História International Love History - Capítulo 59


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Atlantys Fanfics, Bangtan Boys, Bts, Chim Chim, Ilh, Jimin, Longfic, Park Jimin, Romance
Visualizações 751
Palavras 7.636
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá! Gostaria de avisar que o capítulo foi reescrito!
Está maior, e quem já sabe o que acontece, pode crer que estará pior do que vocês já conhecem. Boa leitura!

Capítulo 59 - Jas, I'm your daddy


Fanfic / Fanfiction International Love History - Capítulo 59 - Jas, I'm your daddy

       Perplexa, eu simplesmente fiquei sem fala ao vê-lo ali. Jimin estava novamente cara a cara comigo e só de vê-lo ali em minha frente, eu sequer consegui ter qualquer reação positiva com o encontro. Do mesmo jeito que ele tratou a mim e sua filha como meras fãs, nesse momento eu o tratei como uma pessoa qualquer – e nem foi de propósito.

      Ficamos um de frente ao outro por um tempo e o choque foi tão grande que nenhuma das partes teve reações. Eu o fitei dos pés a cabeça quando ele fez o mesmo. Porém, ele pareceu ter sentido algo bom que o impediu de se mover – já eu, senti uma indiferença sem tamanho.

      E nesse momento, quando me viu por inteira ao abrir a porta, apressou-se e me agarrou com um abraço. Mas não foi um simples abraço... Jimin me apertou forte como se morresse de saudades e como se tivesse morrendo de vontade de fazer aquilo. Ele parecia trêmulo e pareceu sincero com seu carinho – por mais que isso fosse estranho pra mim.

      Ele me abraçou e grudou nossos corpos. Fechou a porta com o pé e simplesmente não me soltou por nada. E foi assim que ele começou a fazer isso, que desabafou falando tudo que eu sempre quis ouvir dele durante aquele tempo – mas que agora, não era muito necessário.

      – Eu não acredito que você está aqui! Como isso aconteceu? Eu não acredito! Não posso acreditar que estamos juntos novamente! Que saudade! Que saudade, meu amor! – Ele continuou comigo em seus braços e pela sua voz trêmula, notei que ele estava perto de chorar. – Olhe só pra você, tão linda como sempre! Seu cabelo está enorme! Seus olhos estão tão brilhantes como sempre e... Oh, puxa vida, que saudade! Não sabe o quanto eu esperei por isso, amor! Eu não posso acreditar que você está aqui! Eu te amo tanto... Eu te amo tanto que sequer consegui conter minha ansiedade para vê-la novamente!

      – Como você é capaz de mentir tanto olhando em meus olhos? Como você consegue dizer isso tudo com a maior naturalidade? Eu não posso acreditar que depois de tudo você vem com a maior cara de sínico pra mim como se nada tivesse acontecido! Você é um mentiroso! Não cumpriu o que prometeu! Como se atreve a falar sobre esse amor que alega ter por mim? Como acha que posso acreditar?

      – Eu entendo seus motivos para pensar isso sobre mim, mas eu vou te explicar tudo! Temos tempo e assim você vai saber sobre tudo, jagi! Eu vou te explicar tudo e você vai me entender! Vai ver o quanto tudo isso é incrível! – Ele parecia animado. – Não me zango por pensar isso de mim, apenas quero ter a oportunidade de te explicar! Meus motivos foram muitos e muitas coisas aconteceram, mas eu vou...  

      – Não preciso de suas explicações! Eu não preciso de nada que venha de você! Aliás, ainda bem que é assim! Pois se eu precisasse, morreria de tanta necessidade! Eu não tenho interesse em saber o que houve! Tudo já está muito claro e quanto a isso o quanto menos eu souber sobre tudo, melhor eu vou me sentir!

      – Mas eu irei explicar! Eu irei falar tudo mesmo que não tenha interesse! – Insistiu. – Você precisa saber de tudo, porém hoje não... Eu tenho pouco tempo e só resolvi aparecer para que você veja que está com pensamentos errados sobre mim! Eu não mudei! Consegue entender isso? Eu ainda sou o mesmo de sempre! As coisas aconteceram rápida e intensamente, tudo foi uma loucura, mas mesmo assim eu posso te convencer de que eu ainda guardo sentimentos e esperanças para o nosso futuro! Tudo ainda existe em mim, jagi! É verdade! Eu preciso que acredite!

      – E você continua mentindo! Até quando se comportará assim? Pelo amor de Deus, você continua fingindo que nada aconteceu! Foram dois anos, Jimin! Dois anos! Você esteve nos Estados Unidos e não me telefonou! Você esteve grudado comigo praticamente, e nem sequer apareceu para dizer que estava bem! E agora, vem me dizer que não mudou! Eu não acredito nisso! Você é um infeliz que tanto me fez sofrer e agora vem querendo mudar tudo! Mas quer saber? Pra mim tudo está muito claro! E você, não vai me enganar outra vez!

      – Calma! Por favor, se acalme! Não há necessidade disso! Veja só o que você está falando! Vai acabar se arrependendo depois e isso não tem volta! Por favor, procure me entender! Eu posso explicar um pouco de tudo agora mesmo se quiser! Mas por favor, acalme-se e não tenha pensamentos errados!

      – Pensamentos errados? É sério isso? Você mentiu pra mim! Você me enganou! Prometeu e não cumpriu! Eu vim atrás de você de tão longe e agora eu descubro essa desgraça! Quer saber? Eu me arrependo muito de ter vindo! Era melhor ter ficado sem notícias do que ter descoberto tudo isso agora sobre você! Eu ainda não posso acreditar que você foi capaz disso tudo! Não posso acreditar no que está acontecendo!

      – Tenha calma, por favor! Eu terei um tempo para explicar tudo, mas por agora eu estou muito atarefado! Eu não tenho muitos minutos esta noite e preciso ser rápido, então... Por favor, me deixe ver minha filha!

      – Sua filha? Agora ela existe pra você? Por que não a acolheu no dia em que a viu? Por que não se comportou diferente? Você a ignorou por completo e isso me deixou com um ódio sem tamanho!

      – Eu prometo te contar tudo assim que der, mas por favor, ao menos deixe que eu fale com minha filha! É tudo que eu te peço! Eu não tenho tempo!

