História It's all about magic - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Visualizações 36
Palavras 3.651
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oi, gente
comecei a dividir os capítulos, dá até pra postar mais rápido
espero que gostem, porque eu adoro escrever essa história 💗

Capítulo 10 - Chapter 9


Tamara                            November 1st 

9:54 a.m.          Sydney, Surry Hills

Mermaids' house

- Quem era? - Naomi me pergunta assim que eu desligo o telefone e coloca uma xícara de café na minha frente.

- Gwendolyn.

- A morena do cabelo cacheado? - pergunta e assinto enquanto sorvo o líquido da xícara. - Ela está bem?

- Sim, disse que vai ficar em casa hoje, então ninguém precisa ser babá dela pra Ashton - dou de ombros.

- Ela não me parece o tipo de garota que precisa de babá, e muito menos o tipo de garota que deixa um cara ser tão protetor assim.

- Ela não é - confesso - Ashton só está longe...e preocupado com a namorada humana.

- Banshee - é a única coisa que Naomi diz antes de focar os olhos verdes em mim, sua beleza é tão exótica que fico hipnotizada.

- Sempre esqueço desse detalhe - digo e estalo a língua.

- Bom dia - alguém cantarola e aparece na cozinha. Clarice sorri para nós, os longos cabelos castanhos estão trançados e os olhos da mesma cor brilham até mesmo de manhã.

- Olá - cumprimento.

- Vocês...hmm... - a garota morde o lábio envergonhada por ter tocado no assunto.

- Sim, Clarice, sim. - Naomi bufa e passa a mão pelo rabo de cavalo perfeito em que seus cabelos lisos negros como nanquim estão presos.

Clarice solta uma risadinha infantil e Naomi revira os olhos, porém vejo a sombra de um pequeno sorriso de diversão passar por seu rosto.

- Garotas - a loira, que achei ser a líder na noite passada, entra na cozinha. Ela usa um robe de seda pink e pantufas e seu cabelo loiro brilha juntamente com os olhos, cristalinos como água.

- Olá, Tânia - Naomi sorri para ela. A loira é seu braço direito pelo visto.

- Bom dia - Clarice cantarola pra ela e Tânia abre um sorriso doce.

- Oi, galera - a morena voluptosa entra bufando na cozinha. O shorts de seu pijama é tão curto que é possível ver metade da sua bunda, e a blusa tão pequena que os seios saltam pra fora. Apesar de todas terem corpos perfeitos, ela é definitivamente, a gostosa do grupo.

- Kim - todas dizem em uníssono e sorriem.

- Cheguei - a garota que faltava entra na cozinha. Seus cabelos são castanhos, e tem um corte repicado até a altura do pescoço. Os olhos dela são escuros como os de Kim, sua boca é carnuda e as maçãs do rosto parecem terem sido esculpidas por um deus.

- A última a acordar como sempre, Célia - Kim brinca com ela e Célia gargalha.

Sinto como se elas fossem uma família. E eu sou a intrusa.

- Preciso ir - solto de uma vez e me levanto abrupdamente da cadeira. As sereias fazem um círculo de proteção em volta de Naomi e mostram os dentes afiados da outra face pra mim.

- Isso não é necessário - ela range os dentes para as amigas.

- Vou resolver umas coisas com minha mãe - digo, o que não é totalmente mentira.

- Claro, Tamara - Naomi sorri suave, mas sei pelos seus olhos que ela não acredita em mim. - Até breve.

- Até - sussurro, dou um sorriso meio estranho e saio da casa quase correndo.

Ando devagar até em casa e encontro minhas irmãs sentadas na mesa da cozinha.

- Bom dia - digo com escárnio ao ver a cara de esgotada das duas.

- Vai se ferrar - Genevieve murmura e enfia uma colher de cereal na boca.

- O que vocês beberam?! - pergunto e abro a porta da geladeira, procurando algo pra comer.

