1. Spirit Fanfics >
  2. INSTEAD - SwanQueen >
  3. O Teste

História INSTEAD - SwanQueen - Capítulo 73


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura e até as notas finais! 🥰

Capítulo 73 - O Teste


Fanfic / Fanfiction INSTEAD - SwanQueen - Capítulo 73 - O Teste

Livraria Book's French

- Zelena, acho que erramos a conta – A ruiva que organizava umas prateleiras de livros, enquanto Robin e Gideon brincavam com seus chocalhos em suas cadeirinhas ambos já estavam com seus um ano e alguns meses, ela levou seu olhar até a bibliotecária que estava atrás do balcão com uma calculadora e caderno ao lado.

- Ah não, tá brincando – French negou com a cabeça indo até a bruxa que rolou os olhos. Não era possível que tivesse acontecido aquilo.

- Essas deviam ser para as despesas e a outra para livraria – Mills pegou o pequeno caderno e analisou.

- Hum... Tem razão. Vou arrumar isso – Beijou a têmpora de Belle e seguiu para trás da bancada. French sorriu ao olhar para as duas crianças dando atenção para ambas. Após meses juntas conhecendo uma a outra intimamente, Zelena e Belle tiveram uma ideia de abrir um negócio na cidade. Obviamente, a ruiva teve que bajular a irmã para conseguir uns daqueles lugares desocupados e a mesma cedeu pondo a condição que elas deixassem as contas em dia. Ambas ficaram felizes por abrir uma livraria, aliás a bruxa havia realizado uns dos sonhos de French. Se ela estava feliz, a ruiva também estava.

Sua atenção das crianças foi tirada quando o sino da porta soou. O olhar da bibliotecária bateu com os de Gold. 

- Oi, Belle. Vim pegar Gideon – Lembrou ao levar seu olhar até a ruiva no balcão que o encarava. Após o término de Gold e a princesa, eles tiveram a ideia de guarda compartilhada. Rumpel concordou que Gideon morasse com a mãe. O velho seguiu até o seu filho beijando sua testa. – Como está grande, garoto

- E mais trabalhoso – Comentou Belle se aproximando dele. Se sentindo um pouco desconfortável, a bruxa logo se pronunciou.

- Bom, vou resolver isso. Até, Rumpel – Se retirou do balcão indo para os fundos. Ao perceber, Gold pegou o filho no colo.

- Ela não gosta nada da minha presença – Pontuou ao ver a ruiva sair. A princesa balançou a cabeça em negação.

- Bom, ela só não quer ter contato. Enfim, aqui está a bolsa e uma mamadeira separada com a vitamina diária dele – Explicou após pegar as coisas de Gideon, que assim que viu sua mãe quis ir para os braços da mesma. Rumpel o acalmou.

- Certo. Qualquer coisa, estarei no parque com ele – Gold se despediu com um acenar de cabeça e o pequeno, com o pedido do pai, deu um aceno com a mão brevemente. Deixando a bibliotecária com um sorriso bobo. Rumpel saiu da loja e Belle pegou Robin se dirigindo para os fundos.

- Realmente, não suporta ele? – Indagou a princesa assim que avistou a noiva do outro lado do local mexendo na calculadora.

- Não é que eu não suporte. – French a encarou com aquele olhar significativo. – Tá, pode até ser. Mas, não sei... Quero ter o mínimo de contato com ele, não quero criar confusões. Somente um cumprimento basta. – Disse fazendo Belle entender que ela estava dando um ponto final no assunto. A mulher se aproximou da ruiva ficando ao seu lado, enquanto ninava Robin.

- Está bem. Não se toca mais no assunto – Zelena sorriu em agradecimento beijando a testa da princesa.

