História Insaciável - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Big Bang
Personagens G-Dragon, Seungri, T.O.P
Tags Gri, Nyongtory, Pwp
Visualizações 191
Palavras 4.509
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Juro que nunca mais invento de escrever um lemon qq

Ignorem qualquer erro pq eu to cansada demais pra betar e a minha beta já estava dormindo :(

Aproveitem o pornô mores 🌚

Capítulo 1 - Único


Fanfic / Fanfiction Insaciável - Capítulo 1 - Único


Você é tão incrível, você não teve pressa para me entender.

É por isso que você consegue me excitar mais do que qualquer outra pessoa.

Você está acabando comigo, eu juro, você está me enlouquecendo.

Rihanna




Jiyong estava fervendo de raiva.

Seungri o ignorava desde que chegara pela manhã.

O platinado só havia lhe dirigido a palavra duas ou três vezes, e foi por pura obrigação pois, vez ou outra Youngbae o mandava pegar algumas coisas dele que estava consigo.

Até no palco o mais novo o evitou, principalmente quando ele tentou se aproximar para fazer o fanservice que os dois já estavam acostumados a fazer.

Agora estavam os dois, ou melhor, Jiyong, estava sentado encarando o platinado com raiva, e se de seus olhos saíssem lasers, Lee Seunghyun já estaria sem vida a tempos.

O show já havia acabado há uma hora e agora eles esperavam Daesung terminar o banho para saírem para jantar juntos.

Seungri cansado de ser fuzilado pelo mais velho comunicou que iria na frente junto com o Choi que, já não se aguentava em esperar o amigo terminar o banho para enfim poder beber.

Jiyong ao perceber que a intenção do Lee era, claramente deixa-lo para trás, logo se levantou e disse que iria junto, pedido esse que logo foi negado pelo mais velho do grupo.

- Porque não posso ir com vocês? – Perguntou Jiyong com o cenho franzido.

- Nós vamos passar em um lugar antes de irmos ao restaurante. – Disse Seungri pela primeira vez o dirigindo a palavra por vontade própria.

- E porque eu não posso ir? Onde vocês vão? – Voltou a perguntar ainda mais irritado.

- Porque vamos fazer coisas de Seunghyun's. – Explicou o Choi calmamente vendo o líder se emburrar. – Mais tarde a gente se encontra.

Dito isso saiu com Seungri deixando um Jiyong muito desconfiado para trás.



(...)



- Porque você ta ignorando ele desde que chegou? – Perguntou o Choi tomando mais um gole de vinho.

Os dois já tinham combinado três dias antes de irem a uma vinícola muito famosa na cidade onde estavam, por ainda fabricarem o vinho manualmente, o que caiu como uma luva para Seungri que, realmente queria distância do líder, pelo menos aquela noite.

- Quem? – O mais novo se fez de desentendido dando de ombros.

- Então a coisa é séria pra você ignorar ele até sem ele estar presente. – Riu o maior. – Vocês ainda estão nesse chove e não molha?

- É como eu já te disse hyung, quando eu tomo iniciativa ele recua, eu por acaso tenho cara de idiota? – Perguntou retoricamente vendo mais velho balançar a cabeça positivamente. – Aish hyung!

- Calma Seungri-ah, eu estou brincando. – Disse o Choi sorrindo. – Jiyong é um garoto inconsequente, você sabe.

- Sim, o pior é que eu sei. – Suspirou enquanto se servia de mais uma taça. – Mas a inconsequência dele me afeta e, uma hora eu vou atingir o meu limite hyung.

- E o que ele fez dessa vez? – Perguntou curioso.

O Choi sabia da história dos dois, Seungri sempre o mantinha a par de tudo que acontecia entre os dois. Seungri amava seu hyung e ele era um de seus amigos que mais confiava. O Seunghyun mais velho sabia que aquele grude dos dois que vinha desde o início do grupo evoluiria para um flerte e talvez algo mais. Agora ele presenciava o algo mais acontecendo e ficava feliz por eles, mas ele também sabia que o líder era um cabeça dura de atitudes impulsivas e que, mesmo não querendo magoava a si próprio e os outros.

- A dois dias dormimos juntos. – Contou o Lee vendo o mais velho se engasgar com o vinho.

