1. Spirit Fanfics >
  2. Irresistível - Jeon Jungkook >
  3. Uma noite no carro.

História Irresistível - Jeon Jungkook - Capítulo 2


Escrita por: e Badass__Girl


Notas do Autor


Espero que gostem, demorei para desenvolver esse capítulo e o HOT que tá um lixo :")
Boa leitura ☆

Ps ; Desculpem os erros.

Capítulo 2 - Uma noite no carro.


Jungkook batia seus dedos impaciente sobre a mesa, enquanto Namjoon dava uma palestra para tapear todo mundo.

 A reunião deveria ter se iniciado há 10 minutos atrás, mas Danley Park se auto intitula o gostosão, apenas ele pode se atrasar. 

Mas Danley não era sua preocupação, o que deixava o moreno com os dedos frenéticos a mesa era a mulher de Danley, a _____. 

 

Jungkook sentia inveja por Danley ter ____ como sua esposa.

 

Sabia que ela não era feliz, Jungkook sendo um colega de trabalho, tão próximo a moça fazia Danley pensar mais em deixa - los sozinhos. Sabia muito bem que Jungkook era novinho em folha , enquanto o mesmo  não passava de um velho. 

Mas ele precisava deixar ____ guiar Jeon nos projetos mais intensos do ano, então tirou os pensamentos ruins em relação a moça e com 10 minutos de atraso teria chegado na empresa. 

 

— Desculpem a demora. Pegamos um engarrafamento. — Dita Danley ofegante.

 

 O moreno ri anasalado por sua situação, em tantas inúmeras vezes que o rapaz se gabava de sua juventude, claramente, Jeon Jungkook gostava de zombar do amigo. Ele falava que o mesmo estava perdido na virilidade. A idade chegando e já estava acabado! 

Também notou que ____ não estava acompanhada do velho. 

 

— Não queria deixá - los esperando. 

 

— Tudo bem. Eu estava bolando alguma coisa aqui antes do Senhor e de sua esposa?

 

— Ela já está subindo. 

 

Jungkook levanta rapidamente assim que vê a moça adentrar a sala. Fazendo seus olhares se encontrarem. Ela desvia rápido, sabe que não era uma boa hora. 

 

— Bom, irei deixar Jungkook  nas mãos de minha mulher. Enquanto saiu a negócios  com Namjoon. Vamos faturar uma grana com o dono de uma empresa de veículos raros. — Dizia contente. 

 

O moreno sorri ladino, finalmente, depois de tempos sem ficar a sós. Jungkook queria puxar conversa, saber como ela estava. Estava louco para se aproximar novamente, porque a mesma já teria dado um basta antes para não ter problemas. 

 

— Ela está em boas mãos. — Dita o moreno sorridente. 

 

O velho se aproxima de ____ depositando um beijo em seus lábios. Jungkook era, de fato, ótimo em expressões faciais, pois sabia que ela não gostava nem um pouco dele. O desprezo era visível ali. 

 

— Te vejo mais tarde. — Acaricia seus cabelos. 

 

— Vê se não arranja confusão. — Sussura Namjoon perto de JK que ri em deboche. 

 

— Juro não fazer nada de bom. 

 

Danley e Namjoon saindo da empresa com o resto de seus homens. Jungkook e ____ se encaram por frações de segundos, pela primeira vez longe um do outro poderiam se encarar a vontade. 

A moça organiza os papéis e deixa Jungkook para trás, fazendo o mesmo segui - la para o elevador. 

 

____ Point Of View 

Eu ficava nervosa perto dele, sei que Jungkook era insistente e debochado, e o medo de ficar perto dele era existente. Ou seja, ele é um sedutor e facilmente te põe contra a parede, fazendo sua calcinha molhar.

 

— Ei — Corre até o elevador que quase fecha. Ele puxava assunto, mas eu não o olho nos olhos. — Me diz se você tá bem. 

 

— Estou. 

 

— Faz tempo que não nos vemos. — Ditava com olhar preso a mim. 

 

— É. — O elevador para no último andar e saiu em disparada a minha sala. 

 

Entro jogando os papéis na mesa, sento na cadeira e começo a preenche - los. 

Jungkook senta de frente a mim ainda com seus olhos sobre mim. 

 

— Por que tá me tratando assim? — Se aproxima tirando a caneta da minha mão. 

