1. Spirit Fanfics >
  2. Intense >
  3. Capítulo Único - Tratamento Intensivo.

História Intense - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


LEIAM AQUI RAPIDÃO!!!
Bom dia, boa tarde, boa noite, tudo bem com vocês, meus amores? Eu espero que sim hein.
Sobre a fic... Olha, eu nem sei o que dizer sobre ela, eu a plotei enquanto me preparava para limpar a casa e depois só mandei bala. Já deixarei bem claro que é algo bem pesado comparado ao que escrevo aí, acho que essa é a segunda ou terceira. Enfim ksjxjdjdjd leiam pela conta e risco de vocês, eu realmente não irei aturar comentários falando coisas maldosas só porque o modo que abordei foi totalmente diferente do que estão acostumados, então nem irei me dar ao trabalho. Aos que curtem um sadomasoquismo aqui e ali, fique a vontade, isso aqui é para vocês. Essa fic na verdade é uma one de uma futura longfic minha que trarei em um futuro próximo (espero ne xkxnnddn) então já fiquem com um gostinho dela ai.
Quem teve que me aturar surtando com alguma coisa foi a maravilhouser da Rey (@fairyato) e essa capa linda foi pela @ROZOK, eu simplesmente AMEI ela aaaaa, muito obrigada <3333
Acho que não estou esquecendo nadinha, então boa leitura. 0/

Capítulo 1 - Capítulo Único - Tratamento Intensivo.


Os olhos vendados era a única coisa que irritava Eren Jaeger naquele momento. 

De mãos atadas atrás das costas e de pernas praticamente arreganhadas na cama, tudo parecia levá-lo à loucura com o mínimo dos toques. 

A boca continha uma pequena bolinha vermelha, a qual não lhe permitia reclamar do tratamento que estava prestes a ter. Não que desgostasse, longe disso, mas queria muito chamar o rapaz que havia o colocado naquela situação. Levi Ackerman era seu nome.

Pelo canto da boca cheinha escorria saliva, extremo era o prazer que estava sentindo naquele momento, capaz de chegar ao seu limite com qualquer toque que fosse feito em si. 

Contraiu a barriga ao sentir a pontinha dos dedos de Levi tocá-lo superficialmente na canela, depois correr para suas coxas, queria implorar para que o outro simplesmente deixasse de torturá-lo com aquele joguinho tão baixo. 

Um murmúrio abafado pela mordaça em sua boca foi o suficiente para fazer com que Levi sorrisse, estava adorando aquilo tudo. Ver o Jaeger tão entregue e tão necessitado deixava-o duro, a ponto de acabar gozando sem se tocar e olha que nem havia se livrado de suas roupas. 

Trilhou selares castos pela pele morena, alguns chupões aqui e ali, marcas quase que imperceptíveis para que não questionassem sobre o que andaram fazendo, mas algumas mordidas em um cantinho ou outro do corpo perfeitamente esculpido foi inevitável. 

Passou novamente uma das mãos perto da virilha alheia, sentindo o quanto Eren estava molhado, gozaria com o mínimo dos toques, mas não queria isso agora. Se afastou do rapaz, caminhando até a cômoda presente no quarto que tinha alguns itens úteis para si como: camisinhas, lubrificantes e um anel peniano. Este último era recente e havia comprado a pouco tempo, Jaeger havia dito que nunca havia experimentado tal coisa e queria muito que Levi usasse algum dia isso consigo. Girando o pequeno objeto entre os dedos, sorriu ladino, voltando a caminhar até a cama, ficando entre as pernas do mais novo novamente.

Tocou o membro negligenciado, escutando o chiado baixo que Eren soltou com aquilo. Estava sensível, muito sensível. Havia o provocado apenas com alguns beijos molhados e isso foi o suficiente para acabarem onde estavam. 

A glande pingava pré-gozo abundantemente fazendo com que o Ackerman salivasse em querer provar do rapaz, mas iria se controlar, teria que se controlar. 

Moveu a destra pelo comprimento teso, mordiscando o lábio inferior a cada reação de Eren — esse garoto acabaria sendo sua perdição mais cedo ou mais tarde —, sentindo o quanto estava louco para acabar se desfazendo entre seus dedos e não demoraria muito para isso acontecer, portanto, parou o que estava fazendo ao notar o quanto o membro alheio estava molhado o suficiente para continuarem aquela brincadeirinha. O resmungo do Jaeger não demorou para ser pronunciado, evidenciando sua impaciência e sua vontade de gozar logo.

Antes de prosseguir, se curvou o suficiente para tirar a venda preta dos olhos esmeraldas de Eren, vendo este piscar algumas vezes antes de se acostumar com iluminação do quarto. Levi também lhe tirou a mordaça dos lábios cheios, limpando-lhe o canto da boca da baba que escorreu, beijando vez ou outra a tez bronzeada do rapaz. O mais novo sorriu com o feito, logo vendo o mais velho se afastar, fazendo com que aumentasse ainda mais o sorriso que tinha desenhado no rosto. Ele era muito bonito, puta merda, como isso era possível? Deveria ser um crime alguém tão belo assim existir. Todavia, cortou aquele clima todo, substituindo aquele sorriso de admiração por uma carranca ao observar que o moreno estava totalmente vestido. Aquilo era um absurdo!

