História Iron tears- Kim Taehyung - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Blackpink, EXO, Got7
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jinyoung, Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Lisa, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Youngjae
Visualizações 48
Palavras 1.229
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, estão preparados para o capítulo de hoje? Hehe

Até às notas finais e boa leitura,💕

Capítulo 8 - Capítulo 8


Fanfic / Fanfiction Iron tears- Kim Taehyung - Capítulo 8 - Capítulo 8

♦ Oito ♦

                        ★

⟨S/N 0N⟩

Já estava no hospital, minha mãe estava internada em estado grave. Afinal, havia levado um tiro de raspão na cabeça. O médico disse que ela estava com bastante lesões no corpo.-

Por incrível que pareça meu pai está aqui desde o ocorrido. Não sei como, mas ele conseguiu deixar minha mãe como prioridade de todos seus afazeres.

—Não se preocupe, S/N. Ela vai ficar bem. —disse o mesmo tentando me abraçar.

—Claro que ela vai ficar. —digo me afastando—Minha mãe é forte, aguentou tanta coisa nessa vida.. —logo vejo o doutor se aproximar de nós— Oi doutor, como ela está?

—Olha, o estado dela é um pouco delicado. Não sei como ela conseguiu sobreviver a um tiro na cabeça. Pois a maioria dos nossos casos o paciente acaba entrando em óbito, mas com ela foi diferente. Sua mãe é realmente forte,S/N. Ela está batalhando pela vida. —disse o doutor.

—fico muito feliz, doutor. Mas o senhor tem mais ou menos a previsão de quando ela irá acordar? —pergunto apreensiva.

—Ainda não sabemos ao certo quando mais ou menos ela irá despertar, mas estamos fazendo o possível para que seja logo. Afinal, ela acabou "danificando" um pouco do Córtex..

—O que isso quer dizer, doutor?

—Que ela acabou danificando/perdendo alguns neurônios e algumas células nervosas..—disse meu pai se envolvendo na conversa.

—Isso mesmo, senhor Petter.. bom, refiz algumas anotações e exames e vimos que ela precisa passar por uma cirurgia.—me entregou a papelada— Aqui está algumas coisas que vocês precisam saber, caso tenham alguma dúvida, É só tirar na recepção. Tenham uma boa tarde. —disse por fim.

—14.000 won? A cirurgia custa 14.000? De onde tirarei esse dinheiro?! —pergunto encarando o papel.

—Calma, S/N. A cirurgia já está paga. —disse meu pai calmamente. Me fazendo o encarar.

—V-você fez isso? —encho os olhos d'água. Droga! Maldita sensibilidade.

—Não precisa chorar, filha. Eu nunca deixaria vocês passarem por isso sozinhas. —o mesmo me abraça, me fazendo derramar-me em seus braços. Eu sentia falta desse abraço.

—Obrigada.

(...) A Noite..

—Você não irá dormir? —perguntou meu pai.

—Estou sem sono.. —digo segurando a mão de minha mãe. —Não quero sair de perto dela.

—Você precisa descansar.. já está tarde da noite, e outra se você não dormir agora amanhã estará cansada e não dará assistência que ela precisa.

—Seu pai tem razão, S/N. Vá e descanse. —disse o médico

—Não quero ir para casa sem minha mãe.

—E quem disse que eu deixaria você dormir sozinha naquela casa? Venha para minha casa.

—Desculpe, mas tenho que rejeitar. Estou sem son—sou interrompida por um bocejo inesperado. Vejo meu pai me encarar.

—como você está sem sono? O cansaço é verídico no seu rosto.

—Eu realmente agradeço o convite, mas quero ficar com minha mãe. —fale observando a mesma que estava com os olhinhos fechados.

—Tudo bem, eu respeito sua decisão. Mas caso precisar de alguma coisa, me ligue. —o mesmo diz colocando as chaves dentro do bolso.

—Não se preocupe, não irei ligar —o observo sair —nem que matem...

—você deveria ser mais compreensiva com seu pai. —diz o doutor fazendo algumas anotações.

—Como assim?

—Você deveria ser mais amigável com ele..—continua

—Mais amigável do que estou sendo?

—Você as vezes é muito rígida com ele

—Eu faço o máximo que posso..—vejo o doutor colocar a papelada encima da mesinha e se assentar em um sofá próximo —Ele acha que eu sou burra a ponto de não perceber que ele só está fazendo tudo isso para se reaproximar de nós. Puf tolo.

