História Irmãos de dor - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Tags Mitologia, Narukura, Naruto, Sasusaku
Visualizações 94
Palavras 4.819
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Harem, Hentai, Luta, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 8 - Behemoth


Sayame: E-Espera, mas por quê eu devo abandonar a carreira shinobi? — a confusão era nítida no seu tom de voz.

 

Yu: V-Você entendeu errado, eu disse que você deixaria de ser uma shinobi, e não que abandonaria essa carreira... — Sayame ficou ainda mais confusa. — M-Me deixe ver... pense em shinobi com um título, você deixaria de ter esse título para passar a ter o título de analisadora de dados e consequentemente... ah, você não vai me entender... — suspirou balançando a cabeça. — Vamos pensar assim, você vai continuar a ser uma ninja, mas também vai ter outras utilidades. — Yu assentiu como se aquilo que tinha dito fosse o certo.

 

Sayame: M-Mas por quê isso derrepente? — Yu suspirou.

 

Yu: Sayame, eu vou ser sincera com você, se você continuar nesse ritmo vai ser inútil para sua equipe. — a garota se assustou. — O Hiro sabia disso, por esse motivo antes dele sair de Konoha ele deixou no bilhete para que você viesse aqui, aparentemente ele tem confiança de que você possa se tornar mais forte se eu te ensinar tudo que sei. — disse calmamente.

 

Sayame: E-Entendo... — disse de cabeça baixa. — Você pode me responder uma coisa? — Yu assentiu. — Behemoth, quem é ele? Hiro disse que seu clã tinha o corpo necessário para selar Behemoth. — a azulada respirou profundamente.

 

Yu: A criatura mais forte que existe. O clã Yukiha e Behemoth tem um laço estreito. — mexendo em um teclado virtual que flutuava ao seu lado Yu fez com que uma cadeira aparecesse. — Se sente, a história é um pouco longa. — após ver que a loira havia se sentado Yu digitou mais algumas coisas no teclado, então o teto do sotão foi aberto, permitindo que a luz entrasse ali.

 

Sayame: I-Isso é incrível. — disse surpresa.

 

Yu: É, eu sei. — se gabou. — Continuando, essa é uma história de muito tempo atrás, antes da Kaguya chegar na Terra, nosso planeta estava passando pela pior guerra de toda sua história, naquela época não eram somente humanos que andavam sobre a terra, mas inúmeros monstros, suas existências eram algo parecido com as Bijuus, mas existiam muitos deles. Durante séculos os monstros e os humanos brigavam pelo controle do planeta, do lado dos humanos existiam inúmeros clãs, o clã Yukiha era um deles, esse clã era considerado o mais poderosos, já do lado dos monstros existiam divisões, Fadas, Lobos, Gigantes, Vampiros e por aí vai. Os monstros tinham vantagem natural, seus atributos basícos eram 100x mais fortes que os dos humanos, mas os humanos também tinham algo que os deixava no mesmo patamar dos monstros, era uma energia chamada de Dou que existia em abundância pelo planeta, os humanos conseguiam absorver essa energia e usar como poder. — Sayame estranhou algo.

 

Sayame: Mas se essa energia já existia antes mesmo de Kaguya por quê não usamos ela ao invês do chakra? — Yu suspirou.

 

Yu: Tudo começou quando Kaguya comeu o fruto do chakra, antes disso os humanos absorviam o Dou e quando usavam suas técnicas o Dou voltava para o ambiente, mas quando as pessoas começaram a usar do chakra eles absorviam Dou e transformavam em chakra, assim o Dou não era devolvido. — Sayame assentiu. — Voltando, dentre esses monstros existiam três que se destacavam, Ziz o monstro que dominava os céus, Leviatã o monstro que dominava os mares e Behemoth o monstro que dominava a terra, seus poderes beiravam o ridículo, pode-se dizer que esses três foram os responsáveis pelo extermínio da maioria dos clãs daquela época. — Sayame arqueou as sobrancelhas.

 

Sayame: Espera, você disse que existiam três monstros que eram mais fortes, mas apenas Behemoth está selado, onde estão os outros dois? — perguntou confusa.