- Pinkbane - Priscila fala arrastado e morde um pedaço do pão.

- Não acredito - dou uma risada e elas grunhem.

- Da melhor - Ginnie sorri de canto.

- Olhe o estado de vocês - torço o nariz.

- É que você não viu antes - Priscila diz.

Me sento na mesa com o copo de suco que peguei.

- Onde você estava? - Ginnie indaga com um sorriso malicioso.

- Ela transou com Naomi - Priscila murmura com a boca cheia.

- A líder das Sereias de Ritton? - Genevieve arfa pasma e deixa a colher cair na mesa.

- Ela mesma - Priscila afirma e Ginnie empalidece. Sinto um enjoô repentino, as emoções dela também refletem em mim.

- Quem são as Sereias de Ritton? - pergunto.

- Ritton era uma ilha pequena, aqui perto mesmo. Havia essas sereias que moravam lá e conviviam pacificamente com os humanos, porém, um dia os humanos mataram a amante da líder delas. E ela resolveu se vingar. Junto com suas quatro fiéis companheiras, as cinco mataram quase a cidade toda, não poupando nem mesmo crianças.

- Não me diga que...

- Sim, Naomi devastou uma ilha apenas porque mataram a amante dela. - Genevieve fala enojada.

- Hm - resmungo e mexo o copo de suco.

- Bom dia, minhas meninas - mamãe desce as escadas e sorrimos pra ela. Ela não aparenta ter nem mesmo cinquenta anos, apesar de ter tantos que perdi a conta.

- Bom dia - respondo.

- O que aconteceu? - ela pergunta após beijar o topo de nossas cabeças.

- Pinkbane - Priscila resmunga.

- Priscila... - minha mãe começa com a conhecida voz de sermão.

- Foi Ginnie que começou - ela acusa.

- Onde você estava, Tamara?! - agora a atenção de minha mãe é em mim.

- Na mesma festa que Priscila estava. Não encontrei Genevieve lá. - dei de ombros.

- E por que não impediu elas de tomarem Pinkbane? - argumenta comigo.

- Porque elas são grandinhas e não sou obrigada a cuidar delas como crianças. - solto de uma vez.

- Eu não estava na festa. Priscila me encontrou no pub.

- Que pub?! - pergunto ao mesmo tempo que mamãe.

- The Siren's Song. - Ginnie responde num murmúrio.

- Ah, pelo amor de Deus! - minha mãe grita. Porém não é um grito normal. Sua voz de sereia amplifica o grito e faz com que nós três nos encolhamos na mesma hora. Meus ouvidos doem - Oh, garotas, desculpe.

- Tudo bem. - respondemos baixinho.

- Por que estavam lá? - ela suspira.

- Porque é um pub ótimo onde apenas gente como a gente vai. A Royal já virou um lixo com a ralé humana entrando. - Priscila chia e minha mãe se enfurece.

- Não ouse usar esse termo para se referir aos humanos novamente. - ela aponta um dedo em riste para minha irmã mais nova.

- Todas sabemos que a senhora apenas não assume, mas também odeia humanos como eu. Você ficaria do lado dos Dominadores se não tivesse tanto medo de lutar. - Priscila grita e seu rosto oscila entre a outra face.

Antes que pudéssemos fazer alguma coisa, mamãe se move, rápido o suficiente para vermos apenas um borrão, e pega Priscila pelo pescoço encostando-a na parede.

- Filha minha não fala assim comigo. - ela cospe as palavras. - Não me importo em que lado fique desde que fique viva, mas não admitirei tal desrespeito quanto às minhas decisões. Nunca mais duvide da minha capacidade de luta.

Eu e Ginnie engolimos em seco, as palavras também servem para nós. Minha mãe solta Priscila, que vermelha como um pimentão leva as mãos ao pescoço e arfa.

