História Is it love ? O poder do amor. - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, amores!!!

Espero que gostem da história e tenham uma boa leitura.

Capítulo 4 - Conhecendo alguns alunos.


Fanfic / Fanfiction Is it love ? O poder do amor. - Capítulo 4 - Conhecendo alguns alunos.

            ALICE ALBUQUERQUE

                              🌼

Cheguei no colégio aparentemente cedo, visto que não tinha muita gente ali pelo pátio de entrada. Lorenzo abriu a porta da limousine para mim e sorriu gentil. Lorenzo era italiano e ruivo, devia estar nos seus cinquenta e poucos anos. Era um dos poucos empregados que conseguia me aturar e compreender minha forma de ser. O mesmo já trabalhava na família desde os meus dez anos e sabia como era meu "relacionamento" a distância com meus pais. 

— Obrigada Lorenzo. — Desci e peguei minha mala que ele tirou do porta-mala. — Você vem me ver hoje, né? — Falei me referindo a apresentação que eu faria com as meninas do quarto ano. — Você tem que vim, por favor. — Juntei a palma das mãos como um pedido de súplica.

— É claro que venho te ver. — Prometeu afagando meus cabelos. Sorri antes de abraça-lo e me despedi. 

O dia tava maravilhoso assim como meu humor. Depois de passar as férias todas sem meus pais - como sempre - pensei. Hoje finalmente eu os veria, estava morrendo de saudades e ansiosa para mostrar a apresentação que eu iria dedicar a eles. 

— Lis. — Cassidy fez um sinal em minha direção de longe. Cassidy era conhecida com a puta do colégio por ter ficado com quase todos os garotos daqui, mas todos sabemos que Gabriel é seu ponto fraco e também sabemos que ele não dá a mínima para ela, mas a mesma não se toca. Não entendo a obsessão dela por ele, afinal, ela era uma garota bonita e não era de ser jogar fora.

Amor-próprio a pessoa não tem nenhum. 

Mas, também eu não a culpa, Gabriel é uma puta de um gostoso, quem resistiria àquele charme todo?! Nem eu resistir, antes das férias eu mesmíssima fiquei com ele e não passou de alguns beijos e amassos claro. 

— Oi! querida. — Tentei soar menos falsa possível. Eu procurava não andar muito com ela e suas "seguidoras" pela fama dela mesma. Mas, eu precisava dela, na minha coreografia e devo admitir que a criatura dançava bem. 

— Tudo pronto para hoje a noite, certo? 

— Ah sim! Só tenho que falar com algumas garotas do grupo de dança e resolver algumas coisinhas, mas nada de mais. — Expliquei. — É… Nós vemos depois no club de dança. Tchauzinho. — Acenei e caminhei pra longe dali, apressadamente. 

Entrei no meu quarto de sempre, que eu dividia com Bianca e mais uma garota, mas ela saiu no ano passado e ficou nós duas ocupando o mesmo, melhor assim. 

Deixei minha mala num canto qualquer no quarto e me joguei na minha cama macia e confortável. O quarto era bem a minha cara nada muito menininha e nem brega. Odeio caveiras, vampiros e coisas do tipo. 

— Alice! — Bianca entrou feito um furacão dentro do quarto. 

— Toda essa euforia pra me ver é tudo saudades, é? — Impliquei. 

— E eu lá sinto falta de ver essa sua cara porca. — Riu e se sentou na beirada da minha cama. 

— Aé sua ridícula? — Taquei uma almofada nela que desviou facilmente.

— Isso se chama agressão, sabia? Posso te processar se eu quiser. 

— Hm-hum! Mas fala aí o motivo da gritaria, loira. - Me sentei também. 

— Entrou alunos novos. — Comemorou com palminhas. 

Olhei para ela com cara de tédio e falei: 

— Ih? Mais um monte de alunos insuportável assim como os que entraram ano passado. Grande coisa. 

— Insuportáveis eu não sei são, mas que são gostosos, isso sim eles são. — Suspirou esboçando a maior cara de safada dela. 

— Hmm. 

Murmurei. 

— Inclusive o de óculos. Lindo, sarado e tímido, do jeito que eu gosto. — Sorriu, se abanando e deitou-se de costa no colchão. 

— Hmm. 

Mais um murmuro meu.

— Tem um roqueiro também, mas não faz o meu estilo. 

— Hmm.

— Dá pra parar com esse "Hmm" e prestar atenção no que eu digo cacete. — Reclamou e jogou a almofada de volta em mim. 

— Hm-hum! — Coloquei a almofada no meu colo. 

— Vai tomar cu, vai? 

— Eu não, me disseram que dói muito. — Rimos. 

