História Innocent boy - Jeon Jungkook (ABO) - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Abo, Bangtan Boys (BTS), Jeon Jungkook, Jung Hoseok, Jungkook Bts, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Min Yoongi, Park Jimin, Personagens Originais, Romance
Visualizações 283
Palavras 3.097
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Lemon, LGBT, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eaee, espero que gostem ;)

Boa leitura<3

Capítulo 5 - Raiva



Raiva.

"De um modo geral, a raiva define-se como um sentimento de protesto, insegurança, timidez ou frustração, contra alguém ou alguma coisa, que se exterioriza quando o ego se sente ferido ou ameaçado."

Durante muito tempo da minha vida, o sentimento que me predominava era a raiva. Talvez pelo fato da minha condição, a raiva se intensifica. Você já teve uma crise de raiva? Onde a única coisa que você pensa é em matar a pessoa que está mais perto de você. Eu já tive, e sinceramente, não foi nada legal. Era 1846, lembra que eu falei anteriormente sobre o casamento abusivo que Anthony teve? Pois é, minha crise de raiva aconteceu por causa daquele alfa desgraçado que importunava minha vida e de Anthony. 

César.

Como posso esquecer desse nome, um dos alfas mais egoístas, narcisista e aproveitador que eu já conheci, em todos os meus 195 anos. Anthony me contou tudo. O negócio da família do César estava indo água a baixo, até que eles tiveram a idéia unir seu primogênito com um ômega de família rica, os pais de César já sabiam das condições finaceiras da família de Anthony, as famílias se conheciam a muito tempo, então eles resolveram juntar o útil ao agradável. Um casamento forçado, me poupe, ainda bem que meus pais nunca fizeram algo do tipo comigo. 

Enfim, com o tempo, eu e Anthony começamos uma amizade, íamos nos bailes, ficavamos lendo na biblioteca, ele até me ajudava no restaurante, nós estavamos bem íntimos. Eu nunca escondi meu interesse por ele, e ele também nunca escondeu. Isso imcomodou muito César, confesso que isso também me incomodaria, é como ferir nosso orgulho, ninguém mexe com nosso ômega. Resumo, ele ficou putasso só porque Anthony ficava muito tempo comigo.

Até que o fatídico dia chegou, eu e Anthony estavamos juntos discutindo sobre os livros que pegamos na biblioteca, até que César chega e joga o livro que estava nas mãos de Anthony no chão, e puxa o braço do mesmo com brutalidade, fazendo com que ele se levantasse da grama onde estavamos sentados. Eu obviamente segurei o ômega puxando para perto de mim, e foi nesse momento que toda a minha paciência se esvaiu do meu ser. César começou a nos xingar, chamou Anthony de prostituto por ser um ômega casado e marcado, e ficar saindo com outro alfa. Toda gritaria acabou chamando a atenção das pessoas que estavam nos arredores. Uma coisa que eu odeio é chamar atenção desnecessária, eu odeio ficar discutindo em lugares públicos, e isso me tirou do sério, tanto de mim, quanto do meu lobo que já estava de saco cheio daquele idiota. 

Sem perceber, meus olhos começaram a ficar vermelhos, eu continuava segurando o ômega e olhava fixamente para o alfa exaltado em minha frente, acabei apertando o braço de Anthony forte demais, fazendo com que ele soltasse um gemido de dor, só ai me toquei que estava passando dos limites. César viu meus olhos, sua expressão estava em uma mistura de surpresa e medo. 

Achei melhor Anthony ir com César, quando eu fico com raiva, nada me segura. O alfa amedrontado apenas se distanciou junto com o ômega que não estava entendendo nada, pela forma repentina que o marido parou de gritar e ficou estático. Eu fui para floresta. A floresta é a única que me acalma, fiquei em minha forma de lobo completa e comecei a correr, as árvores passavam rapidamente por mim. Depois da corrida eu me acalmei, sabe-se lá o que eu teria feito, eu só tentei me acalmar o máximo possível, eu não queria me distanciar de Anthony, eu não sei se ele iria me aceitar. As pessoas geralmente associam o lúpus como um monstro descontrolado, eu não queria que ele tivesse medo de mim.

