História Innocence (Long Fic - Jung Hoseok) - Capítulo 24


Escrita por:

Postado
Categorias 4Minute, Bangtan Boys (BTS), Loona
Personagens Hyun A, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Lip, Kim Seokjin (Jin), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Bts, Drogas, Fanfic, Hoseok, Lip, Loona, Máfia, Teenfiction, Violencia
Visualizações 35
Palavras 2.162
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 24 - Capítulo 25


K I M

Mais uma vez em poucas semanas eu estava a ser levada por Hoseok para um lugar desconhecido, sem saber o que estaria me esperando. A imagem de Jungkook internado não deixava a minha mente, afinal, dá última vez que fui colocada no carro de Hoseok, acabei por ver uma das cenas mais triste de toda a minha vida. Não entendo os motivos de Hoseok ter tanto ódio por Jungkook, o moreno jamais tentou fazer algo contra mim, e tudo o que disse foi para o meu bem, ou pelo menos passou-me essa sensação de proteção. 

Eu me encontrava sentada no banco do passageiro do carro de Hoseok, enquanto o mesmo dirigia em silêncio ao meu lado. Meu corpo estava doendo em vários pontos e minha cabeça latejava, nunca senti meu estômago revirar tanto, e última coisa que eu poderia sentir naquele momento era fome. Apenas tentava pensar em uma maneira de escapar de Jung, sem ter que sacrificar o que tenho de mais precioso para realizar tal feito. 

Por um momento, peguei-me a pensar que talvez Chanyeol esteja certo. Quanto mais cedo eu der o que Hoseok quer, mais rapidamente eu estaria livre dele. Olhei para o chefe por um instante enquanto o mesmo se mantinha pensativo, à medida que dirigia em silêncio e lançava-me olhares de lado, como se estivesse a checar o que eu faço a cada segundo. Por um mísero segundo nossos olhares se encontraram, e eu pude ver um sorriso discreto rasgar em seu rosto.

 Ele tirou uma de suas mãos do volante, estendendo-a e pousando a mesma sobre a minha coxa, acariciando-a com desejo, mesmo ainda parecendo prestar atenção no caminho que seguíamos. Suas mãos pareciam massagear a minha coxa sem fazer esforço algum, seus dedos subiam na minha coxa, cada vez mais perto da minha intimidade. Meu corpo estremecia com o toque dele, eu segurava a lateral do banco com força, cravando minhas unhas no couro e deixando que minha pele se arrepiasse a cada vez que sentia seus dedos subirem.

Hoseok lançou uma risada ríspida e de repente tirou a mão da minha perna e voltou a colocar as duas mãos no volante, tirando todas as sensações boas que estavam no meu corpo. Olhei para ele com um certo tom de dúvida e percebi que o de olhos verdes continuava a sorrir, como se estivesse satisfeito com o que havia feito. 

"Mr. Jung." Eu o chamei com coragem e confiança na minha voz, mas essas características desapareceram assim que recebi o olhar autoritário de Hoseok sobre a minha pessoa.

"Lia." Ele correspondeu o meu chamado, comprimindo os lábios a espera que eu continuasse a falar.

"Por que você tirou a mão?" Perguntei de uma forma tímida, o que levou Hoseok a rir um pouco, somente me respondendo quando parou em um farol vermelho, quando pode se virar para a minha pessoa.

"Você estava gostando do meu toque, pequena?" Perguntou a ameaçar voltar a colocar sua mão na minha perna, e logo de imediato eu senti meu rosto ficar corado, e não conseguia disfarçar a ardência das minha bochechas. Tentei somente confirmar a pergunta com a cabeça, mas Hoseok exigia por uma resposta de verdade.

"Sim, eu estava gostando." Mordi meus lábios de vergonha e abaixei a minha cabeça, e antes que Hoseok pudesse fazer algo, o farol ficou verde e os carros que estava atrás começaram a buzinar, fazendo com que ele voltasse a dirigir. Para a minha felicidade, ele voltou a colocar a mão na minha perna, e o impacto de sua mão com a minha pele foi tão intenso quanto um tapa, mas mesmo assim seu toque foi capaz de me causar arrepios.

"Sabe, Lia, às vezes eu realmente começo a duvidar da sua ingenuidade. Você tem mais coragem de dizer certas coisas do que as outras garotas com quem eu já lidei." Comentou ele, ainda a acariciando a minha perna, desta vez ainda mais intenso e indo ainda mais perto da minha intimidade. 

"Garotas com quem você já lidou?" Repeti as palavras dele, querendo talvez saber que são as tais garotas de que ele está falando, apesar de ter certeza que todas elas estavam no caderno de Hoseok.

