História Inside your heaven - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Albafica de Peixes, Aldebaran de Touro, Atena (Sasha), Dégel de Aquário, Dohko de Libra, El Cid de Capricórnio, Kardia de Escorpião, Personagens Originais, Regulus de Leão, Sage de Câncer, Sísifos de Sagitário
Tags Almas Gêmeas, Lost Canvas, Romance, Sísifo De Sagitário, Violet
Visualizações 106
Palavras 3.809
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Fluffy, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá!!!
Quero agradecer a todas aquelas pessoas que dão vida a essa simples história só por lê-la. Que honra.
Àquelas pessoas que favoritam e comentam, por alegrarem meu coração e por me levarem a sentimentos únicos.
O capítulo de hoje é muito especial. Espero que gostem.
Quero dedicá-lo a duas pessoas:
Às "irmãs" e princesas aishaandris e Alcmena, autoras maravilhosas.
Aisha, porque romance é bom pra alma e pro coração.
Mena, porque ama esse personagem demais também.

Boa leitura!

Capítulo 7 - Meu coração é teu...


Fanfic / Fanfiction Inside your heaven - Capítulo 7 - Meu coração é teu...

            Com o pedido de Athena, Sísifo logo retorna a Sagitário, banha-se, troca-se rapidamente e vai ao haras. Na verdade, ele gostou muito de precisar voltar, pois estava com muitas saudades de Violet. Mas queria um motivo e a ordem veio em boa hora, pois acabaria aparecendo por lá por conta própria no dia seguinte.

            Também ficou aliviado com a prerrogativa de que Heitor era uma vítima dos espectros por conta do cumprimento de seu dever. E agora, Violet também era um alvo, por conta das ações de seu pai em nome do Santuário. Assim, alguns cavaleiros de prata fariam rondas constantes no caminho e proximidades daquela propriedade. Vigilantes pelo caminho, mas não diretamente dentro da fazenda. Assim, não assustariam os clientes de Heitor, deixando-o e a sua família em segurança, por determinação direta de Athena. Inclusive, no caminho, encontrou um deles, que disse estar tudo calmo. Mas o Sagitário recomendou atenção, recebendo a concordância do prateado.

            Enquanto caminhava, pensava no quanto sentia a falta daquela garota, no quanto ela era especial e como se sentia perto dela. Observou que jamais se sentiu assim antes, o que tornava tudo especial. Mesmo conhecendo tantas moças tão belas e apresentáveis, ninguém se comparava a ela. Era única. Isso o fez se recordar de vários anos atrás, quando ainda era só um garoto, ainda nem era treinado por Ilías. Lembrou-se de que brincava com um amigo e o assunto “amor” apareceu, nem se lembra como. Mas registrou, por algum motivo, o teor daquela conversa, que mexeu com seu interior.

 

            Flashback...

 

            - Sísifo, você já amou alguém? – Perguntou o amigo de brincadeiras.

            - Sim, meus pais e meu irmão!

            - Não, não é amar sua família! Já gostou de uma garota?

            O menino de olhos azuis ficou confuso. Não se lembrava de já ter aquele sentimento. Então questionou o amigo:

            - Não me lembro. Acho que, aquelas que conheço, só considero amigas. Por que pergunta isso?

            - Porque ouvi dizer que não há melhores pessoas para amar do que princesas.

            - Princesas? – Sísifo questionou. Curioso com aquela novidade.

            - Sim, princesas são as garotas mais bonitas que existem, são corajosas, mas muito delicadas e amorosas. Elas são nobres! Dizem que elas vivem em castelos, presas em torres muito altas. Ninguém consegue alcançá-las. É porque são assim, muito especiais. Sei lá! Ouvi falar!

            Sísifo refletiu sobre aquilo. Era um menino, mas também tinha seus anseios. Acabou por concordar que seu amigo tinha razão. Elas eram muito raras, então. Deviam ser, nem sabia direito. Mas, pelo que ouviu, devia ser maravilhoso encontrar uma.

            - Você tem razão! Vou querer uma princesa dessas! Se são como diz, vou querer uma para mim.

            - Então está combinado! Cada um vai arranjar uma linda princesa para se casar!

