1. Spirit Fanfics >
  2. INVESTE EM MIM - Sasunaru - CrackFic! >
  3. Parte 4 - Bora se entrosa...

História INVESTE EM MIM - Sasunaru - CrackFic! - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Oie Gente. Desculpem-me pela demora. O lemon já estava pronto há algum tempo, mas eu não estava me sentindo bem então eu dei uma sumida.
Vou apenas terminar essa fic, as outras eu acho que não irei mexer por enquanto.

Enfim. Deixem seus comentários sobre a fic. Eu não sou boa com lemon. Desculpem-me por isso.
Não quis encompridar muito por que vem o lemon principal ainda e a retrospectiva do que Orochi e Jiraya faziam nos fundos da loja, ou seja, muito lemon? Ximmm....

Capítulo 4 - Parte 4 - Bora se entrosa...


 

PARTE 4 - BORA SE ENTROSAR.

Levado ao estremo de sua excitação sentindo sua ereção sendo acariciada pelas cochas firmes de Juugo, em conjunto com o hálito quente que abrasava sua pele já em chamas. Suigetsu nem tinha mais forças para negar, pois parte de sua mente já havia resignado a seu corpo.

'Maldita catuaba' Era tudo que ele poderia dizer mentalmente, enquanto se perdia varias e varias vezes nas suas sensações afloradas. Oras, um virjão como ele que só conhecia o aconchego de sua mão, como resistir a isso?

Seria uma luta desnecessária. Juugo já havia ganhado o controle de seu corpo, não havia porque se desgastar, ele era fraco e se rendeu ofegante ao color do corpo forte do outro, pressionando-o, beliscando-o, excitando-o. Mesmo suas mãos na tentativa de afastar o maior, acabaram se perdendo entre as curvas do forte abdômen quente como uma brasa. Quem era ele? Ele nem se lembrava mais.

Sorrindo sensualmente com sua voz rouca e baixa, Juugo aproveitou o estado entregue do garoto, para guardar na memoria aquela preciosa imagem. Suigetsu estava ofegando contra a parede, seus olhos semicerrados lacrimejavam e seus lábios o chamavam abrindo e fechando como um peixinho sedento por ar.

Um rubor adorável que subia por seu pescoço, corando com ainda mais força suas bochechas, contrastante com seus cabelos cumpridos na altura dos ombros, que naquele momento parecia incomumente bagunçado, exalava uma aura erótica e sensual, era como se bolhas coloridas flutuassem naquela atmosfera tão propícia. Tudo ali era um convite tentador para o desenvolvimento e, Juugo não tinha pressa, ele queria admirar, guardar todos os detalhes desse momento tão especial em sua mente.

Afogando-se no desejo tentador que começava a domina-lo, Suigetsu que tinha olhos chorosos, resmungou algo indistinguível ao sentir o abandono súbito de seu membro. Ele queria mais, e não poderia se contentar somente com isso... mas então, corando ainda mais violentamente ao ter um lapso de sanidade momentâneo, Suigetsu voltou uma de suas mãos para sua calça apertou com ainda mais força.

É claro que Juugo não estava disposto a ceder a luta interna do platinado, tocando suavemente a mão pequena, ma calejada, do rapaz, cobrindo-a com as suas enormes em comparação, convencendo-o suavemente a permiti-lo continuar, enquanto ambos ofegavam se olhando hipnotizados.

Sem duvidas, os olhos encantadores e possessivos de Juugo, fizeram Suigetsu resignar e engoliu seco soltando lentamente seu aperto, assumindo sua rendição.

Ele estava tão carente, tão quente... Quase desejando implorar...

Sorrindo com o olhar, exultante com os acontecimentos, Juugo suspirou lambendo sensualmente seus lábios fartos e avermelhados, fazendo com que Suigetsu se arrepiasse, prendendo o ar com antecipação, que nem ele sabia ter.

Ele estava entregue a Juugo e dane-se as consequências disso. Isso ele veria quando os efeitos da bebida acabar...

Massageando o membro teso do platinado entre os dedos por baixo da calça, o grandão glutinou ao ouvir os gemidos chorosos do menor, que se contorcia em seu poder. Ele estava tão entregue a si, tão lascivo sob seu domínio.

Desabotoando o cós da calça Jeans escuras de Suigetsu, Juugo o despiu rapidamente, livrando sua ereção do aperto dos Jeans. O pênis do platinado era lindo, grosso e cumprido, mas sem ser exagerado. Suas bolas rosadas era adoráveis o fazendo querer desesperadamente provar o sabor do garoto naquele momento mesmo.

