1. Spirit Fanfics >
  2. Invisible String (solangelo) >
  3. It was the end of a decade, but the start of an age.

História Invisible String (solangelo) - Capítulo 1


Escrita por: soulangelo

Capítulo 1 - It was the end of a decade, but the start of an age.


 

(Will Solace)

Minha mãe afagava meus cabelos, e eu sabia que ela estava tentando não chorar.

 

Era comum que eu passasse as férias de verão longe dela. Meu pai sempre me esperava nesse período e tentava ser o mais presente possível, por mais constrangedor que isso pudesse ser. Gostaria que ela fingisse que essa era só mais uma dessas vezes, não que eu iria passar um tempo indeterminado longe dela.  Mas, ela estava ali, me observando com seus grandes olhos azuis - uma das poucas coisas que eu herdara dela - como se eu fosse uma criancinha de novo, como se fosse a primeira vez que eu pisava naquele aeroporto - e não era nem a primeira vez que eu sequer fazia aquela viagem sozinho. Só que eu entendia. Eu era a única pessoa que ela tinha, e nunca ficamos longe um do outro por muito tempo. E pensar nisso me fazia não querer ir.

— Você tem certeza que não esqueceu de nada? — Perguntou e assenti com a cabeça.

— Conferi tudo ontem a noite. — E as malas já tinham sido levadas de qualquer maneira.

— Documentos? Remédios? Roupas inti-

— Mãeeee! — A repreendi e segurei sua mão, sorrindo depois, tentando a acalmar. — Eu peguei tudo, pode ficar tranquila.

Ela sorriu fraco e se aproximou para beijar minha testa.

— E tem certeza de que não vai se perder no aeroporto de lá?

— Fala sério…

Minha mãe riu, logo depois checando o horário em seu celular.

— Acho melhor você ir logo, não quer acabar perdendo o voo, né? — Assenti e ela tocou meu rosto, seus olhos pareciam estar marejados. — Vou sentir saudades.

Já havíamos tido aquela conversa. Ela sabia que eu também sentiria dela. 

 

A abracei, e ela me apertou em seus braços por um momento. Me encarou ao me soltar, colocando ambas as mãos em meus ombros. Seus cabelos castanhos emolduravam seu rosto e para mim, Naomi Solace era a mulher mais bonita do mundo.

— Você tem certeza que…

— Vai ficar tudo bem, mãe. Não precisa se preocupar. — Aquela era a coisa mais estúpida para se dizer a uma mãe, eu tinha certeza. Mas ela não pareceu se importar. — Logo eu estarei indo aos seus shows mesmo. — Ela riu, mas seus olhos brilhavam.

Sabia que minha mãe gostava de cantar, mas não sabia que seus sonhos eram ao redor disso. E por isso a apoiei incondicionalmente na busca de uma chance de fazer algo que realmente a faz feliz. Ela não achava apropriado me levar junto de lugar para lugar enquanto procurava uma chance, e em uma noite enquanto ela conversava com meu pai para confirmar como seriam as férias, acabou dando a sugestão de que eu ficasse morando com ele por um tempo, para não prejudicar tanto assim tudo ao redor da minha rotina. Afinal, eu tinha dezesseis anos, e precisava estudar se quisesse entrar para a faculdade logo.

Ele aceitou a ideia na hora. Talvez sentisse falta da companhia de um filho, mas disso ele tinha muitos por aí. Talvez sentisse saudade de mim. Inegavelmente, seria uma experiência interessante.

 

— Me liga quando chegar?

— Te ligo quando passar do portão de embarque. — Ela riu, agora se aproximando para beijar minha bochecha.

 — Se cuida, Boa viagem, viu?

— Te amo. Vou ficar bem.

— Eu sei que vai. Mas desse jeito, vai ficar atrasado também. Sabe 'pra que lado tem que- oras, é óbvio que sabe. Também te amo, filho. Se divirta também. Mande um abraço para o seu pai. E por favor não volte com outra ta-

— Tchau mãe! — Beijei sua bochecha virando para me afastar. Pude ouvir sua risada novamente e, segurando as alças de minha mochila, fui até a fila dos que iriam embarcar, com minha passagem e documentos em mãos. Me virei e pude ver minha mãe de longe. Ela acenou, e eu também. Ela sorriu, e eu sorri de volta.

 

Depois dei as costas. E imaginei quanto tempo levaria para que voltasse à minha casa.

