História Inocência - Capítulo 12


Escrita por:

Visualizações 178
Palavras 2.673
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Nudez, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 12 - Giro de 360 graus


     Quando sua vida dá um giro de 360 graus em apenas algumas horas o quê faria?Qual seria sua reação?Correr?Gritar?Chorar?Pedir por ajuda?Bem, Sakura Haruno desejava muito poder fazer todas essas coisas entretanto depois de muito refletir a jovem soube que desse momento em diante ela estava sozinha no mundo quer dizer não totalmente sozinha, até tinha alguns amigos porém na maior parte do tempo seria apenas ela. 

 

       Então por mais que a vontade de chorar, gritar crescesse dentro do peito a cada mínimo minuto não fez. 

 

       Assim que o dia começou a Haruno acordou bem cedo naquele dia, arrumando a bagunça que ela e Karin fizeram na noite passada. Tinha muito o que agradecer a Karin Uzumaki, visto que na noite passada até se esqueceu momentaneamente da situação em que se encontrava. 

 

    De pé com alguns pratos na mão a Haruno observou a amiga com um sorrisinho no rosto, deixou os objetos na mesa de centro para poder usar as mãos para então cobrir o corpo feminino e beijar a bochecha. 

 

      Seria grata pelo resto da vida. 

 

       Após fazer isso em silêncio a moça de cabelos cor de rosa seguiu seu caminho até a cozinha e tentando ao máximo não fazer barulho começou a arrumar o cômodo ou pelo menos tentou já que seus ouvidos eram tomados por um barulho alto vindo da sala daquela casa. 

 

    — Aí meu deus, aí meu deus, aí meu deus meu chefe vai me matar. — Disse Karin repetidas vezes enquanto se vestia e Sakura coitada sem entender nada observava a amiga como se ela fosse de outro mundo. 

 

   Com rapidez a ruiva vestia seu uniforme mordiscando os lábios vez sim e vez não, não era a primeira vez que perdia o horário de trabalho ainda assim uma parte de si queria muito continuar a dormir, porém a outra parte aquela mais responsável dizia que se continuasse com isso não teria como pagar as dívidas no fim do mês e com um suspiro pesado a Uzumaki colocava a última parte de seu uniforme no corpo. 

 

        Abaixou seu corpo para vestir os sapatos, com a ajuda de uma escova tentava conter a agitação dos fios de cabelo. 

 

         — Karin?O quê está acontecendo? — perguntou.

 

      Os olhos da ruiva foram automaticamente para a visita, lembrando se imediatamente do dia anterior e da conversa que tiveram depois disso. 

 

         Largou a escova a e rapidamente agarrou a mão de Sakura pegando sua bolsa e indo até a porta. 

 

         — Estamos atrasadas. — Explicou. 

 

   A Haruno franziu o cenho ficando ainda mais confusa do que estava antes. Felizmente não vestia mais o pijama de antes e sim uma roupa emprestada da amiga que se resumiam em: uma camiseta de manga comprida e uma calça jeans com tênis nos pés. 

 

         — Atrasadas?Atrasadas para quê? — Questionou.

 

     Foi a vez de Karin lançar aquele típico olhar "você é louca?", moveu a cabeça para os lados não acreditando no que escutava e por fim soltando um riso morno com isso.

 

  Parou de andar no meio da rua, passando gentilmente suas mãos pelos ombros de Sakura Haruno. 

 

       — Você se lembra que me perguntou se poderia te arrumar um emprego na noite passada Sakura? 

 

       Sua resposta não veio com palavras e sim apenas uma ação lenta da cabeça se movendo para cima e para baixo. 

 

           — Sim, só que hoje é domingo. Quem trabalha de domingo? 

 

      Ouvindo aquilo Karin Uzumaki percebeu o quanto a garota a sua frente era inocente e sempre foi protegida pelos pais, pelo menos até aquele momento. 

 

      Suspirou profundamente, sorrindo de canto. 

 

      — Algumas pessoas com falta de sorte. — Disse fazendo uma pequena pausa. — E a gente está inclusa nesse círculo, por isso é bom irmos logo não é?Você quer causar uma boa impressão e não acabar na rua da amargura. 

 

       A ruiva nem ao menos esperou uma resposta da amiga saiu empurrando a em linha reta, pois, sabia que seu chefe não iria tolerar atrasos enormes e caso isso acontecesse ela poderia dar adeus a metade do salário que já não era lá essas coisas. 

 

     Sem protestar Sakura a seguiu em silêncio, pelo visto teria muitas coisas para aprender. 