Desde então César passou a me temer, e eu também temia ele. Se ele contasse isso a alguém, com toda certeza iriam tentar me matar, ou meu próprio pai iria me matar por ser descuidada. Os dias se passaram e eu não via Anthony como antes, ele não foi mais a biblioteca, não foi mais aos bailes, e nem passava no restaurante. Entrei em desespero, será que César contou para ele? Eu não dúvido disso, Anthony está com medo de mim? 

Eram questionamentos que rondavam minha mente o tempo todo. Até que eu resolvi ir ao encontro dele, eu tinha que falar com Anthony, mas primeiro, eu teria que me resolver com César. Só que eu não sabia o que me esperava naquela noite.


                       ~♧~


Acordei cedo hoje, por algum milagre eu consegui acordar antes do despertador. Me levantei, fiz minhas higienes pessoais, vesti meu uniforme, eu já disse que esse uniforme é maravilhoso? Enfim, depois de me arrumar fui preparar um café da manhã,  minhas habilidades na cozinha não são assim mil maravilhas, mas da pra sobreviver. Enquanto comia meu sanduíche, as imagens da tarde de ontem me veio à mente, foi muito legal! Eu não me divertia assim à décadas, porque eu sempre tinha que me mudar para não levantar suspeitas sobre minha aparência. As imagens de nós na pista dos carrinhos se fez presente, naquele momento eu me senti de volta a adolescência onde eu não ligava para nada além da diversão. As lembranças do sorriso de Jungkook me fizeram sorrir também, aqueles dentinhos de coelho, e sua risada gostosa, ele parecia ter esquecido de toda aquela tímidez e se deixou levar no momento, eu queria ter mais momentos assim com ele. 

Mas o que me intrigou foi sua expressão raivosa quando o menino de cabelos rosa se aproximou de nossa mesa, aquela discussão deles, o que será que aconteceu entre eles? Pela expressão de Jungkook, parecia ter sido algo bastante sério. Fui tirada de meus devaneios pelo meu celular que vibrou em cima da mesa. Deslizei o dedo pelo ecrã do celular, desbloqueando o mesmo.

1 mensagem nova de Min rabujento

_____________________________________

•Min rabujento: ta pronta?

• como assim???

Min rabujento: eu to aqui na recepção do seu prédio, vem logo, tem uma senhora aqui que não para de falar.

Pelo amor de Jeová me ajuda.

• hahahaha, to indo.

_____________________________________


Desliguei o celular e coloquei o mesmo dentro da minha mochila, coloquei a louça suja na pia e voltei para sala. Acho melhor eu ir logo antes que ele venha me buscar. Peguei minha mochila e desci os andares pelo elevador, que ainda bem estava vazio. Ao chegar na recepção logo encontrei Yoongi com uma senhora, ele percebeu minha presença e pela sua expressão, ele estava em desespero. Me aproximei dos dois devagar, apenas para provocar o Min, que parecia querer me matar apenas com o olhar.

— [...] ai você acredita que o danadinho estragou o meu sofá? Esse cachorro está fora de controle, sinceramente! Eu-

— Olá senhora Sun! — me aproximei interrompendo a fala da "mais velha".

— Oh! Querida, bom dia! Eu esqueci de dar aquele bolo que eu prometi a você!

— Ah, tudo bem, depois a senhora faz outro daquele bolo delicioso que só a senhora faz. — sorri para mesma gentilmente.

— Obrigada minha linda, mas então, você conhece esse jovem rapaz? — a ômega de cabelos grisalhos me questionou.

— Sim sim, nós somos amigos. Inclusive, já está na hora de irmos para escola.

— Claro! Tinha esquecido, acabei atrasando vocês dois. Tenha uma boa aula e um bom dia crianças! — a senhora Sun se retirou e começou a falar com o porteiro do prédio.

