História Isto Não É Uma Canção de Amor - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Tags Amor Doce, Crxzy Fanfics
Visualizações 14
Palavras 3.294
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Em plenas duas horas da madrugada, eu aqui postando um capítulo de INÉUCDA

Me perdoem a demora mesmo, eu deveria estar dormindo pois amanhã tenho aula bem cedo e olha onde estou '><

Não me matem por este capítulo

Uma personagem nova entrará neste meio dramático

A música que a Melissa canta eu me baseei em um cover maravilhoso, que estará o link nas notas finais

Me perdoem os erros de português ou se estava muito curto

Quero que saibam que comentários e favoritos me incentivam a continuar este livro

Sem tomar mais tempo boa leitura e até as notas finais♥

Capítulo 2 - Backpfeifengesicht


Fanfic / Fanfiction Isto Não É Uma Canção de Amor - Capítulo 2 - Backpfeifengesicht

 

Backpfeifengesicht (Alemão):
Um rosto que está precisando de um bom soco.

 


[Melissa]

 


Deito me no sofá, encarando o teto. Branco. A tinta estava desgastada. E conseguia enxergar nítidas manchas cinzas.

Cinzas.

Da cor dos olhos dele.

Aquele garoto...

Quem era ele?

E... Por que estou tão interessada nisso?

Por que meu corpo reagiu daquela maneira?

Quer dizer, qual é!

Ele nem era tão bonito assim!

Suas roupas eram estranhas.

E os cabelos, tão negros quanto uma noite escura.

Seus olhos pareciam esconder mistério, ousadia e...

Por que estou penando nisso?

Que idiota.

Nem sei o nome dele.

Saiu sem dizer mais nada.

De repente, sinto algo entre minhas coxas. Era Honey, nosso gatinho de estimação. 

Ele estava se preparando para deitar, quando o pego em meus braços.

—Hey Honey... - O cumprimento porém ele impede me de tentar qualquer aproximação colocando sua pata em minha face. Ato que me faz rir. 

—Thales ainda não chegou não é? - Pergunto tola como se ele fosse me responder. 

Pego minha mochila, ainda com Honey em meu braços, começando a se debater, me fazendo soltá lo. 

Subo as escadas em direção a meu quarto, jogo a bolsa em um canto qualquer, indo em direção ao banheiro.

Termino um banho longo e quente, vestindo uma calça de veludo preta e uma blusa larga e confortável. 

Encaro minha escrivaninha, queria fazer algo. Escrever, porém não tinha inspiração. Nada saía. Quando tento visualizar algo, uma vontade de desenhar me invadiu. Por que desenhar? Nunca fui boa nisso. Artes é com o Thales. Logo ele, apaixonado pela música e por várias obras de artes diferenciadas. O que me puxava para ir ao museu. "Mel! Olha aquele quadro! Que profundo!" e eu encarava tudo com uma baita cara de paisagem. Meu irmão com quase treze anos conseguia enxergar coisas além do óbvio, se tornou um garoto maduro muito rápido. Desconfiou que a relação de nosso pai com mamãe tenha o feito amadurecer mais rápido. Ele deve ter ajudado a dona Helena quando ela era uma mulher frágil. Thales consegue saber quando estou triste ou chateada mesmo quando faço o possível e o impossível para não demonstrar. Ele tenta ser um bom conselheiro do jeito dele. Tímido, porém fofo. Ainda não entendo como meu irmão não conseguiu uma namorada. Provavelmente nenhuma em sua faculdade o mereça. 

Suspiro, pegando uma folha de papel sufite e um lápis levemente forte, não tinha ideia do que desenhar. Posiciono a mão em minha bochecha, me apoiando na mesa, deixando o lápis fazer o que minha mente estava tramando.

Quando termino, me surpreendo com o resultado. 

Tinha desenhado nuvens. Nuvens em uma noite escura, algumas estrelas circundavam o céu mas...

Por que tinha uma lua em cada nuvem separada em cada junção de nuvem separada da outra?

E por que as luas parecia tão pequenas?

Do tamanho de uma...

Não.

Levanto a folha sufite para mais perto da luz, amassando o desenho em questão de segundos.

Tinha desenhado nuvens em um céu a noite. Mas não apenas isso.

Também desenhei um par de olhos.

Suspeitava do motivo, mas não queria pensar nele.

—Melissa...?

Escuto a voz calma e serena de Thales da sala, me fazendo abrir a porta do quarto e um Honey manhoso me receber esfregando o corpo em minhas pernas. 