- C-Como assim dormiram juntos??? Você havia me dito que só tinham se beijado até agora! – Disse dramaticamente fazendo o mais novo revirar os olhos.

- Dormimos hyung, apenas dormimos na mesma cama.

- Você tem que explicar as coisas direito Seungri, eu já sou velho, olha o coração do hyung. – Disse o Choi fazendo o outro rir.

- Enfim... Ontem quando estávamos só nós cinco bebendo naquela boate, ele sumiu por um tempo e eu sai para procura-lo, você se lembra? – Perguntou vendo o outro concordar. – Então eu o procurei por toda aquela merda de boate e sabe onde eu o encontrei? – Perguntou novamente vendo o mais velho negar. – Bom, eu encontrei aquele filho da puta de joelhos pra outro cara numa cabine do banheiro! – Grunhiu de raiva lembrando da cena em sua mente.

- Uau... Essa eu não esperava. – Comentou o Choi ainda surpreso.

Ele sabia que o outro era imprudente, mas naquilo ele havia se superado. Agora entendia o porquê do mais novo evitar a todo custo o de cabelos laranja.

- E sabe o que aquele desgraçado fez quando me viu? Pediu licença pro cara, ficou em pé e veio me perguntar o que eu tava fazendo ali.

- Uau... Eu só consigo falar isso agora, muita coisa pra processar Seungri-ah. – Disse o Choi embasbacado. – Mas você sabe como ele é educado, ele só não queria que você fizesse um escândalo ali.

- Hyung, desde quando eu faço escândalo? – Perguntou irritado. – Que se foda a educação dele! Mesmo nós dois não tendo nada ele não tinha o direito de fazer isso comigo. Porque diabos ele dava pra trás comigo e com um desconhecido ele chupava até o pau???

- Seungri, você sabe como ele é, fez isso sem pensar, nós estávamos todos bêbados, ele deve estar se martirizando agora mesmo por isso, você sabe que ele nunca faria algo para te magoar de propósito.

- Eu sei de tudo isso hyung, mas foda-se! Pelo menos hoje eu me dou o direito de não perdoar Kwon Jiyong pelas merdas que ele faz



(...)



- Onde vocês dois estavam??? – Perguntou um alaranjado levemente irritado assim que os dois Seunghyun's passaram abraçados aos risos pela entrada da sala privada onde os outros três integrantes estavam comendo.

- Estávamos fazendo coisas de Seunghyun's. – Respondeu novamente o Choi sentando-se ao lado de Daesung que comia algum tipo de prato japonês.

- E o que eram essas coisas? – Dessa vez quem perguntara havia sido Youngbae que olhava curioso para os dois.

- Estávamos numa vinícola a algumas quadras daqui. – Respondeu Seungri sentando ao lado do Choi, ficando de frente para quem ele mais queria evitar.

- Desde quando vocês dois saem sozinhos? – Perguntou Jiyong exalando ciúmes de seus poros o que fez o mais novo o olhar nos olhos pela primeira vez e lhe sorrir sacana.

- Estávamos tendo um encontro. – Respondeu curto fazendo o Choi ao seu lado que estava provando da comida do outro se engasgar novamente.

- O quê? – Perguntou Jiyong vermelho de raiva.

- Ya! Deixei de brincadeiras Seungri-ah! – Se queixou o mais velho recebendo batidinhas nas contas de Daesung que ria da cena. – Nós só estávamos provando alguns vinhos para levarmos a Seul, e eu e ele fazemos muitas coisas sozinhos, você que não esta informado.

- Tanto faz. – Deu de ombros irritado.

- O que houve com você mesmo Jiyong? Está assim desde cedo. – Perguntou Daesung que até agora não entendia nada do que estava acontecendo ali.

- Deixa ele hyung, ele deve estar cansado de tanto ter ficado ajoelhado ontem. – Respondeu Seungri olhando para o líder que estava vermelho numa clara mistura de vergonha e raiva, enquanto Youngbae e Daesung o olhavam confusos e o Choi descrente pelo que acabara de ouvir sair da boca do mais novo. – Bom, eu estou indo pro hotel agora, o dia foi muito longo tendo que evitar certas situações, boa noite.

