História Is This Happiness? - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Megadeth, Metallica
Personagens Dave Mustaine, Lars Ulrich
Tags Lemon, Megadeth, Metallica
Visualizações 17
Palavras 2.336
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - Detalhes


Fanfic / Fanfiction Is This Happiness? - Capítulo 5 - Detalhes

Quarta-feira 23:35

- É isso, você conseguiu -Lars fitou a folha levemente impressionado, assim como Dave ao se dar conta de que Dave finalmente havia entendido a matéria depois de horas de desespero e muito esforço para conseguir enfiar todo o conteúdo em sua cabeça e graças a ajuda do Deus nerd ao seu lado ele estava pronto para fazer a prova na manhã seguinte e se livrar da recuperação. Dave ainda estava feliz fitando a folha com sua mais recente conquista quando Lars levantou da cadeira que estava sendo sua nos últimos dias até tarde da noite e novamente Dave fitou seu perfil na luz alaranjada do abajur forte de estudo - Boa sorte amanhã -enfiou as mãos no bolso e bocejou enquanto caminhava até a porta - E valeu pelas horas completares.

 

Dave, seco e sem jeito com qualquer situação, como sempre apenas acenou com a cabeça e viu o menino desaparecer e o silêncio predominou o quarto, algo que deveria ser comum para Dave, mas que foi incômodo já que pela primeira vez na faculdade ele estava tendo contato com outras pessoas. Dave refletiu sobre a festa na sexta passada e no sábado ressacado no qual nem ele e nem Lars estudaram, apenas dormiram o dia todo cada um em seu dormitório, Dave particularmente dormindo e vomitando, nem se viram como o prometido. No domingo estudaram um pouco pois a dor de cabeça da ressaca ainda era forte, mas nos últimos três dias Dave se deu conta de como a rotina havia sido cansativa, 12 horas de aula, 2 horas na sala de desenho com o  seu novo amigo e em seguida eles partiam para o dormitório de Dave e ficavam estudando até a madrugada, algo que não aconteceu hoje já que Dave havia entendido por fim a matéria e precisava dormir cedo para descansar e conseguir fazer a prova no dia seguinte. Dave se sentiu estranho, levantou e não gostou da solidão do quarto, não que ele e o garoto fossem melhores amigos, muito pelo contrário já que ele e Lars só conversavam sobre a matéria e nada mais, não tinham nada em comum para conversar e se tivessem nunca sentiram vontade de conversar sobre, mas a situação atual mostrou ao Dave o quão solitário e com saudade da Califórnia e dos amigos estava. Mesmo assim deu de ombros e foi tentar dormir, ainda pensando nas outras matérias repleta de provas e nos diversos trabalhos que também precisava entregar até o fim do semestre, em específico o trabalho de desenho no qual ele tinha apenas uma semana para terminar e ainda não tinha retratado o "modelo" de todas as formas que o professor havia pedido. E para piorar, Dave não havia desenhado Lars nos últimos três dias, eles usavam a sala de desenho para estudar para a prova de recuperação, burlando o trabalho de desenho, o que Dave agradeceu, pois isso significava mais tempo para aprender a matéria fodida, mas por outro lado estava nervoso pois tinha apenas uma semana para terminar os desenhos e em duas horas por dia seria humanamente impossível desenhá-lo de modo a terminar o trabalho, mas Dave se confortou ao lembrar do desespero do garoto por horas complementares, então ele não se importaria em passar horas a mais com Dave na sala de desenho. 

Dave decidiu parar de pensar e se preocupar com coisas futuras e apenas pensar na prova de amanhã, já que ainda estava receoso, com medo e um leve frio na barriga de não passar.

Quinta-feira 18:32

Dave estava sentado completamente desconfortável com o cavalete entre as pernas, como sempre, mas nem isso foi capaz de conter o longo sorriso que mais parecia grudado e costurado em seu rosto, de modo a não se fechar nunca. Ele simplesmente não conseguia parar de sorrir, sorrir de alívio e vitória...e também de ansiedade, ansiedade para contar. Mexeu em todos os lápis e revisou os desenhos anteriores, nem lembrando onde havia parado semana passada. E foi quando ele escutou o estrondo bagunceiro costumeiro do garoto apressado e ofegante, jogando a bolsa lateral e todos os livros que carregava em cima das mesas. 

-Estou atrasado - sentou na cadeira - Eu sei, estou atrasado, me desculpa.

-Relaxa - Dave disse sorrindo, não se contendo de ansiedade.

- E aí, como foi a prova? 

- Passei! - Dave quase explode em um grito, finalmente colocando sua vitória para fora, se gabando um pouco e jogando a folha com a nota máxima nas pernas do garoto que sorriu com vontade.