 

    E a primeira delas era que nada infelizmente é fácil nessa vida.   

 

     

    Passar por uma entrevista de emprego sempre pareceu bem fácil, pelo menos na teoria agora na prática Sakura se saiu "razoável", felizmente o cargo que pretendia ocupar não pedia tantas exigências o que ajudou e muito ela a conseguir um emprego como atendente de lanchonete. 

 

     Sabia que não era muita coisa e também não poderia exigir muito visto que sua experiência no mercado de trabalho era nula. 

 

      O horário ficou flexível com a escola então poderia fazer tanto um como o outro e assim como Karin Uzumaki a Haruno trabalharia vez sim e vez não aos finais de semana com uma escala diferente da ruiva visto que ela já era formada.

 

       Suspirou fundo, trocando a última parte da roupa pelo uniforme.

 

   Era algo simples, nada exageradamente elaborado ou chique demais uma camiseta de meia manga com uma saia que ia até os joelhos ambas as peças de cores escuras. 

 

   Os cabelos ficaram presos por uma tiara emprestada da ruiva. 

 

    Saiu daquela sala e seguiu reto pelo corredor, abrindo a porta a Haruno deparou de com Karin sorrindo animada. 

 

    — Agora você pode ter seu próprio dinheiro Sakura, não é ótimo esse gostinho de independência?

 

   Diferente dela Sakura não se sentia assim tão animada, na verdade, estava com medo de fazer algo errado.

 

    Forçou um sorriso no rosto e pegou o bloquinho de papel no balcão junto de uma caneta colocando os no bolso próximo a cintura. 

 

       — É bom e assustador também. — Confessou ouvindo uma gargalhada alta da amiga como resposta e tal ato atraiu a atenção de alguns funcionários como Kakashi e Obito Uchiha que olharam as duas garotas dando risadas baixas discretamente. 

 

     Diferente do moreno ao seu lado o albino caminhou tranquilo até as duas e antes que pudesse se anunciar Karin fez isso por ele, cutucando a amiga com o cotovelo. 

 

      Envergonhada Sakura queria correr dali e se esconder, infelizmente não existiam caminhos para sua fuga. 

 

         — É ótimo ter você na equipe, vamos trabalhar juntos como uma equipe está bem? — Disse o homem vendo a cabeça dela se mexer devagar para cima e para baixo, também não esperou uma resposta maior da garota saia logo dali para começar a trabalhar. 

 

      Estava com as bochechas coradas, aquele homem era simplesmente lindo muito diferente dos garotos que via no colégio. 

 

       A ruiva sorriu maliciosa e no segundo em que Kakashi Hatake saiu ousou em passar seus braços pelo corpo feminino ali ao lado, abraçando a e apertando uma das bochechas quando surgia tal oportunidade. 

 

          — Bem vinda a vida adulta Sakura, pode ser uma merda agora só que melhora você vai ver. — Disse a Uzumaki recebendo um olhar emburrado da Haruno. 

 

      Sakura até ia argumentar contra aquilo, dizendo que queria muito voltar a ser criança e ter a única preocupação com seus brinquedos contudo quando o sino da porta tocou a jovem de cabelos róseos logo se posicionou para atender o primeiro cliente, dando algumas batidinhas no uniforme para espantar a sujeira ela começou a andar até a mesa do canto sorrindo amigavelmente. 

 

         E assim que chegou lá mordiscou os lábios. 

 

     Mebuki olhava a filha seria, o rosto inchado e levemente marcado por uma mão dizia que a noite dela não foi assim tão boa. 

 

           — Podemos conversar Sakura? — perguntou. 

 

       Engoliu em seco, desviando os olhos até Karin que observou a cena preocupada. 

 

       — Estou no meu horário de trabalho, não posso…

 

       — Que trabalho?Até agora só tem eu aqui, vamos sente se tenho um assunto sério a tratar com você. 

 

        Ouvindo aquilo respirou fundo, realmente agora não tinha tanto movimento ainda assim ela não queria vacilar logo no primeiro dia.

 

    Com o olhar Karin Uzumaki a encorajou se sentar, dizendo silenciosamente que cuidaria de tudo. 

 

       — Você tem cinco minutos, depois disso preciso voltar a trabalhar. 

 

      Suspirou, não culparia a filha pela frieza bem provável que estivesse agindo igual caso fosse Sakura mesmo assim a mulher obrigou o rosto a abrir um sorriso gentil e os dedos partiram em direção as mãos da mais nova que ao ver tal ato rapidamente recuou. 

 

           — Sakura…

 

   — Você está perdendo seu tempo com demonstrações de carinho, seja direta. 

