História Insane Desire - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction, Selena Gomez, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Selena Gomez, Zayn Malik
Tags Balada, Bebidas, Escola, Insane Desire, One Direction, Professor, Romance, Selena, Selena Gomez, Zayn, Zayn Malik
Visualizações 129
Palavras 2.252
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 22 - Familiar problems


Fanfic / Fanfiction Insane Desire - Capítulo 22 - Familiar problems

Selena P. O. V. S.

Eu estava assustada com tamanha semelhança entre eles. O garoto tinha a mesma altura, o mesmo corpo, só não era cheio de tatuagens e a cor do seu cabelo era um pouco mais claro do que o do Zayn. Ajeitei-me no sofá olhando para os dois que murmuravam na porta. Vi o irmão de Zayn entregar a mala para o mesmo citado anteriormente e vir em minha direção. Meu Deus, eles eram muito parecidos! Será que o Zayn 2.0 também é babaca quanto o Zayn que eu conheço?

Segurei o ar vendo o semideus parar na minha frente. Será que vai pegar mal eu dar moral para ele na frente do Zayn? Olhei para meu professor vendo ele com uma cara fechada. Ele não pode me culpar! Que garota não olharia para eles? Ok. Vou me fazer de difícil.

-Oi, sou o Noah. –Falou me cumprimentando com um beijo na bochecha. –Eu...

Antes de ele terminar a frase Zayn falou com ele em outra língua. O fitei surpresa. Não sabia que idioma era, mas escutaria ele falar o dia todo, não porque a língua fosse bonita ou sexy, mas sim porque era o Zayn quem estava falando. Quando o Noah respondeu, provavelmente no mesmo dialeto, eu percebi que eu estava atrapalhando. Vi o irmão do Zayn revirar os olhos e passar por ele indo para a direção do quarto.

-Zayn, eu posso ir embora se esse for o caso... -Informei me levantando e parando na frente dele.

-Não. Eu quero que fique. -Disse passando suas mãos em meus braços, tentando esquenta-los. -Eu só preciso trocar uma ideia com ele. -Explicou sorrindo fraco. -E se Deus quiser, ele vai embora. -Falou e me beijou. -Eu já volto.

Zayn fez o mesmo trajeto que o irmão. Vi a porta sendo fechada e me questionei por longos minutos de eu deveria ou não escutar a conversa. Não!  Eu não quero me envolver nisso. Sentei no sofá peguei meu celular ligando para Sophie, ela precisava surtar comigo.

-Sophie do céu! –Falei cuidando se não ia surgir Zayn ou Noah. –Zayn tem um irmão. –Sussurrei.

-Oi? –Indagou engasgando. –Como... Como assim um irmão?

-Exatamente! –Falei me levantando. –Um garoto igual ele.

-Tipo... Tipo irmão gêmeo? Um gêmeo bom e um gêmeo mal?

-Não acho que eles sejam gêmeos, ele parece ser mais novo que o Zayn, mas é muito parecido! Quer dizer, tirando os olhos, o do Noah é verde.

-Mas que... –Ela deixou a frase no ar. –Como você descobriu isso?

-Ah...  Eu...  –Engasguei. –Eu estava...

-Você está na casa dele?! –Concordei. –Selena! Eu não vou ficar te ouvindo reclamar dele depois.

-Faz parte do meu plano. –Murmurei.

-Ah, sim, claro. –Debochou.

Escutei o interfone tocar e pedi desculpa para Sophie, antes de desligar. Segundo o porteiro, nossa janta havia chegado. Pensei em avisar Zayn, mas não queria atrapalhar a conversa deles. Fui até o saguão pegando o saco de papelão e voltei para o apartamento do Zayn. Quando abri a porta senti um clima tenso. Mostrei a sacola para Zayn, que estava vindo do quarto para a sala.

-Está tudo bem? –Perguntei preocupada e Zayn concordou. –Mesmo?

-Não, mas vai ficar. –Garantiu passando por mim e vi Noah vir em minha direção. –Vem. –Me chamou, puxando uma cadeira pra ele se sentar.

Ajudei-o a tirar o lanche da sacola, me sentando ao lado dele. Ia ficar assim? Nós íamos jantar e o irmão do Zayn ia ficar assistindo? Olhei para Zayn na intenção de incentivar ele a convidar o irmão para sentar, pelo jeito deu certo. Eu queria falar algo, tentar me sentir mais a vontade com a presença deles, mas não vinha nada na minha cabeça.

-Desculpa ter aparecido de surpresa. –Comentou em um tom leve.

-Que seja. –Zayn disse.

-Eu estava falando com a sua namorada.

O fitei com os olhos arregalados. Namorada? Senti o pedaço de hambúrguer que eu tinha acabado de engolir querer voltar. Respirei fundo pegando o copo e bebendo o suco que tinha dentro. A mesma sensação que havia sentido quando ele mentiu que era meu namorado no hospital enquanto a enfermeira queria o expulsar veio à tona. Aquilo era absurdamente constrangedor. Soltei o ar dos pulmões sorrindo de uma maneira forcada. Zayn ainda é um babaca, Selena, e você ainda estar o odiando! Por favor, pare de se esquece disso, pare de ser uma boa garota!