      – Não! A filha é minha! Nem pense em se aproximar dela, porque agora quem não quer sou eu! Eu não quero! Eu vi como foi indiferente com a minha princesa e sendo assim penso que não merece estar com ela!

      – Eu sequer posso aguentar de tanta ansiedade para tê-la em meus braços assim como tive você agora! Por favor, deixe-me ver Jasmin! Ela precisa saber que eu sou o pai dela e precisa saber que eu estou aqui e sempre estarei! – Ele sorria mesmo com minhas acusações, parecia que nem isso poderia acabar com sua felicidade.

      – Está aqui por ela? Quem está aqui por ela sou eu! Eu saí do meu maldito país pra vim atrás de você e é isso que eu recebo! Se fizesse comigo eu simplesmente não ligaria depois de tanta decepção, mas você fez com ela! Ela não tem culpa! Não merecia ter sido ignorada! Você a deixou de lado ao saber de tudo e agora vem querer ser o pai do ano?

      – Deixe-me vê-la! Pelo amor de Deus, eu só te peço isso! Não causarei problemas e não farei nada que você não permita!

      – Você não sabe o quanto estou arrependida de ter te informado onde estávamos! Não sabe o desgosto que isso me causa!

      – Só o que eu quero é vê-la! Por favor, deixe-me ver minha pequena! Eu sequer consegui dormir nas noites seguintes ao dia que te vi! Eu só penso em vocês o tempo todo e eu... Oh, por favor! Deixe-me vê-la! Por favor, meu amor! Por favor! – Ele implorou com as mãos juntas.

      Não, eu não tinha a intenção de deixar. Jimin havia destratado sua própria filha dias antes e nesse momento ele já sabia quem ela era. Foi tudo intencional e isso me fez ter raiva dele. E agora queria bancar o arrependido querendo vê-la? Mas é claro que não!

      Eu não tinha a intenção de deixar isso acontecer. Um ódio de minha parte por ele me fez querer expulsá-lo de minha casa naquele momento. Ele soava falso, mesmo com minhas acusações ele sorria animado e isso me tirou do sério.

      Sim, pensei em pedir que ele fosse embora nesse momento. Pensei que eu não queria ele por perto depois de tudo e aquela decepção já tinha me bastado. Porém, isso era o que eu achava. Isso tudo era sobre mim, mas como falei no vídeo, eu tinha ido por Jasmin. Eu disse que se ele quisesse vê-la, ele poderia, e em seguida eu passei o endereço. Sendo assim...

      – Eu exijo que vá embora depois de vê-la. – Falei. – Você vai embora e não vai voltar mais! Está me ouvindo? Vou deixar que a veja, mas essa será a última vez que você se aproxima! Ela nunca precisou de você e não é agora que irá precisar!

      – Você pode dizer o que quiser, mas eu não vou desistir! Chame-me do que for, mas ao menos deixe que eu veja minha pequena! Me odeie se é o que quer, mas por favor... Deixa eu ver Jasmin! – Implorou.

      – Prometa! Jure que vai embora logo depois! – Fui firme.

      – Faço o que quiser! Tudo que quiser! – Disse ele.

      – Ótimo! – Eu disse, indo na frente em direção ao quarto. – Venha! É por aqui!

      Ainda com a mamadeira de Jasmin na mão, eu abri a porta do quarto e ao entrar, eu abri espaço para Jimin fazer o mesmo – por mais que isso me contrariasse muito. Já sem aquela máscara e sem os óculos que ele usou para não ser reconhecido na rua, ele entrou no quarto e ao ver Jasmin dormindo no meio da minha cama, só o que ele fez foi chorar parado no mesmo lugar.

      Jasmin estava ali diante de nós, dormindo de lado e tendo suas bochechas amassadas pelo travesseiro. Eu estava entre os dois, apenas observando aquele encontro e Jimin... Ficou completamente paralisado. Tampou seu rosto com as mãos como sempre fazia ao chorar e assim ficou por um tempo, até que caminhou até a cama e deitou-se brevemente ao lado de Jasmin.

      Ainda chorando de soluçar, ele arrumou a pequena franja dela, acariciou seu rosto e por fim... Pegou sua pequenina mão direita. Em meio as lágrimas ele sorriu, certamente por ter notado que a mão dela era exatamente como a dele: pequena e fofinha.

      Ainda chorando e muito nervoso com a situação, Jimin olhou pra mim e fez um apelo totalmente sincero. Não, eu não tinha a intenção de deixar ele se aproximar de nossa filha depois de tudo, porém ao ver suas lágrimas e todos os seus sentimentos confusos ao vê-la... Eu não consegui manter minha decisão.

      – Posso pegá-la no colo? – Disse em lágrimas. – Eu prometo não acordá-la!  Por favor, deixe-me segurá-la mesmo que por pouco tempo! Sei que não estou em condições de pedir muito, mas permita ao menos isso!

      – Você pediu para vê-la! E não para pegá-la! Ela está dormindo, pois está cansada! E você não vai atrapalhá-la!

      – Pelo amor de Deus, jagi! Por favor! Eu... – Soluçou de chorar. – Eu só quero poder me aproximar um pouco! Por favor!

      – Okay... Tudo bem. – Eu disse, ao sentar-me na beirada da cama ainda olhando tudo enquanto não consegui recusar o pedido.

      Com cuidado, Jimin foi envolvendo Jasmin em seus braços e quando a pegou, ela automaticamente o abraçou enquanto dormia despreocupada. Jimin ficou de pé com nossa filha nos braços e nesse momento, só o que ele fez foi chorar... Mas chorou de verdade, enquanto andou pelo quarto lamentando com Jasmin no colo.

      – Eu te amo, minha princesa, eu te amo demais! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! – Ele sussurrou ao ficar abraçado com ela em lágrimas. – Me desculpe por ter ficado ausente, me desculpe por não estar com você o tempo todo! Eu vou cuidar de você agora! Eu vou ser o pai que você não teve por muito tempo! Não vou abandoná-la! Estou aqui por você!

