1. Spirit Fanfics >
  2. It's a sign >
  3. Chapter 18

História It's a sign - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


☆Boa leitura🦋

Capítulo 19 - Chapter 18


Fanfic / Fanfiction It's a sign - Capítulo 19 - Chapter 18

PdV Josh

Meados de Dezembro - 2010


A reação da Emma quando falamos a ela que eu e Any estávamos juntos... bem, primeiro ela fez um gesto com braço de comemoração: trouxe o cotovelo para a costela com o punho fechado. Sabe, quando grita 'yes' junto? Não 'tô zuando! Ela fez mesmo isso.

Eu juro que ela aprendeu isso com o Noah, porque acho que não herdou da Sina não.

A reação do Noah foi "Eu sabia que você ia conseguir, cara! A Sina me deve cinquenta pratas agora, porque ela achou que a Any ia te enrolar a semana toda".

A reação da Sina quando o Noah ligou pra ela: "Porra, Any. Não aguentou esperar, né?"

E depois, no final de semana, quando a gente foi jantar com os meus pais, a reação da minha mãe foi: "Até que enfim você criou culhões, filho. Seu pai foi igualzinho; ele não acreditava que seria bom o suficiente pra mim. Tão bobinho os dois por não saberem que são bons.". Depois ela ficou de papo com a Any pelo resto do jantar. Juro.

A reação do meu pai foi: "Você finalmente achou a sua cara metade, ?"

E agora, depois de mais uma semana, é hora de contar para o Bailey e a Joalin. Bem, verdade seja dita, eles já sabiam, mas nessa noite, eu e a Any receberíamos o Bailey, a Katie e a Joalin aqui em casa para um jantar.

É estranho. Bom. Mas estranho.

Mas eu falo mais disso depois, porque agora eu tenho o amor da minha vida, deitada do meu lado, fingindo que está dormindo enquanto eu passo as pontas dos dedos nas suas costas.

Ela está nua.

Falando por falar.

E ela é minha.

Falando por falar.

E também, ela me ama.

Só falando por falar!

E as minhas bochechas meio que andam doendo. Nesse momento por exemplo, ela está tentando não sorrir, mas eu 'tô vendo. Estou vendo a repuxada adorável do canto da sua boca. Sua boca completamente beijada, devo dizer, e ainda bem que eu disse à Emma que iria beijar e abraçar um montão, porque é o que eu tenho feito. Com as duas, na verdade.

Eu sou um homem de sorte, e tenho minhas duas garotas comigo, então é claro que eu demonstro pra elas como eu sou sortudo. Como eu me considero abençoado. Mas eu não acho que a Emma esteja reclamando, porque ela ama nossas guerras-de-cosquinhas. Eu também.

Essa foi a primeira coisa que eu reparei na manhã seguinte quando acordei. A primeira noite que a Any dormiu na minha cama como minha namorada. Eu me sentia um menininho dizendo isso. Mesmo. Eu sinto. Estou mais feliz, mais brincalhão... por isso as guerras-de-cosquinhas com minha princesa.

E tem também a Any...

Não há como descrever o que eu senti quando o meu quarto virou o nosso quarto.

Ela está literalmente morando aqui. Não é só uma amiga dividindo o apê ou algo assim. Não, ela está morando comigo, conosco, e ela não tem mais seu próprio quarto. Nós temos nosso quarto, e depois de um pouquinho de convencimento, eu finalmente podia ver coisas da Any pelo apartamento.

Ela disse que amava o apartamento do jeito que ele era, e apesar de adorar ouvir isso, eu ainda assim queria que ficasse evidente que ela morava aqui também, então, semana passada, eu vi alguns e seus retratos na sala, junto com algumas almofadas novas que ela comprara, e eu fiquei felicíssimo... e meio que emocionado, mas vamos pular isso.

Se há alguma coisa pela qual se deve ficar emocionado, definitivamente é a lembrança da Any pendurando retratos no corredor, porque as fotos eram de nós três no Aquário.

