

Atravessamos o céu da Terra entre todos os tiroteios e disparos, dificilmente passando ilesos pelo fogo cruzado. Fumaça cobre totalmente os quarteirões ao redor de Terrground, e, na verdade, ao redor de toda a cidade. Diante dos meus olhos uma visão expõe uma grande e evoluída civilização em ruínas.
          Múltiplos prédios em chamas, pessoas correndo desesperadas num frenesi... No meio de todo o caos, estranhas naves com armamento pesado e não identificadas dominam o cenário. Suponho que seja melhor evitá-las, afinal são elas que estão mandando fogo em tudo sem cessar.
          - Essa área definitivamente não é segura, precisamos de cobertura. - Suguha conclui, ao observar a cena - Melhor procurar uma floresta qualquer pra se esconder.
          - Desde que a gente saia da linha de fogo... Acho boa ideia. - diz Klein
          Saindo da zona de conflito e voando baixo, próxima aos bosques, Suguha procura campinas abertas onde possa aterissar. Ao encontrar uma planície aparentemente vazia, a piloto diminui gradativamente nossa distância com o chão até pousar.
          - Esse campo parece quieto. Espero que não tenha mais ninguém aqui. - comentou
          - Na verdade, não me importaria de encontrar alguém neutro pra quem pudesse perguntar o que está acontecendo. - disse Lizbeth
          - No fim das contas... Aquilo que Draco disse... Era verdade? - Kirito questionou
          - Agora que mencionou, ele realmente falou sobre uma guerra que alcançou esse universo... - me lembro do discurso do comandante - Aí está uma coisa com a qual eu não contava: aquele cara estava sendo sincero.
          - Ele não explicou as causas e os detalhes da guerra, no entanto. Essas naves atirando sem controle na população devem ser a espécie inteligente da qual ele falou. - Sinon observa
          - Mas os civis estão completamente indefesos... Apesar de que se nota algumas naves de guerra que parecem estar defendendo a Terra... - Akemi nota
          - Draco tinha mencionado Urano nessa história... - Firest diz, enquanto se levanta do assento e caminha até a porta fechada - Ele falou alguma coisa sobre retaliar Urano por um ataque desmotivado... "A guerra se alastrou pelo universo", ele disse. A Terra é o planeta mais próximo de Urano entre os 7 planetas principais, então é lógico que seja o primeiro a ser afetado, geograficamente. Urano e a Terra tem acordos políticos oficiais, não têm? Assim como os dois são aliados de Kaiton. Etude é neutro. Mervek e Kurkur costumam se aliar contra Illadia, por quem compartilham certa rivalidade.
          - Então quando esses caras atacaram Urano, os humanos foram obrigados a prestar apoio militar aos uranianos por algum tratado... - deduzi, acompanhando os outros até a porta
          - Acredito que esses três últimos não estão sendo atacados, já que são neutros em relação a Urano. - Kirito supôs, também se preparando para sair da nave - Não teriam nenhum motivo pra forçá-los a comprar briga com esses aliens, tratados militares ou coisas do tipo... Então eles também não têm motivos pra revidar.
          - Mesmo assim, são três planetas habitados por jogadores que estão sendo atacados por IAs. - Sinon diz, observando a porta do veículo se abrir - Mesmo sendo só inteligências artificiais, poderiam matar os jogadores de forma bem real.
          - Como provavelmente já aconteceu... - suspirei - Isso é problemático.
          - Mais problemático é ficarmos presos aqui sem poder voltar pra enfrentar o chefe em Jonkij. - Suguha murmurou
          - Deve ter algum momento em que eles vão reduzir os disparos e vamos poder cruzar a atmosfera mais facilmente... - Lizbeth torcia, agoniada com a ideia de ficar empacada ali
          - Não podemos simplesmente dar o fora daqui? Acho que a minha nave aguenta alguns tiros de energia... - Silica sugeriu
          - É verdade, que talvez possamos fugir daqui se quisermos, apesar de a nave levar algum dano... - Kirito admitiu - Mas eu não quero sair daqui... Sem saber o que está havendo.
          - Honestamente, também não acho que a gente deva ignorar algo assim. - expus minha opinião
          - A gente devia ir lá fora averiguar a situação, depois voltamos para relatar. - Sinon aconselha
          - Parece uma boa ideia, mas acho melhor irmos só nós quatro e o resto fica de tocaia. - digo, enquanto uma onda de leve insatisfação se espalha - Mesmo que a nave não possa ser roubada, poderia ser facilmente avistada e bombardeada já que estamos num campo aberto, além de estarmos em plena luz do dia. Precisam cuidar da nave. - justifiquei minha decisão, antes de me dirigir a Urania - Suguha, fique à postos para tirar a nave daqui rápido e evitar ataques. Avise no chat se tiver algum problema. Estamos indo, fiquem alertas.
