História It's a man's world - CR7 - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Cristiano Ronaldo
Personagens Cristiano Ronaldo, Personagens Originais
Tags Cristiano Ronaldo, Drama, Engenharia, Italia, Juventus, Maria João, Porto, Portugal, Real Madrid, Romance, Turim
Visualizações 244
Palavras 2.133
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Ficção, Literatura Feminina, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


CHEGOOOOOOOOU! O pessoal estava quase me esganando! Está ai a lua de mel do nosso casal Crisria! #CrisriaAlive

Capítulo 15 - À Dois


Fanfic / Fanfiction It's a man's world - CR7 - Capítulo 15 - À Dois

- Podes diminuir a velocidade, por favor! Tenho filhos, esqueceste! Preciso cria-los!

A voz de Cristiano era cheia de pânico, enquanto eu pisava a toda velocidade no carro esportivo, aproveitando as maravilhas daquele Lamborghini, nunca tinha dirigido um, então pedi para ele que após meu olhar de cachorro pidão, não resistiu e deu. Eu acho que já se arrependeu de ter feito isso.

- Mas você dirigi rápido assim, oras!

- Mas eu tenho experiência. – Ele falou quase em desespero e eu ri.

- Eu deveria filmar este momento, para mostrar que o robozão não é tão robozão assim.

- Não ouse tirar as duas mãos do volante! – Ele me ameaça com aquele toque de preocupação ainda presente.

- Mesmo que seja para fazer isso?

Coloquei minha mão na perna dele, subindo até a virilha em uma caricia. Ele tirou a minha mão, com uma certa relutância, e colocou ela de volta no volante.

- Prefiro ficar vivo para fazer outras coisas com você.

***

- Uau! Isso foi maravilhoso!

Cai na cama, toda suada, as ondas do orgasmo ainda percorriam meu corpo completamente, estava ofegante, e depois de tantas rodadas como aquela, eu poderia dizer que em outra coisa ele poderia disputar o título de Melhor do Mundo, seguramente ia levar o prêmio. E seu sorriso cheio de orgulho ao deitar do meu lado, me olhando, demonstrava isso, a ponta do dedo dele percorria minha barriga, enquanto falava com a voz sedutora.

- Tu és maravilhosa!

- Aposto que diz isso a todas.

Fiz um gracejo e ele riu, na verdade gargalhou, peguei o lençol e joguei na cara dele, enquanto falava com falsa indignação.

- Poderias pelo menos fingir que não, falar o clássico: "Não, apenas falei isso para você". Eu ia fingir que tinha acreditado e seriamos muito felizes.

- Eu posso ter falado isso algumas vezes. – Ele fala com um certo tom desconsertado. – Mas apenas com você adquiriu a dimensão correta da palavra. Percebi que não era experiente suficiente e que conhecer você elevou meu padrão de exigência.

- Hummmm...Bem mais satisfatória essa resposta.

- Gostou? – Perguntou com uma sobrancelha arqueada. – Que bom. Mas descobri que aquelas suas roupas de menino raivoso esconde uma mulher surpreendente. Em parte isso é ótimo.

- Por que? – Estava cheia de curiosidade agora, ainda mais diante do sorriso dele que ficou mais largo.

- Eu sinto que a mulher é só minha, um lado que só pertence a mim.

- És muito bobo, sabia?

Me aproximo e o beijo lentamente, mas logo o beijo se intensificou e eu soube que mais um orgasmo seria providenciado para mim, e isso era muito bom.

***

O oceano azul nos rodeava enquanto tomávamos banho no final da tarde na praia particular, trocávamos alguns beijos, as vezes olhávamos um nos olhos do outro, eu acariciava o rosto dele, um sorriso tímido surgiu em seu rosto, estávamos ali, ao sabor do mar calmo, um nos braços do outro, em um momento de pura intimidade.

- As mulheres sempre babavam por você a minha volta. Eu olhava e falava...pfff...Ele não é não bonito assim, ele é gostoso, mas não é bonito. – Cris deu uma gargalhada gostosa. – Eu sempre dizia que tinham caras mais bonitos e gostosos que você. Eu o odiava...Não...Essa é uma palavra muito forte...Eu o desprezava...Por justamente ser arrogante, se achar o máximo, ter aquele jeitão de eu posso, ficar se olhando para os telões, pegar modelos para apenas exibir, providenciar os próprios filhos. – Ele fechou a cara quando falei dos filhos, eu sabia que era um assunto delicado. Mas tinha que falar, mesmo depois de sentir a tensão nos músculos dele. – Eu achava aquilo tão arrogante, era brincar de Deus, de todo poderoso, era como se os comprasse. Então quando o vi no hotel, eu fiquei nervosa por que não o esperava ali, eu não tinha que estar ali com você, era algo que tinha fugido da minha rotina tão planejada. E eu o desprezei por que percebi que não me acrescentava em nada ter conhecido você.

