1. Spirit Fanfics >
  2. ItaHina - Akai Ito Of The Soul ( Hiatus) >
  3. Passados

História ItaHina - Akai Ito Of The Soul ( Hiatus) - Capítulo 3


Escrita por:


Capítulo 3 - Passados


♪ Espere um minuto. Eu acho que deixei minha consciência na sua porta da frente.♪

Willow Smith - Wait a minute.




ItaHina - Akai Ito Of The Soul - Chapter Three 



  ♥




— Porque está assim Hina? É sobre o seu pai? – TenTen tentava puxar um pouco da atenção de Hinata para si, a última semana tinha passado com certas dificuldades. Hinata estava preocupada com o comportamento do pai, que desde da conversa com o chá ele vinha agindo estranho, a conversa não durou por mais de dez minutos, e ela estava tentando assimilar ainda, querendo esquecer. O senhor Hiashi chegava em casa tarde e se trancava no escritório, não saindo nem para o jantar. Hanabi também percebeu, pois tentava cada vez mais conversar com o pai, afim de descobrir algo sobre o seu estranho comportamento. A perolada compartilhou essa situação com a jovem Mitsashi, omitindo a parte da conversa, e a amiga vinha tentando dar uma solução, sem resultado.

— O aniversário da Hanabi está chegando não está? – TenTen perguntou. — Você poderia fazer uma comemoração, chamar seus parentes. Isso iria ajudar, né? – Continuou.

— Não sei, papai não gosta de festas, Hanabi provavelmente iria querer convidar a cidade inteira. Com certeza não daria certo, além do mais é a data da morte da mamãe. Sei que ele não se sente confortável com esse dia, ainda mais uma comemoração cheio de músicas e dança. – Hinata olhava para fora enquanto falava. A janela da sala do último andar estava aberta, trazendo uma aura de outono. Os cabelos índigos estavam soltos e balançava conforme o vento atravessava a vidraça, e Hinata fechou os olhos. Comentar sobre a morte de sua mãe era algo complicado para si, tinha apenas oito anos quando aconteceu. Era o aniversário de seis anos de Hanabi, ela iria ter sua primeira festa com seus amigos da escolinha que estudava, juntos aos pais. Esse era um assunto proíbido pelo pai. Nunca citar o nome Hikari na casa Hyuuga, era algo inadmissível.


Hinata ainda se lembrava do terrível dia, mas nunca aceitava a cena do cadáver a sua frente. Escolhia lembrar somente das coisas boas que aconteceram antes da tragédia.




                                       

                    Flashback






— Hime, busque os balões para a decoração, está bem? está no quarto. – Hikari tinha a voz doce e calma, seus cabelos eram tão negros que ao sol fazia um pequeno degradê com o azul índigo. Seus olhos diferente das filhas e do marido, eram âmbar, olhar nos olhos da mulher era como olhar o crepúsculo a reluzir na água do mar. E era sobre esse olhar atento que a jovem Hyuuga Hinata gostava de estar. Sendo a primogênita recebia uma atenção especial da mãe e uma proteção excessiva do pai. A personalidade de Hikari era calma, atetenta e dedicada as filhas e as pessoas que amava. Hinata herdou tudo isso.

A criança de cabelos curtos e de olhos perolados subiu as escadas da casa, não passava das oito da manhã e o lugar já estava um tanto bagunçado. Fitas no chão, balões coloridos e pacotes de confetes todos espalhados.

Hanabi, a grande aniversáriante do dia estava do lado de fora, no quintal, pulando em uma piscina de bolinhas, que foi comprada especialmente para aquela ocasião.

Hinata entrou no quarto dos pais, onde havia visto a mãe colocar o restante dos itens decorativos, pegando os últimos utensílios, saiu e desceu novamente as escadas.

— Você poderia ir enchendo os balões enquanto vou ajudar seu pai? – Hikari se agachou para ficar da altura da filha, e olhou através da enorme porta de vidro para o quintal.

— Sim okaa-san. – Hinata abriu um sorriso e foi saltitando para um lugar da sala.

A mulher olhou a filha e sorriu, tinha muito orgulho dela. Hiashi estava tentando pendurar uma pinhata na árvore, Hanabi com toda sua energia corria em círculos ao redor do pai.

— Hana, tome cuidado. – Hikari segurou a filha pelos ombros e a pegou no colo.

— Onde está o bolo okaa-san? – O brilho no olhar de Hanabi poderia ser visto a quilômetros de distância.

— Somente na hora do seu parabéns mocinha.

O mormucho da criança fez a mulher sorrir e a colocar no chão novamente, que foi novamente para a enorme picina de bolinhas.

— Quer ajuda? – A fala saiu em um tom irônico, Hikari olhava o marido, pendurado na árvore. O orgulho do homem o impedia de pedir auxílio a esposa.

— Não eu... So um pouco... Aqui... – O homem forçava a corda que prendia a caixa de papelão cheio de doces, mas a mesma se soltava no mesmo instante. — Talvez, eu precise de um pouco de ajuda. – Admitiu.

