1. Spirit Fanfics >
  2. Isekai genérico e sem graça >
  3. Começo genérico e sem graça

História Isekai genérico e sem graça - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Não sei pq vc ta lendo isso mas blz.

Capítulo 1 - Começo genérico e sem graça


Isekai genérico e sem graça


BR fazendo história


Se voce estivesse dentro daquele mercadinho na esquina, provavelmente teria o visto, e provavelmente o ignorado.


E porque não? É apenas um cara normal comprando comida para sua casa.


E de fato era só isso, Um adulto incompetente muito provavelmente solitário que passava a virada do século comprando umas coisa pra fazer sua janta.


Mais o inocente ainda não sabia oque a sua enorme sorte, ou incrível azar, iria lhe proporcionar.


...


Você tem alguma ideia do que seja?


Obviamente um ISEKAI!


Tava no título, MAS NÃO QUALQUER UM!


Um isekai sobre um cara solitário fracassado inútil ainda virgem que vai para outro mundo graças a sua enorme sorte cacada, onde ele recebe uma bênção em forma de super poder! E provavelmente ele vai encontrar várias garotas atraentes com personalidades muito diferentes e genericas para se juntar a ele nesta aventura.


Eu sei, Deus é criativo pakas .


E agora que voce ja sabe o horror que te espera, vamos nos concentrar nesta narrativa incrível e no nosso protagonista BR que no caso sou EU, enquanto eu tento parar de quebrar tão descaradamente a quarta barreira.


Em quanto vasculhava sua carteira, separando as muedas, ele e o atendente de vermelho se assustam com os altos fogos no céu, como grandes explosões coloridas anunciando o início de um novo ano para todos.


Com o dinheiro em mãos ele entregá para o atendente que agradece formalmente lhe entregando sua sacola de compras, só para depois lhe acertar com a seguinte pergunta.


-Voce teria alguma muedinha para nós ajudar com a nossa caixinha?


-Espera... - ele olha a carteira por uns segundos antes de responder.


- me desculpe, não tenho nada, trouxe o dinheiro certinho...- Ele obviamente estava mentindo, mas isso o faz uma pessoa ruim?


Talvez...


-Claro... Sem problema - o atendente também estava mentindo, se ele avia separado o dinheiro tão certinho, ele não precisaria de um tempo para separa-lo e nem para verificar, uma dedução justa. Tão justa quanto xingar mentalmente o mão de vaca do comprador.


Com seu objetivo completo, ele sai da loja, os estrondos no céu aqui eram maiores, o céu noturno estampado da lua cheia e dos fogos coloridos, as estrelas brilhavam e o som que assustou Niegui agora parecia mais organizado, como uma orquestra.


Nunca foi supersticioso e não tinha o hábito de comemorar essas datas festivas com outras pessoas, nem soltar fogos, mas mesmo assim era impossível até pra ele ignorar aquele céu incrível.


Na frente da loja mesmo ele parou para admirar aquilo, respirar um pouco, fazia tempo que não fazia isso, também fazia tempo que não se sentia tão calmo.


Tirou um maço de cigarros do bolso esquerdo de sua calça de moletom.


Cobriu a cabeça com o capuz da blusa comprida quando o vento uivou, é do bolso direito da valsa ele arrancou um isqueiro cor de ferrugem.


Colocou o cigarro na boca, e lhe colocou fogo, um mau hábito que cultivava desde seus 20 anos de idade.


Fechou os olhos, sugou o ar até seu ou não ficar cheio, até o ar travar na garganta, ficou alguns segundos assim, o cigarro era sugado rapidamente até seu talo. E então, de uma unica vez ele soltou todo o ar e relachou todos os seus músculos, tirando a fumaça do peito, junto de suas inseguranças.


Se sentiu muito confortável e quente, mesmo naquele chão duro e friu da noite.


Um pouco tonto e turvo, mais isso não O incomodava, sua cabeça estava vazia, limpa e protegida.


Essa calma foi retirada em um único instante, sentiu um choque por todo o seu corpo, sentiu todas o seu corpo friu ao cair no chão gelado.


Sentiu um peso enorme nas costas, sentiu suas costelas quebrarem dentro dele, o cortando de dentro para fora.


Foi rápido demais para entender oque estava acontecendo, mas ao mesmo tempo tudo pareceu acontecer em camera lenta, não sentia dor, apenas friu E um enorme calor onde era precionado nas cocjas da perna, costas, e então se sentiu afundado em uma banheira de água quente, seus do dos doíam, colocou os braços em volta de si mesmo, ficou mais confortável, seu coração estava muito acelerado, mais sentia uma estranha calma, quase como se estivesse dopado ou dormente.


Tinha caido de costas, na sua boca sentia um gosto de ferrugem salgada.


Mas foi virado, também pode ouvir uma voz, mais não entendeu direito, os fogos estavam altos demais.


Um idiota.


Foi admirar os fogos enquanto fumava no meio de uma estrada logo na frente de um pequeno mercado.


Tentou abrir os olhos mas eles ardiam, seu peito foi forçado com força, sentiu o mesmo choque de antes, por piro reflexo seu corpo subiu para só depois bater a cabeça ao cair, o choque por um momento o fez ficar consciente, ele abriu os olhos, cuspiu o amorgo que estava o sufocando, foi rápido, só pode ver os fogos coloridos, azul, vermelho, amarelo e verde, o barulho, as vozes, o peso há tinha saida das suas costas novamente.