— Você só pode estar brincando comigo — ralhou, franzindo a testa.

— Bom, certa forma sim — deu de ombros, voltando a brincar com o anel peniano entre os dedos. — Sabe o que é isso? — Mostrou o que tinha em mãos, fazendo o homem na cama praticamente arregalar os olhos. 

— Você com certeza está brincando comigo, não é possível, Levi — praticamente cuspiu, virando o rosto, um tanto irritado. Poxa, estava duro que nem pedra, estava louco para acabar gozando e parte dos seus problemas estariam resolvidos. 

— É assim que fala comigo agora? — Arqueou uma das sobrancelhas, arrumando a postura, voltando a tocar as coxas roliças de Eren, louco para marcá-las, principalmente por aquele desacato. — Se não me falha a memória, você insistiu que eu comprasse esse negócio e agora está nervosinho assim. Por quê?

O castanho voltou a olhar o moreno, semicerrando os olhos e querendo muito xingá-lo de um nome feio, mas conteve a língua, provável que Levi acabasse o deixando em péssimos lençóis se acabasse se rebelando daquela forma. Conteve-se apenas em dizer um “vai a merda”, fazendo o Ackerman rir. 

— Posso colocá-lo? Prometo que ficará apenas por uns minutos. Tenho outros planos enquanto fica doidinho para… — se curvou o suficiente, beijando o tronco levemente molhado de suor, sorrindo sombriamente e Eren apenas o observava fazer aquilo, arrepiando-se todo — Também estou louco para gozar, meu amor, mas irei fazer isso depois, quero deixá-lo em seu limite por enquanto. Então… Posso? 

— Só porque me chamou de “meu amor” — sorriu um tanto convencido, fazendo o homem acima de si beijá-lo na boca por breves instantes e concordar baixinho, sorrindo com a permissão de Eren. 

Voltou a tocar o membro molhado e gotejante, vendo a reação instintiva do Jaeger em fechar as pernas, mas Levi o manteve quieto, tentando descobrir qual seria o limite do rapaz, voltando a mordiscar os lábios finos ao ver o rapaz todo trêmulo e tombar a cabeça para trás, gemendo seu nome seguido de um “por favor”, todo melodioso, extremamente necessitado e um tanto alto. 

Não esperou até o castanho chegar ao seu limite, ao notar que estava molhado o suficiente colocou o anel peniano, o ajustando no membro de Eren, vendo este praticamente o xingar entre dentes por privá-lo de algo tão arrebatador. Apenas conteve-se em voltar a masturbá-lo só para vê-lo sofrendo mais um pouco e vendo sua glande inchar-se e ficar vermelha e gotejar novamente. 

— Eu te odeio, Levi… Puta merda, seu maldito… — contorceu-se Eren na cama, arqueando as costas e sentindo o quanto seu baixo ventre fisgava. O Ackerman apenas riu da cena e afastou seus toques do outro, o observando ter espasmos um atrás do outro. 

— Claro que odeia sim… — repetiu o que rapaz disse, começando a desabotoar sua camisa branca, botão por botão e de forma lenta, prendendo a atenção de Eren para si novamente. Puta merda, ainda iria enlouquecer com Levi Ackerman daquela forma. Sorrindo para ele e apenas deixando aquela peça aberta, sem ao menos tirá-la para o deleite alheio do namorado. Aquilo deixou-o frustrado, fazendo-o suspirar, só não sabia se foi de puro fogo ou pela visão que lhe fora privada — novamente. — Vamos começar isso de verdade, hm? — disse o moreno. — Vire-se. 

— Você ‘tá brincando, né? — perguntou. 

— Pareço estar brincando? — Levou as mãos ao cinto que lhe prendia a calça social e Eren acompanhava tudo, engolindo em seco. Realmente não estava brincando. — Ande, vire-se. — Falou novamente. — Ou não te faço gozar hoje — ameaçou, fazendo o rapaz prontamente se virar, mesmo que com alguma dificuldade, ouvindo-o suspirar. — Assim está melhor, prometo lhe recompensar. 

— Você está cheio das promessas hoje hein, virou pai de santo foi?

O Ackerman sentiu vontade de gargalhar alto com aquilo mas conteve-se, mas apenas se limitou em sorrir apenas para si, ajustando o travesseiro no quadril alheio, recebendo um murmúrio baixo do Jaeger, estava mais sensível que o normal. 

Retomou seu trabalho anterior de se livrar do cinto, arfando com dor entre suas pernas, mas não iria se aliviar agora, esperaria mais um pouco. Tirou o objeto de sua calça social, dobrando-o e o deixando pendendo em uma das mãos, passando a distribuir novos beijos pela pele do amante, mordendo vez ou outra de forma fraca, deixando o cinto de lado e segurando a cintura alheia com força moderada, suspirando ao venerar tal corpo, nunca havia ficado tão extasiado assim na vida! Outras pessoas que havia ficado no passado nunca havia o deixado tão louco de desejo como Eren o deixava com o mínimo do mínimo dos toques trocados entre eles. 

