História Is It Love? Os Oito Elos - Capítulo 134


Escrita por:

Postado
Categorias Is It Love?
Personagens Adam, Colin, Drogo, Gabriel, Mark, Matt, Nicolae, Personagens Originais, Peter, Ryan, Sebastian Jones
Tags Ação, Colin, Colinspencer, Daryl, Darylortega, Drama, Drogo, Drogobartholy, Hot, Hots, Iil, Indecisão, Isitlove, Matt, Mattortega, Múltiplosamores, Nicolae, Nicolaebartholy, Owen, Peter, Peterbartholy, Políamor, Romance, Ryancarter
Visualizações 9
Palavras 3.879
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 134 - Capítulo 6 - Férias 4


Fanfic / Fanfiction Is It Love? Os Oito Elos - Capítulo 134 - Capítulo 6 - Férias 4

Casa Cheia - 18.09.2010 

- Prontos? – Pergunto assim que todos chegam à academia de casa.

- Não, estou morrendo de sono. – Matt reclama me fazendo rir. – Mas estou louco para te derrubar e de bônus atirar nas coisas. – Fala agora empolgado.

- Não vou facilitar para você. – Digo subindo minha guarda. – Só vale golpes para levar o oponente ao chão, sem socos e chutes. – Dito as regras.

- Poderíamos lutar assim sempre, que assim eu consigo dar o meu melhor com você. – Matt fala rindo e eu seguro seu braço o jogando por cima de meu corpo, o largando no chão.

- Presta atenção. – Falo e escuto os meninos rindo, então rio também.

- Isso é trapaça princesa, não combina com você. – Matt fala e estendo minha mão para ajudá-lo a levantar e então ele aceita, mas me puxa e me dá uma rasteira, fazendo eu cair por cima dele. – E eu vou atirar. – Fala orgulhoso de seu ato, sorrio para ele e me levanto.

- Próximo. – Chamo e Daryl logo vem.

- Eu acho que eu nem preciso te derrubar, já que eu sou um dos instrutores da aula de hoje. – Ele fala e eu dou de ombros.

- Duvido muito que você já tenha atirado com uma sniper. – Digo como se eu não me importasse e ele logo levanta a guarda.

Começamos a lutar e é até engraçado, porque os meninos ficam torcendo como se nós estivéssemos em uma luta de MMA.

Eu derrubei Daryl três vezes e ele está um pouquinho nervoso por isso, eu estou me divertindo.

Meu cafajeste, finalmente consegue me derrubar, depois de conseguir segurar meu braço e me jogar por cima do ombro dele.

- Ai. – Reclamo e ele vem, todo preocupado.

- Desculpa nervosinha, machucou? – Pergunta e eu começo a rir.

- Não, só foi o impacto, e fiquei triste, porque eu estava gostado de ver você... nervosinho. – Implico com ele que revira os olhos e me ajuda a levantar.

Todos haviam conseguido me derrubar no chão, não vou mentir... eu estava ajudando eles, eu quero que todos façam a aula de tiro, eles precisam muito saber se defender.

Estou lutando agora com Peter, ele é o último, eu não tenho nem coragem de derrubá-lo, ele mal se mexe e eu não tenho capacidade de jogar meu doce Peter no chão.

- Vocês estão só rodando, ninguém vai atacar? – Matt pergunta e eu olho para o lado, totalmente distraída e sinto Peter me pegando no colo e me deitando no chão.

Olho suas esmeraldas verdes divertidas e começamos a rir, ele me derrubou da maneira mais delicada do mundo.

- Ok, vamos para a aula. – Digo assim que me levanto com a ajuda do Peter e todos comemoram.

Os levo para o estande de tiro do clube que eu sou sócia e eu e Daryl explicamos tudo sobre a arma, como carregá-la, destravá-la, travá-la, a posição do corpo para dar um resultado melhor e ficamos um tempo no clube, atirando e rindo como bobos.

Passo na recepção e pego as carteirinhas deles e agora, todos nós temos licença para ter uma arma, não quero ninguém indo preso por estar armado, já basta eu ter sido presa por causa de uma arma sem registro, através da armação da Lana.

