História Insônia - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Akamaru, Anko Mitarashi, Chouji Akimichi, , Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hidan, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Kakashi Hatake, Kakuzu, Karin, Kiba Inuzuka, Killer Bee, Konan, Konohamaru, Kurenai Yuuhi, Madara Uchiha, Mei, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Nagato, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Obito Uchiha (Tobi), Personagens Originais, Rock Lee, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shino Aburame, Shisui Uchiha, Shizune, Suigetsu Hozuki, Temari, TenTen Mitsashi, Toneri Otsutsuki, Tsunade Senju
Tags Gaara, Hinata, Ino, Itachi, Karin, Konan, Mistério, Naruto, Neji, Romance, Sai, Sakura, Sasuke, Shikamaru, Temari, Tenten
Visualizações 18
Palavras 2.018
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Sim, eu demorei. Tem cena de ação e como eu estou escrevendo muito drama, romance comédia nas minhas histórias, acabei ficando broxada em ação. Se ficou ruim? Não sei, não revisei, desculpem, mas tô muuuito ocupada e se estiver ruim ou bom, vcs bem que podiam me dizer.. Né..😋

Enfim, acho que finalmente vou poder iniciar as confusões em Wennimore, deu pra perceber que esse cap vai ser bem animado pelo título kk

Deixando claro que a Karin não é a protagonista, gente.

(Eu gosto de fazer protagonistas masculinos, porque sim)

E vc leitor ghost, porque ser tão maldoso? Pelo menos diz o porque me odeias tanto kk

Esse cap é em homenagem a todos os que comentarem e não dão vácuo.

Tá, eu tô sendo chata. Parei.



Boa leitura, até as notas finais.

Capítulo 18 - Confusões



"A vida. E seus rodeios. O medo. Em seus brinquedos."


....


Enquanto andava, sentia o cheiro da grama fresca do vizinho, ouvia os burburinhos das pessoas nas ruas e também os barulhos dos motores dos automóveis.


Andou até o outro lado da rua, sentiu uma brisa forte passar por seu corpo, fazendo sua saia rodada balançar freneticamente, até correr de vez para dentro do mercadinho, que parecia vazio. Suspirou, apoiando as mãos sobre os joelhos, logo lembrando-se o que fora fazer ali.


__ Dois desses, por favor.__ disse, a garota, apontando para varias barras de chocolate enfileiradas acima do balcão.


A velha senhora a sua frente, retirou duas, vagarosa, enquanto puxava uma sacolinha de plástico, pondo os chocolates logo em seguida e entregando-os para a jovem.


Com mais uma pequena corrisa, que a fez soar consideravelmente, chegou ao ponto de ônibus, não precisou esperar muito tempo para que seu ônibus chegasse, o que a fez sentir uma certa alegria.


O colégio. Lugar de amizades, de descanso, considerava a jovem, Hinata Hyuuga, com seu uniforme sempre bem arrumado e um sorriso que todos conheciam bela beleza e inocência.


Mas ela era do tipo de pessoa que se desgastava facilmente. Apesar de ter uma vida comum, como a de muitas pessoas de Wennimore, ela tinha dentro de sua alma branda, sentimentos e faces que talvez nem ela própria conhecesse.


Assim que se via dentro da sala de aula, ela sentia-se uma verdadeira adolescente. Conversando com os amigos e se esforçando nos estudos. Em seu apartamento, sentia-se Hinata Hyuuga de novo. Mas essa diferença, quase inperceptível, para ela era tão notável quanto o calor do sol no verão. O que mudava? Ela simplesmente desmanchava em partes pequenas que a dividiam sobre praticamente tudo. Sobre ela e a quem amava, sobre o dia seguinte, o que fazia e sempre e sempre, sobre o que seria no dia seguinte.


E então, renascia a cada dia, como tantas formas de lidar com a vida. Não que todas as pessoas não passassem constantemente por isso. Mas era assim. Era o que a atormentava e o que a fazia ser em si, o centro de sua própria vida.


