1. Spirit Fanfics >
  2. Insane Desire >
  3. Justin will definitely drive me crazy

História Insane Desire - Capítulo 6


Escrita por: e _drewpalvin_


Notas do Autor


Heyy pessoal, capítulo novinho para vocês aí e espero que gostem das mudanças que fizemos. Esse capítulo é um dos meus favoritos e não nego KKKK💜 Eu (_drewpalvin) e a Adry agradecemos pelos favoritos e comentários dos capítulos anteriores. Vocês são incríveis.

Tenham uma ótima leitura <3

Capítulo 6 - Justin will definitely drive me crazy


Fanfic / Fanfiction Insane Desire - Capítulo 6 - Justin will definitely drive me crazy

               Point Of View Justin Bieber – Los Angeles, 10 de maio de 2017

Hoje fazia 1 mês que comecei a trabalhar nesse inferno de empresa. Nas primeiras semanas, tudo estava a mil maravilhas e depois desmoronou juntamente com tantos papéis que me davam todos os dias.

Reuniões e rever todos aqueles contratos, com o Jeremy enchendo meu saco é uma merda. Isso não é a vida que eu sempre quis. Desde que vim morar com meu pai não tive espaço pra mais nada. Saio pro trabalho de manhã e volto quase mais que oito da noite. É um inferno não ter a minha própria residência.

Graças a Deus isso estava sendo providenciado e não teria que viver mais na casa do meu paizão. O lado bom de conviver com aquele rabugento do caralho é ver a Bárbara todos os dias. E a loira vêm sempre checar se estou me saindo bem e se preciso de ajuda e acaba ficando comigo nas horas sem nada pra fazer. Não vou negar que adoro, quando ela vem aqui.

Ainda mais com as essas saias pequenas que ela insiste em usar. Não que eu não goste, são lindas e me dão mais visão das pernas dela do que outra coisa, a não ser suas camisolas de renda. Isso sim era sexy pra porra.

Palvin têm uma beleza extraordinária e tinha consciência disso, pois usava isso ao seu favor. É errado pensar nela assim, mas sempre me repreendia por querer ela na minha cama a todo minuto. Não controlo o desejo que tenho por ela e nem meus instintos ao ver ela com seus decotes.

Lia uns documentos dos russos e escuto alguém batendo na porta de leve.

- Entra, está aberta – grito pra quem estivesse do outro lado e logo a pessoa com quem penso sempre, entra que nem um foguete na sala jogando a sua bolsa na poltrona.

- Licença Drew, preciso de um conselho masculino e o idiota do seu pai é péssimo nessas coisas, não dá pra pedir nada a ele e como já são 12:20, você irá comigo no shopping – arqueio as sobrancelhas e fico a encarando como se ela fosse de outro planeta – Pra me ajudar na escolhas de um vestido para um jantar importante amanhã.

- Isso é um pedido ou ordem?! – ela me devolve a arqueada e concordo levantando, guardando tudo e trazendo meus documentos juntos – Saiba que terá que me alimentar se quer me usar como aconselhador de roupas.

- Não te deixaria perder esse corpinho definido ou ficar desnutrido Drew. Não iremos demorar lá e depois te levo pra almoçar em um ótimo restaurante de massas. – fui puxado pra fora do meu escritório e entramos no elevador. Pelo menos não era uma escada.

- Ainda bem que me devolvera logo, não irei querer perder duas reuniões depois do almoço e discutir com todos que irão investir na nova filial que será levado para o Brasil.

- Esta tão animado para essas reuniões, dá pra ver sua animação de longe Drew. E esse lance da filial no Brasil é ótimo – ela me deu um sorriso. E que porra de sorriso hein.

Saímos do elevador e como sempre acontecia, todos nos olharam como se fosse a coisa mais estranha do mundo. Tudo bando de fofoqueiros que queriam uma traição para comentar.

- Eles não tem nada pra não, do que vigiar a vida dos outros?! – entrou no meu carro, depois de arrancar as chaves de mim e dirigiu até o shopping.

- Ah não liga não, são só um bando de desocupados – reviro os olhos e ela riu.

O estacionamento estava cheio e demoramos para achar uma boa vaga. Bárbara quis olhar em todas as lojas algo que gostasse e fomos em praticamente todas do shopping. Na última, a Bárbara decidiu estar cansada e me arrastou pra dentro dela.