Eu e Yoongi saimos do prédio e começamos a andar em direção ao ponto de ônibus, que já estava lotado de adolescentes.

— Ainda bem que você chegou viu! 

— Ah, ela é legal.

— Pode até ser legal, mas em apenas cinco minutos de conversa eu descobri que a filha dela faz faculdade de medicina e que já é uma ômega casada e marcada; o cachorro dela se chama tobby, e ele comeu o sofá dela. CINCO MINUTOS! Ah, e que era dona de uma confeitaria famosa aqui de Seul. CINCO MINUTOS! — Não aguentei e comecei a rir da sua revolta.

— Mas você tá bravo? — Ele apenas me olhou emburrado e andou mais rápido em direção ao ponto. — EI! ME ESPERA.

Durante todo o percurso no ônibus Yoongi continuou reclamando e eu apenas ria dele, começamos a dividir o fone e escutamos música o trajeto inteiro. Ao chegar em frente ao edifício da escola, começamos a andar em direção ao pátio, sentamos em um lugar afastado e logo Ming chegou e se juntou a nós. Hoje ela usava uma tiara azul, acho que ela gosta de tiaras.

— Gente, vocês não vão acreditar! — ela falou se sentando na nossa frente.

— Que foi menina?

— Eu já contei pra vocês sobre o meu ex né?

— Não. — Yoongi falou simplista.

— Tá, então eu vou contar agora. Antes de vir para cá eu tive um namoro longo,  lá na China. Eai, nós terminamos por N motivos-

— Como assim? — Falei interrompendo sua fala.

— É que, esse meu ex me traiu com uma amiga minha, eu também trai ele, aqui se faz aqui se paga, mas também a gente não estava mais em sincronia, e ele também não gostou do fato de eu me mudar para cá. 

— Caralho, bem vingativa a senhora né? — Yoongi falou.

— Sou mesmo.

— Tá, mas o quê que tem?

— Ele está vindo para cá, pra me ver.

— Quê? Como assim? Ele não tinha gostado de você vir para cá? — perguntei confusa.

— É, mas ele disse que não queria acabar com um relacionamento de anos e blá blá blá. 

— E o que você disse a ele?

— O mais sensato a se fazer. — olhei para ela desconfiada. — Mandei ele tomar no cu.

— Certíssima. — Bati palmas.

— Parece até que aprendeu comigo. — Yoongi fingiu secar uma lágrima.

— Mas ele sempre foi teimoso e insistente, então ele ainda quer vir para cá. — Ming revirou os olhos.

— Qual é o nome dele?

— Jackson Wang. Mas então, eu também quero saber sobre seus ex's, podem me contar tudo.

— Oi gente, tão falando do quê? — Taehyung e Jungkook se juntaram a nós.

— A gente ta falando de ex chato.

— Vixe, tenho um monte.

— Então, cada um aqui vai ter que contar sua história com ex, Yoongi você começa.

— Tá, eu já tive uma ex obcecada, que viviam me perseguindo depois que terminamos e assustando minhas atuais namoradas.

— Qual é o nome dela? — Taehyung perguntou.

— Lalisa Manoban.

— Tá, bem bizarra essa menina, mas tudo bem. Vai você agora TaeTae. — Ming falou.

— Bem, eu namorei um alfa que tinha uns fetiches estranhos...

— Que tipos de fetiches? — Ming perguntou curiosa.

— A-ah, deixa pra lá né? — Percebi que o mesmo já estava ficando corado.

— Eu nasci para presenciar esse momento de Kim Taehyung com vergonha. — Jungkook se pronunciou arrancando risadas da rodinha.

— Deixa só eu contar teus "paranauê", ai vamos ver que vai ficar corado. — Tae falou emburrado, Jungkook deu apenas um soquinho em seu braço.

— Taehyung para logo de frescura e fala logo esses fetiches estranhos. — Yoongi falou impaciente.