Nós parecíamos uma família, o que nós somos para mim, e todo dia, quando eu chego em casa, eu me pego olhando pra essas fotos um pouquinho mais de tempo antes de continuar o que eu tinha que fazer.

É o que eu quero.

É o que nós dois queremos, eu devo dizer, porque já conversamos sobre isso. É, eu não pude evitar, e ainda bem que não me contive, porque nós conversamos. Muito. Sobre o futuro. E nós queremos as mesmas coisas.

Ela pode não saber - apesar de tocarmos brevemente no assunto - mas eu já estou planejando pedi-la em casamento. Não agora, claro, mas acho que não vou esperar pra sempre... nem muito. Alguns meses talvez. Mas não consigo me segurar. Eu a amo mais do que as palavras podem descrever, estamos na mesma página quando esse é o assunto, e ambos vemos a mesma coisa quando pensamos no futuro. Me processa, porra, por querer que esse futuro chegue logo.

E há também o assunto filhos.

Mordi a língua, me forçando a ficar quieto, porque apesar de termos conversado sobre o futuro, e eu ainda considerava a idade dela, e fora o fato de que o nosso relacionamento era recente. Então... imagina a minha surpresa quando a Any tocou no assunto.

É claro que eu não fiquei quieto já que ela trouxe o assunto à tona, e essa foi mais uma 'daquela vezes' pra mim, porque quando ela - bem nervosa - me perguntou se eu queria ter mais filhos, eu achei que explodiria de felicidade.

Eu sei - mesmo hoje - que eu não estava pronto para ser pai aos vinte e três anos, mas graças à minha família, eu não perdi nada. Eu fiz tudo o que queria ter feito. Eu viajei um pouco depois do ensino médio, passei um feriadão na Flórida, e meu Deus, isso não era pra mim... Mas então, eu não perdi nada, e apesar da gravidez da Dytto ter sido inesperada e não ter sido bem-vinda na época, a Emma sempre foi. Eu nasci para ser o pai dela, e quando a Any me disse que queria ter mais filhos, eu não perdi tempo e mostrei pra ela o quanto a amava naquele momento. E não, não passou batido como ela disse 'mais filhos'. Ela poderia ter dito 'eu quero ter um filho meu um dia', ou algo assim, mas não. Ela disse que queria mais filhos.

O que me faz ponderar o que a Emma é pra ela.

E quando ela disse que dois filhos era o ideal pra ela, eu tive que morder a língua de novo, pra evitar perguntar se isso queria dizer mais um ou mais dois.

Eu não sabia se era um ato falho, e eu sabia que voltaríamos no assunto um dia, mas eu não estava com pressa. Bem, não muita.

Não uma pressa enorme... bem.

Mais um filho me parece ótimo.

A boca da Any se mexeu de novo, provavelmente porque minha mão desceu um pouco mais, mas eu não tinha culpa. A bunda dela era de outro mundo, e se as minhas mãos queriam acariciar aquela bunda perfeita, não posso negar-lhes o prazer. Ou a mim.

Sei lá.

"Eu sei que você está acordada, amor" sussurrei, aproximando-me para beijar seu ombro.

"Não, eu 'tô dormindo, eu juro" ela murmurou sonolenta.

"Você tem certeza?" ri de leve, passando meus dedos por seu cabelo. "Porque eu meio que queria que você fosse pro banho comigo

Por favor!

"'Tá, talvez eu esteja um pouquinho acordada" ela fez um 'hum' com a garganta, aproximando-se e apoiou o queixo no meu peito. E é nessas horas que eu fico tão piegas que não vale nem a pena falar. Mas é o sorriso que ela me dá. Sem preocupações, feliz... Linda pra caralho.

"Tão linda" sussurrei, quase pra mim mesmo, enquanto acariciava seu rosto, passando o dedão na sua bochecha rosada.

