História It: A Coisa- A Volta de Pennywise - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias It: A Coisa
Tags Terror
Visualizações 40
Palavras 456
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


AVISO: Nesse e nos dois próximos capítulos, saberemos mais sobre a vida de nossos personagens e sobre seus pensamentos.
Boa leitura!

Capítulo 18 - O Sonho


O Sonho

Crianças se divertindo, risadas sinceras, alegria espalhada pelo ar, inocência predominante... (Ciranda, cirandinha vamos todos ciran...). O som da música estava se afastando. As risadas se tornavam contorcidas, não havia mais inocência.

O pequeno John estava ali, todas as crianças correndo a sua volta- (crianças são criaturas tão doces e meigas) “SEU IDIOTA!”, “BABACA”, (sim, elas são adoráveis! sempre se ajudam)- todos arremessavam coisas nele- (PAREM, PAREM):

John:-Parem...-disse dormindo.

O pequeno John fechou os olhos e contou até 10. “PUFT!” Todos sumiram, inclusive ele. Agora só havia um espaço preto...vazio...vazio-

(Mamãe, me dá um biscoito?)-A mãe se levantou da mesa e foi até a prateleira. Pegou um pote escrito “BISCOITOS”, mas estava vazio- (Estamos sem biscoito, o pote está vazio, filho, olhe só, comprarei mais amanhã)- a pequena criança começou a chorar e se tacou no chão-(EU QUERO AGORA! VOCÊ SÓ COMPRA CERVEJA E CERVEJA)-A mãe enfurecida com o filho, o pegou pela gola da camisa e o bateu na bunda com tanta força, que a fez sangrar, e os braços da mulher ficarem dormentes no outro dia-sons começaram a ser identificadas, mas mesmo assim não havia nada para se ver. 

Ruídos começaram a ficar cada vez mais altos, até ele perceber que não eram ruídos, era uma voz infantil. (MATE-O). John olhou para o lado, Harry estava lá, dizendo: (POR FAVOR, NÃO!), (Tarde demais, meu amor). A faca estava no alto prestes a atingir um dos olhos de Harry. John estava dando risadas (MATE-O, MATE-O, MATE-O, MATE-O).

John acordou, estava em pé, ao lado do corpo inconsciente de Harry, com os braços levantados com uma faca em suas mãos, como em seu sonho. 

Se sentiu assustado, mas mesmo assim continuava com um sorriso no rosto, talvez quisesse, mas não pudesse matar seu “amado”.

 “Harry ficaria só para mim, só meu, meu...”-

O pequeno John estava na aula de artes, todas as “adoráveis”crianças o odiavam, por ser o mais inteligente e rico da sala, apesar de nunca ter “se achado” ou “ter tirado sarro” de alguém por sua capacidade e/ou condições financeiras. 

John com 6 anos já sabia desenhar muito bem, era o melhor desenhista da sala-(Professora, posso ir no banheiro?) (Claro, Jonathan)-Então ele foi, sem preocupações até a volta. Chegando na sala, se deparou com a seguinte cena: George, um dos praticantes de bullying pegou o seu desenho e mostrou a professora, que se sentia orgulhosa e dava a nota 10. John nunca foi agressivo, mas nesse dia, naquela hora, já estava de saco cheio, pegou o desenho de suas mãos e deu um tapa na cara do garoto.- (É MEU, MEU)...- John parou de pensar no passado e foi guardar a faca na cozinha com cuidado para não acordar o Harry.

(...)

 

 

 

 


Notas Finais


Esperobque tenham gostado!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...