          Dadas as instruções, saio da nave acompanhada por Kirito, Sinon e Oliver. Estacionamos a nave numa espécie de clareira bem no meio de uma densa floresta. À primeira vista, no campo, não há nada nem ninguém. O que nos resta é ir mais fundo no bosque e procurar algum abrigo ou esconderijo de refugiados. Precisamos achar alguém que possa nos informar.
          - Tenho a impressão de que já estivemos nessa floresta antes... - Kirito diz, observando seus arredores
          - É provável, como é nosso planeta natal, devemos ter feito alguma missão no início que passava por aqui. - digo
          - Também me lembro... - Firest também examina a floresta com atenção - Se continuarmos indo para o norte, devemos encontrar um vilarejo em ruínas entre a floresta e um vale.
          - O mesmo vilarejo do dragão metálico, pelo que me lembro. - Kirito disse
          - Exato. - Oliver concordou
          - Que bom, então sou a única totalmente perdida aqui. - Sinon reconheceu
          Atravessamos alguns quilômetros de mata sob a sombra das árvores altas espalhadas pelo bosque. Quando saímos da cortina de vegetação, pudemos ver claramente, um pouco além, aquele vilarejo bem familiar.
          - Ali está. - Kirito anunciou
          Apertamos o passo e chegamos às ruas barrosas e desiguais da vila. Para nossa decepção, não pudemos ver nenhum movimento nas mesmas ruas. Enquanto caminhamos, passamos o olhar pelas portas e janelas dos casebres. Não parece ter luz lá dentro.
          - Eles não parecem remonteses...
          - Silêncio! Você vai chamar a atenção!
          - Você também, falando alto assim...
          Quebrando o silêncio, ouvimos o que deveriam ser... Cochichos? Porém, estão bem altos, cochicho não descreve bem.
          - Olá? Tem alguém aqui? - gritei a pergunta
          - Não queremos lutar, só estamos atrás de informação! - Oliver declarou
          - Se puderem nos ajudar, por favor se revelem! - Kirito pede
          - Quem está aí?! Quem são vocês?! - uma voz alta grita, procuro de onde vem, percebo que alguém falava depois de abrir uma fresta na janela
          - Ah, então estão mesmo dentro das casas. Somos jogadores! - Sinon afirmou
          - Não tente nos fazer de burros! Isto não diz nada a seu respeito, já que estamos dentro de um jogo! - a voz gritava, insegura e desconfiada
          - Por outro lado, você acabou de entregar que tem outros aqui além de você... - disse outra voz, mais baixa
          - Cala a boca, Formin! - um cochicho indiscreto vem novamente da primeira voz - De onde vieram e o que procuram?
          - Como eu já disse, estamos procurando informação... - Oliver começa mas é interrompido
          - Pode parar, Novak. - outro indivíduo, na casa atrás de nós, resolve se revelar - Se estivessem aqui pra nos matar, já teriam se aproveitado da sua indiscrição. Vocês três são humanos, não são? E você é de Kaiton...
          - É... Isso mesmo. E você, quem é? Vocês são todos terráqueos também? Estão se escondendo? - perguntei sem parar
          - Eu me chamo Yager. Sou terráqueo, como pode ver. Aqueles dois são de Urano. - ele disse, apontando a casa em frente de onde o cara da janela falava - Ah, qual é... Podem sair! Já acharam vocês! Parecem crianças... - ele pôs a mão na testa, reprovando os outros
          A porta da outra casa se abriu e dois jogadores com aparência semelhante a de Suguha saíram. Tinham a pele branca com manchas vermelhas, orelhas pontudas e uma cauda, também pontuda. Yager, por outro lado, tinha aparência completamente humana, cabelos castanhos e olhos cor de violeta.
          - Você não é confiável... Entrega tudo tão facilmente... - um deles disse a Yager, aborrecido
          - Estes são Novak e Formin. São de Urano.
          - Sou a Asuna e estes são meus amigos...
          - Kirito. - ele se apresenta
          - Firest.
          - Sinon.
