História It's a man's world - CR7 - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Cristiano Ronaldo
Personagens Cristiano Ronaldo, Personagens Originais
Tags Cristiano Ronaldo, Drama, Engenharia, Italia, Juventus, Maria João, Porto, Portugal, Real Madrid, Romance, Turim
Visualizações 106
Palavras 1.893
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Ficção, Literatura Feminina, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLHA AI A ESCAPULIDA DE QUARTA!!!
Aconselho ouvir "Not Afraid Anymore" da Halsey para acompanhar esse capítulo. Sem contar que a letra desta música traduz muito bem o que está rolando. #SeJogaMaria

Capítulo 14 - O Paraíso


Fanfic / Fanfiction It's a man's world - CR7 - Capítulo 14 - O Paraíso

O carro esportivo deslizava pela pequena estrada que margeava os grandes paredões de pedra, onde o mar se chocava aos pés deles. Se estendia aquele mar azul, ao longo do horizonte, ao lado tinha um homem que segurava a minha mão, aproveitando as vantagens do carro, com o polegar deslizando em uma caricia, e as vezes pequenos beijos eram depositados ali. Ele carregava um sorriso imenso, nunca havia visto aquele sorriso nele, e o tornava mais bonito, simples. Talvez aquele sorriso estivesse refletido no meu rosto, que as vezes corava sob o olhar dele.

Não trocamos palavra nenhuma no caminho, apenas olhares, sorrisos, palavras não precisavam ser ditas, nós dois tínhamos aquela conversa muda, usando outros elementos para se expressar. Eu só falei quando entrei na casa onde ele estava hospedando, olhando tudo em volta, parecia uma locação de um filme, era ridiculamente bonito e perfeito.

- Quando eu pensei que estava vindo para o paraíso, não tinha isso em mente, achava que era o paraíso por que você estava aqui, neste lugar. Mas isso aqui vai além das minhas expectativas. – Olho em volta, ainda chocada. – Eu nem sei como me sentir em um lugar assim.

Ele se aproximou sorrindo, me puxou pela cintura, olhou nos meus olhos e disse carinhosamente.

- Apenas sinta, não tente pensar como deve se sentir. Apenas aproveite. É para isso que servirão estes dias, para aproveitarmos um ao outro. A minha família só chega daqui a dois dias, até lá serão só você e eu, para nos conhecermos melhor. Vamos dar um passo de cada vez, sem pensar no que virá depois. Certo? – Ele me olha nos olhos esperançoso.

- Certo. Está certíssimo. – Baixo a cabeça um pouco tímida. – Só não sei como agir. A muito tempo não estou nesta posição, algo como uns 5 a 6 anos. Se duvidar, acho que minha vida toda não estive nesta posição, então me sinto como uma adolescente boba, o que é muito idiota. Estou tornando o que eu mais temia.

Cristiano deu uma risada, colocou o dedo sob meu queixo, levantou meu rosto para encara-lo.

- Se isso deixa-te mais calma, eu também me sinto assim. As raparigas sempre chegaram se jogando sobre mim. Nunca tive que conquistar ninguém.

Olho para ele surpresa e então falo como se fosse a coisa mais óbvia do mundo.

- Você já me conquistou. Olhe onde estou.

- Eu sinto como se tivesse que conquista-la todos os minutos, horas, dias. Só para ter certeza que não vais fugir.

Não resisto, dou uma risada.

- Tu és um bobo, sabia?

Desta vez foi a vez dele rir, para então perguntar surpreso, com um toque de descrença:

- Bobo?

- E eu estou gostando disso.

Me aproximo e beijo os lábios dele com delicadeza, e sou recebida por ele com carinho, as mãos acariciam as minhas costas com cuidado, enquanto as minhas vão até a nuca dele. Ele agora era um homem livre e desimpedido, e parecia ser muito mais gostoso beija-lo, por que eu não carregava a culpa, me sentia errada, pois naquele momento, parecia a coisa mais certa a se fazer.

Ele me carregou no colo, eu enlacei a perna por sua cintura. Devíamos um ao outro um momento só nosso, sem culpa, sem dúvidas. E seguimos nos beijando pelo longo corredor, até que ele me colocou no chão do grande quarto. Olhou-me nos olhos e perguntou com um pouco de insegurança:

- Queres isso?

- Sim. Eu estou aqui.

O homem virou a chave na porta, trancando-a, sem tirar os olhos de mim. Então se aproximou, sem tirar os olhos dos meus, colocou uma mecha do meu cabelo atrás da minha orelha, acariciou meu rosto, então pergunta sem jeito, muito tímido.

- Usas algum tipo de...?