- Que legal, cara, isso é muito bom, parabéns! - devolveu a folha e Dave a guardou como uma espécie de troféu, até o silêncio predominar e Dave sabia que esse era o momento de agradecer ao garoto pela ajuda, tendo plena consciência de que não teria conseguido sem ele. Dave parou de frente a ele, o fitando, sentindo as palavras de agradecimento presas na garganta, enfiou as mãos no bolso, Lars o fitava confuso. Dave desistiu e seco como sempre, levemente decepcionado também, apenas sentou em seu lugar e preparou os materiais de desenho.

- Espero que não se importe de passar alguns minutos a mais hoje, preciso correr aqui - Dave se posicionou, sabendo que o garoto não se importaria de fato e o mesmo apenas deu de ombros. Dave paralisou e o primeiro pensamento que percorreu suas veias até chegar em sua cabeça foi o de não saber mais o que desenhar. Dave já havia desenhado mãos, braços, rosto, cabelos e tudo coberto ao alcance, ele poderia e pensou em inventar desculpas para si mesmo e continuar adicionando detalhes no desenho do rosto, já que sempre encontrava algo para melhorar em seu desenho que honrasse a vida real e o rosto do garoto a sua frente, mas ele não podia adiar, estava com o tempo corrido e precisava se livrar logo do trabalho. Dave engoliu o temor e com grosseria na voz, de modo a evitar formalidades e focando na nota, ignorando a estranheza do ato, soltou - Pode tirar a camisa?

E sem cerimônia alguma, Lars escorregou a jaqueta pelos braços, ficando apenas com uma camiseta branca, que logo puxou pela barra e a arrancou, ficando com o corpo exposto e visivelmente trêmulo de frio do lugar chuvoso - O que quer que eu faça?

-Sei lá - Dave deu de ombros no começo e o garoto fez o mesmo, apenas sentando largado na cadeira como de costume. Dave ignorou o desconforto estranho que a situação passava, a sensação de um clima pesado no ar, um clima, uma tensão que Dave não conseguia explicar. Dave focou no lápis que seus dedos seguravam e começou a traçar as primeiras linhas no papel grosso, ele dava olhadas rápidas, só o suficiente para captar o detalhe e passá-lo para folha, mas em seguida parou, notando que a posição largada do garoto não estava ajudando Dave - Será que você pode…- Dave grudou os dentes, não querendo terminar a frase e precisou pensar diversas vezes e se mexer na cadeira o dobro de vezes - Pode ficar mais perto e sentar reto, sem a mesa na sua frente?

O garoto deu de ombros, apenas levantou, arrastou a carteira para perto de Dave e sentou lateralmente, de modo a ter as costelas encostadas lateralmente na mesa de apoio. Estirou as pernas quase encostando nas pernas longas de Dave e os braços apoiados no encosto da cadeira - Assim?

-Uhum - Dave parou de encará-lo, pois sentia que não devia, mas não havia outro jeito de desenhá-lo sem fitá-lo, por isso Dave fez o máximo para captar o máximo de detalhes a cada olhada no corpo do garoto. A cada olhada na barriga esguia de umbigo delicado, no peitoral ainda mais delicado, semelhante ao busto de uma das estátuas gregas que Dave teve que desenhar em algumas aulas e por um momento Dave se deu conta da semelhança do garoto com obras de arte clássicas. De como as veias do seu braço terminavam em seu pulso, da forma como os pelos de seu braços estavam eriçados pelo frio, assim como os mamilos masculinos preenchendo o local certo do corpo bem moldado e foi como se Deus o tivesse desenhado cuidadosamente, cada célula no momento que o havia criado...como Dave estava desenhando agora...se existisse algum Deus. Dave desenhou cuidadosamente cada detalhe, criou cada sombra e não deixou escapar nenhum sinal, nenhuma marca, nenhum detalhe de pele bem cuidada e sedosa, aparentemente macia ao toque como uma nuvem de algodão puro. De como as veias visíveis em seu braço se misturavam aos sinais diversos em sua pele que preenchiam a barriga, as costelas firmes parecidas com mármore, subiam para os ombros, atravessava a clavícula e encontrava o pescoço...o pescoço era o ponto principal do desenho...era perfeito. Dave pigarreou algumas vezes sabendo que seus pensamentos de pura admiração era somente uma memória vaga de quando estudou história da arte e mergulhou em livros sobre estátuas e esculturas e o garoto podia ser facilmente um dos amantes de Michelangelo, um dos esboços de Da Vinci, um dos modelos de Donatello, a inspiração de Brecheret e ele podia passar horas parado o esculpindo e o expondo em um museu para que milhões de pessoas o admirasse com os olhos sem tocar a superfície delicada. Dave focou novamente no pescoço, o desenhando com o cuidado que o mesmo merecia, traçando sem perder um detalhe, um sinal, uma dobra natural da pele, mas algo o impediu, algo tirou sua concentração. Lars que estava com os olhos grudados no relógio, já impaciente há horas devido ao frio que alcançava sua pele nua e que provavelmente o renderia uma gripe, notou que Dave o fitava por um longo tempo, algo que não tinha acontecido durante a noite. Lars o fitou de volta, encontrando as mãos de Dave manchadas pelo grafite apontando para ele - Pode prender?