          - Agora se querem conversar, é melhor fazer isso lá dentro onde pelo menos não seremos vistos tão facilmente. - ele nos levou para dentro da casa de onde havia saído, junto com seus dois amigos
          É claramente só um abrigo, já que aqui dentro não tem mobília ou comida, e... Está parcialmente destruído, além de completamente sujo. Nos sentamos no centro do cômodo principal, que é também o único.
          - E então... O que é que vocês querem saber? Pra ficarem rondando despreocupados por esse planeta... Estão perdidos ou o que?
          - Na verdade, Yager-san... - comecei
          - Esqueça o "san". Isso é um nickname de rpg, acha que esse tipo de formalidade é necessária?
          - Uh, me desculpe então. Nós...
          - Não se desculpe, apenas vá direto ao ponto. - me interrompeu de novo, que impaciência...
          - Estou tentando... - fechei os olhos, cansada
          - O que minha amiga Asuna está tentando dizer, é que estamos totalmente desinformados sobre a guerra que alcançou esse, entre outros planetas. Fomos transportados aqui por um buraco negro, e aparecemos no meio de um tiroteio. Estávamos em uma empreitada para matar o 90° boss, por isso não sabemos muito sobre o acontece nos planetas do início. - Sinon explicou
          - Vocês estão mesmo desinformados... - afirmou Yager, meio indisposto - Acho que ficaram morando nesse buraco negro por um bom tempo.
          - Será que pode nos dizer logo o que é essa guerra e o que a causou? Pode ou não? - Kirito questiona, impaciente
          - É claro, me desculpe por divagar. Só é espantoso alguém não saber disso. Aquelas naves que vocês viram bombardear a Terra são do povo de Remont. Eles declararam guerra a Urano recentemente.
          - Remont? - Oliver pergunta, curioso
          - Isso. Eu fui parar naquele planeta uma vez, por acidente. Eles se parecem com humanos, mas são bem mais altos. São inteligentes e bem fortes em comparação a outras espécies artificiais. De qualquer forma, o líder da Terra declarou oficialmente que estaríamos em guerra contra Remont, para apoiar Urano na luta.
          - Líder da Terra? - Sinon pergunta, intrigada
          - Não me diga... Não conhecem o sistema de governo dos planetas também? - Yager fez uma expressão de desânimo
          - Para com essas caretas, Yager! Sua atitude de sabe tudo me deixa irritado. - Novak  bufou
          - Líderes de um planeta... São escolhidos com base em um torneio trimestral... - começou a explicar, ignorando o outro
          - Há um torneio trimestral por planeta, e vagas para 1000 jogadores nativos competirem num battle royale pela soberania no seu próprio planeta. - Oliver completa
          - Exatamente... - Yager diz - E o último sobrevivente...
          - É declarado o governante do planeta. - Oliver termina
          - Pensei que fossem completos ignorantes... - diz Yager, surpreso
          - Não sabíamos disso...! - Kirito afirmou, espantado
          - Na verdade é uma feature do jogo que estava em vigor bem antes do desastre do deslogue... - Oliver esclareceu - Mas os jogadores mais avançados preferem explorar outros planetas do que evoluir nos planetas principais.
          - É isso o que vocês são? Jogadores avançados? - Formin nos lança um olhar curioso
          - O que um líder de planeta faz? - Sinon pergunta, voltando ao assunto
          - Ele pode fazer alianças políticas e militares com outros planetas, além de poder residir temporariamente no alojamento imperial. Ele também pode convocar um exército de defesa para o planeta, qualquer um que se alistar ganha equipamento raro entre outras recompensas, mas precisa exercer a função por um mês. As funções de um governante aqui não são muito diferentes do padrão. Quando o próximo Ruler's Battle chegar, porém, ele teria que ganhar de novo para permanecer no cargo. De todo modo... Ele não interfere muito na vida dos outros jogadores, individualmente. Talvez por isso não sabiam da existência dele.
          - Certo... Mas as relações com outros planetas, também podem ser hostis não é? O líder pode fazer uma declaração de guerra, não é? - Kirito pergunta
          - Pode sim. Foi o que os líderes de Urano, Kaiton e Terra fizeram.
          - Isso da declaração de guerra... Foi por causa de um acordo militar? - perguntei
          - Precisamente. Kaiton e a Terra resolveram se aliar a Urano por causa de um acordo que determina que devem se ajudar em batalhas. As datas dos torneios para liderança coincidem nos 7 planetas, então os governantes vigentes tomaram juntos a decisão de aliança militar e todos concordam com ela. - Yager explicou
          - Mas agora... Por que Urano atacaria Remont, que são uma espécie artificial não formada por jogadores, por nada? - Oliver pergunta, pensativo
          - Isso, eu não sei. - admitiu Yager, frustrado e curioso ao mesmo tempo 
          - O líder de Urano alegou não ter enviado nenhuma frota ofensiva para Remont. - Formin conta - Pediu cessar fogo e até tentou negociar para poupar a vida dos uranianos... Mas não adiantou muito. Os remonteses parecem ser como a antiga Esparta. 