      Ver aquilo me deixou em lágrimas e eu acabei chorando junto ao ver a cena que eu sempre sonhei em ver – porém, em outras circunstancias. Sozinha e calada, eu chorei ao me sentir com o coração apertado com os prantos de Jimin e sendo assim, me amargurei mais ainda.

      O jeito que Jimin se emocionou e o que ele disse a Jasmin me deixou completamente emocionada e feliz por ela. Era aquele tipo de encontro que eu tinha planejado para os dois, e não aquele simples High-touch durante o fansign. Era aquilo que eu queria e ao ver acontecer, eu simplesmente me emocionei.

      – Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo! – Jimin repetia lentamente a mesma coisa o tempo todo enquanto chorou ao ter Jasmin em seus braços.

      – Foi esse encontro que eu planejei desde que ela nasceu. – Falei pelos cantos, enquanto chorei e me senti triste.

      – Não chore... Por favor, não chore! – Pediu chorando. – Eu ainda não sei lidar ao ver você assim, amor! Por favor!

      – Quer dar a ela a mamadeira? – Falei enquanto tentei secar os olhos com as mãos.

      – Você deixa? Eu posso fazer isso? – Sorriu em lágrimas, ainda segurando Jasmin como um troféu que ele sempre quis ganhar.

      – Eu ia dar agora, pois acabei de fazer! Toma! Aqui está! – Lhe estendi a mamadeira enquanto me sensibilizei com a cena dos prantos de Jimin ao ver nossa filha.

      – Eu não sei como fazer isso! Eu não sei nem como segurá-la direito! – Riu ainda em prantos. – Me ajude, por favor!

      – Segure-a de lado em seu colo! – A arrumei lentamente. – Agora pode dar a ela! Faço isso todas as noites!

      Jimin sorriu em meio as lágrimas e logo pegou a mamadeira da minha mão. Sentou-se na beirada da cama perto de mim e logo começou a fazer o que pretendia. Com tudo pronto, ele aproximou a mamadeira da boca dela e quando ela começou a beber ainda dormindo... Ele sorriu de felicidade, totalmente emocionado.

      – Ela parece comigo como você queria! E é uma princesa como eu sempre desejei!  – Ele disse, morrendo de felicidade com o rosto molhado por suas lágrimas.

      – Cuidado! Ela se engasga fácil se você virar muito! – Eu avisei a ele, porque por estar tão eufórico, Jimin sequer percebeu o que estava fazendo.

      – Desculpe! – Ele arrumou a mamadeira.

      – Segure assim! – O ajudei.

      – Puxa vida, ela é tão linda... Tão linda! Eu sequer consigo acreditar que é minha filha! Quer dizer... Nossa filha! Um fruto de tudo de bom que vivemos juntos, jagi! Eu jamais poderia imaginar isso, jamais poderia cogitar esse fato! Jamais pude ganhar um presente mais especial do que esse em toda a minha vida! – Sorriu.

      – Tudo bem, eu preciso trocar a frauda dela para colocá-la no berço. – Estiquei os braços pedindo Jasmin depois de um tempo que ela já tinha bebido a mamadeira toda.

      – Me deixe ficar com ela só mais um pouquinho! Por favor, eu... Eu prometo que será só mais um pouco! Não vou abusar! – Pediu.

      – Só mais um pouco! Temos planos pra amanhã, iremos acordar cedo e não podemos dormir tão tarde!

      – Tudo bem, eu... Eu só vou me despedir! Me dê apenas mais um tempinho e eu a devolvo! – Ele disse.

      Nesse momento, Jimin abraçou forte Jasmin e voltou a repetir o quando ele a amava como tinha feito anteriormente. Voltou a pedir desculpas e voltou a derramar lágrimas. Beijou suas mãozinhas, acariciou seu rosto, beijou sua testa e logo a colocou em meu colo como eu tinha pedido.

       Ao pegá-la, a deitei em seu berço, a cobri e logo coloquei Mochin ao seu lado como sempre fazia. Cuidadosamente eu tirei seus brincos e também os enfeites que ela tinha no cabelo. E isso tudo... Sob os olhos cuidadosos de Jimin que parecia mais apaixonado do que nunca.

      – Você guardou Mochin por todo esse tempo? – Jimin sorriu, ainda tentando se livrar das lágrimas.

      – Agora ele é dela. – Respondi.

      – Puxa vida, isso é tão incrível que não posso acreditar!

      – Agora você já pode ir como disse que faria. – O fitei. – Já viu Jasmin e isso era tudo.

      – Não peça que eu vá agora... Eu, eu não quero me afastar de vocês e... Eu não sei quando poderei voltar!

      – Cumpra ao menos uma de suas promessas. – O fitei.

      – Por favor, tenha calma!

      – Lave o rosto e seque suas lágrimas. – Me sensibilizei novamente. – O banheiro fica aqui na porta ao lado e você pode ir até lá.

      – Tudo bem. – Ele aceitou e logo depois disso, saiu do quarto.

      Se eu fiquei nervosa ao estar de repente dentro de um mesmo quarto com Jimin? Sim, totalmente nervosa e surpresa. Se eu fiquei totalmente com muita vontade de chorar ao receber seus abraços e suas palavras? Sim! Porém minha mágoa naquele momento ainda era grande, e ofuscava qualquer sentimento bom que eu poderia ter.

      Nada tirava dos meus pensamentos as duas imagens das duas vezes que Jimin fingiu que não me conhecia. Nada me fazia esquecer o jeito que ele foi totalmente um estranho para Jasmin mesmo sendo seu pai e sabendo disso. Aquilo eu não tinha esquecido, e mesmo que tivesse me sensibilizado com suas lágrimas... Ainda não era o suficiente.

      Saí do quarto após ter apagado a luz, fechei a porta devagar e simplesmente sentei-me no sofá da sala sentindo uma tremenda dor de cabeça. Jimin voltou em seguida, com uma expressão um pouco melhor e muito feliz por sinal.

      – Eu posso voltar aqui para visitá-las numa outra noite? Por favor, é a única coisa que eu peço! E eu só posso de noite por causa de toda a correria diária que preciso enfrentar! Não tenho muito tempo e o que fiz hoje pra poder vir já foi um milagre! – Ele perguntou ao sentar-se ao meu lado no sofá.