Tinham uma conexão inexplicável, desde que conhecera o jornalista ao ele ir entrevistá-lo em sua empresa, seus olhares se prenderam de uma forma enigmática. Foi a primeira vista, não sabia dizer muito bem o que, mas só aconteceu e agora estavam ali, juntos, e parecia que nunca mais largaria dele e também esperava que Eren também não enjoasse de si, o amava demais para isso. 

As mãos apertaram ambas as bandas da bunda do Jaeger, fazendo-o resmungar baixinho. Beijou cada uma, logo as lambeu, mordiscou causando inúmeras sensações no jornalista, fazendo com que este tombasse a cabeça para trás, estava amando cada momento de admiração do mais velho em si, que mal ligava para a dor evidente entre suas pernas. 

Fechou as mãos em punho quando enfim sentiu a boca ávida do amado trabalhar em sua entrada que pulsava por uma atenção. Achava que desfaleceria a qualquer momento com aquele toque em si. Cada célula de seu corpo gritava em alerta de que estava louco e que não aguentaria nem mais um minuto com aquela enrolação toda, entretanto, não poderia reclamar disso, afinal Levi tinha uma paciência de ferro na hora de domá-lo como ninguém e mesmo que praticamente gritasse a todos pulmões, jamais teria seu alívio. Teria que manter a mente focada em algo ou tentar agradá-lo de alguma forma, e pelo jeito que agiu minutos atrás, aquilo demoraria ainda mais.

A língua do Ackerman trabalhava em lamber e chupar cada pedacinho de pele de Eren. Enquanto suas mãos se concentravam apenas em apertar a carne da bunda do rapaz, deixando-a vermelha, do jeitinho que gostava.

— Eren, você se importaria se eu marcasse sua bunda com alguns tapas? — murmurou a certa altura, afastando a boca por breves instantes da entrada que pulsava.

— Eu não me importaria se não tivesse a droga de um anel no meu pau, me impedindo de gozar! — disse em um tom alto e irritado, fazendo Levi achar graça daquilo e apertar novamente a carne farta à sua disposição. — Eu não estou achando a menor graça, Levi, essa droga dói e sinto que vou desfalecer quando tirar isso. 

— Você quer que eu tire? 

O rapaz fechou a boca na hora. Ele queria que tirasse? Por mais que fosse um tanto incômodo não gozar por um bom tempo, era até que um tanto satisfatório ver o quanto o Ackerman se preocupava consigo até em uns momentos como aquele.

— Não, deixe isso mais um pouco e… — olhou o baixinho por cima do ombro. — Pode fazer o que quiser com a minha bunda agora — sorriu ladino, sendo recompensado de mesma forma.

— Olhe para a frente. 

Mesmo que um tanto contrariado com aquela nova ordem, acatou, mas ficou tentado em perguntar o motivo.

— O que você… 

Não teve tempo para sanar qualquer dúvida que lhe rondou a mente, pois assim que estava se preparando para o que quer que fosse dali para a frente, sentiu o primeiro tapa forte contra uma de suas nádegas. Apertou os olhos, sentindo uma vontade enorme de xingar o homem atrás de si, mas ele ouviu — vagamente — quando o moreno disse algo como "irei começar".

Foi o primeiro tapa de muitos. Todos fortes e ardidos. O Ackerman tinha a mão pesada apesar dela ser mediana, totalmente proporcional ao seu corpo. Tinha um metro e sessenta, não havia motivos para ter as mãos absurdamente grandes.

Apertou as mãos que permanecia amarradas atrás de seu corpo, sentindo o quanto estava sensível e extremamente submisso àquela situação, poderia ter um orgasmo facilmente com aquilo.

Apertou os lábios entre os dentes, sentindo seu membro pulsar entre as pernas roliças, doido para se tocar e se desfazer por longos e prazerosos minutos. Sua cabeça já estava se nublando de tanto prazer acumulado. Nem se dera conta quando praticamente chorava de prazer e aquelas marcas só o deixava ainda mais fora de si.

— Levi, por favor, me deixa gozar, por favor, por favor… — implorou com a voz rouca, não aguentando mais aquela tortura toda consigo.

O moreno nada disse, apenas desamarrou-lhe os pulsos já doloridos, fazendo o castanho suspirar em alívio, logo o virando para si, tirando o anel que prendia-lhe o orgasmo arrebatador que tanto queria alcançar. Foi uma questão de segundos para que o Jaeger se desfizesse em jatos fortes, chamando pelo mais velho e sentindo o corpo ainda mais quente que o normal.

Estava tomado por uma luxúria sem igual e só cessaria quando o Ackerman finalmente o fodesse e nada mais que isso.

Quando finalmente se acalmou do primeiro torpor que lhe tomou, abriu os olhos vagarosamente, fitando o baixinho que permanecia de roupas e sexy demais para sua sanidade mental.

— Você é um desgraçado — não conseguiu evitar de xingá-lo, levantando-se de onde estava e indo até o mais velho, agarrando-lhe um lado da camisa, afastando-a e vendo o peitoral forte que tanto lhe deixava sem ar. — E é por isso que gosto tanto de você. 

