História Is it Love? Ryan - Big Boss - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Tags Bigboss, Hentai, Isitlove, Ryan
Visualizações 102
Palavras 4.430
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Comprimentos caros leitores! Esta será minha primeira fanfic e estou confiante que vão gostar! hihi
Aqui segurei os acontecimentos do game "It is Love? - Ryan", que muito me alegra (aquelacarinha), porém com leves mudanças de acordo com a minha criatividade e "incrementos". Preparem-se para um grande capítulo, cheio de detalhes (bem picantes), referências e boa escrita. Espero que gostem <3

Capítulo 1 - Nada é tão ruim que não possa...melhorar!


Fanfic / Fanfiction Is it Love? Ryan - Big Boss - Capítulo 1 - Nada é tão ruim que não possa...melhorar!

Cap. 1   Bianca Vittorio Scaletta, 23 anos.

De repente meu cérebro decidiu que eu deveria abrir os olhos no meio da noite; olhei no relógio de cabeceira: 5h58am, dois minutos antes do meu horário habitual. Levando em conta que isso não acontece sempre, desligar o despertador programado das 6h antes que ele tocasse me deixou animada.      Levantei com um pulo, abri as cortinas deixando a luz entrar, já conseguia sentir o cheiro de fuligem e bagels recém assadas da padaria no final da rua. Mesmo com a janela fechada todos os cheiros já estavam memorizados no meu cérebro. Contornei a cama em direção ao banheiro, prendi meu cabelo em um rabo com meu elástico, giro a torneira pro lado na parte fria quando percebo que não sai nenhuma gota de água — Mas que ca...—  Droga! Nem na pia, nem no chuveiro, nem na cozinha, nenhuma gotinha em todo o apartamento! Bela hora pra se ficar sem água, mas claro que seria melhor ainda se fosse bem no dia que eu gostaria me mimar um pouco com sais de banho e óleos aromáticos pra a festa de aniversário  de 5 anos da Carter's hoje a noite, depois do expediente. Ótimo, em plena sexta-feira. Decido que vou dar uma ligada pra Lisa, minha melhor amiga desde praticamente meu primeiro dia na Carter's, e perguntar se posso por favorzinho tomar um banho no apartamento dela em troca de uma carona pro trabalho. Ela concorda sem exitar, sempre que temos mais tempo disponível pra conversar, fofocar e dar risada fazemos questão de aproveitar, nos damos muito bem.    Desde de que mudei da Itália para New York, tenho tido muito a companhia da Lisa e do Matt, dois grandes amigos que essa mudança me proporcionou. Não tem sido fácil me acostumar a Manhattan, 24h acordada e movimentada, as vezes eu a amo desse jeito, as vezes a odeio. Mas o ramo executivo sempre foi meu sonho, grandes multinacionais, prédios enormes, roupas elegantes, o ambiente social e consequentemente as grandes cidades, sempre estiveram nas minhas ambições nos tempos da faculdade em Veneza. Quando recebi o "sim" da Carter Corporation logo depois de mandar meu primeiro resumé, mal acreditei! Eu tinha me esforçado muito, estudado línguas, me desdobrando  pra  fazer cursos extras e pequenos estágios; com isso acabei me formando com méritos, além da maior média do curso. Eu trabalhei duro por essa oportunidade e a agarrei com todas as forças.     Depois me vestir casualmente com uma calça jeans, chinelos e uma blusa simples cinza, tomar meu café bem forte com omelete e torrada, pego minha mala com roupas do trabalho, meu vestido, sapatos, bolsa e finalmente sigo para o elevador, já que a falta de água me impediu de praticar meu Yoga matinal. Olhei meu celular,  já eram 7h35, mais precisamente, a hora em que ODEIO Manhattan. Sem perder nenhum minuto eu corro na garagem em direção a minha Mini SUV, um dos luxos que um cargo em Relações Públicas na Carter's me permite ter, jogo tudo no banco de trás contando 10 minutos do meu prédio até a rua principal. São mais 15 minutos até o prédio da Lisa, com sorte chegamos adiantadas. Porém sorte, pessoas e carros atravessando ao mesmo tempo são coisas que não se misturam! Logo uma fila de carros se forma atrás de mim também querendo sair do subterrâneo do prédio. Depois de quase 1 ano e dois meses vivênciando essa cena todas as manhãs, eu já desenvolvi autocontrole e paciência suficiente pra lidar com a pressão do trânsito em NY, posso até afirmar que sou uma excelente motorista (há controvérsias). Rapidamente saio para a rua principal em direção ao norte, a Lisa mora relativamente perto do trabalho e vai todos os dias de metrô, algo que nunca me arrisquei nem pretendo. Chegando em frente ao classico prédio de concreto ornado no estilo Hollywoodiano, estaciono na velocidade da luz, enquanto  já arrumo meus pertences pra sair do carro quando percebo que  pequenos pingos começam a cair sobre o vidro. Era só oque faltava, chuva. Aproveito que não tem carros passando no momento pra sair correndo atravessando a rua a passos largos. Digito os números da senha no interfone e a porta se destranca, com uma olhada por cima do ombro percebo que os pingos começam a engrossar. 