Um idiota.


Um completo imbecil.


Niegui morreu ali mesmo, atropelado, sozinho, na frente de um mercadinho segurando uma sacola com alguns legumes, na boca um cigarro queimado até seu fim, as 12:04, quase como um milagre de ano novo, morre o adulto que viraria materia no jornal da tarde...


Mas é claro que você sabe que isso não acabou ainda, certo?


AFINAL ISSO É UM ISEKAI! Tava no título porra, e eu repiti lá atrás.


Estamos apenas começando... Hehehe.


E então depois de uma agulhada no estomago congelante, sentiu suas tripas girarem, cada dobra de seu corpo se forçar e colar, sua língua decer pela garganta e seu corpo mergulhado em puro desconforto cair, o chão não era firme, mais não tremia ou afundava, mais o prendia nele com força.


Tentou levantar mais o chão escorregadio o chamava, era liso como gelo mais ao passar a mão com força sentiu com se estivesse á esfregar seus dedos em um asfalto áspero e seco, puchando a pele é a grudando, deixando seus dedos a carne viva.


Levantou a cabeça e ergueu os olhos, mais estava a deriva da escuridão.


Sem forças o homem largou o corpo naquele lugar isolado, sempre foi muito criticado por desistir muito facilmente


Por que tentar?


E oque estou tentando pra começo de conversa?


Oque estou fazendo aqui?


...


Ele conseguiu forças para se virar de barriga para cima.
Cansado e sem forças ele olhou para cima.


Nao tem mais fogos.


Não tem mais estrelas.


Nem a lua.


Epenas um péssimo draminha.


Que merda em.


Mas não se preocupe, tem muita mais merda pela frente.

E então as portas da esperança se abrem diante de Niegui, para lhe dar um forte e caloroso abraço apertado
E naquele lugar escuro e sem esperança, surge uma luz que clareia o quarto, revelando seus segredos.
Junto da Luz o som rangedor de uma porta velha.
O teto branco e uma lâmpada é tudo que ele podia ver, esfregou os olhos com a Luz repentina ficou ainda mais confuso.

Eu não tava no mercadinho?
Cade o céu?
E os fogos?
Eu ti morto?
Porque eu estou tão fudido?
Fui sequestrado?

Seus questionamentos internos são interonpidos por uma voz estranha, como se várias crianças gritando gravemente simutaniamente de maneira bizarra.

- CARALHO MEU FUNCIONOU MESMO!!! - exclamou a voz estranha. Oque assustou aninda mais Niegui, que pensou no mesmo momento "meu Deus, eu estou fudido", um pensamento normal de de ter nessas situações.
Ele tentou ver quem era, inutil, não conseguiu se mover nem mesmo um milímetro sequer.

- nossa... Descupa, você deve estar mau pakas né? Vou te ajudar. - Niegui ouviu passos enquanto a voz aumentava conforme chegava mais perto. E a ansiedade e desespero só aumentavam, se ele não o mata-se ele acabaria morto de ataque cardíaco.
A sua perna é tocada levemente, a não dele era quente, olhada e grudenta, não pode sentir nada além de nojo.
E a mão com... 7 dedos? Apertou a perna.
A perna ardeu e o arder subiu muito rápido pelo corpo, seu corpo por reflexo reagiu a dor se contraindo em forma de concha, mas em menos de segundos ele passa. Niegui bem percebeu que avia se movimentado mesmo a segundos atrás estando detonado.

E Niegui pode finalmente ver o suposto ser de voz estranha e com múltiplos dedos.
...
Como descrever?
Em resumo, Um ser humanóide de 2 metros verde com as mãos vermelhas, no centro da testa apenas um enorme olho vermelho, careca, com 7 dedos estranhamente largos e com 2 pescoços que ligam o tronco para a cabeça, não linha nariz, mas um pequeno tentaculo e perto dele acima olhos minusculos, e sem falar das multiplas bocas, 3 no rosto e mais 2,m situadas cada uma abaixo de um pescoço...
Ahhh, esqueci de falar que ele estava pelado.
Que tipo de bicho satânico é esse?
Ele pode não saber, mais claramente não é algo bom

Ele desesperado,da passos acelerados para trás, até bater em uma estante, de onde cai vários mangás.
Ele sem pensar duas vezes atira um nele.

- ai!- acertado com um mangá ele não monstra muita reação, mas preparado para lançar outro ele percebe uma coisa bem óbvia.

Por que caralhos esse ser tem mangás?

Olhando a capa do manga que iria atirar, ele vê que era uma manga que ele conhecia, um isekai que tinha ganhado anime recentemente.

Olhando os mangás ele se toca no quarto, ele era uase como um quarto dos sonhos para um adolescente, uma cama larga, TV com vários vídeo games, mangas e posters por todo lado, bonecos e ate uma míni geladeira.
E então o caralho alienigena o tira desde pequeno transe.

- Desculpe te assustar... Não quero te machucar! Espera....- O bicho mexe em uma coisa estranha perto de uma mesa, como uma bola flutuante amarela feita de papel, a bola brilha azul, e então vem um potente flash de Luz dela.
E então num piscar de olhos, ele se torna um ser "humano" com uma aparencia bem comum. (Ele ainda está pelado)

E Niegui da qual o choque não o avia permitido falar uma só palavra

-Meu... Deus....