Hikari tirou a sandália e subiu no tronco da árvore, indo para a galho onde colocaria a caixa. Eles não tinham uma escada o que facilitaria as coisas, e isso Hiashi anotou mentalmente para por na próxima lista de compras mensais.

— Pronto.

O sorriso convencido da mulher, o convenceu que teria de comprar uma escada.

— Não fique assim. Foi somente uma ajudinha. – Hikari o abraçou, e novamente sorriu para ele.


Voltando para dentro, vendo que Hinata já havia enchido uma boa parte dos balões foi para a cozinha, teria de preparar os doces, graças a insistência das filhas em dizer que o da mãe era melhor do que qualquer um em uma confeitaria.

Quando ia começar a preparar, escuta a companhia tocando.




Flashback Off






— Senhorita Hinata? – O professor de português, Hatake Kakashi a chamava, colocando uma folha em sua mesa. — Parabéns pelo desempenho na primeira semana. – O Hatake foi em direção às outras mesas.

— Está tudo bem Hina-chan? – TenTen que se sentava atrás cochichou em seu ouvido.

— Sim Ten, está tudo bem. Apenas me distrai com a paisagem.

O sorriso amarelo de Hinata fez a jovem de cabelos castanhos desconfiar.

Hinata pegou a folha vendo sua nota. Tirando o fato de ter uma falta no segundo dia após as férias de inverno, ela se saiu bem.

— Quanto você tirou? – TenTen perguntou. — Minha nota foi péssima, 7,08. – Continuou.

— 10,6. Está acima da média, pelo menos.

— Você sempre tira notas acima da média Hina. — A castanha cutucou seu ombro, rindo em seguida. O sorriso foi retribuído.

— Atenção alunos. Na próxima semana iremos a o museu da cidade. Junto a professora de história, Anko. Não será necessário o uso do uniforme, estão dispensados, podem ir. – Na mesma hora que terminou a frase do Hatake, o sino soou, indicando o final da última aula do dia. Era sexta-feira e sem lições de casa, já que tivera muitos trabalhos surpresas durante a semana.

— A gente nunca foi ao museu, pelo menos não juntas né? – Hinata que guardava seus materiais a olhava. — Será que será so a gente? É o nosso último mês completo na escola. Tanto lugar para nos levar e a gente vai para um museu? Ver ossos de dinossauro? Que saco. – A sala já estava praticamente vazia, e a Mitsashi aproveitou para se sentar em cima da mesa de Hinata.

— Deve ser para mais um trabalho ou prova, com certeza é isso. — Hinata colocou a mochila nas costas e puxou o livro, o qual colocaria no seu armário, mas a sua amiga estava sentada sobre ele.

— Você poderia... — Hinata gesticulou com as mãos para que a castanha saísse.

— Ah claro, desculpe. – TenTen deu um sorriso amarelo e saiu.

Só avia elas dentro da sala e Hanabi já estaria no portão a esperando.

— É melhor a gente ir, estamos atrasadas.

Juntas elas saíram para fora da sala, deixando as carteiras vazias para trás. 







— Você demorou em Hinata. – Hanabi tinha os braços cruzados e as olhava sem paciência.

— Nem foi tanto tempo assim Hana. – Hinata se defendeu.

— Já estava virando uma planta, e olha aquelas nuvens. – Apontou para o céu:

— Vai começar a chover daqui a pouco.

— Está bem, vamos Hana. Tchau Ten, até mais.

— Me liguem.

— Irei.

As irmãs se despediram da Mitsashi que seguiu o caminho contrário.

— Alguma novidade? – Hinata começou a puxar assunto com a irmã que estava emburrada ao seu lado. — O que aconteceu Hana-chan? Esta estranha. – Afirmou olhando o comportamento da irmã.

— É só TPM.

— Sei que não é, seu ciclo é junto ao meu. Vai fala logo. – Hinata parou de caminhar e a encarou.

— É o Sasuke. — Sussurrou inaudível.

— Quem?

— É o Sasuke.

— O que ele fez para você? — Hinata já demonstrava o sentido de proteção com a irmã mais nova.

— Iria entregar essa pequena lembrança para ele. — Do bolso da saia de uniforme Hanabi tirou um belo origami tsuru¹  amaçado.

— Ele fez isso? – A menor não respondeu, apenas virou o rosto. — É claro que fez, que idiota. – Hinata constatou.

— Eu pensei que ele tinha criado sentimentos por mim, estávamos trocando mensagens durante toda a semana, mas era mentira. Ele me passou o número errado, era o amigo dele o tempo inteiro.

Hinata abriu a boca em um "oh".

— Não posso deixar ele fazer isso com você, Hana você é tão maravilhosa. — O rosto de Hinata estava vermelho de irritação. — Iremos na casa dele agora.

— Você vai bater nele? — Hanabi perguntou com um brilho no olhar.

— Não Hana, iremos conversar. Você é minha irmã caçula, é minha responsabilidade te proteger. E o que ele fez foi uma tremenda idiotice.


Os passos de Hinata eram rápidos e firmes no chão. Tinha um forte senso de justiça, e isso que o colega de Hanabi havia feito com ela, era inadmissível. Ele não era obrigado a retribuir os sentimentos da irmã, mas mesmo assim não tinha esse direito de brincar com os sentimentos da menor.