 

— Para de me encher! Mal chego aqui e você não dá uma trégua! — Profi ignorante. 

Ele recuou todo desanimado e a culpa veio sobre minha pele. — Desculpa, eu não queria… gritar com você. Minha cabeça tá cheia.

 

— Não há porque se desculpar. Eu entendo. Sou eu quem está piorando tudo, disparando perguntas e sendo insistente. — Ficamos em silêncio analisando a situação. 

 

— Tem algum tempo que a gente não se vê  mesmo. Andei fazendo muita pesquisa sobre Oratória e estou fazendo o curso. 

 

— Sério? Isso é tão excitante. Ter que saber que um bando de alunos da Universidade de KS, ouvirá sua voz melódica. 

 

— Não é pra tanto. Não exagera! 

 

— Voz de anjo! uma mulher que precisa ser beijada mais vezes, mimada mais vezes. Ainda me pergunto porque está com esse velho. 

 

— Você acha que quero estar com ele?

 

— Então fique comigo. — Disparou a mim. Nunca chegamos a esse ponto, ele nunca tentou aproximação, mas teríamos trocado alguns olhares e quase nos beijamos, por isso que eu me afastei. 

 

— O que você disse? Não seja louco. Você sabe como Danley é. 

 

— Não tenho medo! 

 

— Me afastei uma vez porque ele poderia pensar mal sobre você me seguindo o tempo todo. Acha que ele não é  capaz de te fazer algum mal? Você se confia demais. 

 

— É que não dá pra ignorar. Você é irresistível. — Seu tom profi de forma sexy me fazendo arrepiar.  

 

O jeito de Jungkook mexia comigo intensamente. Não tinha como resistir. 

Simplesmente, eu adorava sua risada debochada, seu tom de voz rouco, seus cabelos compridos. 

Tudo nele era arte. 

 

— Não devíamos ter esse contato todo aqui na empresa. Sabe o que pode acontecer?

 

— Eu tô pouco me lixando pra seu maridinho. — Arrastou sua cadeira perto da minha ficando bem próximo a mim. 

 

Sua mão deslizou sobre meus cabelos, seus olhos admiravam meu rosto, ele fez as costas de sua mão acariciar minha bochecha e segurou firme meu queixo. 

 

— Eu daria tudo pra ter você pra mim. ____ não é a primeira vez, você sabe o que sente, por quê não fica comigo? 

 

— Jungkook! Eu já disse o motivo. Você realmente é louco e acha pouco? O que está fazendo?! Sua sanidade foi para o espaço? — Tiro sua mão do meu queixo. 

 

Mas na verdade, eu queria muito mais. Mas não queria arriscar sua vida. 

 

— Tá bom, te deixo em paz! Desisto! — Levanta de vez da cadeira fazendo com que eu levante atrás dele também. — Eu tentei, tô insistindo tanto, já disse que não tenho medo. Por você arrisco tudo. Nem que eu me dê mal. Você me odeia? 

 

— Você é um cabeça dura! Céus! Eu não te odeio, só não quero te por em uma fria maior. 

 

— Prove. 

 

— Provar? Não tenho que provar nada! 

 

— Hoje, às 20 horas estarei te esperando na esquina, no meu carro. Prometo que será a última vez que me verá. Farei o que você pedir, mas, por favor, fica comigo essa noite. — Suplicou. — Fica, amor? 

 

— Você não facilita as coisas. Por quê você é assim? Pior que sabe todas as minhas fraquezas. Tá, eu vou! — O moreno abri um sorriso enorme. — Mas não tente nada que possa nos colocar em apuros! 

 

— Só quero levar a minha garota pra passear. — Ditou em um tom baixo, mas tão excitante. — Aish, a vontade que eu tô aqui de te beijar loucamente, é inexplicável! Porra, mulher? Por quê faz isso comigo?! 

 

— Agora sabe porque mantenho distância. Podemos cometer loucuras um com o outro aqui. A coisa é séria! 

 

— Estarei te esperando, docinho. — Mordisca os lábios. 

 

Se envolver era tudo o que eu não queria fazer, sua insistência levou a um limite. Agora, mais nada do que irreversível.

 

 Não dá para voltar! 

 

(....)

 

Andava em círculos pensando se realmente era aquilo que eu devia fazer agora. Meu marido não estava, tem tanto tempo que saiu e não ligou para dizer para onde foi.