"Cada uma daquelas garotas, que você com certeza viu naquele maldito caderno que não deveria ser lido por ninguém." Hoseok parou de massagear a minha coxa por um tempo, e começou a apertar a mesma, de maneira que me fizesse pensar que talvez ele estivesse com raiva. 

"Me desculpe por ter mexido nas suas coisas, Mr. Jung. Eu garanto que não vou mais fazer isso." Tentei me desculpar, mas certamente as minhas palavras não conseguiram o convencer do meu arrependimento em ter lido o seu caderno.

"Desculpas não apagam memórias, Lia." Soltou um ar pesado, diminuindo a velocidade do carro assim que entramos em uma rua sem saída. "Você tem que entender que não deveria nem ao menos saber da existência daquele caderno, muito menos ler. Eu não tenho como apagar o que viu da sua mente, e você me considera um monstro agora." Desabafou a elevar seu tom de voz.

Àquela altura, eu não tinha ideia do que responder, queria poder ter confessado à ele que não sentia medo ou o via como um monstro. Talvez eu só pense assim por não ter lido a minha parte no caderno, e de acordo com Hoseok, eu choraria de medo caso tivesse lido. 

Penso em dizer todas essas coisas para ele, mas antes que eu possa dizer qualquer coisa, minhas palavras falham ao me deparar com um grande campo a minha frente, e demoro alguns segundos para perceber que estamos em um grande heliporto.

"Por que estamos aqui?" Perguntei curiosa ao Hoseok, que saiu do carro e abriu a porta para a minha pessoa antes de responder.

"Eu já falei, Lia. As notícias tem haver com você." Ele me puxou para fora do carro e exigiu que eu o acompanhasse, enquanto pegava o celular no bolso e teclava rapidamente, concentrado no aparelho. "Yoongi? Onde você está? Eu já cheguei aqui." Falou ao telefone com o outro chefe, que respondeu rapidamente. "Certo, ele deve ter chegado também. Vou estar no lugar onde marcamos." 

Logo a ligação entre Hoseok e Yoongi foi encerrada, o de olhos castanhos guardou o celular de volta no bolso e começou a andar ainda mais rápido, fazendo com que eu ficasse com dificuldade em acompanhar seus passos. Entramos no heliporto e eu fui ficando cada vez mais impressionada com o tamanho dos helicópteros que chegavam e partiam a cada segundo, nós andávamos por um canto onde Hoseok dizia ser seguro e bem mais prático para chegar onde queria. 

Por fim chegamos em um dos últimos helicópteros, ele era branco com detalhes pretos e já haviam algumas pessoa dentro, e eu acabei por reconhecer uma delas, um rapaz alto e belo, que estava totalmente bem vestido e com um sorriso no rosto enquanto eu e Hoseok nos aproximávamos, e eu tentava me lembrar quem era ele mesmo que minha mente não permitisse que eu relembrasse o nome e de onde eu tinha o reconhecido. 

"Jung." O mesmo rapaz falou com uma certa animação na sua voz, que acabou por ser cortada quando Hoseok respondeu.

"JongIn." Falou o chefe, e logo de imediato foi capaz de me lembrar daquele rapaz, Kim JongIn. O mesmo que Hoseok havia dito que me viu conversar na primeira festa que me levou. mas por quais motivos Hoseok estaria a se encontrar com alguém que tanto odeia, e principalmente, o que eu tenho haver com isso?

"Essa é a garota, Jung?" Ele me encarou por cima dos óculos escuros que cobriam seus olhos castanhos claros. "Que bom que a trouxe, achei que você e seus rapazes iam recusar a minha proposta." 

"Proposta? Não foi uma proposta, foi uma chantagem." Jung o corrigiu irritado, colocando-se a minha frente e deixando que eu me encolhesse atrás dele. "E você não vai levá-la." Rosnou contra o de olhos castanhos, que soltou uma risada breve e falsa.

"Como assim? Eu vou levá-la sim, você querendo ou não. Foi o que combinamos. Eu não entregava o seu esquema para a polícia internacional e em troca vocês me davam a pequena." Apontou para a minha pessoa, e não pude deixar de entrar em desespero ao ouvir o tal acordo que havia sido feito.

"Primeiramente, JongIn, não a chame de pequena." Hoseok começou, tirando-me de atrás de si e agarrando o meu corpo, colocando-me ao seu lado e com os braços ao redor dos meus ombros, como forma de proteção. "Segundo, ela é minha, e todos sabem disso. Você não exigiu a Lia, em especial, exigiu a Kim." 