Entro no carro balançando a cabeça para esquecer esse episódio da minha vida e eles vem atrás de mim, então os levo até o galpão de Los Angeles.

- O que estamos fazendo aqui? – Drogo pergunta assim que todos chegam ao galpão, ele é tão curioso.

- Vocês vão gostar disso aqui, já que amaram atirar. – Falo animada e entrego a licença de ter armas para eles. – Nunca percam isso, nunca. – Digo e me agacho e empurro o portão de aço para cima.

Vejo os meninos estáticos assim que vêem meu lindo arsenal de armas, dou espaço para eles, que entram já tocando em tudo, não deu nem tempo de eu dar a luva para eles.

- Escolham uma arma pequena para vocês, e daqui vamos dar nossos primeiros tiros a distância, então não demorem, pode ser qualquer uma, elas são todas registradas. – Digo me sentando no banquinho que tem ali e os vejo escolher suas armas empolgadamente.

- Isso é ouro? – Matt pergunta analisando uma pistola dourada e eu rio de sua cara de surpreso.

- Sim, eu dei uma dessa para Maccini. – Digo e logo Daryl se vira lentamente para mim, merda! Lá vem sermão.

- Você o que? – Pergunta bravo.

- No nosso jantar romântico, eu levei ele para o galpão de Nova York e dei a arma para ele. – Falo dando de ombros.

- Você levou o maior gângster de Nova York para um galpão cheio de armas e ainda deu uma para ele? Você é louca? – Matt me dá um sermão.

- Sim, e estou bem, estou viva e sou amiga do Maccini. – Falo entediada, os oito estão me olhando com a cara de sermão deles e não quero ouvir essa hora da manhã.

- Não citou ele na lista de sexo. – Daryl fala depois de um tempo pensativo.

- Porque nós não transamos... ele me rejeitou. – Revelo a verdade.

- Você só pode estar de sacanagem. – Colin resmunga me fazendo rir.

- Não estou, é super sério. - Falo e ele me olha com seus oceanos furiosos.

- Você ia realmente transar com o tal gângster e porque caralhos alguém te rejeitaria? - Colin pergunta.

- Sim, eu ia transar com ele, eu amo homens que parecem perigosos e caralho ele era tão viril e aqueles olhos de homem impie... - Sou interrompida.

- Já entendemos. - Ryan diz com sua cara de ciúmes, então sorrio fitando suas tempestades cinzentas devastadoras.

- Ok, desculpa e ele me rejeitou porque ficou com medo de se apaixonar, porque segundo ele, se Daryl Ortega o homem mais desapegado do mundo estava apegado, qualquer um poderia se apaixonar por mim. - Respondo olhando agora para as chamas cor de mel do meu cafajeste, que sorri para mim. - Mas agora vamos antes de todos vocês começarem com seus sermões e perguntas. – Me levanto e pego várias cases com sniper e entrego a cada um que finalmente escolhem uma pistola.

Saímos do galpão, mas antes eu deixo um recado no pequeno espelho do local para o Kenan: “Peguei umas coisinhas emprestadas. – I.B”.

Desenho um coraçãozinho e levo os meninos em uma montanha isolada de Los Angeles, onde já tem tudo preparado, eu e Henry treinávamos aqui.

- É fácil. – Falo enquanto monto minha arma rapidamente e miro em uma lata a mais de um quilômetro de distância e atiro, acertando. – É só montar a arma, e depois fazer alguns cálculos e então... atirar. – Digo como se não fosse nada.

- Você disse que é fácil? – Nicolae pergunta com uma sobrancelha levantada e eu rio.

- Eu vou montar as armas de vocês hoje porque precisamos ir trabalhar e estudar daqui a pouco. – Falo montando as armas deles, enquanto eles me olham fixamente.

Seus olhos, em primeiro momento, tentam gravar quais peças se encaixam, mas depois vejo que eles desistiram de entender porque eles começam a olhar em volta, a vista e tudo mais.