 

          — Aborte. — Falou vendo o rosto da filha mudar de expressão para algo um tanto surpreso. 

 

          — Desculpe?Parece que eu não ouvi muito bem, você quer que eu aborte?Por qual motivo? 

 

        Desta vez um sorriso largo formou se no rosto da mais velha vendo a ideia que se formava em sua mente. 

 

       — Aborte a criança Sakura, não seja estúpida. Que futuro você pode ter?Você praticamente depende dos seus pais para respirar garota, aborte e pode ter sua vida de volta. 

 

        A expressão de surpresa pelas palavras anteriores ainda morava no rosto de Sakura, porém o nojo foi crescendo dentro de si à medida que a fala de Mebuki passava por seus ouvidos. 

 

    Então era isso que pensavam dela?Que era uma incapaz?Uma inútil?Nem mesmo o término com Sasori doeu tanto como aquilo, afinal a mulher bem ali na frente era sua mãe ou pelo menos parecia se com ela.

 

       Não achava que ouviria uma coisa como aquela, achava que talvez seu pai tinha finalmente caído em si e pediria para que ela voltasse e então poderiam ser então uma família feliz. 

 

       De fato era inocente em pensar desse jeito, agora não mais. 

 

        Afinal de contas quando eles foram uma família feliz?Tudo bem, tinham os conflitos o que era algo extremamente normal em qualquer espécie de relacionamento ainda assim exigiam coisas que estavam foram do normal. 

 

  Um exemplo era a pressão por trás das notas altíssimas de Sakura, se ela não tirasse notas boas não seria mais a "garotinha" do papai. 

 

       Levantou se dali, não ouviria mais barbaridade alguma. 

 

    O rosto se virou na direção da mulher ali sentada em um dos bancos que a encarava confusa. 

 

         — Onde vai?Você ouviu o quê eu disse?Você pode ter sua vida de volta garota, apenas aborte essa criança não seja burra. 

 

       Ter a vida de volta?Que vida?Uma vida em que todos aqueles que mais confiava não mediram esforços para colocar uma faca em suas costas?Essa vida?

 

           Não, certamente não voltaria. 

 

           Já não se sentia mais como aquela garota boba e inocente de tempos atrás. 

 

   Sakura não respondeu, não queria discutir tampouco queria uma cena em um lugar público contudo tal comportamento foi o bastante para gerar fúria em Mebuki a ponto de se levantar e puxar com brutalidade a garota pelo pulso ou pelo menos tentar fazer isso, já que assim que suas intenções ficaram claras Obito se colocou no meio das duas. 

 

        — Acho melhor a senhora ir embora, é claro que ela não quer falar mais com você. 

 

         — Quem você pensa que é? — Rangeu os dentes irritada, sua mão conseguiu se soltar dos dedos masculinos pronta para dar um tapa naquele atrevido, porém o Uchiha era mais rápido e novamente conseguiu parar a ação antes que se realizasse. 

 

     O rosto dele estava sério, não expressava nada enquanto olhava diretamente no rosto de Mebuki Haruno. — Se a senhora insistir terei que chamar a polícia. 

 

       Os demais funcionários observavam aquela cena atentos assim como Sakura. 

 

            — Por favor, vá embora. 

 

      Bastou ouvir isso que a mulher se soltou irritada e logo caminhou até a saída do lugar murmurando vez ou outra um palavrão. 

 

       — Você está sendo burra garota, burra. — Disse em voz alta antes de sumir do campo de visão de todos ali presente. 

 

         Quando ela se foi a Haruno sentiu o peito ficar mais leve, ainda assim o coração estava apertado pelas palavras que ouviu anteriormente. 

 

   .      Sabia que algumas pessoas apoiavam a ideia de abortar, porém não imaginava que sua mãe usaria essa ideia de uma maneira tão baixa. 

 

     Saiu dos pensamentos quando sentiu braços passarem por seu corpo e ao ver Karin ali permitiu se sorrir. 

 

           — Você tem uma nova família agora. — Falou a Uzumaki.

 

            — Obrigada por tudo. 


 

             (**♥️♥️//) 

 

             

 

               Depois da visita de sua mãe Sakura ficou para baixo até o horário de fechar, sorria vez ou outra e tentava ao máximo não transparecer o que sentia mesmo que fosse difícil.

      Assim que o relógio bateu no número seis os funcionários daquele estabelecimento soltaram um suspiro de alívio, pois, finalmente poderia ir embora descansar todos terminavam rapidamente de limpar o lugar deixando tudo arrumadinho para que em outro dia não tivessem nenhuma espécie de dificuldade.