Chegando no andar da Lisa eu pressiono o dedo na campainha initerruptamente até que a porta se abre:

— Tá querendo me deixar surda ou o que? — Lisa fala meio nervosa mas com um ar descontraído.

—  Argh, me desculpe, xuxu! Acabou de começar a chover e eu fiquei mais melecada ainda. Estou implorando por um banho!

— Eu tô vendo e não vou te abraçar agora, sinto muito.

Ela riu fazendo sinal pra que eu entrasse, larguei as bolsas no chão tirei os chinelos e vi que ela ainda não estava pronta

— Lis você ainda tá de pijama?? São quase 8h20! E plus, chovendo lá fora todos os novaiorquinos vão desaprender a dirigir.

— Ei, calma flor! Eu sei que de carro a gente leva metade do tempo, pode tomar banho de óleo de côco que ainda vamos chegar a tempo

— Sabe oque é, é que 10 minutos atrasada não é no tempo. Hahaha

— Não esquenta, vai. Hoje é um dia especial! Você conhece o caminho até o banheiro, divirta-se enquanto eu me troco também, senhorita "10 minutos não é tempo". 

Eu ri também mesmo sabendo que a Lisa é super responsável e como secretária da Carter's, ela sempre é uma das primeiras a chegar. Fiz exatamente oque ela sugeriu, peguei minha mala de roupas e fui pro banheiro com um uma sensação maravilhosa pré-banho morninho Tomei um banho breve, lavando o cabelo e secando levemente com a tolha no final. Coloquei minha lingerie preta, com uma calcinha cintura alta que modelava bem meu corpo, vesti minhas meias 3/4 finas com bordados também pretos até as coxas e as prendi a calcinha, na frente e atrás, com uma pequena liga. Seco meu cabelo castanho, deixando-o naturalmente liso e levemente ondulado nas pontas formando alguns cachinhos largos até o meio das costas, seco minha franja também deixando-a regular acima das sobrancelhas e prendo as laterais do cabelo para trás, dando um efeito princesa. Abotoo minha camisa social cor de creme ate o pescoço, arrumo a gola princesa e desamasso as mangas curtas, levemente apertadas no braço, estilo clássico. Visto minha saia lápis azul marinho, também com cintura alta até o meio da barriga. Coloco a camisa aconchegada por baixo da saia deixando meu look com um ar extremamente elegante, do jeito que eu mais gosto. Em geral meu estilo pessoal é elegantel, meu guarda-roupa é suprido com varias camisas, blazers, casacos, saias e calças e clássicas quase 100% com cintura alta e bem marcada. Por ser uma mulher ativa físicamente, tenho algumas curvas definidas que mantenho com Yoga e musculação semanalmente, nunca nada exagerado. Meu corpo faz o estilo "violão" ou "ampulheta", ombros proporcionais ao quadril largo e cintura fina. É normal ter mais gordurinhas do que músculos, principalmente porque administro um blog de culinária e estou sempre testando receitas e experimentando. Mesmo assim estou feliz com meu corpo e com minha saúde.  Passei meu óleo corporal hidratante que faz com que minha pele fique com um viço acetinado e um leve aroma de rosas, seguido do perfume também de rosas. Finalizo com uma maquiagem leve e um batom claro rosa malva, uma das minhas cores favoritas, calço meus sapatos azul marinho de camurça, salto médio-baixo e mais quadrado, super confortável e lindo. Hoje eu fiz questão de usar minhas peças favoritas mesmo que o primeiro traje não fosse o principal, eu queria que toda composição ficasse perfeita. Sai do banheiro bem apressada porque sabia que tinha extrapolado um pouco o horário me vestindo, quando cheguei na sala Lisa estava completamente pronta, vestida com seu terninho e calça skinny pretos de cetim, sem um único amassado, maquiada e com um coque clássico perfeito! 