      – Você não está em condições de pedir tantas coisas, Jimin! Ao meu ver, eu sequer deveria ter aceitado metade de seus pedidos! Está em débito com nós duas e isso eu estar te lembrando a todo o momento já que anda esquecendo de tudo muito fácil!

      – Por favor, deixe de lado esses pensamentos que você está tendo sobre mim ao menos por um segundo! – Ele lamentou ao me fitar sentada na outra ponta do sofá. – Eu preciso contar pra você muitas coisas que você não sabe! Por favor, não me rotule como um monstro sem ao menos saber o que houve nesse tempo todo! Eu já disse que vou te explicar! Você vai compreender e depois vai acabar por se arrepender de me tratar assim!

      – O que houve nesse tempo é que eu tive que enfrentar um pesadelo diário por causa de sua ausência! Um pesadelo daqueles que você sequer consegue acordar! Eu sofri com sua ausência e isso me matou por dentro! O que houve também foi que eu engravidei e tive um bebê que também é seu e hoje tem um ano e sete meses! O que houve, foi que eu quase me vi sem saída depois de que você foi embora, sequer me vi capaz de recomeçar minha vida... Você se foi, e levou tudo consigo! Não o culpo por ter ficado ausente durante todo esse tempo em que Jasmin cresceu, mas o culpo por não ter cumprido sua promessa comigo! Minha mágoa é por ela, e principalmente por mim! Você sequer imaginaria que era pai, não é? Pois é! Mas se tivesse cumprido sua promessa, saberia! Se tivesse cumprido sua promessa, hoje estaria conosco nos Estados Unidos e sequer teria essa vida cheia de proibições que você tem por aqui!

      – Sim, eu errei! Eu errei, mas estou aqui para me redimir! Eu errei, mas vim correndo até aqui hoje para começar a acertar daqui para frente! Eu quero mudar tudo, será que não entende? Eu quero fazer isso! Faço por vocês duas! Quero fazer diferente, quero...

      – Eu também queria tê-lo em meus braços assim que o decreto acabou... E isso, eu não tive! Eu queria saber se você estava bem, e isso eu também não consegui! Querer não é poder, infelizmente! E agora, você terá a prova disso!

      – É só o que eu peço! Só isso! Eu posso voltar? Serei breve, eu prometo! Eu prometo, acredite em mim! Ao menos quero dizer a ela quem eu sou! Ela precisa saber! Ao menos deixe-me ouvir ela me chamando de papai! Eu preciso viver esse momento!

      – Seu arrependimento de nada vale agora, Jimin! De nada vale! Tudo mudou e as coisas não são como você acha que são. O tempo passou e tudo mudou assim como você.

      – Por favor, jagi! Por favor, deixe-me voltar para falar com minha filha! Não a prive de saber quem eu sou! Não faça isso com ela! Jagi, por favor! – Aproximou-se e segurou minha mão com um olhar triste.

      – Pare de me chamar assim! Eu exijo que você pare de me chamar por esse nome agora mesmo! – O repreendi e tirei minha mão dentre as suas.

      – Se me deixar vê-la novamente eu faço o que você quiser! O que pedir, eu faço! Eu estou disposto a tudo! – Ele apelou.

      – Sendo assim, eu posso considerar. – Respondi.

      – Obrigado! – Ele sorriu brevemente. – Eu não sei te chamar pelo nome... Não consigo te chamar como quer, porém tentarei! Eu vou me dedicar!

      – Eu preciso ir dormir agora! Tive um dia cheio com Jasmin e sequer consegui descansar desde que cheguei.

      – Tudo bem, eu... Eu já estou de saída! Eu já vou indo, pois o meu tempo é curto! – Levantou-se depois de já estar calmo.

      Levantei-me em seguida, peguei a chave da porta em cima da mesinha de centro e caminhei ao lado dele até a porta de entrada. Fiz isso enquanto ainda estremecer depois de estar do seu lado novamente após anos, mas consegui me conter mesmo assim.

      – Obrigado! – Ele disse, abraçando-me quando eu menos esperava.

      – Chega de tanta proximidade! Se veio por Jasmin eu irei tolerar, mas se irá vim por mim também, perderá seu tempo! Coloque isso na sua cabeça, por favor!

      – Ao menos corresponda ao meu abraço! Por favor! – Lamentou. – Só isso que eu quero!Eu senti tanto a sua falta, eu...

      – Chega de tanta proximidade! Mas será que você não me entende? – Repeti, ainda com seus braços rodeando meu corpo.

      – Não sei se acredita, mas... Eu ainda te amo! Eu te amo como sempre amei e pra mim, nada mudou! – Ele colocou sua máscara no rosto quando estava prestes a sair.

      – Meses atrás essa era a certeza mais absoluta pra mim, porém agora... As coisas mudaram, assim como você mudou. Foi um choque, mas eu vou conseguir superar tudo isso.

      – É, você não acredita... Não acredita em uma só palavra que eu disser...  – Ele disse, ao lamentar.

      – Boa noite! – Eu disse quando vi ele colocar seus óculos escuros.

      – Boa noite! – Ele curvou-se.

      Fechei a porta quando Jimin saiu e só depois disso é que eu pude começar a surtar totalmente enquanto joguei-me no sofá sem saber o que pensar com tudo aquilo. Foi tanta coisa ao mesmo tempo que nem em questão de horas eu conseguiria assimilar tudo em minha mente.

      Sim, eu ainda amava Jimin. O amava totalmente e com todas as minhas forças, mas o que eu poderia fazer ao estar enfrentando aquela situação tão difícil? Nosso romance sequer teria condições de continuar! Eu estaria perdendo o meu tempo ao imaginar que aquilo daria certo!

      Jimin sequer podia sair na rua sem usar artifícios para esconder o rosto para não ser conhecido. Sequer poderia ter seus próprios compromissos se isso não fosse da vontade da empresa responsável por ele e pelo resto do grupo. Como poderíamos viver assim?

      Jimin era famoso, a mídia estava quase 24h ao seu redor tentando descobrir algo sobre ele que rendesse manchetes e muitos boatos fazendo todos os meios de comunicação lucrar as suas custas. Jimin sequer tinha tempo para sua própria família... Quem dirá para Jasmin e eu, que éramos apenas consequências de seu passado.