          Sakura terminou de passar o pano na última mesa da primeira fileira de mesas dando um suspiro pesado logo em seguida, estava cansada e não via a hora de deitar. Passou os dedos pela testa a fim de espantar o suor e nisso percebeu que uma fina garoa começava do lado de fora, bufou tudo o que menos precisava agora era de um resfriado. 

 

       — Finalmente terminou. — Murmurou ela, virando seu corpo pronto para ir embora e quem sabe dormir um pouco. Porém, no meio do caminho sua atenção foi roubada quando ouviu gritos vindo da cozinha da lanchonete, apertou o passo mesmo sabendo que não deveria ser tão curiosa não custava nada verificar se estava realmente tudo bem. 

 

    Quanto mais se aproximava mais os gritos aumentavam e em certo momento Sakura ficou um pouco assustada. 

 

       Karin estava com os nervos pegando fogo, e em um momento de revolta arremessou um dos pratos no chão assustando tanto Obito como Naruto. — Ele é um idiota, SASUKE UCHIHA É UM IDIOTA. Como ele pode?

 

           — Não é assim, ele acha que é o me…

 

         — Não é, fugir nunca é a melhor opção. — Falou a ruiva deixando um suspiro fraco escapar entre os lábios. — Por um lado acho que Sakura vai ficar arrasada eles estavam se aproximando e por outro não sei… Talvez fique contente. 

 

      Franziu o cenho um tanto confusa não entendendo uma palavra. 

 

         O quê aconteceu com Sasuke a ponto dele optar por uma fuga?E por qual motivo sua reação estava sendo assim tão duvidosa? 

 

          Obito sorriu de canto, colocando uma das mãos nos ombros da amiga.  — Você sabe como meus tios são em questão de violência e educação Karin, infelizmente o comportamento de Sasuke já não estava sendo visto como algo correto na verdade estava sendo bem o contrário disso.  

 

     Naruto moveu a cabeça para os lados, estava odiando a ideia de ter que perder seu amigo.  — Eu também não acho que ele deveria ir embora da cidade, na verdade, acho um exagero tudo por causa que Sasuke deu uma lição naquele Sasori. 

 

     Ouvindo aquelas informações o corpo da Haruno moveu se com rapidez para longe dali, os olhos arregalados e o coração batendo rápido e a mente desesperadamente buscava por uma explicação e queria ela vinda do Uchiha. 

 

         Ele não podia ir embora, não podia.

 

     Corria o mais rápido que conseguia, mesmo na chuva Sakura não fez corpo mole felizmente a casa de Sasuke não era longe ou seja levaria pouco tempo para chegar lá ao menos que ele já tivesse ido embora e se caso tivesse mesmo acontecido ela nunca o perdoaria. 

 

        Pelo menos poderia de despedir, pensou a jovem enquanto corria pela rua fazendo curvas vez sim e vez não. — Por favor não tenha ido, por favor Sasuke. — Murmurou entre dentes, agarrando os lábios com a pontinha deles. — Por favor Uchiha, não vá embora. 

 

        Quanto mais andava mais parecia estar longe de chegar, a chuva tinha aumentado e ficar ali estava totalmente irritante. Seu rosto assim como o corpo estava molhado, dificultando vez ou outra a visão e para completar o pacote espirrava sem parar. 

 

      Quando viu finalmente a casa dos Uchihas a jovem deixou um sorriso escapar, porém isso acabou no exato minuto em que notava a falta do carro e não só isso a placa de "vende se" bem grande no meio do quintal se destacava em meio aos pingos de chuva. 

 

      Sakura sentiu o peito apertar e a respiração falhar, o coração doía. 

 

        Tinha perdido a pessoa que menos queria perder e nem ao menos tinha se despedido e a única coisa que não conseguia de falar em meio aos pensamentos era: por qual motivo ele nem ao menos se despediu?

 


Notas Finais


Hellou pessoas, cá estamos com mais um capitulo dessa historia que tem mexido bastante com algumas pessoas e outras não.

POIS BEM

A historia é divida em duas partes, sendo a primeira o passado que conta como cada coisa no presente vai acontecer e alguns acontecimentos que aconteceram antes tiveram influencia no futuro no caso o tempo atual da historia.

Não sei se deu pra entender muito bem, qualquer coisa so me perguntar.

A primeira parte que é o passado tem 12 capitulos, ou seja, a partir do proximo já vamos ver os personagens mais maduros e na vida adulta OK???

Não sei oq vai acontecer, só zeus sabe q
é isso beijinhos -v-

publicações só depois de dezembro, até <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...