1. Spirit Fanfics >
  2. Is It Love? Loan - Desejo e Solidão >
  3. Capítulo 4

História Is It Love? Loan - Desejo e Solidão - Capítulo 4


Escrita por:


Capítulo 4 - Capítulo 4


Fanfic / Fanfiction Is It Love? Loan - Desejo e Solidão - Capítulo 4 - Capítulo 4

Anna


Saio do palco ainda ofegante. Meu Deus, o Loan está aqui de novo. O que ele quer comigo, afinal de contas? 


-“Vicky?” - Ouço Don me chamar. 


-“Oi.” - Me viro para ele, que me entrega uma garrafa de água. 


Don é corpulento, um cara grandalhão já com seus 50 e poucos anos, mas é muito respeitoso com as meninas que trabalham aqui. 


-“Você teve todas as danças da noite reservadas. Um cara pagou por todas elas, na melhor sala privativa. Se você quiser devolvo o dinheiro dele e o mando catar coquinho.” 


Ai droga, não vai me dizer que é o…


-“Você sabe me dizer como ele é?” - Pergunto, colocando um roupão de seda que está pendurado atrás do palco, cobrindo meu top e short.


-“Olhos azuis, marrento, tava com o pessoal do time ontem.”


-“Merda.” - Digo.


-“Vou mandar ele pastar então.” - Don fala. 


-“Não, tudo bem. Se ele pagou a noite toda, vou ganhar bem.” - Sorrio fracamente.


Vou até o DJ e peço para ele colocar “Buttons”, das Pussycat Dolls. Os homens sempre perdem a linha quando toca essa música, e quando eles são expulsos não há ressarcimento. Vamos ver quanto tempo Loan aguenta. 


Me encaminho às salas privativas. Tiffany passa por mim com um homem que deve ter por volta de 60 anos. Isso é nojento, esses velhos que vem aqui. Paro em frente a porta do maior cômodo, o mais luxuoso da boate, e ouço a música começando lá dentro. 


Giro a maçaneta e observo Loan, que está sentado no sofá, os braços abertos nas costas do móvel. Ele sorri preguiçosamente para mim, enquanto o Snoop Dog fala sua parte da música. 


Não desvio os olhos dele enquanto fecho a porta, subo na mesinha de centro, que é uma espécie de palco, e me preparo para dançar, ficando sobre os calcanhares com os joelhos abertos. Ainda estou usando o roupão, o top e o short do show. Enquanto a música instrumental toca, passo as mãos pelas pernas e subo devagar, jogando o quadril para o lado. Loan passa a língua pelos lábios e se inclina para frente, apoiando os cotovelos nos joelhos. 


Quando a Nicole começa a cantar, dou alguns passos à frente, e me inclino em direção a ele, passando o dedo em seu queixo. 


“Estou te dizendo para abrir os meus botões, baby

Mas você continua hesitando

Dizendo o que vai fazer comigo

Mas até agora eu não vi nada (uh)

Estou te dizendo para abrir os meus botões, baby

Mas você continua hesitando

Dizendo o que vai fazer comigo

Mas até agora eu não vi nada (uh)”


Viro de costas e passo as mãos pela nuca, levantando os cabelos e olhando para ele por cima do ombro, rebolando o quadril. É impossível dizer que dançar para ele não me excita. Me inclino para frente, a bunda quase no rosto do Loan, e me equilibro com as mãos no chão, subindo lentamente, correndo os dedos por minhas pernas. 

“Típico e dificilmente é do tipo que eu gosto

Eu gosto quando a parte física não me deixa querendo mais

Sou uma garota sexy

Que sabe exatamente como conseguir o que quer

E o que quero é levar isso tudo até você

Comprovar todas as coisas que eu te disse”


Viro para ele, e quando Nicole canta “Sou uma garota sexy”, coloco as duas mãos por cima da minha virilha e rapidamente dou um tapinha no quadril, me abaixando novamente com os joelhos abertos. Jogo o quadril para o lado e levanto os cabelos novamente. Viro de lado, subindo e passando a mão na minha bunda, dando um tapinha nela na subida. 


“Querido, você não vê?

Como essas roupas estão apertadas em mim?

E o calor que vem dessa batida

Estou prestes a explodir

E acho que você ainda nem percebeu”


Dançar apenas para o Loan, com ele me olhando desse jeito, está me deixando muito molhada. Ando até a borda do mini palco, passo as mãos pela lateral do meu corpo e dou um giro, ficando de lado para ele, requebro o quadril para frente e para trás, dando impressão de estar cavalgando. Desço até o chão e subo novamente, giro o cabelo e tiro o roupão, jogando para ele, que agarra no ar. 


Loan coloca o roupão de lado e agarra minha mão.


-“Ei! Você não pode fazer isso!” - Digo quando ele me puxa para seu colo. 


-“Vai gritar?” - Ele diz, colocando minhas pernas uma de cada lado de seu corpo.