Sardas. Ela tinha sardas também. Não muitas, mas estavam lá. No seu nariz. E você tinha que olhar bem de perto para notá-las, mas eu via. Eu podia chegar bem perto, e eu as amava.

Amava tudo.

"Eu te amo" ela murmurou.

Indescritível.

"Te amo mais" sorri.

Então ela me lançou um sorriso malicioso. "Duvido, especialmente depois de você ouvir o que eu tenho pra dizer".

"E o que você tem pra dizer?" ri, sabendo que não há nada que ela pudesse dizer que me fizesse amá-la menos.

"Bem" ela suspirou. "A Joalin, o Bailey e a Katie vêm lá pelas sete, né?"

Assenti com a cabeça.

"Certo, isso quer dizer que o mercado é por sua conta" ela continuou "Eu fiz uma lista. Eu até iria com você, mas eu e a Emma temos planos, e não temos muito tempo pra se arrumar".

Eu chequei a hora. "Não têm muito tempo?" perguntei, erguendo uma sobrancelha. "São nove da manhã. Temos todo o tempo do mundo."

E eu realmente não quero fazer compras sozinho, porque eu costumo esquecer um monte de coisa.

"Mas nós não temos todo o tempo do mundo, amor" Any sorriu. "O Natal 'tá chegando, e nós não temos nenhum enfeite pendurado. Isso é uma catástrofe, e por isso que eu a Emma vamos remediar isso enquanto você sai".

Eu queria reclamar e choramingar sobre ir ao mercado, mas isso tudo meio que desapareceu quando me veio a imagem das minhas meninas decorando nossa casa com enfeites de Natal. E ela estava certa, o Natal 'tá quase aí, acho que não preciso nem dizer o tamanho da minha felicidade quando a Any disse que não tinha nada planejado pro Natal, a não ser passar o feriado com as duas pessoas que ela mais ama no mundo.

Esse pode ter sido um momento emotivo pra mim.

"Ok" eu disse, sem conseguir tirar o sorriso do rosto. "Me dá a droga da lista. Mas é melhor você já contar que eu vá esquecer alguma coisa ou errar outra" adverti.

"Não se preocupa, Josh" ela deu uma risadinha. "A lista é bem detalhada"

Como se isso fosse ajudar.

"Certo, vamos levar essa bunda gostosa pro banho antes que a monstrinha-risadinha acorde" dei um piscadinha, meio que surpreso na verdade que ela não tinha batido na nossa porta ainda.

Mas ótimo pra mim, porque agora eu vou ter uma Any nua no chuveiro comigo por um tempo.


***


"Mas que porra?" eu disse, confuso pra caralho, e o Eleazar também.

Ele estava me ajudando com as compras, porque a lista da Any - que eu xinguei algumas vezes - era bem detalhada, mas também era maior do que a lista que a Emma fez pro Papai Noel, e quando eu cambaleei com cinco sacolas enormes de compras, o Eleazar veio me ajudar - ainda bem.

Mas agora, nós estamos do lado de fora do meu apartamento, e mesmo de porta fechada, eu consigo ouvir a música de Natal estourando os falantes.

"Parece que alguém está entrando no espírito natalino, hein?" Eleazar riu enquanto eu destrancava a porta.

"É" fiz uma careta, mas a minha resposta provavelmente foi abafada, porque porra!


…I don't want a lot for Christmas

(... eu não quero muito de Natal)

There's just one thing I need

(Só há uma coisa de que eu preciso)

I don't care about the presents

(Nem ligo pros presentes)

Underneath the Christmas tree

(Debaixo da árvore de Natal)

I don't need to hang my stocking

(Não preciso pendurar minha meia)

There upon the fireplace…

(Em cima da lareira...)


'Tava alto.

Eleazar me ajudou com as compras, e riu dando tchau quando tudo estava no corredor, e eu praticamente abobado enquanto tirava o casaco e os sapatos, porque... bem, não era só a música. Era tudo.

Eu saí por três horas. Só isso. Mas aparentemente isso era suficiente pra transformar nossa casa na casa do Papai Noel do Polo Norte.