— Até que enfim a belezinha saiu do chuveiro. Vamos? Acho que a gente tá uns 10 minutos atrasadas, segundo o meu relógio.  Ela me olha com uma expressão sarcástica e sorridente enquanto eu ainda estou fazendo os cálculos de como ela conseguiu se aprontar tão rápido. Fiz que sim com a cabeça sorrindo enquanto pegava minha bolsa de couro bege e a seguia até a porta. 

— O que você estava fazendo quando te liguei 3x ontem a noite? Lisa pergunta no meio da nossa conversa descontraida sobre os vários caras  gostosos que se mudam  pro prédio dela. 

— Aaaah! Ontem a noite eu dei uma passada rápida no supermercado, tinha que comprar um pedação de parmesão pra lasanha que eu ia fazer, fui direto pra cozinha. Quando vi sua chamada já era umas 23h, não quis ligar nem mandar mensagem pra não te acordar. — Fiz um coração com as mãos.

— To sabendo hahaha 

— É sério! No meu prédio não tem nenhum modelo da Calvin Klein no andar de cima e um surfista bronzeado no de baixo; no maximo um velinho que dá uma piscadela quando tô saindo de manhã.

— Aé? E você quer que eu acredite que você só vê macho no meu prédio? 

— Infelizmente nem no seu prédio, tô vendo só pela TV mesmo — Falei com um ar comovente — Sei lá, não tô no pique pra sair caçando a noite. 

— Vamos ver se não tá com pique hoje. — Ela disse dando um sorriso maligno. — Você vai pra Starlite comigo e o Matt logo depois da festinha de hoje.

— Eu tenho escolha? — Quando ela não muda de expressão eu concordo passivamente. — Certo.

— Ei, não faça essa cara! Eu tô te fazendo um favor, você precisa de um tanquinho cheio de gominhos pra abraçar a noite! — Ela diz dando um belisquinho no meu braço - além disso, você tá me devendo um pedaço dessa lasanha.

— hahaha Eu sei, você vai jantar lá em casa amanhã e a gente faz uma mini festa do pijama pra falar de tanquinhos com gominhos

Continuamos conversando até a saída do prédio e realmente a chuva havia ficado mais forte, assim que saímos da área coberta pelo telhado senti um pingo pesado atingir minha pele clara, logo seguido de outro e mais outro, apertamos o passo até o meu carro e entramos imediatamente. Lisa checou seu coque no espelho do quebra-sol, que continuava perfeito. Ela era sempre impecável, em raras situações é possível a ver desgrenhada ou relaxada, na pior das hipóteses ela vai estar pelo menos perfumada, seu cabelo loiro está sempre muito bem cuidado e arrumado, Lisa  faz o tipo top model: alta e esbelta, com um rosto pequeno e delicado.  Girei a chave no contato e saímos em direção ao trabalho, os carros estavam fluindo e o trânsito habitualmente caótico, mas o caótico normal de sempre, logo já estávamos passando pela portaria do estacionamento subterrâneo da Carter's e procurando minha vaga perto do elevador.

