História Ink-Stained Heart - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias A Matter of Life and Death
Personagens Personagens Originais
Visualizações 5
Palavras 1.080
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Luta
Avisos: Homossexualidade, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Chapter four : Night Of Hunting.


Ao entrar no banheiro, ele solta a gravata, começa a tirar o paletó, junto com a camisa branca, jogando-os no chão. Quando seu tórax está nu, ele se vira para ver aquela cicatriz enorme que estava presente na parte de trás, estendendo-se dos ombros até a cintura, como se fossem marcas de arranhão, refletidas no espelho, não era algo legal de se ver.

-Assim que ele curou ... Eu noto que ele parece extremamente horrível ... - tocando um pouco com seus dedos alongados do lado de seus ombros, olhando com grande aborrecimento - algum dia eu vou saber quem foi o criador desses seres sombrios - fazendo um som com os dentes - com certeza era um humano repugnante.

Tirando o resto das roupas, quando você abre a chave, a água sai do chuveiro, afundando lentamente o rosto, fechando os olhos, aproveitando cada momento. Mas no momento em que tudo escuro se torna em sua mente como se fossem fotografias em suas memórias.

Rugidos, aqueles olhos vermelhos intimidantes, ao fazer aqueles sons de uma enorme fera, suas grandes presas podiam ser vistas entre aquele plasta preto. Era a única coisa que podia ser vista, já que o fundo estava um pouco embaçado. Foi a primeira vez que o Deus de olhos âmbar sentiu medo.

Um suspiro foi o que foi ouvido no fundo. A rachadura da grama, depois de um grunhido, depois de um grito dilacerante, para alcançar o silêncio absoluto. Impressionado ele abre os olhos vermelhos profundos, com a respiração agitada, ele não sabia exatamente o que estava acontecendo, encostado na parede de azulejos, ele não parou de olhar para o chão. Ele sabia que isso estava atormentando-o lentamente. Com um olhar sério, você só pode ouvir um balbucio da boca dele.

"Isso ... eu nunca vou me deixar descansar ..." Com um suspiro tentando relaxar seu corpo, imediatamente dá um sorriso prepotente "Eu acho que sei por que a Sabedoria veio aqui, seu desgraçado."

Depois de passar alguns minutos de higiene pessoal, ela decide ir ao seu quarto para se vestir, enquanto com outra toalha começa a secar o cabelo, coloca-o no pescoço pálido e tira outra de suas roupas favoritas, para continuar com suas tarefas diárias, mas não Era o mesmo, desde que ele se dedicava a desaparecer seres indesejáveis à noite. Ele não se importava em ficar acordado nem se atrasar para a sua residência, ninguém estava lá para esperá-lo. Ao arranjar cuidadosamente seu traje na cama, ele começa a falar sozinho.

-A coisa mais provável que a harpia de Medico veio a ele com perguntas ou pontos de vista absurdos, claro, acima de tudo, me culpando pelo que aconteceu - mudando com base na ordem correta de sua acomodação - de qualquer maneira, eles sempre acreditarão em outros Deuses ao invés de mim, eu vou dar a eles o mesmo, mas bem, não é algo que eu me importo - colocar uma cara de despreocupação pela opinião dos outros.

Mudando, para olhar-se novamente no espelho, ajustando seu traje para torná-lo perfeito, não era mais o terno que ele usualmente usava, mas uma camiseta de tinta, ligeiramente desabotoada, com um colete, calça preta e seus adoráveis saltos. muito casual com um toque elegante. Estabelecendo a parte das mangas compridas com suas garras de cor escura.

-Perfeito -com um olhar sério e um egolatra, ele admira a cor da sua camisa.

Com um pouco de tratamento para o cabelo, ele esfrega para conseguir o penteado indicado que ele sempre gostou de realizar. Mas entre sua conversa consigo mesmo ninguém sabia o que o Anjo da Morte tinha falado apenas Ithis e tomou um acordo mútuo entre os dois era um segredo profundo que nenhum dos Deuses sabia o que eu tinha planejado e onde ele estava Vida nesses momentos, se não apenas os dois.

Quando você sai do seu quarto, você caminha pelos corredores, você só pode ouvir seus passos fortes, entre o lugar solitário. Quando você alcança a entrada, atrás do par de portas, que são abertas por suas garras escuras. Fechando-se por si só, o Deus dos olhos do vinho usa a fragmentação para alcançar o mundo dos humanos, onde fará a caça às sombras da noite de lua cheia. Desde estranhamente sempre no manto estrelado e no tamanho daquela estrela que parecia uma esfera enorme, é quando eles se apresentaram mais.

Entre a floresta pântano escuro, ela decide aparecer novamente como o monge encapuzado, com sua enorme oz em sua mão direita, atinge apenas ver um rosto escuro e olhos vermelhos intimidante. Deslizando para a cidade vizinha para fazer seu segundo trabalho, o que o manteve escondido dos outros, já que ninguém deveria saber. Sob uma promessa que ele fez para Vida a partir do momento em que ele não está aqui. 

Com uma risada, seu eco foi ouvido de todos os cantos das árvores da floresta sombria, cheio de denso nevoeiro, visto apenas como desliza como a sombra que parecia olhar. Todos sabiam que o anjo da morte estava perto, causando arrepios por todo o corpo de alguns dos habitantes, juntamente com um ar frio, como quando ele está prestes a chover, as pessoas estavam tendendo suas roupas, entrou suas casas imediatamente , com medo e cheio de terror ao sentir a presença que eles chamavam de El Oscuro.

Um homem bêbado sai do bar tarde da noite, onde já havia consumido algumas cervejas, ele estava bastante tonto, tanto que não conseguia ficar de pé. Cheio de rancor porque sua esposa não comeu fast food, como o típico marido macho, ele preparou um castigo para a pobre mulher e seus dois filhos. Caminhar entre as ruas solitárias, sem medo de ser assaltado por um furo sem ter nada para fazer, é o que eu era muito propenso a fazer.

Morte, eu estava de pé em um dos telhados próximos, olhando para o que poderia acontecer, porque mais cedo ou mais tarde estaria prestes a deixar um daqueles seres que estavam acostumados a perseguir, paciente, esperar muito de perto, sem separar o visão do assunto horrível com cheiro de álcool. Enquanto entre as vielas pretas você pode ouvir o rangido de pedras, como se uma pessoa de grande peso estivesse andando continuar.s.

Um arquejar combinava com um rugido, como se fosse um animal, avançando pouco a pouco em direção àquele sujeito que não estava em seus cinco sentidos. A pessoa, ouvindo esses ruídos estranhos, pausa por um momento para tentar observar o que está olhando para ele naquele corredor escuro. Só foi intimidado ver olhos vermelhos emblemáticos.

Vai continuar... 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...