Engolindo a saliva que se formava em sua boca, Juugo olhou a nudez do platinado ardendo de desejo. Seria salgado ou docinho em seus lábios? Como seria sentir o peso e o calor daquele membro pulsando em sua garganta.

Ofegante, Juugo tirou a própria camisa em seguida, sob os sons dos suspiros urgentes, mas baixos que escapavam 'ladinamente', dos lábios rosados do menor.

Analisando o maior atentamente Era difícil dizer como ou por que? Ele nunca imaginou que apreciaria tanto um corpo masculino quanto o de Juugo. Aquele peitoral torneado, aquela barriga sequinha, cujas laterais exibiam uma risca firme e marcante de seus músculos endurecidos e fortes. Aquele homem era uma montanha. E aquela montanha o atraia como um ímã.

Sugando os próprios lábios, o platinado gemeu e respirou profundamente quando sentiu o calor úmido e apertado da boca de Juugo o engolindo. A língua do maior dançava e brincava com a fenda chorosa do rapaz. Que gemia e urrava descontroladamente em sua boca.

Massageando as bolas rosadas e sugando a baba que escorria até ali, lambendo o cumprimento até o perímetro, tremelicando a língua entre a cabeça lisinha e o prepúcio. Juugo sugou novamente o membro para dentro, lambendo sem parar.

— Por Kami. E-eu não aguento muito mais! Juugo, por favor.... — O menor murmurou arqueando as costas. Seus dedos se curvavam incontroláveis até que ele alcançou o cabelo espetado de Juugo, puxando-o no calor do momento.

Gemendo com o pau em sua garganta, Juugo sentiu uma vontade louca de possuir o platinado imediatamente, retirando o membro pulsante e salgado de sua boca.

Choramingando quando seu pênis foi abandonado pelo maior, Suigetsu sentiu Juugo vira-lo para a parede, afastando lhe as pernas, forçando-o a se abaixar, colocando-o de mãos apoiadas na parede, contornando todo seu corpo com suas mãos grandes e fortes.

Estremecendo com o desejo de ir além, o platinado notou por entre as pernas, que Juugo atrás de si já havia retirado as calças, ostentando seu enorme pênis grosso e 'veiúdo', lindo e aparentemente pesado. Assustando-o imensamente, mas Suigetsu mal teve tempo de reagir quando abaixando-se atrás dele, o grandão espalmou sua bunda fazendo-o urrar em surpresa, dor e prazer, e sem esperar que o mais jovem respondesse, o mesmo lambeu com propriedade seu orifício, fazendo-o arquear com ainda mais força, mesmo sem tirar as mãos da parede, jogando a cabeça para trás.

Era muitos sensações novas ao mesmo tempo, seus olhos lacrimejavam e seus lábios se partiam conforme ele mordia os próprios lábios na tentativa de conter os gritos.

Soltando beijinhos em seu ânus, Juugo lambia sem parar, invadindo seu orificio com a lingua, fazendo-o rebolar por mais. Logo, dedos começaram a entrar, e depois disso tudo se tornou um borrão colorido em sua mente.

Pedindo por mais quase sem folego, com seu pênis chorando insistentemente mais por necessidade de mais carinho, Suigetsu não aguentou.

— Me foda, preciso que ... me foda.

Ouvindo-o pedir por ele quase sem folego, Juugo não pode mais se segurar.

— Você tem certeza? — Ele questionou já esfregando seu comprimento no bumbum melado e bem preparado de seu menino.

— Sim... p-p-por F-favor. Eu não aguento mais... — Suigetsu choramingou e arfou, empinando ainda mais a bunda.

Penetrando lentamente, segurando-se para não meter todo o comprimento de seu pênis de uma só vez para dentro daquele buraquinho apertado e quente, Juugo assistiu com prazer o ânus de seu macho engolindo-o, esticando-se, despregando-se lentamente até a cabeça de seu membro sumir dentro daquele corpo delicioso.

Aquela vista era linda demais, e o fazia querer chorar. Aquele bumbum branquinho e liso, aquela fenda rosada e virgem. Por Kami, aquilo era uma perfeição.