Desço as escadas, encontrando meu irmão na cozinha.

—Por que demorou tanto hoje? Não chega só vinte minutos depois de mim? - O abordo com perguntas fazendo o ruivo pular de susto.

—Credo, de onde você surgiu?

—Dos céus, os anjos me desceram porque te ouviram chegar. Não mude de assunto Thales Carter. Onde estava? Por que demorou tanto? - Me apoio na bancada de mármore da cozinha, encarando seu rosto tentando procurar algum vestígio de uma resposta sua. —Estava com alguma garota? - Pergunto arqueando uma sobrancelha.

—O-o que? Claro que não doida! 

—Hum... Ou você conta ou eu descubro Thales Carter.

Ele bufa.

—A mãe ainda não chegou?

Nego com a cabeça.

—Que horas ela volta do trabalho mesmo? - Tento me lembrar.

—Ela deve estar com Benjamin, deixe ela curtir a visa adulta dela.

Bufo.

—Tá, entendi. Vou parar de ser chata.

Ele gargalha e me abraça.

Benjamin é o namorado de Dona Helena. Desde que eu era pequena eles pareciam ter uma relação extremamente linda.

Benjamin é o pai que ele nunca tive. Porém, nunca o chamei dessa maneira. Ele se sentia incomodando e nunca entendi o porquê. Até um dia.

Quando eu era pequena, tomei a coragem de lhe perguntar.

"—Ben, por que você não me deixa te chamar de papai?

Ele olha, então sorri.

—Você quer mesmo saber Mel?

—Quelo... 

—Venha cá.

Sento em seu colo, o olhando com os olhinhos brilhantes curiosa.

—Sabe por que não gosto que me chame de pai?

Nego com a cabeça rápido, ficando tonta, o fazendo rir.

—Porque toda filha tem o amor de um pai, mas só a Melissa pode ter o amor do Benjamin.

Sorrio e pulo em seu pescoço o abraçando apertado.

—Eu ti amu Benjamin...

—Eu também te amo pequena..."

Não entendo porque Ben e mamãe ainda não se casaram, por mais que tenham sido tantos anos juntos, eles se olhavam da mesma maneira, como na primeira vez...

Queria conseguir encontrar alguém assim...

—Já está tarde, talvez eles não voltem hoje, vamos comer e dormir depois sim?

Suspiro.

—Vamos, o que vai querer lanchar?

 

 

[...]

 

 

Chego na escola e finalmente abro meu armário, resolvendo colocar meus cadernos ali. Será que ganharemos livros para guardar aqui ou coisas do tipo?

Inerte aos meus pensamentos escuto um armário se abrir do meu lado e pulo de susto.

—A, oi Mel! Me desculpa! Eu te assustei?

Era Lynn. Suspiro percebendo que tinha prendido a respiração.

—Bom dia Lynn, não foi nada, ta tudo bem. 

—Então, parece que seremos vizinhas de armário, colega.

Ela brinca e rimos em uníssono, até o sinal bater e caminharmos em direção a sala.

Cumprimento Lara e Jeru, me sentando em um lugar qualquer.

De repente, foi como se os céus me enviassem um voz dizendo "Achou que eu iria sumir assim?"

Porque assim que o vi passar pela porta engasguei com minha própria saliva.

As roupas estranhas, o cabelo negro quase batendo no ombro

E os olhos negros carregados de sentimentos que inundavam minha cabeça com dúvidas.

Porém, de repente, uma silhueta, feminina, surge ao lado dele.

—Gatinho! Estava com saudades!

Gatinho?

A garota tinha altura mediana, e usava roupas não tão estranhas quanto o outro, mas mesmo assim, diferentes eu diria. Ela possuía cabelos longos castanhos e olhos azuis.

—Debrah, já disse pra não ficar me chamando assim em público.

Então o nome dela é Debrah... 

—Melissa? Heey, Terra para Melissa! - Jeru estala os dedos a frente de meu rosto, e paro de focar minha visão no casal e sim nas três garotas a minha frente.

—O-oi, o que houve?

—Xiii, tava viajando na maionese essa aí - Laah comenta brincalhona. - Que cara é essa? Tava olhando pra que?

—O que não, quem. - A cabelos escarlates se pronuncia e me encara com um sorriso malicioso. - Não chegou faz nem dois dias e já ta afim de alguém? Olha, já te aviso, fica longe do Lysandre ou a Lara te castra e-

—Cala boca Jeruleka! - A loira se intromete ameaçando bater em Jeru. - Já disse que eu e Lysandre não temos nada, ele é meu melhor amigo!