Dedilhou o pedaço de pele à mostra, beijando um ponto ou outro, escutando Levi suspirar baixo com aquilo. Nunca pensou que chegariam a tanto. O mais velho era preso em seu próprio mundo, com seus gostos peculiares e sua altura não comprometia a nada, era apenas um detalhe mínimo e nada mais.

Ergueu o tronco suficientemente para agarrar os fios escuros de Levi e aproximar as bocas. Estava necessitado daquele beijo, o beijo dele e nenhum outro satisfaria aquilo se não fosse o Ackerman.

As línguas se entrelaçavam em uma bagunça sem igual, fazendo com que barulhos eróticos fosse escutado por todo o quarto. Jamais se cansaria daqueles lábios, jamais se sentiria tão amado como Levi o amava, jamais se enjoaria dele, não havia outro no mundo que o domava como o CEO fazia. Era algo sem igual e não havia preço, havia cedido aos encantos e o que lhe restava era que continuassem daquela forma, daquele jeitinho que só eles entendiam e compreendiam.

Afastou seus lábios dos finos inchados do Ackerman, suspirando ao vê-lo tão bagunçado quanto ele. Adorava deixá-lo assim e mesmo com todas aquelas roupas — o que achava era desnecessário naquele momento —, ainda o achava maravilhoso.

Desceu o olhar pelo tronco alheio já molhado de suor, logo parando no que lhe interessava. Olhou novamente o rosto coberto por uma seriedade sem igual, fazendo-o tremer.

— Eu posso chupá-lo, Levi? — perguntou com a voz carregada de rouquidão e um tanto desejosa. 

— Fique a vontade — disse apenas e se sentou em suas panturrilhas, deixando Eren fazer o que bem quisesse consigo.

O rapaz apenas sorriu com aquilo e deslizou os dedinhos atrevidos pela pele alva, arranhando vez ou outra com as unhas curtas, parando no botão da calça, tirando-o da casa e descendo o zíper. Com um pedido de cabeça, pediu a Levi para se levantar apenas para abaixar aquela peça, o suficiente para colocar o membro teso do Ackerman para fora daquelas peças incômodas para si. Não entendia por qual razão o baixinho insistia em ficar de roupas em um momento como aquele, talvez para exalar mais superioridade que já tinha. Resolveu por não dar importância para aquilo no momento, apenas se manteve concentrado na tarefa que tinha à frente. 

Os primeiros movimentos de vai e vem foram o suficiente para arrancar alguns suspiros pesados do mais velho, aquilo inflava seu ego sem igual. Passou a língua entre seus lábios já um pouco ressecados, mordendo vez ou outra o lábio inferior com o membro pulsante a sua disposição. Praticamente ficou de quatro na cama já bagunçada de casal, tomando o falo molhado com fome, querendo logo acolhê-lo em sua boca até a garganta, puxando o ar para que não causasse estragos. Levi desistiu de ficar sentado sobre suas panturrilhas e arrumou a postura o suficiente para não incomodar Eren e nem a si. Enquanto uma de suas mãos segurava o lençol que cobria a cama, a outra se ocupava em segurar os fios castanhos entre seus dedos, enquanto que de seus lábios saía apenas suspiros pesados. 

A língua ávida de Eren fazia um ótimo trabalho, se não o melhor em si. Cada pedacinho de seu corpo clamava pelo rapaz continuar aquela sucção gostosa em seu membro duro. Tremia da cabeça aos pés toda vez que ele movia aquela boca em sua extensão, deixando o babado como sempre fazia. Ah… Realmente não havia outro como ele e se tivesse jamais ousaria trocar o jornalista.

Os dedos do Ackerman puxaram os fios castanhos ao Eren engoli-lo com tudo, fazendo-o contrair a barriga e gemer alto com o ato. Sentiu vontade de xingá-lo, mas conteve-se, estava tão perto de atingir seu ápice que mais uma daquelas investidas e não aguentaria uma nova. Puxou o ar quando sentiu uma das mãos atrevidas tocar-lhe os testículos e não conteve-se ao agarrar os cabelos com força, acabando por se desfazer sem aviso prévio, e provavelmente o castanho o xingaria por aquilo, mas ele havia o tentado a tal ponto que acabou por não se segurar. 

Quando o Jaeger sentiu jatos fortes preencher-lhe a boca gulosa, não evitou em fitar satisfeito em testar os limites — mesmo que não de mesma forma que Levi havia feito consigo —, e também não evitou de ficar irritado por não tê-lo avisado sobre aquilo, mas já o conhecia como a palma de suas mãos, qualquer mínimo dos toques em sua bunda ou em suas bolas o deixaria extasiado a ponto de nem conseguir se controlar e foi isso que aconteceu. 

Levantou o olhar para o mais velho, sorrindo internamente com o feito, vendo-o tão destruído quanto ele próprio que nem se importou de ele ter lhe avisado ou não que gozaria, portanto que ele tenha lhe dado um pouco de sua porra já era o suficiente. Tirou o membro da boca fazendo um pequeno “ploc” no processo, fazendo o Ackerman prender o ar com ato. Realmente Eren Jaeger ainda seria sua perdição. 