Assim que abri a porta já era possível sentir atmosfera abafada estacionamento, que agora também era úmida graças a chuva forte lá fora. Saímos do carro enquando eu trancava as portas através do pequeno botão no meu chaveiro, Lisa já estava me esperando dentro do elevador segurando a porta, chegando no térreo, nos despedimos com um "te vejo no almoço", já que sempre almoçamos juntos na cafeteria do 3° andar, ela saiu se instalando no grande balcão de vidro e aço da recepção e recebendo uma cara de reprovação da colega que estava sozinha até agora. Enquanto aguardava que o elevador fosse para meu andar, resolvi checar meu Instagram sem ligar muito para quem  entrava, quando uma mão masculina e firme segura meu braço de leve, eu levanto o olhar imediatamente e vejo os dois belos olhos azuis do sr. "Don Juan" me analizando divertidamente.  Ele na verdade é o Gabriel Simons, gerente de todo o departamento de comunicação, ou seja, meu chefe. Eu e a Lisa o chamamos assim  porque 99% do público feminino (e talvez até um pouco do masculino) na empresa é absolutamente louca por ele, menos nós duas, claro, oque não exclui o fato de eu ter pensamentos bem libertinos com ele de vez enquando. Afinal, o cara é um baita de um homem, eu imagino que ele deva ter entre 1,80 e 1,85 de altura, alto e charmoso, um belo corpo aparentemente musculoso e bem definido, ombros largos e fortes, com cabelos loiros lisos, um rosto masculino cuidadosamente barbeado e cheiroso. É sério! Se você se aproximar o bastante pra um beijinho de cumprimento vai conseguir sentir um leve perfume de loção pra barbear além do seu perfume de sempre. Ele sabe que é sexy e não se importa nada com isso! 

— Teve problemas com o despertador hoje, senhorita Scaletta? - Simons fala com um charmoso meio sorriso.

— Oh, bom dia sr. Simons. Eu tive problemas com o encanamento hoje de manhã, corri pra casa de uma amiga e a chuva acabou nos atrasando mais ainda. - Eu disse tentando fazer a carinha mais inocente que pude, ele passou alguns segundos me observando e então respondeu:

— Eu sei que vc não costuma se atrasar, fique tranquila.  

O elevador parou no 42° andar, no setor de comunicação onde nós dois iríamos sair, assim que as portas se abrem ele desliza levemente a mão  direita pelas minhas costas até a cintura e sinaliza com a outra pra eu saia primeiro. Por alguns minutos andamos bem próximos um do outro e ele ainda com uma mão na curva da minha cintura até que nos separamos, ele vai em direção a sua sala privada no fim do corredor a esquerda, se despedindo com um asceno de cabeça, eu retribuí e fui em direção a minha mesa junto das outras no espaço que ocupa grande parte do andar. Com varias baias de mesas, algumas pequenas uma do lado da outra, outras mais espaçosas e separadas, o lugar era de carpete escuro no chão, bem iluminado e com uma decoração sofisticada, as janelas eram praticamente placas inteiras de vidro, do chão ao teto, que nos proporcionava uma visão panorâmica e privilegiada de New York. O ambiente era descontraído apesar de todos se manterem focados e concentrados em seus computadores, tinhamos a liberdade de ir e vir a qualquer hora até a sala de descanso ou cafeteira desde que o trabalho fosse entregue no prazo e com perfeição. Fui em direção a minha mesa no canto esquerdo da sala, uma das maiores, bem ao lado do Matt, que já estava instalado em sua mesa e digitando algo em seu teclado, ele parecia muito concentrado e só se virou para falar comigo quando aparentemente havia terminado a tarefa

— Opa! Parece que alguém dormiu demais hoje. - Ele fala virando os olhinhos castanhos de maneira travessa. 

— Sabe como é, eu dormi com o gato ontem por isso perdi a hora.

— Dormiu com quem??? - Matt fala quase gritando quando eu faço um sinal desesperado com as mãos pra que ele fale baixo.

— Shhhhhhhh eu tô brincando! Acabou a água no prédio hoje de manhã, liguei pro síndico e ele disse que desligaram pra fazer um conserto no encanamento. Sem aviso prévio, esse novo síndico é uma droga de irresponsável.

— HAHAHA entendi. Coitadinha, você  tomou café pelo menos? 