- Proteção? – Ele balança a cabeça afirmativamente, diante da minha tentativa de facilitar as coisas. – Sim, pílula.

- Ok! Eu confio em você. É que...

Eu já havia entendido onde Cristiano queria chegar, então o interrompi com um beijo, um daqueles intensos. Depois me afasto dizendo.

- Sim, eu entendendo. – Dou mais um selinho. – Agora vou tirar essas botas, um momento.

Sento em um banco moderno que havia aos pés da cama, enquanto retirava a bota, ele então perguntava:

- Quem bateu em você?

- Foi Daniel, um ex-namorado meu, eu fugi do Brasil por causa dele...

E então contei tudo, o que ele havia feito comigo, como entrei naquele relacionamento abusivo, o quanto demorei para perceber, o fato dele aparecer no meu apartamento, a violência, a delegacia, a ajuda do Jorge. Tudo. Ele precisava saber. Enquanto ouvia, sentou-se em uma poltrona, me encarando, as vezes chocado, as vezes com raiva, mas no fim, quando soube da prisão e tudo mais. Cristiano suspirou aliviado. Até sorriu quando soube que o empresário e amigo dele havia me dado uma camisola do time de Portugal de presente.

- Por que Jorge não me contou isso?

- Achamos que já tinhas muito problemas para administrar.

- Mas eu tinha que...

Me levantei e segurei a mão dele com carinho, me abaixando na frente dele.

- Já cuidas de tanta gente, da tua família, dos amigos, dos teus fãs. Deixe-me cuidar de ti um pouco.

Ele abre um sorriso e então beija meus lábios, com paixão, intensamente, aquele era o seu sim. Afinal dizem que por trás de um grande homem há uma grande mulher, mas quem sabe na verdade ela está ao lado dele, segurando sua mão e juntos lutando para proteger um ao outro.

Logo minhas mãos foram ao casaco dele, retirando, dando meu sim, deixando claro o que eu queria, e logo ele correspondeu retirando o meu. Então me afastei o suficiente para passar a blusa dele pela cabeça, então voltei a beija-lo, ficando em pé, o conduzindo até a cama, onde o empurrei e ele caiu livremente me olhando, olhei para ele com cobiça.

- Vou fazer algo que desejei fazer desde que eu te vi pintando aquele quarto de hotel.

O rapaz ergueu uma das sobrancelhas interrogativamente, e eu sorri, subindo na cama, engatinhando sobre ele, então comecei a beijar o pescoço dele. As fortes mãos masculinas foram até meus cabelos, minha nuca, então desci pelo peitoral musculo, beijando, dando pequenas mordidas e lambidas, saciando todo o desejo e fantasia que tinha com ele. Eu sonhei fazendo aquilo, provando o gosto da pele quente do peito do Cristiano, que suspirou. Então subi para beijar os lábios dele, que logo os afastou, me fitando.

- Eu desejei também muito uma coisa. – Ele falou fitando em meus olhos, com a voz rouca de desejo.

Fez com que me sentasse na cama, retirou meu vestido, depois retirou minha calcinha, então apreciou meu corpo, do tipo violão, com curvas que tentava esconder a todo custo. Ele sorriu diante da visão e eu fiquei vermelha de timidez, então ele não perdeu tempo em beijar meus lábios, enquanto me deitava novamente na cama, descendo pelo meu pescoço, minhas mãos indo até os cabelos dele, ancorando ali em uma carícia, enquanto descia até os seios, sugando, provando, causando arrepios no meu corpo todo. E seguiu seu destino, em direção ao sul do meu corpo, quando Cristiano beijou a parte interna da minha coxa, segurando minhas pernas com tamanha reverência, eu já estava em combustão.

Só que tudo se esquentou ainda mais, quando a boca dele tocou minha intimidade, ali eu perdi os sentidos, e um gemido baixo escapou dos meus lábios, as mãos agora estavam segurando firmemente o edredom que cobria a cama. Ele era muito habilidoso, isso eu tinha certeza absoluta, por que estava quase chegando ao céu. Até que parou, e senti como se tivesse despertando de um sonho.

Ao abrir os olhos, encontrei um Cristiano, com olhar predador e faminto, enquanto tirava a calça, e a cueca, me dando a visão do homem diante de mim, ele exalava masculinidade, foi impossível não morder meu lábio inferior, estava hiperventilando, enquanto se aproximava, como um felino, até que estava pairando sobre mim, seu rosto e seu corpo a milímetros do meu, passou a ponta do nariz pelo meu, olhando em meus olhos.

- Agora, tu és minha. – A sua voz veio rouca, cheia de promessas sedutoras, gemi em resposta. – Agora, sou teu.