Seungri saiu sem dar chance de resposta para qualquer um dos quatro, que permaneceram ali até Daesung terminar sua refeição.



(...)



- Que merda você ta fazendo aqui? – Perguntou Seungri ao notar que era Jiyong a bater na porta de seu quarto e não o Choi com seu carregador de celular.

- Tabi hyung me disse para devolver isso para você. – Respondeu envergonhado estendendo o fio para o outro.

- Obrigada, adeus. – Disse Seungri se preparando para fechar a porta mas sendo impedido pelo mais velho.

- Ele também me disse para me desculpar com você. – Disse baixinho vendo Seungri entrar para dentro do quarto com raiva.

- Desculpar pelo o que mesmo hyung? – Perguntou indiferente. – Ah, lembrei! Te desculpar por ser uma vadia no cio que recusa alguém que realmente tem sentimentos por você pra chupar um desconhecido? – Respondeu ironicamente. – Ta desculpado, pode ir embora agora.

- Você está me ofendendo Seungri! – Disse o mais velho com os olhos vermelhos ameaçando chorar. – Você não tem o direito de falar assim comigo!!!

- Já você tem o direito de pisar nos meus sentimentos como se isso não fosse nada não é mesmo? Não se faça de coitadinho Gdragon, esse papel não lhe cai bem. – Disse debochado o olhando de cima abaixo fazendo o outro se encolher.

Seungri nunca fora agressivo consigo, nem mesmo quando estava irritado com algo, ele sempre mantinha a calma.

- Eu estava fora de mim Seungri! Eu estava bêbado! Eu nem sei quem é aquele cara. Quando você foi embora eu fui atrás de você mas você não estava em lugar nenhum... – Disse atrapalhado vendo o mais novo se aproximar a passos duros.

- Você é um garoto petulante! – Disse Seungri chegando mais perto do outro. – Saia por favor, eu não estou no meu melhor humor Jiyong. – Puxou o braço do outro e o levou até a porta do seu quarto.

- NÃO! – Gritou o mais velho se soltando do aperto do outro. – Eu não vou sair daqui ate você me ouvir!

Viu o outro respirar fundo e contar até três indo em direção a poltrona que tinha no meio da pequena sala que tinha no quarto. Seungri sabia que não devia ter falado aquilo para o outro e já se arrependia amargamente por tê-lo ofendido daquela maneira e, também sabia que Jiyong não o deixaria em paz até ter falado tudo que queria.

- Você tem cinco minutos. Se você não sair quando esses cinco minutos acabarem, saio eu. – Ditou iniciando com o celular o cronômetro.

Aquilo certamente estava sendo excitante demais, Jiyong tinha que admitir, seu baixo ventre pulsava com aquele Seungri irritado a sua frente.

- Ontem eu estava fora de mim... – Começou sentando-se na frente do platinado mas não conseguia olha-lo cara a cara por estar envergonhado do que fizera. – Eu estava triste porque eu realmente quero ficar com você, mas eu sou o total oposto de você... Eu sou um poço de insegurança e medo quando se trata de relacionamentos e você é tão seguro de si. – Comentou tomando coragem e olhando outro que parecia prestar bastante atenção no que ele dizia.

- Você me machucou muito Jiyong. – Disse Seungri casando. – Ver você se entregando para um desconhecido, enquanto a mim que te desejo mais que tudo, você me nega, recua. Isso machuca. Eu sempre relevo as merdas que você faz porque eu me preocupo mais com seu bem estar do que com o meu próprio.

- E-Eu sinto tanto Seungri-ah... – Disse melancólico percebendo o olhar triste do outro.

- Sua impulsividade machuca minha alma Jiyong. – Disse olhando para o outro. – Eu não quero ter que desistir de você, mas eu não sei se você pensa o mesmo.

- Eu nunca desistiria de você Seungri, você sabe. – Respondeu apertando mais a mão do outro que ainda lhe olhava seriamente. – Eu realmente sou um babaca de merda, mas eu amo tanto você...

- Eu sei... – Disse Seungri levantando-se e se afastando do menor que o olhou confuso. – É mais fácil desistir de você, é mais fácil deixar você partir, mas também é a escolha mais dolorosa deixar de te amar. Mas amar você agora, está me fazendo mal.