"Do que você está falando, Jung?" JongIn questionou confuso, e Hoseok nem se deu o trabalho de responder, visto que Min já estava a chegar, acompanhado de uma garota loira com os mesmos olhos castanhos que eu. 

"Desculpe a demora, ela resistiu um pouco para sair do galpão. Fui obrigada a amarrar." Yoongi jogou a minha irmã para frente, Mina estava com as mãos amarradas por uma corda, os cabelos loiros estavam bagunçados e os olhos inchados e vermelhos. Minha primeira reação foi querer abraçá-la, mas o primeiro passo que eu tentei dar para frente foi impedido com o olhar de Hoseok, desta vez não era um olhar ameaçador como de costume, e sim algo que soou como um 'me perdoe'. 

Voltei a minha posição de antes e segurei as minhas lágrimas por ver a minha irmã daquele jeito, sabendo certamente que ela seria vendida para JongIn no meu lugar. Kim nos olhava ainda totalmente confuso com a situação, dividindo seu olhar entre Mina e eu.

"O que está acontecendo aqui?" Finalmente perguntou, e todos deram a Jung a função de responder.

"JongIn, essa é a Kim Mina, irmã mais velha da Lia. Você disse que queria a Kim, mas não especificou qual. Por isso trouxemos a Mina para você." Explicou brevemente, pegando no braço da minha irmã e forma bruta e a entregando ao JongIn, e admirou-a por alguns segundos, colocando as mãos no rosto dela e analisando cada detalhe.

"Vocês sabem que não era isso que eu queria. Vocês me prometeram a loirinha ali, e não a irmã dela." Concluiu ele. "Mas, eu não vou negar a irmã. Posso ficar com ela por um tempo, mas logo vou voltar a encher a pequena paz de vocês querendo a outra. Me aguarde, Jung." JongIn falou em tom de ameaça e arrastou a minha irmã para dentro do helicóptero, sem nem mesmo permitir que nós nos despiedemos. 

Não evitei em deixar as lágrimas vazarem pelo meu rosto, afinal eu havia perdido a única pessoa que confiava em mim naquele maldito galpão. Hoseok apertou meu corpo mais contra o seu enquanto observava o helicóptero de JongIn ir embora, mesmo sabendo que ele ainda voltaria por minha causa. 

"Lia." Hoseok chamou-me da forma mais calma possível, como se estivesse entendendo o que eu estou sentindo. "Preciso terminar de resolver esse assunto com o Yoongi. Vou te levar para o carro e você me espere por lá, tudo bem?" 

Eu apenas consegui confirmar com a cabeça enquanto limpava as lágrimas que molhavam a minha face, Hoseok logo apressou-se para sair daquele lugar comigo, apenas dizendo ao Yoongi onde o encontrar em cinco minutos, que era tempo suficiente para que eu fosse levada até o carro. Fomos andando em silêncio pelo heliporto, até por fim chegarmos ao carro, que agora estava estacionado em uma área especial, cercada por seguranças.

Hoseok me deixou dentro do carro e não tardou em sair dali, largando todas as suas coisas em cima do banco do motorista e informando que logo estaria de volta. Assim que a porta foi fechada, as minhas lágrimas começaram a vazar pelo rosto sem ao menos que eu tentasse as impedir, deixando que a culpa começasse a me consumir aos poucos, afinal, minha irmã estava sendo levada por minha causa, e por Hoseok não querer abrir mão de mim. 

Começo a me perguntar se ele fez de propósito ao me trazer aqui, somente para ver a minha irmã ir embora e não permitir um breve despedida, nem ao menos uma palavra de adeus. Limpei as lágrimas e tentei para chorar, mesmo sendo quase impossível tal feito. 

De repente, em meio as minhas lágrimas, o celular de Hoseok começou a tocar alto pelo carro, o som até mesmo foi capaz de perturbar a minha audição, e apenas tentei ignorar o toque, achando que logo mais ele pararia. Visto que eu estava enganada, o toque se repetiu diversas vezes e constantemente, como se fosse alguma emergência.

Irritada com o barulho, acabei por recusar todas as ligações de primeira, até finalmente me arriscar a atender, depois de tanta insistência da pessoa.

"Quem está falando?" Perguntei grossa, tentando não chorar enquanto falava.

"Eu que pergunto. Lia, é você? Por que está com o celular do Hoseok?"  A pessoa falou, e logo de imediato eu reconheci a voz pelo telefone, o que fez com que eu me arrependesse de ter atendido àquela ligação.

"Sim, sou eu, Jungkook." 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...