Tomou meus lábios em um rompante apaixonado, logo meus braços estavam em volta dele, minhas mãos percorrendo as costas, reivindicando, tomando para mim aquele homem que já me enlouquecia através das ligações, onde tivemos algumas conversas mais intimas, ou quando dormiu abraçado a mim.

Agora ele estava ali, era forte, me posicionou na cama com facilidade, para sentir-me confortável, até que aos poucos, lentamente, foi entrando, se unindo a mim, com cuidado, era a nossa primeira vez juntos, percebi que estava atento a cada reação minha, para assim saber se não estava me machucando. Olhávamos um nos olhos do outro, tentando ler um ao outro, até que estava me preenchendo completamente, sua mão acariciou meu rosto, seu olhar tinha aquela adoração, então beijou meus lábios novamente, de forma lenta, assim como os seus movimentos de ir e vir.

Havíamos esperado tanto para compartilhar aquele momento, que Cristiano parecia querer estica-lo o máximo possível. Seus movimentos lentos eram a prova disso, o testemunho do seu lento desejo, apenas com as pontas dos dedos percorria as costas dele, indo até a base da nuca, em troca recebia mordiscadas no pescoço, beijos, delicadezas do meu amante atencioso.

Aos poucos o ritmo foi aumentando, mais rápido, assim como os gemidos, a intensidade das carícias, os olhos não conseguiam ficar mais abertos, buscando cada vez mais um no outro, pois até meu quadril se movia a busca dele, querendo mais. Nossos corpos suados seguiam naquela dança, apenas os ruídos do nosso encontro inundavam o quarto, em uma crescente busca, os corpos suados denunciando o esforço que logo culminou no orgasmo.

O mundo explodia por trás dos meus olhos, enquanto buscava o folego, recebia o peso dele bem-vindo, que tentou aliviar deitando-se para o lado, mas eu o impedi, eu queria senti-lo, me envolvendo em todos os sentidos. De olhos fechados, meus outros sentidos estavam mais aguçados, o perfume masculino dele, misturado ao meu, ao suor, ao sexo. O ruído da busca por recuperar o folego, o toque da pele quente.

- Eu desejei muito este momento. – A voz dele rouca, por uma combinação de vários fatores, como a falta de folego, o longo tempo sem falar e o desejo que ainda dominava nossos corpos famintos.

- Eu também. – Respondi com a voz igualmente rouca.

- Foi melhor do que eu imaginava. – Pude sentir o sorriso em sua voz, abri os olhos e o encontrei lá, lindo e verdadeiro.

- Eu estou em um paraíso, só pode. – Olhei além das largas janelas com a vista para o mar, olhei para ele que me olhava de uma forma nova, que eu não sabia identificar, mas era intenso. Muito intenso.

Eu não tinha mais medo do futuro, do que poderia vir pela frente, tinha tomado a decisão certa. Juntos daríamos um jeito para tudo se encaixar, assim como fizemos até agora. Me inclinei sobre o Cristiano, rolando na cama, enquanto o beijava, podia sentir o corpo dele reagindo, e logo mergulhávamos um no outro novamente, mas desta vez era eu quem ditaria o ritmo e aproveitaria o corpo dele. Afinal, tínhamos muito para explorar um do outro.


Notas Finais


Não perca a playlist do Spotify: https://goo.gl/whWcKf

Assista o trailer: https://youtu.be/HJ2HhWZplrY

Siga a sala da redação, um twitter onde vou soltando uns Spoilers, coisas que vou escrevendo: https://twitter.com/AutoraAnaJulia

Esse momento é meu! Esperamos 13 Capítulos por isso! E na hora como um ato de iluminação, veio para mim: "A música que melhor traduz esse momento deles, é Halsey com "I'm Not Afraid Anymore". Por que finalmente se entregaram a este momento e nós corremos para o abraço. Um capítulo curto, porém morto de especial. Os melhores perfumes vem nos menores frascos.

Obrigada pelos mais de 1.500 views, pelos muitos favoritos e comentários (continuarei apimentando com um toque de spoiler eles sim). Por isso vou soltar sempre na véspera da postagem de cada preview uma pequena prévia no Twitter, para apimentar mais a curiosidade, já que temos até o capítulo 16 escrito, na área de rascunhos. E vou continuar compartilhando no Twitter minhas pesquisas, meu materiais e por ai vai.

Também estou analisando a possibilidade de fazer uma live após cada capítulo, comentando como cheguei naquela ideia, tirando umas duvidas. Fazer algo diferente. Não sei.

Deixe sua opinião e o seu voto. Isso é muito importante. Afinal, é minha primeira aventura do tipo, preciso saber se estou agradando.

Amo vocês!
Beijinhos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...