História Innocent - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Drama, Innocent, inocente, Romance, Stayhigh_girl, Violencia
Visualizações 218
Palavras 2.010
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 17 - Capítulo 17


||Bobby||

 

Observo Charlotte andar em direção ao corredor e desaparece de minha vista, respiro fundo enquanto pesco meu celular no bolso de minha calça. 

 

Começo a checar meus e-mails, mensagens e agenda.  

 

Como esperado, nada me chama a atenção o suficiente para tirar Charlotte de meus pensamentos,  decido então, que irei acompanhá-las. Assim eu poderia passar o tempo com Lottie e ficar de olho em Eliza.

 

Charlotte volta ao meu campo de visão segurando uma pequena bolsa amarela em suas pequenas mãos. Sorrio com a escolha curiosa, o amarelo é berrante quase em um tom neon, automaticamente me lembro de Emma, essa bolsa só poderia ter vindo do gosto absurdo dela.

 

"-Posso ver?-" questiono Charlotte enquanto aponto para a bolsa. 

 

Ela acena positivamente, pego meu aparelho celular e caminho até ela. Seguro a alça da bolsa entre meus dedos e a penduro a minha frente. Desbloqueio meu celular e tiro uma foto. Devolvo a bolsa a Charlotte e me afasto para escrever uma mensagem. 

 

 

_

PARA: Emm

Que amarelo lindo, foi você que escolheu?

_

 

 

Aperto o botão enviar com um sorriso. Quando volto a olhar a foto percebo que Charlotte aparece ao fundo. Volto até a câmera e aponto o aparelho para ela. Tiro uma foto e automaticamente a coloco de papel de parede. 

 

Lottie pega seu novo celular e o coloca dentro de sua bolsa. Eliza finalmente, ou infelizmente, volta a sala. Ela está completamente diferente de quando entrou em casa.

 

“-Vamos?-” ela questiona. Charlotte acena com sua cabeça.

 

“-Vamos-” digo.

 

Eliza solta uma pequena quantidade de ar por seu nariz, ela parece chateada porém não surpresa. Ela contém um sorriso enquanto toma a frente e vai em direção à porta. 

 

“-No seu corro ou no meu?-” pergunta enquanto sai do apartamento.

 

“-Meu-” respondo e em seguida vamos em direção ao elevador.

 

///

 

O shopping está movimentado graças a uma feira de livros, ou algo assim, a cada vinte passos sou obrigado a desviar dos jovens animados e suas sacolas. 

 

“-Que tal irmos ver alguns livros?-” Eliza sugere enquanto segura a pequena mão de Charlotte que concorda. 

 

Elas caminham a minha frente em direção à multidão, respiro fundo. Olho para o lado e vejo uma loja de eletrônicos, me lembro do motivo de estarmos aqui. Desvio o caminho e vou até a loja.

 

Entro e sem delongas peço para que o atendente me de um chip da mesma operadora que a minha. O atendente embrulha o pacote e me entrega, vou até o caixa eletrônico e pago. Saio tão rápido da loja quanto entrei nela, meus olhos vasculham ao redor em busca de Charlotte e Eliza. Continuo andando enquanto meu olhar percorre todo o local.

 

Nem sinal delas. Respiro fundo a medida em que avanço em direção à feira de livros. 

 

Meu coração se acelera quando sou atingido por um grupo de adolescentes, estou prestes a abrir minha boca quando vejo a cabeleira castanho avermelhada de Charlotte. Acelero meus passos em direção à ela. E finalmente toco seu ombro quando a alcanço. 

 

“-Hey-” digo baixinho, me inclinando levemente em sua direção, aspirando profundamente seu cheiro.

 

Ela olha para cima em direção ao meu rosto. Seus olhos brilhantes me encaram por alguns segundos e então se desviam para a vitrine, acompanho seu olhar e então vejo.

 

Meu temperamento ruim voltando quando Eliza entra em meu campo de visão com um sorriso sacana.

 

“-Vamos entrar Lottie?-” Eliza questiona com seu falso tom doce.

 

Charlotte parece encantada quando passa pelas portas de vidro da loja de animais.

 

Fecho meus olhos com força e aperto a ponte de meu nariz. Eliza é a favor dos diretos dos animais, ela e Emma protestaram diversas vezes contra o comércio e a exploração de animais enquanto estávamos na faculdade. Ela sabia que eu não gostava de bichos e mesmo assim aqui estávamos. 

 

Charlotte vai instintivamente até uma vitrine com filhotinhos de cachorros, me mantenho calmo, me preparo mentalmente para aceitar o filhote fedorento, barulhento e toda a sujeira que virá com ele, pois sei que se Charlotte me pedir, eu não teria como negar.

