1. Spirit Fanfics >
  2. INSIDE OUT (Jhope) >
  3. Miss you.

História INSIDE OUT (Jhope) - Capítulo 28


Escrita por:


Notas do Autor


CHEGUEEEEI! 💜
Preparadas? Hahahahaah

Ótima leitura!
"Sinto sua falta".

Capítulo 28 - Miss you.


Fanfic / Fanfiction INSIDE OUT (Jhope) - Capítulo 28 - Miss you.


POV Lola.

MEU DEUS! Eu não esperava por isso, meu coração está quase falhando. Jhope acabou de se declarar pra mim, eu achei que... Eu achei que ele só me via como amiga. Mas como? Porque? Eu não sabia o que fazer e como reagi. Eu, eu...

- Jhope...- as palavras sumiram, eu estava anestesiada. Foi tão bom ouvir isso, mas ainda não sabia o que dizer.

- Tudo bem, tá tudo bem... - ele se aproximou devagar de mim e colocou sua mão em meu rosto.

Não!

Oh! Isso é bom... 

Melhor não!

- Jhope, melhor você ir embora. - foi involuntário. Apesar de eu querer muito ouvir isso, eu ainda não estava preparada.

- O que? - ele me olhou confuso e se afastou. - Lola, você disse que sente o mesmo que eu.

- Eu sei. Mas ainda preciso de um tempo, eu... Eu não estava preparada pra isso. - Eu não conseguia formular as palavras direito, mal conseguia raciocinar. Estava tudo confuso, uma explosão de sentimentos.

- Lola...

- Jhope por favor me entenda. - olhei bem nos olhos dele. - Eu preciso de tempo! 

- Lola, eu e você demoramos muito tempo pra admitir esse sentimento. Não quero perder mais tempo, eu amo...- disse aproximando-se de mim devagar, meu coração faltava pular pra fora do peito, seu olhar sobre mim estava me deixando sem forças nas pernas.

- Jhope! - falei com os olhos fechados. O que deu em mim afinal? - Por favor não! - coloquei minha mão em seu peito pra impedir a aproximação dele, ele colocou sua mão por cima da minha.

- Você tem certeza que é isso que você quer? - ele perguntou olhando dentro dos meus olhos assim que eu abri eles, meu coração estava prestes a parar, mais um passo eu posso perder todos os meus sentidos.

- Sim, é isso que eu quero. - respondi com os olhos marejados e senti sua mão soltar a minha. Eu acabei de tomar a pior decisão da minha vida. Porque eu fiz isso?

- Tudo bem. - ele deu um passo pra trás e sorriu de canto. Olhei pra ele com os olhos cheios de lágrimas e meu coração dizia que eu cometi um erro, dos grandes. - Não vou mais te incomodar, leve o tempo que precisar. - disse por fim e deu as costas pra mim. Entrei pra dentro do apê e fechei a porta sentando no chão e abraçando minhas pernas. Chorei. Por ter feito isso com ele, comigo, com a gente.




(...)


Uma semana se passou...

- Você pegou tudo? - V me entregou a mala assim que parou o carro no estacionamento do aeroporto.

- Sim V, você já perguntou isso inúmeras vezes. - disse sorrindo.

- Desculpa se estou sendo chato. - fez bico.

- Tudo bem. - sorri. - Quando você vai pra Coreia?

- Amanhã de noite.

- Aproveita as férias, curta sua família e nos vemos final do mês. - Eu disse.

- Você também, curta Nova York. Quero fotos no Central Park viu?! - ele sorriu.

- Pode deixar, te mando as fotos. - pisquei. - Agora preciso ir, já vou embarcar.

- Boa viagem Lola. - V me abraçou sem jeito e eu apertei ele. Tem sido meu parceiro desde que Jhope se declarou pra mim, ele não se aproveitou em momento algum. Fiquei uma semana com ele em seu apartamento, foram dias difíceis, chorava quase todo dia sentindo a falta de Jhope. Mas V sempre ficava do meu lado. Sempre me respeitou quanto a isso o que me surpreendeu. 