- Agora deitem aqui no chão e escolham um alvo. – Falo e eles fazem, então me deito mirando no meu alvo. – O vento está noroeste, pelo menos 34 quilômetros por hora, então, como a bala pesa 900 grãos, mais ou menos 58 gramas, comparos com a distância de um quilômetro e trezentos metros, devemos mover a arma lentamente para nossa direita, sem perderem o alvo de vista e... atirem. – Escuto o barulho das armas atirando e logo depois, escuto o suspiro frustrado de todos e rio por ser a única que conseguiu acertar o alvo.

- Isso é chato coitadinha, achei que ia ser legal. – Drogo reclama e eu rio mais ainda.

Deito ao lado do Peter, que estava ao meu lado e e peço a todos para observarem, vejo o alvo na mira de Peter e então faço os cálculos e movo a arma bem pouco.

- Você quase acertou doce Peter, mas, atira agora. – Falo e ele faz, olhando na mira e logo vê que acertou, então comemoramos batendo as mãos.

- Também quero. – Matt fala animado e me deito ao lado dele e refaço o processo. – EU ACERTEI! – Ele comemora gritando empolgadamente assim que acerta.

- Na verdade, a Ivna acertou, mas vamos te dar os créditos. – Owen implica com Matt e rimos de sua cara de insatisfação.

- Eu também quero acertar. – Drogo fala, mas infelizmente estamos atrasados já.

- Na próxima aula todos irão acertar, temos que ir agora, já estamos atrasados. – Falo enquanto desmonto as armas e entrego a cada um. – Mantenham no carro de vocês e as pistolas sempre próximas de vocês, Matt, vou deixar a sua no meu carro, mas fique com a pistola. – Digo e todos concordam.

Entramos em nossos carros e cada um foi para seu destino.

- Está atrasada Ivna, temos uma reunião com a empresa alemã. – Liam fala assim que piso na minha sala e nem tenho tempo de nada, que no datashow já aparece um homem, cabelos grisalhos e olhos azuis.

Começo a reunião e assim foi meu dia, reuniões atrás de reuniões e milhões de documentos para assinar.

- OLÁÁÁÁ! – Entro de surpresa em um galpão onde a Nightmareden está ensaiando e Doris me vê e corre até mim.

Nos abraçamos como loucas, gritando e tudo mais, enquanto os meninos da banda nos olhava como se fôssemos malucas.

- Sua vadia, por onde andou? Sabe que Colin morreu de tanta saudade, certo? – Ela pergunta ainda abraçada a mim.

- É eu imaginei que ele sentiu saudade de mim, assim como você. – Implico com ela.

- Na verdade nem lembrei de você. – Diz fazendo pouco caso de mim.

- Ah, que mentirosinha. – Falo convencida de que ela sentiu saudade de mim e então começamos a rir.

- Ei, eu também quero matar a saudade do meu docinho. – Adam fala nos desgrudando.

- Oi amore mio. – Falo o apelido que ele detesta e ele revira os olhos antes de me abraçar.

Adam me suspende do chão e me aperta fortemente.

- Colin brigou muito com você? – Pergunto assim que ele me coloca no chão e então ele começa a rir.

- Bem, foi confuso primeiro, ele saiu daquele quarto do hospital como um furacão e disse que a banda estava desfeita e depois ele sumiu por uns cinco dias, mas voltou quando o produtor mandou, já que temos um contrato. – Adam fala o que aconteceu e eu olho para Colin que tem um sorriso divertido em seu rosto.

- Ah, eu contei tudo para eles, e o Colin ficou com raiva de você, porque você sabia de tudo e não falou nada. E... também ficou com raiva do Phill porque eu contei que transamos. – Falo a última frase mais baixo, apenas para o Adam ouvir. – Ei Phill! – Cumprimento ele e lhe dou um abraço.

- Colin disse para ficarmos longe. – Sussurra no meu ouvido e então nós rimos.

- Claro que disse. – Falo revirando os olhos e nos soltamos. – Eu fiquei sabendo que o show de sábado terá uma convidada especial. – Revelo e eles me olham curiosos enquanto Colin sorri para mim, eu já disse que amo seus lindos olhos de oceanos furiosos e seu sorriso?