- A propósito, tenho que ir ao supermercado e passar na casa de minha irmã para pegar algumas coisas que ela esqueceu. Aquela não sobrevive sem mim – Sua voz soou divertida fazendo a princesa rir fraco. – Nos vemos à tarde – Se despediu de Belle com um beijo rápido e seguiu para fora da loja para o carro.

~~~

Joalheria

- Tá, isso era óbvio. Pensei que iríamos para um restaurante novo ou nos levaria para tomar sorte em uma sorveteria nova. Como eu ia saber? – Questionou Swan, após os três descerem do carro e entrarem na loja. Henry seguia as duas mulheres, enquanto usava seus fones escutando alguma música de rock ou pop no celular. Regina sorriu passando o braço pela cintura da loira que havia posto o seu envolta no ombro da parceira.

- Encomendei os anéis.

- Nós já temos, não? – Juntou as sobrancelhas em confusão ao parar em frente de uma vitrine e em seguida uma mulher apareceu com uma caixinha de veludo preta.

- Esses são especiais, Emma.

- Não brinca... – Pôs a mão na boca quando Mills mostrou os anéis que serão usados no dia. – Caramba, mesmo vendendo meu rim... Não daria pra comprar. Regina, acho que está exagerando, não? Você pagou tudo praticamente...

- Emma, já conversamos sobre isso. Não comece. Combinamos que ajudariamos uma a outra nas despesas.

- Tá. – A morena sorriu pegando um dos anéis e testando no dedo da loira. A mesma não segurou um sorriso ao ver Mills a encarando daquela forma. Havia cabido direitinho. A prefeita levou o dorso da mão de Emma até os lábios.

- Perfeito.

- Ok, odeio estragar o momento de vocês, mas então? Vamos comer? – Adolescentes. Regina revirou os olhos divertida com a fala do garoto. Henry chegou numa idade que ficava difícil de controlar certas coisas. Mas sempre no final os três sentavam e conversavam para resolver as coisas.

Sem mais enrolação, a pequena família seguiu para Granny's. Tiveram um almoço em família saudável. Muitas conversas e discussões sobre o assunto da moto por parte de Mills, mas nada disso abalou o momentos dos três. Henry até comentou que iria na mansão do mago um dia desses. Queria dar uma olhada por lá.

Assim que terminaram o almoço, o garoto beijou as testas de ambas mães e se despediu dizendo que se encontraria com August. O casal ficou a sós. Emma levou seu olhar a morena que terminava com o seu suco.

- Regina... E quanto aquilo? Nada? – A mais velha limpou os lábios deixando o copo de lado.

- Não. Não senti nada de estranho. – Swan assentiu. Ao ver a loira baixar o olhar, a rainha colocou sua mão acima da parceira. – Ei, não vamos pensar negativo agora. Só tem poucos dias.

- Eu sei. Acho que estou me enchendo de expectativa. – Regina sorriu fraco.

- Amor, não se preocupe. Ao menor sinal eu lhe informo.

- Está bem... Irei ver como está indo no espaço, quer vir?

- Será uma honra. – Ambas pagaram as contas e seguiram para o carro da prefeita, que colocou a chave na ignição e partiram em direção ao local.

~~~

Floresta Encantada

Naquele momento, Nolan se encontrava em seus passeios matinais com seu corcel. Todo dia antes do almoço com sua rainha, a cavaleira levava seu cavalo para um passeio perto das praias. Mas além disso, ela usava aquele espaço para pensar nas coisas e naquele momento o que ela pensava era no seu casamento com Evil. Estava feliz demais. Finalmente elas irão ficar juntas pra sempre dessa vez.

Emma puxou as rédeas do animal ao ver que algo lhe chamou atenção. Desceu do cavalo e caminhou na direção de um objeto que estava na areia. Se agachou pegando na garrafa. A mesma tinha um papel dentro. Juntou as sobrancelhas olhando para os lados, mas não tinha ninguém. Ninguém que fosse o dono. Deu de ombros retirando a rolha e deixando o papel cair em suas mãos. Era uma mensagem. Começou a ler e suas expressões eram de pura surpresa e felicidade. Sem esperar mais, a mesma pulou em seu corcel puxando novamente as rédeas e começando a correr com ele. Teria que avisar sua rainha. 

Assim que chegou no castelo, ela deixou o no estábulo e correu em direção ao quarto da morena. Apesar de estarem juntas, Nolan respeitava muito sua rainha e então elas não dividiam o quarto. Não chegaram nem a pular as "etapas". Emma sabia que Regina era diferente, então a trava diferente das outras. Com ela era especial.

- Regina, veja – A loira entregou o papel após bater na porta e pedir licença. Evil pegou o papel e começou a ler. As mesmas sensações atacaram a rainha. – Isso é sério?

- Foi o que eu li. – Respondeu segurando a cintura da morena. – Se quiser, podemos-...