Hinata passou por sua casa e pensou em desistir. Sasuke podia ter uma arma, e a expulsaria a base do tiro. Ou conversaria e criaria caráter para pedir Hanabi desculpas, pelo menos.

Ela seguiu na calçada, Hanabi vinha logo atrás com o origami nas mãos.

Em menos de um minuto, chegaram a casa ao fim da rua.

— Vamos lá. – Hinata agarrou com força as alças da mochila em seu ombro, e tocou a campainha.

Hanabi olhava curiosa, ansiosa esperando alguém aparecer, e apareceu.

Hinata olhou de baixo acima, e não encontrou a pessoa que queria.

Olhando para cima, a perolada viu Itachi, ele era muito mais alto que ela, e tinha uma provável xícara de café em mãos. E Hinata havia paralisado.

— Olá. – A voz do moreno a despertou.

— É... Olá. O Sasuke e-está? – Hinata se xingou mentalmente, pela frase ter saído totalmente diferente do que tinha pensado.

— A... Não. Vocês são as Hyuuga não são? – Itachi olhou para ela e sorriu.

— Sou, Hyuuga Hinata, e essa é minha irmã, Hanabi. Viemos tratar disso. – Hinata arrancou o tsuru da irmã e mostrou para Itachi.

— Um origami? Isso tem haver com o Sasuke?

— Ele fez coisas horríveis comigo. – Hanabi se intrometeu na conversa, tomando a frente por Hinata.

— Eu sinto muito. Quais foram? – O moreno ajeitou a postura e olhou sério para elas, não era a primeira vez que alguma pessoa vinha reclamar com ele sobre o comportamento difícil do irmão.

— Essas aqui. – Hanabi pegou o celular e foi mostrando a conversa com o suposto Sasuke que seria na verdade Suigetsu.

Eram bem ofensivas, e ousadas, tanto pela idade que a Hyuuga menor havia. Conversas inapropriadas. Ele conhecia Sasuke, sabia que ele nunca falaria coisas como aquelas, que estavam no aplicativo de mensagens.

Itachi respirou e disse: — Eu me desculpo pelo irmão e essa suposta brincadeira de mal gosto de sua parte.

— Eu peço desculpa por lhe incomodar, senhor Uchiha. Apenas queria tirar a história a limpo. – Hinata se explicou.

Itachi franziu as sobrancelhas e encarou a menor.

— Peço que aceite um jantar, você e sua família. É o que eu posso oferecer para redimir os erros de Sasuke.

— Não que... – A frase de Hinata foi cortada.

— A gente aceita. – Hanabi falou firme, olhando torto para a irmã.

— Que bom, domingo, as sete. – Itachi sorriu.

— Estaremos aqui. Obrigada.

Hinata olhava envergonhada e assustada.

Hanabi puxou Hinata para fora da entrada da casa. E ela viu o Uchiha mais velho acenar e atravessar a porta para dentro. 



                           ♥ 






— Quem era Itachi? – A morena de cabelos longos olhava para o namorado.

— Problemas do Sasuke.

— Novidade. – A jovem sorriu e foi de encontro ao Uchiha. — E o que ele fez?

— Ele acabou enganado uma garota, fazendo o Suigetsu se passar por ele e conversar com ela. Ela estava achando que ele estava tendo sentimentos por ela, e a irmã veio a defender.

A castanha rolou os olhos.

— E você as convidou para um jantar, igual aconteceu a família Namikaze-Uzumaki na visita a Tokio? Foi isso? Quando Sasuke arrumou briga com o filho deles? – O tom de voz da mulher foi aumentando.

— Izumi, era a única coisa que eu poderia fazer para tentar uma reconciliação. Foi graças ao jantar em Tókio que estou trabalhando aqui em Konoha.

— Em uma cidade que nem parece estar no mapa.

— Você não precisa participar.

A mulher concordou em um aceno e o olhou, e foi para em direção as escadas em espiral.


— Sasuke, Sasuke. – A voz de Itachi foi a única coisa audível na sala da casa, ele se sentou no sofá de couro, e se perguntava se tinha errado em fazer um jantar para pessoas que mal conhecia. O olhar da perolada veio em sua mente, era a garota que tinha salvado do assalto a poucos dias atrás. 


Itachi se lembrou do primeiro caso que tivera como delegado. Ele tinha salvado uma garota ruiva de um assassino, e foi somente olhar os olhos da moça, que se sentiu atraído pela primeira vez. E ele tinha certeza que os olhos de Hinata ficou em sua mente tanto como os olhos de Karin. 


Notas Finais


Olá pessoal, como vocês estão?
Eu espero que bem. Feliz Páscoa atrasado. Que tenham muitas esperanças no coração de vocês. 🐰❤️


Não iria postar hoje, mas ja estava com esse capítulo pronto e não queria o prender por muito tempo e por isso achei meio nhê. E me desculpem pelos erros ortográficos.


Muito obrigada pelos 25 favs,isso tudo em apenas 2 capítulos. Agradecida.❤️


Até o próximo, e se cuidem.🐼❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...