1. Spirit Fanfics >
  2. Is It Love? - In Her Darkness >
  3. The Cure

História Is It Love? - In Her Darkness - Capítulo 81


Escrita por:


Capítulo 81 - The Cure


Fanfic / Fanfiction Is It Love? - In Her Darkness - Capítulo 81 - The Cure

Episódio 28:

Meus tios agora reabriram a loja, em outro local, no centro da cidade, porém eles ainda não voltaram a trabalhar, era uma porta azul, escrito "Enter" havia uma placa com redonda esverdeada com uma poção verde borbulhante no centro do objeto, na parte de cima estava escrito Potions e em baixo estava *for all afflictions.

*Para todas as aflições. – Repito olhando para a placa.

Entro dentro da loja e muito diferente, o chão era de madeira, as paredes era um bege claro, tudo fica atrás do balcão, livros, ervas, a vasilha e o pilão que estava em cima do balcão de madeira eram brancos e ingredientes.

 Em uma puta estante distante do balcão quase próxima da porta encostada na parede uma havia 25 tipos de poções.

– Tá faltando uma. – Digo vendo o espaço vazio.

– Não tive tempo querida... Sabe certa pessoa tinha que me ajudar... – Disse Helen olhando para Bruce.

– Minha culpa. – Disse Bruce me guiando até os fundos da loja aqui era diferente, havia equipamento de alquimia, com bico de bunsen, tubos de ensaio, frascos e uma sustentação de madeira para o balão de fundo chato pequeno que estava suspenso embaixo do bico de bunsen.

Lá já estavam Aiden, Amara e James. Eu, Bruce e Helen entramos depois.

– Então o que a dupla dinâmica acharam? – Perguntou Helen vendo Aiden chacoalhando o tô tubo de ensaio com sangue.

– O veneno é muito antigo... Nunca vi algo parecido. – Disse Aiden fechando colocando.

– Talvez alguns dos nossos amigos possam ajudar. – Afirmou James me olhando.

– Você não entendeu... Esse veneno é... Extremamente antigo... – Disse Aiden puxando uma cadeira e se sentando.

– Antigo... Quanto antigo? – Perguntou Bruce engolindo a saliva.

– Antes de Cristo (a.C.)... – Respondeu Amara dando os ombros.

– Então existe uma cura?... Ou teremos que usar ¹cronocinese? – Perguntou James pensando nessa possibilidade.

Eu, Helen Amara, Aiden e Bruce olhando assustado para James, já que ¹manipulação do tempo era extremamente perigosa, ainda mais porquê viajar para Antes de Cristo,  estávamos sujeitos a pegar doenças que não temos anticorpos já que estamos vivendo depois de Cristo (d.C.) até para mim que é parte vampira era perigoso.

– Espera... Você tem noção do que você sugeriu? – Perguntou Amara irritada, surpresa e confusa. – Sabe o que aconteceria com todos nós? – Perguntou ela gesticulando com os para nós. – A gente seria caçado pelas bruxas por estar ajudando um caçador... E outra, manipular o tempo é perigoso... Sabe que se não tiver areia suficiente você fica preso em uma época que não é sua...

– Pode alterar o rumo da história... – Disse Aiden olhando para o lado direito vendo as prateleiras de ingredientes para preparar porções.

– E o pior de todos... Você pode virar um fantasma... E desaparecer. – Disse Bruce olhando James enfurecido.

Ficar preso em uma época que não te pertence pode acarretar a uma condição que te suspende algum lugar no tempo, a bruxa ou o mago fica vagando entre tempos como passado, presente e futuro até enlouquecer ou até morrer... E quando não morre desaparece como areia virando assim um fantasma.

– Vacilei? – Perguntou James com um ar de culpado.

– Nossa é muito... Você não pensou nos riscos... Uma coisa e você voltar um dia no tempo para comer torta... Outra coisa é você viajar para antes de Cristo... – Respondeu Bruce muito irritado.

– Além disso você não considerou as doenças que seu corpo não suportaria. – Digo a ele pensando na possibilidade.

– Os animais, frutas, venenos, doenças, produtos... Até mesmo ensinamentos que estão extintos desde aquela época? – Questionou Amara olhando para James. – Eu nunca brinquei com ²atmocinese... Agora você falar de cronocinese?

– Tá bom... Você não nunca brincou de ²manipular o clima... Conta outra. – Disse Aiden rindo dela.