- Boa tarde, no que posso te ajudar senhorita? – a atendente se põe na nossa frente e oferece sua ajuda a Bárbara que se animou ao ver tantos vestidos ali.

- Terei um compromisso importante e quero comprar um vestido para noite de amanhã. O que tem aí pra mim? – a moça leva ela para uma área que tinha vários vestidos chiques e lindos.

- Esses aqui são os mais procurados e vendidos daqui. O que acha dessas aqui? – Bárbara olhou pra trás me vendo e balançou a cabeça aceitando os vestidos. A mulher veio até a mim do nada e colocou milhões de vestidos em cima de mim, tantos que nem conseguia olhar através deles.

- Você vem comigo Drew, depois te alimento se fizer um bom trabalho – a moça indicou o provador e Bárbara agradeceu fazendo um sinal para mim a seguir.

- O trato não foi esse Palvin. – reclamei dando a ela seus vestidos e se virou não dando a mínima, se trancando no provador e falava algo estranho que não entendia – Meus pés já estão doendo, ainda bem que acabaram.

- Se não ficarem bem em mim, teremos que ir em outras e você não escapará de ser meu consultor da moda. – escuto o zíper fechando e a porta abrindo. Esperei ansiosamente por ela que apareceu com um vestido prata de mangas longas e um decote grande nos seios. Porra, aquilo seria uma tortura. Não rasgar essa fina peça e arrombar ela naquele provador é muito alto controle para ter que aguentar.

- Esse ficou bonito – disse jogando a cabeça para trás e pedindo ao meu consciente para não ter nenhuma ereção agora. Ela deu uma voltinha e se olhou no espelho. Se voltou pra mim e retornou para a cabine.

Bárbara provou mais seis vestidos e todos ficaram bom, mas ela não gostou de nenhum e se zangou comigo por dar sempre a mesma opinião. Oras, o que poderia dizer a não ser que ela estava bonita que eu poderia facilmente mostrar o quão gostosa ela estava nesses vestidos.

- O que achou desse? – aquele era o último e o mais lindo também. Dourado com uma parte brilhosa e outra não de alcinhas e um fenda grande nas pernas.

- Esse ficou perfeito em você Palvin – ela ostentou sua bunda pra mim e isso me alucinou de uma maneira que soquei com força o estofado do sofá.

- Você disse isso em todos Drew, acho que teremos que ir em outras lojas – fico atrás das costas dela e por pouco minha ereção não cutuca seu traseiro, mas não era para esse motivo que fiz isso e sim para faze-la desistir de querer procurar mais, quando o perfeito estava bem aqui. – O que está fazendo?

- Esse vestido é lindo Bárbara, mas ele em você, ficou vinte vezes mais e não falo isso por que quero ir embora daqui e comer antes que eu desmaie aqui, sim para te convencer que esta lindeza foi feito pra você vesti-lo e exibir o quanto é gostosa – a loira sorriu chamando pela atendente.

- Será esse aqui mesmo, obrigada.

- Ótima escolha senhorita.

- Graças ao Drew – beijou minha bochecha e orei tanto que sua deslizasse para dentro da minha boca e me desse chance de fazer o que pensei essas horas todas e mais algumas. Mas só ficou naquilo mesmo. Ela pagou e de bônus comprou mais um salto para combinar. – Agora você merece uma boa recompensa por tanta paciência que teve comigo

Ah e se ela soubesse qual prêmio eu queria e com tanta força, ficaria assustada com tanta desejo que eu guardava dentro de mim.

Dessa vez quem dirigiu fui eu que nos levamos até o Bestia, restaurante famoso italiano e era bem próximo do shopping, então chegamos rápido. Um amigo meu é sócio e tinha me convidado a ir qualquer dia desses ao saber que vim morar aqui e não precisamos agendar uma reserva.

- Como você soube? Eu adoro esse restaurante e sempre venho aqui com a Mad, as melhores pizzas são daqui e eu nunca comi outra igual – Bárbara diz entusiasmada e só precisei dar o meu nome para que a recepcionista nos levasse a uma mesa.

- Não sabia na verdade, um amigo é sócio e ele me deu um passe livre digamos assim pra vim comer aqui e queria comer algo diferente, só aproveitei a oportunidade.