 

Yu: Mortos. — Yu respondeu como se não fosse importante. — O patriarca do clã Yukiha os matou, a força daquele homem também beirava o ridículo, segundo meus registros ele usou uma técnica de alto nível para matar os três, mas algo saiu errado e Behemoth conseguiu sair vivo, depois disso o patriarca ficou muito debilitado por ter usado uma técnica tão poderosa e não existia ninguém com a força necessária para matar Behemoth, o clã Yukiha redirecionava todos seus esforços para tentar manter o lider deles vivo, por esse motivo a humanidade perdeu muita força e sua maioria foi morta pelos monstros. Depois de alguns acontecimentos Behemoth foi selado em uma pessoa do clã Yukiha, então Behemoth foi sendo selado de geração em geração, a pessoa escolhida dessa vez foi o Hiro. — suspirou.

 

Sayame: Mas que acontecimentos foram esses que fizeram com que Behemoth pudesse ser selado? — Yu encarou a loira como se procurasse algo nos olhos dela.

 

Yu: Você não vai querer saber, é uma história de traição e sangue. — Sayame assentiu. — Muito bem, até agora você não me disse sua resposta. — Sayame assentiu. — Ótimo. — comemorou como se tivesse ganhado na mega-sena. — Olhe Sayame, para aprender a mexer na base de dados dos seres vivos você deve aprender a manusear Dou. — os olhos da loira se arregalaram. — Como você sabe, as pessoas absorvem o Dou inconscientemente para a realização de um jutsu, mesmo que eles o transformem em chakra logo depois, mas isso não quer dizer que você não pode usar ele de forma individual. — Sayame assentiu. — Esse não é o melhor lugar para tentarmos praticar isso, acho melhor irmos para o local mais afastado. — sussurrou olhando para o sotão.

 

Sayame: Se for somente isso eu acho que tem um lugar. — Yu tombou a cabeça para o lado.

 

 

FRONTEIRA COM O PAÍS DO CHÁ

 

 

Yu: Você acha mesmo que ninguém vai perceber que deixou um clone no seu lugar? — Sayame deu uma pequena risada.

 

Sayame: Aquele não é um clone, o que eu deixei lá foi o meu dragão, ele tem uma habilidade que o permite se transformar em qualquer coisa que ele já tenha visto, na sua transformação ele copia tudo, desde a quantidade de chakra até as memórias da pessoa, creio que a única pessoa que pode diferenciar ele de mim seria o meu pai. — Yu assentiu.

 

Yu: Mas você pode ao menos me dizer aonde nós estamos indo? — Sayame deu um pequeno sorriso.

 

Sayame: Estamos indo até o meu clã, eles ficam um pouco depois da fronteira do país do fogo com o país do chá. — Yu fez um teclado aparecer e começou a digitar algumas coisas.

 

Yu: Interessante... — Sayame a encarou. — Aqui diz que o seu clã fez contratos com os dragões, é a primeira vez que eu ouço falar de um clã que conseguiu fazer algo assim, todos os outros que tentaram foram mortos. — Sayame assentiu.

 

Sayame: O vovô me dizia que todos do clã tinham algo especial, algo que nos permitia compreender os dragões, acho que é por esse motivo que os dragões nos permitiram selar contratos com eles. — Yu pareceu pensar em algo.

 

Yu: Entendi. — pensou olhando algumas coisas que estavam em uma tela à sua frente. — Vamos nos apressar, quanto antes chegarmos no seu clã vai ser melhor. — Sayame assentiu e começou a correr com toda velocidade que seu corpo podia.

 

 

ALGUMAS HORAS DEPOIS

 

 

Guarda: Alto, quem é você? — Sayame foi barrada por um guarda.

 

Sayame: Meu nome é Sayame Ryu, estou aqui para falar com meu pai. — os olhos do guarda se arregalaram.

 

Guarda: M-Me perdoe por minha rudez princesa! — se curvou em respeito. — Yuto-sama está na mansão, mas temo que ele não poderá te receber apropriadamente no momento. — Sayame arquou as sobrancelhas. — E-Ele está reunido com os conselheiros do clã. — Sayame assentiu.