            - Mas, como vamos tirá-las das torres? – Ele perguntou, aflito.

            - Ora! Poderemos nos tornar cavaleiros um dia! Cavaleiros sempre salvam princesas! Assim me disseram!

 

 

Ele riu, divertido, das lembranças que vieram à mente. Depois que começou a treinar, deixou todos os sonhos de menino de lado, olhando somente para um ideal. Porém, agora, já era um homem feito, mas parecia que seus sonhos de infância encontravam lugar na realidade. Sentia que poderia realizar um deles, já que ela se encaixava no perfil que ele e seu amigo traçaram. Mas tudo era incerto. Ainda. Ao menos, ela não estava numa torre...

Assim, seguiu seu caminho, grato pela grande proximidade daquela propriedade. Ele chegou logo e fez como da última vez, aguardando no portão e elevando um pouco o cosmo, para ser percebido logo. E funcionou, pois Violet veio bem rápido e o recebeu com um semblante muito alegre, cobrindo a boca com as duas mãos pela surpresa. Ela abre rápido o portão e o abraça forte e dá um beijo em seu rosto, mais demorado que da primeira vez. O rapaz fica um pouco corado, já que aquele ato significa muito para ele. E logo fala com ela.

            - Olá, você está bem?

            - Sim, muito bem, mas senti sua falta.

            Ele olha bem para ela, dando um meio sorriso.

            - Também senti a sua. Mais do que pode imaginar..

            - Não pensei que pudesse aparecer a esta hora, achei que gostasse de madrugar. – Ela diz, rindo. – Adorei a surpresa.

            Ele ri, divertido. Coça a nuca e diz:

            - Hum, é verdade, mas também gosto muito de dormir, sempre que posso. Mas vim assim porque trago um recado de Athena.

            Violet ficou surpresa.

            - Ah, é mesmo? E o que seria?

            - Quer que você passe o dia com ela amanhã. E, usando as palavras dela, implora que você toque e cante para ela também. – Deu um meio sorriso, na expectativa da resposta.

            - Sim, é claro que irei. Amanhã bem cedo? – Ela pergunta e ele assente. – Então, você poderia vir tomar café comi... conosco!

            Ele cruza os braços, sorri, feliz com o convite e diz:

            - Virei buscar você e aceito o convite para o desjejum. Serei seu guardião amanhã.

            - Hum... gostei disso de... guardião... – Ela encosta o indicador direito no queixo e olha para cima, analisando aquela palavra. Então, mira-o meio de lado, levantando uma sobrancelha. - Mas isso não é coisa de deusas e rainhas?

            - Ou princesas... – Sorriu de lado, inclinando um pouco a cabeça para a direita, após o comentário.

            - Será? – Ela pisca para ele que responde na mesma proporção, mantendo um meio sorriso.

            - Estou certo que sim.

            - Gosto do seu pensamento. Você venceu!

            Os dois riram com essa conversa e, de repente, ela pensa em algo.

            - Puxa, então preciso ensaiar! Há um tempo que não toco.

            - Adoraria vê-la ensaiar.

            Ela o olha e toma pela mão, levando-o consigo. Então para, vira-se e olha para ele, dizendo:

- Seu pedido será atendido, senhor Sísifo, mas antes terá que jantar conosco! Venha!

 Ele sorri e se deixa levar por ela, que agora segura suas duas mãos, com um belo sorriso e retornando de costas. Claro que ele a ajudou a não bater em nada ou tropeçar. Mas era um jogo adorável que ele gostava cada vez mais de jogar, enquanto riam daquilo.

Heitor foi ver onde estava a filha e se deparou com o cavaleiro chegando à porta junto com ela. Sísifo recebeu dele um abraço e perguntou se já estava ciente da guarda que circulava pelos arredores da propriedade. Ele disse que um dos cavaleiros estivera lá, lhe informando tudo. Pediu que agradecesse a Athena e disse que se sentia mais tranquilo com essa proteção, lamentando não poder fazer isso ele próprio. O sagitariano tranquilizou-o quanto a isso, dizendo que era o momento de o Santuário retribuir, pois ele quase perdera sua vida em missão, fora as sequelas de tudo. O mais velho sorriu e assentiu. Teria que ser assim.