      Sim, eu ainda o amava muito e controlei-me por demais para não deixar isso claro. O sentimento era tão forte e tão intenso que eu sequer conseguia tirar Jimin de meus pensamentos o tempo todo... Sequer conseguia evitar pensar nele e em nosso futuro inexistente que tanto desejamos no passado.

     Mas, esse era um dos casos que o amor não seria o suficiente. Nosso amor era muito, e totalmente correspondido. Porém, de que adiantava o amor naquela situação? De que adiantaria nossos esforços ou nossa enorme vontade de ficarmos juntos? Isso mesmo... De nada!

      Foi difícil, mas eu consegui controlar meus sentimentos e emoções ao ouvir suas palavras que foram ditas ali. Foi difícil e continuaria sendo, até porque eu sequer tinha intenções de alimentar esperanças com Jimin futuramente com ele sendo quem era naquele momento.

      Não era o simples Park Jimin, o estudante de intercâmbio que eu conheci na universidade. Aquele ali agora era Park Jimin, o vocal e membro de um grupo famoso internacionalmente – quanto a isso, não havia o que fazer para mudar.

      Como seguiríamos com nosso relacionamento dessa forma? Como isso tudo seria possível sem que houvesse escândalos e hate total da parte dos fãs? Exatamente, isso não seria possível! Então... Eu decidi continuar tratando Jimin daquele jeito. Sendo fria com ele, talvez seus sentimentos esfriassem um pouco também. E assim, ele sofreria menos ao me ver partir.

      Eu não queria aquela vida... Boas condições financeiras teríamos por muito tempo, mas de que isso adiantaria? Encontros as escondidas? Restrições sempre que tivéssemos um compromisso juntos? Viveríamos anonimamente? E se alguém descobrisse?

      Não... Eu não queria e não merecia essa vida – o mesmo posso dizer por minha filha. Esse era um preço muito alto a pagar sem mesmo ter garantias de um bom futuro ao lado de Jimin. Não, não era isso que eu queria pra mim e para Jasmin.

      Eu fui até lá para que eles se encontrassem e para que Jasmin soubesse que ele era o seu pai. Isso aconteceria da próxima vez que Jimin aparecesse, e pronto! Minha meta estaria finalmente concluída com sucesso. E depois disso, mesmo com o coração partido, eu voltaria aos Estados Unidos.

      Deixaria Jimin onde ele deveria ter ficado – no passado – e assim, seguiria em frente com minha filha. Ele sequer poderia ser para nós o que precisaríamos para montar uma família normal e feliz... Ele sequer poderia estar presente em certos momentos importantes e só de pensar nisso meu mundo já desabou.

      E isso, acabaria sendo totalmente mais doloroso para mim. E dor... Dor, desgosto e sofrimento... Eu sequer conseguiria aguentar mais do que eu já tinha aguentado tanto tempo desde o momento que Jimin foi embora. Passar por algo parecido novamente seria o meu fim.

     Ainda tínhamos exatos sete dias na Coréia do Sul – mais exatamente em Busan – e esse era o único tempo que Jimin tinha para estar junto a nós. Ele voltaria quando pudesse, e depois que o tempo acabasse e eu fosse embora com Jasmin... O inferno começaria novamente.

(...)

      Mesmo sabendo que Jimin voltaria como havia prometido, eu continuei meus passeios com Jasmin – até porque ele só apareceria à noite, e eu certamente já estaria em casa depois de um dia cheio. Não haveria risco de nos desencontrarmos.

      No dia seguinte a sua visita, resolvi levar Jasmin ao shopping e lá passamos a tarde toda. Lanchamos, deixei que ela brincasse em todos os brinquedos que queria e até fomos ao cinema ver uma animação. Nesse dia voltamos cedo pra casa... Jasmin ficou bastante cansada por ter se divertido tanto, então eu resolvi antecipar nossa volta.

      Já de noite, enquanto eu finalizava o jantar, ouvi batidas na porta quando eu menos esperava. Meus olhos arregalaram por ter pensado em Jimin automaticamente, porém ao ver através do olho mágico, eu vi que era Sra. Kwan que finalmente havia aceitado meu convite para o jantar.

      A atendi com uma grande felicidade, pois eu já achava que o dia de eu ir embora chegaria e ela sequer me faria uma visita. A recebi, e completamente animada eu preparei a mesa para nós. Sra. Kwan era a senhora mais doce que eu já pude conhecer na vida, e estar em sua presença, sempre era bem agradável.

     Jantamos juntas: eu, ela e Jasmin em sua cadeirinha. Ela não gostava de fotos, mas mesmo assim aceitou tirar uma quando eu pedi para ter recordações ao ir embora para os Estados Unidos. Ela sabia que o nosso contrato de aluguel estava acabando e que em breve eu estaria indo embora, então acabou cedendo aos meus pedidos.

      Foi uma noite muito agradável. Com Jasmin dormindo em meu colo, eu prestei atenção em todas as histórias que Sra. Kwan estava me contando e por fim, depois de ter colocado Jasmin no berço, é que eu resolvi acompanhá-la até sua casa. A agradeci pela visita, lhe desejei boa noite e voltei para minha residência.

      Já era tarde... Onze e tantas da noite... Jimin não viria mais e ao pensar nisso, eu resolvi ir dormir. No dia seguinte eu sairia com Jasmin, Rae Rae, Sun Mi e Yoo Rin até o parque de diversões. Iríamos na parte da tarde e bem no horário marcado, eu passei na casa delas para buscá-las.

      Com muita animação, nos encontramos e seguimos pelo caminho indicado no GPS até o parque. Chegando lá e vendo a alegria de Jasmin com sua amiga Rae Era, eu fiquei completamente feliz. Ver minha pequena sorrindo, me deixava com uma enorme paz interior.

     Eu, Sun Mi e Yoo Rin sequer fomos em algum dos brinquedos que desejávamos. Só andamos em poucas atrações, pois eram as que nossas pequenas precisariam de companhia e sequer poderiam ir sozinhas. Mas, mesmo assim, enquanto elas brincavam e se divertiam, nós três conversávamos e dávamos risadas.

