História Into You - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Ação, Amor Bandido, Criminal, Justin Bieber, Romance, Sexo
Visualizações 164
Palavras 2.298
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiw meus amores, tudo bem?

Gente, antes de tudo isso nunca mais vai acontecer, de eu postar um capítulo num dia e postar outro no dia seguinte, mas estou fazendo isso porque sei que ficarei sumida por um tempo e vocês merecem um capítulo hehehe

Nós vemos lá embaixo, desculpa qualquer erro ortográfico.

Aproveitem a leitura. ♥

Capítulo 8 - Capítulo 06.


Fanfic / Fanfiction Into You - Capítulo 8 - Capítulo 06.

Meu irmão havia me trazido para casa, mas eu ainda estava com muita raiva dele, e principalmente da Andy. Que nojo! Assim que o carro dele havia parado eu corri, praticamente, para o meu quarto o deixando para trás. Eu pensei que ele voltaria para a Boate, mas ele não voltou. Eu o vi entrando em casa, pela janela do meu quarto. E eu fiquei contente com aquilo. Eu estava com fome, mas antes de descer para comer algo eu caminhei até minhas malas, que ainda estavam do mesmo jeito, e peguei um pijama vermelho.

–– Admito que esse shorts já não seja tão grande como antes... –– Eu sussurrei para mim mesma ao ver a poupa da minha bunda ser mostrada pela malha de algodão, então eu o tirei e vesti meu outro pijama.

Eu fui para o banheiro e removi a pouca maquiagem que havia feito e em seguida amarrei meu cabelo em um alto e firme coque com um palitinho que eu encontrara por ali. Eu saio do meu quarto é desço às escadas silenciosamente. Quando chego ao andar de baixo e não vejo ninguém, além de tudo estar escuro, eu caminho em direção à cozinha. Abri primeiramente a geladeira e peguei a caixa de pizza que estava sendo uma luz maior para os meus olhos é em seguida eu peguei uma jarra de suco. A caixa estava praticamente vazia, mas ainda assim eu aproveitei os dois pedaços da calabresa e da cebola ser colocados em minha boca.

–– Você está com fome? –– A voz já reconhecia pergunta atrás de mim.

–– Primeiro: sim, segundo: cadê a garota que estava com você? Eu pensei que você fosse fazer amor com ela. –– Eu digo encarando a caixa de pizza vazia a minha frente.

–– Primeiro Leslie, eu não faço amor, eu trepo, e trepo bem. E, sim, eu já trepei com ela. –– A voz dele parece se aproximar cada vez mais.

–– E você gozou? –– Eu perguntei sentindo a respiração dele bem em cima de minha nuca descoberta, fazendo-me arrepiar. Maldito momento em que eu resolvi prender o cabelo.

–– Sim, mas não se preocupe, porque se você quiser que eu te coma também, acredite, eu dou conta do recado. –– Ele fala contente.

–– Que nojo, não! E, eu só perguntei porque se você teve relações com aquela... Pessoa, assim em tão pouco tempo e se você gozou tão rapidamente significa que você não é de nada bom na cama. –– Eu disse me levanto e indo levar o meu copo sujo para a pia.

–– Hein? Ouça garota, se eu quiser te provar agora o quão bom de cama eu sou, eu provo. E um recado, você não vai conseguir andar em seguida. –– Ele disse. Eu o encarei pela primeira vez e tentei segurar o riso, o que deu certo. Só agora eu havia percebido que ele estava sem camisa e que incrivelmente além do abdômen bem defino, Justin tinha algumas cicatrizes espalhadas pelo corpo.

–– Nossa... –– Eu sussurrei encarando as marcas agora tão visíveis e evidentes.

Como eu não tinha as percebido antes? Elas pareciam tão grandes agora...

–– Nossa o quê? –– Justin questionou se aproximando.

–– Você tem muitas cicatrizes... –– Eu disse reparando mais ainda quando ele parou a poucos centímetros de distancia de mim.