-Prender o que?

- O cabelo.

Lars reclamou mentalmente, sabendo que isso o faria sentir mais frio, mas obedeceu e prendeu o cabelo, voltando ao ritual de fitar o relógio. Dave tornou a desenhar, mas algo ainda o impedia. Ele levantou, impaciente, ainda tomado pela concentração intensa do foco em desenhar, se aproximou do garoto, os dedos sujos de grafite na pele delicadamente afastaram o último fio de cabelo que ousou ficar no pescoço do garoto e tocando levemente superfície da pele do garoto, Dave o colocou junto aos outros fios de cabelo e se afastou, tornando a desenhá-lo.

Lars parou de fitar o relógio e tornou a fitar Dave e sua concentração, a forma como ele parecia imerso e fora do próprio corpo apenas desenhado, o fitando por milésimos de segundo e voltando a desenhar com rapidez, em transe. Lars notou como as veias da mão de Dave estavam saltadas demonstrando todo o força que fazia. Lars notou os cabelos de Dave, longos, ruivos, cacheados e presos num rabo de cavalo desleixado, lembrando Lars de que ele só havia visto o garoto com cabelos soltos na sexta passada, quando o rubor da bebida que ocupava suas bochechas combinaram com os longos cabelos. Lars notou os olhos atentos e a forma como ele mordia a ponta dos lábios enquanto desenhava, em sinal de concentração e de repente Lars desviou o olhar rapidamente assim que Dave soltou o lápis e analisou as folhas e Lars sabia que quando ele fazia isso significava que o desenho estava finalizado. 

-Merda! - Dave fitou o relógio notando que o mesmo marcava quase dez da noite, indicando que havia passado muito mais do que da hora, mas isso o fez relaxar e suspirar, já que havia adiantado bastante o desenho.

-Posso me vestir?

Dave assentiu com a cabeça enquanto guardava todas as coisas e Lars se vestia - São incríveis - Dave se assustou ao sentir a quentura da presença humana atrás dele e quando virou, encontrou o garoto com os desenhos na mão.

-Está se elogiando? - Dave sorriu, parando ao lado dele e fitando o contorno perfeito do maxilar e do perfil do garoto.

- Não, imbecil - Lars soltou as folhas e escorou na mesa, parando de frente para Dave que tirou cuidadosamente os desenhos dos dedos do garoto e o guardou na pasta - Seu talento.

- Não tenho talento.

- Não precisa ser modesto comigo.

- E o que quer que fale? Que sou incrível? - Dave sorriu em tom de deboche.

- Você é.

- Quem dera - Dave se afastou - Não precisa ser legal comigo, nós bem sabemos que o gênio aqui é você - o garoto apenas sorriu e Dave soube que isso seria o máximo de agradecimento que conseguiria expor e se sentiu péssimo por isso, por não conseguir falar - Vem cá - Dave apoiou o cavalete em uma mão e a mochila e a pasta na outra - Posso te pagar uma cerveja? - Dave se arrependeu do convite estranho no momento que as palavras saíram da sua boca a julgar pelo olhar confuso de Lars - Digo, é...pagar uma cerveja para agradecer por ter me ajudado...ah...a ter passado na prova é...cara...eu conheço um bar aqui perto, é bem legal, eu sempre vou lá, dá para ir a pé, fica na frente do campus.

- Ah claro, uma cerveja de graça, quero sim - Lars sorriu e fitou o relógio - Agora?

- Pode ser agora - Dave deu de ombros - Só vou deixar essas coisas no quarto e nós vamos.

- Tranquilo, te espero aqui...pode guardar minha mochila no seu quarto? - Lars lhe passou a bolsa - Pego na volta.

- Claro.

- Não temos aula amanhã, podemos madrugar - Lars piscou, deixando um Dave desconcertado enquanto saía da sala e subia apressado e sozinho até os dormitórios. Ao chegar em seu quarto, fitou a própria imagem no espelho e sem motivo algum espirrou um pouco de perfume nos pulsos antes de descer novamente.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...