- O que querem pro almoço?! - mamãe pergunta alegre e amarra os longos cabelos ruivos, como os de todas nós, num rabo de cavalo. Como se não tivesse acabado de ameaçar a própria filha.

...

Lotus           

"Quando os olhos azuis da cor de safiras encontram meu olhar, congelo.

- Olá, Hemmings - Jacob diz meio cortante.

- Jacob - Luke diz, porém não tira os olhos de mim - Oi, Lotus."

- L-luke - gaguejo, sem fazer ideia do porquê. - O que faz aqui?!

- Creio que sou eu que devo te perguntar. - ele fala e dá mais um passo pra dentro do quarto. Seu olhar recai sobre meu corpo machucado e as bandagens, e sua testa se franze rapidamente.

- Minha mãe me trouxe pra treinar - dei de ombros, explicando o que estava fazendo ali e os machucados.

- Vejo que vai bem - ele ri de escárnio. Por um momento, vejo um lampejo do lobo nele.

- Tente lutar com Caçadoras e vamos ver o quanto aguenta - Jake rosna ao meu lado. Luke apenas arqueia um sobrancelha pra ele e foca sua atenção novamente em mim.

- Onde estão suas amigas?!

- Gwendolyn e Tamara têm as próprias coisas pra resolver - digo e escuto um barulho no corredor, revirando os olhos, dou um grito: - Ela está bem aliás, Ash!

Escuto a risada dos outros meninos e Luke sorri minimamente.

- O que está acontecendo aqui?! - Kai entra esbravejando no quarto.

Escuto rosnados vindos de Calum e Mike. Luke exibe os dentes para o loiro.

- Kai, está tudo bem - digo e seu rosto se suaviza quando ele olha pra mim. Como se não bastasse Jake na postura protetora ao meu lado, Kai faz o mesmo do outro lado. - Está tudo bem - rosno.

Luke parece curioso e incomodado com a proteção. 

Madison dá risada, como já me acostumei com ela na forma verdadeira - a que é parecida comigo - franzo o cenho ao ver o rosto de traços marcados, substituído pelo rosto de traços angelicais que a faz parecer uma boneca. Os cabelos e olhos castanhos claros parecem errados. A pele, antes, um pouco dourada como a minha, agora é rosada como a de um bebê.

- O que foi, Lottie?! - ela cantarola. Ela exibe um sorriso, porém esse rosto não sei ler e desvio o olhar.

- Nada - dou de ombros e volto meu olhar pra Luke.

Quando vou abrir a boca para perguntar o que vieram fazer ali em casa, a porta se abre com um estrondo e Lorelai aparece rosnando. Kai e Jake se retesam atrás de mim.

A loba olha pra mim e abre um sorriso de escárnio, engulo em seco com medo.

- Mas é claro! - ela diz alto num tom sarcástico - É claro que a bruxinha devia estar envolvida pra demorarem tanto.

Fico quieta e Maddie tenta encobrir a expressão de irritação que toma conta do rosto angelical.

- O que está fazendo aqui, Lotus!? - Lorelai rosna pra mim.

- Talvez porque a casa é minha?! - respondo em uma pergunta. Os olhos de Lorelai brilham de ódio como se ela tivesse esquecido.

- Tome cuidado com o tom, bruxinha - ela mostra os dentes pra mim.

- Tome cuidado com o seu tom - chio pra ela e dou um passo a frente - E se me chamar de bruxinha mais uma vez, vamos ter um problema.

- Ah, é?! - ela gargalha - Você quer mesmo me enfrentar, bruxinha?

Não dou tempo de ninguém reagir e jogo um murro de ar sólido pra cima da garota. É tão inesperado que sua cabeça bate na parede a suas costas e um fio de sangue escorre pelo seu nariz.

- Isso foi por Gwendolyn. Mexa com alguém que tenha as mesmas habilidades que você, vadia. - rosno, Lorelai toca o nariz e assim que vê o sangue ela me fita com um olhar assassino - E não sou uma bruxa, sou uma feiticeira.