-Nós não... –Comecei olhando para Noah determinada a irritar mais Zayn.

-Ainda estamos nos conhecendo. –Disse por mim, ele não parecia estar de bom humor.

-Então... Como se conheceram?

-Porque está tão interessado? -Zayn perguntou em um tom agressivo.

-Só estou puxando assunto, cara. –Informou como se fosse óbvio. –Por que está tão estressado?

-Você, melhor que ninguém, sabe do porque. –Vi o garoto a minha frente, franzir o cenho pensativo.

-Não me recordo de nada. –Senti um tom de ironia da frase do garoto.

Semicerrei meus olhos tentando deduzir o que podia ter acontecido entre eles, deve ter sido algo sério, nunca vi Zayn tão na defensiva. Algo me dizia para não confiar naquele garoto, se nem o próprio irmão o suporta, porque eu teria? Olhei no relógio vendo que nem era meia-noite ainda e parecia que o tempo havia congelado depois que esse garoto apareceu.

-Eu acho que já deu o meu horário. –Falei sorrindo. –Ainda pode me dar uma carona?

Torci para Zayn entender que eu estava tentando passar um tempo com ele e que ele entrasse na mentira.

-Claro.

-Foi um prazer te conhecer. –Disse e ele quis dar um beijo na minha bochecha, senti a mão dele levar consigo a barra do meu suéter e senti sua mão gelada encostar-se à minha pele.

-Realmente, um prazer. –Falou e eu senti meus músculos se espremerem de uma forma deliciosa.

Respirei fundo me afastando dele, como se nada tivesse acontecido. Agarrei na mão de Zayn, causando o estranhamento dele, sorri fechado e passei pela porta seguindo ele. A primeira pergunta, eu só tive coragem de fazer no elevador.

-Porque não me disse que tem um irmão? -Perguntei curiosa sobre a historia deles.

-Porque não é algo que eu goste muito.

-Por quê?

-Ele já fez muita merda e por isso nem nos vemos direito.

-Então porque ele veio?

Vi Zayn suspirar. Eu estava parecendo àquelas crianças que estão na fase do “mas por quê?”. Eu não tenho culpa de ser tão curiosa!

-Segundo ele, para nos tornarmos próximos. -Disse debochado.

-Não acha que ele tenha vindo em missão de paz? -Franzi o cenho.

-Não, eu não acho.

-O que ele fez para você? Você deu a entender que...

-Podemos trocar de assunto?! -Perguntou elevado, o fitei com raiva. Ele acabou de gritar comigo? –Olha, eu não quero te tratar mal, nunca faria propositadamente, mas hoje... Eu não sou uma boa companhia. Não depois da chegada do Noah.

-É... Ele consegue mesmo te irritar. -Falei indiferente. -Não precisa me levar.

-Selena, para. -Pediu com expressão de cansaço. -Não é que eu não queria, é que eu... Qualquer dia eu conto o motivo dele me deixar tão nervoso.

-Tá.

~~

Zayn P. O. V. S.

Na escola eu odiava bailes, não que eu não tivesse par ou coisa do tipo, mas sim porque eu não sabia dançar. Na verdade ainda não sei direito, acho que nasci com dois pés esquerdos, entretanto, nesse baile eu não vou ser obrigado a dançar nada, ao contrário da época colegial. Ajeitei a gravata pela décima vez, não me agradava usar aquilo e nem combinava comigo... Por fim, arranquei-a do meu pescoço.

-Aonde você vai? –Noah  perguntou surgindo no quarto com uma tigela com cereal.

-Em uma festa da empresa. –Disse olhando para o meu reflexo e ajeitando a gola da camisa social, soltando alguns botões.

-Tipo um baile? Porque você trabalha em uma escola. –O fitei com indiferença. –Posso ir? –Perguntou animado.

-Não, embora for um baile, eu estou indo como um funcionário, e eu não posso levar nem um convidado.

-Aposto que vai levar a gostosa da sua namorada. –Falou mastigando o cereal.

Eu odiava isso nele. Esse jeito arrogante, que infelizmente é de família, essa necessidade de me provocar toda hora, de estar sempre querendo me fazer soca-lo. Noah era quatro anos mais novo que eu e como todo filho mais novo, se tornou no mimado da família, o favorito da minha mãe, e esse foi o motivo da separação dos meus pais. Minha mãe nunca colocou limites nele e o defendia quando meu pai tentava fazer isso, talvez ele não saiba disso. Obvio que ninguém assume isso, já que minha mãe diria para ele que era mentira. Quando meus pais se separaram, já não moravam mais em Dubai e sim em Londres. Meu pai ficou com a minha guarda e veio para Nova York, mas minha mãe decidiu ficar e tocar a empresa dos meus avós. Embora eu fosse o primogênito, eu sei que quem vai tocar a empresa da família é o Noah.