Perdida nas folhas de um livro de conto qualquer, com os dedos levemente contraidos, que demonstravam sua atenção e sentimentos perantes as cenas que se descreviam nas folhas, sentiu uma sombra a sua frente e devido ao silêncio, depois de um tempo ainda submersa na história, levantou a cabeça.


E não seria ninguém mais que sua colega Fuu, com o uniforme do colégio, o que a surpreendeu de primeira. Fazia tempo que não a via daquele jeito.


__Oiii__ disse, com sua voz mais fina que o normal.


Hinata a encarou, logo fechando o livro, enquanto Fuu sentava-se ao seu lado.


__ O que aconteceu com você nesses dias?__ perguntou Hinata, com um olhar preocupado.


A azulada suspirou, coçando as mãos, sinal de que estava escondendo algo. Hinata a conhecia, não diria em voz alta, mas sim, ela conhecia Fuu.


__ Estava resolvendo minhas coisas__ disse rapidamente, logo não deixando Hinata a contestar__ e desde quando você se importa com minha falta, hum?__ disse, com um sorriso sugestivo.


Hinata corou levemente.


__ E-Eu só.. S-só imaginei que poderia estar doente ou algo do tipo..__ disse, inflando as bochechas__ você sempre se mete em confusão, não seria incomum me preocupar, você se preocupa comigo afinal__ corou mais ainda __ e-então.. Não evito de me preocupar com você..


Fuu ao contrário do que Hinata esperava, não estava sorridente, mas sim com a expressão fechada, uma expressão que Hinata havia presenciado muitas poucas vezes.


__ Hinata__ se levantou, ficando de costas para ela, com a voz séria, muito mais séria do que aparentava, a Hyuuga chegou a considerar que Fuu havia se irritado com ela, talvez estivesse com problemas de família ou algo muito íntimo e ela estava sendo incoveniente, mas quando Fuu virou-se para ela com os olhos tristes, sentiu seu peito fazer um movimento brusco, aquele olhar lhe perfurou__ não se preocupe. Estarei bem em breve. Um dia eu falo pra você sobre tudo. Hina-chan__ terminou com um sorriso aberto.


Aquilo fez Hinata ficar ainda mais preocupada, aquela reação de Fuu ficou gravada em sua memória durante o dia inteiro.


Havia confirmado com a mãe que a ligaria todos os dias, e foi o fez. Hinata ficara em seu apartamento aproveitando a solidão e o vázio do mesmo. Karin não estava lá, percebeu que a ruiva era uma pessoa bem misteriosa naqueles tempos. Estava sozinha com seu telefone, assim que as ligações findavam, ela sentia um sentimento de vázio, ainda maior do que o que sentia em muitos momentos de sua vida, quando percebia que não tinha ninguém com quem pudesse realmente contar. Mas apesar desse sentimento, ela continuava ligando e ouvindo o som do fim de chamada, debruçada sobre a cama ou o sofá, e ali mesmo ficava, mesmo cansada, muitas vezes não conseguia dormir. Desde os dez anos tinha uma insônia misteriosa, os médicos diziam que ela devia procurar relaxar, mas ela nunca foi estressada. E de vez em quando, a doença atacava, assim como seu TOC, que desenvolveu no inicio da adolescência, quando caiu dentro de um poço, enquanto brincava com seus amigos no seu antigo bairro. Mas não se considerava uma pessoa frágil, apesar de tudo.




...



Uma verdadeira perseguição era travada, o barulho do pneu no asfalto, os tiros, quem olhasse veria o quanto o medo tomava as faces dos homens fardados, dentro das viaturas que já cercavam a ponte, mas tudo seguia tão rápido que não teriam tempo de notar o rosto coberto daquele que já olhava pelo reteovisor, se perguntando, quem sabe, se deveria fazer tanto barulho, ou se aquele era o momento certo, ou estaria apenas num desespero. Mas não.