— Tá... elegostavadeBDSM! 

— Quê? Fala direito! Eu não entendi. — Reclamei para o mesmo.

— Culpa não é minha se você não presto-

— Kim Taehyung! Fala logo essa merda ninguém vai te zuar. — Jungkook se pronunciou já irritado com o amigo.

— Vocês estão muito estressados, meu senhor! — Todos olhamos para ele irritados. — Tá, eu falo... ele gostava de BDSM. Satisfeitos agora?

— O que é isso? — Jungkook perguntou.

— Ih, eu não vou falar não. — Ming falou levantando as mãos para cima.

— Sério gente, o que é isso? — Ele olhou para os três confusos, até que olhou para mim tentando procurar respostas.

— BDSM tem o intuito de trazer o prazer sexual com uma troca erótica de poder, tem o dominar e o submisso. Entendeu? — Perguntei para ele que mantinha um olhar confuso.

— Não muito bem.

— Meu deus garoto, como você está no 3A? — Ming falou revoltada.

— Eu tenho inocência diferente de vocês, seus pervertidos. — Ele falou dando a língua para Ming.

— Tá, eu vou usar um exemplo... — Comecei a pensar em algo que não assustasse o mesmo. — Ah! Lembrei, cinquenta tons de cinza pode ser um exemplo de uma relação BDSM, mas também depende muito da sua relação com seu dominador.

Ele ficou alguns segundos digerindo toda a informação que eu repassei. Sinto que tirei a inocência de uma criança, Jesus.

— Taehyung eu não sabia que você era dessas. — Ele falou fazendo Tae bater no mesmo.

— Cala boca!

— Tá gente, voltando a brincadeira, Jungkook é a sua vez de falar algo peculiar sobre o seu/sua ex. — Ming falou.

— E-eu... — Ele coçou a nuca, parecia nervoso por um instante.  — Eu nunca tive um namoro...

— QUÊ? — Ming falou atraído olhares nada legais dos outros estudantes. — Menino 'tu devia ser proclamado santo.

— Deixa o menino Ming! — Falei e abracei Jeon de lado, talvez tenha sido um pouco desajeitado.

— Tá, mas nem um beijinho sequer você já deu? — Ela falou curiosa.

— N-não...

Ele estava tão fofo envergonhado, ele retribuiu o abraço estranho que demos. Acho que eu vou guardar ele num potinho.

"Eu queria morder ele! Tão fofo, acho que eu não aguento."

Meu lobo está caidinho pelo ômega tímido, não posso julgar ele.

— Misericórdia, se tem uma coisa qur eu gosto na vida além de comer e G-dragon, aquele gostoso, é beijar na boca! Garoto você não sabe o que está perdendo. 

Acamos rindo pela fala da mesma, Ming é muito doida mesmo, nem parece que é tão pervertida assim quando não conhece a "peça".

— Tá voltando, ______ é a sua vez de falar. 

Todos começaram a olhar para mim, na hora em que eu iria dizer o sinal tocou denunciando a hora de ir para as salas.

— Ah que pena né? Deixa pra próxima. — Falei com um tom irônico.

Ming bufou, os outros agiram normal, mas eu percebi que Jungkook talvez estivesse um pouco decepcionado, por não conseguir obter minha resposta. 

Então quer dizer que ele se interessou? Humm, o que devo pensar sobre isso?

Segui para salas junto de Yoongi e Ming, os outros dois foram na direção oposta. Aula de física, bufei já imaginando a cara irritada daquela mulher.


Park Jimin

 


Acordei atrasado para aula, acho que nem o despertador queria me tirar da minha cama quentinha. Hoje eu já acordei com raiva, odeio me atrasar e ter que me arrumar as pressas, ainda bem que eu tinha um motorista particular.