—Sei sei vocês dois sempre se convencem dessa história.

—Eu namoro esqueceu?

—Aquele traste do Viktor? Qual é Lara, você não é feliz com ele e sabe muito bem disso. Não é o Viktor que você ama. E outra, Lysandre não gosta nenhum pouco dele.

—Lysandre é apaixonado pela Rosa que...

—Que está afim do irmão dele. - Lynn resolve falar depois de só ter observado o tempo todo.

Elas pareciam estar em um tipo de discussão enquanto eu encarava tudo aquilo com uma expressão confusa.

—Gente... - Ignorada. - Gente... - Mais uma vez. - Ô gente! - Tento não gritar tão alto e graças aos deuses com sucesso, o falatório continuava pairando pelo local. Elas finalmente focaram em mim. - Quem é Lysandre?

—O namorado- Lara finge uma tosse. - O "melhor amigo" da nossa loira aqui. Olha em volta, você talvez o reconheça por um detalhe: Veja como ele está vestido.

Faço o que a Jessica me instruiu e Encaro em volta, de repente, meus olhos param em alguém. Ele trajava roupas bem, bem antigas,  eram da época vitoriana sim? Alem do cabelo ser um platinado branco similar ao de Lynn, mas possuía um tom esverdeado, além das pontas descerem pretas. O que mais me impressionou foi...

O garoto de ontem estava sentado conversando com ele a sua frente. 

E o pior de tudo, ele me olhou. Seus olhos cruzaram se com os meus e sua íris cinza cravou em meu rosto, e, não sabia como nem porque, não conseguia desviar.

Ele tinha um olhar indecifrável, enigmático, misterioso...

Então, o vitoriano se virou para onde o amigo encarava, e me encontrou.

Fala sério.

Todos aqui possuem heterocromia ou é tudo lente?

Só que o do mais alto não era igual o da Pessona, era um verde água, esmeralda talvez, e o outro séria um amarelo nem tão avelã, ouro talvez.

Era bonito.

Ele sorri gentil para mim e aceno tímida de volta a ele, me virando em direção as meninas.

Lara parecia esconder uma carranca.

—O que foi?

—Por que o cumprimentou? 

—Por que ele sorriu pra mim.

—Ele sorriu pra você?!

—Não disse? - Jeru provoca. - Ela morre de ciúmes por ele.

—Ah cala a boca Jessica.

—Olha lá até falou meu nome.

—Gente gente. - A platinada se intromete novamente. - Não fique brava com a Melissa Laah, ela de longe não quer nada com o Lysandre.

Suspiro aliviada. Obrigada por me entender Lynn.

—Ta na cara que ela quer o Castiel.

—Castiel?! - As duas me encaravam incrédulas.

—Quem é esse? - Pergunto com um semblante confuso.

—O garoto que está te encarando de novo agorinha.

Me viro e encontro ele. De novo. Os olhos estavam levemente apertados mas, assim que perceber que me virei em sua direção, ele foca o olhar para Lysandre a sua frente.

—O nome dele é Castiel?

—É o melhor amigo do Lysandre também. Sinceramente não sei como ele aguenta. - Jessica comenta irritada.

—E... - Me arrisco ao perguntar. - Quem era a garota que entrou e o chamou de gatinho?

—Ta falando da Diabrah? 

—Diabrah?

—É um apelido que a Laah inventou pra ela. - Lynn gargalha brincalhona. - O nome dela é Debrah e...

—Deixa eu adivinhar, é uma escrota também?

—Pior. Ambre não chega nem aos pés do nível de Debrah. Não mexa com ela Melissa, essa garota é muito perigosa. - A vermelha me alerta e meu corpo todo se arrepia levemente com medo. O que ela seria capaz de fazer?

—Concordo com a Jeru, não se intromete com ela, por isso eu já te aviso Melissa, não se aproxime do Castiel.

—Por que? Eles namoram?

—Não é bem namoram, mas tem um lance.

—Hum, entendi...

—Ue, e se a Melissa estiver afim do Castiel? Qual o problema? Alguém tem que ensinar a colocar essa Diaba no lugar que ela merece. - A de madeixas escarlate comenta sem medo se a morena estivesse ouvindo ou não.