Fizemos nossos pedidos e conversamos, enquanto a pizza não chegava.

- Fale mais de você Drew, como eram as coisas com o seu pai e por que se afastaram no passado? – porquê tudo se volta para o Jeremy nas conversas e pensamentos? Inacreditável.

- Não tem muito o que saber, só que Jeremy fez uma burrada com a minha mãe e a destruiu por inteiro, começou tudo com as traições dele – ela me olha curiosa e surpresa, talvez meu pai não tenha contado a ela de quem foi a culpa afinal. – Eles se separaram e ele sumiu por uns anos, depois volta dizendo que ia embora definitivamente para cá e fica mais anos sem aparecer ou se importar. Resumindo ele foi um grande filho da puta.

- Sinto muito por ele te feito vocês sofrerem. Não conheci esse Jeremy e não gostaria também, não sei se aguentaria ver ele me fazer sofrer sem revidar. Fico feliz que estejam se aproximando agora, com o tempo verão que o passado é melhor ser o que é e que tudo pode se resolver.

- Me admira muito Jeremy não ter te falado do passado dele e nem de como me achava um “peso” morto. – faço aspas com os dedos e ela dá de ombros. – Você não acha ele muito velho para você não Bárbara? Você é uma mulher de 25 noiva de um cara de 46, que ainda tem um filho de 22 anos.

- Qual é o problema? Idade significa merda nenhuma Drew, não importa o sexo e nem sua cor, essas coisas não são as mais importantes. Eu o amo e isso que importa.

Fiquei sem ter o que falar, ela confessou amar ele e isso foi um gatilho para mim percebe que precisava tirá-la da cabeça antes que metesse numa enrascada.

- E você Drew, nunca namorou ou namora? Nunca disse nada disso pra nós.

- Já tive uma namorada, Caitlin, ficamos juntos por uns 4 anos, não deu certo e nos separamos, hoje somos muito amigos e acho que era pra ser só isso. Ela foi a minha única e percebi que não era pra mim me amarrar em alguém.

- Estamos falando na filha dos Beadles?

- Sim estamos, como a conhece?

- Quando fomos para Atlanta, eu e seu pai, eles nos convidaram para um almoço na casa deles e lá conheci a Caitlin, ela me tratou muito bem e é um amor.

- Ela é sim.

Acabamos o nosso almoço e fomos direto para empresa. Assim que entrei, vi Hannah parada na frente do meu escritório. Como se previsse que eu chegaria agora. Ou foram as fofocas que corriam rápido por aqui.

- Sr. Bieber, Jeremy quer falar com você e está te esperando na sala dele.

- Ok, obrigado Hannah. – desço no mesmo elevador que subi e andei até a sala do meu pai.

- Desejava falar comigo? Hannah disse que estava esperando por mim. – pergunto após bater na porta e entrar.

- Que bom que não demorou, como você sabe hoje tive uma reunião com o senhor Carter e fechamos um contrato milionário com ele de suma importância para o nosso negócio. – ele apontou para vários papéis me entregando eles – Mas pra isso, você precisa revisar com atenção esse contrato e vê se está de acordo, coloquei você a frente disso Justin, não falhe com a empresa.

- Estamos enviando nossas jóias para outra loja vender, o maior lucro terá que ser para nós. Pois estaremos disponibilizando nossas peças exclusivas para eles. Lerei o contrato e peço para marcarem um reunião com o Sr. Carter assim que ter certeza que não sairemos perdendo. Mais alguma coisa?

- Só me tire uma dúvida, saiu no seu horário de almoço com a Bárbara de novo?! – perguntou aparentemente enciumado.

- Ela precisava de uma opinião de moda e quis que eu ajudasse a ela.

- É bom que estejam se entendendo, logo mais ela será a dona disso também como nós e sua futura madrasta – jogou na minha cara seu casamento e isso só contribuiu para a minha consciência se martirizar por querer a noiva do meu pai.

- Ela é uma boa pessoa e irá ser bem essencial para o crescimento da empresa. Cuide bem dela Jeremy, agora me dê licença.

Subi pra sala de reunião na qual tive duas até tarde da noite e quando voltei pra casa já eram oito horas.

Point Of View Barbara Palvin.