-Ela não é minha namorada e eu já falei para não chama-la assim.

-Se ela não é sua namorada, porque se importa tanto em como eu a chamo?

-Porque ela merece respeito. –Disse passando por ele que revirou os olhos.

Sai do quarto indo até o chaveiro e troquei as chaves da minha moto pelas chaves do carro que minha avó me deu quando eu fiz vinte um, eu preferia mil vezes a moto, mas o tempo estava instável e frio. Noah continuou pedindo para ir comigo, mesmo se eu pudesse e quisesse levar ele, ele estava com uma samba canção e uma blusa turística de Nova York. Eu acho que ele nunca vai crescer.  

-Desculpa Noah, mas eu não posso. –Falei saindo do apartamento.

Fui até a garagem, caminhando até a vaga que se encontrava o Aston Martin One-77 sai de casa indo em direção da escola. Estacionei o carro no mesmo lugar onde deixava minha moto e vi vários alunos com trajes que jamais os imaginei usando. Eu sabia que o carro iria chamar atenção, só não imaginava que seria tanta. Os alunos haviam parado para ver quem era o dono e quando me viram, obvio que não acreditaram.

-Professor?! -Ouvi um garoto da turma do segundo ano.

Dei os ombros e caminhei junto com eles até a quadra onde seria o baile. Devo dizer que não mudou muito desde que eu me formei, tinha uma mesa com ponche e alguns aperitivo, um globo espelhado e música alta com um DJ escolhendo faixa por faixa. Ah! Não podemos nos esquecer do palco improvisado para anunciar o rei e a rainha do baile e a cabine de fotos.

Katelyn, a professora de literatura, sorriu para mim, ajeitando o óculo de grau. Vi alguns professores em uma roda e me aproximei deles, cumprimentado cada um deles. Eles falavam de como os alunos eram dedicados ao baile, mas eram como portas na sala de aula, eu não aguentei e ri. Eu não sei se todos são assim, mas esses adoram falar mal dos alunos. Eu já estava entediado daquela conversa quando a diretora passou avisando que era para nós ficarmos de olhos nos alunos. Me afastei um pouco daquele grupo fingindo estar cuidando dos alunos, porém eu só queria achar Selena.

-Como está sendo seu primeiro baile como professor? –Katelyn perguntou surgindo ao meu lado.

 -Diferente. –Falei parando ao lado dela. –Mas eu sei que no ponche deve ter álcool.

-Dois mais dois é quatro?

Ri do seu comentário. Achei engraçado como ela tentou ver no meu ponto de vista. Olhei em volta vendo a quadra se enchendo a cada minuto. Até ver quem eu menos esperava chegar. O que ele estava fazendo aqui? Pedi licença para a minha colega de trabalho e fui até ele, segurando o seu braço.

-O que está fazendo aqui?

-Qual é Zayn, não seja o irmão chato.

-Noah, é o meu local de trabalho! –Murmurei.

-Relaxa, ta comigo tá com Deus.  –Falou passando por mim.

-Como... Como você veio? Como descobriu que era aqui?

-Ah, então, sua moto é incrível. –Falou rindo e eu senti meu sangue ferver.

Ele sabe que eu odeio que mexam ou usem algo que me pertence sem falar comigo antes e mesmo se pedisse, eu não ia deixar, nunca! Senti um impulso de ir correndo ver se a moto estava inteira, quando cheguei à porta, travei.

No meio de todas aquelas garotas com vestidos curtos e maquiagem forte, avistei a que mais me interessava. Eu acreditei que ela estivesse igual às outras, porém, com sempre, Gomez foi surpreendente. Estava com um vestido longo num tom verde turquesa no seu corpo, valorizando cada curva e deixando o ombro de fora com uma manga caída. Ela havia cortado seu cabelo até os ombros o que fez parecer que o seu rosto não era mais de uma garota, embora já não parecesse, a deixou muito mais mulher.  

Ela passou por mim, com um sorriso fechado, acompanhada com um garoto do time de basquete. Bem, pelo menos não era Tyler.

Será que isso está acontecendo mesmo? Eu estou me prendendo a essa garota como nunca me prendi a ninguém na minha vida, se isso for um sonho, me bata, por favor. Ou melhor, não me acorde! Puta merda, como ela é linda, meu Deus.

-Oh, não! –Noah falou incrédulo, rindo da minha cara. –Zayn Malik, o filho certinho, está pegando uma aluna?! É, até que essa viagem não foi de todo mal.

Eu estou fodido!

Muito fodido.


Notas Finais


Eu sei que né... Não foi tudo isso, mas eu tenho que atulizar, né?

Não esqueça de comentar, é muito importante para continuar a história

Eu jurava que esse grupo não ia dar certo, mas você fizeram isso acontecer!
Estão todas convidadas para participar do nosso grupo topperson 10/10: https://chat.whatsapp.com/D1FxY73hFal8EUgTCa5R8C


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...