–– Leslie, todo mundo tem cicatrizes. Algumas pessoas têm cicatrizes inferiores –– Justin disse me fazendo encarar seus olhos. ––, já outros têm exteriores. Têm umas que doem mais que as outras, mas isso não significa que a dor das outras seja inexistente. –– Ele completou.

–– Você está dizendo que essas aqui não doem? –– Eu questionei passando meu dedo sobre uma das suas grandes cicatrizes. Ele tinha tantas que era impossível contar. Às do braço era pouco visíveis graças às tatuagens.

Os pelos do corpo de Justin se levantaram quando eu o toquei. Meu corpo esquentou tão rapidamente e completamente que chegou a me assustar. Eu deslizei meus dedos, das minhas duas mãos, sobre as marcas que ele tinha sobre sua pele. Doeu em mim senti-las, por que elas parecem tão fundas e dolorosas que eu não consigo imaginar o tamanho da dor que elas causaram nele.

–– Como você as conseguiu? –– Eu perguntei levanto minha cabeça com calma para poder encarar seus olhos.

–– Com uma ajudinha do meu trabalho... –– Ele respondeu tão baixinho que eu quase não consegui ouvi-lo.

–– Em que você trabalha? –– Eu pergunto.

Por que nossas vozes estão saindo assim tão baixas e... Sexy? O que está acontecendo aqui? E por que ele está se aproximando cada vez mais de mim?

–– Com coisas perigosas. –– A resposta de Justin me fez soltar um sorriso.

Ele deu apenas mais um passo em minha direção e me encurralou contra seu corpo e contra a pia. Eu estava com a boca aberta, tentando respirar, enquanto ele molhava os lábios com a língua delicadamente. Justin esticou os braços um para cada lado do meu corpo me prendendo inteiramente a ele.  Eu não me sentia tão baixa agora, comparado a ele, mas não era por que ele era baixo, pelo contrário Justin parecia uma girafa, mas agora ele estava inclinado para baixo, inclinado para mim.

–– Eu sinto que não devemos ficar assim tão próximos... –– Eu disparei nervosa, mas isso não pareceu afetá-lo, ainda mais porque minha voz ainda se encontrava da mesma forma: baixa e estranhamente sexy.

–– Você tem medo de se aproximar das pessoas? –– Justin questiona colocando sua cabeça contra meu pescoço para poder cheirar-me. Sentir sua respiração contra minha pele me causou um grande impacto deixando-me arrepiada e com um frio imenso na barriga.

–– Eu tenho medo de me aproximar de você. –– Sussurro fechando os olhos no mesmo instante em que os lábios molhados de Justin tocam meu pescoço fazendo uma enorme força elétrica correr pelo meu corpo.

–– Então não tenha... –– A voz dele saiu rouca e falha.

MEU DEUS! O que eu estou fazendo?

–– Ok. –– Eu tentei falar normalmente, mas não consegui e isso me deixou com vergonha.

–– Porra, você é tão gostosa... –– O tom da voz de Justin fez meu rosto esquentar. –– Eu queria tanto tirar aquele vestido de você e te comer gostoso... –– Ele sussurrou tocando meu quadril.

–– Justin...

–– Diga Leslie. –– Ele dizia com calma enquanto deixava breves beijos sobre a minha pele.

Eu levantei minha mão e voltei tocar sua barriga, mas logo subi meus dedos delicadamente escorregando-os contra a pele de Justin até chegar em seus braços fortes e enormes. Quando fechei meus olhos e os abri em seguida eu ouvi o barulho da campainha, o que me assustou e me acordou de meu transe idiota. Eu o empurrei para longe o suficiente de mim. Minhas pernas estavam bambas e aquilo me complicou de sair correndo da cozinha e deixá-lo aqui.