Palavras curtas, mas sábias.

-e então o maldito falso ser humano faz seu primeiro movimento brusco, ele agr rapidamente e de forma firme.
Niegui se assusta com seu corpo todo concentrado se coloca em postura de combate, nunca foi de brigar, mas ia lutar ate o fim...
E ele vê o movimento do ET com uma precisão que apenas o medo indomável da morte poderia lhe dar.
O ET então se ajoelha e colocando a cabeça no chão e pede desculpas.

Oque está acontecendo?
Oque esse ET maluco e pervertido está fazendo?
E vendo como o protagonista estava bugado, o falso homem levanta a cabeça.

-desculpe, você deve estar confundo, eu vou explicar tudo para você. - o protagonista joga mais um mangá na cabeça do monstro.

....

Depois de Niegui ser convencido que o ET pelado não era um monstro pervertido assassino devorador de órgãos, as coisas começaram a se alinhar.

-ok, deixa eu ver se entendi, você é Deus? Esse capeta do caralho é DEUS? E DEUS TEM UM QUATRO COM MANGAS E TV, GELADEIRA, E É ESTRANHAMENTE FEIO?

- não precisa ofender...- ele fala bem mais baixo que o normal, um pouco chateado

-mais então, oque aconteceu? Oque eu estou fazendo aqui?

- sobre isso, então...- o auto proclamado " DEUS " se enrolava nas palavras

- vá direto ao ponto, "Deus".

-sabe, existem vários mundos diferentes, a "Terra" foi o meu primeiro projeto, sabe como é né rapaz? e depois de vários problemas eu deixei ele de lado, quando fui ver como as coisas estavam fiquei horrorizado! mas a cultura de seu mundo...

- que o mundo tá uma merda eu sei bem, vivo lá. Por que você me trouxe aqui?

- Você vivia lá...

- Mais que?

- NADA NÃO!

- Osh...

- aí que esta o problema... Quando eu fui ver oque aconteceu enquanto eu estava fora de cena, tanta coisa errada, quase destruí aquele mundo, mas por sorte achei algo que me fez mudar de ideia!

- Algo no meu mundo que fez Deus mudar de ideia... Memes? Internet? Fiquei curioso... ( E enquanto ele esperava em silêncio a resposta a fixa dele finalmente começa a cair...) espera, você não tá falando de...

- O JAPÃO! OS ANIMES! OS MANGAS! OS NOVELS! TUDO ISSO É INCRIVEL!- Ele chegava cada vez mais perto com um mangá antes atirado nele, quase o esfregando na cara de Niegui

- PUTA MERDA SAI!- ele revelava enquanto tenta afastar o Deus pelado.

- E aí Niegui! Eu fui pra lá comprar uns pra mim!

- ainda não entendi oque isso tem a ver comigo

- Eu saí de carro... - Ele começa a falar enquanto meche no nariz falso que ele tinha colocado graças aquele bola estranha, mas Niegui ainda não entendeu

- e?

- Para visitar um mercadinho em uma esquina...- desta vez ele desvia o olhar enquanto uma gota de suor desse pelo seu pescoço

- E?

- nunca tentei dirigir antes...- seu corpo inteiro tremia e suava, seu olhos saíam de um lugar para o outro tentando fugir dos de Niegui

-E?

- Eu te matei...- Ele tirou tudo em uma unica soprada, em em um único instante o clima no local ficou varias vezes mais denso.
A cabeça de Niegui ainda não tinha se ligado, a demora de um neurônio mandar informação pro outro.
Mais quando sua fixa caiu, seu corpo caiu junto.

Eu fui morto por Deus?
Eu fui atropelado por Deus?
Deus é um otaku?
Vou para o inferno?

- C-Calma já q-que foi tudo m-minha culp-pa eu vou te ajudar! E já sei como fazer isso!- ele travou um pouco na peimeira parte, mas se pareceu muito confiante ao dizer que podia consertar
Ou seja... Eu não vou para o inferno?

-Passei uma semanas pensando no que fazer mais a solução estava na minha cara o tempo todo!

- semanas? Eu estou morto a semanas?

-- B-Bem, sim, mas achei isso melhor do que deixar você aí largado, Descupa.

- Não precisa se desculpar tanto, você é Deus cara... Ou mulher... Voce tem gênero?

- não.

- Ta certo, oque você pensou?

-Eu não posso de levar para seu mundo novamente, mas temos aqui uma otima oportunidade para nos dois... Você também assiste e gosta dessas coisas certo? Todo mundo iria dar a vida por uma chances dessas né? Vou te colocar em outro mundo, ou seja... Você poderá realizar o sonho de todo jovem e eu vou ter um "anime" real para assistir! - alguém ainda tinha duvidas da resposta dele? É óbvio que Isekai! E para ainda ressaltar a ideia, ele fala monstrando um mangá do mesmo gênero, um isekai.
E então o protagonista entendeu, a vida anti social dele, o fato dele ser otaku, morrer de maneira estranha por atropelamento mais conseguir a chanche de ir a outro mundo.
Isso é um enredo comum em vários ISEKAIS! ELE É UM PROTAGONISTA!