— É gostoso também. — Mordeu o lábio. 

— Hmmm… Já tomou lá, né sua safada. — Ele virou-se de bruços e bati na bunda dela. 

— E muito. — Ficou de quatro rebolando. 

— Credo. 


             MATTHEW ORTEGA

                            🍀

Eu estava acabando de arrumar minhas coisas quando minha avó entrou no meu quarto e disse no seu típico sotaque porto-riquenho.

— ¡Buenos dias hijo!(Bom dia filho!) - Ela sorriu deixando ainda mais visível as rugas em seu rosto. 

— Buenos dias abuela.(Bom dia vó.) - Fui até ela e dei um beijo na sua testa e fiz carinho nos seus fios de cabelo branco. 

— Arrumando suas coisas? — Esfregou meu braço com suas mãos macias. 

— Sim. Volto para o colégio hoje. — Coloco a última peça de roupa na mala e fecho, colocando-a no chão. 

— Certo. Justino irá me acompanhar na festa de abertura. — Vi seu sorriso duplicar ao citar o nome do açougueiro da esquina. 

— Hmm. Vocês andam bastante próximo… — Falei vendo seu rosto pálido corar. 

— Eu o convidei para não ir sozinha. Seu irmão só volta daqui a três dias, ainda. — Suspirou triste. Minha vó sentia muita falta do meu irmão Daryl. Ainda que ela negasse às vezes. 

— Não era amanhã que ele vinha? 

Ela sentou-se na ponta da cama arrastando as mãos pela saia longa florida que ela vestia. 

— Ele ligou ontem de noite avisando que não poderia vir amanhã. Segundo ele, tinha algo muito importante para resolver. — repontou. 

Bufei. As malditas rachas de carro que Daryl nunca largava. Ele tava se afundando nessas merdas cada dia a mais e eu não podia fazer nada. Ele não me ouvia e toda vez que eu tocava no assunto tentando alerta-lo acabávamos brigando e isso deixava dona Leona entristecida. 

Meu irmão, sinceramente, era um caso perdido. 

Só o que me preocupava era o fato de dona Leona ficar sozinha em casa, visto que, eu só vinha para casa aos fins de semana. Eu temia por sua saúde, que apesar dela ir se consultar todo mês e se cuidar como ela faz, eu me preocupava. Minha salvação nesses últimos meses tem sido Justino que sempre vem passar um olho nela por mim.

Eu não via a hora desses dois semestres acabarem logo. 


          ISADORA GILBERT

                       🌼

— Bom dia senhor Robert! — Falo ao passar pela portaria do prédio onde moro com minha mãe. 

— Bom dia, senhorita Isadora! — Ele diz com um singelo sorriso. 

Me enfio no elevador, apertando o botão do andar e entro no apartamento que ficava na cobertura. 

— Está atrasada sabia disso? — Dona Luciana fala assim que entro em casa. Vejo que ela ainda usa sua camisola de cetim preta, provavelmente acabou de acordar. 

— Bom dia mamãe! Fui correr no parque. Eu estava ouvindo música e acabei perdendo a noção do tempo. — Dou um beijo em sua bochecha. — Você sabe o quanto gosto de me cuidar. 

— Sim. Apesar dos seus exageros às vezes. — Ela falou meio que me advertindo. 

— Não é exagero. Só não quero ficar gorda… novamente. — Suspiro, me lembrando da época de escola aonde todos pegavam no meu pé por eu ser gorda. Quando entrei na minha pré adolescência tratei de iniciar uma dieta severa. 

— Vai logo tomar um banho e desce pra tomar café. — Passou por mim indo na direção da cozinha. 

— Eu já comi um mação. Não vou comer. — Falo subindo as escadas. 

— Nada disso, mocinha. Precisa repor as energias e o café da manhã é a refeição mais importante do dia. — Advertiu. 

Tomei um banho rápido. Alice e Bianca iriam me matar por chegar atrasada, pois, tínhamos combinado de repassar a coreografia mais uma vez. 

Visto uma calça, jeans branca, uma blusa de alça preta, por cima uma jaqueta, jeans com manga até o cotovelo e no pé um tênis da mesma cor da calça. 

Deixo meu cabelo amarrado em um rabo de cavalo alto e aplico um batom vermelho-escuro. 

***

Depois de vomitar todo café da manhã, eu escovo os dentes e retoco meu batom. 

Vocês devem estar se perguntando porque vomitei. Não faço isso sempre, apenas, quando eu como coisas com muitas calorias e gordurosas. De verdade, eu tinha muito medo de ganhar todos aqueles pesos outra vez e passar por tudo o que eu passei, de novo. 