— Consegui fazer um café com água da geladeira. Mais tarde vamos comer alguma coisa na cafeteria? 

— Claro, assim que vc tomar sua bronca da Cassidy. 

Quando eu viro minha cadeira  de volta pra frente do computador Cassidy está vindo em direção a minha mesa, provalmente pra falar alguma merda sobre os 10m de atraso. Ela é a supervisora do serviço de assistência ao cliente mas acha que manda em todo mundo sentado ali; eu, Matt e todos que não eram do serviço ao cliente não devíamos satisfações a ela, tratavamos diretamente o Gabriel ou seu assistente. Cassidy Sparke era o tipo perua já passando da idade pra ser piriguete mas que fazia questão de usar decotes absurdos desde que colocou litros de silicone em cada seio, tinha olhos verdes, um cabelo chanel bem curto castanho claro, usava roupas extravagantes demais pro ambiente de trabalho e um perfume enjoativo logo as as 9 da manhã. Apostei 20 dólares com a Lisa que não ia demorar mais de um mês pra ela receber uma notificação formal falando pra maneirar no espetáculo dentro da Carter's, contando duas semanas hoje.

— É melhor começar a TRABALHAR logo, já que é isso que te pagam pra fazer aqui. — Ela fala com uma expressão séria e arrogante, quando eu não respondo ela desvia o olhar pro Matt: 

— Bom dia Matt. — E vai embora rebolando a bunda.
           — Claro, vaca. - eu sussurro enquanto ele dá uma risada baixinho.
           Matt Ortega tem um estilo Bad Boy que deixa várias mocinhas loucas, ele sempre está dando uma escapadinha sorrateira pra responder uma mensagem ou falar ao telefone, Cassidy é uma das "fãs" que está sempre tentando tirar uma casquinha. Matt é um cara extremamente bem humorado e extrovertido, consegue ser simpático e te fazer rir com poucos minutos de conversa, mesmo sem nunca ter te visto antes. Apesar de sempre se conter um pouco com o visual na Carter's, ele costuma ter um estilo despojado e "roqueiro", jaqueta de couro, botas brutas e seu cabelo castanho levemente bagunçado.
    Matt tem uma banda de rock clássico com mais dois amigos, Colin e Adam. O Collin é o segundo guitarrista e também trabalha na Carter's, é um cara bem reservado e até um pouco grotesco por isso não o conheço muito bem, das vezes que saímos todos juntos raramente conversamos, ele tem um ar um pouco gótico com longos cabelos pretos e bem lisos, olhos castanho escuro e pele pálida. Adam é o baterista, trabalha em uma academia como professor de Jiu-Jitsu, é austráliano e como 90% dos caras de lá ele é uma coisa linda! Tem um corpo atlético maravilhoso, cabelos loiros lisos e olhos verdes e um estilo rústico super sexy que combina muito com ele.

Assim que a vaquinha Cassidy foi mujir na cafeteria eu relamente comecei a trabalhar, não porque ela tinha dito mas porque isso é óbvio. A Carter Corporation é uma construtora multinacional focada em pesquisas e inovações no mercado de engenharia civil, com diversas sedes em várias partes do mundo, a principal é aqui em NY onde o fundador fica a maior parte do tempo, meu cargo é focado em todos o assuntos  referêntes ao nossos clientes e acionistas italianos, pelo fato de eu ser fluente, cabe a mim assuntos referentes a reuniões, relatórios de desenvolvimento e vendas, manter contato constante com nossas filiais na Itália e também com construtoras locais, de vez enquando até comparecer a reuniões por LÁ. Meu trabalho na Carter's me realiza por completo. 

Depois de algumas horas e a pausa para almoçar, finalmente chegou a hora da festa. O 2º e 3º andares estavam sendo aprontados durante todo o dia pro evento da noite, parando apenas para o almoço dos funcionários. Levantei os olhos e vi a Lisa vindo em minha direção, já vestida com seu vestido azul de seda impecável.

— Mas você ainda não está pronta? — Disse ela com uma cara espantada e sorridente. Lisa pode parecer frágil e delicada na maior parte do tempo mas por baixo desse rostinho ela esconde uma fera altamente vingativa!