          - Ainda tem jogadores em Urano? - Kirito pergunta
          - A maioria dos sobreviventes veio pra cá para fugir do conflito... Como pode ver, não deu certo. - Novak diz, irônico
          - Ainda assim é possível que alguns tenham ficado lá. Principalmente os que fazem parte do exército de defesa. Estava um inferno... Mas agora que as forças de Remont foram dispersas para cá e para Kaiton, deve estar mais suportável. - Formin deu seu palpite
          - Algo ainda não se encaixa. - Oliver disse
          - Concordo. Não acho que esse ataque tenha vindo de Urano. Parece ser um tipo de conspiração...
          - Por que não vamos lá olhar? - sugeri
          - Huh? - Kirito me olha, confuso
          - Quer ir pra Urano, agora?! - Yager parece pasmo
          - Por que não? Se o confronto estiver tão intenso lá quanto aqui, não vamos correr mais riscos do que já corremos. Além do mais, tenho a sensação de que falar com o líder de Urano pode confirmar nossas suspeitas sobre esse complô. - Sinon me dá total apoio
          - O que? Não pode estar falando sério... Ele pode nem estar mais vivo. Ir para o foco da batalha assim... É suicídio! - Novak alertou
          - Não vamos morrer assim tão fácil... - Oliver assegurou, despreocupado
          - Estou com vocês, pessoal. - Kirito dá unanimidade à decisão
          - Esperem, não podem ir assim! Falamos tudo o que sabíamos mas... Vocês não nos disseram tudo o que sabem. Informação é uma troca, fique ciente. - Yager exprimiu, indignado
          - Não temos nenhum conhecimento realmente valioso a oferecer... - menti
          - Vieram parar aqui por total acidente, e devem ser de nível altíssimo. E você... - Yager voltou-se para Kirito - Não poderia ser o Kirito que convocou a reunião dos jogadores, poderia?
          - Na verdade, sou eu mesmo.
          - É mesmo possível sair daqui? Ou foi pura conversa fiada? - intimou
          - Estamos bem perto de descobrir. - Kirito declara, se dirigindo a saída do barraco, nós o acompanhamos
          - Esperem! - Yager olhava para baixo, parecia procurar suas próximas palavras - Nesse caso, me deixem ir com vocês.
          - O que?! - Novak e Formin exclamaram simultaneamente
          - Vocês podem ficar aqui, e esperar até o conflito se dissipar. Se detectarem movimento no bosque, fujam para as montanhas em torno do vale, ninguém vai achar vocês lá.
          - Mas Yager... - Novak tenta argumentar
          - Não preciso da sua preocupação, eu vim pra cá com vocês contra minha vontade e agora que tenho a chance de reparar isso, não vou voltar atrás.
          - Isso é por causa da Miya, não é? - Formin perguntou, Yager parecia afetado
          - Vou com vocês para Urano, por favor, não discordem. - ele me encarou, ignorando Formin
          - Sinto muito em dizer isso mas... Não temos intenção de levar você conosco, você é um jogador pouco experiente e seria inconveniente. - Kirito diz
          - Não vou me envolver na missão de vocês. Só preciso de carona para Urano, e de lá, podem seguir sem mim. Não vou ser inconveniente, já que vão para lá de qualquer jeito, não fará diferença. Só estou pedindo para me deixarem lá. - apelou
          - Bom, acho que não tem nenhum problema em simplesmente deixá-lo em Urano... - considerei - Fica no caminho, afinal... Kirito?
          - Está bem! - exclamou, contrariado - Só não atrapalhe.
          - Obrigado. - agradeceu, apático
          - Resolvido, então vamos! - Oliver saiu andando pela rua de barro, o resto de nós o seguiu
          - Se cuide, Yager...! - ouvimos Novak gritar
          - Tente não morrer! - Formin pediu
          Yager parou no meio da rua e se virou para encarar os companheiros.
          - Obrigado pessoal, mas eu preciso fazer isso.


Notas Finais


Gostaram? Ficou diferente do que eu planejei, mas acredito que foi uma mudança pra melhor. O próximo capítulo não demora! (Espero eu)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...