- N-Não diga coisas assim Seungri... – Disse Jiyong tentando se aproximar do mais novo que recuou ao ver o mais velho tentar toca-lo.

- Seus cinco minutos estão acabando. Já terminamos aqui, por favor saia. – Ditou grosseiramente vendo Jiyong estreitar os olhos.

O mais velho sabia que não merecia ser perdoado, mas seu coração doía tanto desde que viu o mais novo o olhando com nojo na porta daquela cabine. Ele estava tão fora de si na noite passada, se Seungri não o tivesse trazido a realidade, ele provavelmente nem lembraria do que teria acontecido naquele banheiro.

Ele foi tão estúpido. Os dois estavam bem, estavam se acertando, até tinham dormido juntos como antigamente.

E Jiyong era um idiota egoísta, que mesmo sabendo que o motivo da dor do outro era ele próprio, o alaranjado não tinha nenhuma pretensão de deixa-lo ir. Seungri era sua luz no fim do túnel, era a sua pessoa especial.

Então aproximou-se novamente do mais novo e levou sua mão até seu rosto e acariciou sua bochecha.

- Você é tão bonito Seungri-ah...

- Por favor Jiyong, saia. – Silabou tentando conter sua irritação.

Seungri sabia que nada vindo dele aquele momento terminaria bem, ele tinha medo de machucar ainda mais o outro com suas palavras ou acabar indo longe demais com aquele joguinho que o mais velho tinha começado.

- Eu não quero sair... Quero passar a noite aqui, com você. Quero me redimir pela dor que te causei. – Disse Jiyong passando suas mãos pelo peito do mais novo.

- Você se arrependerá se ficar mais um minuto neste quarto hyung. – Disse Seungri com sua voz rouca pegando as mãos do outro com certa força.

O mais velho sentiu suas pernas falharem quando Seungri o jogou na parede mais próxima quando ele havia negado que sairia.

- Eu te dei a última chance de recuar por uma última vez Jiyong... – Seungri falou enquanto deixava uma mordida no pescoço do mais velho que soltara um gemido pela dor do atrito da parede em suas costas e pelo aperto que o outro deu na sua bunda. – Eu só queria entender como uma vadia como você me recusou e agora está aqui implorando para ser fodido... – Sussurrou lambendo seu ouvido. – Agora eu quero que escute com atenção essas duas regras para essa noite. – disse voltando a olhar o mais velho nos olhos. – Primeiro você vai fazer tudo o que eu mandar e sem reclamar. – levou suas mãos as pernas do outro suspendendo-o no ar, fazendo o menor arfar. – Segundo, você não vai poder me tocar sem a minha permissão.

Jiyong concordou com a cabeça e tentou beija-lo sendo impedido pelo mais novo.

- O que eu disse vadia? Só me toque quando eu permitir. – Ditou autoritário voltando a marcar o pescoço alheio enquanto o mais velho gemia alto contra a parede. Voltou a encara-lo e Jiyong viu os olhos de Seungri tão escuros quanto o céu lá fora que sentiu que gozaria ali mesmo ainda vestido se o mais novo continuasse a encara-lo daquela forma.

- Tire todas as suas roupas e me espere na cama. – Ordenou soltando-se do outro que, o olhou frustrado vendo-o sumir dentro do banheiro.

O mais velho estava surpreso com as atitudes do mais novo aquela noite, mas não resolveu questionar-se demais agora e começou a se despir por completo.

Sentou no começo da cama e sentiu-se ansioso enquanto esperava o mais novo que não tardou a voltar, agora só com uma boxer preta.

Seungri percorreu com seus olhos o corpo do mais velho a cada passo que dava lentamente até da cama, fazendo Jiyong se encolher envergonhado com a maneira predatória com que o platinado o olhava, mesmo ele que não se importasse nenhum um pouco em estar nu na frente do outro a minutos atrás.

- Venha até aqui. – Ditou quando sentou-se no outro lado da cama. – Fique de joelhos.

O mais velho assentiu e ficou de joelhos esperando para a próxima ordem.

Seungri vendo que o mais velho ardia em expectativa, ficou em pé apenas para livrar seu membro da cueca que pulou no rosto de Jiyong que automaticamente lambeu os lábios.