 

Sayame: Então eu vou ter que ir até ele. — o homem a olhou assustado. — A mansão ainda fica no mesmo local? — o guarda assentiu. — Certo, obrigado. — voltou a andar. — Esses idiotas continuam importunando meu pai? — sussurrou irritada.

 

Yu: Ui, princesa. — a loira corou.

 

Sayame: A culpa não é minha, eu sempre disse para eles não me chamarem por esse nome mas eles não me ouvem. — respondeu emburrada.

 

Yu: Sei, mas então, qual é a dos conselheiros? — perguntou interessada.

 

Sayame: Quando eu disse para o meu pai que eu ia sair daqui e ir para Konoha os conselheiros ficaram contra minha decisão, como eu sabia que se eu fosse esperar a decisão do meu pai eu nunca iria sair daqui já que aquelas víboras nunca iam deixar, então eu meio que fugi escondida. — sorriu envergonhada.

 

Yu: Então você é do tipo rebelde. — sorriu. — Isso é estranho, não tem moradores aqui? — olhou para as várias casas que tinham ao redor da estrada que levava até uma mansão que ficava no fim da pequena aldeia, isso fez Sayame rir.

 

Sayame: As pessoas que moram aqui são todas do clã, as decisões que podem afetar o clã são debatidas na sala de reunião da mansão, meu pai faz questão que todos os cidadãos estejam presentes nessas reuniões. — respondeu com um pequeno sorriso no rosto.

 

Yu: Então ele é um bom lider. — pensou guardando uma nota mental.

 

Sayame: Chegamos... — parou em frente a um portão de aço.

 

Yu: Isso é estranho... — olhou para o portão. — É impressão minha ou essa pequena aldeia é mais desenvolvida do que a maioria das grandes aldeias? — Sayame começou a rir. — Existem até mesmo prédios. — olhou para as enormes estruturas de concreto, aço e vidro.

 

Sayame: Esse lugar está mais atualizado, a última vez em que eu estive aqui não existiam esses prédios. — Yu continuou a olhar ao redor.

 

Yu: Isso me lembra um pouco das cidades do continente dourado. — Sayame se interessou por isso e olhou para Yu. — É um local muito longe daqui, ele fica depois dos oceanos do leste, pode-se dizer que esse continente está 500 anos atrasado em questão de tecnologia se fosse comparar com o continente dourado. Antes que você pergunte, durante os sete anos que o Hiro e o Naruto estiveram fora eles não ficaram somente nesse continente, eles conheceram diversos povos e diversas culturas, se você quiser eu posso te contar algumas histórias das viagens deles. — Sayame pensou um pouco sobre o assunto.

 

Sayame: Espera, você estava junto com eles? — a azulada negou.

 

Yu: Não, essas são apenas as memórias do Hiro. — isso surpreendeu a loira.

 

Sayame: V-Você tem acesso a todas as memórias dele? — Yu deu um sorriso pervertido. — N-Não é sobre isso que eu estava falando... — Sayame corou.

 

Yu: Se você quer perguntar se eu tenho acesso às memórias atuais dele a resposta é não, ele bloqueou meu acesso, eu só tenho acesso às memórias de dois meses atrás em diante. — Sayame assentiu. — Certo, nós não estávamos indo até seu pai? — perguntou ironicamente.

 

Sayame: Isso... — Sayame pareceu se recompor e abriu o portão.

 

 

EM KONOHA

 

 

Kurama: Naruto-kun, você está bem? — perguntou preocupada.

 

Naruto: Não, eu não estou... — colocou as mãos na frente dos olhos. — Eu preciso de um carinho pra ficar melhor. — isso causou uma gota em Kurama, afinal o loiro já estava bem. — Desculpe por isso... — deu um pequeno riso. — A verdade é que eu estou tentando processar tudo que está acontecendo. — olhou para o teto de seu quarto. — Eu nunca imaginei que o Hiro pudesse fazer isso. — sussurrou incorfomado.

 

Kurama: Fugir da aldeia? — Naruto negou.

 

Naruto: Isso é o de menos, ele levou meu estoque de lámen, O MEU PRECIOSO LÁMEN!!!! — gritou desesperado enquanto olhava para sua dispensa vazia.