            Entraram na casa e todos se alegraram com a chegada de Sísifo, principalmente dona Agnes, que já lhe tinha um carinho especial, indo dar um forte abraço no rapaz. Aglaupe, a mãe de Ícaro, ajudou dona Agnes a preparar e servir o jantar. Já estava recuperada e exercia muito bem suas atividades, sendo elogiada pela mais velha. Era uma mulher bonita e gentil, zelosa com os filhos e agradável com todos. Tinha olhos verdes e cabelos castanhos. Por vezes, Heitor se pegava observando-a...

            Todos jantaram e elogiaram muito as cozinheiras. Quando todos terminaram, Violet avisou ao pai que precisava ensaiar e lhe contou o convite de Athena. Ele ficou feliz pela filha, mais ainda por vê-la tão atenciosa com seu amigo. Todos ficaram animados, pois havia algum tempo que ela não tocava. Os ensaios dela eram o divertimento preferido pelos que habitavam lá. Não importava o que fizesse na fazenda, a pessoa era convidada a participar. As crianças ficaram muito empolgadas, pois já tinham visto o piano na sala, mas nunca tinham visto alguém tocar um na vida.

            Violet foi para a sala, levando Sísifo pela mão, que gostava desse jeito dela de demonstrar atenção. Ela o acomodou próximo ao piano, de frente para ela. Todos os outros foram para lá também. O pai dela sentou-se perto de Sísifo, e estava muito alegre com o cavaleiro ali. Enchia seu coração de esperança.

E ela começou a tocar. Executou algumas melodias instrumentais. Era incrível a habilidade dela, fazendo aquilo com maestria. Ele se sentia levado a outra dimensão, devido às sensações que as músicas causavam. Ela tocava e olhava para ele sorrindo.

            Após terminar uma música, ela parou e explicou que as próximas canções seriam cantadas. Entoou três, belíssimas e parou para explicar que considerava a última que cantaria muito especial, pois era uma composição sua e chamava-se Fight song. Tinha um enorme significado. Fez a introdução e começou a cantar...

Like a small boat

Como um pequeno barco

On the ocean

No oceano

Sending big waves

Enviando grandes ondas

Into motion

Em movimento

Like how a sigle word

Gosto como uma única palavra

Can make a heart open

Pode fazer abrir um coração

I might only have one match

Eu só tenho um fósforo

But I can make an explosion

Mas posso fazer uma explosão

 

And all those things I didn't say

E todas aquelas coisas que eu não disse

Wrecking balls inside my brain

Bolas de demolição dentro do meu cérebro

I will scream them loud tonight

Eu vou gritar alto esta noite

Can you hear my voice this time?

Você pode ouvir minha voz desta vez?

 

This is my fight song

Esta é a minha canção de luta

Take back my life song

Canção que pegue de volta minha vida

Prove I'm alright song

Canção que prove que estou bem

My power's turned on

Meus poderes estão ligados

(Starting right now) I'll be Strong

A partir de agora eu vou ser forte

I'll play my fight song

Eu vou tocar minha canção de luta

And I don't really care if nobody else believes

E eu realmente não me importo se ninguém mais acredita

'Cause I've still got a lot of fight left in me

Porque eu ainda tenho muita luta que ficou em mim

 

 

Losing friends and I'm chasing sleep

Perdendo amigos e eu estou perseguindo o sono

Everybody's worried about me

Todo mundo está preocupado comigo

In too deep

Muito fundo

Say I'm in too deep (I'm in too deep)

Eles dizem que estou muito profundo

And it's been two years

E se passaram dois anos

I miss my home

Eu sinto falta da minha casa

But there's a fire burning in my bones

Mas há um fogo queimando em meus ossos

And I still believe

E eu ainda acredito

Yeah I still believe

Sim eu ainda acredito

 

And all those things I didn't say

E todas aquelas coisas que eu não disse

Wrecking balls inside my brain

Bolas de demolição dentro do meu cérebro

I will scream them loud tonight

Eu vou gritar alto esta noite

Can you hear my voice this time

Você pode ouvir minha voz desta vez?