 

 

(Nico Di Angelo)

 

Meu quarto tinha virado um bazar de roupas de banho.

 

Não fiquei surpreso. A reação óbvia de meus amigos seria começar a arrumar por mim as malas que teriam como destino Long Island. A estadia no lugar durante as férias era algo como um ritual, mas não entendia tamanha euforia todas as vezes. Iriamos amanhã, eu podia muito bem arrumar a mala na madrugada e dormir em paz durante a viagem. Mas não. Maldita hora em que Hazel perguntara sobre minhas roupas. Foi questão de um piscar de olhos para que minha mala estivesse aberta no chão, meu armário escancarado e minha irmã junto de Piper, Jason e Percy opinando como se estivéssemos indo para um desfile em Milão.

Essa era uma das desvantagens de morar no mesmo prédio que grande parte dos seus familiares. Bem, eu podia fazer uma lista a respeito disso. Em como grande parte dos encontros quase que diários aconteciam ali. Ou no apartamento em frente. Ou no do outro andar. Bem, isso comprovava minha teoria de que gente rica só gosta de viver em bandos, principalmente família, e era por isso que Jason sempre estava aqui e Percy também na maioria das vezes (muitas vezes Annabeth também) - e também Piper, afinal não tinha um lugar melhor para o ator mais famoso e cobiçado entre meninas adolescentes do que a melhor cobertura do melhor prédio.

 

— Sinceramente, com esse tanto de roupa emo podemos faturar uma grana das crianças dizendo que elas vão poder tirar foto com uma Monster High. — Piper comentou e Percy gargalhou, sendo acompanhado de Jason. Hazel estava claramente se divertindo com a situação também. Arremessei uma almofada na direção de Pipes, atingindo o armário ao lado dela e Percy. Jason, sentado no chão, dobrava as roupas que ele fizeram questão de jogar dentro da mala sem o menor cuidado, e Hazel estava sentada em minha cama, tenho minhas pernas apoiadas em seu colo.

— Essa aqui é colorida, gostei. — Percy arremessou uma camiseta verde-azulada em minha direção, a qual eu reconheci antes mesmo de ver a logo bordada na mesma.

— É o uniforme do meu trabalho. — Comentei o arremessando na mala aberta no chão. Jason o pegou e dobrou com cuidado.

— Cara, não sei como você aceitou trabalhar em uma loja de iogurte — Grace franziu o cenho, desacostumado com isso mesmo eu já trabalhando no lugar por quase dois anos. Me lembro de ter aceitado a oportunidade sem pensar duas vezes, sem saber muito bem a razão;

Dei de ombros — Eles estavam procurando alguém e eu me ofereci.

— E até hoje não ganhamos um desconto. — Percy bufou e dessa vez, cheguei a rir junto de meus amigos.

— Quem mais vai estar indo amanhã? — Piper perguntou mudando de assunto repentinamente e se sentando ao lado de Jason, que segurou sua mão. Os dois eram uma representação daquele relacionamento bate-e-volta, mas tinham tanto carinho um pelo outro que independente de terem terminado ou não, nunca mudavam totalmente a forma com que se portavam um com o outro.

— Frank vai conosco. — Hazel lembrou e Mclean assentiu. 

— Nós vamos depois de amanhã. — Jason apontou para Piper. — Leo vai junto. Como a Thalia chega amanhã vamos esperar.

Sorri com a informação. Thalia Grace, minha prima, era uma das pessoas mais legais que eu conhecia. Assim como Jason também.

— Eu e Annie também. — Percy completou. — Mas sinceramente, voltando ao assunto De férias com o emo...

Todos gargalharam e eu revirei os olhos. Com o nível em que aquela conversa escalava, sabia que não faltava muito para que eles me carregassem no colo mesmo até o shopping, e eu não teria muito o que fazer a respeito.

 

No fundo, apreciava o quão empolgados eles conseguiam ser, como eles sempre pareciam tão dispostos a enfrentar qualquer situação com tanto entusiasmo. No fundo, queria ser um pouco mais como eles, mesmo que nas pequenas coisas. 

 

Respirei fundo. Sentia que aquele verão de alguma forma seria mais longo que o normal.

 


Notas Finais


Erros e repetições serão corrigidos na revisão!
Espero que tenham gostado dessa introduçãozinha.

Se cuidem e bebam água!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...