- Não. Agora não. – A interrompeu. Tinha um plano em mente. Ao perceber a cavaleira sorriu.

- Tem um plano, né?

- Sempre tenho. – Sorriu transferindo um beijo nos lábios da parceira que colocou seu corpos. Como das outras vezes, Emma começava a deixar seus beijos intensos e seus toques percorriam da cintura para cima da morena que apertava os braços da cavaleira. Sabiam onde aquilo iria terminar caso não parassem. 

Regina distanciou seu rosto por alguns segundos mordendo seu lábio a todo momento, enquanto tinha sua testa contra a de Nolan.

- Sabe onde isso vai acabar, não é?

- Sei... Vou guardar isso... – Disse se referindo a folha, mas ela nem se lembrava de onde tinha posto o papel ou se ainda continuava em seus mãos. A loira assentiu com suas bocas quase juntas. Controlar era difícil, mas isso por sua rainha. Beijou sua bochecha, dando uma desculpa dizendo que iria se trocar. Regina a soltou observando a loira sair meio relutante de seu quarto.

A morena se sentou na cama pondo a mão na testa. Se perguntava constantemente qual era o seu problema? Elas já estavam meses juntas. Não havia mais nenhuma insegurança dos seus sentimentos por Emma. Então... Por que todo esse frio na barriga? Não era sua primeira vez por Zeus! Mas era sua primeira vez com a cavaleira. Novamente frio na barriga. A loira a tratava tão diferente, e isso fazia o coração da rainha saltitar como louco. Malditas sensações estranhas. Estava decidida. Iria atrás dela e não sabia a menor ideia do que dizer, mas do que queria fazer.

Sem perder tempo algum, a morena se pôs de pé decidida no que fazer e assim que abriu a porta do quarto se assustou com Nolan, que tinha sua mão elevada prestes a bater na porta. Naquele momento viu pela primeira vez as bochechas da loira atingir uma cor diferente. O mais estranho era achar aquilo extremamente fofo.

- Regina, bom... Eu... – Ao ver ela se enrolar toda, Evil puxou os braços da loira colocando as mãos dela em sua cintura assim levando seus lábios ao encontro da mais nova, que arregalou os olhos mas que não deixou de corresponder o beijo meio intenso e urgente da rainha que segurava seu rosto. Sem entender muita coisa, Nolan sentiu a mulher querer tirar aquela sua blusa de botões. Entendeu perfeitamente o que ela queria. Findou o beijo. – Tem certeza?