 

This is my fight song

Esta é minha canção de luta

Take back my life song

Canção que pegue de volta minha vida

Prove I'm alright song

Canção que prove que estou bem

My power's turned on

Meus poderes estão ligados

(Starting right now) I'll be Strong

A partir de agora eu vou ser forte

I'll play my fight song

Eu vou tocar minha canção de luta

And I don't really care if nobody else believes

E eu realmente não me importo se ninguém mais acredita

'Cause I've still got a lot of fight left in me

Porque eu ainda tenho muita luta que ficou em mim

A lot of fight left in me

Muita luta que ficou em mim

 

Like a small boat

Como um pequeno barco

On the ocean

No oceano

Sending big waves

Enviando grandes ondas

Into motion

Em movimento

Like how a sigle word

Gosto como uma única palavra

Can make a heart open

Pode fazer abrir um coração

I might only have one match

Eu só tenho um fósforo

But I can make an explosion

Mas posso fazer uma explosão

 

This is my fight song

Esta é minha canção de luta

Take back my life song

Canção que pegue de volta minha vida

Prove I'm alright song

Canção que prove que estou bem

My power's turned on

Meus poderes estão ligados

(Starting right now) I'll be Strong

A partir de agora eu vou ser forte

I'll play my fight song

Eu vou tocar minha canção de luta

And I don't really care if nobody else believes

E eu realmente não me importo se ninguém mais acredita

'Cause I've still got a lot of fight left in me

Porque eu ainda tenho muita luta que ficou em mim

A lot of fight left in me

Muita luta que ficou em mim

 

Now I've still got a lot of fight left in me

Agora eu ainda tenho muita luta que ficou em mim

 

 

           

            Sísifo ficou com um misto de sentimentos enquanto ouvia a canção. A voz dela era bela e incrível, tão afinada e com uma extensão perfeita para as notas mais altas. Assim como nas canções anteriores. Era maravilhoso, sublime. Mas, aquela letra, aquelas palavras traziam lembranças à sua mente. Era estranho, mas parecia sentir que antigos sentimentos vinham à tona e se encaixavam na mensagem que a canção transmitia. Era uma sensação nostálgica, como se os conflitos e reações que viveu nos seus primórdios como cavaleiro fossem compilados, resumidos, transformados em poesia, em canção e entoados. Foi impossível conter a emoção que as recordações daqueles momentos difíceis começavam a lhe causar. E elas voltavam à mente, uma a uma.

A inveja, o ciúme, os comentários maldosos, sua capacidade e poder de luta sendo questionados, sua decepção e dor diante disso. Era terrível ser subestimado daquele modo. Buscava maneiras de provar seu valor, mas os outros pareciam ignorar seu verdadeiro brilho, por mais dourado que fosse. Mas lembrou-se também do apoio dos verdadeiros e dos novos amigos, das suas convicções, de sempre manter-se fiel à voz de seu interior, buscando silenciar as outras aos seus ouvidos, confiante naquela que dizia sobre construir um futuro. E tudo aquilo lhe deu forças para prosseguir... e superar.

            Lembrou-se do que aquele comerciante falou sobre Violet ter sofrido muito com a perda da mãe. Talvez ela também tivesse lutado muito. Superar envolve guerrear contra seus medos e aflições, levando vantagem sobre eles e fazendo sua mente acreditar que ainda haveria um caminho a trilhar. Entender que sempre será preciso ter coragem, enfrentando os temores e seguindo em frente. E, pelo que via e o que sentia naquela garota, ela havia se superado. Certamente sua mãe se orgulharia dela, onde quer que estivesse. Ele tinha certeza.

            Pensou na sorte que tinha por estar ali, vivendo momentos tão singulares ao lado daquelas pessoas fascinantes. Sentiu gratidão por isso, por sua nova vida, assim como por encontrar um tesouro, de valor inestimável. E seu coração, que pensou um tanto aflito, parecia se acertar, no compasso daquela canção, que, por uma imensa coincidência do destino, parecia contar um resumo, muito belo, de um momento tão intenso de sua existência.

            Ao fim, todos aplaudiram e as crianças estavam maravilhadas e suas faces iluminadas. Todos foram se retirando e ficaram na sala apenas Violet e Sísifo. Ele a olhou profundamente e ela ficou preocupada com a maneira que a olhava.