- Obrigada. - Me afastei dele e peguei minha mala. - Até breve! - acenei enquanto me afastava.

Entrei no avião, e me acomodei. Minhas férias havia começado, um mês pra curtir Nova York com meus pais e relembrar a cidade que nasci. Estou animada, mas meu coração apertado. Não paro um segundo de pensar em Jhope e tudo que ele me disse, pela primeira vez nosso vínculo se perdeu, não conversamos mais como antes, ainsa mais agora que eu estava morando no apê de V, só nos víamos quando estava na faculdade e era algo tão superficial. Eu me sentia culpada, mas também sentia que estava fazendo a coisa certa. Porém sinto que perdi um grande amigo.

(...)


O avião pousou e eu fui acordada pela aeromoça, praticamente todos já haviam saído do avião. Então me levantei e saí do mesmo, estava no portão de desembarque quando avisto meus pais com uma placa enorme com meu nome, abro um sorriso e corro até eles.

- Cheguei! - disse abraçando-os.

- Filha! - minha mãe sorriu e me abraçou forte. - Como foi a viagem meu amor?

- Tranquila. - respondi.

- Que coisa boa ter você com a gente filha. - meu pai pegou minha mala. - Vamos que temos muito pra aproveitar juntos. 

- Sim, com certeza. - estava sorrindo. Estava com muitas saudades deles.


Entramos no carro e meu pai foi bem devagar pra que eu pudesse relembrar de algumas coisas, mas era um pouco difícil já que cresci aqui até os 8 anos antes de ir pra Coreia, me lembrei de pouca coisa. Mas é como eu estivesse ali pela primeira vez, eu estava feliz e radiante com a beleza de Nova York.

Depois de alguns longos minutos chegamos no apartamento dos meus pais, que por sinal era lindo. Fui bem recebida por eles, minha mãe me apresentou todo o local, inclusive meu quarto, eles me acomodaram la com as malas. Agora já  estávamos na mesa para o almoço:

- Gostou filha? - meu pai perguntou se referindo a casa.

- AMEI. - falei quase gritando. Meus pais sorriram.

- Temos até o terceiro quarto caso Jhope queira vir, sempre será bem vindo! - minha mãe disse na maior inocência e meu sorriso foi desfeito.

- É. - falei normalmente, mas eles notaram algo. Droga!

- Porque ficou séria de repente filha?

- Você e Jhope brigaram? - meu pai perguntou curioso.

- Bom, não. - sorri sem jeito. - Tá tudo bem.

- Não parece. - minha mãe olhou pro meu pai preocupada.

- Deixa pra lá, estou morrendo de fome. - esfreguei as mãos uma na outra admirando a comida sendo servida sobre a mesa.

- Então vamos comer pra que você possa descansar depois. - minha mãe abriu um sorriso e me serviu.

Depois do almoço fui pro meu quarto, tomei um banho bem demorado, vesti uma roupa de calor, e me deitei na cama. Peguei meu celular e havia duas mensagens, uma de V e outra de Jimin. Sorri ao ver, abri a mensagem de V que dizia:


"Espero que tenha chegado bem, me avisa. Beijos."

Respondi imediatamente contando como fui bem recebida e como a viagem foi tranquila. Depois abri a mensagem de Jimin.

"Lola nem se despediu da gente, só porque está brigada com Jhope não cancela os seus outros amigos também não ok? Sinto sua falta. Na verdade todos sentimos, até o idiota do Jhope. Amamos você. Por favor, não demora."


Sorri sim da mensagem, mas minha consciência pesou um pouco. De fato, quando sair da casa de Jhope pra morar com V, acabei me afastei dos outros meninos também. Me senti mal por isso. Então enviei uma mensagem a Jimin.

"Não se preocupe Jimin, em breve voltarei e vamos marcar um pequinique pra matar a saudade. É isso. Beijos."