O mais novo passou novamente língua afiada por entre os lábios, prendendo a atenção do CEO em si, fazendo com que respirasse pesado, parecia até que teria um ataque cardíaco a qualquer momento. Deveria se preocupar? 

Tocou o rosto já molhado pelo suor, não se importando nem um pouco com isso e beijando os lábios finos brevemente. Uma, duas, três vezes ficou naquilo de beijá-lo superficialmente na boca, deixando-o instigado para acabarem logo com aquilo e se entregarem para a próxima etapa, como queriam desde que começaram aquela coisa toda, mas não fizeram, apenas se contiveram em se beijarem, cheio de toques nada castos pelos corpos um do outro, aproveitando cada momento que tinham juntos. Todavia, não durou muito e foi a vez de Eren deixar Levi na vontade, sorrindo maldosamente com o feito. Apenas lhe deixou um mordida nos lábios finos e se afastou. 

— Eu já lhe dei muitos agrados hoje, não acha? — questionou enquanto se deitava na cama, com os cotovelos apoiados, deixando com que o mais velho apenas visse tudo que ele tinha para si de todos os modos e maneiras inimagináveis, e concordasse com o que o mais novo dissera. Era incrível o quanto caía aos seus pés com apenas algumas palavras, jamais se arrependeria disso, apenas acatava. Era uma troca justa, ambos eram de si próprios e nenhum saía perdendo. — Você poderia me agradar um pouquinho usando essa sua boca para… — Um dos pés de Eren subiu por uma das coxas parcialmente coberta pelo tecido das roupas que insistia em usar. — Você sabe, querido — mordiscou o lábio, sorrindo prepotente. 

— Como quer? 

O Jaeger sentiu seu ego inflar mais um pouco com a pergunta do outro, então apenas afastou seu pé do corpo alheio, o chamando para si com o indicador, vendo ele prontamente acatar e ficar por cima de si com aquela respiração pesada, o que sempre lhe deixava louco. 

— Quero que seja intenso — disse firme e rouco, causando inúmeras sensações no Ackerman, sorrindo novamente com o que lhe causava com tão pouco. — Você me fez usar aquele negócio preso no meu pau, Levi, o mínimo que pode fazer agora é me fazer gozar nessa boquinha bonita — guiou uma de suas mãos para o rosto do rapaz, apertando-lhe as bochechas sem muita força, enquanto suas pernas cruzavam-se na cintura fina. — Quero domá-lo um pouquinho, já que me deixou segurando prazer por tempo demais. Consegue fazer isso, meu bem? 

O moreno apenas arfou pesado, por mais que tivessem aquelas brincadeiras entre si, nenhuma era tão gostosa quanto a que Eren o deixava em suas mãos, faltava pouco para acabar beijando-lhe os pés. 

Suspirando de forma pesada com aqueles olhos verdes intensos contra os seus cinzas, concordou em um aceno de cabeça, fazendo o Jaeger sorrir largo e soltá-lo, deixando-o livre para fazer o que bem quisesse. 

Não precisou esperar muito para que fosse beijado na boca por alguns segundos, mas logo isso passou, deixando com que ficasse com vontade de repetir o breve beijo — se é que poderia chamá-lo de beijo, já que foi apenas algo rápido, sentiu-se frustrado —, todavia, não focou naquilo e apenas seguiu o que o homem fazia em si, ou seja, um verdadeiro estrago. Desde beijos e novas mordidas aqui e ali por seu corpo, foi o suficiente para segurar os fios escuros e os puxar com força entre seus dedos. 

Os lábios finos tomou um de seus mamilos na boca, chupando e mordendo até que ficassem sensíveis o suficiente. Levi era daquele jeito desde que o conheceu. Intenso em tudo. 

O mais velho só largou o mamilo de Eren quando este estava durinho o suficiente em sua língua. Fez o mesmo processo com o outro, enquanto uma de suas mãos passava a trabalhar no membro negligenciado do Jaeger, fazendo-o suspirar e tombar a cabeça para trás vez ou outra, chamando o nome do CEO com a voz carregada de desejo.

Assim que ambos os mamilos estavam intumescidos o suficiente, parou de dar atenção à eles, começando assim a trilhar selares pela barriga, deixando uma marquinha ou outra no caminho, guiando-se enfim ao membro já novamente duro em sua destra. Salivou com a cena e se deletou nela mais ainda quando passou a apertar levemente a glande inchada, que vazava a cada movimento de sua mão. Aquilo fez com que passasse a língua entre os lábios e se curvar, assoprando o pedaço de carne sensível.

— Qual é? — Resmungou Eren, sentindo as pernas voltarem a tremer e seu baixo ventre fisgar em imediato ao ato feito.

O Ackerman apenas sorriu para si e logo colocou a língua para fora, a passando pela fenda molhada, sentindo o corpo do mais novo vibrar sobre si. 

Arrumou as pernas de Eren em seus ombros, colocando o membro duro dentro da boca todo de uma vez. Aquilo fez o Jaeger arquear as costas, tentando reprimir o gemido alto que lhe rasgava a garganta para ser proferido a qualquer momento. Sentiu muita vontade de xingar o mais velho por isso. Por mais que tenha sido gostoso sentir seu pau ser acolhido por aquela cavidade quentinha e pequena, ainda estava sensível.