            - Está tudo bem, Sísifo?

            - Sim. – Ele suspirou. - Só estou emocionado com a beleza de tudo. Mas, por favor, diga-me, qual é a história por trás desta última canção? Por que ela é tão especial?

            Ela suspirou, olhou para cima e começou a falar, mas era sempre difícil. A voz embargava, mas ela respirou fundo e prosseguiu:

            - Bem, essa é a história que meu pai me contou sobre um cavaleiro que ele conheceu quando estava no Santuário. Ele era muito jovem e foi confrontado com a inveja e ciúme de outros cavaleiros e aspirantes, que o acusavam de não ser merecedor de estar ali, de ter sido beneficiado e conseguido vencer a luta que o consagraria por estar tudo combinado e a armadura que conseguiu já estar assegurada por conta da influência do irmão dele, que, ao que parecia, era alguém com muito prestígio no Santuário. Ele me disse que esse cavaleiro sofreu muito ao ser julgado e subestimado pelos companheiros de forma injusta e mesmo cruel. Meu pai disse que assistiu àquela luta e podia provar que eram acusações infundadas e movidas pelo despeito e fraqueza. Ele disse que o jovem cavaleiro era muito íntegro e com um grande senso de justiça. Que foi superando aquilo e mostrando o quanto era forte e poderoso. Ele não me disse quem era e não perguntei.

            - Sabe... por que ele... te contou isso? – Ele ficou meio aturdido, mas buscou se controlar ao máximo para não demonstrar.

            - Sim, ele esperava que servisse de... motivação para mim. Isso foi quando eu estava muito deprimida após o ataque à minha vila e a morte... tão trágica de minha mãe. Essa história me fez pensar e refletir profundamente em tudo, me inspirou muito e eu passei a admirar demais esse cavaleiro desconhecido. Se ele venceu a dúvida dos outros, eu poderia tentar ser forte como ele e enfrentar minha situação. Fora os outros problemas que vivi. Assim eu fiz.

            Sísifo sorriu. Tentava disfarçar sua perplexidade. Como era possível? Era ele, sua história, sua angústia. Sem que pudesse saber, Heitor o admirava muito e lembrou-se de como ele lhe oferecera apoio naquela época, dizendo que buscasse dentro de seu coração a motivação certa para ser um cavaleiro de ouro, além de lembrá-lo de que, se não fosse digno de sua armadura, ela mesma o rejeitaria. Disse para que seguisse em frente, sem olhar para trás, pois foi uma luta justa e ele era um rapaz honrado e digno de sua patente. Sem imaginar, também ajudou Violet através de si mesmo. Não sabia o que dizer a ela. Mas sentia que havia cumprido mais uma missão. Que, de algum modo, toda aquela experiência foi válida só por ter ajudado sua linda Violet a superar a dor. Havia um misto de emoções dentro de si, que buscava controlar. Ele então disse a ela:

            - Adorei o ensaio. Achei tudo o que você fez maravilhoso e muito lindo. Tenho certeza de que Athena vai se encantar. Mas preciso ir agora. Amanhã voltarei para levá-la ao Santuário.

            Ele suspirou e levantou-se, mas ela observou que ele não estava bem. Percebia em suas palavras um certo peso, parecia angústia, embora bem controlada. Mas não disse nada. Não sabia o que dizer. Apenas assentiu, mas foi logo atrás dele, um pouco preocupada. Pensou se teria feito algo errado, já que ele parecia alegre até pouco tempo. Tentaria saber o que houve.

 Ele se despediu dos outros e foi com ela até o portão. A lua cheia iluminava aquele lugar. Então, já próximo do belo portão, ele parou e ficou olhando para ela. Estava em um turbilhão de emoções, mas, através delas, seus olhos foram abertos e percebia que devia se permitir ser feliz, amar, aproveitar essa oportunidade de vida. Enquanto olhava nos belos olhos lilases dela tão profundamente, entendia seus próprios sentimentos, que agora estavam cristalinos como a água. Ele não tinha mais nenhuma dúvida. Estava apaixonado, totalmente, por aquela garota tão linda, gentil, corajosa e que iluminava tudo ao redor com seu sorriso. Aquilo que tanto almejou encontrar estava ali, na sua frente. Sentia que não precisava procurar mais, pois já havia encontrado uma princesa, como dissera na conversa com Hasgard, dias antes de conhecê-la, sim, pois era a palavra que entendia definir o que ela representava, por ser única. Certamente seu coração a identificou naquele dia em que a salvou pela primeira vez, mas tinha plena certeza agora.