Eu a conhecia a pouco tempo, mas admirava a personalidade de Jeru. Ela faz o que der na telha sem se importar com a opinião dos outros. Para ela tanto faz o que pensam ou deixam de pensar sobre sua pessoa. Ela era também muito orgulhosa, nunca chorou por amizade nenhuma e se algum vai embora de sua vida para ela não faz falta.

Se tivesse ao menos um terço de sua coragem acho que seria mais feliz...

O professor entra iniciando a aula calando a tudo e todos, nós fazendo virar para frente e prestar atenção.

 

[...]

 

O sinal para o intervalo toca e elas estavam todas quase na porta enquanto organizava minha bolsa.

—Vem Mel! Depois você arruma isso! - Lara pronuncia.

—Eu tenho que ver algumas coisas no Grêmio, vão na frente, eu encontro vocês! - Sorrio fraco e elas levantam os ombros e saem da sala.

Todos foram embora e suspiro. Menti para elas. Já resolvi tudo no grêmio. A verdade era que queria um pouco de tempo sozinha. Não me sinto totalmente confortável com tantas pessoas a volta por um longo período de tempo. Minha mãe disse que tenho isso desde pequena. Quando íamos as festas de família, eu ficava na mesa completamente quieta de cabeça baixa. Cumprimentava os parentes somente quando minha mãe me obrigava. Já me escondi entre Thales e Benjamin por tanta vergonha e também já levei um livro para me distrair e não olhar em volta. Funcionou.

Minha família já suspeitou que teria ansiedade mas não acho que não deve ser algo tão sério a esse ponto.

Rumo fora da sala de aula e os corredores estavam desertos, todos estavam lá fora, mas, quando me viro em uma direção oposta, me trombo com alguém.

Deus, por que, eu lhe pergunto, por que fazes isto comigo? 

—M-me desculpe! Eu não estava olhando por onde andava, sou uma desastrada completa! - Falo rapidamente quase ficando sem ar, quando paro para observar em quem me trombei.

Era uma garota. Tinha estatura mediana, um busto enorme Jesus como ela aguentava segurar aqueles peitos, cabelos castanhos e olhos azuis também, mas sua aparência não se parecia nem um pouco com a de Debrah.

Nem seu sorriso.

—Tudo bem, digamos que também não estava olhando por onde andava... - Ela carregava um livro em mãos, não consegui observar melhor o título pois ela me estendeu a mão. - Você é a novata não é? Prazer, sou Lumina.

Aperto sua mão com certa insegurança.

—Prazer, Melissa.

—Seu nome é muito bonito.

Sorrio envergonhada com seu comentário.

—O seu também.

—Obrigada, bom, tenho de ir, nos vemos na aula Melissa.

—Até Lumina. 

Ela parecia ser alguém extremamente simpática e legal, esta escola não é tão ruim quanto pensei.

Começo a andar por um caminho desconhecido por mim, encontro uma escadaria com uma biblioteca ao lado, mas não ne sentia muito a vontade para ler no momento.

Então, abaixo das escadas, encontro uma porta. Entreaberta. Não conseguia ver o que tinha lá dentro pois estava escuro.

Estava temerosa, porém, a curiosidade me dominou, fazendo me abri la.

Procuro um interruptor, ao acender as luzes, observo em volta.

O lugar parecia precisar de uma leve limpeza por algumas poeiras mas estava em bom uso, pacotes de comidas estavam espalhados por alguns cantos assim como caixas de papelão e...

Ao ver os instrumentos fico chocada.

Uma guitarra, um violão, uma bateria e um microfone estavam posicionados. Uma pequena caixa de som estava ao lado de tudo.

Seria uma banda que ensaia aqui? Mas por que no colégio? 

Meus dedos dedilham o violão. Thales tocava, era aluno de artes mas música era algum tipo de inspiração para seus desenhos. Ele toca desde que nasci praticamente e nós o incentivamos muito.

Seguro o violão na posição que me recordara, sentando em uma caixa qualquer.

Meu irmão ensinara me apenas uma música tocada pelo violão.

Tento lembrar as notas, colocando os dedos em prática. Estava sozinha ali e, acho que não teria problema tocar um pouco do que sabia.

 

Prazer em te conhecer, onde você esteve? 

Eu poderia te mostrar coisas incríveis 

Mágica, loucuras, paraíso, pecado

Te vi ali, e eu pensei "Ai meu Deus, olhe esse rosto" 

Você parece o meu próximo erro

O amor é um jogo, quer brincar? 