Quando bloqueei meu celular, quando minha mãe entra de mansinho no meu quarto com uma bandeja.

- Trouxe sobremesa, esqueci que você não comeu pois veio logo tomar banho. - ela se aproximou de mim e eu me sentei na cama.

- Ah mãe não precisava. - sorri aceitando o prato que ela me ofereceu.

- Torta de maçã. - ela disse sentando-se ao meu lado. Dei uma colherada.

- Que delícia! - disse com a boca cheia.

- Que bom que gostou. - ela sorriu é me olhou atenta enquanto comia, quando dei a última colherada ela resolveu falar. - Agora pode começar a me explicar a sua cara quando falamos do Jhope.

- Mãe não quero falar sobre isso. - abaixei o prato.

- Filha eu me preocupo com você, estou surpresa porque você e Jhope quase não brigam.

- Não brigamos! - respirei fundo.

- O que aconteceu então?

- Eu tenho vergonha de falar, e também receio do que você e papai possam pensar sobre...

- Lola, já passamos dessa fase não acha? - ela me olhou bem nos olhos.

- Sim, mas...

- Tudo bem se não quer contar, eu vou te dá espaço. Mas não pense que eu ou seu pai vamos lhe julgar sem antes entender a situação. Não somos assim! - ela se levantou e fez menção em sair, mas eu precisava desabafar.

- Jhope confessou está apaixonado por mim. - falei rapidamente apertando os olhos.

- Que?! Sério Filha? - minha mãe voltou a se sentar ao meu lado e abriu um sorriso. - Que maravilha! Não acredito que finalmente aconteceu... - ela estava sorridente até demais, franzi o cenho com o que ouvi.

- Como assim? Mãe! - sorri envergonhada.

- Jhope cresceu com você, eu e seu pai amamos ele como da nossa família, seus pais são nossos melhores amigos, como não ficar feliz com uma notícia dessa? - minha mãe realmente estava feliz. Porque só eu faço burrice? Agora me sinto mais culpada ainda. - E você? O que disse a ele? Rolou algo mais?

- Mãe! - eu estava vermelha com certeza. - Não. Não rolou nada.

- Porque? - ela parecia frustrada.

- Eu...eu, eu meio que dei um fora nele. - disse completamente envergonhada. Sou muito burra mesmo!

- Como? Porque filha? - minha mãe estava tão interessada, mas ficou decepcionada quando eu disse.

- Nem eu sei. - abracei meu travesseiro angustiada.

- Mas o que você sente por ele?

- Eu também gosto dele. Até demais. - enfiei minha cara no travesseiro e minha mãe gargalhou.

- Eu nunca vou entender você Lola. Sempre foi atrás do que queria, agora quando se trata de sentimentos parece que você foge.

- O que eu faço? Sinto que fiz besteira. Mas fui pega de surpresa. - olhei pra ela desesperada.

- Nessa situação filha, acho que você precisa aceitar a burrada que fez.

- Ah mãe, pensei que me ajudaria. - resmunguei e ela riu.

- Porque não vai atrás dele? Ele foi atrás de você primeiro não foi?

- Na verdade não...- me lembrei do dia que conheci aquele artista que me incentivou sem querer a ir atrás de Jhope.

- Mesmo assim, você precisa encarar o que sente por ele ou pode perde-lo. E convenhamos que ele seria um ótimo genro. - minha mãe brincou e eu corei na hora.

- Mãe para! - sorri. - Acha mesmo que depois do cano que dei nele eu vou aparecer na maior cara de pau?

- Seja uma mulher de atitude, você já escondeu por muito tempo seus sentimentos, precisa liberar eles não acha? - assenti. - Está na hora de partir pra próxima fase, Jhope gosta de você também, o que impede vocês de ficarem juntos são vocês mesmo.

- Você tá certa. - disse pensativa.