Depois de me vestir rápido, arrumei meus fios rosas que estavam um pouco bagunçados e logo tratei de passar uma maquiagem leve embaixo dos olhos, ficar assistindo séries até de madrugada tem sua consequência. Depois de devidamente arrumado, desci as escadas de minha mansão as pressas, peguei apenas uma fruta na geladeira, dispensando o café da manhã preparado por uma das empregadas.

Ao chegar perto da porta, Nathan, o mordomo, me entrega minha mochila já arrumada. Agradeci ao mesmo e fui correndo em direção ao carro, o motorista já me esperava encostado no automóvel. Dei bom dia para o alfa que já apresentava alguns fios brancos na cabeça e logo entrei no carro.

Pode não parecer mas, eu tenho educação. Só as vezes.

O trajeto até a escola foi como sempre silencioso. Desde minha briga com Jeon, me sinto meio solitário, apesar de estar rodeados de pessoas no meu dia à dia, eu me sinto só.

Não tenho ninguém a quem confiar, e isso é apavorante. Ao chegarmos no edifício que mais parecia uma prisão, adentrei os portões e pus minha máscara que eu sempre coloco na frente de todos. O ômega perfeito. 

Comecei a andar, ainda bem que cheguei a tempo antes dos portões fecharem. Enquanto ia caminhando as pessoas acenavam para mim, desejavam bom dia, e até direcionava olhares maliciosos em minha direção. Cheguei ao local onde sempre fico todas as manhãs, o pátio da escola.

Ao passar uma rápida olhada no local é possível ver as "tribos" que existem em qualquer escola. Os nerds, os rebeldes, os populares (no caso essa é minha tribo.), os esquisitos, os excluídos, e por último avisto a rodinha de conversa onde Jeon estava conversando, os perdedores. 

Não demorou nem um minuto que cheguei e logo Yuna vem em minha direção junto com sua cão de guarda, SooMin, sinceramente eu não entendo essa obsessão que Yuna tem por mim, ficamos apenas uma vez no vestiário das meninas e desde então ela não larga do meu pé, ela vive espalhando para os outros que estamos namorando, mas eu nunca pensei em ter algo sério com a alfa, eu só queria beijar na boca gente.

De longe avisto a alfa novata abraçar Jeon de uma forma esquisita e a outra menina que estava na rodinha gritar. Sério, dois dias com essa garota e já não aguento mais, além dela usar aquelas tiaras esquisitas e um tanto infantil para mesma.

Sobre a brasileira — eu soube que era brasileira como todo mundo soube, através de fofocas. —, eu não tenho uma opinião formada pela mesma, diria que apenas acho sua presença irritante perto de Jeon. Ele é meu, mas isso só eu e meus pensamentos sabem.

Ok, talvez tudo tenha ficado confuso agora, mas eu vou explicar. Eu sempre fui apaixonado pelo mesmo, desde pequenos quando brincavamos no quintal de minha casa, mas eu nunca falei isso para ele, e ninguém poderia saber, um ômega com outro ômega é totalmente julgado na nossa sociedade, aliás, desde sempre. O casal perfeito sempre foi o ômega e seu alfa.

Se eu assumisse isso alguém seria um completo escândalo, por isso apenas tentei reprimir ao máximo minha paixão pelo mesmo. Mas até que eu fiz a cagada e acabei estragando nossa relação para sempre, acho que eu nunca vou receber  seu perdão. E não é pra menos, eu não tiro sua razão, mas se ele soubesse o quanto eu sofri esse tempo todo sabendo a verdade sobre tudo o que aconteceu naquele dia, se ele soubesse...

Que eu fui abusado sexualmente pelo seu pai, talvez ele não teria achado que eu teria dormido com o mais velho.

Eu me sinto sujo, e a única coisa que eu tenho, é raiva.



 


Notas Finais


Eaee, voltei com mais um capitulo revelando várias coisas. TaeTae curte um masoquismo kkkkkmm

O Jiminie não é tão mal assim como o Jeon pensa.

Me contém o que acharam :)

Por hoje é só, tchau gatinhas até o próximo capítulo <33
Me desculpe os erros ortográficos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...