Dinheiro novo, de terno e gravata Eu consigo te ler como uma revista 

Não é engraçado, os rumores voam 

E eu sei que você já ouviu falar de mim 

Então, ei, vamos ser amigos 

Estou louca para saber como esse acabará 

Pegue seu passaporte e a minha mão 

Eu posso fazer os caras maus, bonzinhos por um fim de semana 

Então irá durar para sempre 

Ou acabará em chamas 

Você pode me dizer quando estiver terminado 

Se os momentos bons superaram a dor 

Tenho uma longa lista de ex-namorados 

Eles te dirão que eu sou maluca 

Pois, você sabe, eu adoro os jogadores 

E você ama o jogo 

Pois somos jovens e imprudentes 

Levaremos isso longe demais 

Vai te deixar sem fôlego, ou com uma cicatriz horrível 

Tenho uma longa lista de ex-namorados 

Eles te dirão que sou maluca 

Mas eu tenho um espaço em branco, querido 

E escreverei seu nome.

Me envolvi tanto em acertar os acordes e a letra da música, que não percebi

—Uau.

Paro tudo o que estava fazendo imediatamente para me virar na direção da voz, que se localizava na porta.

Meus olhos se arregalam ao ver,

Lysandre e Castiel a minha frente.

Lysandre tinha um sorriso levemente admirado nos lábios e o seu amigo esbanjava uma feição chocada, mas percebo que, assim que me virei, ele voltou a sua pose firme e indecifrável.

Eu deveria estar branca. Bom, mais que o de costume.

Solto o violão me levantando em uma velocidade rápida.

—M-me desculpe! Não s-sabia de quem eram os instrumentos e resolvi apenas t-tocar u-um pouco, me desculpe mesmo! - Droga Melissa, nunca consegue falar sem gaguejar. Parecia falar mais com Lysandre que ainda me encarava sorrindo do que com o garoto ao seu lado, tentava ao máximo não encarar o de cabelos negros.

—Ei ei, tudo bem, não precisa se desculpar. - O platinado me reconforta, me fazendo suspirar o ar que estava preso.

—Eu já vou embora, desculpe novamento por qualquer coisa... - Fico impressionada por não ter gaguejado nada até.

—Tens uma voz bonita senhorita Melissa. 

Lysandre me elogia e minhas bochechas tomam uma coloração extremamente vermelha por aquilo.

—O-obrigada...

Corro em direção a porta até que

—Bom saber que tem um espaço para meu nome na sua lista, ruiva.

Castiel comenta e o encaro incrédula. Eu queria lhe dar uma boa resposta, mandá lo para aquele lugar, mas a única coisa que consegui foi sair daquele porão batendo duro os pés.

Que idiota! Achou mesmo que a música era algo relacionado a ele? E ainda me chamou de ruiva? Acha que tem intimidade comigo para me apelidar dessa maneira? 

Como as garotas acharam que estava interessa em um garoto como esse? 

Bufo até encontrar uma silhueta feminina a minha frente, fazendo me erguer o olhar.

—Seu nome é Melissa não é?

Só pode ser brincadeira.

—Sou... E você é Debrah não é mesmo?

—Já vi que a cambada falou de mim para você. Sempre soube que meu nome era osso nesta escola.

Ela estava falando sobre elas assim na minha frente?!

A morena se aproxima, colocando o dedo em meu peito. 

—Eu ouvi sua cantoria no porão junto do comentário de Lysandre, você é boa, mas não leve o elogio daquele cabeça de vento a sério querida, o ramo da música não é o certo para você. E também ouvi o que o Castiel falou, acha mesmo que só por que chegou ontem vai roubar o meu gatinho de mim? Acho bom que a resposta seja não. - Ela dizia tudo aquilo a minha frente com um ar extremamente convencido. 

—Não se meta no meu caminho, porque os que tentaram não conseguiram me derrubar e com você não será diferente. 

Ela vai embora, sem me deixar protestas algo ou me pronunciar.

Ouço seu salto contra o chão e minhas unhas apertam a palma de minha mão com tanta força que não entendia como não estara sangrando.

Posso até ter chegado ontem neste colégio, mas já tinha uma opinião formada sobre Debrah:

Uma vadia.

 

 

Continua...


Notas Finais


Link do cover: https://youtu.be/j7M_erlHXVw

Enquete: Em qual rosto vocês querem dar um bom soco?

Castiel/Debrah

Votem KKKKKKKKJK

Bom é isso meus cheiros obrigada por tudo e até o próximo capítulo!

Meu perfil: @Crxzy🌻


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...