Cortava uns legumes para ajudar Rose no preparamento do jantar. Tinha tanto tempo que não ajudava elas a fazer isso e com tanto serviços não parava em casa, senti falta das minhas conversas com elas, Rose e Christina, sempre me deram muitos conselhos e que funcionavam bastante.

Quando acabei, elas foram para o fogão e eu para a sala de estar. Minutos depois, Justin apareceu no topo da escada sem camisa. Repito. SEM A DROGA DA CAMISA. Puta que pariu, de onde veio esse homem quente e gostoso!? Ele é a tentação em carne e osso. E me lutando contra a minha mente, não consegui parar de devora-lo e nem de me fascinar com as suas tatuagens que eram tão sexy quanto ele. A cruz no peito com certeza foi a que mais me chamou atenção e fui descendo o olhar até parar numa certa anatomia dele que era incrivelmente grande.

- Fiquei sabendo que tirar uma foto dura mais – ele me tira do transe com um sorriso de lado, porra ele podia facilmente molhar minha calcinha só que esse sorriso.

- Só estava surpresa em saber que você tem tantas tatuagens assim, apenas estava olhando – tento disfarçar que minutos atrás eu olhei como uma pervertida o pau do meu enteado.

- Tenho outras em mais alguns lugares, talvez até mais interessante que essas e se quiser ver estarei no meu quarto.

- Pelo visto você puxou Jeremy – os dois são uns puto de gostosos, sussurro baixo só para mim ouvir o que não deu certo, pois logo vi o semblante de surpresa estampada no rosto dele.

- Ouvi o que disse e não negue, você me acha gostoso gracinha? Sei de muitas coisas gostosas que posso fazer com você Palvin – o desgraçado falou baixinho do meu ouvido passando os dedos na lateral do meu corpo.

Não quis admitir, mas fiquei arrepiada dos pés ao topo da cabeça com o jeito que ele falou comigo. Merda. Isso não pode esta acontecendo. Justin definitivamente vai me enlouquecer.

- Você é linda pra caralho gracinha e não sabe o quanto está me tirando a merda do sono Bárbara – voltou a falar enquanto eu me concentrava em não gemer na frente dele e muito menos ficar excitada.

- O que está fazendo? Atrapalho algo aí!? – ri nervosa com a chegada repentina de Jeremy, me livrando da encurralada de Justin e indo até o mais velho que nos olhava desconfiado.

- Que merda está insinuando Jeremy? – engrosso a voz para distrai-lo e o arrasto para a mesa de jantar, onde ele estava servido.

Jeremy encarou Drew o jantar inteiro que percebeu e ficou meio incomodado, fazendo ele sair da mesa antes que terminasse sua janta. Quis saber o que passava na cabeça do meu noivo e sei que não era nada bom. Deve estar pensando que existe algo entre mim e Justin, o próprio filho dele. Que besteira mais cabeluda.

O silêncio do jantar, não foi nada agradável e quando acabamos, Jeremy subiu primeiro me deixando sozinha ali. Avisei Rose que terminamos e segui ele para o nosso quarto.

Pensei como tanta coisa aconteceu nos últimos 30 dias. E em como o filho do meu noivo não sai da porra da minha cabeça. Jeremy seria capaz de me matar se soubesse que ando tendo pensamentos insanos com o filho dele.

Troquei de roupa escutando o barulho do chuveiro. Deitei-me na casa após ligar o ar condicionado. Desliguei o abajur e fingir estar dormindo, quando a porta se abriu e Jeremy passou por ela. Seus passos indicavam que ele estava no closet e logo a cama afundou do meu lado, mas o corpo dele estava longe do meu. Ele estava desconfiado e bravo por algo que nem existe.

Apesar de Drew viver de piadinhas e más intenções comigo, não sei se ele faria isso com o seu progenitor. Trair o próprio pai com a noiva dele?

Disso eu não tinha certeza e com esses pensamentos acabo dormindo cheia de dúvidas.


Notas Finais


E aí o que acharam? Sinto pena do auto-controle do Justin e da Bárbara que está tão confusa, igual cego em tiroteio KKKKKKK Nós vamos adorar que vocês comentem nos comentários a opinião de você e o que estão achando 💜 Isso nos incentiva e muito ainda.

Até o próximo capítulo, beijos da Min e da Adry <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...