NÃO TINHA VOMO ISSO SER REAL, NÃO TINHA SENTIDO, MAS OS ANIMES NÃO FAZEM SENTIDO!
E se esse for apenas um anime comum sem nada especial, provavelmente vai seguir uma fórmula básica de protagonista aparentimente inútil que fica foda, ou que ja começa FODA! ele vai ter um harem! E não vai ser aquele MC chato com garotas, porque ele é esse MC!
Pela primeira vez desde que chegou naquele lugar seus olhos se encheram de brilho
E pela forma estranha como ele morreu e como Deus é bizarro, PROVAVELMENTE ISSO É UMA COMÉDIA! OBVIO.
NAO VAI TER GRANDES PROBLEMAS OU MORTES DRASTICAS, AFINAL, É SÓ UM ISEKAI COMÉDIA.
estava tudo perfeito.

Para ele começar do zero
Para ser aquele protagonista over pawer que pega a garotada.
Como poderia recusar tal oferta?
Só tinha um problema...

- E quanto a esse mundo? Como eu vou me sustentar? Vou ganhar alguma trapaça? Tipo um super poder? Por que eu sou fraquinho. Vou poder controlar mente? Parar o tempo? Ser super forte? Oque?

-bem, esse mundo é um mundo de fantasia, sobre todos os funcionamentos da magia você vai descobrir lá... Mais acho que posso te dar algo... Espera ai. - Ele vai em direção a um armário e começa a encher dentro dele, e então ele tira uma FUDIDA ESPADA DEMONÍACA de dentro dele.
Por que raios DEUS teria uma espada no seu guarda roupa?
Por que DEUS teria um quarda roupa?
Por que deus tem uma espada4? E mangás? E quarto? E TV? Sou só eu eu tá tudo errado aqui?

-PRONTO! Aqui esta sua espada! - ele diz esnobando a incrível espada do aue parecia ser algum metal negro e reluzente, com o pintar bordado e de alguma forma macabro, ele tinha em sua ponta uma pedra roxa.
Niegui só pode babar diante dessa espada.

- essa espada... Ela tem alguma super habilidade especial? Talvez seja a espada amaldiçoada única que pode matar o rei demônio?

- não. - Niegui caiu para trás com a resposta anti climática e sem graça.

- ........?

- na verdade eu comprei no seu mundo, veio junto de um cosplay! É de plástico. - Por que Deus estava comprando um cosplay? Ele não é onipotente? Não pode se tornar ou ganhar aparências? Criar tudo? Fazer tudo?

- mas eu posso dar habilidades para ela... Eu pensei em fazer igual algum anime, Você tem alguma ideia? - Niegui ficou em silêncio encarando Deus.

- desculpa, ainda não superei o fato dela ser de plástico...

- acho que vou simplesmente aumentar as capacidades dela... Você pode se virar?- depois de algum ponto ele esqueceu que ele era um DEUS ET PELADO VESTINDO UMA POSSÍVEL CARCAÇA HUMANA, mas ao ouvir "pode se virar?"do homem pelado segurando uma espada de plástico se sentiu muito impuro, encarando ele um pouco, ele lentamente e cuidadosamente se vira.

-assim mesmo, se segura, pode doer agora mas passa ok?- oque esse pervertido está dizendo? O pobre rapaz começou a suar friu, mas por sorte não foi lhe tirado a virgindade anal, Deus apenas enfiou o espada na suas costas atravessando sua barriga.
...
Só isso.

Muito choro depois...

-ei ei, ainda está triste pela espada?

-é óbvio! Você enfiou uma espada... Em mim! Voce tem problema?- lágrimas ainda deviam de seus olhos vermelhos, quase secando de tanto choro,a cena é deprimente.
Além disso ele ainda estragou a roupa dele, não que ele tenha reclamado, talvez nem tenha percebido graças ao choque.
Deprimente a cena do homem de 24 anos chorando em posição fetal segurando a barriga com um abraço em si mesmo.
Realmente patético.

- mas agora vocês são um só. Estão ligados.

- e o que isso significa? Como isso me deixar feliz? Voce sebe como é morrer? Dói! E eu morri 2 VEZES POR SUA CULPA! EU TAVA CERTO EM SER ATEU! SEU MERDA!

- isso me deixa um pouco triste... Mas no seu mundo eles tem uma visão meio deturpada de quem eu sou.

- é, eles te louvam, deveriam te odiar!

-hehe,  fiaue calmo, sei aue Vai me perdoar, agora venha, sobre a linguagem eu cuido de tudo, tem humanos lá também, peguei do mesma terra que você, tipo um literal cópia e cola. Graças a espada você vai poder usar magia, e o seu celular, eu sei umas alterações nele com guias e algumas missões para você. Alguma dúvida?

- não... - naquele momento ele fechou os olhos e se imaginou como seria daquele momento em diante, o começo da sua jornada como um protagonista pode ter sido um pouco decepsionante, jurou que dali para frente só iria melhorar.

É verdade, não poderia deixar esse ET pelado atrapalhar seu futuro.
Mas aquele era só o começo da merda.

