História Jamais Esquecer - Interativa - Capítulo 5


Escrita por: ~

Visualizações 57
Palavras 1.530
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Violência
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Depois de muito tempo sem postar nada... Aqui estou! Eu ganhei meu notebook ontem a noite, e tive que configurar ele inteiro, então só pude escrever agora. Não sei se está pequeno, até por que nesse notebook aqui é meio diferente... Ele é Windows 10, para quem quer saber '^^ - EU CONSEGUI GANHAR MAIS DE DOIS MIL DE DESCONTO POR QUE DEU FALHA NO SISTEMA E A LOJA FEZ ISSO! AAAAAAAAAAAAA

Bem, espero que gostem! Caso suas personagens estejam erradas e suas atitudes estejam diferentes, perdão!

Ah, eu vou demorar um pouco pois estou escrevendo o Geração dos Milagres vs Geração das Deusas! AAAAAAAAAAAAH, e, também, eu queria saber se vocês querem um crossover com Haikyuu >.<

AAAAH, eu também escrevi menos do que estou acostumada pois estou tentando me acostumar com esse teclado... Bem, minha bateria já vai acabar!

Desligando, tchau!


Enjoy!

Capítulo 5 - Elas queriam apenas uma coisa



Vamos, vamos... Sorria, você é a perfeita Tsuki Megami, afinal de contas. Nem sempre todos nascem com sorte ou riqueza, Megami foi uma das sortudas que nasceu com tudo o que se podia desejar. Porém, em troca, ela viveu em constantes conflitos extremos e estranhos a seu ver.


A garotinha mais perfeita da história da família Tsuki, era assim que Megami era considerada. Talvez ela devesse parar de pensar em seu passado e viver o presente, porém era impossível esquecer todas aquelas coisas de forma tão rápida, afinal, o que nos prende na maioria das vezes é nosso próprio passado.
Megami acabou por surtar quando sua mãe decidiu noivá-la com um dos herdeiros de uma empresa qualquer que ela não tinha interesse em saber o nome. Já não era mais possível Tsuki Megami alcançar a perfeição do modo que todos tanto desejavam.
Então, ela conheceu Akashi Seijuro e o alcance da perfeição esteve mais próximo de seu mundo. Mas, as consequências disso foram extremas, e talvez Megami desejasse que aquilo jamais houvesse acontecido consigo ou com ele.


Prazer, meu nome é Tsuki Megami, capitã da Geração das Deusas, e essa é a história onde nós caímos no mais profundo abismo apenas por meninos qualqueres.


Mei observava com certa irritação o quadro de notas. Ela estava em terceiro nas notas gerais, mais uma vez. Akashi Seijuro em primeiro, Tsuki Megami logo em seguida, ela, então sua outra colega de clube, Blanch Marie. Então, suspirou e começou a ir embora, não olhando para trás.


Mei não nasceu com tanta sorte assim. A mãe não queria uma criança, e por conta das leis não pode abortar. Então, assim que a Shibasaki nasceu, ela foi embora e Mei se recusou a ouvir algo sobre "aquela mulher", como ela mesma dizia. Acabou que suas únicas figuras familiares foram seu pai, seus tios e seus avós. Masaomi, seu pai, deu duro para conseguir distinguir o tempo em dar atenção para a filha e seu trabalho, como CEO de uma empresa famosa. Mei sempre soube do esforço do pai e por isso jamais quis dar trabalho a ele, esse foi um dos motivos para se empenhar tanto em conseguir o primeiro lugar.
Então, ela mudou de cidade e tudo mudou. Engrensou na Teikou e seu primeiro lugar em absolutamente tudo foi para o ralo. Não importava o que, parecia que Akashi Seijuro, Tsuki Megami e Blanch Marie eram insuperáveis em termos de estudos. Além da clara facilidade em esportes. Eles eram perfeitos a primeira vista, mas Mei era uma observadora nata. Sabia sobre a tristeza e o desespero que se escondia nos olhos da Tsuki, a tristeza e infelicidade nos olhos do Akashi e do medo e insegurança nos olhos da Blanch.
Mei agradecia por não ser assim. Por não ter o desespero que dois deles possuíam, e nem o medo de Marie. Por mais raiva que ela tivesse deles, a Shibasaki sabia que eles tinham uma vida difícil e mesmo assim suportavam, ela admitia se sentir admirada, porém apenas em sua mente.


Meu nome é Shibasaki Mei, gerente feminina da Geração das Deusas, e está é a história onde eu finalmente jamais serei rebaixada ou inferiorizada, porém com a consequência de ver a maoria das pessoas que estarão ao meu lado sofrerem. Admito não gostar de algumas, mas elas são jogadoras que eu prometi levar para a vitória e decolar junto, então, prometo tentar ajudar o máximo possível.


Marie observava a capitã com certa insegurança, já a loira a olhava com carinho raramente visto em seus olhos. Ela se sentia estranha naquela equipe, uma intrusa. Não conseguia iniciar assuntos com a maioria, mas Megami fazia parecer tão fácil... Ela sentia certa inveja do jeito de ser de Megumi e Megami, ambas tão confiantes e fortes. Então, ouviu a voz da capitã lhe chamar para conversar e respirou fundo, lembrou-se de Ella, e decidiu ser forte para aquilo. Ela veria Ella e mostraria que havia virado uma ótima jogadora de basquete.