Eu agarrei a pia atrás de mim para me dar apoio enquanto encarava o grande volume ser exibido na calça moletom de Justin. Ele saiu da cozinha e minutos depois eu ouvi o barulho da porta ser aberta. Caramba! O que aconteceu comigo? Eu me viro e agarrei novamente o copo que estava dentro da pia e o enchi de água, virando-o contra minha boca para ver ser a secura de minha garganta passaria, mas não passou. Abanei um ventinho com minhas duas mãos em meu rosto para em seguida eu me virar e dar de cara com Justin entrando na cozinha com duas sacolas de comida chinesa. Eu andei rapidamente para fora da cozinha e me permitir correr quando cheguei à escada até chegar dentro do meu quarto, onde eu sabia que jamais o veria.

~(...)~

–– Sim, eu sei... –– Eu disse pela milésima vez.

–– Cara, eu não acredito que você quase deu para o melhor amigo do seu irmão! –– Bianca voltou a gritar euforicamente.

Eu tive que esperar o dia amanhecer acordada, já que não consegui pregar os olhos por um minuto pensando naqueles lábios e naqueles braços. Mas, assim que deram seis horas eu liguei para Bianca e depois de alguns xingamentos eu expliquei tudo pra ela. E até agora ela parecia não querer acreditar.

–– Eu não dei pra ele! –– Eu avisei-lhe. –– E não iria dar. –– Eu afirmo com certeza.

–– Leslie, se você tem um cara lindo como ele, bom pelo menos foi o que você disse, bem na sua frente querendo te comer você tem abrir as pernas pra ele e dá! –– Bianca disse. Eu revirei os olhos sabendo que jamais faria isso.

–– Olha aqui, eu jamais vou ficar com qualquer amigo do meu irmão, incluindo ele. –– Eu disse enquanto encarava a face de Bianca do outro lado da tela.

Depois de duas horas conversando com ela a gente estava dando altas risadas. Mas, logo Bianca teve que desligar para ir ajudar a mãe dela com uns probleminhas no escritório. A gente se despediu e disse que trocaríamos mensagens mais tarde. Eu estava animada para sair da mansão e ir conhecer mais o lugar onde eu estava morando, graças à idéia de Bianca. Eu fui até o banheiro e tomei um banho relaxante. Depois, eu sequei meu cabelo o deixando com lindas ondas nas pontas para depois passar um rímel e um batom rosa-clarinho. Saindo do banheiro eu ouvi o som do meu celular tocar. Era o número do meu irmão, indicando que ele não está em casa. Novidade.

–– Oi. –– Eu disse animada assim que atendi. Eu peguei o vestidinho que eu tinha separado e que eu tinha deixado em cima da minha cama.

–– Leslie? Eu não estou em casa... –– Chris disse. A voz dele parecia agoniada.

–– Percebi... –– Eu disse colocando o vestido florido em mim.

–– Eu quero que você saia de casa agora! Está me ouvindo? Agora! –– Chris mandou.

–– Você está bem? –– Eu perguntei preocupada.

–– Eu não vou poder ir pra casa agora, mas eu quero que você saia daí e vá para qualquer outro lugar, agora! –– Ele disse apressado.

–– Chris? –– Eu me assustei. –– O que está acontecendo?

–– Só saia daí Leslie, agora! –– Ele disse.

–– Está bem.

–– Agora! –– Ele mandou.

–– Ok... –– Eu disse calçando uma sandália aberta e com as tiras fininhas. Ela era preta e combinaria com a bolsinha também de alça que eu já havia separado. Eu saio do meu quarto e vejo que estou sozinha em casa.

–– Saia com pressa. Daqui a meia hora eu te ligo. Eu te amo, Leslie. –– A voz de Chris parecia mais calma agora.

–– Eu também te amo. –– Eu disse.