- Conta logo vadia. – Doris fala me fazendo arrancar meus olhos do de Colin e eu faço mais suspense ainda.

- É uma mulher... – Começo a falar e eles me olham doidos para saberem quem é. – Maravilhosa... gostosa... que leva todos ao delírio... – Pontuo as características da Natasha. – Ainda não sabem? – Pergunto rindo.

- Não. – Respondem nervosinhos por não saberem quem é.

- Ok, a pessoa é... – Balanço as mãos mostrando suspense e rio de suas caras de insatisfação. – Eu! – Revelo e eles fazem cara de animação.

- Fala sério, achei que era a Beyoncé. – Doris reclama rindo.

- Eu sei que está empolgada de me ter na banda novamente. – Pisco para ela, convencida.

- Ok, estou, e precisamos comprar roupas iguais. – Assume e sorrimos maliciosamente uma para outra.

- Eu tenho uma perfeita em mente. – Falo e batemos as mãos.

- Ah não, sem roupas vulgares. – Colin reclama.

- Já era meu rabugento. – Faço língua para ele.

- Fita isolante nos seios. – Doris fala e eu super concordo.

- E short de tecido plástico transparente, use uma calcinha nude. – Nós balançamos a cabeça concordando com o look que criamos na cabeça.

- Nem fodendo. – Colin e Adam falam juntos.

- Eu quero muito saber disso depois. – Falo apontando para a Doris e Adam.

- Bota bordô até a coxa. – Doris continua, para mudar de assunto.

- Perfeito. – Levanto a mão e ela bate novamente. – Preciso ir agora, Lisa já deve ter chegado. – Falo e abraço o Phill e depois o Adam.

- Ei, quem é essa? – Doris pergunta assim que eu a abraço.

- Com ciúmes? – Implico com ela que logo dá de ombros.

- Não. – Diz entediada.

- Você conhece ela, a recepcionista loira que trabalha na Carter. – Sei que elas se conhecem porque até Thomas conhece a Doris.

- Hum, talvez eu tolere ela, te dou permissão para ir. – Fala brincalhona.

- Vadias para sempre. – Digo piscando para ela e vou até o Colin e o abraço também.

Sinto seu cheiro e suas mãos em volta de mim me faz arrepiar, então eu me separo dele rapidamente.

- Passa lá em casa hoje, todos vocês, eu vou comprar umas bebidas. – Os chamo e saio praticamente correndo de lá.

Quando chego em casa, depois de passar no supermercado para comprar umas bebidas e alguns aperitivos, eu abro a porta e vejo Lisa rindo com Matt no sofá, que saudade dessa doidinha.

- Ei! – Falo baixinho anunciando minha presença.

Os dois param de rir e me olham, sem falar nada.

- Estou muito chateada com você. – Lisa fala emburrada depois de um tempo apenas me analisando.

- Eu sei, e me descul... – Começo a falar, mas ela me interrompe.

- Sabe como eu fiquei preocupada? – Pergunta e sim, eu sei que ela ficou preocupada, mas eu não podia fazer nada.

- Sim, descul... – Tento pedir desculpas novamente, mas de novo ela me corta.

- Eu não dormi por dias preocupada, achando que tinha acontecido algo e estava tão frustrada que descontava meu mau humor nas pessoas, eu fui comparada ao trio do mal, você tem noção disso? Ao trio do mal. – Fico quieta esperando que ela desconte tudo que eu mereço. – Não vai pedir desculpas? – Ela pergunta e me seguro para não revirar os olhos, porque eu já tentei duas vezes e ela não permitiu.

- Descul... – Começo meu pedido de desculpas, mas não consigo finalizar.

- Até mesmo o Matt, que é... o Matt me ligou dizendo onde ele estava e que... – Espera!

- O Matt o que? – Pergunto sem acreditar nisso.

- Me ligou quando estava aqui em Los Angeles meses atrás. – Lisa conta e eu olho para meu moreno.

- Não acredito Matt, que irresponsabilidade, você poderia estar morto agora, e eu e a Lisa ao invés de estarmos de mal estaríamos chorando por você, poxa. – Dou um sermão dele, eu não acredito que ele ligou para a Lisa e ainda contou onde estava.