      Ficamos lá por um bom tempo, até que o céu começou a ficar cinza, e então... Notamos que uma bela tempestade iria cair. Resolvemos ir embora mais cedo para não pegar chuva e nem congestionamento na rodovia. Saímos cedo, mas valeu a pena o passeio.

      Levei minhas amigas em casa, e ao chegar à minha, estacionei o carro na calçada e entrei com Jasmin. Ela tinha dormido bastante na noite anterior, e mesmo que tenha se divertido e aproveitado muito aquele passeio, não parecia cansada.

      Enquanto eu preparava nosso jantar, ela estava sentada dentro do seu cercadinho, cheia de brinquedos e com Mochin ao seu lado como sempre. Depois de brincar com eles, ela deitou-se e ficou assistindo ao desenho animado que passava na TV.

      Jantamos exatamente às dez da noite quando tudo ficou pronto. Comemos bastante e depois de tudo, eu voltei a deixar Jasmin no cercadinho enquanto eu lavava a louça. Já com a intenção de fazê-la dormir, eu já fui preparar a cama depois que terminei as coisas na cozinha, porém dessa vez, novamente alguém bateu na porta – e eu já sabia quem era ao ver que era exatamente onze e meia da noite.

      Olhei pelo olho mágico e dessa vez eu pude ver Jimin não tão disfarçado. Ele usava jeans escuro, tênis preto, usava um suéter vinho e dessa vez estava sem touca ou óculos. Talvez pelo horário ele não tivesse precisado se esconder tanto, a rua estava vazia então não haveria tanto problema.

      Abri a porta e assim que eu o vi, notei que ele segurava em uma das mãos uma pequena cordinha amarrada a um balão de gás hélio. O balão era em formato de coração e ao vê-lo ali exatamente daquele jeito... Fiquei totalmente abalada e senti um amargo na garganta por tê-lo achado bonito.

      – Boa noite, ja... Desculpe! Boa noite, Ashley! – Ele disse, curvando-se pra mim ao consertar-se.

      – Boa noite, Jimin! – Abri a porta.

      – Eu vim como disse que faria. – Me fitou.

      – Pode entrar!– Sai da frente.

      – Obrigado! Jasmin está acordada? – Perguntou.

      – Sim, está vendo desenho animado em seu cercadinho na sala. – Respondi quando fechei a porta.

      – Antes de aparecer pra ela, quero perguntar uma coisa. Não pretendo fazer coisas as quais você não aprove, então quero tirar essa dúvida antes de tudo.

      – O quê?

      – Eu posso dizer a ela quem eu sou? Ou pra você há algum problema em fazê-la saber de tudo que não sabia antes?

      – Sinta-se a vontade para pensar você mesmo em uma resposta para sua pergunta. – Eu disse. – O momento é de vocês dois e eu não quero interferir.

      – É sério? – Abriu um sorrisão que me fez ficar derretida.

      – Eu vou dizer! E vou dizer com muita alegria por finalmente poder fazer tal coisa! – Ele disse de imediato. – Posso ir até ela?

      – Vem comigo! – Eu disse, lhe mostrando o caminho.

      Chegando a sala, vi que Jasmin estava entretida enquanto via o desenho animado que passava na TV. Ao vê-la, Jimin já sorriu de felicidade antes mesmo que ela pudesse notá-lo e enquanto ele morria de amores ao vê-la, eu a chamei.

      – Jasmin! Olha só quem veio te visitar! – Eu disse e ela me olhou imediatamente ao ouvir seu nome.

      Nesse momento, Jasmin levantou-se e ficou segurando na beirada de seu cercadinho ao ficar em pé. Jimin apareceu pra ela depois que eu chamei sua atenção e ao vê-lo, algo que eu não esperava aconteceu – e eu fiquei totalmente boquiaberta com a cena.

      – BTS! É o BTS, mamãe! – Ela gritou animada ao ver Jimin.

      Jasmin lembrou-se dele de algum modo e isso me deixou pasma. Eu não sabia explicar como ela o reconheceu, eu sequer sabia o nome de todos os meninos ainda enquanto ela... Ao ver Jimin, logo nos mostrou que já se lembrava dele totalmente.

       Ao vê-lo, ela lembrou-se de quando o viu no show e lembrou-se do nome do grupo. Certeza que não se recordou de seu nome, mas ao dizer o que ela disse, logo entendemos as referências que ela tinha de Jimin em sua mente.

      – Ela... Ela se lembra de mim? – Jimin ficou estático e perplexo.

      – Pergunte a ela! – Sorri totalmente surpresa.

      Ainda boquiaberto, Jimin andou lentamente em sua direção enquanto ela ficou envergonhada por vê-lo de novo – justamente em sua casa. Ao chegar perto dela, ele me deu o balão para que eu segurasse e enquanto ela estava com os braços levantados lhe pedindo colo, ele a pegou e a abraçou forte.

      Jasmin sorria como sempre e novamente agarrou Jimin pelo pescoço ao abraçá-lo como tinha feito na última vez enquanto dormia em seu colo. Jimin segurou-se para não chorar, enquanto Jasmin parecia feliz ao vê-lo ali e sendo assim, até eu me emocionei mais uma vez.

      – Tudo bem, princesa? Como você está? – Ele continuou tentando conter suas lágrimas.

      – Tudo bem! – Ela sorriu. – Você veio cantar?

      – Não, mas...  – Jimin ficou desnorteado de alegria. – Eu lhe trouxe um presente! Quer ver?

      Estendeu a mão em minha direção e quando eu lhe entreguei o balão em formato de coração, ele deu para Jasmin com muita alegria. Animada e feliz ao ver o balão, Jasmin ficou totalmente corada assim como Jimin ficava ao ser surpreendido e isso fez ele se derreter de amores.

      – Como se fala? – Perguntei.

      – Muito obrigada!  – Ela respondeu.

      – Você gostou do balão? – Ele perguntou, com os olhos brilhantes.

      – É muito bonito! – Ela ficou olhando para o balão toda sorridente.

      – Você gosta de balões? – Jimin sorriu.