— Eu já ia me aprontar, juro. Hahaha — me virei olhando em volta procurando pela pequena mala onde havia guardado meu vestido preto rendado e meus sapatos de salto e de repente minha expressão muda, coloco as mãos na nuca. — Ah não, não pode ser.

— O que houve? Lisa pergunta sem entender direito a situação.

— A minha mala com o vestido, não está aqui mas eu me lembro de sair com ela hoje de manhã.

— Não me diga que você esqueceu no carro. 

— Não não, eu... eu tenho certeza que esqueci no seu banheiro, chequei os bancos de trás antes de sairmos do carro. Parece que hoje tudo está dando errado desde o momento em que sai da cama. — Falei colocando as mãos nas têmporas. 

— Amiga, calma, é só um vestido, não o fim do mundo, se você colocasse um pijama de ovelinha todos continuariam te achando linda e elegante. — Lisa respondeu segurando minhas mãos e sorrindo enquanto Matt vinha em nossa direção 100% animado, com os braços abertos.

— As mocinhas estão prontas? Eu não almocei direito só esperando esse jantar! — Ele diz dando um sorriso gigante

— Sim. — Eu respondo suspirando — Vamos logo antes eu desista de hoje.

Andamos em direção ao elevador enquanto a Lisa explicava tudo oque havia acontecido hoje ao Matt, quando chegamos ao 3º andar todos já estavam se acomodando para assistir ao pequeno filme mostrando o avanço da Carter Corp. desde quando foi criada e agradecendo a todos os funcionários no final. Depois de longas três horas de comes e bebes feitos por um dos chefs mais renomados de NY, a maioria do pessoal já tinha ido embora e nós decidimos ir  à Starlite, mesmo contra a minha vontade, os dois me convenceram de que eu precisava relaxar um pouco, realmente depois desse dia eu só queria tomar um banho de banheira e relaxar na minha cama, mas saber que o Adam ia nos encontrar lá me animou bastante. Pegamos o elevador direto pro estacionamento já combinando que eu vou ser a motorista hoje, obviamente não ia me arriscar a beber “umas” com a sorte de hoje,  eu vou ficar só no suquinho com gelo.
       Assim que a porta se abre eu procuro as chaves e noto a falta da minha bolsa — Mas que diabos está acontecendo comigo hoje??? — No mesmo instante Matt e Lisa se viram pra mim esperando que eu destranque as portas.

         — Eu...eu esqueci minha bolsa lá em cima. 

        — Tudo bem Bee, a gente te espera aqui, vai lá. — Lisa diz com um misto de impaciência e espanto.
 Ela provavelmente também notou que há algo errado hoje, isso nunca acontece comigo. Entrei novamente no elevador me sentindo extremamente frustrada e exausta como se algo tivesse sugado minha energia durante o dia, levo as mãos ao cabelo, soltando o grampo que segurava meu penteado e bagunço levemente a franja. Fico alguns segundos com os olhos fechados refletindo se eu realmente devo ir nesse happyhour agora, quando me dou conta que não tinha apertado nenhum botão no painel e o elevador continuava parado no subterrâneo. Suspiro alto e pressiono o dedo no botão 42, voltando a encostar meu corpo no corrimão do lado esquerdo, perto do painel. As luzes fortes do teto começam me incomodar, deixo a cabeça cair sobre as mãos sentindo que meu rosto está quente, eu desabotoo 2 botões da camisa quando sinto o leve solavanco do elevador parando, olho no painel, ainda não é o meu andar, volto a mexer nos cabelos com os olhos fechados sem dar importância ao fato de ter outra pessoa dentro do prédio a essa hora da noite. A porta se abre eu percebo alguém entrar, apertar um botão e ficar em silêncio, só consigo perceber que é um homem pelo perfume masculino delicioso que entra pelas minhas narinas. Depois de alguns minutos em silêncio ainda com os olhos fechados em baixo das luzes fluorescentes extremamente fortes do elevador, alias, eu nunca tinha notado o quão forte elas eram até hoje, eu paro de mexer no cabelo, levantando o rosto pra encarar o homem que acabou de entrar, quando no mesmo instante as luzes se apagam e o elevador para. Eu suspiro pesadamente.

