1. Spirit Fanfics >
  2. Isso entre nós >
  3. Capítulo único

História Isso entre nós - Capítulo 1


Escrita por: httpshoto

Notas do Autor


Boa leitura

Capítulo 1 - Capítulo único


Capítulo Único: Isso entre nós 

Neil cerrou seus punhos e fechou seus olhos com força, existia um único degrau e a porta fechada entre ele e Andrew. Ele estava com certo receio de entrar no terraço, mas sabia que o loiro estava aguardando sua chegada. 

Uma parte de si também estava louca para abrir aquela porta e correr até Andrew para mais uma rodada de beijos enquanto o sol se punha na frente deles. Era o que eles sempre faziam. 

Mas dessa vez era diferente, não iria ser a mesma coisa. Mas era algo inevitável, Neil sabia disso, porém ainda não estava totalmente preparado para esse tipo de conversa. 

Já tinha quase um ano que isso que eles tinham não era mais um segredo entre as raposas. Há quase um ano que Andrew não negava que existia algo entre eles, mas também não confirmava. 

Neil o entendia, sabia perfeitamente que os dois não estavam preparados para um relacionamento, e que eles também nunca souberam o que de fato era uma relação baseada em amor, carinho e cuidado. 

Não, o mundo que eles cresceram não tinha isso, e mesmo se por um momento tivesse, foi passado despercebido ou como algo totalmente estranho. 

Mas agora Neil acredita que já está na hora dessa conversa. As coisas estão indo bem para todos, as raposas estão bem, Kevin parece estar superando cada dia mais a sua vivência que uma vez teve com Riko, Aaron e Andrew desenvolveram um tipo de amizade estranha mas que agora conseguem trocar algumas frases normais. Sem contar que para Neil e Andrew as coisas estavam boas, com o passar do tempo ele se mostrava mais aberto e dava para Neil cada vez mais liberdade para tocar seu corpo. 

E foi com isso que o ruivo pensou que seria uma boa hora ter a conversa com o parceiro. 

Respirou fundo e abriu a porta, era agora ou nunca. Andrew estava de costa, sentado perto da beirada fumando. Neil não fez qualquer tipo de barulho porque sabia que o outro estava ciente de sua chegada. Deu passos curtos até se sentar perto do outro. Estudou seu rosto rapidamente antes de voltar seu olhar para a paisagem do céu ganhando tons cada vez mais alaranjados. 

Os dois ficaram assim, em silêncio vendo o sol ir embora. Mas Andrew sabia que algo estava errado, que existia algo perturbando a mente de Neil. Sabia disso só com um simples olhar em seu rosto para notar o leve apertar das sobrancelhas, ou melhor, ele já sabia que algo estava errado com o ruivo pela forma de seu caminhar lento. 

ㅡ Vai dizer logo o que está errado ou vai esperar que eu adivinhe? ㅡ perguntou por fim, mesmo que estivesse com uma leve curiosidade sobre isso, não deixou transparecer quando sua voz saiu de forma desinteressada de sempre. 

O que a cada dia era um pouco mais forçado, porque cada dia que passava ao lado dele, essa pequena curiosidade e fascinação com o outro crescia de forma lenta em seu peito. 

ㅡ Só estava pensando em algumas coisas, não é nada Andrew. ㅡ bem, Neil sempre foi bom em fugir, e ele queria fugir desse assunto. Mas era inevitável, uma hora ou outra teria que acontecer. ㅡ Mas eu queria perguntar sobre isso que nós temos. 

ㅡ Isso que nós temos? Não temos nada Neil. 

ㅡ Só... ㅡ suspirou ㅡ seja sincero comigo ok? Tá na sua vez do nosso jogo. 

ㅡ O quê eu vou ganhar com isso? 

ㅡ O quê você quiser. ㅡ respondeu rapidamente,  observou Andrew pensar por alguns segundos antes de concordar. ㅡ Sei que existe isso entre nós, e que você não nega que isso exista, mas o que eu sou para você? O que isso é para você?

Neil sentia seu coração acelerar a cada segundo que se passava, mas parecia que ao passar os segundos ele também estava se partindo. A muito tempo já estava acostumado com o silêncio de Andrew, mas esse estava matando-o lentamente, e para piorar tudo, não conseguia interpretar a expressão fechada ou seu olhar. Estava sem pistas sobre o que o outro estava pensando ou sentindo. Totalmente no escuro. 

E era totalmente apavorante, nunca teve medo do escuro, bem, não até agora. 

ㅡ Eu... eu não sei Neil. ㅡ Andrew começou, totalmente perdido de como continuar, ele também já havia pensado sobre isso, chegou até mesmo conversar sobre eles com Bee tentando entender o que Neil era para ele, talvez só demostrar não fosse o suficiente para que o idiota entendesse. ㅡ Eu te odeio, sinto vontade de te socar a maior parte do tempo, principalmente quando você abre a boca. Mas não posso negar que nunca conseguiria realmente levantar a mão para te bater, a vontade está sempre ali, mas pensar em te machucar, de te ver machucado, é mil vezes pior. Porque você foi de uma pessoa que não significava nada na minha vida, para uma que significa tudo. ㅡ respirou fundo olhando para a lateral do rosto de Neil, detalhando em sua mente a visão de Neil olhando o céu e sendo banhado por raios laranjas que fazia sua pele brilhar. ㅡ Quando começamos a ter isso, pensei que fosse algo passageiro, algo para ocupar meu tempo até um de nós cansar do outro. Mas olhando para tudo isso agora, sinto que sou incapaz de me cansar de você. 