A sala estava em meia luz; guirlandas de natal estavam penduradas em cada passagem e batentes de porta, apetrechos natalinos estavam espalhados pelas prateleiras e cômodas, neve falsa nos cantos dos espelhos, e dava pra notar onde Any tinha deixado a Emma fazer sozinha, porque tinha neve no espelho todo.

Estava agradável e receptivo e isso era só o hall de entrada.

Eu estava ansioso pra caralho pra ver o que as minhas meninas estavam aprontando, então deixei as compras na entrada mesmo e fui pra sala... parei com tudo.

Fiquei boquiaberto.

Minhas meninas.

Puta que pariu.

Acho que eu fiquei bem uns dez minutos só olhando a Any e a Emma brincando uma com a outra enquanto penduravam enfeites. Era tudo pra mim.

A mesma música tocava de novo e de novo. e elas estavam de risadinhas, gritinhos e... dança. Sim, estavam dançando.

Puta que pariu, acho que eu nunca tinha visto antes algo tão perfeito.

Deixei-me absorver tudo. A decoração, a meia luz, as renas no piano (que a Emma com certeza falou pra Any), mais guirlandas, luzes pisca-pisca, Papais Noel pra todo lado, azevinhos, velas aromatizadas que deixavam o ar com cheiro de canela, laranja, gengibre e pinho.

Era óbvio que a Any havia comprado coisas de Natal, porque eu com certeza não tinha tanta porra assim antes. Mas o que eu notei mais que tudo foi a Any e a Emma. Ambas vestidas de shorts de pijama vermelho e uma regata branca... e gorrinhos de Natal, claro. Ambas tão lindas, e porra, elas estavam até usando chinelos que combinavam, feito de algum material fofinho vermelho.

Elas estavam realmente... Natalinas.

*Mais uma vez, Any!" Eu vi a Emma sinalizar quando a Any parou de dançar, muito provavelmente porque a música acabou, e Deus, a Emma estava excitada.

"Ok, querida" Any riu, meio sem fôlego. "Última vez"

Eu dei um passo pra trás devagar, porque não estava pronto pro show acabar, e daí a mesma música da Mariah Carey começou de novo, e vi quando a Emma e a Any se colocaram de frente uma pra outra, a Emma imitando os passos da Any.


…I don't want a lot for Christmas

(... Eu não quero muito de Natal)

There's just one thing I need

(Só há uma coisa de que eu preciso)

I don't care about the presents

(Nem ligo pros presentes)

Underneath the Christmas tree

(Debaixo da árvore de Natal),

I just want for my own

(Eu só quero você pra mim)

More than you could ever know

(Mais do que você possa imaginar)

Make my wish come true

(Realize o meu desejo)

All I want for Christmas is…

(Tudo que eu quero de Natal é...)

You…

(Você...)


Sem fala.

Eu observei a Any rebolar, sinalizando a letra da música, ela fazia o movimento com a boca, sem som. Sorriu para Emma e dançou, e o rosto da Emma se iluminou como... bem, como uma árvore de Natal, e ela imitou cada gesto da Any, rodando no lugar, dançando com as mãos de jazz, e lançando um sorriso torto com covinha.


…I don't want a lot for Christmas

(... Eu não quero muito de Natal)

There's just one thing I need

(Só há uma coisa de que eu preciso)

I don't care about the presents

(Nem ligo pros presentes)

Underneath the Christmas tree

(Debaixo da árvore de Natal)

I don't need to hang my stocking

(Não preciso pendurar minha meia)

There upon the fireplace…

(Em cima da lareira...)

Santa Claus won't make me happy

(O Papai Noel não vai me contentar)

With a toy on Christmas day

(Com um brinquedo no dia de Natal)

I just want for my own

(Eu só quero você pra mim)

More than you could ever know

(Mais do que você possa imaginar)

Make my wish come true

(Realize o meu desejo)

All I want for Christmas is you

(Tudo que eu quero de Natal é você)

You, baby…

(Você, querido...)