    — Hãm, você...

Antes que pudesse terminar minha frase, eu sinto um mão grande tocar firmemente minha cintura e imediatamente eu fico imóvel. É como se uma cobra venenosa tivesse picado exatamente ali e agora todos os meus músculos estivessem completamente paralisados! Em uma fração de segundos consigo sentir um corpo alto e musculoso colar em mim e uma mão passar pelo meu pesçoco até a nuca, segurando levemente o meu cabelo, o seu toque anestesia completamente meu corpo. A minha mente ficou vazia e eu só conseguia me concentrar nele, naquele cheiro naturalmente masculino, o seu corpo musculoso e protetor, ele permanece alguns segundos com os lábios a milimetros dos meus, como se analizasse a minha reação, eu pudia sentir o seu hálito quente com um cheiro suave de hortelã, e então ele me beija intensamente, como um leão faminto devorando uma pobre zebra, eu retribuo como se estivesse sedenta por isso também. Durante longos minutos só é possivel ouvir nossas respirações ofegantes, quando ele me solta brevemente para desabotoar seu blazer eu encontro uma brecha em seu domínio pra me aventurar sentindo cada parte do seu peitoral musculoso, seus ombros largos e fortes até seu pescoço, pressionando sua boca contra a minha. Ouço o barulho do tecido caindo no chão e então ele volta sua atenção inteira para mim, segurando meus pulsos com força e os colocando pra trás, como se estivesse me “algemando”, deixando bem claro que ele estava no comando. Eu sinto minha pele cada vez mais quente, é como se o seu toque liberasse uma carga mágnetica a cada milímetro. Nós dois estamos ficando constantemente sem fôlego quando ele solta meus braços e me agarra vigorosamente pela cintura, descendo os lábios lentamente pelo meu queixo, dando pequenos beijos até meu pescoço, me fazendo tremer e soltar um gemido baixinho perto da sua orelha. Eu sinto que ele esboça um sorriso ainda com os lábios colados a delicada pele do meu pescoço, ele pegou no ponto mais fraco e já percebeu isso, eu seguro firme na sua nuca e cravo as unhas em seu bíceps. Eu já estava no meu limite, sem acreditar que realmente isso ia rolar ali dentro do elevador, com um completo estranho quando as luzes se acendem e eu fecho rapidamente os olhos com o choque, ele me segura com mais força mantendo a minha cabeça em seu ombro, como em um abraço, de maneira que eu não possa ver seu rosto. Continuamos agarrados respirando pesadamente, ele afasta meu cabelo se curvando pra alcançar minha orelha enquando segura minha nuca, movimentando levemente os dedos entre os fios de cabelo, depois de alguns instantes o elevador para e ele sussura no meu ouvido:
       

       — Você vai descer nesse andar...

   Sua voz é grossa, firme e soa extremamente sexy, me fazendo arrepiar novamente.

        — Você não vai saber quem eu sou, esse é o nosso segredo.

A porta do elevador se abre e assim que ele me solta eu saio imediatamente, sem olhar pra trás. Quando minha visão normaliza eu vejo que estou no 42º, em frente a grande placa de metal escrito “Carter Corporation”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


AAAAAAAAAAAAAAAAA finalmente consegui acabar, meu Deeeeeus! Eu peço desculpas a todos que já leram antes de eu alterar pela 346345x vez, mas tive vários problemas pra terminar o capítulo, viagem, semana de provas, etc.
Mas ta aí <3 fiz com todo o carinho! Já vou começar a escrever o próximo poréeeeem a postagem de novos capítulos será um pouco irregular no começo e talvez não siga a "cronologia" nem os fatos do jogo, afinal, tudo está sujeito a alteração, num é? Hahaha
Vou tentar postar pelo menos um episódio por semana, mas não prometo data certa por enquanto! Só adianto que vai continuar sim e está em andamento. :)
See you guys!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...