Ele seguiu Deus ate a porta por onde ele tinha aparecido, ele sabia que teria de rever alguns hábitos para imitar os protagonistas comuns, para atrair a trama até ele, mas ele não está num mangá e sim em uma fanfic!
E uma das ruins!
Ele ainda não sabe o quão FUDIDO ele está.
Hehehehehe
A porta do quarto foi aberta, a porta saia em uma esquina, ele atravessou a porta com a espada em uma bainha em suas costas, a katana negra. bizzara. Celular no bolso, um isqueiro é uma caixa de cigarros com 6 cigarros.
Passando na frente da esquina dos 2 prédios ele pode ver todo o tipo de gente e não gente passando.
Era aqui que começava de fato
Era qui que o jogo vira
Quem agora vai falar que assistir animes ou ficar jogando RPG não iria ajudar ele?
Quem vai dizer que é um fracasso?

TOMA ESSA SOCIEDADE!
O BRASILEIRO COM NOME ESTRANHO ESTÁ AQUI!
DESCULPA JAPÃO! VOCÊS JÁ TEM HISTORIAS DEMAIS.
É HORA DO BR FAZER HISTORIA!

E então nosso "corajoso herói" sai daquele lugar e adentra a rua, vários tipos de gente e não gente passavam de um lado para o outro, mesmo sabendo que era outro mundo e tals ainda sim não pode deixar que ficar um pouco assustado.
Um hora de suor vai pelo seu rosto até pingar de seu queixo, seus olhos brilhavam de emoção.
Ele tirou a espada das costas, e então encarou a lâmina animado, não era mais uma espada cosplay de plástico, mas agora era tão real quanto bonita e chamativa.

E é claro, as pessoas pararam para ver um homem que saiu de um beco com roupas estranhas que tinha tirado uma espada das costas.
...
Alguns aceleraram o passo, outros só pararam.
Uma dessas pessoas estavam bem na frente dele, o encarava em choque e seu corpo tremia, era uma linda garota.
Mas sua cara dizia "quem é maníaco da espada?"

-ahhh... Despulpa! Eu n-não! Não é o que parece! - ele quarda a espada e estica as mãos em negação, mas só consegue um grito a mulher joga uma bolsa de couro no chão e sai correndo.

-não sou um ladrão... Droga. - a rua agora estava vazia.

Ele segue caminho, obviamente ao lado oposto de onde a maioria das pessoas agiam corrido.
Tinham entre eles varias pessoas com aspecto forte... Por que agiam corrido? Provavelmente ele iria apanhar veio mesmo com a espada.
Mas ele ignorou esse assunto por agora.

Ele andou um pouco, até chegar em uma área mais aberta fora da estrada, olhou para o céu e... TEM UMA FUDIDA MURALHA PARA AQUELE LADO! naquela direção tinha oque parecia uma muralha que cercava o local mais a frente. E atrás da muralha um Castelo enorme, a muralha era enorme, mas mesmo de longe ele ainda podia ser visto.
Talvez uma cidade? Terreno proibido? Sei lá.

Nas ele estava ali sem nada, nem as compras dele ele tinha levado.
E só agora o óbvio avia passado pela sua cabeça, onde vou morar? Oque comer? Como me sustentar? Que merda eu vou fazer agora?

Por que ninguém nunca pensa nisso?
Em pânico nosso protagonista tenta pensar no que normalmente é feito quando pessoas começam seus isekai

Ou eles vão para uma guilda
Ou encontram alguém ou algo enquanto andam por aí.
Ou testam seus poderes.
Ou ja tem isso pronto...

-Não sei se esistem guldas aqui, meu primeiro encontro com algum NPC foi uma merda, mas ganhe o essa bolça com... Moedas? Caralho a terceira opção funcionou mesmo! Achei alguém que me deu dinheiro!- ele olha a bolça com calma, tinham 5 moedas de Prata, ou parecia prata.
Só então ele lembrou do celular, tirou ele do bolso e ligou o dispositivo.
...
Ele tava ligado, e com a bateria em seu máximo.

-Parece que o Deus fez umas alterações nele... Consigo ver a Internet? Não, consigo ligar ou mandar mensagem? Não, oque caralho eu faço com ele?- ele foi olhando as funções uma a uma ali mesmo, paradão em oque parecia ser uma área perto de uma cidade ( o muro e o castelo)

-ele falou que tinha um guia para me ajudar... Onde tá? Talvez um aplicativo? - buscou mais um pouco e achou o tal guia em forma de app estranho, cujo nome era "AJUDA", nome bem sugestivo, não?

O App tinha várias abas, não era muito bonito ou organizado, mas dava pra fazer as coisas, tinham várias opções infinitas em ordem alfabetica de pesquisas, mas ele não iria ficar devendo aquela coisa, lá tinham TODAS as possíveis dúvidas em ordem, mas TEM MUITA coisa.
Por sorte tem uma parte de à Folha em pesquisa.

Você pesquisa "DINHEIRO" e ali mesmo já vem... Um puta testo gigante.
Tu pergunta as horas e os cara fala quem fez o relógio.

Mas não vou do ser vocês com um puta texto gigante, vou resumir o máximo daquela desgraça.

Em resumo, as moedas que ele tem são moedas de "NASARI", então ele provavelmente esta em Nasari ou "roubou" uma estrangeira.
O dinheiro em Nasari funciona assim, moedas de cobre, bronze, prata, ouro, diamante e as notas bancárias, eles simbolizam uma quantia para você trocar ou não ficar carregando muitas moedas por aí.
E elas em só não tem valor, elas tem a nota, mas o valor está no código que você recebe.
1 moeda de cobre é 1 gore
Gore= dinheiro
Envez de falar, uma moeda disso e tantas daquilo, você simplificou com gores.
Exemplo...
Envez de falar uma nota de 20 e três de 10, você fala o total do valor.
1 gore é mais ou menos 50 centavos.