Num movimento, derrapando quase que elegante por duas das viaturas que já se aproximavam, conseguiu uma rota de fuga, chegando a rodovia, que estava movimentada, mas ele não se importou nem sequer um pouco com aquilo.


Olhou novamente pelo retrovisor, vendo que ainda haviam duas viaturas, mas um sorrisinho se formou em seus lábios cobertos pela máscara, assim que viu uma das viaturas, a que ia mais a frente, bater de frente com um carro vermelho e logo explodir e formar uma nuvem de chamas vermelhas, fez um desvio no mesmo instante, o movimento rápido e abrupto fez com que as cédulas de dinheiro se espalhassem no banco de trás, estalou a língua pensando que teria que recolher tudo.


Aquela foi uma operação difícil. A rapidez não o suficiente, sendo que logo os políciais estavam lá, antes que notasse. Mas tudo bem. Pensava, tinha confiança em si mesma, apesar de estar naquele carro, que teve que arranjar no meio da operação, já que uma das viaturas havia destruído sua moto. Mas esse tipo de detalhe era o menor dos seus problemas. Retirou o telefone de dentro do bolso da jaqueta e discou o número, estava atenta ainda ao seu redor, apesar de ouvir as sirenes longe, sabia que podia ser encontrada a qualquer momento.


__ Oi, sou eu__ disse ao telefone__ sim, eu fiz, mas os caras estão atrás de mim.. É, eu sei, mas é um saco. Vou provavelmente chegar atrasada hoje.


Sentiu seu sangue esquentar, logo um cerco foi feito ao seu redor. Estava encurralada e dessa vez, não tinha escapatória. Mas apesar de parecer sem saída, ela mantinha o olhar confiante e antes que a mandassem sair, abriu a porta, com as mãos sobre a cabeça.


__ Saia de perto do carro__ disse o policial com megafone.


Obedeceu. Se aproximou, sentindo o incomodo da luz sobre seu rosto. Sorriu. Muitos dali se surpreenderam com aquele sorriso.


Um dos policiais se apriximou. Haviam ao todo, mais de dez policiais, não achou pouco, nem muito. Apenas suspirou, deixando o policial se aproximar. Este não tardou a tirar as aljemas. Tudo foi rápido, mas para ela, as imagens passavam em câmera lenta. Pôs o braço por baixo do braço do policial e o outro ao redor do pescoço, um movimento a mais e se ouviu o estalo dos ossos quebrando.


Ele estava morto.


E antes do disparar dos tiros, mais pneus. Uma horda de carros quebrou o circulo que as viaturas faziam. A mulher não deixou um segundo passar em vão.


Haviam muitas pessoas ali. Outras viaturas foram chamadas e acontecia rápido. As pessoas corriam, outras passavam apressadas enquanto muitas gravavam e tiravam fotos.


Tiros. Enfim, tiros. Para todos os lados e o sangue escorria na terra do asfalto.



...



Estava mais focada e mais segura, mais do que estava naqueles dias. Estava com fome, mas apesar de cansada e depois de passar por tantos lugares, a jovem Karin queria aproveitar mais aquela segurança que a consumia.


Olhando as pessoas ao seu redor, como sempre, desceu do ônibus, apalpando as folhas que tinha nas mãos. Corrículos, não estranhava o fato de que antes, nunca pensou que estaria atrás de emprego. Gostava daquela sensação, a de que brevemente teria ainda mais independência. Agora, teria muitas outras coisas para pensar, teria muitas mudanças para administrar.


Andando pela cançada, pensava no quanto precisaria estudar para as provas da universidade, assim como também pensava em Shikamaru e Temari, imaginando como lidaria com eles dali pra frente. Mas aquilo se resolveria. Sabia que tudo se resolveria. Não importava o que acontecesse, agora ela podia resolver tudo.


Ou não.


Um tumulto se fez logo a frente. Karin pôde ver muitas pessoas correndo e gritanto. Tiros. Havia um barulho incessante de tiros e uma fumaça cobria tudo, mas ao ao se aproximar mais, podia-se ver bem, havia sangue. Muito sangue.