Marie era francesa. Muito poder, riqueza, uma grande família. Porém, ela foi considerada um erro por sua aparência e seu defeito ocular. Olhos de cores diferentes, Marie foi considerada uma aberração e ela nem mesmo tentava mais negar após tantas vezes aquilo acontecer. Seu irmão gêmeo, Adam, jamais foi considerado um erro. Ele era perfeito e aceito perfeitamente na sociedade, uma coisa que Marie queria ser. Mas, ela não teve inveja. Adam sempre a amou e tentou passar seu tempo livre com ela, para ela não se sentir mais solitária. Sentia pena dela.
Várias e várias aulas, sempre as mesmas. Comportamento, instrumentos, costurar... Pelo que parecia, eles queriam que ela fosse útil em algo pelo menos. Marie estava crescendo cada vez mais isolada de tudo e todos. Amigos mimados e ricos? Não queria. Não por não confiar, e sim pois sabia que eles lhe jugariam pelos seus olhos, olhos cujo foram tão elogiados por suas colegas de clube.
Na Internet, conheceu Ella, então acabou conhecendo mangás e jogos. Acabou que Marie amou aquela realidade falsa que podia criar em seu subconciente e decidiu se isolar de absolutamente tudo e todos, desta vez quase nem indo as aulas extras que seu pai queria, não queria que alguém visse o quão patetica ela era, afinal, quem se escondia por trás de tudo? 
Marie, na verdade, se lembrava de conhecer Mei e Megami em uma festa social de quanto ela era apenas uma criança. Lembrava de conversar com a ex-animada loira, trocar algumas palavras educadas com Mei. Aquele fora o único dia em que ela conseguira ser uma criança normal e ter amigos. Porém, ela logo descobriu que ambas eram japonesas - meia, no caso de Megami - e voltariam para seu país de origem após a festa.
Marie, então, decidiu querer ir ao Japão. Pediu ao seu pai, e ele aceitou, com apenas uma condição: ela teria que viver com Madeline, a empregada que cuidava dela há um tempo. A Blanch jamais esteve tão feliz e surpresa, afinal ele havia recusado seu pedido de ir até os Estados Unidos para conhecer pessoalmente Ella.


É um prazer, meu nome é Blanch Marie, jogadora e vice-capitã da Geração das Deusas, e está é a história onde posso tentar aprender a superar tudo o que passei. Espero sinceramente que se divirtam lendo tudo isso que aconteceu conosco, pois tempos sombrios virão, então, aproveitem a temporada feliz e alegre que esta acontecendo.


Miho, diferente da maioria das colegas, era a mais tímida. Não conseguia quase pronunciar uma frase corretamente e sem gaguejar, mas em quadra ela se sentia viva. Feliz, forte, outra pessoa. Miho estava na quadra, protegendo a cesta e sorrindo levemente com a sensação que queimava forte em seu peito.
Suas lembranças de sua vida voltaram rapidamente a sua mente e aquilo apenas a deixou ainda mais excitada para ir contra sua rival, Masami Hanami.


Miho cresceu sobre os cuidados da mãe. Seu pai, quando sua mãe ainda estava grávida dela, havia sofrido um acidente de carro. A notícia correu por inúmeros jornais e sua mãe teve que se esconder por um tempo até tudo parar, afinal ele era um famoso jogador de basquete e a morte dele era um baque para quase todo mundo esportivo.
A discriminação na escola foi a que mais incomodou. Ela não entendia, o que havia o fato dela não ter pai? Miho simplesmente não tinha um deles e pronto. Sua mãe a criou de modo que ela parecia não precisar de uma figura paterna e aquilo a ajudou a superar várias coisas.
Então, sua paixão de infância por seu vizinho, e também seu único amigo, começou. Takao Kazunari era diferente de várias pessoas, ele era simplesmente puro de mais. Visível de mais, expressivo, o total oposto de Miho. Ela se sentia a vontade com a companhia do outro ao seu lado e não negava isso.
Não "nasceu com sorte" como Megami, Mei ou Marie, porém ela vivia uma vida média no caso financeiro. Jamais lhe faltou nada e aquilo já estava ótimo a seu ver.
Então, ela entrou na Teikou e sua paixão pelo basquete simplesmente aumentou.


É-é um g-grande pra-prazer conhecê-los, m-meu nome é Minazuki Miho, jogadora da Geração das Deusas, e está é a história onde a verdade e a reliadade são exploradas de modo certo. Essa é a história onde todas nós amadurecemos com o tempo e sofremos com isso.


Kawasaki Megumi era frequentemente comparada a sua capitã, justamente pelo nome e cabelos. Ela acha aquilo ridículo! Não tinha nada haver com Megami, afinal. Elas eram amigas de infância sim, mas... Suas personalidades eram totalmente diferentes! Megumi sinceramente se irritava com aquele mundo que apenas por aparência a julgava.


[Como eu já deixei a apresentação de vida dela, eu achei melhor não falar sobre a vida dela por enquanto, assim como eu não me aprofundei tanto em detalhes nas histórias das outras.]


Eii! É um grande prazer, sou Kawasaki Megumi, jogadora da Geração das Deusas, essa é a história... An, eu esqueci o que está no roteiro... 



Elas tinham um grande futuro pela frente. E, após tudo aquilo acontecer a elas, tudo o que a Geração das Deusas queria era descanso.
 


Notas Finais


Ah, uma coisa, eu queria saber... Vocês acham que estou dando favoritismo para a Megami ou para outro personagem? É que eu estou meio preocupada com isso...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...