- Ele não fez por mal. – Lisa tenta amenizar a bronca.

- Eu sei que não, mas eu tive que fazer um milhão de coisas erradas para poder deixar ele seguro, por isso não te liguei, me desculpe mesmo Lisa, eu considero você uma amiga, uma grande amiga, mas eu não podia ligar para você porque senão além da vida do Matt a sua também estaria em perigo. – Digo me sentando na poltrona de frente para eles e suspirando pesadamente.

- Mas o Daryl estava em contato com Maccini. – Matt fala e Daryl logo aparece na sala, se sentando na poltrona ao meu lado, ele abre a boca para se defender, mas eu já o interrompo.

- Estava, mas Daryl não ligava para o Maccini, e nem Maccini para o Daryl, a comunicação era por terceiros e eles não usavam nomes. – Explico como era o esquema e Daryl me olha surpreso.

- É assim que se faz maninho, quando estamos escondidos. – Daryl se gaba e seguro uma risada por isso.

- Me desculpa princesa, você mandou a gente para cá e sumiu, eu só sentia falta de você e da Lisa... – Matt se desculpa.

- Eu também sentia saudade Matt, sua e da Lisa, muito, muito mesmo, mas acontece que vocês dois poderiam estar em risco se a situação já não tivesse sido resolvida. – Admito que senti saudade deles, mas ainda lhe dou um sermão.

- Ei repete o que disse. – Lisa fala e eu a olho com uma sobrancelha levantada.

- Vocês dois poderiam estar em risco? – Pergunto tentando não rir.

- Não, a outra parte. – Ela fala e olho para Matt e para Daryl, fingindo estar confusa.

- Já está tudo resolvido? – Questiono e ela bufa.

- A outra. – Diz irritada e eu sorrio.

- Que eu senti sua falta e que eu te considero uma amiga, coisa que eu faço com poucas mulheres, em um número exato de três? – Falo e ela se levanta do sofá e me abraça.

- Ai amiga, eu também senti sua falta, é tão ruim sem você lá. – A abraço forte e me vejo chorando, merda!

Limpo minhas lágrimas rapidamente e me separo dela.

- Vem morar aqui, tem emprego para você e seus amigos estão aqui. – A chamo para morar em Los Angeles.

- Vou pensar nisso, eu quero muito vir, amo esse clima tropical e tem uns homens que... uau. – Ela fala me fazendo rir. – Mas... e o Thomas? Ele ficou chateado também, vive triste pelos cantos. – Lisa revela me deixando triste, tenho saudade do meu neném Thomas.

- Eu vou ligar para ele hoje, o sonho dele era vir para cá. – Falo sorrindo, vou chamá-lo para morar aqui em Los Angeles também.

- Nem fodendo. – Matt e Daryl reclamam me fazendo rir.

- Parem de ciúmes bobo, eu já falei que Thomas foi só uma transa de um dia. – Falo e eles fazem bico.

A porta se abre e vejo Peter entrando e logo Drogo entra atrás.

- Oi meu anjo. – Peter me dá um beijo na testa. – Matt, Daryl. – Se cumprimentam.

- Oi meu doce, essa é a Lisa. – Apresento minha amiga para ele.

- Lisa esses são Peter e Drogo. – Falo apontando para eles. – São meus... – Paro para pensar, o que nós todos somos? Não sei dizer. – Moradores, eles moram aqui também.

- Você mora com os gêmeos tentação e também com esses dois garotos de tirar o fôlego? – Lisa pergunta se abanando deixando Peter tímido e Drogo com seu sorriso cafajeste.

- E também... – Começo a falar e Ryan e Nicolae entram na mansão.

- Puta que pariu. – Lisa finge que vai desmaiar e eu rio dela.

- Esse é o Nicolae. – Os apresento.

- Ah, oi Lisa. – Ryan fala educadamente depois que Nicolae a cumprimenta.

- Carter. O Carter está morando aqui? – Parece que os olhos da Lisa vão sair da cara de tão surpresos.

- Tem também o... – Owen e Colin aparecem na sala.