Depois de desligar a chamada eu saio de casa e dou de cara com o sol radiando as árvores. Passei pelo enorme portão e comecei a caminhar sobre as ruas sem saber para onde ir. Depois de muito tempo andando, eu acabei percebendo que já estava bem distante do lugar onde eu estava morando, mas graças a Deus eu tinha uma memória perfeita e não precisava ficar anotando os nomes dos lugares por onde passava. Eu comprei um sorvete de pistache e caminhei para a pracinha que eu vira de longe. O transito aqui parecia ser mais calmo do que em Seattle e isto é ótimo. Eu fiquei um longo período sentada em uma das mesinhas, redondas feitas de mármore, da praça enquanto terminava de comer meu sorvete. Depois de ver que tinha uma rua fechada por causa de um evento que estava acontecendo eu me levantei curiosa e caminhei até lá.

Quando eu me aproximei eu vi um monte de barraquinhas com várias coisas em cima para serem vendidas eu me animei. Era cada coisa mais linda que a outra. Andy estava certa, eu só tinha roupas da Chanel e da Forever 21 devido a minha mãe que dizia que uma jovem tinha que andar usando roupas boas e de marcas, mas ela nunca me deixava comprar outras roupas ou outras coisas a não ser as que ela queria, mas agora ela não estava aqui e eu podia comprar o que eu queria de verdade. Sorrindo eu fui até uma banca onde tinha várias pulseiras. Eu comprei três pulseirinhas e um colar que combinava com o que Chris me deu que por sinal eu não tirava nunca a não ser para tomar banho.  Eu pensei que não ia mais gastar dinheiro com nada até ver um prendedor de sonhos, e três capinhas de celulares que eu amei. Uma delas era completamente azul-turquesa e a outra rosa - choque, já a última era preta e tinha detalhes dourados nela. Quando eu estava dando o dinheiro para a moça que me vendera os vários anéis que eu comprei ela me olhou e sorriu.

–– Você foi o motivo para fazer sol hoje, ainda mais em dezembro. –– Ela disse sorrindo. Eu rir com ela e peguei meu saquinho.

–– Obrigado. –– Eu disse sorrindo e me afastando dela.

Eu andei mais um pouco pelas ruas de Ottawa, mas já estava cansada e já passava das 17h00m. Eu voltei para casa esperando a ligação de Chris, mas ela não aconteceu. Quando subi as escadas do meu quarto e deixei minhas sacolas em cima da cama eu ouvi um barulho vindo do andar de baixo. Eu mandei uma mensagem para Bianca dizendo que tinha amado o dia e que tinha gastado bastante dinheiro, depois eu coloquei meu celular em cima da mesinha de cabeceira para em seguida sair do meu quarto e descer as escadas.

–– Chris? –– Eu chamei da sala, mas voz nenhuma me respondeu.

Um homem apareceu bem no corredor da cozinha. Um homem estranho e que eu nunca vira antes. Assustada eu vi que ele poderia ser um ladrão tentando roubar a mansão e aquilo me fez paralisar no mesmo instante. Sua roupa preta quase o deixava invisível no escuro. Eu podia sentir os batimentos rápidos e fortes que meu coração estava fazendo nesse momento.

–– Pegue ela. –– Ele disse para alguém.

Segundos depois disso eu senti um pano ser encostado em meu rosto, quase o cobrindo todo. Eu me debrucei, mas logo não conseguia mais sentir meu corpo e então eu apaguei instantaneamente. 


Notas Finais


Eu quero logo que vocês vejam a reação de Leslie quando descobrir que os meninos são Criminosos.
Bom, eu espero que vocês estejam gostando da fanfic tanto quanto eu kkk, e se sim me falem, por favor, isso me ajuda muito. Eu tentarei postar de dois em dois dias até chegar no capítulo 13 ~onde estava antes de a fic ser apagada~, mas apenas depois que esse mês de vestibular passar. Cara, vocês nem sabem o quanto eu estou cansada e acabada.

PS: Vocês acreditam em amor a primeira vista? fsfjbsdfbsdf Acho que talvez tenha acontecido comigo ~zuera~ bsdfsdf

Beijos meu amores, até o próximo.
Amo vocês,
Dêh ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...