Suspirando com um misto de dor e medo, sentindo seu buraquinho queimar, pegar fogo, arder. Suigetsu sentiu sua cabeça retornar brevemente, doía muito, apertando a coxa do macho com as unhas, o platinado sentiu as mãos do maior passear por suas costas e por seu peito, até que uma delas começou a provocar seu mamilo causando-lhe um choque de excitação pelo corpo, fazendo seu ânus pulsar, tornando impossível para ambos segurarem o gemido, e a outra desceu até seu pênis abandonado e murcho, endurecendo-o com a caricia. Fazendo-o esquecer a dor, ao menos sessando o suor frio.

Não demorou muito para que Suigetsu sentisse seu bumbum começar a se acostumar com a grossura do membro do macho, que deslizava pacientemente para dentro, causando-lhe arrepios de prazer.

Percebendo isso, Juugo mergulhou seu pau até o fim, esperando que Suigetsu se acostumasse com ele.

Quando o jovem rebolou em seu pênis, Juugo não se conteve, traçando um caminho com a mão que sem perder nenhum detalhe daquela pele macia e ardente, acariciava o mamilo delicado do platinado, até seu pescoço, espalmando-o trazendo-o para si.

Gemendo com a mudança de posição, logo que deixando os cuidados em seu pênis, Juugo o apanhou pelo quadril, forçando-o profundamente naquele enorme pau de bolas pesadas. Foi instantâneo o grito de prazer.

—Mmm! O-o que foi isso?

Sorrindo roucamente ao pé do ouvido de seu novinho, que parecia estremecer ao menor de seus toques, Juugo disse, maroto, roçando sua barba rala por fazer e seu hálito quente naquele pescoço sensível.

— Sua próstata. Você se sente bem se eu acertar aqui? — Ele perguntou rouca e maliciosamente, repetindo o movimente, socando ainda mais fundo, se é que isso era possível, recebendo outro grito inebriado do menor, que entorpecido nem percebeu quando sua cabeça fora guiada para o lado, recebendo os lábios carnudos do grandão, que sugando um fio de saliva transparente que escapava do menor ensandecido de prazer, gemeu suavemente.

O gosto salgado na boca do maior, fez com que Suigetsu fosse a loucura, ele nunca imaginou que sentiria prazer em sentir seu sabor na boca pecaminosa de algum homem. Na verdade, ele nunca imaginou estar transando com Juugo, isso era inacreditável.

Sentindo-se no céus, Juugo ofegou e tremendo espalmou as nádegas daquela coisinha lasciva. Aquele bumbum o sugava com tanta força que jogando a cabeça para trás, Juugo estremeceu tentando controlar a vontade de gozar avassaladora.

Ele não aguentaria muito mais, e a musica não ajudava... o ambiente se tornava ainda mais lascivo quando entre a batida da musica a coisinha lasciva se contorcia em seu bastão vigoroso. 

"A cidade inteira
Sabe que tu ainda me ama
Tu ainda me ama
A cidade inteira
Sabe que tu quer voltar pra minha cama
Então pra que tu se engana?

 

Explodiu
Oh oh oh"
 

Logo, os sons de amor, abafados pela musica, floresciam naquele cubículo apertado, somente os dois indivíduos se amando de forma entregue poderia desfrutar dos gemidos intensos e a musica da pele se chocando contra pele com força e pressão. 

Suigetsu estava enlouquecido de prazer, um prazer que ele nunca imaginou capaz de sentir e agora, ele sentia que poderia enlouquecer ou desmaiar de tanta luxuria. 

Roubando novamente seus lábios com força e arrogância, separando-os enquanto um fio transparente de saliva esticava entre os dois, tornando a cena ainda mais quente e lasciva. Juugo espalmou novamente o traseiro guloso de seu amante, que bêbado de prazer só pode lhe olhar com seus olhos lacrimejantes e chorosos. 

Seus olhos viravam sempre que o cumprimento de Juugo batia difícil e seu ponto especial, fazendo-o se contorcer... Se morrer de prazer fosse possível, ele morreria hoje mesmo...

─━━━━━━⊱✿⊰━━━━━━─

Enquanto isso no salão...

Como ainda era cedo, e o forró era na periferia, não havia segurança na porta. Logo, Naruto quase desmaiou quando Gaara o jogou na parede fazendo suas costas batessem com força na parede irregular cheia de pequenos relevos, fazendo-o perder o folego.

Sem se importar com a falta de ar de Naruto que ofegava dolorosamente, Gaara o agarrou forçando lhe um beijo agressivo e exigente. No mesmo instante Naruto sentiu que poderia vomitar, choramingando e empurrando o maior na tentativa de tomar um ar.