- Foi isso que me encantou em ti, por que as pessoas mesmo me desprezando, elas me tratam bem por que sou o Cristiano Ronaldo, o CR7. Mas tu me trataste com todo teu desprezo, como se eu não fosse nada importante, foi ali que vi o quanto eras autentica, diferente. Em um momento que tinha uma crise com alguém que valorizava o que eu era, que se preocupava com o fato de "perder" certos títulos e tudo mais, eu conheci uma pessoa que não me vi como uma pessoa acima até dos próprios defeitos e erros, que o meu dinheiro e a minha fama fossem suficientes para que esquecesse sua própria opinião. Isso admirou-me imenso.

- Maaaas eu descobri que o senhor Cristiano Ronaldo Aveiro dos Santos é uma caixinha de surpresas. Que aquilo tudo era uma capa criada pela mídia, que sob tudo isso tinha um homem de ótimo senso de humor, honrado, respeitador, focado, que é capaz de mover o mundo pela família, e que queria ter a família dele. Se nós mulheres podemos ter nossa produção independente para ter a família que sonhamos, por que tu não podias ter a tua?

- Isso prova que valeu a pena minha persistência. Eu queria provar-te que estavas enganada, por isso fui chama-la para almoçar. Algo dentro de mim dizia que deveria procura-la e mostrar quem eu era de verdade, mudar a forma de pensares. Talvez fosse o fato de não gostar de perder, ou de ver alguém pensar errado de mim, se bem que sempre convivi com isso, mas não sei por que, tua opinião foi tão importante para mim, tinha me incomodado muito o fato de me olhares de forma tão negativa. Só que enquanto fui me apresentando a ti, acabei conhecendo-te, e quando percebi, estava enamorado por tudo que eras.

- Eu me enamorei de outra forma, eu estava encantada por ti, confesso-te, mas tua mãe fez com que visse um outro Cristiano, eu vi o homem através dos olhos dela, a forma como apresentou-me a tua vida, tuas escolhas, o que passaste, foi um dia em que conversamos muito, e ela me deu a visão mais humana que poderia ter de ti. Sai da Madeira, apaixonada por ti, naquela noite eu queria correr até onde tu estavas, abraçar e beija-te. Foi o dia que mais tive saudade.

- Acredite, para mim também, minha mãe contando-me como foi o dia, me deixou surpreso a iniciativa da Dona Dolores, mas ouvir sobre você através dela, apenas reforçou minha decisão, todas as minhas decisões, de que precisava de uma vida nova, de que não deveria me arrepender e olhar para trás, era como um sinal de que estava no caminho certo. Queria estar contigo, cobrir-te de beijos, e deixar bem claro que estava decidido.

- Agora estamos aqui. Depois da minha teimosia.

- Graças a minha insistência.

Trocamos um beijo, para selar aquele momento de confissão e almas abertas, ficamos ali, até a noite chegar, aproveitando um ao outro, os carinho, aquele sentimento renovado que surgia ali, novinho em folha.

***

- Quando foi a última vez que tu tiraste férias? – Perguntei curiosa.

- Antes de ir para a Copa, estava fazendo uma ponte aérea louca entre a Madeira e o Porto. – ele brincou e eu ri. – E tu? Quando tu tiraste férias pela última vez?

Fiquei ali, deitada no sofá da ampla sala com a cabeça no colo dele, tentando lembrar minhas últimas férias.

- Meu primeiro mês morando no Porto.

- Suas últimas férias fazem 4 anos?...É muito tempo!

- Mas valeu a pena esperar. – Olho para ele que dá uma risada. – E obrigada pelo jantar de hoje, a Francesinha, entendi a referência.

- Faz mais ou menos 1 mês. – Ele fala delicadamente, afagando os meus cabelos.

- Uau! Parece que faz um século. Foram tantas coisas. Agora estamos aqui, nesta bolha. Longe de tudo.

- E tu achas que estais a enganar-me? Achas que não sei que estais a falar de trabalho com a Paula no telemóvel?

- Sim, mas ela me disse que não falará nada até o final do mês. Por que eu tenho até lá para decidir o que vou fazer da minha vida? – Reviro os olhos. – Que mania as pessoas têm de me dar prazos para decidir algo, e a maioria me dá um mês, isso é irritante sabia?

- Mas neste ponto, eu concordo com sua amiga, temos muito que pensar durante o resto deste mês pelo menos, até o final do mês este contrato estará assinado, início do mês que vem deverei estar na minha nova casa, que tudo leva a crer que seja Turim. Sei que é injusto isso, muito injusto com você, que minha vida esteja a ponto de ser decidida e tens que te adequar a ela. – Ele falava sentindo-se desconfortável.