- Vou deixar você pensar sobre o que irá fazer. - ela se levantou e pegou o prato da minha mão. - Mas não se decepcione, ame sem reservas. Afinal, melhores amigos também podem se amar como um casal, não vejo problema algum. 

- Obrigado mãe.

Ela sorriu e saiu do quarto. Voltei a me deitar e pensar no que minha mãe disse. De fato eu precisava encarar isso de frente, mas o que eu fiz? Fugi. É recíproco, ele é meu melhor amigo acima de tudo, o que poderia dá errado? Quem está dificultando as coisas agora sou eu.



(...)



Acordei depois de dá uma cochilada. Me levanto e vejo que já está anoitecendo e Nova York que eu me lembre é linda de noite. Decido dá uma volta pelo Central Park. Tomo um banho e visto uma calça jeans clara, um tênis, uma blusa manga longa bem folgada e meu chapéu bucket. Passo uma maquiagem leve e pego minha bolsa, saio do meu quarto e encontro meu pai na sala lendo um livro.

- Oi pai. - Me sentei ao lado dele.

- Oi querida, tá arrumada assim pra ir onde? - meu pai fechou o livro e me olhou atento.

- Vou dá uma volta no Central Park posso?

- Claro, essa cidade é sua também. - ele sorriu.

- Cadê a mamãe? Avisa ela pra mim? - me levantei.

- Ela deve está no banho, mas aviso sim.

- Obrigado pai. Não demoro. - falei dando um beijo na bochecha dele. 

- Se cuida!

Peguei um táxi e em menos de 40 minutos já estava descendo no Central Park, a cidade era incrível de noite e eu lembrava disso, quando morava aqui sempre pedia pra ir aos parques a noite quando era pequena e isso me fez sorrir. Caminhava enquanto tirava algumas fotos pra enviar pra V, estava me empolgando com as fotos quando de repente, sem querer, mando a foto pro número errado.

Droga!

Merda!

Cacete!

Tentei apagar, mas já era tarde demais. Enviei a foto pra Jhope. O que faço agora? Me sentei em um banco e minha perna começou a balançar descontrolavelmente, sempre faço isso quando estou nervosa.

Pensa Lola, pensa. Fechei meus olhos por um segundo e respirei fundo.

Oportunidade perfeita pra reparar um erro. Escrevi uma mensagem curta após a foto que tinha sido enviada:

"Sinto sua falta Jayjay. Me desculpa. Sou uma péssima amiga e agir sem pensar... Essa sou eu agora no Central Park pensando como seria legal se estivesse aqui..."

Sim, eu apenas admiti a falta que ele me fazia. A foto era minha perto de umas árvores no Central Park e eu não estava sorrindo. Talvez ele me ache idiota? Talvez. Talvez eu queira voltar no tempo? Com certeza. Mas eu não podia mas vacilar quanto ao meu sentimento por ele.

Quando eu me levanto pra voltar a caminhar meu celular vibra anunciando uma nova mensagem eu gelo na hora, pego meu celular que estava na bolsa e vejo uma mensagem de Jhope:

"Que bom que minha viagem não foi em vão, pois eu estou morrendo de saudade."


Viagem? Como assim?

Digito outra mensagem pra ele e mando. 


"Onde voce está?"

Começo a me sentir nervosa, a mensagem era estranha. E o celular vibra novamente, olho na hora:


"Pode olhar pra trás?"


Meu coração parou, meu corpo vibrou, não pode ser... imediatamente me viro e vejo Jhope com um sorriso mais lindo impossível,  e com o celular na mão e a outra mão no bolso. Como ver ele fez meu corpo inteiro estremecer e meu coração acelerar. Era esse sorriso que eu precisava pra ter a certeza: Do quanto eu amava esse garoto. 


Notas Finais


Morrendo de amores!!! 😍💜
Gostaram? Desculpa se deixei vocês mais ansiosas ainda kkkkk. Amanhã tentarei postar mais cedo! Beijocas.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...