1. Spirit Fanfics >
  2. Is It Love Adam - Com você ao meu lado (Temporada 2) >
  3. Lucas - Problemas profissionais

História Is It Love Adam - Com você ao meu lado (Temporada 2) - Capítulo 66


Escrita por:


Notas do Autor


Meus amores!
Capítulo novíssimo postado!
Para quem achava que tínhamos poucas confusões, mais uma para balançar essa história!

Capítulo 66 - Lucas - Problemas profissionais


No dia seguinte o clima ainda não estava dos melhores em casa. Eu e Nicole acordamos mais cedo que o normal, já que ela tinha reunião do teatro por causa da peça e eu queria adiantar umas coisas na faculdade. Acabamos tomando café da manhã em um perfeito silêncio, sem a companhia dos meus pais.

Eu imaginava como as coisas tinha acontecido depois, até que ponto a discussão dele com meu tio Owen tinha ido e, principalmente, como tinha acabado. Gostava de acreditar que tudo seria resolvido logo e, sabendo o que sei dos meus pais, eles provavelmente já tiveram uma boa e longa conversa ontem.

Fui para a faculdade e mantive a minha concentração nas aulas. Me preocupar agora com isso não iria adiantar em nada, nem resolveria o problema. Por isso, tentei estudar e fazer tudo que precisava, ao lado de minha boa amiga Luna, que também estava bem focada e atenta hoje.

Em um tempo livre que achei durante a manhã, no intervalo de uma aula e outra, liguei para Julian, ele tinha me mandado várias mensagens e imaginei que depois de tudo, ele também precisava de mim.

- Oi cara! – disse quando ele atendeu.

- Oi! – respondeu ele.

- Como você está? Tá bem?

- Eu estou! – disse ele com uma voz desanimada. – Pelo menos tentando né... Soube que as coisas foram um caos ai ontem.

- Foram cara, eu nem esperava que chegasse a esse ponto.

- Nem eu... Meu pai veio para casa depois puto, bufando ódio e nem eu, nem a minha mãe estávamos entendendo, até que a Nicole me explicou ontem... Não era assim que queríamos que as coisas fossem.

 - Eu sei, mas não pensa que fizeram algo de errado. Meu pai só estava nervoso.

- E o meu não ajudou muito, pelo que eu soube....

- Nem um pouco! Mas isso vai passar e não pense que o problema é com você! Não é porque meu pai ficou desse jeito que ele não gosta de você! O problema é mais a situação toda do que isso.

- Eu gosto de pensar assim!

- Meu pais te adoram e você vai ver, tudo vai voltar ao normal e vocês vão poder ficar juntos sem problemas.

- É o que eu espero! – disse ele.

Eu continuei tranquilizando ele, perguntando da minha irmã que parecia estar tentando também não pensar no assunto. Eu não a culpo por isso, de forma alguma. Depois de alguns minutos, encerramos a ligação e eu voltei as minhas aulas e ele as dele. Ainda tinham algumas até a hora do estágio.

Quem me ajudou bastante nisso foi Luna, seu interesse e conversa animada foram, com certeza, a melhor coisa para fazer a manhã passar mais rápido.

- Você realmente sabe como distrair as pessoas! – disse para ela enquanto tomávamos um café.

- Eu sei... Posso te contar mais histórias se quiser!

Fiquei bem impressionado com a resposta dela. Luna tinha me dito várias coisas que tinha feito no final de semana, isso incluía uma festa em uma república, um almoço de família, uma tarde de patinação, compras, visita ao circo que está na cidade, jantar indiano temático e festa de aniversário de uma de suas amigas.

- Como uma pessoa consegue fazer tanta coisa em um final de semana? – perguntei curioso.

- É que eu tenho uma vida agitada! – disse ela.

- Como se a maior parte dos finais de semana você não passasse vendo filmes de tomando chocolate quente! – disse debochando dela, a lembrando de seus verdadeiros hábitos.

- Muito engraçado você! – disse ela, brincando comigo. - Não tem que trabalhar não?

- Claro que sim! Estou indo atrás de você!

Luna e eu terminamos nossa conversa e nos dirigindo ao nosso estágio. Era segunda feira então sabíamos que não ia faltar coisa para fazermos hoje. Chegamos em nossa sala junto com nossos colegas, era como se tivéssemos chegado de forma sincronizada, um atrás do outro, cada um ocupou a sua cadeira e começou a trabalhar.