Sua expressão de raiva não se altera, porém seus olhos mudam, quase acredito que seja medo.

- Feiticeira? - ela parece desorientada.

- Vamos embora, Lorelai - Kayla aparece e coloca a mão no ombro da morena.

- Parece que não é tão fraca quanto parece, Lotus. Você conquistou meu respeito, feiticeira - Lorelai fala e sinto a verdade em sua voz. Assim que ela se vira, chama: - Vamos, Luke.

Ele se vira sem hesitar e nem mesmo se despede. Maddie revira os olhos e sai atrás deles.

- Ficou maluca?! - Jake pergunta gritando e me puxando, fazendo com que eu olhe pra ele.

- Não! - grito de volta e me desvencilho dele.

- Ela podia ter te matado. - ele rosna e seus olhos brilham.

- Não com vocês aqui - digo, os dois sabem que é verdade e sinto eles se acalmarem.

- Militibus, então?! - Kai pergunta ao olhar pra gente. Assinto e ele sorri. - Quando vai ser a cerimônia?

- Que cerimônia?! - engasgo na frase.

- Kai fez parecer que é um casamento. - Jake revira os olhos - A cerimônia é um rito onde os Militibus unem as almas em batalha.

- Quando pode ser? - me animo e Jake sorri.

- Hoje mesmo se quiser, Lotus.

- Meu Deus, vamos. Vamos fazer isso - sorrio.

Kai começa a uivar e gargalho. Jacob me coloca nos ombros como um saco de batatas e nem reclamo. No meio do caminho, andando pelos corredores da mansão com os cachorro em nosso encalço, encontramos Madison.

- O que foi?! - ela franze o cenho, o que é estranho demais com a máscara angelical.

- Me coloca no chão, Jacob - soco suas costa e logo sinto meus pés no chão. - Tire essa máscara do rosto pelo amor de Deus - digo pra Madison e ela sorri, logo o feitiço se desfaz e vejo a semelhança entre nós novamente.

- Onde estão indo? E por quê? - ela arqueia a sobrancelha.

- Desculpa, não te levamos a sério com você usando sapatilhas e um vestido rosa pastel - Kai diz apontando pra sua roupa.

- Vai se ferrar - ela solta pra ele. - Respondam a minha pergunta.

- Somos Militibus, senhorita irmã - digo e Jake passa o braço sobre meus ombros - E estamos a caminho da cerimônia.

- Vestidos desse jeito?! - ela exclama ultrajada. Olho pra minha roupa, ainda estou com o top de academia e a legging. Jake usa uma calça de academia e uma blusa fina branca.

- Por que não?! - perguntamos juntos e ela grunhe.

- Nikai - ela aponta para Kai - Arrume Jacob. - Depois, me pega pelo braço e me puxa na direção oposta. Entramos num quarto e ela grita o nome de uma das empregadas.

A moça tem olhos e cabelos escuros e uma pele cor de caramelo maravilhosa.

- Esta é Padma - Maddie apresenta e a garota abaixa a cabeça em reverência.

- Meu Deus, não faça isso - dou risada e ela pede desculpas. Me sinto culpada por ela ter achado que a repreendi - Não foi nada, quer dizer, pode me tratar normal.

- Padma é devota a nossa família. E é uma bruxa elemental. - Madison explica e sorri.

- Vou ajudá-la rapidamente, senhorita - sua voz é doce e aveludada.

- Obrigada.

Madison sai do quarto murmurando alguma coisa e enquanto isso Padma me arruma.

Suas mãos são firmes e trançam meu cabelo com perfeição, ela não passa maquiagem em meu rosto, apenas esfrega uma pétala de flor nos meus lábios. Brincos de argola dourados são colocados nas minhas orelhas e Padma me entrega inúmeros anéis da mesma cor para que eu coloque nos dedos.