Minha preocupação era tão grande que soava de nervosa. 

Tomei um pequeno susto com o celular tocando.

 

— Você desistiu? — Jungkook pergunta meio desanimado. 

 

— Não eu só … — Suspiro nervosa — tô com medo. 

 

— Não há motivos para  ficar com medo. Eu estou com você. Vou Te proteger. 

 

Sim, ele aparentava ser um irresponsável diante de tudo, um pouco apaixonado por aventura. Mas eu me sentia tão bem com ele. Mesmo sendo pequenas conversas. Só tinha sentimentos de medo e angústia — sobre toda essa situação. 

 

— Eu tô descendo. — Desligo o celular o colocando na bolsa. 

 

Fui até a esquina que não havia movimento algum, e lá estava ele a minha espera. 

 

— Vamos logo. — Disse apreensiva.

 

— Você está tão linda. 

 

— Jungkook! Por favor? — O moreno deu de ombros.

 Não demoramos muito e chegamos em um restaurante. 

 

— Como podemos comer tão tranquilamente? — Riu.

 

— Só esqueça os problemas. Pense só em nós, pode ser? — Abre a porta do carro para mim. 

 

Ele reservou uma mesa para nós, fiquei me sentindo tão especial com os complementos românticos ; Velas, rosas e taças. 

 

Arrastou a cadeira me oferecendo sentar. 

 

— Obrigada. 

 

— O prato especial da noite ; Frutos do mar. — O garçom põe sobre a mesa. 

 

Fiquei de boca aberta com aquela surpresa toda. 

 

— Você é doido.

 

— Depois que te sequestrar serei um doido. — Deu um gole em sua taça. 

 

— O que significa isso tudo?

 

— Nada, só queria te levar pra jantar a luz de velas. Não gostou? 

 

— Na verdade, tô adorando. — Sorri.

 

— Como você está? 

 

— Bem, e você?

 

— Feliz por você ter vindo. — Pegou em minha mão. — Achei que fosse desistir. — Fitou meus dedos. 

 

— Não tenho palavras para descrever o que sinto.

 

— Só curte a noite. — Beijou minha mão. Me fazendo sorrir feito boba. 

 

— Jungkook, prometa que vai se manter distante, prometa que vai se esforçar. Irei dar um jeito depois de sair de lá. Não quero ver uma tragédia!

 

— Eu não sou de regras, você sabe bem como sou. Não posso ficar correndo desse sentimento. Não posso deixar você ir.

 

— Não vai dar certo. — Suspiro derrotada. 

 

— Por que sempre tão negativa?

 

— Porque eu e você, não daria certo. Só quero te proteger, caramba! Você não pensa antes de agir? Não pensa nas consequências ?

 

— Não tem graça. 

 

— Não é um show de piada para ter graça, Jeon! 

 

— Meu amor, arriscar tudo é excitante! Se aventurar, correr perigo. Tudo isso tem que ser feito assim. 

 

— Você não vai desistir mesmo, né?

 

— Não mesmo. — Levantou sua taça ao auto. 

 

Fomos para seu carro estacionado nos fundos do restaurante para irmos embora. Lá estava deserto , alguns carros haviam acabado de chegar.

 Ficamos em um silêncio mortal ali. 

 

— As horas se passaram rápido. Infelizmente.  — Ditou ele com suas mãos ao volante olhando para o mesmo. 

 

— É. — Admito desanimada. 

 

— Posso te pedir uma coisa? 

 

— O que? — Olho para ele que me beija de surpresa. 

 

Retribuo sem pensar duas vezes. Era a primeira vez que sentia seus lábios nos meus. 

Ele põe sua mão sobre minha coxa apertando minha carne firme, solto alguns gemidos entre o beijo que passa a ser de língua. Meus dedos se misturam em seus fios negros e longos despertando o tesão em meu corpo. 

Nossos beijos intensificados faziam nossas intimidades pulsarem, estava perdida com seu gosto e toque, e mudando de ideia para ficar ali em seu carro — fazer amor ali mesmo, sem se preocupar. Já que os vidros eram negros e não poderiam ver quem estava ali dentro. 

Ele retira o meu cinto de segurança deslizando sua mão entre minha virilha, fechei os olhos ao sentir seus dedos afastando a calcinha e com uma penetração gostosa de dois dedos. Sua boca ousava castigar meu pescoço a mostra. 