O clima na nossa sala não estava mais pesado, aos poucos, ele foi voltando ao normal e ninguém mais parecia se incomodar com a minha mentira, muito menos com o fato de eu ser neto do dono. Eles estavam me tratando normalmente e até voltamos as pequenas e alegres brincadeiras de escritório, entre um trabalho e outro. Pelo menos em um dos espaços que eu fazia parte as coisas estavam bem.

Isso tudo servia para mim como um lembrete: Mentiras nunca levam a lugar nenhum, só trazem problema e caos. Eu deveria manter isso em mente e evitar cair nessa fuga tão fácil e desastrosa. Espero me lembrar disso nas horas certas.

Foquei em meu trabalho enviado pelo meu chefe, tentando manter a mente leve e concentrada. Estava conseguindo, a única coisa que me deixava um pouco aéreo era pensar em Elisa. Tinha mandado mensagens para ela desde cedo, conversando sobre coisas bobas e coisas importantes. Mas desde o almoço ela não mandou mais nada, eu sabia que era por causa da reunião que ela teve e, provavelmente, ainda não havia saindo. Eu esperava que isso acontecesse logo, para eu poder dar uma boa tarde para minha namorada pessoalmente.

Pouco tempo demais, quando eu já estava novamente envolvido no trabalho Elisa apareceu na nossa sala, desejando boa tarde a todos nós:

- Boa tarde pessoal!

- Boa tarde Elisa! – disse Alicia, sendo seguida de todas nós.

- Fico feliz de ver todos aqui! Como anda o trabalho? Algum problema, alguma dificuldade?

Eu disse que não, assim como Henry e Alicia, já Luna que estava agora envolvida em uma tarefa mais complicada, pediu a opinião dela, algumas dicas de como poderia fazer. Como sempre, a Elisa se dispôs e ajudou, acho que é por isso que ela é a responsável pelos estagiários, ela é sempre muito prestativa, gentil e atenciosa.

Ela terminou de ajudar a minha amiga e quando estava saindo e se virou para Alicia:

- Alicia, você pode vir até a minha sala, queria conversar um pouco com você!

Elisa disse isso com todo carinho, mas nossa colega não deixou de ficar intrigada, assim como nós. Embora Elisa estivesse sempre a nossa disposição, a gente fosse até a sua sala quando precisasse, ou no meu caso, quando só sentia saudade, ela não costumava chamar a gente para a sua sala, não assim em particular.

Meia hora depois da saída, Alicia voltou animada, contando o que ela tinha para falar com ela. Ela nem precisava falar que era coisa boa, estava escrita em seu sorriso e em seus olhos brilhando.

- Eles aprovaram o meu projeto!

- Sério?! – disse Henry.

- Sim, vão trabalhar nele! – disse ela muito feliz.

- Parabéns! – disse eu. – Você merecia mesmo.

- Obrigada! – falou ela em resposta.

- Deveria mesmo estar bom, que bom que conseguiu! – disse Luna

- É um grande passo, estou orgulhosa de mim por conseguir isso.

- Tem que ficar mesmo! – disse Henry.

Eu sorri, feliz por ela, não é por menos ficar animado com uma notícia dessas, eu também estaria.

- Lucas, ela pediu para falar com você também...

- Ok, estou indo! – disse me levantando da cadeira e já indo até a sua sala.

Caminhei até ela pensando se ela tinha algo a dizer sobre meu projeto também, se ele tinha sido aprovado... Ou se era sobre alguma outra coisa. Bem, com a notícia da minha amiga, eu não podia estar mais empolgado para saber do que se tratava, e nem era porque a presença dela estava envolvida.

Entrei na sala sem bater, sabendo que eu era esperado e já fui até a sua mesa.

- Queria falar comigo? – perguntei para ter certeza.

- Sim, pode se sentar e fechar a porta.

Eu fiz o que ela me pediu. Ela estava de pé, apoiada na frente da sua mesa, com um sorriso tímido, que me balançava.

- Antes de eu me sentar posso fazer algo antes? – disse para ela.

- Depende, se for me dar um beijo pode!

Eu sorri e disse:

- Era exatamente isso que eu estava pensando! – disse para ela.

Colei meus lábios sobre o dela, de um jeito doce e leve, envolvendo eles com todo carinho. Um rápido, mas não menos gostoso beijo entre nós. Ela se afasta de mim e eu vejo que seu sorriso não parece mais tão feliz.

- O que foi? Parece que não está tudo bem... – disse sendo direto.

- É que eu queria não ter que te chamar aqui para te dar uma notícia não muito boa.

Ela me disse isso com uma certa tristeza que me deixa um pouco alarmado. O que ela tinha para me falar então? Que notícia ruim ela tinha para me trazer? As milhões de ideias já começaram a dançar na minha cabeça loucamente, mas Elisa estava disposta a aplaca-las.