Cobre- 1 gore ( 0,50
Bronze- 10 gores ( 5,00
Prata- 100 gores ( 50,00
Ouro- 10000 gores ( 5.000,00
Diamante-1 milhão gore de (500.000,00)
Notas (bancárias) - variavel

Moedas de diamante não são moedas reais, são pedras de diamante com certo valor, o peso e tamanho pode variar com a pureza e a valor da joia, fazendo o valor da moeda variar.
Mas é colocarmos elas no tamanho e peso de uma moeda comum, o valor médio seria esse.
As moedas de dia mente não são feitas ou marcadas pelo governo.

Coisas que valem menos de 1 gore normalmente ou são vendidas em grande quantia ou por escambo.

O uso de moedas vem caindo

-Ok, então eu posso tirar qualquer dúvida aqui? Isso é prata, bronze e cobre são mais escuros, e o de ouro é dourado, esse é mais branco... E tem uma marca aqui, deve ser do país, aqui a trás... 50 gores, tava escrito aqui o tempo todo.- enquanto ele pesquisava mais algumas coisas, ele ouve uma voz a alguns metros de distância.

- EI EI! QUEM É VOCÊ E O QUE FAZ AQUI!?- a voz era do que parecia algum tipo de soldado ou guerreiro que tinham nos livros de história da escola... Só que com cabelo verde e com um olho só.
Ele parece um pouco chocado depois de chegar mais perto, apertando o olho como se estivesse tentando ver melhor.

-oi, senhor... Eu sou estrangeiro! Eu... Estou perdido, é isso, estou perdido!- a desculpa clássica, estou perdido, e sou estrangeiro de sei lá onde.
Sempre funciona.

- da pra perceber, você é de onde? Não, melhor, oque está fazendo aqui?

-ahhhh...

- Você está a caminho de entrar na cidade interna de Nasari?- NASARI? Essas muedas não são de lá? Bem, não sei oque esta acontecendo mas vamo seguir o fluxo.

-... Acho que sim?

- por acaso saiu. Da estrada? Ou veio por fora?

-... Bem, eu saí de do que eu acho que era uma rua (roubei sem querer uma moça Ksksks), segui pelo contrário dela ( fugindo das pessoas com medo) e então vi uma área um pouco mais aberta e segui por lá.

-ok... Veio fazer oque? Vai para razões pessoais ou tem uma carta?

-pessoais ( pelo menos carta eu não tenho)

- posso saber qual?

-...- Niegui tentava pensar em alguma desculpa para sair dessa situação... E então a desculpa mais plausível que ele tinha apareceu.

- vim comprar coisas! - ele monstra sua sacola com "seu" dinheiro, pelas contas dele seriam 500 gores, e para calcular em reais era só dividir pela metade, ou seja uma 250 reais, não era muita coisa, mas poderia passar.

- só comprar?

- acho que... Vou visitar alguns lugares também?

- muito bem senhor, pode me seguir? Vou te levar para o portão e tirar sua licença, uns 3 ou 4 dias?

- certo. - ele iria ficar esse tempo lá? Seeles controlam assim a estrada e sai da ou deve ser super lotado ou uma grande cidade com cultura de sangue, talvez comercial ou de turismo? Essas seriam as opções mais plausíveis na cabeça de Niegui.

Eles seguiram, no caminho o homem perguntou algumas coisas para ele como nome, idade, quanto dinheiro levava, e também de onde vinha... Ele respondeu Brasil, falou que era uma vila pequena.

-em que país fica esse tal Brasil? É aqui no externo de Nasari ou outro continente? Opa! Chegamos.- eles finalmente chegam a entrada do muro, uma enorme porta de pedra e Madeira que estava erguida, de lá entravam e saíam pessoas, alguns até de carroças.

- Você entra naquela fica lá! E espera sua vez, ok?

-O-ok.- Ele estava no caminho para ir na cidade, meio confuso sobre como iria funcionar. Pela conversa que ele teve com o moço, a cidade era o interior ou externo de Nasari, e onde ele estava era o externo.
O Guarda não falou isso exatamente, mas ele chama tanto a cidade quanto fora dela Nasari, interno e externo.
Provavelmente essa deve ser a cidade principal, ou apenas os arredores se chama de externo, oque faz sentido. O problema era ele perguntar aqui Nasari ou outro continente, ou Nasari é um continente, ou apenas uma Ilha ou país pequeno deslocado, não pode ver praias ou água por agora, então não tem certeza.
E quando se da conta...

-PRÓXIMO!- era sua vez, foi direcionado para frente onde estava em uma mesa de madeira uma velha senhora enrugada e loira vestindo longos tecidos amarrados, Niegui sentiu agonia vendo que não estava nem um pouco friu.

- você é Niegui? Mais que pais legais os seus, Gogoro falou de você! Ele falou as coisas que veio fazer e as informações básicas, vou anotando oque ja tenho e você responde o resto ok? - a velha tira um papel de uma das varias pilhas na mesa e tira uma caneta de peça da mesa, a caneta era grudada a uma cordinha ligada na mesa, para evitar roubos ou perda do item.