 

Kurama: Era isso? — pensou assustada. — Hiro... — sua feição ficou triste, depois de Naruto o Hiro era a pessoa que Kurama mais gostava.

 

 

FLASH BACK ON

 

 

Hiro: Sabe, eu te entendo um pouco Kurama, você tem medo que o Naruto te odeie pelo que você fez aos pais dele. — Kurama o encarou.

 

Kurama: Mas eu sei que ele me odeia, por minha culpa ele sempre foi perseguido por aqueles aldeões ingratos, por minha culpa ele cresceu sem conhecer o que é o amor dos pais. — disse enquanto chorava.

 

Hiro: Ei, eu conheço o Naruto melhor que ninguém, se ele te odiasse ele nunca te tiraria do selo, não é só por que ele precisa de poder, ele se identifica com você, ambos são odiados, você é considerada a reencarnação do ódio e o Naruto é considerado a própria raposa de nove caudas. — aquele último nome causou repulsa em Kurama, ela odiava esse título, isso a lembrava do tanto de mortes que ela causou. — Mas para mim e para o Naruto você é apenas a Kurama, nossa amiga. — sorriu para a ruiva. — Apenas queremos que você se sinta bem e esqueça um pouco sobre tudo que você fez, a única coisa que importa é o presente. — Kurama assentiu.

 

Kurama: Como você pode ser tão otimista com as coisas? — Hiro começou a rir. — O-O que foi? — perguntou constrangida.

 

Hiro: V-Você disse uma coisa engraçada, a última coisa que eu sou é otimista. Tudo que eu disse é a mais pura verdade, o Naruto não quer seu poder, ele quer apenas retirar você desse ciclo de ódio e conquistar sua amizade. — disse enquanto olhava para as estrelas.

 

Kurama: E você não quer nada? — Hiro a encarou.

 

Hiro: Apenas que você cuide do Naruto, você pode prometer isso pra mim? — Kurama assentiu. — Ótimo, isso me faz sentir melhor, eu sinto como se eu fosse o irmão mais velho desse cabeção. — olhou para o lado, vendo Naruto dormindo em cima de uma cama feita de folhas, isso causou uma risada em Kurama.

 

 

FLASH BACK OFF

 

 

Kurama: Ei... — colocou sua mão no ombro do loiro. — Não se preocupe, eu sei que você está triste. — deu seu melhor sorriso para Naruto.

 

Naruto: Obrigado... — deu um beijo em Kurama. — Creio que o melhor a se fazer agora é me concentrar em ficar mais forte, tenho certeza que a Akatsuki vai começar a se mover em breve. — sussurrou fazendo Kurama assentir.

 

 

NO CLÃ UCHIHA

 

 

Itachi: Sasuke, a Sakura já chegou. — o Uchiha mais velho riu após ver o rosto de Sasuke corar. — Vá logo para a sala, antes que a mamãe conte as histórias de quando você era um bebê. — Sasuke saiu correndo do quarto. — Seja feliz irmão. — pensou sorrindo.

 

 

NA SALA

 

 

Sasuke: N-Não acredite nas mentiras que ela está te contando!!!! — o moreno exclamou depois de aparecer na sala.

 

Sakura: Sasuke-kun! — disse surpresa.

 

????: Como ousa dizer que eu estou mentindo para a Sakura-chan? — uma névoa roxa circulava o corpo da matriarca do clã Uchiha.

 

Sakura: M-Mikoto-sama, tenho certeza que o Sasuke-kun não queria dizer isso. — a aura que cercava Mikoto desapareceu.

 

Mikoto: Entendo, você tem razão. — sorriu para a rosada.

 

Sasuke: C-Como ela conseguiu fazer ela se acalmar? Por acaso a Sakura tem alguma habilidade tão incrível assim? — pensou assustado.

 

Mikoto: Por que você está parado aí? Vocês não iam sair? — Sasuke assentiu. — Pois então saiam logo, aproveitem que ainda são jovens, pois quando ficarem velhos vão ter filhos e não vão poder aproveitar as coisas da vida. — disse enquanto sonhava nos filhos de Sasuke e Sakura.

 

Sasuke: M-Mãe! — reclamou envergonhado.