Mas ainda faltava algo. Faltava ela. Faltava saber o que a sua princesa sentia. Ela dava sinais, mas queria a certeza, seu íntimo pedia isso, pois, caso contrário, começaria imediatamente a missão de conquistá-la, custe o que custar.

            Sísifo chegou mais perto dela e tocou seu rosto. Ela fechou os olhos para aproveitar a sensação daquela carícia. Queria, ao máximo, prolongar aquele momento. O coração dela estava acelerado e sua respiração descompassada. Tinha medo de deixá-lo ir, pois sua ausência doía mais do que podia imaginar. Fora que sentia grande angústia pelo modo que o sentiu na sala. Segurou a mão dele sobrepondo-lhe a sua e olhou-o de volta profundamente também, quando ouviu:

            - Era eu.

            - V-Você? – Ela não entendeu o que ele queria dizer.

            - O cavaleiro, aquele de quem seu pai falou na história e que te inspirou. Eu sou aquele cavaleiro. Isso quer dizer sua canção conta a minha história de superação. Ela fala de mim. Entende que transformou meus sentimentos em seus?

            Ela arregalou os olhos. Mas como? Seria possível? Mas que conexão era aquela que fazia com que estivessem tão ligados desse jeito, mesmo sem saberem? Toda essa situação chegou a um nível em que estava impossível controlar suas emoções e sentimentos. Todos os muros do seu coração haviam sumido, finalmente estava livre... para ele. Ela o queria perto dela, junto dela. Tinha total certeza de que estava totalmente apaixonada por aquele homem tão lindo e tão admirado. Ele já habitava em seu coração. Então, ela sorriu docemente e sussurrou, se aproximando mais, sem quebrar o contato visual que tinham estabelecido:

            - Obrigada...  meu anjo!

            Era impossível resistir mais. Ele a abraçou o mais forte que pôde e foi abraçado de volta, com a intensidade de todos aqueles sentimentos. Ele afastou um pouco o rosto e a beijou. Amorosamente, calmamente. Era o primeiro beijo dela, que estava feliz por ter acontecido assim. Eles afastaram os rostos e sorriram. Ela disse:

            - Meu coração chama pelo seu, grita por você, acho que ele fez isso o tempo todo.

            Ele respondeu:

            - O meu também, desesperadamente.

            - Você derrubou todos as barreiras que haviam dentro dele. Ele é seu. Todo seu. Acho que ele esperava por você...

            Ele a olhava profundamente, afastava uma mecha de cabelo que caía sobre a face dela.

            - Você é tudo o que eu sonhei para mim. – E lembrou-se do que dizia quando era só um menino, feliz por ter, finalmente, a encontrado - É a minha princesa. Dona do meu coração.

            Sísifo estava vestido com roupas civis, sem a armadura, mas elevou seu cosmo subitamente e as asas de Sagitário surgiram em suas costas. Ele envolveu Violet com elas, num formato de proteção, queria privacidade para seus sentimentos. Ao se ver assim, uma lágrima fugiu dos olhos dela, sendo removida por ele. A emoção daquele momento não podia mais ser contida. Amavam-se, afinal.

            Sob a luz da lua e sem necessidade de mais palavras, se beijaram de novo, e de novo, abraçados e envolvidos pelo forte laço que os unia.

 


Notas Finais


A canção é uma das minhas preferidas, cantada pela Rachel Platten. Porém, a versão que imaginei cantada é de Bri Heart, uma cantora que faz cover de várias canções consagradas, pois o instrumental é piano e assim podemos ter noção da Violet cantando e tocando. A voz dela é maravilhosa. Quem quiser conferir: https://www.youtube.com/watch?v=iB1-s-24Pck
Até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...