Jeon acelerou a penetração em minha boceta molhada. 

Abri seu zíper de vez descendo minha mão dentro de sua box, sinto seu pau ereto dentro do tecido úmido.

Puxo seu pau para fora abocanhando como um pirulito. 

 

— Aaah, essa sua boca é maravilhosa! — Ditou com os olhos fechados. 

 

Ele segurou com os dedos em meu cabelo, firme e com carinho. 

Fiz movimentos circulares em toda sua extensão carregada de tesão, arrancando gemidos do moreno.

Algumas vezes engasgava tentando fazer uma garganta profunda, mas aquilo era o máximo para fazê- lo gemer mais auto. Ele adorava o som do engasgo, todavia, o provocando cada vez mais com as minhas investidas. Massageei suas bolas enquanto o chupava sem parar, seu corpo se encontrava paralisado pelo oral maravilhoso que eu dei a ele. 

 

Meu garoto, estava  na minha mão!

 

Seu tom rouco se torna um som mais manso, um tom dengoso, um tom de " estou dominado". 

O moreno me puxa para mais um beijo intenso, ainda com a minha mão em seu membro, o masturbo com delicadeza e roubo arfares mais frequentes. Guio suas mãos para baixo do meu sutiã e o ouço suspirar ao tocar nos meus seios. 

Sua boca entre aberta, seus olhos fechados e gemidos dentro daquele carro, não queria saber do mundo lá fora. 

 

— Você é uma garota muito má. — Selo seus lábios com mais intensidade. 

 

O ritmo do seu peito mudou para mais rápido, seus gemidos se tornavam mais auto assim que sentei em seu colo e fui sentando em seu membro. 

Tudo feito bem devagarzinho, nossos gemidos se misturavam, nossas bocas se envolviam tão loucamente.

Ah, suas grandes mãos massageavam minha  bunda, e só o deixava cada vez mais louco quando resolvi rebolar lento sobre seu pau duro. 

O sorriso sacana invadiu os lábios de Jungkook, aquilo me enfraquecia, pois era meu ponto fraco vê- lo com um sorriso safado. 

Meu ventre pulsava com todos os movimentos em seu colo, mesmo sendo um espaço pequeno naquele assento perto do volante — para nós não passava de um detalhe bobo — estava ótimo trepar no apertadinho. 

 

— Me diz que não quer mais me ver? — Ele sussura entre meus lábios. — Depois dessa vai implorar para ficar aqui por mais tempo. Vai pedir para voltar. — sorriu ladino. 

 

— Talvez seja verdade. — Rebolo mais ainda em seu colo. 

 

— Na próxima será na minha cama, ou no sofá. Na mesa. — Mordiscou meu lábio inferior.  — Mas agora, só quero que você cavalgue no seu cavalinho. — Dita em meu ouvido. 

Meus poros da pele se armam com seu timbre rouco fazendo toda minha pele se arrepiar. 

Ele explora cada parte da minha boca com sua língua, suas mãos entre minha nuca e cintura. 

Meus dedos enterraram seus fios que pouco não estavam molhados de suor por conta do ar do carro. 

E logo me avisou que gozaria, mas não saí de seu colo. 

Ficamos exaustos com nossas respirações pesadas. 

Mas o sorriso em nossos rostos já diziam muito. 

 

— Eu sonhei com isso a minha vida toda. — Ele me fita. 

 

— Por que?

 

— Não é só sexo, mas eu … — Fecha sua boca.

 

— Fala. — Levo minha mão até a sua. 

 

— Não é nada. É melhor nós ajeitar a bagunça e te levar. 

 

— Sabe que não precisa ser assim. O que tiver a dizer, me diz. 

 

— Talvez tenha razão  em nos mantermos longe. Não quero complicar nada, e você pode se dar mal. Eu não sei onde tava com a cabeça.  

 

— Então é isso? Não significou nada para você ? — Profi brava. 

 

— Não tem nada a ver com isso… 

 

— Então me diz, o que é? Não gosta de mim? Apenas quis ter uma transa comigo para ver se valeria a pena? Sou como as outras, é isso? — Disse eu, em disparada. 

— Eu te amo.  — Paralisei com suas palavras . 

Meu coração batia tão feliz?

Ele acabará de se declarar para mim?

Continua. 


Notas Finais


Demorei , mas postei hihoihojo
Só mais um capítulo e estará finalizada!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...