- É sobre trabalho, caso tenha alguma dúvida!

Eu sorri de canto para ela e respondi:

- Menos mal, pela sua cara eu já estava com medo de ser outra coisa...

- Eu acho que você não tem que se preocupar com esse ponto, porque as coisas entre nós estão ótimas! Ainda mais depois daquele ótimo final de semana juntos.

Eu peguei sua mão, feliz com o comentário dela e perguntei, voltando para o assunto principal:

- Então me fala, o que houve? Qual a notícia ruim?

- Como você sabe, os projetos já foram analisados e o seu tinha sido um dos escolhidos...

Ela estava falando tudo com calma, mas o seu tom me dizia já a resposta. Meu projeto não tinha sido aprovado, dava para supor isso.

- Ele não foi aprovado não é?! – perguntei para esclarecer as minhas dúvidas.

- É isso... Exatamente... Sinto muito.

Eu suspirei e me recostei na cadeira. Caramba esse foi um baque e tanto. Eu estava empolgado, confiante, firme de que conseguiria. Eu tinha me dedicado tanto a ele. Acreditava tanto no meu projeto, mas parece que no final, ele não ficou tão bom quanto eu esperava... Não para a empresa.

- Eles disseram por quê? – perguntei já sentado na cadeira a sua frente.

- Sim... E aí que vem a parte que eu achei estranha... – disse ela.

- Como assim? – perguntei ficando agora curioso. Se a Elisa estava achando algo estranho nessa história eu queria saber o que era.

Ela se sentou na sua mesa e abriu alguma coisa, era nisso que ela estava se baseado para falar, provavelmente um e-mail.

- Eles me disseram o seguinte: “Eles adoraram seu projeto, mas você não acatou com a proposta final, deixando brechas que eles solicitaram que fossem alteradas e complementadas.

Enquanto minha namorada falava isso eu pensava: O que eu teria deixado de lado? Eu tinha revisado tudo tantas vezes, tinha olhados para os detalhes e até feito alguns complementos que eles mesmos não pediram... Onde eu tinha errado?

- Eles ainda disseram: “as falhas não tiram a grandiosidade dele, mas havia necessidade de alterações, que foram solicitadas pela equipe e que sem elas, eles não o consideravam apto para ser feito...”

Ela parou e eu percebi que havia mais coisa naquele e-mail.

- O que mais tem...

- Eu não sei se você vai querer ouvir… – disse ela com cuidado.

- Pode falar, eu aguento! – disse tentando me encher de confiança mais uma vez.

- Disseram também que “as expetativas em você eram altas e a falta de comprometimento com a fase final gerou uma decepção considerando toda a sua inteligência e potencial.”

- Nossa... – disse depois de ouvir aquilo, eu não sabia muito bem o que expressar diante disso, parece que eu tinha mesmo feito uma merda e das grandes.

- Eu sinto muito! – disse ela mais uma vez.

- Não é sua culpa... No caso, é minha... Eu que errei!

- Então... – disse ela. – Isso que eu não entendi. Eu vi você fazendo a revisão, você me mostrou ele sendo revisado. Percebi o quanto você estava dedicado, mas quando eu pedi para ver o arquivo que você enviou eles me mandaram esse.

Elisa abriu o meu projeto em sua tela e era aquela versão com solicitação de alterações que eu tinha recebido, o mesmo que me devolveram. Sem uma mudança de vírgula, um acréscimo, nada!

- Mas essa não é a minha versão final! – disse para ela. – Essa é a primeira versão que eu fiz.

- Então... Mas foi ela que você enviou como versão final!

- O que? – disse completamente chocado.

Eu entendia agora porque eles estavam decepcionados com o meu “comprometimento”. Era como se eu não tivesse feito nada!

- Não acredito nisso! – falei mais para mim do que para ela.

- Será que você não mandou a versão errada?! – disse ela tentando me dar apoio e consolo.

- Então, não teria como! Eu nem tenho mais essa versão, eu mudei esse arquivo! – disse ainda indignado. – Posso te mostrar?

- Claro!

Entrei no computador de Elisa acessando a minha nuvem, onde tinha todos os meus arquivos. Abri o do meu projeto e lá estava ele, com a versão final, tudo que eu tinha feito e ainda estava sinalizado.

- Eu não estou entendendo. – disse ela. – O que aconteceu?

- Eu não sei! – disse para ela. – Mas eu vou descobrir!


Notas Finais


Então, o que acham que aconteceu?
Será que o Lucas, naquela confusão cometeu um erro desses?
Opinem sobre esse caso!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...