Era possivelmente um tireio de alguma gangue com a polícia. Karin queria sair dali, mas pra onde olhasse, haviam pessoas se amontoando, até que viu uma fresta, onde muitos carros estavam estacionados, se se esgueirasse por trás, poderia sair, e assim, chegar ao outro lado, onde parecia menos perigoso.




...




Nagato guardava alguns livros sobre a estante, aquele não era o que procurava. Estava a procura de algo sobre contos, contos antigos mais exatamente. Passando as mãos sobre os cabelos rubros suspirou, pensando em como estava trabalhando muito ultimamente. Já ia levantar-se novamente para ir até as estantes da biblioteca quando algo o assustou, muitas pessoas entravam assustadas, pareciam querer se proteger de algo. Foi até a porta e olhou em volta, haviam muitas pessoas ali, estava um verdadeiro tumulto.


__Ei, senhor, o que aconteceu?__ perguntou a um homem de aproximadamente 50 anos que sentava-se num banco a frente da biblioteca.


__ Parece que tem um tiroteio no centro, perto do mercado de Santles, algumas pessoas dizem que viram as motoqueiras por lá, parece que tá a maior confusão.__ disse o homem, bebendo um gole de água de uma garrafinha de plástico.


Nagato olhou novamente para todas aquelas pessoas, pensando em como Wennimore piorava a cada dia. Sentia repulsa pelas gangues dominantes, faziam tudo o que queriam e matavam dezenas a cada dia. A cidade estava perdida. O ruivo gostava de Wennimore, mas odiava como muitas pessoas a distruiam.


Pegando sua bolsa, saiu andando da biblioteca, precisaria passar por Santles, o que o fazia temer o que poderia estar acontecendo. Quanto mais se aproximava, mais podia ouvir os tiros e a confusão só almentava cada vez mais.



...



Karin estava ao lado de um dos carros que estavam estacionados ao lado da rua, podia ter uma visão do que estavam acontecendo ali, apesar da fumaça, parecia uma luta de gangues. Olhou ao redor, viu-se sozinha no meio de tudo aquilo, queria correr, mas suas pernas não se mexiam, estava com medo. Apesar de tantas coisas, ela sentia aquele medo tomar conta de si.


Entre tantos, os barulho de carros e pneus queimando com o contato com o asfalto, Karin viu de longe a imagem de algo.


Era alguém, que andava calmamente, fazendo uma trilha em meio a fumaça. Aqueles cabelos negros, os mesmos da noite no parque, no prédio e o por do sol no centro da cidade, o jovem estava com a mesma jaqueta e o mesmo cinto desfiado, e os olhos, serenos.


__Ele de novo..__murmurou sentindo o cheiro de fumaça que exalava no local.


Tudo parecia fluir em camera lenta, enquanto a neblina da fumaça que aqueles pneus junto com a terra do chão trazia, o vento era inexistente, e as pessoas não se importavam mais com o que iria acontecer.




Notas Finais


Yooo, aqui estou novamente!
Nesses dias ando bem animada, acho que é por causa das comédias que ando escrevendo kk

O que posso dizer: as motoqueiras são muito doidas, cês vão ver nos caps a seguir, mas garanto, vai ter gente mais doida que elas, Karin que o diga (pra quem percebeu que ela tem muitos traumas, tendeu). E de novo, meu Sasuke divo apareceeeeu!! Ele anda aparecendo muito, na vdd, n era pra ela aparecer agr, mas vai ter algumas coisas que ele vai tá envolvido, então.. E apesar de ser fumante, não, ele n é um marfioso, nem gangster (tô de brinks, fumantes, amo vcs).

O que n posso dizer: O que o Nagato tá fazendo em todas essas tretas kkjk acho que é porque gosto de ruivos, por isso ele aparece muito (mintira, é porque ele é um dos fodões kk *spoiler)

E...

Surprezin..

Spoiler: NaruHina próx cap

Até, tchau


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...