- Não me faça duvidar e cala boca, Nolan – Respondeu procurando o fôlego que tanto precisava para poder voltar se atracar naqueles lábios rosados da parceira, que foi a guiando sem ver por onde iriam esbarrando na penteadeira do quarto. Ambas não se importaram com as coisas caindo. Não se importavam com mais nada, a não ser com elas mesmas naquele dia.

~~~

Storybrooker, Maine

Com o dia se aproximando, todos estavam eufóricos e uma correria danada. Mary Margaret ficava o tempo inteiro perguntando como estaria tudo; Zelena andava de lá pra cá para ver como estava a organização junto com Amélia; Henry, David e Killian estavam desesperados à procura de ternos nas lojas. É naquele momento, que os três deram razão às mulheres. Nunca deixem de fazer nada de última hora. Os três estavam quase arrancando os cabelos; A secretária estava correndo do escritório para sua mesa na intenção de organizar os papéis e deixar tudo pronto. Sua chefe não queria nenhum imprevisto; E por fim, Emma e Regina. Essas duas estavam mais nervosas que todos e não era para menos, o casamento já seria amanhã. Mas apesar disso, ambas estavam um pouco aflitas.

Regina não havia sentido nada diferente em si. Nada mesmo. De acordo com as contas de Emma, ela já estava no sétimo dia e dali já poderia saber se havia funcionado ou não. Para poder saber, a xerife foi até a farmácia para buscar o que precisava e logo voltou para a mansão. Naquele dia, Henry não estava em casa, então era um local seguro.

Swan subiu as escadas de dois em dois até o quarto principal. Bateu na porta entrando. Mills estava sentada na cama e assim que viu a loira entrar no quarto se pôs de pé.

- E então? – Emma entregou uma sacola com uma caixinha retangular.

- Bem, sabe o que fazer né?

- Swan, é só ler as instruções.

- Não quer ajuda?

- Emma. – Soltou aquela voz que a loira conhecia bem. Ergueu as mãos em rendição. Regina caminhou em direção ao banheiro fechando a porta. A xerife sentou na cama roendo as cutículas. Sabia que não podia, mas precisava de algum entretenimento. 

- Regina? Tudo bem? Já deu o resultado? Regina?

- Se você me apressar, eu faço você engolir esse troço! – Swan se manteve calada por longos segundos. Ansiedade infernal. A porta do banheiro sendo destrancada chamou a atenção da xerife. A loira se pôs de pé indo até a morena que encarava o teste farmacêutico.

- E... Então? – Mills abriu a boca várias vezes, mas nada saia deixando Emma nervosa.

- Eu... Eu não... Eu não sei. 

- Como?

- Swan, eu nunca usei um negócio desses... – Emma voltou para o banheiro pegando a embalagem e voltando para o quarto. Começou a ler as instruções em voz alta.

- "Após três minutos de espera, o indicador terá que atingir uma cor rosa para confirmar a gravidez." – A prefeita analisou o local de uma janelinha que indicaria a tal cor, e lá não havia nada. Nada mesmo.

- Tem que ser rosa, rosa mesmo?

- É. Rosa.

- Então, não funcionou? – Perguntou se aproximando da noiva erguendo o teste para Swan que pegou. Nada. Emma negou com a cabeça. Não havia funcionado. A loira seguiu para o banheiro deixando o teste na pia. Regina sentou no colchão encarando o chão. Não havia funcionado. Não foi uma boa criar expectativas. Elas sabiam desde do início que não era tão eficaz. Era uma técnica antiga usada, obviamente não iria funcionar. Mas também sabia de outro motivo que poderia ser a causa de não ter funcionado. Aquela maldita poção.

- Ei, tá tudo bem. – Disse a xerife após sair do banheiro e ficar de joelhos na frente de Mills. Regina assentiu encarando suas mãos. Queria mais que tudo que tivesse funcionado. – Regina, não fique assim. Se não funcionou tudo bem... Nós vamos arrumar um outro jeito.

- Eu sei, mas é que... Eu queria. Entende? Eu queria mesmo. – Swan sorriu fraco acariciando o rosto da morena. Regina segurou a mão livre da xerife levando até sua barriga que estava lisa. – Eu gostaria de poder te dar isso.

- Eu também queria. Seria incrível se isso tivesse acontecido... Mas, não aconteceu. E tá tudo bem, amor. Sabíamos que teria grande porcentagem de não funcionar. – Regina acenou com a cabeça segurando a mão de Emma que ainda estava em seu rosto. – Não podemos ficar tristes agora, amanhã será o nosso dia. O dia que vou me unir a você pra sempre. O dia que você deixará de ser Regina Mills, e se tornar Regina M. Swan. – Regina riu fraco ao ver ela tentar fazer a rainha sorrir.

- Eu sei... Swan, obrigada. Obrigada por tudo.

- Eu que agradeço por estar em minha vida. Te amo. – Sorriu fundindo seus lábios com os da prefeita que retribuiu o carinho. Ela tinha razão. Sabiam das possibilidades de não funcionar. Não há pelo o que ficar triste. Amanhã será o grande dia e não podia estar daquele jeito. Estava nervosa pelo dia de amanhã.


Notas Finais


E nós vamos de que? De luta, pq vocês já nos conhece e sabe muito bem que gostamos de fazer vocês nos odiar e depois nos amar kkkkk

Hey, quem quer as nossas cabeças? Talvez alguns, mas tudo bem. Compreendo vocês...

Aaah, vey... Não sei porquê, mas eu sou tão boiola por Zel e Belle. Não consigo conter a felicidade das duas estarem juntas e construíram um negócio 🥺 Meu coração é traíra 😂🤭

E o Gold? Quem está achando incrível ele não ter pego na adaga até agora? Enfim, os vilões merecem uma segunda, terceira, quarta chance e não é? Kkkkk Mas eles podem mudar! E isso que estou mostrando em relação ao Rumpel! 🥺

Aí, enfim, vocês são os melhores 💯💓

Até a próxima! 😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...