– Eu tinha 7 anos... – Respondeu Amara.

– 7 anos e meio. – Rebateu Aiden rindo dela.

Os dois começaram a discutir e então Helen pós seus dedos na boca e assopra formando um assobio.

– Já chega... Temos uma bomba em nossas mãos precisamos nos concentrar. – Disse Helen olhando para os irmãos Colemans.

Pela minha memória não havia nenhum feitiço analógico ou nenhuma maldição parecida que eu havia lido no livro de maldições, ficamos horas trocando informações que não foram úteis.

– Eu acho que não tenho algum grimório. – Disse Aiden nos encarando. – Nenhum grimório que tenha uma cura ou algo parecido.

– Talvez o novo grimório... Tenha algo. – Disse James pegando o grimório com a capa preta de couro e com 11 pedras lilás.

Amara tentou tocar o livro e acabou com a mão queimada.

– Mas que diabos é isso? – Perguntou ela chacoalhando a mão ferida.

– Tem que saber retirar as pedras... – Disse Helen tirando as pedras e o livro se abre.

– Ouroboros? – Perguntei ao olhar para as páginas já que o livro falava de um assunto estanho.

James toca no hexagrama que tinha um olho no meio, o hexagrama gira ficando totalmente lilás e as palavras mudam para uma poção de cura analógica ao feitiço usado para eu não morrer.

Aquele feitiço que estava fixado nas páginas do livro e um feitiço básico de transmutação que enganam aqueles que iram ler o livro.

– Temos todos os ingredientes aqui... – Disse Helen olhando a prateleiras cheias de ingredientes perto de nós.

– Então... Aqui diz que pode causar surdez completa, unilateral ou bilateral... Perda da fala, cegueira completa... Unilateral... Bilateral... Ou cicatriz em qualquer parte do corpo... – Digo lendo a nota de roda em latim.

– Vazo ruim não quebra... Então vamos começar. – Disse Amara virando o livro para ela. – Precisamos de uma base de água... No caldeirão.

Eu tiro Clyde de dentro do caldeirão, como eu amo esse gato, ele me passa uma tranquilidade sobrenatural.

(...)

Tinha uma bancada alongada de metal com uma torneira de metal, James como tinha um dom incrível de controlar a água ele enche o cadeirão sem derrubar nenhuma gota no chão.

– A água tem que está fervendo. – Afirmou Amara me olhando.

Deixo minha mão flamegando acerto e  embaixo caldeirão.

– Eu não sei ler o resto... Reprovei em latim na academia... Antes de ser expulsa. – Disse Amara virando o livro para mim e para o  Aiden.

– Vocês se conheceram em uma academia?

– Sim meus pais biológicos "me esqueceram na antiga academia para bruxo, magos e ilusionistas... Meu pai era bruxo que desistiu da magia... Minha mãe era humana, eles esqueceram que tinha um filho e preferiram viver como passarinhos... O mesmo foi com a Amara... Só que os pais dela era uma bruxa e um híbrido metade mago... Metade transmorfo... E foi na mesma época que os Colemans, eles nós adotaram... Na mesma época em que conheci Arthur... – Disse Aiden olhando para o livro. – Depois as academias para pessoas como nós sumiram as poucos... O conselho fechou todas as academias... O cômico nessa história é que quem começou com as academias foi o conselheiro... E fechou todos os centros acadêmicos para sobre-humanos... E sabe para que? Para eles fazer as suas próprias guerras.

–  Eu sinto muito. – Digo a ele, pelo jeito era uma época muito boa para ele. – Como era?

– Os alunos era dividos em categorias... categoria 1 era latim... Categoria 2 magia básica com terra... Categoria 3 magia básica com fogo... Categoria 4 magia básica com ar... E...

– E vocês tem que dizer a nós os ingredientes. – Disse Bruce nós Interrompendo.

– Ok você vai precisar... De ³Snake Venom... – Digo a ele vendo os ingredientes. – Sal do Himalaia, vocês tem que colocar esses dois itens em uma vasilha com algum líquido na base de álcool até virar uma pasta.

Helen vai até a prateleira que tinha pequeninas garrafas, ela pega uma garrafinhas com uma rolha dentro tinha um líquido verde, Helen também pega uma vasilha preta, o pilão preto diferente do que tem na frente da loja e uma vodka barata que tinha em um freezer pequeno no chão.