Olho em seus olhos, e ele fala:


-“Sei quem você é. Por que não me diz a verdade?” 


-“Não sei do que você está falando.” - Digo, tentando sair do seu colo, mas ele segura firmemente meu quadril.


Sinto sua ereção contra meu ponto sensível e arfo. Ele dá um sorriso de lado.


-“Nunca fiquei assim por alguém como você, sabia?” - Loan diz.


-“Uma stripper?” - Pergunto, sem ar, enquanto ele aperta meu quadril com mais força, cravando os dedos na minha pele.


-“Uma CDF.” - Ele fala. 


-“Por que você tem tanta certeza que sou essa Anna?” 


-“Seus olhos. Nunca vi olhos tão azuis.” 


-“Os seus olhos são azuis.” - Retruco, mas logo perco a fala. 


Loan começou a beijar meu pescoço e mover meu quadril, de modo que nos efreguemos um no outro. Gemo e Loan traz sua boca até a minha. Nossas línguas se encontram e é explosivo. Ele agarra minha nuca com uma mão e minha bunda com a outra. Passo os dedos por seus cabelos, aprofundando o beijo. De repente, ele passa a mão por meu rosto e tira minha máscara. 


Recuo instintivamente.


-“Eu sabia!” - Ele fala. -“Quer dizer que a CDF é stripper?” 


Loan fala isso com uma voz de escárnio, e automaticamente dou um tapa na cara dele. 


O impacto o faz me soltar e levantar. Caio de bunda no chão do palco/mesinha de centro. Rapidamente me levanto e me dirijo até a porta, mas Loan é mais rápido que eu, e me alcança assim que coloco a mão na maçaneta. Ele me prensa contra a porta, o peito musculoso em minhas costas. 


-“Quem você pensa que é pra me bater? Pirou?” - Ele fala no meu ouvido, a voz não mais que um rosnado. 


-“Você é um cretino!” - Quase grito, mas ele coloca a mão na minha boca. 


-“Shiii! Não precisa gritar, só quero conversar.” - Ele fala.


-“O que você quer de mim, Loan?”


-“Já disse, conversar.”


-“Não tenho nada pra falar com você. A gente mal se conhece.” 


Ele me vira de frente para ele e gruda minhas costas na porta, colocando os braços um de cada lado da minha cabeça. Seu rosto está muito próximo do meu. 


-“Por que você faz isso?” - Loan pergunta.


-“Nem todo mundo nasce com a bunda virada pra lua. As pessoas normais tem que trabalhar.” - Digo, ríspida. 


-“Você é linda.” - Ele diz de repente. 


-“E você tem namorada.”


Isso o faz recuar. Sorrio e levanto uma sobrancelha, vitoriosa.


-“Samantha não é minha namorada. A gente fica, só isso.” - Loan resmunga.


-“Você deveria falar isso para ela, então, porque acho que ela não foi informada da situação.” - Rio, colocando a mão na frente da boca. 


-“Por que você faz isso?” - Ele pergunta.


-“Já disse, preciso pagar as contas.” 


-“Isso não. Por que coloca a mão na frente da sua boca quando ri?” 


-“O que? Ahn, não sei, é automático.” - Dou de ombros. Nunca parei para pensar sobre isso. 


Loan passa os dedos pelo meu queixo e a música das Pussycat Dolls termina, sendo substituída por uma da Shakira.


-“Paguei pela noite toda.” - Ele diz, se aproximando de mim.


Coloco as duas mãos em seu peito e o empurro com toda a força, mas ele só se move alguns centímetros.


-“Não sou prostituta. Se quer sexo fácil vai atrás da sua cachorrinha.”


Bato na porta três vezes, e um segurança pergunta do outro lado se está tudo bem. Respondo para ele que o cliente não gostou do serviço e quer o dinheiro de volta. Loan olha bem fundo nos meus olhos enquanto se afasta, dizendo:


-“Isso ainda não acabou.”


-“Pode pegar seu dinheiro na recepção.” - Digo, e saio da sala.  


Ao chegar nos camarins, me jogo em uma cadeira. 


-“Cliente difícil?” - Penélope pergunta.


Ela está usando uma peruca rosa curtinha e lingerie branca.


-“Pior. É um colega da universidade.” - Respondo.


Penélope senta ao meu lado e diz:


-“Você devia parar com isso. Não é vida pra alguém como você.”


De novo essa história de “alguém como eu”.


-“Preciso da grana.” - Respondo, simplesmente. 


Don entra na sala e fala, enquanto tiro a maquiagem:


-“Seu cliente da noite deixou tudo pago. Te deu $300 dólares de gorjeta. Ele deve ter gostado muito de você. Por que disse que ele não tinha gostado?”


Suspiro quando Don me entrega o dinheiro e pego a van para casa.


Vou devolver esse maldito dinheiro para o Loan assim que o encontrar. 


Notas Finais


Coreografia usada como inspiração para a dança da Anna:
https://youtu.be/7E3CgGyPSr4


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...