- Toque. – Disse Seungri vendo o mais velho abrir a boca, pronto para engolir seu pau. – Ainda não. Apenas toque. Se você for um garoto obediente poderá ter a boca fodida mais tarde.

Jiyong suspirou e pegou o membro que pulsava em suas mãos e começou a masturba-lo.

Ele sentia-se em um sonho, ele já tinha fantasiado sobre como seria tocar o pau de Seungri há séculos, e aquilo com certeza estava sendo melhor do que em sua fantasia.

Jiyong continuava a masturba-lo agora com mais rapidez, e quando olhou pra cima encontrou a face do mais novo distorcida de prazer, fazendo sua respiração falhar ao imaginar como seria Seungri o fodendo.

Os olhos de Seungri estavam fechados, e uma de suas mãos estavam no ombro de Jiyong. Sua respiração era silenciosa, mas Jiyong estava perto o suficiente para poder dizer que era pesada.

- Use sua boca. – Disse Seungri num sussurro alto o suficiente para o outro ouvir e abocanhar seu pau lhe tirando um gemido rouco. – Você é realmente bom chupando um pau. – Debochou fazendo o outro parar e lhe olhar irritado.

- Eu mandei você parar vadia? – Seungri ralhou vendo o mais velho voltar a sua atenção para seu membro, lambendo desde o seu comprimento indo até a sua glande como se fosse um picolé.

Seus olhos voltaram a se fechar e Seungri jogou sua cabeça para trás enquanto puxava os fios alaranjados e empurrava com mais força seus quadris fazendo seu pau tocar a garganta de Jiyong que tentava não se sufocar com aquilo.

- Jiyong. – Chamou Seungri fazendo o outro soltar seu membro melado de pré-gozo. – Olhe para mim.

E ele olhou. Ele viu nos olhos dele que era desejado.

- Eu posso tocar em você? – Ele perguntou com a boca inchada e vermelha, lembrando-se das regras do mais novo.

- Não. – Respondeu curto. – Deite-se na cama.

- Vamos, eu quero te tocar... – Insistiu Jiyong manhoso enquanto deitava-se.

- Ainda não.

Tocou as pernas de Jiyong e subiu com carícias até seu rosto, parando ali para marcar seu pescoço com mordidas e chupões levando o mais velho involuntariamente, a arquear as costas.

Seungri levou sua mão a base do pênis de Jiyong e a apertou o fazendo gemer. Ele acariciou com a palma da mão a cabeça e, em seguida, levou um de seus dedos à entrada molhada do mais velho que gemeu alto já que Jiyong não esperava que Seungri enfiasse um dedo dentro dele sem nem mesmo avisa-lo.

- Que merda, porra... – Gemeu Jiyong de olhos arregalados.

- Está doendo? – Perguntou Seungri, vendo Jiyong confirmar com a cabeça.

Ele não notou preocupação em sua voz e por um momento ficou triste, mas quando olhou em seus olhos viu que se ele dissesse para parar, o mais novo pararia.

- Você já está assim apenas com um dedo dragãozinho... – Zombou Seungri introduzindo mais dois dígitos vendo o menor se contorcer embaixo de si querendo toca-lo. – Não me toque baby. Se me tocar sem meu consentimento tudo acaba aqui. – Ameaçou indo mais fundo na entrada de Jiyong enquanto ele segurava-se para não manda-lo ir a merda.

- Meu Deus. E-Eu já estou pronto...

- Eu posso ver querido, pra que a pressa? - Disse Seungri sarcástico.

Seungri pegou o lubrificante que havia trazido consigo do banheiro e despejou em seu membro o lambuzando por inteiro. Ele ainda deslizava seus dedos para dentro do mais velho para alarga-lo máximo o possível, enquanto Jiyong se controlava para não agarrar os braços fortes de Seungri se contentando com a grossa colcha da cama.

Seungri retirou seus dedos e pressionou seu pênis na entrada piscante de Jiyong que tremia em antecipação.

Quando finalmente resolveu parar de torturar o mais velho, Seungri deu a primeira estocada rápida e funda, fazendo o mais velho arquear suas costas e gritar seu nome.

- SEUNGRI... Ah... Oh Deus... – Gemeu quase esquecendo das regras e tocando-o.