-ok, que informações?- ele ja tinha feito algo parecido que do foi visitar o Japão.
Mas ele tinha subestimado esse mundo de certa forma

-nome completo por favor.- a velha entraga a folha com a caneta poara ele escrever, "NIEGUI SOUZA MAMANAKI" com desendencia japonesa, tinha um nome realmente estranho, normalmente se apresentava como Souza, mas já que era outro mundo,  não tinha tanto problema, certo?

Niegui? Souza? Mamanaki? De onde e rapaz? - ele apenas dá uma risada forçada para encobrir a situação, não poderia falar se não sabia nem onde estava, inventar lugares não iria funcionar para registros, afinal podeira dar problemas depois. A resposta mais confiável era dizer que é daqui mesmo, mesmo que ele ainda preferisse se papel não perguntasse.

-certo, pode responder essas perguntas?- ela apontou uma parte do papel onde tinham perguntas pessoais sobre suas motivações de visita e tempo, oh o ali tinha uma taxa pela entrada.
2 Moedas de Prata por dia de visita.
Em causa de atraso, multa de 5 moedas e 1 suspensão.

-Ok, bem caro, só posso ficar 2 dias... E ainda sim só me restaria uma moeda.- Ele falou isso bem baixo, quase pra si mesmo e anotou um dia e meio, ou seja seriam 3 moedas de Prata e lhe sobraria mais 2. Não sabia se as coisas aqui eram mais caras que no seu mundo ou se isso valia bastante aqui.
Não sabia nada da economia deste mundo.
Quem se importa com economia! Eu ti num isekai porra!

- certo, documentação? Só o cartão de identificação já é o suficiente...

- d-documentação? É r-realmente c-certo isso?- ele trava um pouco, afinal por que ele iria ter documento? Isso é um ISEKAI! UM MUNDO MEDIEVAL! Desde quando eles tem documentos? Nenhum protagonista de outro mundo tem! Por que eu precisaria?
Nessas coisas que Niegui pensava enfurecido.

- não tem documento? Esqueceu?

-sim...- a velhota encara ele nos olhos, como se pudesse ver sua alma pelos olhos, ela suspira e fecha os olhos.

- ei Gunta, me ajuda aqui!- nesse momento chega mais perto um homem bronzeado e loiro de óculos escuros ( por que tem óculos escuros em um mundo fantástico isekai medieval?)
Obviamente Niegui se cagou de medo

- venha comigo.- O homem ergueu o braço mostrando o caminho, andando perto dele Niegui parecia quase uma criancinha pequena.
Ele o levou para dentro da muralha onde avia uma grande casa de madeira e pedras amontoadas, acima diversas pessoas sentadas em diversos e enormes e largos bancos de Madeira bruta.

- se dente e espere chamarem seu nome, eles vão te guiar para uma sala de onde vamos "resolver" isso.

-resolver? - o homem deixa o local abandonando o pobre rapaz.
Ainda não entendendo oque estava acontecendo, ele deu um olhada na sala, nas pessoas sentadas e no número de guardas, isso seria algum tipo de delegacia?
Para onde você vai por falta de documento?
Você não simplesmente é mandado de volta para casa?
O clima em si que as pessoas naquele cômodo em si ja não era dos melhores.
E a cada segundo ele parecia mais tenso sobre a situação estranha na qual ele se encontra.

- Oque você fez?- uma voz feminina chama a atenção dele, ela vinha de trás dele

-Ah?

- Oque você fez para estar aqui? Crime?- a garota atrás dele era uma jovem garota de uns 17 á 18 anos,  mas oque se destacava era a falta de orelhas comuns, em seus lugares estavam orelhas de pelagem negra, além da causa também preta que batançava no ar, sentada de um feito esquisito, com as mãos entre as pernas e agachada, Niegui encarou o coepo da garota espantado, ainda não tinha se acostumado com "outras raças" na vida real. E quando percebeu seu olhar estranhamente grudado dele, ele tenta desviar o olhar, olhando para cima, onde vê a rosto da mulher animal, e seus olhos amarelo brilhante que contrastava com sua pelagem predominantemente negra.

-nya? Pode parar de me encarar de forma estranha nya?

-D-desculpe! Eu fui entrar mas estava sem documentos

-Você é estrangeiro nya? Nunca viu uma meio besta nya? De onde você veio nya? Sabia que você é estranho nya?

- Você esta fazendo muitas perguntas! Não preciso responder...- ele só não precisava, como também não sabia como dar uma boa resposta.
Que sentimento estranho, ver coisas tão surreais...

-nya? E se eu te contar? Você me conta? nya?- a mulher que estava no banco atrás do dele chega ainda mais perto, com o olhar cheio de expectativa.

-por que quer saber?- Niegui pergunta estranhando a curiosidade da gata.