Eu sento no sofá, para nossos rostos ficarem na mesma altura, mas sinto informalmente, meio de lado, apoiando o braço no encosto do sofá, ele vira de lado para me encarar. Tento ficar relaxada, ou pelo menos parecer, para que ele permaneça claro.

- Eu não quero bancar a advogada do Diabo. Mas por que para mim parece injusto eu ter que me adequar e para a Georgina não era? – Ele ficou surpreso com a pergunta, não esperava ela.

- Por que eu percebi os propósitos dela por trás de tudo que dizia, ela pode ser modelo de qualquer lugar, pois normalmente ela que ia até os trabalhos. No caso dela era puro interesse mesmo, status. – Nisso ele tinha razão, só queria me certificar de que tinha consciência disso, eu tinha percebido isso durante a conversa que tive com ela. – Você tem uma carreira no Porto, conseguiu fazer um nome, tem seus cliente, sei o quanto é complicado.

- Eu sei, que sou uma feminista, dona do meu nariz, que depois do que aconteceu com o Daniel, eu tenho pânico de ver as rédeas da minha vida na mão de alguém. Mas não posso também ser a pessoa mais intransigente deste mundo, tenho que ter consciência do que me cabe, de onde eu me encaixo. Eu ainda não decidi por que aqui estamos no paraíso, longe de qualquer problema e isso ainda não dá para ter um parâmetro se teremos uma boa rotina. Sua família chega amanhã, toda a sua família, e isso é um pouco assustador, mas também é bom para ver se eu me encaixo mesmo.

Ele olhava para mim com uma certa admiração que quase me intimidava, mas eu estava focada em colocar meu ponto de vista.

- Mas você disse que foi muito boa a visita a minha mãe.

- Sim, foi ótimo, me senti acolhida, em casa. Mas estava a sua mãe, seu irmão, seu padrasto, o Junior e os gêmeos. Só que temos que levar em consideração os outros membros da família que já estão acostumados com a Georgina. Digamos que é uma mudança muito brusca.

- Eu sei, eu a entendo. Eu amo minha família, muito. Mas você já conheceu as pessoas que são mais importantes para mim, aquelas que estão ao meu lado de uma forma que nem sei como colocar em palavras, por que nem todas serão suficientes, e elas adoraram você e vi que tu adoraste também. Isso já me deixa imensamente feliz. Sei que com o tempo vais ganhar o coração delas, assim como ganhaste o meu.

Fico palavras, o encarando com aquele olhar de dúvida, ele estava se declarando para mim, de uma forma tão piegas como eu não esperava, e aquilo me surpreendeu de tal forma, quando eu vi, já tinha dito.

- Robozão? Você está ai mesmo?

Ele deu uma gargalhada, a cabeça caindo para trás, então não aguentou e logo fez uma brincadeira.

- Ontem à noite, hoje de manhã, não me achavas tão Robozão assim.

Acabei rindo, eu tinha que concordar, ele era quente e intenso. Na verdade intenso em tudo que fazia, ele se dedicava completamente, e eu me sentia afortunada.

- Concordo. E sou obrigada a admitir que ganhaste meu coração também. – Depois de um tempo complementei. – Ainda não sei como conseguiste isso, as vezes olho e penso o quanto tudo isso é maluco, juro. Parece que vou acordar e saber que isso foi mais um sonho daqueles loucos, só pode. É muito maluco isso, é muito fora do normal, eu olho tudo isso em volta e penso "nãããão, isso não pode ser possível, meu despertador vai tocar, de certo".

Ele me puxa para o colo dele e eu dou um pequeno gritinho misturado com risadas, então ele olha nos meus olhos e fala com uma alegria incontida, eu podia perceber.

- Não estais a sonhar, é a sua vida, é a nossa vida, eu amo-te.


Notas Finais


NOTA DA AUTORA:

Não perca a playlist do Spotify: https://goo.gl/whWcKf

Assista o trailer: https://youtu.be/HJ2HhWZplrY

Siga a sala da redação, um twitter onde vou soltando uns Spoilers, coisas que vou escrevendo: https://twitter.com/AutoraAnaJulia

Mais um capítulo curto, por que acho que estes momentos doces e românticos devem vir em pequenas doses, e calma...Isso é apenas mais um descanso antes de novos conflitos. Respirem fundo que vem mais uma tempestade ai.

Deixe sua opinião e o seu voto. Isso é muito importante. Afinal, é minha primeira aventura do tipo, preciso saber se estou agradando. Obrigada por todo carinho, rumo aos 2 K de views...Aviso logo, vai ter capítulo extra de comemoração, é claro!

Beijinhos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...