Moveu a cabeça em um vai e vem lento, deixando a sanidade do mais novo a beira de um precipício. Sentia as pernas dele tremer em seus ombros e corpo reagir a cada movimento seu e isso que nem haviam chegado aos finalmentes ainda.

Brincava com a língua ao redor da extensão alheia, sentindo o rapaz crescer em sua boca, inchando e lhe deixando quase que sem ar, mas estava tão acostumado em acolhê-lo até a garganta que nem se preocupava mais. 

Enquanto sua boca se empenhava em acolher todo o membro teso a sua disposição, uma das mãos segurava firmemente o quadril de Eren, enquanto a outra vagueava para tentar apertar as nádegas durinhas do castanho, fazendo com que este levasse uma de suas mãos a boca e a mordesse nas costas, tentando reprimir o prazer que estava sentindo. 

Não demorou muito para que Levi tirasse seu membro da boca e apenas o lambesse superficialmente, logo passando a dar atenção aos seus testículos, colocando um na boca e o chupando, logo em seguida fazendo o mesmo processo com o outro. Eren chegaria ao limite rapidinho se o mais velho continuasse aquilo.

Sentiu um aperto não muito forte em seu membro, não conseguindo segurar o gemido de prazer que aquilo lhe causou. Sentia seus olhos se encherem d'água novamente e tudo porque estava se aproximando de limite de novo.

Seu corpo por muito pouco não entrou em um estado de torpor total quando sentiu um dos dedos de Levi resvalharem a entrada de sua bunda. Estava tão molhada que nem precisaria de um lubrificante. 

O mais velho ignorou totalmente o membro duro, passando assim a tirar as pernas de Eren de seus ombros e as erguer, deixando o rapaz totalmente exposto para si. O Jaeger já havia passado por aquilo várias vezes, mas nunca deixaria de ficar envergonhado com algo assim.

Um dos dedos do Ackerman começou a trabalhar na cavidade apertada, sentindo o quanto ela se contraia. Adicionou um segundo com cuidado, beijando vez ou outra uma das coxas de Eren, vendo este tomado pelo prazer e vermelho com a cena. Iria até perguntar se deveria continuar com aquilo, mas o rapaz, como se lesse seus pensamentos, murmurou de forma baixa e rouca um "continue", fazendo assim com que continuasse com os movimentos de vai e vem. 

Não soube dizer por quanto tempo torturou o rapaz daquela forma, mas ao curvar seus dígitos no interior alheio, um grito alto e esganiçado fora proferido pelo mais novo. Não poderia estar mais satisfeito. Colocou um novo dedo, os movendo agora com rapidez, vendo o corpo do garoto tremer na cama. Estava quase alcançando seu limite novamente e o daria com gosto.

Tomando novamente o membro de Eren na boca, passou a mover a cabeça de forma rápida, sentindo-o pulsar em seus lábios e contrair seus dedos. Continuou até Eren estar totalmente extasiado e não demorou muito para que isso acontecesse, pois assim que encontrou seu ponto doce, o Jaeger contraiu a barriga e se remexeu na cama de forma violenta, tomado por um orgasmo sem igual, desfazendo-se em jatos fortes na boca do Ackerman e praticamente chorando de prazer com aquilo.

O moreno tirou os dígitos da entrada que ainda contraia pelo ápice alcançado, espalmando-os na cama, esperando o jornalista se recuperar do momento. 

Sua respiração estava descompensada e sua vista nublada, mas não estava arrependido de ter pedido que Levi o tomasse de forma tão intensa e foi simplesmente maravilhosa a sensação!

Respirando fundo e apertando as pálpebras, tentou se recuperar daquela enxurrada de sensações para finalmente chegarem onde realmente queria. 

Levantou o tronco com dificuldade e levou as mãos aos fios castanhos já bagunçados, puxando-os levemente entre seus dedos. Estava tentando processar tudo e com aquele homem à sua frente, ficaria difícil pensar em alguma coisa.

— Foi muito intenso para você? — Se aproximou com cautela do rapaz, tocando a mão livre e entrelaçando seus dedos aos dele.

— Na verdade, foi maravilhoso. Eu só estou tentando processar tudo. Parece que deu pane no meu cérebro por um momento — apertou levemente seus dedos aos do amante, sorrindo com aquilo. 

— Eu espero que seja algo bom — disse Levi, sorrindo também só que um tanto sem graça. 

— É algo bom, meu bem, eu só preciso me recuperar e nada mais.

Soltou ambas as mãos, passando seus braços ao redor do pescoço alheio, sendo segurado prontamente e isso fez com que desse vários beijos pelo rosto do mais velho, fazendo-o rir com o feito.

Moveu o quadril levemente no colo alheio, notando o quanto Levi estava duro novamente, queria poder saciá-lo, mas queria que fosse algo tão intenso quanto foi para si. 

— Agora você deixaria eu sentar em você? É que você está tão duro aqui embaixo que está me deixando com vontade de ficar cheio — disse como se não quisesse nada, movendo a bunda farta contra o falo duro abaixo de si, o fazendo suspirar vez ou outra.

— Cheio de que maneira? 