 

Sakura: P-Pode deixar Mikoto-sama! — comentou sorrindo, causando espanto em Sasuke. — Nós já podemos ir, Sasuke-kun? — o moreno mais novo assentiu, então Sasuke e Sakura saíram da casa.

 

????: Mikoto você envergonhou nosso filho... — um homem apareceu no local.

 

Mikoto: Você está dizendo que o modo como eu tratei meu filho é errado, Sr Fugaku? — cerrou os olhos em direção ao homem que desviou o olhar.

 

Fugaku: J-Jamais Mikoto-chan... — assoviou nervoso.

 

Mikoto: Foi o que eu pensei... — disse sorrindo.

 

Fugaku: Essa mulher ainda vai me matar, eu tenho quase certeza disso. — pensou com medo.

 

 

COM KAKASHI

 

 

Kakashi: Conselheiros por favor eu peço para reconsiderarem a ordem de vocês. — o grisalho disse enquanto estava ajoelhado com a cabeça baixa.

 

Homura: Entendemos seus sentimentos Kakashi, mas você precisa entender que nós temos que visar o bem de Konoha acima de tudo, nós já decidimos isso, a morte de Hiruzen foi uma lástima para todos e precisamos de um novo Hokage, mas antes disso existem coisas que precisam ser tratadas. — respondeu seriamente.

 

Kakashi: Eu sei disso, mas considerar o Hiro como um Nukenin não é algo que eu apenas possa ficar sentado de braços cruzados e permitir que isso aconteça, vocês sabem que o Naruto o considera como um irmão, e fazer isso apenas vai o irritar e não é aconselhar irritar ele. — disse seriamente.

 

Danzou: Chega disso Kakashi, a nossa decisão é definitiva, a partir de hoje Hiro Yukiha é considerado um nukenin de Konoha, suas informações vão ser colocadas no Bingo Book. — Kakashi trincou os dentes em frustração. — Sei que ele foi seu aluno Kakashi, mas você vai ter que aceitar isso. — Kakashi assentiu e saiu da sala. — Agora voltando ao assunto principal. — Homura assentiu.

 

Homura: o Sannin dos Sapos Jiraya negou o pedido para se tornar o novo hokage, creio que a única pessoa que nos resta é a Princesa Tsunade. — Danzou assentiu.

 

Koharu: Sugiro que mandemos Jiraya atrás dela, além de terem sido colegas de equipe Jiraya pode a convencer a se tornar a próxima Hokage. — Danzou assentiu novamente.

 

Danzou: Então está decidido, Jiraya irá atrás de Tsunade para ela se tornar a próxima hokage de Konoha. — ambos os conselheiros assentiram.

 

 

EM ALGUM LUGAR DO CONTINENTE NINJA

 

 

Hiro: Isso é muito ruim... — sussurrou olhando para o enorme salão em que ele estava, era tudo branco com exceção de um pilar coberto por um pano vermelho velho que ficava no meio do salão. — Duas correntes foram quebradas, aquela técnica do Naruto é assustadora. — olhou para um homem que estava sentado em cima do pano na frente do pilar. — Você tem ideia do quanto de problemas você está fazendo eu passar? — disse irritado.

 

????: Não me culpe pelos seus erros, humano. — uma roz rouca ecoou por todo o salão.

 

Descrição: Pele branca e suja, físico magro, seus cabelos são curtos e castanho, seus olhos são da cor roxa e possui uma longa cauda com a ponta felpuda. Traja uma única peça de roupa que cobre todo seu corpo e é rasgada nas pontas. Em sua boca ele tem um tipo de focinheira de ferro que cobre toda sua boca e impede que ele consiga falar, em seu pescoço tem uma coleira com uma corrente que é conectada da coleira até o pilar, do pilar saem diversos fios que são conectados à sua pele, ambos seus braços são presos pro cinto negros que passam por toda a extensão deles, em suas pernas também tem cintos enrolados nelas, a ponta de sua cauda existe bracelete preso e no chão tinham algumas correntes.