      – Sim!

      – Só fica com medo quando eles estouram. – Eu disse e eles riram.

      – Na próxima vez, vou trazer um bem grande no formado de uma flor bem bonita para combinar com seu nome! Você quer? – Jimin sorriu totalmente animado.

      – Quero uma florzinha rosa! – Jasmin disse, simpática como sempre.

      – Certo, eu trarei dessa cor! – Ele confirmou.

      – E você não vai cantar?

      – Eu vim aqui pra falar uma coisa pra você! Eu não sei se você vai gostar, mas eu preciso dizer! – Jimin foi direto por estar nervoso.

      É, ele realmente contaria a ela quem era ele. Não havia muito a dizer, Jasmin era uma criança e sequer entenderia as coisas que ele teria para falar. Só o que ele teria que dizer mesmo, era que ele era o pai dela. E pronto! Nada mais seria necessário e foi exatamente isso que eu torci para que ele fizesse.

      – Lembra-se quando você me falou sobre seu papai? Quando eu a encontrei pela primeira vez, você me falou sobre ele. – Ele perguntou.

      – Não. – Ela riu. – Você conhece ele?

      – Você me disse o nome dele quando nos conhecemos, não se lembra? – Falou Jimin.

      – Meu papai se chama Jimin. – Ela disse, sem desconfiar.

      – E você se lembra do meu nome? Eu te disse também quando nos vimos pela primeira vez. – Ele perguntou.

      – Não. – Ela riu envergonhada. – Como é o seu nome?

      – Meu nome é Jimin. – Ele sorriu.

      – Oh! – Ela tampou sua boca usando suas mãozinhas ao ter entendido e logo olhou pra mim.

      Jasmin ficou completamente surpresa e mesmo sendo tão pequena ela entendeu tudo que estava acontecendo. Ainda com seus olhos arregalados e com a mão na boca, ela me olhou completamente impactada e foi aí que ele resolveu falar de uma vez e o quanto antes.

      – Eu sou seu papai, Jasmin! Aquele que você ouviu falar sou eu! Seu pai, meu amor! – Jimin sorriu.

      – Sim, querida! Ele é seu pai! – Sorri quando Jasmin olhou pra mim de imediato para ver o que eu falaria.

      – Meu papai? – Ela disse, totalmente animada e sorridente.

      – Sim, eu... – Jimin ficou abalado. – Sou seu pai!

      – Mamãe...? – Ela ficou confusa.

      – É verdade, meu amor! Fale com ele!

      – Olá, papai!  – Ela acenou pra ele como se quisesse cumprimentá-lo, e nesse momento Jimin não conseguiu mais segurar suas lágrimas. A tomou nos braços e chorou.

      – Olá, meu amor! Oh, meu Deus! Eu te amo! Eu te amo demais, minha princesa! Minha filha linda! – Ele chorou abraçado com ela.

      – Não chora, seu bobo! – Ela passou suas mãozinhas pelo rosto de Jimin ainda sorridente.

      A inteligência e simpatia de Jasmin eram admiráveis. Ela compreendia tudo muito rapidamente, mesmo sendo pequena ela se importava com todos e sempre era muito cuidadosa – bem como Jimin.

      Ao descobrir quem era seu pai, ela gostou e ficou sorridente. Sim, ela associou Jimin ao BTS, mas agora ela sabia que ele era mais do que isso pra ela. Ele era o seu pai, e ao descobrir isso... Ela se agradou completamente.

      Jimin chorou ao receber seus afagos, porém ao ver ela sorrindo, ele sorriu em meio as lágrimas. Ela não tinha ideia da importância daquele momento, mas seu pai e eu tínhamos. E foi assim que ficamos emocionados ao mesmo tempo.

     – Eu te amo! Eu te amo muito, sabia? Você é o amor da minha vida inteira! – Ele disse arrumando a pequena franja dela.

      – A mamãe me diz isso sempre! – Ela disse e eu sorri.

      – Sim, nós dois a amamos muito! Você é a coisa mais linda que nós dois temos! – Jimin secou o rosto enquanto sorriu.

      – Mais linda que o balão em formato de coração? – Sorri ingênua.

      – Muito mais! Muuuuito mais! – Jimin a beijou no rosto.

      – Quer brincar comigo, papai? Venha, vou te mostrar meus brinquedos! Vamos! – Ela animou-se.

      – Onde eles estão? – Jimin sentou-se com ela no chão, bem perto de seu cercadinho no meio da sala.

      – Este se chama Mochin! É um cachorrinho... Au, au, au! – Ela pegou ele e o imitou.

      – É muito bonito! – Disse Jimin, totalmente encantado com o jeito de Jasmin que ele não conhecia.

      – Essa se chama Barbie! É muito bonita!

      – Sim, é muito bonita como você disse! – Jimin pegou a boneca.

      – Bonita igual a mamãe. – Ela disse.

      – Sua mãe é mais! – Sorriu tímido.

      De longe eu olhei os dois atentamente e aproveitei a cena. Sem qualquer expressão no rosto, eu apenas os observei e ao ver Jimin com Jasmin e nesse momento, tive a impressão de que ele voltou a ser criança ali com ela sentado no tapete rodeado de brinquedos.

      Jimin sorria o tempo todo. Sua felicidade e a de Jasmin eram notórias e ao vê-los ali, eu fiquei feliz também. Neutra, porém feliz. Finalmente se entenderam... Finalmente se conheceram. Jimin deu atenção a ela, e ela adorou. Jasmin lhe mostrou tudo que tinha em seu cercadinho e quando me dei conta, vi os dois brincando com as bonecas.

      Deixei os dois ali tendo seu momento juntos e fui assistir TV já que o momento era deles. Ainda incrédula com Jasmin por tê-lo reconhecido, eu fui andando até o quarto. Mesmo que Jasmin ainda estivesse brincando com Jimin, já era tarde e ela precisava ir dormir. Arrumei tudo e logo liguei a TV de lá. Distraí-me por alguns minutos, e depois disso...

      – Ashley! – Ouvi Jimin me chamar baixinho. – Ashley!

      – Oi! – Eu respondi aparecendo na porta.