O Jaeger sorriu um tanto pervertido com a pergunta do mais velho, fazendo com que mordesse o inferior pensando em como o responderia. 

— Talvez você colocando tudo em mim, tudo mesmo e me deixasse cheio de… 

Deixou a frase no ar, passando a beijar o ombro do baixinho e o mordendo vez ou outra, que nem ele fez consigo, fazendo com que suspirasse com o ato.

— Se você quiser, é claro, posso te encher do que você quiser. É só dizer, meu bem.

— Eu prefiro fazer do que dizer, você me conhece, Levi.

Aquela resposta fora suficiente para fazer o Ackerman rir e concordar. Realmente Eren Jaeger era mais de atitudes do que de palavras, o que fazia sempre as coisas darem certo entre eles.

Sentiu a mão do rapaz em seu membro e teve que se arrumar na cama para segurá-lo na cintura enquanto fazia aquilo, gemendo pesado ao sentir sua ponta resvalar a entrada alheia, logo entrando aos poucos, foi o tempo de respirar e Eren sentou com tudo em si. Teve vontade de gritar com aquilo, mas não o fez, apenas apertou a cintura delgada, vendo a expressão tomada pelo prazer do garoto.

Já Jaeger teve uma enorme vontade de xingar Levi por ser tão grande para tão pouca altura, mas não o fez. Apoiou a cabeça no ombro do mais velho e respirou fundo, se acostumando com a sensação. Não importava quantas vezes fizessem aquilo, jamais se acostumaria com o tamanho de Levi.

Foi apenas uma questão de tempo para começar os primeiros movimentos, de forma lenta e tortuosa para ambos os lados, sorrindo internamente satisfeito com aquilo. O Ackerman agarrou-lhe a bunda, apenas o ajudando a se mover.

Os lábios cheinhos de Eren voltaram a marcar a tez bonita do mais baixo, em uma confusão de cores que ele próprio havia feito, deixando-o profundamente satisfeito com isso, enquanto permanecia em seu próprio ritmo no colo do moreno. 

Passou a mordiscar levemente o pescoço já levemente manchado por seus beijos, passando depois a raspar os dentes mais para cima ao alcançar o lóbulo, o puxando de leve, fazendo o mais velho entre eles arfar baixo e apertar a bunda de Eren em reflexo, fazendo com que ele arfasse com aquilo, movendo o quadril em um ritmo mais avançado, alcançando seu próprio prazer sozinho, sentindo cada cantinho de seu corpo corresponder ao mais velho. 

Chupou o lóbulo alheio, o soltando instantes depois, colocando suas mãos nos ombros largos do Ackerman, pegando mais impulso ao se mover, gemendo a cada movimento que seu quadril fazia, suspirando quando a ponta resvalava seu ponto doce, fazendo-o ver estrelas e gemer. 

Tombou a cabeça para frente, colocando-a na curvatura do pescoço de Levi, parando aos poucos seus próprios movimentos e aproximando sua boca da orelha do mais velho, sussurrando um “pode ir” um tanto rouco e baixo, fazendo com que Levi se arrepiasse e concordasse. 

Tirou o rapaz de seu colo, colocando ele na cama mas o virando, o deixando de quatro na cama, tendo seus movimentos sendo seguidos pelos olhos esmeraldas do garoto, o deixando mais excitado a cada minuto que se arrastava, fazendo com que mordesse os lábios em expectativa para o que estava por vir. 

Virou o rosto para a frente assim que percebeu que o mais velho estava pronto para continuarem, quase gritando com a investida certeira que sentiu ao ser penetrado de uma vez, fazendo suas pernas ficarem bambas com o ato. Sentiu o quadril delgado ser segurado com certa posse e não pode ficar mais satisfeito com aquilo porque não demorou muito para Levi começar a investir o quadril contra o seu, fazendo com que escutasse os barulhos molhados e eróticos do que estavam aprontando. 

Apertou o lençol já bagunçado na cama, chamando pelo mais velho a cada estocada funda em sua bunda, as vezes até era agraciada com uns apertos em uma de suas nádegas, o fazendo babar em cada movimento. 

As unhas curtas do CEO foram sentidas em suas costas, fazendo Eren contrair seus músculos, mas não parou por aí. Sentiu os dedos embrenharem em seus fios castanhos e os puxando com certa força, aquilo fez o rapaz arquear as costas e formar um “O” perfeito com a boquinha já maltratada de tantos beijos. Ergueu o tronco e encostou ao peito ainda revestido pela camisa aberta de Levi, mas aquela posição o fazia sentir o moreno mais fundo em si. Virou o rosto apenas para encarar o CEO e este trincar o maxilar, impulsionando o quadril e investindo com a força que conseguia, deixando o mais novo entre eles salivando e apertando os olhos já molhados pelas lágrimas de prazer que aquilo estava lhe causando. 

O Jaeger colocou a cabeça no ombro de Levi, gemendo em alto e bom som a cada estocada em seu interior e não precisou tocar seu membro molhado para conseguir alcançar um novo ápice, apertando os olhos com a sua sensibilidade evidente, chamando o nome de Levi. Estava exausto já depois de tudo que fizeram naquela cama, não aguentaria por muito mais tempo.