- O que está acontecendo? Por que você está morando com esses oitos deuses gregos? Acabou né? Ou tem mais? Tem mais? Tem um para mim? – Lisa começa a perguntar, afobada.

- Estamos morando aqui por ela está apaixonada por nós todos. – Matt responde.

- Matt. – O repreendo.

- Ué, é a verdade, por isso estamos aqui, porque também amamos ela, então creio que não tem nenhum para você. – Matt fala e eu rio do jeito dele contar isso.

- Isso é estranho. – Lisa fala e eu olho para ela.

- É sim. – Concordo e vejo todos se ajeitarem na sala para conversar.

- Então... cada dia é dia de um? – Lisa pergunta curiosa.

- Como assim? – Franzo meu cenho não entendendo nada e ela faz sua típica cara de safada. – Não estamos fazendo sexo. – Falo rapidamente, totalmente constrangida.

- Ah, qual a graça ter oito gostosos se não for para usufruir? – Ela fala e eu começo a rir, Lisa é doida.

- Eu usufruo da companhia deles. – Digo e me levanto da poltrona. – Vamos jantar? Estou com fome. – Os chamo e vou andando para a sala de jantar.

- Ela sempre fala isso quando quer mudar de assunto, Ivna nunca sente fome. – Escuto Owen falando.

- Concordo. – Colin concorda, ele pegou minha pior fase para comer.

- Vocês estão fazendo complô contra mim, está nas regras que não pode. – Falo da cozinha e os escuto rindo.

A campainha toca e depois de um tempo vejo todos vindo e se sentando à mesa.

- Ah, ei Doris, senta aqui perto com a gente. – A chamo para sentar perto de mim e Lisa. Todos se sentam e eu olho para eles sorrindo. – Só falta a Sarah para ficar completo, meus amigos do The Queen and Kings no Controls, e o Thomas. – Falo, tenho tanta saudade deles.

- Você era realmente amiga da Sarah coitadinha? – Drogo pergunta surpreso.

- Claro que sim, ela até pediu permissão para ficar com Noah, porque ela achava que nós tínhamos namorado. – Falo rindo e lembrando quando ela veio toda tímida perguntar isso.

- Achei que fingia ser amiga dela para ver o Sebastian. – Ele fala e eu dou de ombros.

- Eu via ele na faculdade, na sala de monitoria dele. – Respondo a verdade, eles criaram a regra de não mentir, ou omitir.

- Eu posso te dar o número dela, se você não tiver. – Peter se oferece e eu sorrio para ele olhando suas esmeraldas lapidadas e brilhantes.

- Obrigada Peter! Eu tenho o número dela, mas está no meu celular, então eu quero sim. – Digo e eles se entreolham. – Eu sei que meu celular está com o Kenan, eu vou buscar sábado provavelmente, preciso voltar ao trabalho. – Anuncio e todos bufam e murmuram. – É o certo a se fazer, já se passaram meses, e Kenan me colocará em algo administrativo, não vai ser tão perigoso. – Digo, mas mesmo assim ele continuam com suas caras emburradas.

- Nós não podemos votar? – Nicolae pergunta e eu nego.

- Não, porque não é escolha eu voltar ou não, além disso, preciso saber de uma pessoa. – Falo e eles me olham curiosos.

- Quem? Tem mais alguém além do Henry? – Ryan pergunta.

- Só o Henry sabe de vocês, mas meio mundo sabe de mim, preciso saber se ainda estão atrás de mim. – Tento explicar a situação.

- Precisa saber de quem, especificamente? – Continua me questionando.

- Não vou dar essa informação para vocês. – Respondo.

- Temos regras da omissão. – Colin fala e eu reviro meus olhos.

- Vamos jantar, ok? Estamos com visitas, a Lisa, a Doris, o Adam e o Phill. – Falo mudando de assunto e o olhar de todos os oito param no Phill. – Parem de olhar assim para o Phill. – Brigo com eles.

Voltamos a comer e Lisa puxa um outro assunto animadamente, fazendo nossa noite terminar bem, mas para evitar perguntar e tudo mais, descarto as bebidas e fomos dormir cedo.

[...]



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...