 

Hiro: Não te culpar? — uma cadeira apareceu na frente do homem e Hiro sentou nela. — Você tomou controle do meu corpo, atacou a Kurama e o Naruto, como posso não te culpar? Me responda como eu não posso te culpar Behemoth!!! — uma risada ecoou por todo o salão.

 

Behemoth: Não vá se esquecer de fui eu que tomei posse do seu corpo e matei sua amada. — a pele de seu rosto se distorceu, Hiro percebeu que ele estava tentando sorrir.

 

Hiro: Não, eu não me esqueci disso. — respondeu seriamente.

 

Behemoth: Então, qual é o motivo da sua ilustre visita? Não me diga que é somente por causa dessas duas correntes aqui. — olhou para as correntes. — Elas só impediam que eu consiga respirar. — Hiro revirou os olhos.

 

Hiro: Não banque o espertinho pra cima de mim, ambos sabemos que agora que você pode respirar não vai mais precisar conservar energia. — Behemoth mexeu a cabeça de um lado para o outro. — E se você não conserva mais energia pode voltar para sua forma bestial e assim forçar o selo. — Behemoth se levantou fazendo a corrente de seu pescoço ficar na cor vermelha.

 

Behemoth: Eu não sou idiota, mesmo que eu retorne para minha forma bestial o que eu ganharia gastando a força que eu já não tenho? — seus olhos brilharam. — Parece que nós dois estamos em um impasse, você tem medo de que eu possa possuir seu corpo agora que o selo está fraco, mas por outro lado se eu conseguisse fugir estaria muito fraco e você poderia me matar. — Hiro sorriu.

 

Hiro: A ideia não me parece ruim... — se levantou da cadeira fazendo ela desaparecer.

 

Behemoth: Eu disse “poderia” não se ache tanto, inseto... — Hiro abriu ainda mais seu sorriso.

 

Hiro: Quer testar? — uma fina camada de chakra cobriu o corpo do Yukiha, então Hiro acertou um chute no peito de Behemoth, fazendo o homem bater com tudo no pilar.

 

Behemoth: Desgraçado... — sussurrou sentindo os cintos de seus braços e pernas apertarem mais. — É por isso que eu odeio sua espécie, vocês se acham demais quando estão no controle da situação, mas se o jogo vira contra vocês todos ficam com medo. — se levantou. — Não me provoque pirralho... — Behemoth movimentou seus braços juntos para a esquerda, assim acertando o rosto de Hiro, fazendo ele voar contra a parede mais próxima. — Tsc, foi mais fraco do que eu pensei... — resmungou irritado. — Saia daqui você já está me dando nos nervos. — disse enquanto via Hiro cuspir sangue.

 

Hiro: .... — saiu do buraco que ele causou na parede. — Cale a sua boca, sua voz me dá nojo. — uma energia azul começou a circular o corpo do ruivo, no instante seguinte o garoto desapareceu.

 

Behemoth: Você é muito lento... — Behemoth chutou para a esquerda, assim bloqueando um soco de Hiro, mas isso fez um onda de choque se espalhar pelo local, fazendo tudo tremer. — Como eu disse em Konoha, você ficou fraco. — os olhos do homem se alargaram ao ver Hiro explodir em fumaça. — Um clone. — ao olhar para o seu lado ele pode ver Hiro sentado na mesma cadeira de antes dos dois começarem a trocar golpes. — Esses olhos... — Behemoth percebeu que os olhos do garoto estavam brilhando. — São os mesmos olhos daquele homem... — um arrepio percorreu todo o corpo do monstro.

 

Hiro: Não consegue nem diferenciar uma ilusão. — se levantou da cadeira e fez seus olhos pararem de brilhar. — Até a próxima, Behemoth! — acenou com a mão e desapareceu do local.

 

Behemoth: Como ousa me fazer de idiota... — a corrente de seu pescoço mudou para a cor normal. — MALDITO!!!! — berrou enfurecido fazendo rachaduras aparecerem por todo o salão.