– Você vai misturar até virar uma pasta homogênea... – Completou Aiden e ele continuou. – Alguém precisa colocar um pouco de ³Moth wings dentro do caldeirão.

Bruce pega o vidrinho marrom com uma rolha e uma corrente que estava no mesmo lugar dos ingredientes.

Ele joga literalmente um pó acinzentado, de longe eu vejo que era literalmente asas de traças.

– Precisa de um pouco de ³spider legs dentro do caldeirão. – Digo a eles.

James pega outra garrafinha e joga um pouco das pernas de aranha no caldeirão, me sinto em um desenho animado.

– A pasta já está pronta. – Disse Helen cheirando aquilo, que para o meu olfato tinha um cheiro podre.

– Jogue na caldeirão e mexa com sua colher de pau... E o líquido irá pegar fogo e ficar verde... Esse é o ponto. – Disse Aiden fechando o livro e as pedras voltam sozinhas trancando o livro.

Minha tia pega a colher de pau e mexe a poção e então pode voltar a conversa da academia para sobrenaturais.

– E o que acontecia quando reprovava na uma matéria? – Pergunto a ele me sentando na mesa do nosso estudo.

– Você continua normal... A diferença e que você faz no final as matérias que você reprovou. – Disse Aiden sorrindo possivelmente se lembrando da época da academia.

– E por quê você foi expulsa? – Pergunto para Amara.

– Gostava de fazer magia com os calouros... Sabe aquelas bolinhas de vidro que nos podemos projetar? – Perguntou ela retoricamente. – Eu destruía os dormitórios dos calouros com aquilo... Jogava poção de pesadelos neles... Mas eu fui expulsa porque eu fiz uma brincadeirinha. – Nessa hora ela me deu uma piscadinha.

– Que brincadeirinha?

– Amara amarrou 5 meninas em um tronco de madeira e brincou de queime a bruxa... Ela e mais uns 7 caras que fingiram ser caçadores... Eles acenderam a fogueira e nós fomos pegos...

– Nós? – Pergunto olhando para ele.

– Aiden participou... Mas eu livrei a cara dele e fui expulsa com os outros 6 meninos. – Disse Amara torcendo o lábio.

– Vai me julgar? – Perguntou Aiden me encarando.

– Eu não, se eu tivesse no seu lugar faria o mesmo... Até pior. – Respondo para ele rindo.

– O que você faria? – Perguntou Amara meio que me testando.

– Eu pegaria bonequinhas voodoo e deixaria na porta de todos os cada calouro.

– Isso é fraco. – Disse Aiden desdenhando.

– E depois eu mandaria bonecas em caixões fechados de madeira com uma mensagem... – Digo a eles mordendo meu lábio. – Aprecie o dia.

– Assustador... – Disse Aiden com um tom imaginativo. – Pena que não exista mais essas acadêmicas.

Depois daquela conversa, o caldeirão pega fogo e um cheiro nojento sobe,  Helen me dá um pequeno frasco verde de vidro em formato em "U" com uma pontinha.

(...)

A poção já estava no frasco e então eu voltei para o hospital com Conrad, mas ele ficou no carro me esperando, Loan ainda estava sozinho então eu entro, Aiden e Amara voltaram para a mansão assim como Bruce, James e Helen que voltaram para a casa da praia.
Entro em seu quarto e ele não havia piscado o olho.

– Pelo visto está sozinho... – Digo observando já que ele não estava acompanhando.

– Já tenho mais de 18 eles não podem correr e contar para o meu pai... Então... Eles não se importam. – Disse Loan em um riso fraco.

– Eu... Consegui a cura... Mas pode ser que... Tenha feitos colaterais. – Digo a ele.

– Só me de a cura. – Disse Loan com seus olhos cheios de olheiras. – Por favor...

– Saiba que você pode ficar cego, surdo, mudo ou com cicatrizes... E...

– Ainda sim é melhor que ouvi que eu não tentei... Que sou um inútil. – Disse Loan me interrompendo.

Entrego o frasco para Loan e ele bebe, eu fecho os olhos e ouço um grito.

"Os fins justifica os meios.

– Maquiavel"

Contínua...

3)Veneno de cobra 

3) Asas de traças
3) Pernas de aranha


Notas Finais


Músicas de Inspiração:

Esquecimento – Skank
Stigmatized – The Calling
Terrence Loves You – Lana Del Rey
Happy Together – The Turtles
Monster – Meg & Dia


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...