 

“-Que tal um desses?-” Eliza aponta para os filhotinhos no canto, ela tem um largo sorriso em seus lábios. 

 

Charlotte toca os filhotinhos com os olhos brilhantes. Me aproximo das duas.

 

“-Você só precisa pedir ao Rob, ele vai te dar tudo o que você quiser... você quer um filhotinho desses?-” Eliza continua a instigar Charlotte. 

 

Eu a olho com desdém.

 

“-Um cachorro? No meu apartamento?-” questiono sínico.

 

“-O aniversário dela está chegando, e dizem que ter animais ajudam as crianças a formarem um caráter doce, justo e amável...-” ela solta cada palavra carregada de sarcasmo.

 

“-Mas é claro que sim-” a provoco.

 

“-Vai ver foi o que faltou pra nós dois... Um bichinho de estimação-” Eliza termina arqueando uma sobrancelha.

 

“-Posso ficar com ele?-” a doce voz de Charlotte atravessa minha audição e preenche minha cabeça. 

 

Desvio meu olhar para ela. As bochechas rosadas e os grandes olhos brilhantes capturam minha atenção, de repente quero beija-lá. 

 

“-É claro que sim-” digo em resposta. 

 

Eliza se afasta indo falar com um funcionário, Charlotte sorri enquanto volta sua atenção para o mais quietinho dos filhotes. Ela se debruça sobre aquela espécie de caixa de vidro para conseguir alcançar o filhote.

 

“-Minha mãe não gosta de filhotes, ela diz que são mal educados-” minhas mãos gelam quando essas palavras deixam a sua boca. Charlotte parece se perder em pensamentos por um segundo “-Minha mãe...-” ela repete para si mesma e volta a olhar em direção à mim, me lançando um olhar confuso e distante, seu semblante muda e seu sorriso desaparece.

 

Toco o lado de sua cabeça s afasto seu cabelo, dou um beijo em sua têmpora buscando desesperadamente distraí-lá.

 

“-Qual vai ser o nome dele? Você pode escolher a caminha e umas roupinhas também-” digo tudo rapidamente enquanto vejo os grandes olhos castanhos de Lottie marejarem “-Nós podemos sair daqui e ir tomar sorvetes, ou ir escolher sabores para o seu bolo de aniversário-” acrescento. 

 

Ela concorda com a cabeça e permanece em silêncio, o funcionário da loja se aproxima com uma Eliza sorridente.

 

“-E então? Qual vai ser?-” o homem questiona.

 

“-Qual você vai querer?-” pergunto para Charlotte, ela aponta para o filhotinho mais afastado. 

 

O homem pega o cachorro e o entrega para Charlotte. Ela esfrega o focinho do cachorro em sua bochecha.

 

“-Tudo bem?-” Eliza pergunta em direção à Charlotte finalmente percebendo o clima estranho.

 

“-Claro que está-” respondo impaciente. Eliza revira seus olhos. 

 

“-Que tal nós duas irmãos ver coleiras enquanto o Robert acerta a conta?-” Eliza sugere e Charlotte concorda, vejo as duas irem em direção à um corredor de prateleiras. 

 

“-E então...?-” questiono para o homem a minha frente.

 

///

 

No carro permanecemos em silêncio, o único som audível é o do motor e os fracos rosnados do monstrinho que está no colo de Lottie no banco de trás. 

 

“-Você quer que eu te deixe onde?-” pergunto para Eliza. 

 

Ela enruga sua testa em confusão e então me lança um sorriso.

 

“-Pode me deixar no meu apartamento-” ela diz sem mais delongas, sabendo muito bem que eu não estava em meu melhor estado de espírito.

 

Sempre incentivei Eliza a ter seu próprio lugar, assim eu não teria problemas em despacha-lá quando nós brigássemos, apesar disso, ela sempre insistiu para que morasse comigo. 

 

Dirijo até o prédio de Eliza e estaciono do outro lado da rua. Ela se inclina em minha direção na intenção de me dar um beijo, desvio de seus lábios vendo ela fazer uma careta com seu bonito rosto.

 

“-Ok, até mais Rob-” Eliza se despede “-Até depois Charlotte, e tchau pra você também amiguinho-” ela se despede do filhote. Reviro meus olhos. 

 

Eliza desce do carro e atravessa a rua correndo, vejo quando ela acena para o porteiro e some entre as portas do edifício.

 

Dou partida no carro e sigo em direção a minha casa. Lottie permanece calada, entramos pela porta da garagem, estaciono e saio do carro, abro a porta para Charlotte que desce com seu cachorrinho, abro o porta malas para tirar de lá as sacolas com as coisas do cachorro. 

 

Charlotte vai em direção ao elevador e aperta o botão, nós entramos nele e seguimos em silêncio a medida que os andares passam. 