 

 

COM HIRO

 

 

Hiro: Ele não vai tentar fazer muita coisa por algum tempo... — suspirou abrindo os olhos e saindo da posição de lótus. — Essa coisa foi mesmo danificada. — olhou para o bracelete em seu braço. — Ele não consegue manter minhas emoções seladas dentro do meu subconsciente, se bem que antes ele também deixou minhas emoções saírem. — sussurrou confuso. — Deixando isso de lado. — pensou olhando para a imensidão de árvores ao seu redor. — Eu já devo estar perto o suficiente para eles me notarem, então é melhor eu começar. — pensou fazendo alguns selos. — Raio: Cadeia elétrica. — de repente inúmeros raios começaram a cair naquela floresta, destruindo tudo que tocavam, então de repente todos os raios foram sugados para uma direção. — Já? — olhou para uma sombra que saiu de trás de uma árvore.

 

Homem: O ancião está te esperando. — Hiro deu um pequeno sorriso e começou a acompanhar o homem, após alguns minutos eles chegaram em uma caverna. — Ele estará te esperando lá dentro. — Hiro assentiu e entrou na caverna, após andar por algum tempo até chegar em um grande espaço que tinha uma enorme mesa de jantar que tinha quatro pessoas sentadas nela.

 

Hiro: A quanto tempo. — no instante seguinte uma espada estava a poucos centímetros de seu olho. — Mas que maneiras são essas Asmore? — debochou.

 

Ancião: Se afaste Asmore. — Asmore assentiu e voltou para sua cadeira.

 

Descrição: Cabelos grisalhos, pele branca, físico magro e olhos negro. Traja um yukata verde com um par de zoris pretas.

 

Yasmin: O que você está fazendo aqui? — disse fazendo Hiro revirar os olhos.

 

Hiro: Eu não vim falar com vocês. — disse enquanto se aproximava do ancião.

 

Ancião: Você recusou minha oferta, por qual motivo você viria até mim agora? — perguntou interessado.

 

Hiro: Preciso de sua ajuda, o selo daquilo foi enfraquecido. — o Ancião suspirou de maneira pesada.

 

Yuto: Aquilo? — perguntou confuso.

 

Ancião: Por favor saiam daqui. — os três se entreolharam e saíram. — Se sente. — apontou para a cadeira e Hiro se sentou. — Lamento pelos acontecimentos envolvendo ao Shiro, eu desviei um pouco a atenção da jaula dele e ele conseguiu escapar. — Hiro estalou a língua.

 

Hiro: Eu não vim aqui para falar sobre meu passado, eu quero saber se você vai ou não me ajudar com meu problema. — o homem o encarou.

 

Ancião: Somente se você aceitar meus pedidos. — Hiro arqueou as sobrancelhas. — Eu vou te ajudar a manter o Behemoth preso mas você vai ter que fazer algumas coisas pra mim. — Hiro assentiu. — Primeiro, vai ter que me apresentar para sua nova namorada. — a expressão do ruivo fechou. — Segundo, vai ter que voltar comigo para a aldeia. — Hiro assentiu a contra-gosto. — Terceiro, você vai ter que obedecer todas as minhas ordens. — Hiro assentiu. — E por último, você não vai ter permissão para sair da aldeia. — os olhos do Yukiha se alargaram.

 

Hiro: Eu não vou ter minha liberdade roubada me mim, pelo menos não de novo! — exclamou irritado.

 

Ancião: Cale a boca e me escute. — uma enorme pressão caiu sobre Hiro, impedindo que ele respirasse. — Você interpretou tudo errado, você não vai ter permissão para sair da aldeia enquanto eu não ter certeza de que o Behemoth não vai fugir. — Hiro assentiu com dificuldade. — Ótimo... — a pressão desapareceu fazendo Hiro buscar oxigênio desesperadamente. — Antes de sairmos daqui nós precisamos ajudar um pequeno vilarejo que está tendo problemas com alguns bandidos, você vai lidar com eles sozinho. — o garoto se levantou da cadeira e foi até a saída da sala. — E você está proibido de usar chakra e dou assim que sair da caverna. — Hiro parou de andar.

 

Hiro: Tudo bem. — sussurrou saindo do local. — Vamos começar a caça aos bandidos. — disse desaparecendo do local em um raio negro.

 

 

TRÊS ANOS DEPOIS

 

 

Sayame: Aqueles conselheiros estúpidos... — a loira reclamou pela milésima vez naquele dia.