- Você pode me tocar agora. – Informou Seungri vendo Jiyong automaticamente agarra-se em seus braços aproximando mais os corpos suados.

Os quadris de Seungri voltaram para trás e ele estocou novamente, forte o suficiente para que Jiyong fincasse suas unhas em seus braços em meio ao prazer e dor. O mais velho fixava seus olhos no teto, mas sua visão estava muito embaçada, então voltou a fechar os olhos.

O sexo com Jiyong estava sendo uma experiência diferente para Seungri, que sempre havia imaginado aquele momento sendo algo calmo e romântico, cheio de beijos e cuidado.

Ainda não tinham se beijado uma única vez e, mesmo querendo ser o mais cuidadoso com o mais velho, Seungri ainda estava com raiva e decidiu puni-lo com estocadas fortes e fundas para deixa-lo ciente que suas ações impensadas geram consequências doloridas pela manhã.

- Oh merda... – Gemeu Seungri.

O quarto agora era preenchido pelos sons obscenos que os dois corpos faziam e pelo forte cheiro de sexo.

Jiyong gemia alto e, duvidava que não estava sendo ouvido também nos outros quartos, enquanto Seungri gemia algo como um grunhido rouco, enquanto forçava ainda mais seu membro na entrada apertada.

Jiyong o olhou irritado quando Seungri saiu de dentro de si e não voltou.

- De quatro. – Ordenou sendo prontamente obedecido pelo o outro que ficou totalmente exposto pra si.

Seungri separou o traseiro gordinho de Jiyong e soprou levemente sua entrada causando arrepios no mais velho.

Aproximou seu rosto e introduziu sua língua no músculo que se contraia enquanto Jiyong não controlava mais sua boca.

- Oh Deus... I-Isso é tão bom... A-Ahh Seungri-ssi...

Seungri lambeu mais uma vez aquela entrada antes de voltar penetra-lo com seu pau de uma só vez.

- Meu Deus n-não pare... Por favor não pare... – Implorou o mais velho sentindo suas pernas falharem.

- Ohh baby... Você é tão apertadinho...

Seungri ofegou e aprofundou ainda mais a estocada fazendo Jiyong sorrir orgulhoso em meio aos gemidos, pela maneira como ele parecia estar satisfazendo o mais novo.

De alguma forma Seungri havia trocado de posição, e agora Jiyong se encontrava sentado sobre si, rebolando eufórico sobre seu pau.

Aproveitando da posição, Jiyong tocou os braços de Seungri, indo até seu abdômen onde ele raspava com a ponta de seus dedos a barriga do mais novo, amando a maneira como eles ondulavam na sua pele. Então, ele circulou seus braços ao redor do pescoço de Seungri e aproximou seus rostos, enquanto Seungri segurava sua cintura firmemente auxiliando Jiyong a quicar mais rápido em si.

- Eu quero te beijar... – Sussurrou Jiyong próximo ao rosto do outro.

- Beije. – Murmurou de volta intensificando a velocidade de suas estocadas.

Jiyong fundiu seus lábios contra os de Seungri ao mesmo tempo em que era atingido pela força do seu primeiro orgasmo, sujando o abdômen dos dois.

Seungri deslizou sua língua para a boca entreaberta de Jiyong, explorando-a como se fosse a primeira vez que se beijasse e, Jiyong o beijou de volta passando as mãos pelos cabelos platinados bagunçando-os.

Beijar Seungri era umas das coisas que Jiyong havia descoberto a pouco tempo e adorava.

Seungri continuava estocando o corpo magro do mais velho que já demonstrava que estava pronto para um segundo round.

E quando Seungri fez um movimento para se retirar, Jiyong trocou de posição ficando novamente por baixo do mais novo, envolvendo o quadril alheio com suas pernas para mantê-lo dentro de si. Então ele o beijou novamente com mais força, empurrando de volta sua língua contra a de Seungri para dominar o beijo, o que Seungri não lhe deu facilmente. Enquanto Jiyong tinha sua língua dentro da boca do mais novo, Seungri sugava a sua até o ponto em que Jiyong sentiu-se sem fôlego e teve que se separar do outro.