      – Ela dormiu! – Ele apontou.

     Jasmin e Jimin dividiram um mesmo travesseiro e deitaram-se no tapete da sala para assistir TV juntos. Porém, já era tarde e por estar cansada, Jasmin pegou no sono ao lado de Jimin sem que ele percebesse. E ao ver isso, por pouco não morri de amores.

      Caminhei na direção deles, abaixei-me e logo a peguei no colo. Antes de levá-la pro quarto, Jimin pediu que eu o deixasse dar um último beijo nela e depois disso, eu a deitei em seu berço depois de um dia tão agitado que tivemos.

      – Eu ainda não acredito que ela lembrou de mim! Não acredito que ela gostou ao saber que sou seu pai e... Não acredito que eu a ouvi me chamar assim! Foi a primeira vez! – Disse Jimin, sentado no tapete da sala completamente sorridente entre os brinquedos enquanto quase voltou a chorar.

      – Jasmin é a criança mais amável que eu conheço, ela é simpática e muito doce! Um comportamento desse vindo dela eu já esperava, pra você foi novidade, pois você não conhece seu jeitinho. – Expliquei.

      – Ela é mesmo um amor! Uma princesinha! Puxa vida, eu fico tão orgulhoso! Ainda custo a acreditar nisso tudo! É tão surpreendente e tão fora da minha realidade! Parece um sonho! – Sorriu.

      – Fico feliz pelo que fez, Jimin! Eu realmente sempre imaginei essa cena que vi hoje de vocês dois brincando juntos, porém nunca pensei que fosse acontecer por causa das nossas condições.

      – E acontecerá com mais frequência, pode acreditar! – Ele levantou-se do chão. – A propósito, eu tenho um pedido para lhe fazer, Ashley! Sim, eu me lembro que você disse que eu não estou em condições de pedir nada, mas... Por favor, me prometa que irá pensar em minha proposta?

      – O que é? – Perguntei.

      – Eu queria muito apresentar Jasmin para a minha família.

      – Sua família? Está ficando louco? – Falei alto.

      – Queria que ela conhecesse seus avós e seu tio! E queria que ela soubesse que tem família por aqui! Você permite que eu a leve em minha casa?

      – Não! Eu não vou deixar você levá-la sozinho! Você só pode estar perdendo o juízo achando que eu vou permitir isso! Claro que não!

      – Eu vou cuidar dela, não se preocupe! Eu não seria louco de deixar algo acontecer a Jasmin! Ela estará segura comigo!

      – Não! Eu não permito isso!

      – Ora, mas eu sou o pai dela!

      – Não importa! Eu não permito isso! Já está querendo demais! Jasmin é minha e ficará comigo o tempo todo, ouviu bem?

      – E eu não sou nada nessa história?

      – Ela não vai sozinha com você! Você não sabe lidar com ela e sendo assim eu não permito! Se brincar, você não deve nem saber cuidar de si mesmo!

      – Então vamos juntos até a casa dos meus pais! Nós três! Se quiser ir junto você pode! Vai ser ótimo! – Se empolgou.

      – Ora, mas é claro que não! Só está pedindo coisas impossíveis! Conhecer eles é ir longe demais e isso eu não quero! Não quero mesmo! Essa história toda acaba aqui!

      – Sei que você não quer se envolver e sei quais são seus pensamentos sobre isso, mas... É a família dela também! São os avós e o tio dela! Por favor! Vá com ela se preferir, mas por favor, deixe que eu possa apresentá-la a eles! Eu vou adorar fazer isso!

      – Não seja insistente, pelo amor de Deus! Será que você não pode aceitar minhas condições numa boa? Será que não me entende?

      – Faça isso por Jasmin. – Me fitou.

      – Tudo bem, tudo bem! Eu vou! Eu vou e eu mesma irei levá-la! E deixo mais do que claro que eu vou por ela! É ela que faz parte da família e não eu! Por favor, não me inclua em nada e não me apresente como algo mais do que simplesmente a mãe de sua filha!

      – Eu faço o que você quiser! Já disse e repito! O que você sugerir eu aceito! – Juntou a palma das mãos como se implorasse.

      – Me passe o endereço. – Eu disse, sem emoção.

      Peguei meu celular em cima da mesa, abri na parte do bloco de notas e o entreguei para que anotasse o endereço e as referências que eu precisaria para chegar até lá. Jimin digitou rápido, e logo me devolveu ainda sorridente e empolgado.

      – E não faça surpresas! – Eu disse. – Avise que eu vou! Quero que eles estejam cientes de minha visita para que não tenham reações negativas!

      – Não se preocupe, eu irei avisá-los! Muito obrigado por aceitar, você não sabe o quanto isso é importante pra mim!

      – Obrigada por ter vindo! Ver a felicidade de Jasmin pra mim não tem preço! Você a alegrou e sendo assim eu também fico alegre! – Falei totalmente sem jeito e com medo dele entender errado.

      – Pra mim também não tem preço! Boa noite! Espero ver vocês em breve no encontro com meus pais! – Ele disse.

      – Boa noite! – Respondi e logo ele saiu da minha casa.

      Eu não sabia se era o certo a fazer. Pra mim, não parecia ser a melhor opção, mas eu estava ali por Jasmin, então tinha que fazer por ela. A família também era dela, e eu pensei que seria importante que ela os conhecesse. Suas reações eu não sabia, mas mesmo assim eu arriscaria.

      Tranquei a porta quando Jimin saiu, e ao caminhar lentamente em direção ao quarto com a intenção de já ir dormir, eu acendi a tela do celular e fui ver o que Jimin tinha escrito quando eu pedi o endereço. E foi ao ler, que me senti totalmente surpreendida e amada.

“Mt. Su-San (Busan Autumn)

Myeong Seo 27

Sábado – 10 A.M

Amo vocês duas ♥

- Jimin”

 


Notas Finais


Indicação! Venham conhecer!

História: Full Moon (Jimin/Universo Alternativo/ Wolf)
Sinopse: Após a tempestade, vem a calmaria. Na frente de todos eu o odiava, a sós o amava.
Link:https://www.spiritfanfiction.com/historia/full-moon-12188109
Autora: @Hemmera


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...