 

Descrição: Sayame agora estava mais alta, seu corpo estava mais desenvolvido, ela trajava uma vestimenta padrão dos jounins de konoha.

 

Yu: Sabe, reclamar deles não vai mudar muita coisa. — riu da situação de sua amiga.

 

Descrição: Não mudou absolutamente nada.

 

Sayame: Mas eles não podem me forçar a casar com alguém que eu nem conheço, meu clã nem é dessa aldeia, o que diabos eles estavam pensando? — disse enfurecida. — Pro inferno com toda essa porcaria de poligamia. — resmungou irritada.

 

Yu: Veja pelo lado b- parou de falar pois uma mensagem de alerta apareceu na frente Sayame.

 

Sayame: Hm? — olhou para cima, focando um pouco sua visão ela conseguiu ver um homem vestindo um manto negro com nuvens vermelhas. — Quem diabos é aquele cara? — focando um pouco mais nele uma janela apareceu. — Nagato, líder da... AKATSUKI?!?! — gritou surpresa. — Esse cara é da Akatsuki? Ele deve estar atrás da Kurama. — pensou olhando para Nagato.

 

Yu: O que você vai fazer. — perguntou interessada.

 

Sayame: O Naruto já deve saber que ele está aqui, a única coisa que eu vou fazer é proteger os civis. — disse começando a correr, mas a garota parou de correr ao ouvir Nagato pronunciar algumas palavras.

 

Nagato (Pain): Shinra Tensei! — uma força invísível começou a ir em direção à Konoha.

 

Sayame: Droga... — disse começando a digitar algumas coisas em um teclado que apareceu na sua frente, então quando ela terminou um enorme buraco feito no tecido do espaço-tempo apareceu e sugou a força invísivel, e depois disso desapareceu como se nunca tivesse existido.

 

Nagato (Pain): Quem é você? — o ruivo olhou para Sayame que apareceu no teto de uma das casas.

 

Sayame: Uma ninja de konoha e- parou de falar pois alguém acertou um forte golpe em Nagato, o jogando contra o chão. — Francamente, você demorou demais. — disse sorrindo.

 

Naruto: Desculpe, é que o Natsu e a Fuyu queriam que eu brincasse um pouco com eles. — disse aparecendo ao lado da garota.

 

Sayame: Onda está a Kurama? — Naruto resmungou parecendo irritado.

 

Naruto: Ela está trancada no quarto, eu reclamei que ela tinha comido todo o lámen e ela falou que eu disse que ela estava gorda, odeio quando isso acontece. — Sayame deu uma pequena risada. — Isso mesmo pode rir. — disse irritado. — Sasuke e Sakura devem estar transando em algum canto por aí, então somos só nós dois. — disse vendo que Nagato se levantou. — E se me permite dizer, aquele rasgo no espaço-tempo foi incrível. — Sayame sorriu.

 

Nagato: Então você deve ser o portador da Kyuubi. — os olhos de Naruto ficaram com uma fenda neles.

 

Naruto: O nome dela é Kurama. — disse irritado.

 

Sayame: Naruto o nome dele é Nagato. — isso surpreendeu o ruivo. — Ele é o lider da Akatsuki. — disse fazendo Naruto trincar os dentes.

 

Naruto: Então foi você quem matou o Jiraya-sensei... — o chakra de Naruto explodiu.

 

????: NARUTO!!! — o loiro olhou para o lado e viu uma loira parada ali.

 

Naruto: Tsunade não precisa intervir na luta, apenas cuide para que nenhum dos civis se machuquem. — a mulher assentiu. — Pronta, Sayame? — Sayame o encarou preocupada. — Não se preocupe comigo, se preocupe com aquele desgraçado ali. — o manto negro da Kurama apareceu no corpo de Naruto.

 

Sayame: Sim, estou pronta. — disse seriamente.

 

Nagato (Pain): Venha, nove caudas! — disse fazendo cinco pessoas aparecendo ao seu lado.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, comentem o que acharam de interessante e deem ideias de como a fic pode ser melhorada, até a próxima, Fui!

Link Behemoth: https://static.zerochan.net/317...Miiina.full.1058807.jpg


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...