Quando minha mãe me deixou no colégio a primeira coisa que vi foi a figura do Gabriel vindo até mim. Lutei contra a vontade de revirar os olhos. 

— Olá, gata! — Sorriu com seu jeito descarado e deu um cheiro no meu pescoço. 

Devo dizer que ele estava bastante cheiroso também. 

Gabriel era muito bonito, mas muito mulherengo também. Ficou com metade das meninas do colégio. Sua fama era igual a de Cassidy. Os dois combinavam, não concordam?

— Bom dia Gabriel! — Cumprimentei meio seca. 

— Mau humor, é? Sabe que essa carinha má-humorada não combina com esse rostinho lindo. — Ele tocou meu rosto. 

— Gabriel… — Segurei seu pulso e afastei sua mão com toda delicadeza que esvaziava dentro de mim. — Eu já não falei pra parar de ficar me tocando assim? Ainda mais em público. Sua namorada esquentadinha pode ver. — Felei me referindo a Cassidy com uma pontinha de ironia nas palavras. 

Ele franziu a testa. 

— Que namorada? 

— A Cassidy. Ou você já tem outra?! — Arqueei uma sobrancelha questionadora. 

Eles fez uma careta. 

— Cassidy não é minha namorada. — Gabriel diz irritado e eu rio por dentro. Sei o quanto ele odiava quando alguém falava isso. Afinal, ninguém suporta aquela cobra, nem mesmo o próprio Gabriel. — Que Deus me livre desse julgo. — Ele fez o sinal da cruz com dedo e beijou. 

Ri. 

— Nossa, ela é tão ruim assim? — Andei na frente dele ciente de que seus olhos estavam cravados na minha bunda, movimentando-se. 

— Você sabe que sim e, sabe também que eu prefiro você. — Solto uma risada baixa. 

— Você gosta de todas até ficar com elas e depois as enxotarem como se fossem um chiclete que você mastiga até tirar o doce e depois cospe. — Digo com certo desdém olhando ele que andava do meu lado agora. 

— Então é isso que você pensa que eu faço? — Ele me olhou nos olhos, sério.

— E não é isso que você faz? — Mando de volta séria também.

Ele segurou na minha mão, fazendo-me parar. Estávamos num corredor vazio. 

— Isadora, você sabe que se aceitasse minha proposta as coisas seriam totalmente diferente. — Ele me fitou meus olhos, por um momento pensei ter visto um brilho ali. O mesmo que eu via toda vez que ele se pronunciava assim. Mas, quem disse que eu consigo acreditar nas palavras dita por ele?!

— Gabriel… — Minha voz falhou. Era sempre assim quando ele me olhava de forma tão intensa como fazia neste instante

— Eu nunca esqueci a noite de amor que tivemos na beira da piscina naquela noite. — Suas palavras são proferidas de forma como se tivesse querendo me dizer alguma coisa, mas estava convencido em guardar o que quer que fosse só para ele. 

Para quem não sabe, eu perdi minha virgindade com Gabriel Simons. Sim. Essa tentação loira bem aqui na minha frente.  Eu tinha 14 anos e ele 15, foi bem na piscina aqui mesmo no colégio. Devo dizer que foi muito bom. Mágico. Talvez. Fazia tanto tempo e Gabriel parecia nunca esquecer do ocorrido. 

— Isso já tem três anos, Gabriel. — Balancei a cabeça levemente, espantando as lembranças daquele dia que eu também nunca conseguir esquecer. 

— Três anos que pra mim são mais como três dias. — Ele tocou minha bochecha novamente e dessa vez eu não neguei seu toque. Sua outra mão segurou minha cintura e puxou meu corpo para o dele. Arfei com sua pegada firme. — Foi quando eu te fiz minha pela primeira vez. — Ele olhou minha boca antes de mirar meus olhos mais uma vez. Suas íris azuis-claras, lindas, estavam escuras agora. — Eu daria o que for para que você fosse minha novamente. — E essas foram as palavras ditas por ele antes de juntar seus lábios aos meus, me convidando para um beijo apaixonado e sensual. 

Era isso que Gabriel exalava; sensualidade e muita sedução. 

Eu não negava o fato que eu sentia alguma coisa por esse anjo - que de anjo não tinha nada. Tava mais pra um diabo, um diabo malditamente gostoso. Mas também nunca parei para questionar meus sentimentos, com o medo do que eu pudesse descobrir.



— GABRIEL!!!

Merda! 



Notas Finais


Comentem tudinho o que vocês acharam, a opinião de vocês é de muita importância para o desenvolvimento dá história.

O que vocês acharam do personagem, algum favorito?

Bjus no bumbum e até o próximo.😙😙😙😙😙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...