1. Spirit Fanfics >
  2. Isle of you >
  3. Capítulo 4

História Isle of you - Capítulo 4


Escrita por: MoonSM

Capítulo 4 - Capítulo 4


Fanfic / Fanfiction Isle of you - Capítulo 4 - Capítulo 4

Mário  

Apago o cigarro e empurro a garota sentada em meu colo. Sinto a minha visão turva e caminho de forma lenta em direção da minha moto. Olho ao redor tentando me lembrar de onde estou e reconheço a casa que vi Florence entrando. Sorrio amargo e sinto um sentimento intenso de raiva e revolta ao lembrar da maldita garota.  

__ Já está indo? – Beatriz pergunta se aproximando e beija o meu pescoço enquanto passa suas longas unhas em meu braço na tentativa de causar alguma reação em mim, eu a olho duro e me afasto não gostando do seu contato – O que foi? – ela pergunta confusa e balanço a cabeça. 

__ Estou indo, sozinho! – digo claro e subo em minha moto.  

__ Me deixa ficar com você – Beatriz insiste e nego colocando o capacete, ligo a moto e dirijo em direção do meu lugar. No meio do caminho eu penso estar tendo uma miragem ao ver Florence ao lado de uma garotinha saindo de uma igreja e paro de imediato o meu trajeto.  

__ Vadia mentirosa – rosno sentindo raiva em cada célula do meu corpo e me controlo para não me aproximar. Eu observo as duas mulheres ao longe e nem mesmo entendo porque estou fazendo isto, eu deveria ir embora...

Eu as acompanho até uma casa pequena e sorrio de canto ao descobrir onde a vadiazinha mora. Eu fico durante alguns minutos parado no mesmo lugar até o meu cérebro voltar a funcionar e dirijo até o meu lugar, quando chego vou direto tomar banho e então me jogo na cama apagando logo em seguida.  

Sinto uma forte claridade em meu rosto e bufo socando o colchão. Eu me levanto e olho o horário, faço a minha higiene matinal e bebo café antes de sair de casa. Ignoro a dor que sinto na cabeça e dirijo em direção da faculdade.  

__ Vadiazinha – sussurro em ver Florence caminhar e lentamente passo com o meu carro ao seu lado, há uma poça de água com lama e mesmo sabendo que é um ato infantil, não me controlo e sujo a pequena garota que me olha como fosse me matar. Ela abre a boca para possivelmente me ofender, mas a vejo respirar fundo e dar passos pra trás. Florence caminha em sentido contrário e é nítido que está voltando pra casa. Eu faço manobra com o carro e volto a segui-la, sou surpreendido quando uma enorme pedra é jogada contra a lataria do meu carro e freio bruscamente indo atrás desta filha da puta.  

__ Me deixa em paz, demônio! – Florence grita correndo, mas não é o suficiente para me afastar. Eu a seguro pelo cabelo longo fazendo com que o seu corpo bata contra o meu e sinto um delicioso cheiro floral – Me solta! – ela se debate e sou surpreendido por uma cotovelada no estômago. Sou forçado a soltar o seu corpo e vejo Florence se afastar cada vez mais. 

__ Você está fodida, eu farei da sua vida um inferno sua desgraçada! – grito enfurecido e mesmo a minha razão dizendo que passei dos limites, algo me puxa para perto desta menina.  

Eu volto pra perto do meu carro e vejo a lateral da porta amassada. Sinto vontade de descontar cada gota de raiva naquela maldita mulher e arranco com o carro deste lugar. Vou até a faculdade e ignoro as pessoas que vem me cumprimentar, caminho até a sala e me acomodo em meu lugar. Fixo os olhos no notebook em minha frente, mas os meus pensamentos estão sobre o que farei para foder com a vida de Florence. 

No momento do intervalo eu vou para o meu canto e acendo um cigarro. Alguns colegas se aproximam e eu os ignoro enquanto os meus olhos percorrem por cada pessoa neste lugar, sorrio de canto em ver Florence ao lado da garota de cabelo colorido, mas o meu sorriso some em ver o filho da puta que a recebeu em sua casa. Se Florence gosta dele, eu darei um jeito de acabar com isto, essa vadia vai pagar caro por ter entrado em meu caminho.  

__ Senti sua falta – sou despertado dos pensamentos pela voz de Bianca e a mesma para em minha frente, ela sorri e tenta me tocar, mas me afasto – Por que está agindo assim?  

__ Você é nada minha, sai – digo curto e a vejo me olhar surpresa.  

__ Mas eu pensei que... 

__ Sai Bianca, não temos nada! – eu a empurro levemente já que ela está tampando a minha visão de Florence e rapidamente vou atrás da mesma quando a vejo entrar no corredor vazio.  

Se eu irei perturba-la? Incessantemente! 

__ Me deixa em paz! – Florence diz quando percebe que a estou seguindo e sorrio fraco. 

__ Não estou afim – respondo a empurrando contra a parede e a analiso lentamente.  

Porra, seus traços são delicados e tudo parece se encaixar perfeitamente. Suas sobrancelhas são finas, mas desenhadas, seus olhos puxados me fazem imaginar que sua descendência seja asiática, seu nariz é pequeno levemente empinado e sua boca é fodidamente atraente.  

__ Me deixe sair – sua voz me tira do transe e vejo que ela evita me olhar nos olhos, seu rosto está virado e o seguro firmemente atraindo uma reação surpresa – O que quer com tudo isso? Não estamos no jardim da infância caso não tenha percebido – Florence tenta se livrar do meu toque, mas não alivio, não a quero longe.  

__ Quer que eu te deixe em paz? – pergunto fazendo com que os seus olhos negros me encarem e sinto uma pontada estranha no peito que faz com que eu solte o rosto da garota – Vai precisar me dar algo em troca – a malícia em minha voz é clara e Florence respira fundo apertando suas mãos – Está disposta a fazer o que planejo para nós dois? – aliso o seu rosto macio e recebo um tapa na mão. 

__ Não terei nada com você, entenda isto de uma vez por todas! – o seu tom é feroz e me lembro da garotinha que vi ao seu lado na noite passada.  

__ Ela se parece com você, a menininha – digo baixo e Florence engole em seco me fazendo sorrir – Irei te esperar em meu carro assim que acabar as aulas. 

__ Faça o que quiser, você terá nada de mim! – Florence diz convicta e a impeço de sair, ela tenta me empurrar quando afasto seu cabelo longo expondo o seu pescoço e passo o meu nariz pelo o mesmo sentindo o mesmo cheiro de ontem. O meu pau reage de imediato e praguejo um palavrão quando sinto uma joelhada no mesmo e vejo a filha da puta se afastar me deixando caído no corredor. 

Essa garota irá se arrepender amargamente por ter entrado em meu caminho!


Notas Finais


Já deu pra sentir que não exagerei ao avisar que a calmaria acabou?! Hahah

O Mário será extremamente difícil, mas eu sei que vocês aguentam kkk

Deixe-me saber o que estão achando e até <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...