Eu segurei a risada quando a Any cortou a parte de "não ligo pra presentes" e trocou pra Emma por brinquedos me deixam sim feliz, e precisamos sim pendurar as meias, e... isso provavelmente foi uma boa ideia, porque a Emma iria começar a discutir, e pra ser franco, dar um pití.


…I won't ask for much this Christmas

(... Eu não vou pedir muito nesse Natal)

I don't even wish for snow

(Nem quero que neve)

I'm just gonna keep on waiting

(Eu vou só ficar esperando)

Underneath the mistletoe

(Embaixo do azevinho)

I won't make a list and send it

(Não vou fazer uma lista e mandar)

To the North Pole for Saint Nick

(Para o Pólo Norte ao Santo *Nick)

*Nicolau

I won't even stay awake to hear those magic reindeers click

(Não vou nem ficar acordada pra ouvir o barulhinho mágico das renas)

'Cause I just want you here tonight

(Porque o que eu quero é você aqui de noite)

Holding onto me so tight

(Me segurando bem forte)

What more can I do

(O que mais posso querer?)

Baby, all I want for Christmas is you

(Querido, tudo que eu quero de Natal é você)

You, baby

(Você, querido)

All the lights are shining

(Todas as luzes estão acesas)

So brightly everywhere

(Brilhando forte por toda parte)

And the sound of children's laughter fills the air

(E o som de risadas de crianças vem pelo ar)

And everyone is singing

(E todos cantam)

I hear those sleigh bells ringing

(Eu ouço os sinos do trenó soando)

Santa, won't you bring me the one I really need

(Papai Noel, traz pra mim aquilo que eu realmente preciso)

Won't you please bring my baby to me…

(Traz, por favor, meu querido pra mim...)


Eu engoli em seco, percebendo que nunca antes senti um amor tão grande por outra pessoa que não fosse a Emma, mas... a Any é demais. Atenciosa e intuitiva como ela mudava a letra da música para a Emma - como ela mudou "cantam" para "sinalizam", como ela focava mais em dançar e fazer palhaçada quando havia algo que ela não queria traduzir.

Para Any, tudo naquele momento era pra Emma. A Emma não era o centro só do meu universo, ela era o centro do universo da Any também.


…Oh, I don't want a lot for Christmas

(...Ah, eu não quero muito de Natal)

This is all I'm asking for

(Isso é tudo o que eu peço)

I just want to see my baby

(Eu só quero ver o meu querido)

Standing right outside my door

(Parado atrás da minha porta)

Oh, I just want you for my own

(Ah, eu só quero você pra mim)

More than you could ever know…

(Mais do que você possa imaginar)


*Pronta pra última parte, Docinho?* Any perguntou, sorrindo entusiasmada enquanto se ajoelhava na frente da Emma.

*Sim!* Emma deu uma risadinha, e trouxe o cotovelo para perto do corpo com o punho da mão fechado.

Eu juro que vou falar com o Noah sobre isso.

Mas todos os meus pensamentos voaram pra longe quando observei a Emma e a Any terminarem a música.

Repetidamente, elas sinalizavam e dublavam as últimas palavras da música enquanto dançavam juntas.


"Baby, all I want for Christmas…" ("Querido, tudo o que eu quero de Natal...")

*Is you!* (*É você!*)

"Baby… All I want for Christmas…"  ("Querido... Tudo que eu quero de Natal...")

*Is you, baby!* (*É você, querido!*)

"Baby… All I want for Christmas… is you!"  ("Querido... Tudo que quero de Natal... é você!")

*Is you!* (*É você!*)


Parado no lugar, eu só fiquei ali.

Any e Emma faziam cosquinhas uma na outra depois de acabar a música... que começou de novo, mas elas ficaram no chão, brincando uma com a outra, e continuaram a pendurar enfeites, mas... é, eu não funcionava.

Por um tempo.