Seungri abriu mais as pernas do mais velho e estocou o mais fundo que conseguiu, acertando a próstata de Jiyong que gritou de prazer.

Os dedos dos pés de Jiyong se curvaram ficando brancos, ele gozaria novamente.

Ele estava perto, e mais velho queria vir. Ele queria que Seungri o fizesse gozar novamente.

- Me fode mais forte Seungri-ah... P-Por favor... - Implorou Jiyong sendo prontamente atendido.

Seungri pegou novamente o pênis do amis velho e começou a masturba-lo no mesmo ritmo em que ele o fodia.

- Porra!!! Você é tão quente... – Seungri gemeu percebendo as paredes de Jiyong apertarem seu pênis.

Jiyong se agarrou novamente em Seungri e permitiu-se gozar pela segunda vez aquela noite.

Seungri o estocou mais algumas vezes e se derramou dentro do mais velho arfando pesadamente enquanto saia de dentro de Jiyong se jogando do outro lado da cama.



(...)



O quarto beirava ao silêncio a alguns minutos.

As duas respirações que estavam descompassadas, agora se encontravam calmas, e Jiyong temia que Seungri o expulsasse do quarto a qualquer momento.

- Eu não vou te expulsar daqui se é isso que você está pensando. – Disse Seungri quebrando o silêncio. – Eu só quero que me responda uma coisa. – Falou virando-se para o outro que lhe olhava atento. – Você realmente me ama ou eu sou só mais um dos seus casos?

Jiyong o olhou magoado, sabendo que tinha machucado o mais novo ao ponto dele chegar a duvidar de seus sentimentos.

- Você é uma das poucas coisas boas que eu realmente tenho vida Seungri-ah. E eu não quero te deixar ir e se apaixonar por outra pessoa. Eu amo você da minha forma egoísta, mas amo de todo o meu coração. Não desista de mim por favor... – Disse Jiyong limpando as lágrimas que sequer havia notado que haviam saído.

O mais novo lhe sorriu doce, já havia perdoado o mais velho por ontem desde a primeira vez que ele havia pedido desculpas.

Seungri não era burro, ele nunca negou que quando se tratava de Kwon Jiyong seu coração sempre falava mais alto, mas também não era idiota, e ele sabia que o mais velho apesar de tudo realmente o amava, ele entendia que Jiyong era um garoto perdido e confuso e precisava de tempo para organizar as coisas em sua mente.

- Eu nunca desistiria de você porque eu não desisto de quem eu amo. – Disse Seungri o puxando para deitar em seu peito. – Eu posso sim esquecer tudo o que aconteceu antes dessa noite, mas, eu quero que me prometa que vai pensar duas vezes antes de fazer qualquer merda por ai.

- Me desculpe por ser um babaca Seungri-ah... – Respondeu Jiyong fungando se enterrando nos braços dos mais novo. – Eu amo tanto você que chega a doer aqui. – Disse sonolento pondo sua mão onde ficava seu coração, fazendo o mais novo rir e beijar seus cabelos.

- E me desculpe por ter te ofendido daquela maneira, eu estava fora de mim, realmente sinto muito. - Desculpou-se envergonhado.

- Ya! Não se desculpe por isso, você fica incrivelmente sexy quando está fora de si. – Disse rindo da expressão envergonhada do mais novo. – Tudo bem Seungri-ah, eu realmente gostei desse seu lado agressivo.

Seungri riu enquanto abraçava um pouco mais o seu hyung que começava a adormecer em seus braços.

Ele estava feliz.

Jiyong estava feliz.

E era isso que importava no final no dia.

Afinal, o que uma boa foda não faz?


Notas Finais


Então foi isso... meu primeiro lemon e provavelmente o último ~suspira

Eu tive que mudar várias vezes a história pq eu sempre ia pra linha fluffly cheia de sentimentos e isso era tudo o que eu menos queria pq a intenção aqui era unicamente lapada na rachada

MANO ESCREVER LEMON DA TRABALHO DEMAIS CARA

Deus me dibre, vou voltar pros meus fluffyzinho e tragédia que sou mais feliz :')

E cara eu to com tanta saudade do Tabi que tive que pôr meu bebê aqui :') vou ate escrever algo só pra ele mais frente ai 💔


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...