 

“-Está tudo bem?-” questiono.

 

Charlotte olha pra mim. Quero tocar sua cabeça mas minhas mão estão lotadas de sacolas. Ela acena positivamente. Seu semblante ainda triste.

 

Nós finalmente chegamos ao nosso andar. As portas do elevador se abrem e Charlotte sai imediatamente para para o corredor, caminho atrás dela até a porta e então largo metade das sacolas do shopping no chão para poder pegar a chave em eu bolso, abro a porta e dou passagem para Lottie. Ela entra e vai em direção ao seu quarto. 

 

Largo as sacolas ao lado da porta e me viro para tranca-lá. Vou até a cozinha e abro a geladeira para pegar um copo de água, pego meu celular em meu bolso e desbloqueio a tela para checar minhas mensagens, o nome de Emma brilha diante dos meus olhos e eu desliso meu dedo sobre ele para abrir as mensagens.

 

_

DE: Emm

É claro que sim, eu sou a única mulher com bom gosto que você conhece XD

_

_

DE: Emm 

Eu vi a Charlotte no fundo desta foto, ela está usando as roupas que compramos? Sim ela está!

_

_

DE: Emm

OMG! Lembrei! Temos uma festa pra planejar!

_

 

Sorrio enquanto leio as mensagens, a festa era os dezoito anos de Charlotte, ela faria aniversário em uma semana. E Emma sabia, é claro. Pois ela esteve presente em muitas das ocasiões em que eu simplesmente largava tudo e ia para o hospital ver Charlotte. 

 

Meu pequeno anjo, e agora ela aqui, comigo, em minha casa, ao meu alcance. 

 

Digitando com uma mão eu deixo o copo sobre a bancada com a outra. Caminho pelo corredor em direção ao quarto de Charlotte. 

 

_

PARA: Emm 

Você acha que uma festa de aniversário seria uma boa ideia? 

_

 

Envio a mensagem. Assim que chego até a porta de Charlotte a vejo ajoelhada ao lado da cama, enquanto mexe em seu cachorrinho, que está em cima da cama.

Fecho meus olhos tentando não imaginar todos os móveis da casa cheirando a cachorro. Meu celular vibra.

 

_

DE: Emm 

Óbvio que sim! NÓS. PRECISAMOS. DE. UMA. FESTA! 

_

 

Em seguida outra mensagem.

 

_

DE: Emm 

A não ser que você não a ame!!!!!

_

 

Reviro meus olhos para esta última, aponto meu celular para Charlotte e a cena a minha frente e tiro uma foto, anexo a mensagem e a envio para Emma. 

 

“-Lottie?-” chamo delicadamente. Ela levanta seu olhar até mim e me encara “-Nós compramos a caminha do cachorro, certo?-” questiono suavemente.

 

Ela balança sua cabeça de forma positiva.

 

“-Responda-” mando, minha voz levemente autoritária.

 

“-Sim” Lottie diz. 

 

“-E se ele tem a própria cama, significa que ele não precisa ficar na sua-” completo, “-Você entendeu?-” volto a questionar. 

 

“-Sim-” ela responde. 

 

Lottie pega o filhote nos braços e passa por mim em direção ao corredor, a seguro pelo braço. Ela me olha fixamente.

 

“-Está tudo bem?-” volto a perguntar.

 

“-Sim-” ela responde. 

 

Bochechas rosadas e o cheiro dela. Deus eu quero beija-lá.

 

“-Você não acha que tem que agradecer?-” seu olhar brilhante é pressionado pelo vinco em sua testa. 

 

Solto seu braço e levo meu dedo para tocar a cabeça do monstrinho.

 

“-Pelo cachorro-” explico enquanto afasto minha mão.

 

“-Bobby-” ela diz suavemente “-O nome dele é Bobby-” termina.

 

Sinto o delicioso formigamento da excitação em meu estômago enquanto vejo os lábios de Charlotte se moverem. 

 

“-Obrigada-” ela volta a dizer.

 

Mas isso não chega nem perto de ser suficiente, quero que ela me agradeça de forma apropriada, eu quero um beijo e muitas coisas mais. Sinto como se não houvesse como ter o suficiente dela, quero mordê-la e vê-la chorar. 

 

“-Eu quero um beijo-” é só o que eu peço, vamos começar por um beijo.


Notas Finais


Não se esqueçam de comentar e deixar a estrelinha ⭐️

// momento interação//
• O que vocês acham que vai vir a seguir?
• A Lottie finalmente mencionou os pais, o que vocês acham sobre isso?
•Quem vocês imaginam como Robert e Eliza?

(Perdoem os erros e desculpem a demora)

Bjs e até o próximo ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...