De uma coisa eu tinha certeza: isso era algo de que eu lembraria pra sempre.

Isso... não, não há palavras para descrever.

Porra, eu ainda era homem? Porque sério, eu não sou conhecido por ser emotivo, mas meu Deus, nessas últimas semanas... elas tem sido além da conta. Num bom sentido, muito bom sentido.

Então eu sorri. De orelha a orelha, porque minha princesa acabara de me notar parado ali.

Any percebeu também e me lançou um sorriso lindo, abaixando um pouco - ou muito - o som da música.

*Papai, você chegou!* Ela parecia super feliz, correndo na minha direção. *A gente tem que beijar! A Any disse!*

Ela parecia o coelhinho da Duracell, quando parou, olhos arregalados e felizes, e um pouquinho antes de chegar em mim, virou-se para Any (que parecia orgulhosa) enquanto eu ajoelhava e ficava da altura da Emma.

*Como era mesmo o sinal, Any?* Emma perguntou, quase quicando de tanta felicidade ou impaciência.

"Você quer dizer azevinho, Docinho" Any riu de leve, segurando um galhinho para ela. "Você segura no alto da cabeça enquanto beija o Papai."

Eu juro que a minha bochecha estava doendo de tanto sorrir, mas valia a pena. Valia muito.

A Emma correu de volta na direção da Any, pegou o galhinho, e segurou sobre a sua cabeça enquanto voltava pra mim e a minha porra de sorriso permanente, porque eu juro: eu sou filho da mãe mais sortudo da face da Terra.

"Eu te amo, Princesa" falei a ela sem som.

"Te amo" ela "disse" de volta, pouco antes de me alcançar e me dar um beijo-molhado-de-Emma bem na boca.

Puta que pariu, eu sou abençoado.

Depois houve alguns beijinhos de esquimó, claro, porque é assim que a gente é. E quando olhamos para a Any, os flashes não paravam, e eu sorri de orelha a orelha de novo, quando vi a câmera.

"Eu tirei várias fotos enquanto a gente decorava a casa" ela disse baixinho, andando para perto de nós.

Claro que tirou, porque você é uma mãe perfeita.

"Você é maravilhosa. Você sabe disso, né?" murmurei, levantando-me com a Emma no colo.

"Você também é. Vocês dois." ela respondeu, ficando nas pontas dos pés para me alcançar. Eu abaixei, mas... a Emma nos interrompeu com um gritinho que me fez contorcer o rosto.

*Você esqueceu disso!* ela sinalizou, nos olhando feio, enquanto enfiava o galho de azevinho na nossa cara.

"Foi mal, Docinho" Any riu, e eu também. "Você segura pra gente?"

*Seguro*. Emma assentiu a cabeça com certa cerimônia, levando sua tarefa muito a sério enquanto eu me abaixava mais uma vez para capturar os lábios da Any com os meus.

"Eu amo o fato de que você às vezes sorri enquanto me beija" ela murmurou contra os meus lábios.

O que me fez sorrir ainda mais.

"Você me fez um homem muito feliz, Any" sussurrei, me afastando do nosso beijo devagar, com alguns outros pequenos beijos castos.

"Suas palavras tem o poder de me fazer desmaiar" ela riu de leve, balançando a cabeça de um lado para o outro. "Eu te amo tanto".

E o meu ego vai explodir.

"Eu te amo mais, querida".

Então Any e eu rimos, porque a Emma - que é uma menininha muito impaciente - exigiu que continuássemos a decorar o apartamento para que a Katie pudesse ver quando chegasse. E enquanto eu e Any obedecíamos ao pequeno furacão e decorávamos para o Natal, eu só tinha um pensamento.

Eu não aguentaria esperar meses para pôr um anel no dedo da Any.




Notas Finais


☆Momentos família ainh🤧

☆Próximo capítulo vai mostrar o que aconteceu com Joaley hihi

☆E o que será que o Beauchamp 'tá aprontando, hem?!🤭😍

☆Até logo, bjs❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...