- Achei as coisas perfeitas - Madison entra no quarto cantarolando, ela carrega um vestido tubinho curto e sem decote - a gola reta delineia o pescoço - botas de salto quadrado, uma meia-calça preta e uma jaqueta de couro.

Visto tudo rapidamente atrás de um biombo e quando saio as duas sorriem.

- A guerreira perfeita - Maddie ri.

- Trinimae - Padma parece me ver pela primeira vez e está deslumbrada.

- O que disse?! - pergunto. Madison empalideceu.

- Trinimae - Padma repete e faz uma reverência.

- O que ela disse, Madison? - indago e minha irmã engole em seco.

- A Escolhida - sussurra, seus olhos parecem fora de foco. Padma murmura uma prece que não entendo.

- Madison - chamo.

- Oh, desculpe, deixe isso pra outra hora - ela sorri, mas quase posso ver as engrenagens girando em sua cabeça. - Olhe-se no espelho, maninha.

Me viro e olho no espelho grande de corpo inteiro. Meu cabelo foi arrumado em tranças finas nos lados da cabeça e com um topete no centro, o resto estava solto e escorria pelas costas. Minha roupa me fazia parecer uma guerreira moderna e Madison riu ao me ver analisando o traje, deslumbrada.

- É que você ainda não viu quando colocamos os coldres, bainhas e tudo mais pra lutar - ela sorri e devolvo o sorriso. Passo a mão pelas tranças, tão delicadas e perfeitas.

- As tranças significam a união, senhorita - Padma esclarece e sorri. Assinto para ela.

- Vamos, já está quase na hora da cerimônia - Madison me puxa.

Ela também trocou o vestido cor de rosa e agora veste um vestido e uma jaqueta idênticos aos meus, porém na sua jaqueta há insígnias do lado direito do peito.

Entramos num salão redondo, pequeno se comparado aos outros da casa, mas lindo em cada detalhe. As paredes de pedra eram entalhadas com figuras mitológicas e contavam um tipo de história. O teto abobadado era baixo e as histórias continuavam ali também. A sala era iluminada apenas pelas velas na mesa central, encostada ao fundo, e por algumas candelabros espalhados estrategicamente para iluminar igualmente o ambiente. Havia algumas fileiras de bancos nos dois lados e um corredor no centro. Parecia uma capela.

- Lotus? - Jacob chamou e me virei. Na hora que me viu, ele sorriu. - Meu Deus, você com certeza é minha irmã.

- Somos irmãos de alma e na guerra - sussurro e levanto a mão, ele emparelha sua mão na minha

- Somos irmãos de alma e na guerra - sussurra de volta e flexiona seus dedos junto com os meus.

- Lindíssimos - Kai debocha entrando no salão.

- Cale a boca, Nikai - Maddie que estava arrumando algo na mesa central vem andando até nós.

- Olá, crianças - minha tia cantarola entrando no salão. 

Ela usa uma roupa idêntica a minha e a de Maddie, porém na dela há ainda mais insígnias. Olho a roupa de Jake e de Kai; calça preta, blusa preta e uma jaqueta de couro como as nossas.

- Essa é a nossa marca, sobrinha. O Clã Fantasma.

- Ah - estou extasiada demais para dizer qualquer outra coisa. O cabelo de Jacob está trançado no lado direito da cabeça.

- Boa noite - meu pai entra na sala. Os meninos abaixam a cabeça em sinal de respeito quando meu pai passa por eles e beija minha testa - Pequena Lotus.

- Oi, pai - sorrio.

- Jake é seu irmão de guerra, então?

- Aham - assinto, ele aperta firmemente a mão de Jacob.

- Devemos começar?! - Adelina anda em direção à mesa.

Madison, Kai e meu pai sentam na primeira fileira de bancos. Enquanto, eu e Jacob, ficamos parados na frente da mesa e Adelina atrás dela.