Neil finalmente se virou para encarar Andrew, seus olhos estavam arregalados, a respiração presa na garganta desde que Andrew começou a falar. Sentia seu peito doer e sua garganta parecia estar se fechando. 

ㅡ Não gosto de colocar rótulos nas coisas, não gosto de pensar que se a gente for alguma coisa, vai acabar e eu vou te perder. Mas Neil, porra Neil, se é isso que você quer, vá enfrente e de um nome a isso. Só não vá embora. Eu realmente te odeio demais para te perder. 

ㅡ Andrew, você não me odeia, você gosta de mim, poderia até mesmo apostar que você me ama. Mas eu não sei o que é amar alguém, não sei definir isso, ou se isso tem uma definição. Porém você é tudo pra mim, sempre foi e sempre será, você querendo ou não. Eu também não quero que isso acabe ou que você vá embora. Nós podemos ser tudo e nada, só tendo você ao meu lado já está mais que bom para mim Drew. 

ㅡ Para mim também. Tudo e nada, gostei. 

ㅡ Gosto de como você gostou disso. ㅡ murmurou chegando seu rosto perto do dele, estudando a forma que seus lábios se repuchava em um leve sorriso e seus olhos ganhava um pequeno brilho de felicidade ㅡ Sim ou não? 

Andrew não respondeu, juntou os lábios em um beijo calmo, com as duas línguas dançando em sincronia sem que nenhum dos dois tentem ganhar dominância no beijo, na verdade era como se estivesse conhecendo a boca um do outro pela primeira vez, com lentidão e carinho. 

Caíram em um silêncio confortável quando se afastaram, com Neil se sentindo bem mais leve e confortável para chegar mais perto de Andrew e roubar um pouco de seu calor corporal, além de alguns beijos. 

Não demorou muito para que Andrew batesse levemente nas coxas de Neil num pedido mudo para que o ruivo estivesse com as pernas e deixasse Andrew apoiar sua cabeça em suas coxas. 

ㅡ Sim ou não? 

ㅡ Para você sempre será sim. 

Andrew copiou a frase que Neil sempre falava a ele, ela trazia um sentimento estranho em seu peito, mas era um estranho bom. Neil sorriu abertamente de forma boba, mas levou sua mão para o cabelo loiro dele começando um carinho nos fios macios e cheirosos.

ㅡ Sobre o que você me deve ㅡ Andrew disse depois de um tempo. Seus olhos estavam fechados para aproveitar o carinho que recebia. Neil demorou um pouco para se lembrar que disse que faria o que ele quisesse mais cedo. ㅡ Você ficando ao meu lado já será o suficiente.

ㅡ Terei o maior prazer em cumprir esse combinado pelo resto das nossas vidas Drew. Até porque não sei viver mais sem você do meu lado sendo minha base, meu porto seguro. Minha casa.

ㅡ Você também é minha casa. Mas não é só porque estou te dizendo tudo isso agora, que pode pensar que vai me ouvir falar disso novamente Neil. 

ㅡ Mas Andrew, eu tenho uma péssima memória!

Neil riu não levando a sério o que Andrew disse a ele, porque os dois sabiam que se Neil pedisse com jeitinho ele conseguiria tirar de Andrew essas palavras idiotas e melosas que os dois lutavam para nunca dizer para alguém. Mas lá estavam eles, dizendo e demonstrando que se amavam e se importavam um com o outro de forma indireta e mostrando que sempre estariam ali um para o outro. 

Mesmo que Andrew não acreditasse no para sempre, Neil estaria ali mostrando para ele que existe um para sempre para eles e que os dois podiam amar e ser amado, só precisavam estar ali um do lado do outro aprendendo sobre esses nossos sentimentos que cresciam cada vez mais em seus peitos e que fortalecia a cada novo dia que começava.

ㅡ Sabe Drew, eu acho que essa conexão que nós temos foi criada a partir do momento em que você se passou pelo seu irmão para ir me buscar no aeroporto. ㅡ sorriu levemente lembrando daquele dia, e seu sorriso só aumentou ao escutar  uma risada de Andrew. ㅡ Sério eu não conseguia parar de pensar em você, mas foi só eu ver seu irmão que entendi tudo. 

ㅡ Eu precisava ver se você não era uma ameaça. 

ㅡ Sei disso. Mas foi interessante. 

ㅡ É, foi sim. Você descobriu na hora que trocamos. ㅡ ainda mantinha o sorriso no rosto, mas abriu os olhos para olhar seu companheiro. ㅡ Acho que deveríamos fazer mais isso, não é todo mundo que descobre de primeira. 

ㅡ Não importa quantas vezes faça isso. Sempre vou escolher o Andrew verdadeiro. ㅡ respondeu com toda a sinceridade de seu coração. 

ㅡ Tem total certeza disso? ㅡ brincou levantando uma sobrancelha. 

ㅡ Claro, com o Aaron sempre tenho vontade de socar a cara. Mas com você, Andrew, eu realmente amo você e confio minha vida a você. ㅡ segredou de forma sussurrada no ouvido dele, tão baixo que nem o vento poderia ouvi-lo, mas alto o suficiente para que Andrew escutasse. 

ㅡ Eu também. ㅡ foi tudo que ele conseguiu responder, não estava preparado para aquele tipo de sentimento passasse por seus lábios e dizer em voz alta, mas sabia pelo sorrindo bonito de Neil que ele entendia e sabia que era verdade. Porque de forma sobrenatural Neil Josten consegue entender tudo sobre Andrew Minyard, e Andrew Minyard conseguia entender tudo sobre Neil Josten.


Notas Finais


Obrigada por ler


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...