-nemhum motivo em especial.- e Niegui sem nenhuma habilidade social, não foi capaz de parar a moça, e com um pouco de pressão ele facilmente desistiu.
Ele falou que "sem querer" roubou uma moça, mesmo ela não tendo acreditado no "sem querer"  mas sim no "roubou", isso o fez repensar na imagem que as pessoas tinham dele, e estava perdido e então chegou aqui pó causa de um guarda que tava passando por ali.
E a mulher gato dizia ger furtado varias pessoas, e acobou sendo pega, mas que iria sair de lá depois, ela dizia ter seus "jeitinhos", Niegui achou melhor nem perguntar.
Foi uma boa conversa, que inclusive estou com preguisa de escrever e por esse motivo estou resumindo.
Na tinha tempos aue ele não vonversava assim com alguém, é bom em tentar ser sociavel de vez em quando.
Eles conversaram por uns 8 minutos antes do nome dele ser chamado.

-nya? Eu estava aqui primeiro! Por que você sai antes de mim nya? Injusto nya!- lá falo num tom estranhamente birrento, ele não tinha capacidade de saber se ela estava brincando ou falando sério.
Uma mulher veio o encontrar com o que parecia ser roupas formais, o protagonista estava começando a se sentir estranho usando suas roupas comuns, porque obviamente chamava bastante atenção.
Ela o levou para uma sala pequena, como um escritor ia, com apenas uma mesa e duas cadeiras de lados opostos a mesa velha, sentado na mesa avia um homem mais velho que Niegui, com talvez seus 45 ou 50 anos.

-pode de sentar, você se chama Niegui certo?

-certo, senhor...?

-Ops, me desculpe, me chamo Raizer Boltt, pode me chamar de Raizer por favor

- Raizer, eu sei que tô sem documento, eu vou para casa e pronto...- ele nao iria voltar, nem deveria mesmo estar ali, estava sentado, mas suas pernas tremiam.

-pra sua casa? Vai por onde? Me falaram que você vem de um tal Brasil, não sabemos onde é, mas claramente não é neste estado... Se vai sair tem que ser por mar, tem um barco? Se tem, será que ele também não tem documento? Vai sair do estado em um barco de volta do estado?  Não, nao tem documentação, sua outra opção é viajar ilegalmente ou junto de alguém com barco a favor.

-...

-vou ser direto, de que estado você vem? Temos duas fortes opiniões, que você vem de Shink ou da Corporação.

-eu...

- eu preciso perguntar, é um espião da Corporação?

-E-espião? Eu não!- ele nao sabia oque era a "corporação" mas não iria falar "sim, sou um espião".

-claro, você não parece ser do tipo que seria mandado ou conseguiria esse cargo... Nao acho que você seja da Corporação...

-é isso... É bom?

-claro! Claro! Ksksks, mas ainda acho que você é um imigrante ilegal com más intenções, fugiu? Está sendo caçado? Dívidas? Por que está sem documentos? Mesmo um falso, deveria ser a primeira coisa a ser vista, não?

- isso! isso! Nao tenho más intenções! Nunca mais volto aqui!-Niegui que começa a ver uma saida começa a se exaltar, neste momento chega ali o homen que o levou até ali, co alguns papéis na mão, eles são deixados na mesa. Logo Ele deixa novamente o local

- agora vejamos... - ele pega um dos papéis, e o olha com atenção.

-hehe, como imaginei... Não existe "Brasil", ou pelo menos não é registrado ou conhecido, Por que alguém que só queria vir aqui rápido, com pouco dinheiro e sem más intenções teria inventado um país? E esquecido documentação? Além de nao ter colocado qualquer lugar? Por que inventar? Curioso...

-...- Raizer se levanta e anexa em círculos em volta de Niegui, o deixando nervoso.

- vou precisar de mais tempo para analisar o caso, ate lá você vai ficar sobre onde pudemos te ver, na prisão.- o que ele temia aconteceu, pela primeira vez na vida algo legal aconteceu com ele, foi para outro mundo, e agora vai perder TUDO.

-se arrume, e outra coisa, é essa espada? Parece de alto nível... Onde conseguiu?

-...

-sem resposta, sei. Vamos pega-la por enquanto.

-OQUE!?

-não vamos deixar você na prisão com uma espada, e se você está certo, não vai ficar nem uma semana lá.-

-Mais que bosta...- ele tirou a espada das costas, e colocou ela na mesa. Sem ela ele era inútil, na verdade ele nem pode experimentar seu poder.
Nunca deveria ter entrado naquela fila.
No começo estava cego pela emoção de ter entrado em um isekai, mas agora tudo parecia uma merda
Ele teve de aceitar internamente naquele momento que esse não era um anime, que ele não era um protagonista, que ele não iria conseguir tudo através da sorte.
Ele aceitou que estava fudido em outro mundo.

Agora alem de um fracasso em seu mundo, agora é um em outro, sua "aventura" em um isekai não durou nem uma hora.
...
Foi lhe colocado as mãos presas em uma tábua de madeira com espaço para sua pulsos, mas não era possível tirar.
Ele saiu pela porta da frente onde ja não estava no seu lugar a mulher gata preta, provavelmente já tinha sido chamada.

Neste dia, Niegui morreu 2 vezes, as duas por Deus, atropelado e perfurado por uma espada de plástico que tinha magicamente ficado muito afiada.
"Roubou" uma garota sem querer, e agora foi preso por falta de documentação de outro mundo.

Não pode ficar pior...
Ou pode?
Óbvio que pode, se você está no fundo do poço, e acha que não pode cair mais fundo... BASTA CAVAR!


Notas Finais


E é isso.
Gostou?
Obviamente não.
Hehe.
Se você for algum tipo de masoquista, logo, logo tem mais.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...