- Não é um casamento, garota, se acalme - minha tia chia pra mim. Agora que me acostumei com minha família, sei que é o jeito dela de me tranquilizar.

Adelina tira uma adaga de uma das bainhas em volta de sua cintura e me assusto. A lâmina devia ter uns vinte centímetros e brilhava, com certeza afiada o suficiente para cortar ar.

- Calma, Lotus - Jake apertou minha mão.

Adelina mergulhou a mão em uma grande tigela rasa no centro da mesa e começou a entoar algo. Então, passou a água no rosto, metodicamente, dizendo passagens enquanto fazia cada passo. Primeiro na testa, depois no nariz, logo em seguida na boca e por final fez uma cruz acima do coração.

- Com os poderes concedidos pela Mãe dos Três Rostos, presido hoje essa cerimônia. Onde duas almas irmãs, desejam se unir. - sua voz, mesmo sem microfone, retumba pela câmara. - Lotus Phantom e Jacob Warren se unirão para sempre. Irmãos de alma, irmãos de coração, irmãos de guerra. Repitam.

- Irmãos de alma, irmãos de coração, irmãos de guerra - repetimos. Adelina faz com que fiquemos de frente um para outro e unimos as duas mãos.

- Que pela união de sangue vocês estejam ligados sempre e para sempre - Adelina entoa e entrega a adaga cravejada de jóias na mão de Jacob.

Ele passa a afiada lâmina na palma da mão direita e o sangue verte rapidamente, depois estende a faca pra mim, mas balanço a cabeça em negação. Ao invés disso estendo a mão e Jake sorri a pegando, quando a lâmina toca minha palma, estremeço.

- Agora, juntem as mãos para que o laço de sangue seja concretizado - minha tia diz, Jacob devolve a adaga e aperta a mão na minha.

Sinto um êxtase correndo nas veias e Jacob parece sentir o mesmo, porque seus olhos brilham.

- Sempre e para sempre - Jacob sussurra e sussurro de volta.

- Sempre e para sempre.

Meu pai, minha tia, Maddie e Kai aplaudem.

- Lotus - Jacob me chama e volto o olhar pra ele. - Pegue.

Ele coloca uma corrente em minhas mãos e a seguro com força. A corrente é prateada e tem um pingente de pata, o pequeno pingente tem garras afiadas e tem uma pedra caramelo no centro, da cor dos olhos de Jacob.

- É lindo - digo, ele coloca a corrente no meu pescoço e sorri.

- Aqui, Lotus - Adelina me cutuca e me dá uma corrente. A corrente é idêntica a que Jacob me deu, porém o pingente é uma flor de lótus prateada com uma pedra da cor dos meus olhos.

Coloco ao redor do pescoço de Jacob e ele me abraça.

- Cuide da minha garota - meu pai fala quando descemos do altar.

- Irei, senhor - Jacob fala.

- Pelo amor, eles são Militibus, Lotus o protegerá igualmente - Maddie diz e passa o braço sobre meus ombros.

- Vamos comer o quê pra comemorar?! - Kai pergunta.

- Bolo - Adelina sugere e abre um sorriso conspiratório. Ela estala os dedos e um bolo surge em sua mão estendida.

- Você precisa me ensinar a fazer isso - digo e dou risada.

- Depois que comermos, claro - Jake gargalha e engancha meu pescoço com o braço.

- Seu namorado vai matar você - Maddie fala ao nos olhar.

- Até parece - falo séria. Se Rodrick não gostar, o problema é dele.

- Vamos nos empanturrar de bolo, galera - Kai diz e sai da câmara. Seguimos atrás dele, rindo e conversando.

Meu pai parece estar feliz, com a sombra de um sorriso no rosto. Adelina tagarela com Madison sobre alguma reunião importante, Kai e Jake jogam conversa fora. E eu, poderia explodir de felicidade, apenas por estar ali junto deles.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...