— Estou quase… — murmurou o mais velho contra orelha do castanho, o fazendo se arrepiar involuntariamente, arfando e suspirando com todo o estímulo contínuo em seu corpo.

— E-eu quero dentro… — pediu quase em um fio de voz, virando o rosto, encontrando a face séria de Levi e gemendo baixinho, capturando os lábios finos, o ajudando a alcançar seu próprio prazer, movendo seu quadril como podia.

O Ackerman não precisou de muito mais do que cinco estocadas para acabar se desfazendo em monte, preenchendo Eren com sua porra e soltá-lo do ósculo apenas para respirar fundo por aquele orgasmo arrebatador. 

Ao Eren apoiar novamente sua cabeça no ombro alheio, Levi aproveitou para fazer o mesmo, apoiando sua testa no ombro molhado do jornalista, puxando o ar algumas vezes, tentando voltar a sua realidade. Estava tão exausto quanto o castanho, se tomasse um banho e colocasse uma roupa limpa, cairia na cama quase dormindo porque estava morrendo de cansaço. Com isso em mente desgrudou sua testa da pele alheia e fitou o mais novo, vendo este olhá-lo no mesmo instante, com aqueles olhos verdes que tanto gostava. 

— Que tal um banho? — disseram juntos, os fazendo rir em seguida. 

— Eu topo — tornou a falar Eren, continuando com o sorriso desenhado na face molhada pelo esforço. — Vai você primeiro, depois eu vou. 

— Não quer ir comigo? — questionou com uma falsa tristeza, fazendo um pequeno bico, o que fez Eren rolar o olhos e voltar a rir. 

— Não, vamos acabar cometendo algo impróprio naquele box. Vai você primeiro e logo em seguida eu irei. Irei pedir também algo para comermos, me deu uma fome… — murmurou sem segundas intenções, disse apenas por dizer, mas Levi não pode deixar de aproveitar aquela deixa.

— Não está cheio o suficiente não? 

— Vai se foder! — lhe deu um leve tapa no ombro, vendo a careta que o baixinho fizera com aquilo, o fazendo rir. — Vai logo tomar seu banho, Levi, para de graça ou eu irei primeiro e ainda te deixo no sofá da sala.

— Mas o apartamento é meu! 

O mais novo semicerrou os olhos e aquilo foi motivo suficiente para Levi concordar em ir logo para o banho, deixando o castanho no quarto, se aproximando da cômoda que tinha no quarto que nem um tartaruga e ligando para a recepção, pedindo jantar ou um lanche. Precisava repor suas energias.

Levantou um tanto cambaleante pelo trato que teve na noite e sorriu satisfeito. Caminhou de forma lenta pelo quarto, procurando por um dos robes que ficava naquela casa, achando um cinza de seu tamanho, provavelmente era dele, mas estava tão exausto que nem se importou se era mesmo ou não. 

Escutou a campainha tocar e foi receber a entrega que pediu após pegar sua carteira na cômoda, perto do celular, pagando e agradecendo pela ajuda. Deixou ela na bancada da cozinha e seguiu para o quarto, onde encontrou um Levi apenas de roupão azul marinho e cabelos molhados, ou seja, definição de perfeição para si. Se ficasse admirando mais um pouco, acabariam de novo na cama, só que apenas em uns amassos.

Se aproximou de Levi, o rodeando a cintura e beijando-lhe os fios escuros, logo descendo por sua testa, depois sua bochecha e por último um selar breve nos lábios ainda levemente inchados pelos beijos que trocaram.

— Tem lanche na bancada. Irei tomar um banho e depois comemos, mas se quiser ir agora… — deixou a frase no ar, vendo a cara feia que o CEO fez com aquilo. 

— Irei esperá-lo — afirmou, dando-lhe um beijo breve nos lábios cheinhos e sorrindo para si.

— Está bem — disse também com um sorriso carregado nos lábios, agradecido por aquela demonstração de Levi para consigo.

O Jaeger se mandou para o banheiro e só saiu de lá após uns longos dez minutos. Ele precisava se limpar muito e também relaxar com a água quente do chuveiro, então acabou por demorar mais do que o esperado. 

Quando saiu, colocou um roupão semelhante ao do Ackerman, mas só que branco, seguindo para a cozinha e vendo Levi preparar alguma coisa no liquidificador, provavelmente suco. Se sentou em um dos bancos altos e esperou o baixinho acompanhá-lo para comerem juntos e isso foi possível após alguns minutos.

Apreciaram a refeição um com o outro como se não houvesse amanhã. Conversa aqui, um beijinho ali, uma mão boba acolá e algumas risadas altas entre si para incrementar a relação que já era boa por natureza.

Não importava o quanto fossem intensos na hora do sexo, depois dele eram ainda melhor como um bom casal.


Notas Finais


Gostaram? Odiaram? Qualquer coisa só me dizer ai nos comentários, lerei todos com muito amor e carinho viu? -u-

Enfim, é isso, meus amores, em breve publicarei um jornal em meu perfil pessoal falando sobre meu sumiço com algumas atualizações aí, então, por favor, não me apressem! Logo, logo me explicarei.

É isso, até uma próxima, pimpolhos. -u- <33


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...