História IRREGULAR: A mystery - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Anime, Drama, Fanfic Anime, Mangá, Suspense, Terror
Visualizações 2
Palavras 946
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Escolar, Famí­lia, Ficção, Luta, Mistério, Policial, Saga, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Suicídio
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Ame o quanto puder. Aproveite quando tiver. Arrependimentos não trazem de volta.



Boa leitura.

Capítulo 2 - CAPÍTULO II - Connectivity


 

    O homem chamava outros alunos. 29 já passaram pelo palco; 2 horas já se passaram; alguns começaram a sair da sala; só restava um: Edward.

- Próximo a apresentar: Edward Kokkleleaf! - Poucos aplausos. Talvez ninguém conhecia Edward muito bem. A menina ao seu lado aplaudiu e olhou para ele:

- Vai! É a sua vez!

- E-é-é... M-minha vez. - Com a voz trêmula, Edward saltou para as escadas junto a seus pertences. Por onde passava, as pessoas olhavam estranho (perceberam que era o "menino do tombo"). Subiu no palco, se dirigiu ao palanque, arrumou o microfone e apanhou seu papel. Começou a ditar:

- Hoje eu vou falar, porque eu decidi ser biólogo. A biologia, em si, é uma aventura. A arte de procurar elementos que criam efeitos no seu humano; tanto bons como ruins. Minha irmã tem uma doença conhecida como down. Ela nasceu com um problema da parte direita do cérebro, e possui menos de 78% de raciocínio do que o comum. Meu pai já tentou em diversas clínicas pelo menos recuperar um pouco da normalidade dela, mas... nenhum conseguiu.

Me inspiro na biologia porque, primeiramente, eu gosto muito da matéria. Eu creio que quase todo mundo tem um trabalho porque gosta dele. Minha irmã serve de inspiração. É como se fosse um desafio: eu concorrendo os as doenças, através da biologia. Muitos acham complicado, que é coisa de gente nerd, mas não é bem assim. Quando você gosta da natureza, das plantas e dos seres, você acaba tendo uma maior afinidade com a matéria.

A biologia, para mim, é o emprego perfeito. Rendas medianas, alto desenvolvimento e mercado de trabalho apto para bons ganhos. Claro, tenho finalidade, então é óbvio que terei mais facilidade. Então, é isso. Obrigado pela atenção. - Todos aplaudiram e já começaram a sair. Edward foi direto para a saída. As apresentações foram realmente entediantes; exceto a de Meredith, que fez até alguns chorarem. Ninguém esperava uma apresentação tão triste, e tão tocante.

Edward já estava quase no fim da porta, quando, Meredith surjiu ao seu lado, e chamou sua atenção.

- E aí? Edward, né?

- Ahn? O quê? Ah, oi. É, sou Edward. - Confundiu-se e tornou a responder a menina.

- E então. Biólogo, né? - Os dois já passavam a andar junto pelo corredor. Edward se dirigia ao seu armário para guardar os livros que não são da aula que irá ter hoje.

- É. E você, atriz? Muito bom.

- É, viu como eu atuo bem? - Já pararam na frente da porta do armário.

- C-como assim? - Questionou-se.

- Ah, você não percebeu?

- Percebeu o quê? - Guardou o seu último livro e virou o olhar para a garota.

- Era tudo mentira.

- É o quê? Mentira? - Fechou o armário.

- Sim. Minha mãe ainda tá viva. Meu pai sumiu mesmo, mas o resto... - Edward ficou sem resposta.

- C-como você consegue... ?

- É! Acha que vamos entrar no mercado de trabalho como? Aquilo era uma técnica perfeita, é como se eu transmitisse a confiança que não iria falhar no meu trabalho!

- P-pera, eu ainda não estou conseguindo raciocinar... tudo aquilo era... mentira?

- Sim! Meu pai nem bebe, nem nada. - Passou a falar baixo, pois algumas garotas que estavam na palestra passou ao lado deles.

- N-nossa... que incrível! - Edward finalmente esboçou um sorriso para a menina. Estava em choque; ela conseguiu fazer metade da plateia chorar, sem se quer fazer um movimento, apenas falar, e falar. Edward, então, pensou:

- Poderia ela estar mentindo que ela estava mentindo na hora do relatório? Só para eu poder ser amigo dela? Será que ela pensa que eu não seria amigo dela porque ela tem a vida sofrida?

- Hey! Alô!

- Aah! - Edward havia parado por um tempo para pensar, mas a menina o tirou do transe.

- Mas, e aí? Sua irmã tem mesmo down?

- Sim, infelizmente. Ela só tem 4 anos.

- Ah, puxa vida em. Que pena. Vai ter aula do quê agora?

- Simbiose Molecular de Plantas venenosas. E você?

- Expressões alternativas.

- Expressões alternativas?

- É. É quando nosso personagem expressa no rosto um sentimento, mas no semblante dos atos expressa outro.

- Deve ser complicado!

- Sim. E você? O que é essa tal de simbiose?

- A simbiose molecular é o ato das moléculas de plantas diferentes se agruparem e formar uma substância química só. Simbiose, na visão bióloga, é a união de duas substâncias que se juntam. No caso, a simbiose molecular de plantas venenosas, é a união de duas moléculas de duas plantas venenosas. Entendeu? - Já chegaram no corredor principal.

- Ah! Sua fala parece decorada.

- É, eu basicamente disse o que está no livro.

- Báa. - Expressou sentimento de nojo. Os dois riram, se olharam, e então perceberam que estavam parados no meio do corredor, com algumas pessoas olhando.

- Ah... E-eu vou para a minha aul...

- É, e-eu também vou porque...

- Tchau - Os dois disseram juntos e partiram. Edward correu para sua sala, e percebeu que estava atrasado. Edward deu pequenos socos na porta, e entrou pedindo licença.

- Senhor Edward, está atrasado.

- Perdão, senhor Borgston! - Disparou para sua carteira. Abriu sua mochila e apanhou desesperadamente o seu livro.

- Os deveres, senhores?

- Dever? - Sussurrou Edward. - Ah, é! - Edward procurou em sua mochila o seu dever, que ontem, estava fazendo. Pegou  o folheto e deixou à mesa do professor. A aula prosseguiu, Edward tirou A+ (como esperado), e o tempo passou e passou.

(CONTINUA O CÁP.)



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...