Sem sucesso, ele só pode chorar lagrimas de tristeza e agonia pela falta de ar.

Se cansando dos empurrões de Naruto, Gaara largou seus lábios com uma mordida cruel cortando os lábios finos do moreto, mas ainda sim ele não se sentia satisfeito, erguendo sua mão para dar uns tapas no loirinho que se encolheu de medo outro vez.

O Uzumaki estava tão assustado com a situação tão súbita que só pode fechar os olhos esperando a dor chegar, mas logo um baque surdo e o grito estrangulado de Gaara o fez abrir os olhos relutantemente. Logo, seu coração se acelerou e ele se perguntou se estava sonhando, pois agora, Sasuke estava a sua frente, protegendo-o com o próprio corpo, enquanto Gaara estava estartalado no chão com um semblante cheio de dor.

Aproveitando o momento, ainda sem falar nada, Sasuke pisou com força nas bolas de Gaara e com um olhar cheio de frieza sorriu enquanto o via gritar e chorar de dor. Sentindo-se assustado com a cena, mas ainda sim muito feliz por ver o homem que tanto o fez sofrer caído de forma tão vergonhosa no chão, provavelmente castrado, Naruto não pôde deixar de sorrir internamente.

Ninguém poderia culpa-lo por estar feliz pelo fim de Gaara, ele merecia! Mas mesmo assim, parte de si se sentia péssimo por desejar o mal a alguém.

— Gatinho... Não precisa mais ter medo, eu cuidei desse lixo para você. — Sasuke disse com uma voz embebecida em magnetismo e ternura, fazendo com que Naruto voltasse a si, enrubescendo sem saber como reagir a isso.

Logo, ambos se encararam por um tempo, até que atravessando a rua correndo, Hatake Kakashi chegava algemando Gaara e lhe dando a voz de prisão, de onde ele estava passando com a viatura ele flagrou tudo e temeu não chegar a tempo para parar as atitudes de Sabaku, mas ao ver Sasuke chegar com um rodo, lançando o ruivo no chão como um saco de batata podre, ele aproveitou para dirigir mais lentamente com seu parceiro, permitindo que o moreno desse alguns golpes antes de leva-lo com voz de flagrante.

Assustado, Gaara chorou e negou ter feito qualquer coisa contra Naruto, mas as câmeras gravaram tudo e agora, ele nem poderia contestar a voz de prisão.

Suspirando aliviado, Naruto assistiu Kakashi levando o meliante ao camburão.

— Você está bem garoto?

Acenando com a cabeça, ainda entorpecido, Naruto viu Kakashi suspirando. Afinal, Naruto era filho de alguém importante para ele, alem de ser como seu próprio sobrinho. Ver essa situação o tornou ainda mais grisalho.

— Cuide dele para mim, Sasuke.

O grisalho disse ao moreno, caminhando apressadamente para a viatura onde ele se encaminharia de levar o marginal.

Engolindo seco, Naruto acompanhou a viatura saindo com os olhos, lá dentro Gaara perturbado gritava juras e promessas para ele, ameaçando-o e intimando-o para tira-lo da prisão e não representar queixa contra ele.

Percebendo isso, Sasuke se virou para Naruto e segurando seu pescoço carinhosamente com a mão, sussurrou.

— Esse merda não saíra do xadrez tão cedo. E mesmo que você o defenda, como pego em flagrante delito, não há como ser inocentado das acusações.

Levantando os olhos azuis, novamente, agora avermelhados pelo choro, Naruto apenas concordou seriamente com a cabeça. Ele não tinha nenhuma pretensão de inocentar aquele lixo, de todo modo.

Acenando em entendimento, Sasuke se aproximou ainda mais, e tocando suavemente o lábio ferido de Naruto que o observava com ressalva, suspirou.

— Precisamos cuidar disso, Bibiri-kun. — Dizendo isso, Sasuke nem esperou que Naruto esboçasse qualquer reação, abraçando-o pela cintura, levando-o para dentro.

Na pista, as noticias sobre a prisão de Gaara havia se espalhado como vento, Karin corria para porta junto de Jiraya e Orochimaru.

FIM DA PARTE 4.


Notas Finais


É isso por hoje pessoal. Deixem suas opiniões. Depois eu edito, sorry pelos erros.
Bye Bye.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...