—Talvez ele esteja arrependipldo do que fez e queira somente uma segunda chance. E..—o interrompi.

—"todo mundo merece uma segunda chance. Agora só cabe a você querer perdoar" é eu sei, não é a primeira vez que ouço isso.

—Então medite "nisso". Bom, irei aqui a sala ao lado..caso precisar de alguma ajuda é só me chamar. — diz o doutor por fim. —Boa noite

—Boa noite, doutor.. —encaro a minha mãe— não se preocupe mãe, eu irei descobrir quem te fez isso, e se aquele desgraçado estiver envolvido nisso, eu o mato!

1 semana depois....

Ao longo dessa semana os dias foram miseravelmente cansativos e longos. Minha mãe não reagiu a nenhum medicamento e não temos nenhuma previsão de quando ela pode acordar.

Meu pai durante toda essa semana vem dado toda assistência, apesar de não confiar muito nele, acredito que seja o mínimo que ele pode fazer.

Essa semana foi literalmente um inferno na escola, Taehyung e seu grupinho voltaram a me infernizar, o que achei esquisito foi que o Jimin não estava mais juntos á eles.

(...)

→As aulas finalmente haviam acabado, então saio em busca de onde estava minha bicicleta Encontrando a mesma toda quebrada/desmontada.

—Kim Taehyung! —resmungo —ah! E agora como irei pra casa? São a quilômetros daqui.—coloco as mãos na cabeça— Aish!

—Qual é, S/N? —ouço a voz masculina soar atrás de mim e deduzo ser Kim Taehyung. Me viro e estava certa, estava todos lá, inclusive Jimin —Além de burra, feia, ainda é vândala? —me provoca mas não ligo,Apenas me viro e saio andando.

—Já vi que além de vândala também é mal educada. —ouço a voz irritante de Yeri.

—Sabe, S/N eu até te daria uma carona.. mas, nunca colocaria alguém como você dentro do meu carro —diz Taehyung enquanto colocava os braços em torno de meus ombros.

—A última coisa que eu quero é uma carona de alguém. E se esse alguém for você, prefiro morrer andando a pé. —digo tirando seus braços de cima de meus ombros. — E por favor, sem forçar intimidade.

—Olha aqui sua—O mesmo é interrompido por uma voz masculina que ecoa atrás de nós.

—Não se preocupe, Taehyung. Ela não precisa da sua carona, muito menos de seus "favores". A última coisa que eu deixaria era S/N ir a pé sozinha. —diz Jimin enquanto segurava minha mão. —Vem S/N —O mesmo me puxa.

—Você vai pagar por isso, Jimin! —ouvimos o grito de Taehyung. Rimos.

—Se tiver que pagar perto da S/N eu estarei disposto a pagar o preço que for. —coro. —Olha,S/N..eu gostaria de te pedir perdão. Eu sei que o que fiz não foi legal e nem um pouco agradável, eu só me deixei levar pela "onda" do Taehyung. Me desculpa mesmo.

—Não se preocupe,Jimin.

Acredite, já fizeram coisas bem piores que isso comigo, o que Taehyung faz comigo é apenas um suquinho de limão misturado com sal —rimos.

—Sério, eu me sinto um inútil por ter feito isso contigo.

—Não se sinta —o abraço de lado —Todos merecem uma segunda chance.

—Obrigado —O mesmo sorri e me abraça —sentia falta de ouvir sua voz —rio — e sua risada também. E então? Vamos? —o mesmo me entrega o capacete e sobe encima da moto.

—Vamos! —coloco o capacete na cabeça e o acompanho. O mesmo dá partida e segue caminho.

—Se segure firme —ouço o mesmo dizer.

—Por quê? —o mesmo acelera me fazendo o segurar firme —Você está louco?! Quer me matar? —ouço a risada nasal do mesmo.

—Não seja exagerada..

—Jimin, se você não se importar..eu não irei para casa —digo ao ver o mesmo indo em busca de minha casa.

—E para onde você quer ir? —o mesmo pergunta com os olhos ainda direcionado ao trânsito.

Ao hospital..


Notas Finais


E foi isso galers, não me matemm.

💫 Perdão pelos erros de ortografia e etc.

💫Dê sua sugestão aqui em baixo. Estou aceitando críticas construtivas↓

—Paro ou continuo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...